Foto de cecilia galeano en h extremo

Foto de cecilia galeano en h extremo

 


POR QUE SÃO CONVOCADOS TANTOS JOGADORES PARA A SELEÇÃO BRASILEIRA ?
O TEXTO ABAIXO SERÁ QUE RESPONDE?


Reunião de Neymar em Londres escancara balcão de negócios da CBF pós Copa-2010
Gustavo Franceschini, Ricardo Perrone e Thales Calipo, do UOL
O clima permissivo encontrado no hotel The Dorchester, durante a passagem da seleção brasileira por Londres, na última semana, não foi uma exceção. Desde que o Brasil foi derrotado na Copa do Mundo de 2010 e, consequentemente, o comando técnico foi trocado, as portas das concentrações voltaram a ficar abertas a olheiros e empresários em geral, em postura completamente oposta à adotada por Dunga durante sua gestão.
Em Londres, antes do jogo com a Escócia, por exemplo, pelo menos oito empresários tiveram acesso livre aos jogadores brasileiros. Entre eles, estavam nomes como o de Pini Zahavi, um dos maiores agentes do futebol mundial, e Kia Joorabchian, conhecido no país por comandar o fundo de investimentos MSI, ex-parceiro do Corinthians.
Também tiveram contato com os atletas em Londres alguns agentes brasileiros, como Wagner Ribeiro (que representa Neymar e Lucas) e Carlos Leite (empresário de Mano Menezes e do meia Renato Augusto).
O encontro entre agente e atletas em Londres não só aconteceu com a permissão da CBF, mas contou também com a participação direta da entidade. Dois funcionários da seleção brasileira recepcionaram os agentes no saguão.
O esquema foi simples. Os empresários ficavam num canto do lobby do hotel The Dorchester e, após o jantar, os atletas foram encontrá-los. As conversas duravam, no máximo, 20 minutos. Até o técnico Mano Menezes conversou com alguns dos ?visitantes?, dando claro sinal de que aprova o trânsito dessas pessoas.
Os agentes alegam que não se fala de negócios nessas visitas. E que elas servem apenas para distrair os jogadores e para os clientes dizerem se precisam de algo. Argumentam que na Copa da África, alguns atletas não ficaram à vontade com a clausura imposta por Dunga. Luís Fabiano foi um deles.
No estádio, já sem nenhuma ligação com a CBF, os empresários estavam em ritmo de encontro de negócios. Wagner Ribeiro e Thiago Ferro, da DIS, ligada ao grupo Sonda, assistiram à partida no camarote de Zahavi. Após o jogo, eles jantaram com Neymar.
A seleção brasileira registrou posturas completamente opostas em pouco menos de quatro anos. Durante a preparação para a Copa do Mundo de 2006, o técnico Carlos Alberto Parreira atendeu aos interesses comerciais da CBF e permitiu a realização de uma ?pré-temporada? em Weggis. Com os cofres cheios, a entidade transformou o período que serviria para a preparação dos atletas em um grande show.

Esse clima festivo chegou à concentração. Além da liberdade para curtirem a noite, os jogadores esbarravam diariamente na recepção do hotel com torcedores batendo bola e até atrizes pornôs. Empresários gozavam da mesma liberdade e aproveitavam para estreitar laços com os atletas.

Todo esse oba-oba foi apontado posteriormente pela CBF como o grande motivo para o fracasso no Mundial de 2006. Diante disso, Dunga foi contratado com a missão de mudar esse panorama. E, para isso, o técnico radicalizou ao blindar completamente o grupo da seleção, afastando assim os atletas dos empresários, torcida e imprensa.

O novo fracasso fez a CBF, mais uma vez, mudar de ideia. Com Mano Menezes, o presidente Ricardo Teixeira anunciou que pretendia reaproximar seleção e torcedores.
O convívio entre agentes e jogadores, no entanto, não se resume à concentração da equipe principal. Nas categorias menores, o entra e sai de empresários acontece da mesma forma, com representantes de clubes abordando diretamente alguns dos destaques do time nacional.
No Peru, durante o Sul-Americano sub-20, realizado no início deste ano, os empresários não encontraram nenhuma barreira para conversar com atletas. Logo após a conquista do título, por exemplo, enquanto acontecia um churrasco nas dependências da concentração, o olheiro Pieter de Visser, do Chelsea, abordava livremente os volantes Casemiro, do São Paulo, e Fernando, do Grêmio, a poucos metros do local em que acontecia a festa.
Grande astro do time comandado por Ney Franco, o atacante Neymar também teve pelo menos um contato com Albert Valentim, representante do Barcelona no torneio. Os dois acompanharam a vitória do Brasil sobre o Equador por 1 a 0 na tribuna de honra do estádio Monumental UNSA, em Arequipa. O dirigente já havia destacado o interesse especial pelo futebol do atacante santista.
Neymar, por sinal, esteve acompanhado durante toda a disputa do hexagonal do Sul-Americano por seu pai, que frequentemente era visto conversando com alguns dos muitos empresários hospedados no mesmo hotel em que estava a seleção sub-20. Um deles era Nick Arcuri, representante de Jucilei, ex-Corinthians, e que estava no Peru acompanhando outro cliente seu, o atacante Willian José, do São Paulo.
Esse fenômeno já atingiu até a seleção brasileira sub-17, que está no Equador disputando o Sul-Americano da categoria. Apesar de a grande maioria ainda estar longe do time profissional, empresários tentam prospectar novos clientes diretamente na fonte, como acontece com Andrigo, que já desperta o interesse de gigantes do futebol mundial. A revelação do Internacional, no entanto, conta com o suporte in loco de um representante da DIS, empresa que agencia a sua carreira, para quaisquer contatos.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Semelhanças arquitetônicas

Portugal


Garopaba

Visite para ver ótimas fotos de diversos países

Portugal
http://www.yvettedefrance.com/Photos-du-monde/A1/Portugal.htm
Brasil
http://www.yvettedefrance.com/Photos-du-monde/A_sud/bresil/bresil.htm

vários países

http://www.yvettedefrance.com/Photos-du-monde/Fotos_monde.htm

Colaboração da leitora Ellen Augusta

Tu até me deu uma idéia

http://lauromid.blogspot.com/2011/03/seu-joao-um-lutador.html

lauro dieckmann

Coleguinhas

O Mendelski colocou no ar ontem o padre que responde pela comunicação aqui da Igreja Católica sobre aquela falcatrua dos 2,5 milhões que eles tomaram,ou estavam por tomar....


Acho que de ingênuo não tem ninguém ali....A Santa Madra IGreja ingênua...ora bolas, leiam os Subterrãneos do ]Vaticano me parece que do André Gide ou aquela livro que foi colocado na lista negra sobre o papa que durou 30 dias. ele queria terminar com o Banco do Vaticano....

Cosmam conhecerá transporte hidroviário Capital-Guaíba

Os vereadores que integram a Comissão de Saúde e Meio Ambiente (Cosmam) da Câmara Municipal de Porto Alegre fazem parte da comitiva oficial para mais uma das viagens experimentais no trajeto de interligação da Capital com a cidade de Guaíba pelo modal hidroviário. Eles estarão a bordo de uma das embarcações da classe catamarã da empresa Catsul. A companhia venceu a licitação para realizar o transporte de passageiros pelo Guaíba, mas aguarda as licenças finais de modo a iniciar a operação comercial dos equipamentos. Nesta viagem, será analisada a possibilidade incluir pontos de parada na zona sul de Porto Alegre, usando o antigo pier do Bairro Vila Assunção, e a construção de outros dois, possivelmente em Ipanema e no Lami. A viagem experimental está marcada para às 9h30min desta quinta-feira (31/3).

Fernando Cibelli de Castro (reg. prof. 6881)

Recebo do Serginho

que no momento se recupera

de sua saúde. Aconselho a leitura da biografia sarneyana, da regina echeverria....


ainda não entrei em forma.logo eu saia dessa mando mais noticias para ti.hoje não tenho saco para escrever...
mas deixa eu te contar uma histórinha que corre por aqui...
Com a chegada de novos deputados,apareceu por aqui,um casal,ainda em lua de mel.Só que a esposa,uma linda mulher,quando está fazendo sexo,grita feito uma louca. Isso irritou as esposas dos demais deputados que moram no mesmo predio. Pediram aos maridos,que fossem reclamar para o deputado,sindico do prédio.O pedido foi atendido e o deputado sindico resolveu chamar a atenção do deputado marido,pedindo que ele pedisse para a sua linda esposa menos gritaria,na hora do bem bom.Na primeira noite depois da bronca,lá está o marido e a sua jovem esposa na cama.A moça comeou então a gritar,quando o marido advertido,resolveu cochichar no ouvido da moça- "fale baixhinho filha da puta...." a esposa obediente não teve dúvidas e começou aos berros a gritar:
"baixinho filha puta.....A emenda ficou pior que o soneto,como dizem lá em Bento.

Sergio Ross


MUSEO CASA DE CARLOS GARDEL


Olides.

Estava fazendo uma leitura no teu blog e me deparei com a senhora e leitora Neuza Penalvo, de São Borja, discordando com o tema sobre a vida e obra de Carlos Gardel. Outro detalhe é sobre a nacionalidade do cantor. Até hoje ninguém comprovou a nacionalidade dele. Eu apenas fiz a matéria com os dados obtidos na Casa Museu de Carlos Gardel, em Buenos Aires. O local funciona desde 2003. O local é uma casa de construção típica do princípios do século, e tem no seu interior todo o patrimônio e obra do cantor Carlos Gardel. Assim é que Gardel, o tango e o museu, marcaram o bairro, que com seus restaurantes, os salões para dançar tango, seus muros, e mais, mantém viva sua lendária presença.
Senhora Neuza Penalvo.
Estes são os horários de funcionamento da Casa museu de Carlos Gardel, seu endereço e mais o E-mail, para dúvidas e contatos, ok. Um abraço. Gelson Farias.

Horários:
Segunda, Quarta, Quinta e Sexta – Feira: das 11 às 18 horas.
Sábado, Domingo e Feriados: das 10 às 19 horas.
Informações: Localização: Juan Jaures 735.
Almagro., Buenos Aires E-mail:


Esta é Ca Nuseu de Gardel


Gelson Farias
051-85252352
e-mail:
msn:

Garibaldi recebeu volume recorde de 16,2 milhões de quilos de uva


Clademir Dalla Corte (vice-presidente), Adair Cecconi (secretário do conselho), Oscar Ló (presidente), Edmar Mattuella (advogado) e Alexandre Angonezi (diretor Administrativo)
Assembléia lotou instalações da Cooperativa Garibaldi
Fotos André L. Rech


Crescimento em relação à safra anterior somou 32% na colheita realizada junto a 347 associados da cooperativa em 10 municípios da região
A Cooperativa Vinícola Garibaldi recebeu 16,2 milhões de quilos de uva de seus 347 associados de 10 municípios da Serra Gaúcha na atual safra. O volume recorde é 32% maior do que os 12,3 milhões de quilos colhidos no ano passado. No início da safra, o presidente Oscar Ló projetava o recebimento de 13,5 milhões de quilos. “Este crescimento além do esperado se deve ao estímulo dado pela cooperativa aos seus associados, sempre em busca de sua maior sustentabilidade”, afirma. “Além da quantidade maior, a qualidade será bem melhor do que a do ano anterior”, destaca o Oscar Ló. “Teremos vinhos, espumantes e suco de uva de qualidade superior este ano”, comemora.
As informações foram reveladas na Assembleia Geral da cooperativa, realizada no dia 25, no Salão Comunitário do bairro Cairú, em Garibaldi. A prestação de contas foi aprovada integralmente pelo Conselho Fiscal. O faturamento da Garibaldi de 2010 fechou em R$ 45 milhões. De acordo com Oscar Ló, a projeção para este ano é alcançar um crescimento de 17%, o que resultará em um faturamento de R$ 52,65 milhões para 2011.
Conforme balanço apresentado, foram investidos R$ 9,5 milhões nos últimos três anos, sendo que em 2010 foram aplicados R$ 6,5 milhões em uma nova e moderna planta de suco de uva, aumentando a capacidade produtiva de 1,5 milhão de litros para 8 milhões de litros. Foi reformado um pavilhão e adquiridos equipamentos de última geração que mudarão completamente o processo de produção do suco de uva. Para este ano, devem ser elaborados 3 milhões de litros de suco de uva pela Garibaldi. O restante será ocupado com a produção de vinho. Novos tanques para a elaboração de espumantes igualmente foram instalados em 2010.
Para o ano em que comemora 80 anos de vida, a Garibaldi projeta R$ 1,5 milhão em investimentos no seu parque industrial, que hoje ostenta a 7ª posição no ranking dos maiores produtores de vinhos finos do Brasil. O recurso será aplicado em uma nova linha de engarrafamento para vinhos e sucos, além da compra de novos tanques (autoclaves), próprios para fermentação de espumantes pelo método charmat. Há apenas cinco anos elaborando espumantes, a Garibaldi é hoje a quarta maior produtora de borbulhas do País, com inúmeras premiações nacionais e internacionais aos seus produtos.
Ainda na Assembleia Geral foi definido que o foco das ações de marketing da Garibaldi será sustentabilidade. Também foram eleitos os novos membros do Conselho Fiscal para 2011, sendo escolhidos os associados Marcos Casagrande, Juliano Bortolini, Flávio Fabro, Vilson Barela, Gilmar Pradela e Vanius Corbelini.


PRESIDÊNCIA

Nota de pesar: Villaverde lamenta a perda de Rudi Armin Petry


Marcelo Antunes - MTB 8511 | Presidência 15:36 - 30/03/2011

Edição: Letícia Rodrigues - MTB 9373
"Em nome da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, quero registrar nossos sentimentos pela perda irreparável do Dr. Rudi Armin Petry, um dos maiores dirigentes do futebol gaúcho", declarou hoje o presidente do Parlamento gaúcho, deputado Adão Villaverde (PT), em virtude do falecimento, ocorrido nesta terça-feira, 29, aos 91 anos, do Conselheiro do Grêmio e que presidiu o clube nos anos de 1966 e 1967. Tido por todos como um dos maiores dirigentes da história do clube, Petry também esteve à frente, em diversas ocasiões, do departamento de futebol do Grêmio, inclusive quando da conquista dos título de campeão da América e do Mundo em 1983.
Tendo em vista a participação de Villaverde na despedida ao ex-vice-presidente da República José Alencar, ocorrida nesta quarta-feira (30), em Brasília, o deputado estadual José Sperotto (PTB) representou a ALRS na cerimônia fúnebre do dirigente tricolor, realizada no Salão Nobre do Estádio Olímpico. Já a representação parlamentar de Villaverde foi feita pelo Superintendente de Comunicação do Parlamento rio-grandense, jornalista André Pereira.

Nota da redação:

Tenho mais a ver com este morto do que aquele de Brasília!

Coleguinhas


O colega, Lara, aqui da salinha JCterlera sofreu um cateterismo,ontem...

As peçonhas aqui já tavam dizendo que ele não vinha por causa do cônsul este que tentou ludribiar a Santa Madre Igreja( coitadinha, logo ela que é tão santa e inocente.....dizem que se o Vaticano não acabou com a Igreja Católica até hoje ninguém vai conseguir....)que ele andou assessorando tempos atrás....


Zulke: “Liberação de pares de calçados tranquiliza o setor”


O deputado federal Ronaldo Zulke (PT) recebeu nesta quarta-feira (30) notícia da Abicalçados tratando da liberação das licenças de 250 mil pares de sapatos brasileiros no mercado argentino. “A notícia é um alívio para nossa indústria calçadista que, há mais de dois meses, sofre com os atrasos”, analisa o deputado.
A confirmação veio da reunião realizada ontem em Buenos Aires entre o presidente da Abicalçados, Milton Cardoso, e o secretário de Indústria e Comércio da Argentina, Eduardo Bianchi. Segundo ele, durante a semana o número total das pendências será liberado.
No auge do episódio, o deputado Ronaldo Zulke intercedeu junto ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), solicitando a interferência do órgão no caso.
Entenda o caso
Por dois meses, a Abicalçados vinha recebendo reclamações de empresários sobre atrasos na liberação das licenças não-automáticas de importação de calçados por parte da Argentina. Porém, desde o início do mês de março, a entidade passou a receber relatos de que a situação está se agravando. Segundo levantamento da Abicalçados, dez empresas associadas estavam sendo afetadas pela situação, o que significou 865 mil pares sem liberação da documentação que permite a entrada do produto no país vizinho. O prazo máximo para as liberações, conforme a Organização Mundial de Comércio (OMC), - e acordado com o governo argentino-, é de 60 dias. No entanto, os atrasos chegam a mais de 120 dias.
Com informações da assessoria de imprensa da Abicalçados

Bares que viraram lenda....

escandinávia,


O bar dos gremistas....


Ontem foi cremado um ícone do Grêmio,s eo Rudy Armin Petry, que foi diretor de futebol e que durante os anos 60 representou um Grêmio vencedor...Os que tem 60 anos como é meu caso, ou quase, lembram-se de sua voz pausada, conciliadora, que atendia sempre repórteres como Lauro Quadros, Lupi Martins, João Carlos Belmonte....

Seo Rudi Armin Petry morreu aos 91 anos em Capão da Canoa, onde vivia nos últimos anos.

Mas falo dele pra falar de um lugar onde esta turma do Grêmio sempre se encontrava. Hoje diriam que é point....

Ali iam os chamados CARDEIAS DO GREMIO( O SERGINHO ROSS diz que o bar dos gremistas é ra o Lider na Independência, mas eu acho que o Serginho, como era do baixo clero, era jogador dos aspirantes, não conheceu nem o Escandinávia, na Cel Bordini, no Moinhos de Vento, que é onde os CARDEIS do gremio frequentavam e tinha uma mesa cativa, á qual frequentava o seo Rudy Armin Petry.;;;;

Além do seo Rudy iam lá Flávio Obino, Martim Aranha,

Faziam parte dos chamados CARDEAIS DO GREMIO que frequentavam o ESCANDINÁVIA( UM BAR DE ALEMÃES, QUE TINHA MAIS OU MENOS O ESTILO DO LANGUR, DO BOM FIM, ONDE DIZEM QUE O RICHARD GERE FREQUENTOU JUNTO COM SUA NAMORADA BAGEENSE A SILVIA, UMA PINTORA) RENATO SOUZA,PEDRO DA SILVA PEREIRA,JOÃO LEITÃO DE ABREU, RUDI ARMIN PETRY, FLAVIO OBINO,HERMINIO BITTENCOURT E MANDANDO NELES TODOS O PATRONO FERNANDO KROEFF....

O escandinávia desapareceu, é claro, como a maioria dos bares que ponteavam em bairros como Moinhos de Vento, Bom Fim, e outros.

Mas ficaram as memórias que afloram sempre que morre um ícone como o gremistão Rudy Armin Petri, que eu ouvia no rádio lá em SErafina, nos domingos de tarde,quando minha mãe me deixava pegar o rádio pra ouvir os jogos do Grêmio....

De São Borja


Fiquei sabendo que o Clemar Dias, grande poeta saoborjense, que andou lançando um best seller( ele teve a gentileza de me mandar um exemplar, mas no momento tenho leitura mais interessante que é a biografia do Sarney...)está catando quais as fontes que tem me dito que ele não serviu nada, a não ser água da pena,no lançamento do seu já tão famoso livro( só na fsb ganhou nobre espaço,tanto na coluna social EU VOU MAS VOLTO, como no segundo caderno...com direito a foto e tudo....

Diz ainda a notícia que o clima nos jardins do memorial estava muito descontraído e informal, bem ao jeito do Clemar.

Mas me digam uma coisa:

O QUE FOI SERVIDO MESMO NESTE LANÇAMENTO....???

AGUARDO RESPOSTAS,SE ALGUÉM SE DISPOR A ME DIZER EU PUBLICO....

Clarin

Olides. Fiz mais uma matéria sobre o protesto do grupo Clarin... Não sei se vais usar, mas te garanto que esta guerra vai pegar fogo.
O Globo mandou o pessoal para cobrir os fatos. Eles estão por aqui, andando com a Van deles, por toda a cidade. E sobre a mmatérai do pagina/12, estava boa? um forte abraço. Gelson.

OBS: Estou tendo problemas com o meu PC, deu uma pane. Na semana que vem , vou para o Panamá, em viagem de trabalho, numa reunião das empresas aéreas da américa latina e caribe. Claro que vou fazer uma boa matéria. Abraço, Gelson

Gelson Farias
051-85252352
e-mail:
msn:


CLARÍN PUBLICA CAPA EM BRANCO EM PROTESTO À OMISSÃO DO GOVERNO

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.

Posso de garantis que essa guerra da ‘verdade ou mentira’ vai muito longe entre governo de Cristina e Grupo Clarín. Os argentinos com quem conversei, não sabem quem esta falando a verdade. Para muitos, é difícil dar fé à versão de qualquer uma das partes, dado que a política da Argentina é das mais complexas de que se tem notícia. Independentemente do que tenha ocorrido à direção do Grupo diz que, o jornal nunca passou por esse problema, “nem mesmo nos tempos de ditadura”.
Olides. Em meio as verdade e mentiras, fica difícil dar fé à versão de qualquer uma das partes, dado que a política da Argentina é das mais complexas de que se tem notícia. Por causa disso convém não falsear a realidade dos fatos. Por outro lado, indignados, grande parte dos argentinos, homens mulheres e estudantes, dizem que o grupo Clarín, esta chorando de barriga cheia. Fiz uma pesquisa com a ajuda da Enriqueta e olha só o que descobrimos. Isto é apenas uma parte pequena do dinheiro que o grupo movimenta. Entre os nomes citados, está Ernestina Herrera de Noble, do CEO Héctor Magnetto, presidente do grupo entre outros (ex diretores), e seus familiares, empresas conhecidas e associadas do grupo outras desconhecidas, como rádios, e televisão, por toda a argentina.
Grupo Clarín Services LLC 32407608.00 (U$S 3.766.877,900
Grupo Clarín SA 2407608.00 (U$S 3.596.810,12)
Ara International Holdings Limited 32407608.00 (U$S 2.989.827,46)
Ernestina L. Herrera de Noble & F.
Noble Herrera 32407608.00 (U$S 2.331.423,35)
Ernestina L. Herrera de Noble y M.
Noble Herrera 32407608.00 (U$S 2.320.179,39)
Inversora de Eventos S.A. 32407608.00 (U$S 1.617.461,68)
Héctor Horacio Magnetto 32407608.00 (U$S 1.299.574,88)

Capa do jornal em branco em protesto contra o governo

O jornal argentino Clarín manifestou repúdio à omissão do governo ao piquete que impediu a sua circulação na madrugada do último domingo (27). Na segunda-feira (28), como protesto, publicou uma capa em branco e outra habitual com as manchetes. O jornal alegou que o protesto "simboliza um silêncio forçado", explica o editor geral, Ricardo Kirshtsv.

O presidente do Grupo Héctor Horacio Magnetto acusa o governo de intimidação política e censura da liberdade de expressão ao não impedir o bloqueio da manifestação. "O governo não fez nada para evitar o bloqueio nem para cumprir a ordem judicial que garante o direito de livre circulação do jornal" disse o editor geral adjunto do Clarín, Ricardo Roa. O advogado do jornal apresentou duas denúncias contra o governo, pedindo que os responsáveis sejam punidos. O deputado Miguel Angel Giubergia, da União Cívica Radical, apresentou na Câmara um pedido de julgamento político da ministra de Segurança, Nilda Garré, por infringir a liminar que garantia a circulação do jornal.


Héctor Horacio Magnetto. Presidente y CEO Grupo Clarín S.A.


Este é o quinto piquete em cinco meses e a primeira vez em 65 anos que o jornal foi totalmente impedido de circular. "Nem nos tempos da ditadura fomos impedidos de circular", lamentou Roa. "Para nós, o mais grave não foi o bloqueio em si, mas sim o fato de que o governo não tenha atuado para evitá-lo", complementa. A Associação Nacional dos Jornalistas (ANJ) divulgou uma nota oficial em repúdio às ações de grupos sindicalistas aliados ao governo contra o Grupo Clarín. "A complacência do governo, que tem recorrido a todo tipo de arbitrariedade em seus esforços para sufocar as críticas dos veículos de comunicação independentes da Argentina, representa a mais grave ameaça à liberdade de imprensa naquele país desde a redemocratização na década de 1980."

No último domingo (27), um grupo ligado à Central Geral do Trabalho (CGT) da Argentina bloqueou a saída do parque gráfico do grupo Clarín impedindo a distribuição dos jornais Clarín e Olé. Na edição que seria veiculada neste dia, constava uma reportagem sobre uma investigação judicial sobre Hugo Moyano, Secretário-Geral da Central Geral de Trabalho e líder sindical. O maior diário do país vizinho reclama que o governo não cumpriu a tempo ordem judicial que determinava que se garantisse a distribuição da edição dominical. A ministra de Segurança, Nilda Garré, afirma que deu conta do que foi solicitado pelo Judiciário e que a liberdade de expressão não foi afetada.

Até aí, difícil dar fé à versão de qualquer uma das partes, dado que a política da Argentina é das mais complexas de que se tem notícia. Então, Clarín, convém não falsear a realidade dos fatos.

O ' GOLPE'

OU A ' REVOLUÇÃO' DE 64...


na tarde de 1/4 de 1964 os tanques simbolizam a vitória da Rebelião contra Jango

Tres "cabeças" do Movimento de 64....general Antônio Carlos Murecy, Mourão Filho (general) e Governador de minas gerais, Magalhãoes Pinto.


TARSO DUTRA(SENADOR) DA Aliança Renovadora Nacional, o partido da Revolução de 1964 e o coronel Walter Perachi Barcellos, governador eleito indiretamente pela Assembléia Legislativa do Estado, dois icones da Revolução de 1964 no RS.


PRUMA GERAÇÃO como a minha, o Golpe( no dizer dos depostos) ou a Revolução( no dizer dos vencedores) tem muito a ver,sim senhores...( o movimento também é chamado debochadamente de A REDENTORA, )

Não lembro particularmente nada da época( lembro mais da Legalidade, porque chegavam notícias em Serafina de que o Palácio Piratini seria bombardeado e havia um familiar vizinho nosso que estava metido nisto...)

Depois em Porto Alegre, em 1969, passei a conviver com " vítimas" do golpe, ou seja, estudantes expulsos do Julinho(outros nem tanto) e daí passei a me interessar mais pelo assunto. Na Juc-5, onde morei, ainda havia resquícios das passeatas de 1968, em Porto Alegre. Mas a maioria dos moradores seguia a regra da " maioria silenciosa".
Era uma época de alta repressão e todos tinham medo, muito medo...

Apenas um estudante da Arquitetura da UFRGS, o Luiz, tinha um poster do CHE no seu quarto. Os demais, mesmo simpáticos ao guerrilheiro, ficavam calados....

E de-lhe BRASIL AMEO-O OU DEIXE-O!!!!!

Ildo Meneghetti, governador gaúcho nos dias da Revolução - ele mandou-se pra Passo Fundo porque lá a Brigada Militar tinha grande efetivo não era nenhum outro motivo, não...._ disse no fim da vida, num depoimento ao COOJORNAL que quem derrubou JANGO ( presidente de 1964) foram as mulhres em São paulo, com aquela passeata com DEUS e a IGreja...Ele acha que aquilo assustou muito a classe média de que o perigo comunista rondava a família brasileira( com tudo o que isto quer dizer....)

O ex-presidente Jango deve ter per cebido que estava com a corda no pescoço, ou como se diz, num mato sem cachorro. Em Porto Alegre, pra onde voou na madrugada do dia 2 de abril, encontrou um Leonel Brizola ainda disposto a reagir. Queria o Ministéiro da Justiça pra ele...

Jango teria dito a Brizola

- É POR IR ATRÁS DE TI QUE ME ENCONTRO NA SITUAÇÃO EM QUE ESTOU
E Brizola teria reagido desta forma ao saber que Jango se retiraria pro Uruguai:

- Vai rengo filho da puta. Tu nunca mais vais voltar vivo a este País.

Se disse mesmo, fez uma profecia, porque Jango retornou num caixão 12 anos depois, pra ser sepultado em 7 de dezembro de 1976, no cemitério Jardim da Paz, em São Borja, no jazigo familiar, onde seus despojos repousam até hoje em dia.

( Lá também foi levado Brizola num junho de 2004...)

porto alegre

Em Porto Alegre, ainda converso vez que outra com o dr. Nelson Gonzalez que viu de camarote como foi o dia 1 de abril de 1964. Ele me conta que curioso, foi com um amigo e sócio, até a praça da Prefeitura e ali viu Sereno Chaise, prefeito, saindo do prédio e fazendo com as mãos o gesto pro pessoal que estava ali acampado pra irem embora, ou seja, tudo estava terminado...

A "longa noite" que se seguiu ao golpe, ou a Revolução, está muito bem contado nos livros do jornalista Elio Gaspari.Lê-los nos ajuda a entender um pouco o que foram estes 21 anos em que o país não votou pra presidente. Eu mesmo só fui votar pra presidente em 1989( e quase voto no Collor de Mello...)

A INGRATA DA DONA EVA SOPHER!!!!

Li numa coluna política que o governador Tarso foi visitar dona Eva Sopher no Teatro São Pedro. Ela o recebeu e depois disse que agradecia a visita porque ficou quatro anos sem ter governador que a visitasse.

Ué, de duas uma: eu mesmo um dia cumprimentei dentro do São Pedro a então governadora Yeda Crusius, que estava lá no começo do governo e acompanhada de um monte de assessores...

Amor em uma cabana

UMA TURMA DE MULHERES,MAL AMADAS,OU NÃO, TOMANDO MATE NO CIBER E UMA DELAS ME SAI COM ESTA;

- AMOR NÃO É PRA SER COBRADO...

ENTÃO, TÁ.....( VAMOS VIVER DE UMA CABANA E SENTIMENTO....)

TARSO GENRO: “JÁ NÃO SE TRATA DE ENTRAR, MATAR E SAIR”

Gelson Farias

Em entrevista ao jornal argentino Página/12, o governador eleito do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, fala sobre a política de segurança pública que vem sendo construída pelo governo federal em parceria com Estados e municípios.


Olides.

Quando recebi a idéia da pauta, para fazer uma matéria sobre o jornal Página 12, aqui de Buenos Aires, veja com o que me deparei... Uma entrevista com o governador Tarso Genro no caderno “página especial”. Aqui vai a matéria na íntegra, mas fica ao teu critério sobre a publicação, ok.



Tarso Genro: “Já não se trata de entrar, matar e sair”.

Em entrevista ao jornal argentino Página/12, em dezembro do ano passado o governador eleito do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, fala sobre a política de segurança pública que vem sendo construída pelo governo federal em parceria com Estados e municípios. Como ministro da Justiça, Tarso foi um dos principais elaboradores dessa política que está ganhando atenção internacional a partir dos recentes acontecimentos do Rio de Janeiro. “É uma concepção de polícia comunitária, que deve ocupar os espaços e articular seu trabalho com programas sociais nas zonas em conflito”. Na entrevista, Tarso também fala sobre o problema do narcotráfico e do consumo de drogas no Brasil.
Reproduzimos a entrevista

Nascido perto da fronteira com a Argentina, aos 63 anos o advogado Tarso Genro assumirá dia 1° de janeiro o governo do Rio Grande do Sul. Duas vezes prefeito da capital gaúcha, Porto Alegre, Genro ganhou o governo do Estado no primeiro turno, com 54% dos votos. Tem um êxito recente: como ministro da Justiça de Luiz Inácio Lula da Silva, criou um plano de segurança que nos últimos dias tornou-se famoso em todo o mundo pela entrada impactante das forças de segurança nas favelas do Rio de Janeiro. De passagem por Buenos Aires, Tarso aceitou dialogar com Página/12.
- Quando assumi o Ministério da Justiça, o presidente Lula me pediu que o governo federal se preocupasse mais com a segurança pública – conta Genro, que nasceu em São Borja como Getúlio Vargas, o presidente que se suicidou em 1954 e cujo retrato está na Galeria dos Patriotas da Casa Rosada; um presente de Lula. Lula queria que construíssemos um novo paradigma sobre o tema. Mantive uma centena de reuniões com acadêmicos, comandantes da polícia militar e da polícia civil e especialistas internacionais. Assim terminamos desenhando o Pronasci, o Programa Nacional de Segurança Pública Cidadã. Foi à primeira lei programática de segurança pública votada no Brasil.

-Qual era o novo paradigma de segurança?

- Uma concepção de polícia comunitária. Essa polícia deveria ocupar os espaços e articular seu trabalho com programas sociais nas zonas em conflito.
- A polícia comunitária é mais um tipo de polícia?

- Não, é uma concepção. Propusemos que, em cada Estado, se integrassem os gabinetes de segurança pública com uma presença da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária, da Polícia Militar, da Polícia Civil e das autoridades políticas do Estado. Todos deviam articular relações e objetivos comuns.

- Só os Estados
- Também os municípios. E pela primeira vez. Aí também pensamos em programas sociais dirigidos especialmente a jovens e mulheres que são treinados…
-Treinados?

- Não se assuste. Falo de capacitação e não que se convertam em polícias. Eles só têm que buscar outros jovens que estão submetidos à tutela dos traficantes e dos criminosos do bairro. Se não sabemos quem são, eles podem nos ajudar. E queremos que o Estado, as mães e seus amigos possam ajudá-los a se transformarem em seres autônomos. Para a polícia pensamos outras coisas. O governo federal ofereceu financiar programas sociais, armas, equipamentos e bolsas de estudo para policiais que desejem melhorar sua formação. A melhoria é premiada com um aumento de cerca de 40% em seu salário. Hoje, cerca de 200 mil policiais de todos os corpos estão com bolsa de estudos.

- Em quantos Estados esse plano está sendo aplicado?

- Em 11 e nas regiões metropolitanas mais importantes. O Rio de Janeiro foi à vanguarda da integração. O conceito de polícia comunitária ganhou o nome de Unidades Policiais de Pacificação. Mas a idéia é a mesma.
-E a chave?

- É um projeto de ocupação territorial. O sistema anterior era entrar, matar e sair. O novo sistema consiste em que o Estado entre, permaneça e se vincule profundamente com a comunidade mediante programas sociais, investimentos em infraestruturar, educação, urbanização. Ou seja: ocupação de território, ações policiais de alto nível, permanência da polícia e aprofundamento dos programas sociais para jovens. No Rio, foi muito importante a atuação do secretario de Segurança, Antonio Beltrame, nomeado pelo governador Sérgio Cabral. Beltrame está convencido do acerto do Pronasci e é um entusiasta do programa.
- A experiência argentina mostra que, na província de Buenos Aires, os comissários que ficavam muitos anos no mesmo lugar terminavam sendo parte da máfia.
- Sempre é possível que o crime organizado consiga cooptar um chefe de polícia ou pessoas da comunidade. Oferece segurança, ou seja, “proteção”, em troca de dinheiro e obediência. Em troca, o Pronasci se baseia na relação entre as mães organizadas e formadas, que recebem bolsas para se capacitar, e os jovens que recebem bolsas também.
-Não devem espionar para a polícia?

- Não. Nós as chamamos de Mulheres da Paz. Elas não têm funções policiais nem de vigilância. Só identificam jovens em situação de risco para incluí-los nos programas sociais, educacionais e de formação profissional. Assim se formam redes sociais e os agentes do Estado podem escutar as demandas da população. Quem passa a mandar no território não é mais o narcotráfico. Só quem pode oferecer segurança verdadeira é o Estado.

- Os últimos movimentos no Rio foram muito espetaculares. Também foram importantes?

- Muito importantes. Sempre pensamos que a zona chave era essa que foi ocupada no domingo, o Complexo do Alemão, que abrange 16 favelas e tem uma ligação estratégica com o norte da cidade.
- Mas o mercado da droga é o sul, onde vive a classe média junto às praias.

- Sim, é o principal. O narcotráfico gera uma estrutura de integração perversa entre pobres, ricos e traficantes, Eu não falo só dos viciados, mas também daqueles que usam a droga como parte de sua sociabilidade. Os ricos e integrantes da classe média devem compreender que o consumo, ainda que seja por prazer ou por modo de vida, é o que alimenta a violência. Por isso, esse ciclo de combate ao tráfico e à instrumentalização da juventude das favelas tem que passar também por esses setores. Eu falo do Brasil, um país muito grande e com elementos específicos. No Brasil é necessária a repressão penal aos que compram inclusive pequenas quantidades, pois também são responsáveis pela construção do sistema de poder dos grupos mafiosos. O adulto que compra uma pequena quantidade de droga de um menino de 17 anos é um criminoso, porque está na ponta de uma cadeia de circulação e produção de delitos que gerou esta situação no Rio.
- Durante as operações espetaculares nas favelas a cobertura jornalística não tocou no tema da lavagem de dinheiro.

- Temos bons mecanismos, inclusive com êxito em extradições e localização de somas depositadas no exterior, muitas vezes ligadas à evasão e à corrupção. Isso deve ser combatido. Há pouco tempo, o Rio travou um combate exemplar contra as milícias, uma organização de proteção mafiosa relacionada com velhos dirigentes políticos regionais. Um bom trabalho da polícia local e da federal desmantelou essa organização. Foi uma grande vitória da segurança pública. São muitos aspectos. Por isso dizia que devemos romper o mais cedo possível a identidade entre os criminosos da favela e os consumidores. Ou seja, quebrar o mercado. Que faz o DEA (organismo antidroga dos EUA)? Trabalha para que entre a menor quantidade possível de droga no território norte americano. É seu trabalho. O nosso é proteger o nosso território. Por exemplo, as favelas povoadas de brasileiros pobres. Não queremos fazer o trabalho pela metade, Não só procuramos achar a cocaína e queimá-la. Vamos destruir as fábricas da pasta e do pó. Algum nível de tráfico sempre existirá. Nosso objetivo é que seja residual. Não é possível que o tráfico seja a única forma de um jovem avançar na vida. Não nos iludimos com um paraíso terrestre de bondade e segurança. É um projeto concreto que procurar cortar um mercado e dar alternativas aos jovens, E já está ocorrendo em muitos territórios.

- O índice de homicídios caiu?

- Em Recife a criminalidade caiu 60%. Em um grande e empobrecido bairro operário do Rio Grande do Sul, Guajuviras, que aplica todos os programas do Pronasci, a criminalidade baixou 50%. É o fruto de uma nova relação Estado-sociedade. E é preciso melhorar os salários dos policiais. No Rio Grande do Sul, um policial ganho cerca de 1.000 reais. Se participar do Pronasci, ganhará 1.400 reais. Esses 400 de diferença não são pouco: servem para alugar um apartamento de dimensões razoáveis.
- Isso é a polícia. Na Argentina, impressiona ver tanques do Exército envolvidos nestas operações.

- Reitero que só falo do Brasil. Mas as forças do Exército não participaram de ações armadas. Só controlaram pontos de intersecção. O trabalho foi feito pelas polícias. Temos uma “força nacional” graças a um programa do governo federal que tem capacidade de colocar em qualquer ponto do território nacional, em 48 horas, uma força de 300 a 500 homens altamente treinados para realizar ações policiais em um marco de respeito absoluto aos direitos humanos. Leve em conta que, no Brasil, os dois corpos mais respeitados são o Exército e a Polícia Federal. Os militares detiveram o poder absoluto em uma ditadura militar que duraram 21 anos, entre 1964 e 1985. Mas, paradoxalmente, o Exército não tem uma tradição de violência antipopular nas ruas. Obviamente estiveram envolvidos em casos de tortura ou em crimes dignos da barbárie, mas não realizaram uma caçada como ocorreu em alguns países latinos americanos.
- Uma parte dos chefes do tráfico segue mandando desde algumas prisões. Qual seria a solução para esse problema?

- Há quatro penitenciárias de segurança máxima para onde estamos mandando os chefes, e estamos construindo uma quinta. O sistema penitenciário estadual é fraco, ofende duramente os direitos humanos e deve ser reformado. A proposta do Pronasci é a construção de penitenciárias de segurança média para até 450 apenados. Assim ficariam fora do controle dos delinqüentes.
- Você disse que o Pronasci disponibiliza recursos federais.

- Sim e gostaria de destacar um dado incrível. Tivemos dificuldades para liberar recursos por ausência de projetos. Poucos Estados tomaram nossos recursos.
- A situação pode mudar dia 1° de janeiro, quando assumem os governadores do PT e de seus aliados?

- Sim. Dilma disse na campanha eleitoral que a segurança e a saúde pública serão os elementos prioritários do novo período. No último ano de mina gestão fizemos uma conferencia nacional sobre o tema. Participaram mais de 250 mil pessoas e reforçamos nossos objetivos para conseguir formar nas zonas mais degradadas os chamados “territórios da paz”, que são os lugares onde os projetos mais importantes do Pronasci entram de maneira articulada. A utopia é chegar aos índices chilenos de homicídio, de 12 a 14 para cada 100 mil habitantes. Hoje temos um índice de 45 a 50 para cada 100 mil da Baixada Fluminense, no Rio, e de 27 a 28 no Rio Grande do Sul. Reduzir esses índices para a metade é algo que pode demorar entre cinco e dez anos. Sei que a imprensa quer fatos imediatos e fenomênicos. Mas um programa sério é gradual e tem que modificar a mentalidade das elites,
- Cabral, o governador do Rio, aliado ao PT, ganhou no primeiro turno. Quanto o Pronasci incidiu nisso?

- Muitíssimo. Ele falou: “As Unidades Policiais de Pacificação são filhas completas do Pronasci e de nossa relação com o governo federal”. Obviamente eu farei o mesmo quando assumir como governador do Rio Grande do Sul. Será parte de um modelo de participação popular. Queremos que termine sendo tão popular quanto foi o Orçamento Participativo que aplicamos antes em Porto Alegre.


PÁGINA 12: A HISTÓRIA DE UM JORNAL JOVEM DE BUENOS AIRES Página 12, fundado em 26 de maio de 1987


De Buenos Aires
Gelson Farias


Capa de hoje
Com um desenho austero, uma tiragem diária de 10.000 exemplares e um tamanho de 16 páginas que rapidamente iriam crescendo até chegar ao dobro numas poucas semanas, marcou desde o começo sua diferença com o resto da imprensa por sua orientação manifestamente de esquerda e seu formato, de notas extensamente desenvolvidas (ocupando a cada uma mais de uma página em média) e ricas em análises; inspirado no francês Le conard enchaíné, o estilo contrastava marcadamente com os diários convencionais, nos que se privilegiava a variedade da informação sobre o desenvolvimento das mesmas. A Sede do jornal se localiza em Ciudad Autónoma, 1525, Buenos Aires, Capital Federal, Argentina com o telefone (0)11 6772 4400, metro entre Rios.
Assim, no dia 26 de maio de 1987, os jornalistas Jorge Lanata, Osvaldo Soriano e Horacio Verbitsky, entre outros fazem a tiragem dos primeiros cinco mil exemplares do ‘camisa 12’ Sua distribuição é feita por toda a Buenos Aires com um perfil diferenciado, um novo estilo que os outros meios imitariam em seguida quanto à sua linha editorial da leitura: Muitas de suas edições dominicais da década de 90 incluíram um livro de presente. Deste modo, o jornal chegou até aos leitores e assinantes com identidade própria. O jornal tem como objetivo chegar até ao público, sem ter uma distinção de classe. E tido sim, pelos argentinos como uma jornal sensacionalista, e tem sim atingido um grande público pela seriedade de seus artigos e matérias.
Horácio Verbitsky, criador do jornal Página 12 e ativista de movimentos pelos direitos humanos, lembram que a lei dos meios de comunicação foi debatida em 24 fóruns regionais por seis meses, para reunir críticas e propostas antes de seguir para o Congresso. “Este debate riquíssimo, sem precedentes na democracia argentina, foi reduzido pelo grupo Clarín ao rótulo de ‘lei de radiodifusão K’, o que muitos acharam insuportável”, declarou.
“O fenômeno 6, 7, 8 pode ser explicado pela postura em defesa de interesses econômicos adotado pelos principais veículos de comunicação”, avalia Verbitsky. “Essa opção certamente danifica a credibilidade da imprensa e abre o público para quem a critica.”
De fato, pesquisa recente organizada pelo Fórum do Jornalismo Argentino revela insatisfação generalizada de leitores, ouvintes e telespectadores com a imprensa local. Dos entrevistados, 51% acreditam que os jornalistas estão mais afinados com o que vai dizer Cristina, do que com o povo. Além disso, 49% pensam que a informação é controlada por grupos econômicos. Mas não é a única: o governo apoiou a criação do jornal gratuito El Argentino e, mais recentemente, do Tiempo Argentino, que copia de maneira ostensiva o projeto gráfico do Clarín. Ambos os jornais foram lançados por um empresário próximo aos Kirchner, Sergio Szpolski.
Alguns políticos próximos aos Kirchner reconhecem que a política é confusa. “Por um lado, o governo faz coisas ótimas, como a lei de mídia. Por outro, faz negócios com pessoas pouco confiáveis, como Szpolski, que está conosco somente para captar dinheiro”, confidencia um parlamentar peronista.
Se o futuro não é garantido, o governo conseguiu, especialmente com o programa seis, sete e oito, lançar um grande debate sobre a objetividade da mídia. “Antes, no jornalismo, tinha um ditado segundo o qual nenhum político podia sobreviver a duas primeiras páginas negativas do Clarín”, lembra o jornalista Pedro Brieger, um dos mais premiados da televisão argentina. “Isso acabou”.


.


Seções
Na atualidade tem as seções:
• O País
• Economia
• Sociedade
• O Mundo
• Espetáculos
• Psicologia
• Deportes
• Universidade
• Plástica
• Contratapa
Suplementos
• Radar (cultural, sai os domingos)
o Radar Livros (incluso no anterior)
• Cash (econômico, sai com "Radar")
• Turismo (sai com os anteriores)
• Libero (desportivo, publica-se as segundas-feiras)
• NO (dirigido aos jovens, sai às quintas-feiras e inclui uma historieta guionada pelo espanhol Jordi Bernet chamada "Clara de Noche"
• Sátira/12 (suplemento humorístico com mais de vinte anos de existência, sai os sábados), integra seu staff os humoristas Rudy, Pati, Wolf, Toul, Jorh, Iñaki y Daniel Paz. Os colunistas são Rudy, Víctor Wolf y Mosqueto e existem seções fixas como Free Pati Y Enrique e la culebrita (por Pati), Filatelia (Wolf e Toul) e Jorhline (Jorh).
• Futuro (cientista sai com o anterior)
• Las/12 (feminista)
• M2 (desenho sai com os anteriores)
• Soy (dirigido à comunidade LGBT como também ao conjunto da sociedade)

Olides.

Aqui, a lista de jornais da Argentina, muitos deles com circulação aqui em Buenos Aires.
Jornal Cataratas Hoy com a notícia Interesse Geral em Misiones Puerto Iguazu.
Salta Confidencial com a notícia Interesse Geral em Salta Salta.
Jornal de Horóscopo de tu signo com a notícia Interesse Geral em Horóscopo-de-tu-signo.
Jornal Veloz com a notícia Interesse Geral em Buenos Aires
Jornal Informativo de Rincon com a notícia Atualidade em Neuquen Rincon de los Sauces.
Jornal Tandil com a notícia Interesse Geral em Buenos Aires Tandil.
Jornal Huella de Jujuy com a notícia Interesse Geral em Jujuy San Salvador de jujuy.
Jornal 0223 com a notícia Interesse Geral em Buenos Aires. Mar del Plata.
Jornal Cataratas Hoy com a notícia Interesse Geral em Misiones Puerto Iguazu.
Salta Confidencial com a notícia Interesse Geral em Salta Salta.
Noticias de Argentina - Mídia de Argentina - Noticias de Mendoza - Noticias OnLine de Jornal Uno - Últimas Notícias de Argentina - Diarios de Argentina - imprensa gráfica de Argentina - Online Daily of Argentina - Informativos de Argentina - Informativo de Mendoza - Imprensa de Mendoza - Imprensa de Argentina - Imprensa escrita de Argentina - Imprensa em Argentina - Diario de Interesse Geral em Mendoza - Imprensa de Interesse Geral em Mendoza - Diario de Interesse Geral - Imprensa de Interesse Geral - Diario de Interesse Geral em Argentina - Imprensa de Interesse Geral em Argentina - Noticias Argentina - Eventos Argentina - Destaque Argentina - Noticias Mendoza- Notícias Argentina - Últimas notícias do Mendoza -


Quem vai querer jogar o Mundial da FIFA no Japão?

Por Luiz Oscar Matzenbacher


Às 21h50min desta quarta-feira, no Gigante da Beira-Rio, começaremos a ver o primeiro clube brasileiro se classificar para as oitavas de final da Libertadores. Deverá ser o glorioso Sport Club Internacional. Eu disse deverá. Depois da derrota do Corinthians para o Tolima, tudo pode acontecer.
Por falar em Tolima, depois de eliminar o Corinthians, levou seis do Cruzeiro. Foi uma enfiada de seis. O Corinthians teria levado uma dúzia? O mais forte candidato brasileiro ao título de Campeão da América/2011, por enquanto, é o Cruzeiro.
Mas há ainda uma dúvida. Quem não teme jogar em Tóquio? Depois dos terremotos e do tsunami, o Mundial de Clubes da FIFA/2011 vai ser realizado mesmo no Japão?
A palavra deve ser dada com urgência à Toda Poderosa FIFA!

Zulke: “A Região Metropolitana de POA
tem que estar integrada no PAC 2”


Em conversa com a imprensa nesta segunda-feira (28), o deputado federal Ronaldo Zulke (PT) declarou que a Região Metropolitana de Porto Alegre precisa estar integrada no PAC da Mobilidade Urbana. Zulke esteve acompanhado dos deputados estaduais Daniel Bordignon e Luís Lauermann, ambos do PT. “É importante que o Metrô de Porto Alegre esteja contemplado no PAC 2, sim, mas defendemos a completa integração do sistema de transporte urbano dos municípios da região com o Metrô da capital e o Trensurb”.
Momentos antes, no Palácio Piratini, Zulke, Lauermann e Bordignon acompanharam reunião de trabalho realizada com o secretário-geral do governo do Estado, Estilac Xavier, o secretário do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã, João Motta, o secretário de Obras, Irrigação e Desenvolvimento Urbano, Luiz Carlos Busato, e o secretário executivo do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, Marcelo Danéris. O encontro contou também com a presença das prefeituras de São Leopoldo, Novo Hamburgo, Sapucaia, Esteio, Gravataí e Canoas, deputados estaduais e assessores. Na ocasião, foi encaminhado que as prefeituras da região desenvolverão um projeto comum no sentido de melhorar o sistema integrado de transporte coletivo. O projeto deverá ser submetido a uma seleção por parte do governo do Estado para, então, ser encaminhado ao governo federal.
Os projetos devem ser inscritos até o dia 3 de abril no formato de carta-consulta. Após este passo, o Estado terá 8 meses para encaminhar projeto básico para, então, ser aberto o processo de licitação. De acordo com Zulke, os investimentos podem se traduzir em obras até o primeiro semestre de 2012.
PAC da Mobilidade
A Região Metropolitana de Porto Alegre pertence ao grupo MOB 1, formado por capitais de regiões metropolitanas com mais de três milhões de habitantes e corresponde a 31% da população brasileira. Outras cidades desse grupo são Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Recife, Fortaleza, Salvador e Curitiba. Cada conglomerado urbano desse grupo pode, no total, encaminhar projetos com teto de R$ 2,4 bi (valor-referência).
O PAC da Mobilidade Urbana investirá R$ 18 bilhões para melhorar o transporte público em 24 municípios com mais de 700 mil habitantes, mediante propostas apresentadas no Ministério das Cidades.
Do total do investimento, R$ 6 bilhões terão origem direta da União e R bilhões por meio de financiamento - para ampliar a capacidade de locomoção e melhorar a infraestrutura do transporte público nas grandes cidades.
Serão selecionados projetos para implantação e melhoria da infraestrutura de transporte público coletivo e também para aquisição de equipamentos voltados para integração, controle e modernização dos sistemas.

Eugênio Dutra encaminha pedidos de melhorias para São Borja ao Governo do Estado


O vereador Eugênio Dutra (PP), protocolou junto a Secretaria Estadual de Saúde pedido para que seja destinado para São Borja equipamentos para realização de mamografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética.
Eugênio explica também que a população de São Borja, está sofrendo com a falta de alguns equipamentos ou com o pouco número de autorização para a realização de exames, eis que, os aparelhos de mamografia e de tomografia são de particulares que possuem convênio com o Município para atendimento. O vereador destaca ainda, que a falta destes equipamentos, de propriedade do Estado ou do Município, obriga os pacientes a se deslocarem para outras cidades.

Recebo do Espanhol!

Olhem só quem nos comprimentou-Café da Imprensa -inaugurou sexta-feira na ARI


Prezado Espanhol,
Meus cumprimentos pela abertura do novo espaço na ARI. Todo sucesso.
Forte abraço.
Germano Rigotto
www.germanorigotto.com.br


Todt Comunicação

A indústria gaúcha ainda não despertou para a importância do mercado de encomendas da Petrobras, de cerca de R$ 80 bilhões anuais disse hoje (29) o diretor administrativo e financeiro da Refinaria Alberto Pasqualini – Refap, Vicente Rauber, ao falar no café da manhã do Fórum de Infraestrutura das Entidades de Engenharia, realizado na sede da Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (Sergs). Explicou que dos 5.700 fornecedores mais efetivos da Petrobras, apenas 146 são gaúchos, respondendo pelo atendimento de apenas 2,5% das compras da companhia. Conforme o palestrante, para atuar como fornecedoras, as empresas devem primeiro se cadastrar na Petrobras e também no BNDES/Finame, que financia a maior parte dos projetos da companhia, tendo por exigência legal um conteúdo nacional das máquinas e equipamentos da ordem de 65%. Em sua exposição, Rauber detalhou o investimento de R$ 1,6 bilhão que será feito pela Refap na unidade de hidrotratamento de diesel, para retirada de enxofre do óleo, cujas obras deverão ser executadas principalmente nos anos de 2012 e 2013. A outra planta, para a retirada de enxofre da gasolina produzida pela Refap, deverá ser concluída neste ano, num investimento de aproximadamente R$ 1 bilhão.

Aula magna abre o ano letivo da Uergs

Crédito: DECOM/PSB

Abertura das aulas tratou ainda sobre o código florestal, poluição ambiental e saneamento básico.


A unidade local da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) realizou a aula magna que assinalou a abertura do ano letivo 2011. O ato ocorreu no plenário da Câmara de Vereadores nesta segunda-feira (28/03) e teve a palestra debate sob o título “Legislação Ambiental: Realidade ou utopia?” com o professor da Universidade Federal de Santa Maria (Ufsm) Ervandil Corrêa da Costa. O evento reuniu alunos, professores, autoridades e representantes das universidades Unipampa e Urcamp além do Instituto Federal Farroupilha.
A Uergs em São Borja conta hoje com 50 alunos no curso de sistemas de produção, única modalidade oferecida pela unidade local. O coordenador local, Luis Alberto Mairesse, explica que no ano passado foi realizada uma pesquisa a fim de saber qual a prioridade da população na abertura de um novo curso. O resultado apontou o curso tecnólogo superior em agroindústria, com previsão de ser ofertado ainda este ano.
Para enfrentar a falta no quadro pessoal, a universidade deve divulgar nos próximos dias o edital para a contratação de aproximadamente 60 professores temporários na área de administração para atuar em todo o estado. De acordo com Mairesse, alguns alunos ainda estão pendentes e não podem concluir os cursos por falta de docentes.
Vestibular
O vestibular para a Uergs deve ser realizado no mês de julho e a previsão é que as aulas iniciem no mês de agosto. Luis Mairesse informa que este é o último vestibular da universidade nesta modalidade de provas. Os próximos ingressos serão feitos a partir do Sisu, baseado nas notas dos estudantes no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), a exemplo da Unipampa.

Do blog da eleone prestes.

Pub novo na zona sul



Na página 5 da edição desta terça, mostramos o projeto bacana de um rústico pub, na zona sul da Capital, assinado pelo arquiteto André de Vargas Alves. A partir de uma construção existente no terreno, o profissional criou o espaço de 250 metros quadrados com a típica estética dos bares irlandeses.
O estabelecimento está em funcionamento desde o dia 9 de março, na Rua Wenceslau Escobar, 1.468, com capacidade para 200 pessoas e uma carta de cervejas com mais de 100 variedades nacionais e importadas.
Como prometido, veja a antiga fachada da casa original antes da modificação e o espaço atual, em imagens do fotógrafo Jefferson Botega.


De São Borja

Recebi a FSB com as fotos do lançamento do livro do Clemar...

Diz o maldoso do Letier Vivian( nós não o queremos aqui que fique aí com o Camundongo...) que a água que o Clemar deu pros leitores foi da pena.....Ufa....


RANKING DO OURO NEGRO....


Segundo Vicente Rauber,diretor da Petrobrás, que palestrou na SERGS,ontem, os países que mais produzem petróleo no mundo são Arabia Saudita,Irã( então é por isto que se incomodam tanto com o cara de lá...)Iraque(que tá com a produção em baixa por causa da guerra) Kwait,Emirados Arabes Unidos. Venezuela , Rússia, e o Brasil na 17 posição. Mas o Pré-Sal vai jogar o Brasil pra 7 posição


De São Borja


Me mandam dizer que o apelido do Clemar, que autografou 120 livros dias atrás, é 'MÃOZINHA" E ' meio quilo de carne..."


Me PARECE que tem a ver com seu pão durismo.; No La Barca, por exemplo, do Chita, nunca viram a cor do dinheiro dele. Ele nunca sacou nada do bolso....

E o meio quilo é justamente porque nos churrasco ditos comunitários, ele leva apenas seu meio quilo de carne que vai comer.E não reparte com ninguém...

Santo deus, como a natureza foi fazer algo tão pão duro...

Em Serafina, o Clemar se daria bem: tem lá uns caras que vou te contar...Um deles é o Nelson Assoni, quanto pão durismo...o outro é o dono da Credeal, mas ninguém ganha do Deitos. Ia no posto de atendimento do dentista, fora do expediente, com a carteirinha do INPS, pra Luis Carlos Montanari tratar-lhe os dentes....


Coleguinhas


Flávio Alcaraz Gomes já está em casa, depois que já o tinham dado por morto no Moinhos de Vento. O velho se livrou de mais esta....

Acompanho a vida do Flávio, dita profissional,desde que escreveu o livro aquele sobre a Guerra dos 6 dias. Li de uma sentada só aquele livro,acho que em duas ou três horas....

Depois sempre leio tudo quanto escreve....Ele tem uma legião de fãs de leitores. Em São Borja, o Deco Molina, da Butuí FM, me disse que é fã do grande repórter..e lamentou que o Correinho não tivesse mais sua coluna diária que milhares liam....

Quando esteve preso, o visitei levado pra lá pelo colega Luiz Armando Vaz. Lembro que sentamos do lado de fora na frente do presídio e o negrão Vaz conversou longamente com ele. Estava muito abatido....


DEpois fui fazer uma matéria com ele, num jantar, quando o deixavam sair do Presídio somente até a meia-noite. Só estava lá eu pela ZH, ( estava de plantão naquela noite) e a DEdé Porto que foi lá pela Veja....

Lembro até hoje que quando era perto da meia-noite, ele ia se levantamento e disse pros demais comensais:

- Chegou a hora da cinderela....

EStavam lá,entre outros, o escritor Josué Guimarães...

Eu lia a coluna do Flávio que a ZH publicava na segunda,avidamente, no Trensurb porque trabalhava lá e lá não tinha xongas pra fazer....era só cossação de saco....e esperar o tempo passar....

Quando saiu da cadeia, fizemos uma certa amizade. Ele sempre falava comigo aos gritos...

Em 1983, quando Samora Machel, presidente de Moçambique teve seu avião abatido( até hoje acham que a aeronave, que voltava de Joanesburgo, na Africa do Sul) foi derrubada) eu entrei na rádio Gaúcha de tarde e ele estava lá.Lhe disse:
- Flávio tenho um amigo jornalista em Maputo que pode mandar um boletim..

- Me dá o telefone dele....

Passei o fone do Licinio da Silveira, que na manhã seguinte passou um longo relato de Maputo sobre o abate do presidente moçambicano.

Flávio mostrava ali o grande repórter que sempre foi, seu tino jornalistico. Deu um baita de um furo, com um repórter improvisado de Maputo que descreveu a comoção do país, localmente falando( hoje com internet, perdeu-se este valor todo....)

Lá pelos anos 90, tentei levar pra ele, na TV Guaíba o Douglas Neummann,que era consul norte-americano e que estava aqui em Porto Alegre pra fazer um relato sobre a situãção do Golfo Persico e a região do petróleo. Flávio me pediu pra não levar...
Entendi ali que Flávio havia se entregue....

Não tinha mais o mesmo tesão pela notícia, pela reportagem....

Tem sobrevivido como mero coordenador deum programa, os Guerrilheiros, mas suas colunas ainda são muito boas....

Deputado faz declarações racistas na TV


O Bolsanaro é esquentado mesmo. Me lembra muito o ex-presidente João Figueiredo que ao ser questionado pelo Alexandre Garcia sobre se preferia o cheiro do povo ao do cavalo, disse que era o do animal....Bolsanaro, o deputado, é conhecido e amigo do nosso colega Flávio Pereira, que hoje apresenta o ESpaço Aberto, na Guaíba.


Deputado faz declarações racistas na TV


A entrevista dada pelo deputado federal, Jair Bolsonaro (PP-RJ), ao programa ‘CQC’ , na última segunda (28), tem repercutido na internet. Bolsonaro fez afirmações como, “Isso nem passa pela minha cabeça, eu dei uma boa educação, fui pai presente, não corro este risco.”, ao ser questinado sobre o que faria se tivesse um filho gay. Porém, a parte mais polêmica da entrevista, foi quando o deputado respondeu à pergunta da cantora Preta Gil, filha do ex-ministro e cantor Gilberto Gil. "E se seu filho se apaixonasse por uma negra, o que você faria?" O deputado respondeu: "Ô Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco. Meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como, lamentavelmente, é o teu". A cantora por sua vez, diz já ter acionado seus advogados contra as afirmações racistas do deputado. Abaixo, o vídeo da entrevista

Broncas de
Dilma podem
provocar debandada


O jeito estúpido de ser da presidenta Dilma pode lhe custar algumas defecções em sua equipe de governo. Pelo menos três ministros que despacham mais assiduamente com Dilma afirmaram a esta coluna temerem que novos desaforos provoquem uma certa debandada. “Há ministros que não fazem a menor questão de despachar com a presidenta”, disse um deles, “exatamente para não ouvir seus gritos”.

PMDB anuncia apoio à abertura da CPI dos Pardais

A bancada do PMDB decidiu nesta terça-feira, 29, assinar o requerimento de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Pardais. “Somos favoráveis ao processo de investigação para esclarecer as denúncias sobre as licitações e todos os atos do DAER (Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem)”, afirmou o líder da bancada peemedebista, Giovani Feltes. A decisão independente, acrescentou Feltes, sobre eventuais alterações ou não no texto original do requerimento sugerido pelo deputado Dr. Basegio (PDT).
Para o líder peemedebista, a CPI dos Pardais deve ser instalada mesmo depois das medidas anunciadas na parte da manhã pelo secretário de Infraestrutura e Logística, Beto Albuquerque, sugerindo a criação de uma agência executiva de fiscalização do DAER. “É uma tentativa de desviar o foco. Queremos investigar os contratos das prefeituras com as empresas fornecedores de equipamentos, dentro dos limites da Assembleia, mas também os procedimentos do Departamento”, salientou Feltes. “Isso inclui a licitação do Estado que estava em andamento quando aconteceu as denúncias e a própria nomeação do Paulo Aguiar (ex-coordenador dos Sistemas Eletrônicos de Operação Rodoviária ) e os governos anteriores”, acrescentou o líder peemedebista.
A decisão do PMDB acabou mobilizando os demais partidos do bloco de oposição a subscrever também o requerimento da CPI, alcançando o número mínimo de 19 assinaturas dos deputados. No entanto, após o anúncio do PMDB, o deputado Dr. Basegio foi aguardado pelos deputados no plenário da Assembleia para apresentar o requerimento. A última informação era de que ele se reuniu com a bancada do PDT para uma reunião interna.

ASSESSORIA DE IMPRENSA
Pepo Kerschner (8118.4349)


Carnaval fora de época....


Comunicadores que foram a Uruguaiana voltaram decepcionados com o carnaval fora de época de lá. classificaram aquele carnaval como o de Porto Alegre 30 anos atrás.....


Sarney (1)

Comprei ontem,dia de descontos na Saraiva, o livro da Echeverria sobre o Sarney....na livraria colocaram o do chato do Palmério do lado...

Mas o do Palmério tá muito mal escrito....


ESpero que este esteje melhor escrito.....

Embora já saiba que é um livro OFICIAL.....


Caetano Veloso também está autorizado a mamar na têta pública


O Ministério da Cultura voltou atrás e autorizou os produtores do músico baiano Caetano Veloso a usar os benefícios fiscais da Lei Rouanet para bancar os shows de divulgação de seu último CD, o "Zii e Zie". A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira, assinada pelo secretário-executivo adjunto do ministério, Gustavo Carneiro Vidigal Cavalcanti.

No dia 21 de maio passado, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, que analisa os projetos aspirantes ao benefício da Lei Rouanet, decidiu que o "Tour Caetano Veloso", no valor de R$ 2 milhões, não precisava de incentivo por ser comercialmente viável. Paula Lavigne, ex-mulher de Caetano Veloso e sua empresário, exerceu forte pressão para que o ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira, revisse a decisão e autorizasse o uso de dinheiro público, via renúncia fiscal das empresas patrocinadoras, para divulgar o show. Ferreira sinalizou que a decisão seria reformada, mas negou que Paula Lavigne o tivesse pressionado: "Ela não fez nenhum sauê, apenas ligou para mim e perguntou qual critério tinha sido utilizado para Caetano, que ela não percebia que tinha sido usado para outras pessoas". Como se vê, são todos amigos, do mesmo circuito, se ligam com grande facilidade, e se interpelam sem nenhum óbice. A Comissão Nacional de Incentivo à Cultura é um órgão colegiado que pertence ao Ministério da Cultura. O ministro pode, a seu critério, rever as decisões da comissão. O ministério informou, no entanto, que a decisão publicada no Diário Oficial não foi do ministro, mas uma revisão da própria CNIC, à luz do compromisso dos produtores de Caetano Veloso de baratear os ingressos. Com a decisão publicada agora, os produtores de Caetano foram autorizados a captar R$ 1,7 milhão. O valor representa R$ 300 mil a menos do que os R$ 2 milhões solicitados originalmente. Como condição, o ministério exigiu a redução dos ingressos, para R$ 40,00 e R$ 20,00 (inteiro e meia entrada). É isso aí, a classe artística se tornou completamente cortesã, vivendo com dinheiro público facilitado pelos companheiros.

do blog Videversus....


Bares que viraram lenda.....

O CRIME DA

CHURRASCARIA BARRANCO....


o bARRANCO JÁ NÃO ESTÁ COM ESTA BOLA TODA....

Pelo menos na pesquisa marcas de quem decide, do JC, publicada no JC de 28.03, o Barranco já não ponteia a preferência portoalegrense.

É o terceiro. Em primeiro vem a Brasas, depois Schneider....

Fundado em abril de 1969, completa este ano42 anos. Foi fundado pelo Santo Tasca, churrasqueiro que veio de Sarandi, da linha Agusso, e por um sócio, que ficou apenas um ano na sociedade....

Também entraram depois os irmãos de Santo, Vicente(vivo até hoje) - pai do sócio atual Chiquinho- e outros dois irmãos....

Mas o que marcou a casa foi um crime ocorrido não dentro da churrascaria, mas que a discussão começou lá dentro. Conversei com o garção Raulino Felipe, que hoje tem sua própria casa, o metrópolis, sobre este crime....ele estava lá naquela noite e presenciou tudo....

Deu-se da seguinte forma. Ricardo Mota da Silva estava na churrascaria e também o Beto(Alberto Olwheiler Vargas da Silveira) Vargas...que não era muito de guardar desaforos.

Felipe diz que eles ficaram se provocando jogando miolo de pãozinho um no outro.Assim teria começado a disputa....
Não se sabe se se conheciam ou não....

Como a briga cresceu dentro do salão, o dono,ou gerente na ocasião, Elso Furini, pediu pra eles irem pra rua...

Motta que morava nas imediações foi em casa buscar um facão e voltou, arrastando a arma e passando ela nas paredes...

Beto foi até o carro(naqueles anos deixava-se o carro na avenida Protásio) e voltou de lá armado...

Quando Mota estava saindo levou um balaço na femural....

- Esvaiusse-se em sangue...em pouco tempo sua cor ficou amarela.....

Levaram-no pro HPS mas chegou lá quase morto....

Beto puxou uma cana mas depois fugiu pro Maranhão,de onde voltou anos depois,preso pra cumprir parte da pena...

Seu advogado foi Osvaldo de Lia Pires....

- Nós achamos que a casa tava condenada, conta Felipe.

Que nada, acrescenta, o pessoal ia lá e perguntava:

-É aqui que deu um tiroteio???

Felipe diz que Santo Tasca ficava puto da cara com isto e respondia estupidamente pra quem perguntava.

E o chargista Sampaulo, outro gozador da desgraça alheia, dizia sempre pra mulher, Eneida:
- Vamos dar uns tirinhos no Barranco....

A outra fama da casa era de local de cassação....isto eu conto depois...

-

Recebo do Lauro


que está a viajar, como dizem os portugueses, este mail esclarecedor...


oi, olides,

a rosa (que lê teu saite de vez em quando) me falou que disseste que eu 'me curei' do câncer que operei em 2009. não é bem assim. para dizer que estou curado é preciso esperar cinco anos após a cirurgia. e o desconto do ir só vale durante estes cinco anos de espera. também não é verdade que seja o 'vale-câncer' que banca as minhas viagens. isso é uma brincadeira minha. uma autor-ironia. o que me permite viajar é que já terminei de pagar o apartamento, o filho já está formado (não pago mais a puc) e já casou (uma boca a menos em casa, rsss). e também os bons rendimentos que consegui fazendo duas faculdades e concurso público (não entrei pela janela, como tantos por aí...).
abraço e obrigado pelos elogios.
Lauro Dieckmann


CASA CIVIL

Zulke solicita recursos para estragos em São Leopoldo e Sapucaia
O deputado federal Ronaldo Zulke (PT) protocolou nesta terça-feira (29) ofício aos cuidados do ministro da Casa Civil, Antônio Palocci, solicitando que sejam garantidos recursos para os municípios de São Leopoldo e Sapucaia do Sul, atingidos pelas chuvas do início do ano.
Embora a Defesa Civil do Ministério da Integração tenha reconhecido situação de emergência nos dois municípios por meio de portaria publicada recentemente, os recursos disponíveis, na ordem de R$ 700 milhões, já foram destinados para outros casos, a exemplo de São Lourenço do Sul.
Uma nova Medida Provisória deve ser editada pelo governo federal no próximo período autorizando a liberação de novos recursos para os casos de situação de emergência e calamidade públicas ainda não atendidas, bem como os casos futuros.


merda no ventilador do PDT


Tá rolando uma saia justa entre o deputado federal Vieirinha( Vieira da Cunha) , do PDT e os netos de Brizola, ou seja, Leonel Brizola Neto e a deputado estadual Juliana.

Pelo twiter, como registra a Rosane, na ZH,de ontem, trocaram de farpas....

no popular, é merda no ventilador, mesmo.....


Há tempos que se comenta a boca pequena que o vereador Mauro Zacher, neste momento desafeto de Juliana, estaria, ou foi municiado por assessores de Vieirinha. Este é um papo que rola no meio dos pedetistas....

MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil - DENUNCIA:


Operativo Condor: CARTA DE BUENOS AIRES > 2º Encuentro Latinoamericano el 27 de junio en Uruguay y el 11 de Septiembre en Chile.

CAMARA DE DIPUTADOS, ARGENTINA:


POR UNANIMIDAD SE ACORDO EL SEGUNDO ENCUENTRO EN URUGUAY EL 27 DE JUNIO Y EL 11 DE SEPTIEMBRE EN CHILE


Culminó ayer en la Cámara de Diputados de la Nación de Argentina el Primer Encuentro Latinoamericano por la Memoria, Verdad y la Justicia, Operativo Condor, y una de las resoluciones es concretar el Segundo Encuentro el 27 de Junio en Montevideo, con motivo del aniversario de la Dictadadura Militar en ese país, en tanto que el Tercer Encuentro se desarrollará en Santiago de Chile el 11 de Septiembre en homenaje a Salvador Allende.
En ambos casos los mismos se desarrollarán en los Congresos de ambos países, en tanto que se prevé para fin de año en fecha a fijar el último encuentro de legisladores, militantes, periodistas, escritores, acadèmicos, y organizaciones sociales y sindicales en Brasil o Paraguay.
Al término se emitió el documento "COMPROMISO BUENOS AIRES", cuyo texto es el siguiente:

COMPROMISO BUENOS AIRES

Participantes del Primer Encuentro Latinoamericano por la Memoria, Verdad y la Justicia, celebrado en la Ciudad Autónoma de Buenos Aires a 35 años del golpe de Estado en Argentina, coincidimos en que nuestros países siguen siendo víctimas de la impunidad instaurada para ocultar los crímenes de lesa humanidad que sufrieron nuestros pueblos, y proteger a los violadores de los derechos humanos de aquellas dictaduras.
Nos comprometemos con la VERDAD, para que quienes gobiernan abran los archivos secretos en los paìses que practicaron el terrorismo de Estado y en aquellos que los apoyaron a hacerlo, para que sus còmplices civiles, policiales o miliatres sean exluídos de la función pública - especialmente de la docencia-, y se establezaca una doctrina democrática en las fuerzas de seguridad y en sus alianzas internacionales.
Nos comrpometemos con la JUSTICIA, con su respeto y su fortalecimiento presupuestal y técnico, para que quienes juzgan puedan aplicar la jurisprudencia internacional como base doctrinal en derechos humanos, sin ser sometidos a presiones de ningún tipo, para garantizar a las víctimas y sus familiares el amparo de la ley, y posibilitar la necesaria respuesta al dónde están.
Nos comprometemos con la ETICA, para que el derecho sea humano, y quienes legislan incorporen los convenios internacionales como leyes supranacionales, eliminen toda norma de impunidad, impongan la reparación a las víctimas, y fijen reglas en sus paìses y en la región que ayuden a no olvidar y asegurar el nunca más.
Nos comprometemos con la MEMORIA, para que nuestros pueblos convivan en una cultura de respeto a los derechos humanos, incorporada a la enseñanza para la educación de todos y todas los integrantes de una sociedad que pueda ejercer sus derechos civiles y culturales, en equidad, y pueda tener una convivencia internacional sin miedo a la opresión de ningún poder del mundo.


EDUARDO GALEANO, DANIEL VIGLIETTI, diputado LUIS PUIG (uy), ROGER RODRIGUEZ, ARIEL SILVA, de la Fundación Mario Benedetti, JAIR KRISCHKE, Movimento de Justiça e Direitos Humanos de BRASIL; CARLOS BARRIOS, JORGE M.GRIMBERG URETA, SERGIO LOPEZ BURGOS de URUGUAY; MARTIN ALMADA Y RODOLFO ASERETTO de PARAGUAY; LORENA PIZARRO SIERRA, presidenta de la Agrupación de Familiares Detenidos Desaparecidos de Chile y RENE LEAL HURTADO, Director de la Escuela Latinoamericana de Estudios de Posgrado de la Universidad de Artes y Ciencias Sociales de Chile, el diputado nacional HUGO GUTIERREZ GALVEZ, ALBERTO ESPINOZA, CLAUDIO MOLINA, JETSABEL BELTRAMI, entre otros.
En tanto que por Argentina rubrican el documento, los diputados nacionales REMO CARLOTTO, ADELA SEGARRA, DIANA CONTI yJULIA PERIE; mas ESTELA CALLONI, DAVID LEIVA, MIRTA CLARA, LUCHO SORIA, FELIPE YAPUR, TITO RIPODAS, ALEJANDRA DANDAN, ANDRES CRISCAUT, LILIANA SAMUEL, ALBERTO FERRARI, etc.

--
CULMINA HOY EL ENCUENTRO EN DIPUTADOS CONTRA LA IMPUNIDAD DEL OPERATIVO CONDOR
9:30 hs. Exposición de abogados sobre las causas del Operativo Cóndor.
Jair Krischke, Brasil
Dr. David Leiva.Informe de los militantes de Bolivia desaparecidos en el norte en el marco del Operativo Cóndor .
Dr. Gonzálo Romero, querellante causa Orletti.
Dr. Rodolfo Aseretto , CIPAE Paraguay.
Dr. Gerardo Etcheverry, querellante de la causa Operación Cóndor en Argentina.
Moderadora: Dip. Nac. Adela Segarra.
Síntesis: Alberto Ferrari, periodista Agencia ANSA
11:30 hs. Testimonios de periodistas, escritores y académicos.
Roger Rodríguez periodista, Uruguay.
Rene Leal Hurtado, Director de la Escuela Latinoamericana de estudios de Posgrado de la Universidad de Artes y Ciencias Sociales, Chile.
Ariel Silva, gerente de la Fundación Benedetti, Uruguay.
Stella Calloni periodista y escritora argentina.
Moderadora: Dip. Nac. Diana Conti
Síntesis: Andres Criscaut, periodista Tiempo Argentino.
15 hs. Plenario abierto con la participación de organismos de derechos humanos, movimientos sociales y sindicales presentes.
21hs. Peña Latinoamericana organizada por el CEPELS. Lugar: Casa de la Amistad Cubana Argentino Cubana de Buenos Aires. Alsina 1744.

La Agencia de Noticias DH, es autonoma y es editada en la Capital Federal desde diciembre 2007

Pesquisa

A primeira pesquisa pra prefa de Porto Alegre,pubicada ontem pela Rosane, na ZH, deve ter deixado muito pretendente de cabelo em pé( isto os que ainda têm....)

Em todos os cenários a Manu dá de rebenque erguido em todos....

Eu disse aqui na sexta( pelo menos escrevi) que se o Magrão quiser ir pras cabeças mesmo, terá que rebolar( no bom sentido) muito mais do que fez até agora....

Ele ainda carrrega junto o resídio do pachorrento Fogaça, que afora aquela musiquinha, que já tá ficando chata de tanto que o Luiz Coronel faz tocar na propaganda do Zaffari, não fez lhufas em Porto Alegre.


Poderia ter feito os portais, mas nem isto fez...Não fez nada no cais do porto, ficou só enrolando seis anos e seis anos é muito tempo.....

Afora qualquer acidente de percurso - com o PT não deixar a Manoela ser candidata - Porto Alegre já tem prefeito novo em 2013....É uma mulher

COMO MARIO QUINTANA

FEZ SEU POEMA MAIS FAMOSO


TODOS FALAM DO POEMA MAPA DA CIDADE, do Mário Quintana, principalmente durante os aniversários da cidade...

Aí vai a história de como o poeta o fez e em quem se inspirou segundo conta José Otávio Bertaso.

" Quando a editora se mudou para o bairro Menino Deus, em 1971, segudiamente Mário Quintana vinha nos visitar, e suas visitas eram sempre uma festa. Como velho conhecido da casa, fazia questão de conversar com todos os chefes de departamentos e seus auxiliares.No departamento de divulgação e vendas com Josefina Gama, no departamento de artes com João Braga e depois Leonardo Menna Barreto Gomes, na contabilidade com Osmar Casa( sobre a sitação de sua conta de direitos autorais) e finalmente antes de entrar na minha sala para saborear um cafezinho que segundo ele era feito com tinta e aguarrás que sobravam da impressão de seus livros, conversava timida e longamente com Maria da Glória Bordini.

Lembro-me de um final de tarde, em meados do outono de 1975, quando no slevou os originais de seu novo livro, Apontamentos da História Sobrenatural. Da minha sala, situada no sexto andar do prédio que ocupávamos no Menino Deus( cada andar tinha o pé direito de mais de 3 metros) descortinava-se uma vista maravilhosa. DE um lado , o sol declinava mergulhando no Guaíba. À nossa frente, a cidade, Pousando o original de seu novo lviro em minha mesa, Mário dirigiu-se à janela e nos disse, como se nunca tivesse se apercebido antes:
- Que belo mapa da cidade!

Levantei-me junto com MARIA DA ´gLÓRIA, FOMOS PARA o seu lado e ouvi-o repetir:

- Que belo mapa da cidade.

Efetivamente, do nosso lado esquerdo uma avenida seguia em direção ao centro, com as suas transversasis que desembocavam numa outra avenida à nossa direita, com palmeiras nos canteiros do centro.

O que aconteceu depois naquele final de tarde me deixou muito impressionado.. Enqunato voltava para minha mesa para atender o telefone e Maria da Gl´[oria saía da minha sala para instruir Carmen Lannes sobre os termos do contrato, o poeta sentou-se à mesa de reuniões e começou a rabiscar algo num bloco.

Falando ao telefone, vi Maria da Glória voltar à minha sala alguns minutos depois com a cafeteria e servir o poeta, que aproveitou a pausa para acender um novo cigarro. Ato contínou Maria da Glória sentou-se à mesa de reuniões e permaneceu muda enquanto Quintana rabiscava no bloco.

Finalmente, depois de anotar uma solicitação de Antônio Leite ao telefone, ouvi uma gostosa gargalhada. Era o pota exeultante, acompanhado de um " Meu Deus" de Maria da Glória. Exclamava ele.
- Acabei de produzir uma poesia. O Mapa, para o meu novo livro.

Não entendendo bem o que estava se passando, recebi das mãos de Maria da Glória uma folha manuscrita com uma explicação muito agitada: " José Otávio, o Mário escreveu um poema inspirado naquilo que viu da tua janela".
Juntando-me a eles na mesa de reuniões,li sem dificuldades o que o poeta escreveu e que pretendia acrescentar ao original que repousava na minha mesa.

Ante os meus grunhidos de satisfação e espanto, Mário Quintana mantinha no rosto uma expressão zombeteira de um veterano feiticeiro demonstrando suas artes mágicas.

Confessei-lhe que nunca tinha visto alguém produzir um poema de maneira tão rápida.

- Ora José confidenciou o poeta, a poesa brota do nada, duma lufada de vento, de um raio de luz.

Poderia prosseguir te dando uma série de exemplos.Bastou olhar para a sequência de ruas que se vê da tua janela e de ter visto na sala da Josefina o mapa da cidade que o veho Kletner desenhou pra vocês, para eu fazer a associação. E por coincidência tinha à minha disposição o bloco e a esferográfica em cima da mesa.

DITADURA CHILENA: PINOCHET TINHA OLHOS E OUVIDOS EM TODO O CHILE

Na época, no Chile, não se movia uma folha sem que ele não soubesse
De Buenos Aires
Gelson Farias

Estou na mesa, ao meu lado Rafael, de jaqueta azul, Enriqueta e outro jornalista
Olides.
Encontrei em Buenos Aires, na noite de sábado, no Café Tortoni, (foto) o jornalista chileno, naturalizado venezuelano José Rafael Mendez. Na conversa que tivemos, eu e a Enriqueta, disse que escreveu um livro sobre Pinochet. Enquanto falava sobre os capítulos do livro, lembrei dos bons e velhos tempos de reportagem policial e captei alguns fragmentos da historia. Ele tem 69 anos e na época de Pinochet teve que sair do Chile para não ser preso Foi morar na Venezuela e hoje é cidadão naturalizado. Em seguida, fiz clássica pergunta... “O senhor tem um exemplar do livro para nos dar?”... Ele ficou aborrecido por não poder atender a solicitação, mas agendou e prometeu enviar um exemplar para nosso endereço. Rafael um homem com quase dois metros de altura, fala pouco sobre ele no livro. Faz algumas insinuações, somente isso, diz ele. Conversamos pouco tempo, pois tinha de se encontra com familiares no centro.


Víctor Lidio Jara Martínez:
"Che tu madre! Sois-vos el cantor de pura mierda!", gritou o,oficial apontando o fuzil para o rosto de Víctor Jara. Era uma quarta-feira de sangue em Santiago do Chile. No pátio interno do majestoso Estádio Nacional – convertido em campo de concentração – milhares de homens e mulheres aguardavam juntos pelo pior. Um dia antes, na fatídica terça-feira, 11 de setembro de 1973, as tropas lideradas pelo general Augusto Pinochet haviam ocupado o Palácio de La Moneda, sede do governo, matando a tiros o presidente Salvador Allende. Para o povo, era o fim da utopia socialista no Chile – para Víctor Jara, apenas o início do mais terrível concerto de sua vida: "A ese hijo de puta me lo traen para acá! bradou o oficial, apontando o fuzil para o rosto do jovem estudante...
“Te recuerdo Amanda”
Somos cinco mil
En esta pequeña parte de la ciudad.
Somos cinco mil
¿Cuántos seremos en total
en las ciudades y en todo el país?
¡Cuanta humanidad,
hambre, frío, pánico, dolor,
presión moral, terror y locura!
Somos diez mil manos menos que no producen
¿Cuántos somos en toda la Patria?
La sangre del compañero Presidente
golpea más fuerte que bombas y metrallas
Así golpeará nuestro puño nuevamente.

Ele lembra que este fragmento é uma simples recordação do que aconteceu no Chile, Argentina, Brasil e tantos outros países da América latina, muitos deles com total apoio dos Estados Unidos.
“Às vezes parece que a humanidade jamais se reencontrará. Quem de fato sofreu com esta barbárie jamais vai esquecer-se destes fatos e saber do que o homem é capaz de fazer”.
A vida de Augusto Pinochet Ugarte, ou pelo menos a parte importante para a história do Chile, começou a 11 de Setembro de 1973. Nesse dia, o então chefe do Estado-Maior das Forças Armadas aderiu ao golpe militar contra o eleito Presidente Salvador Allende, para se transformar, posteriormente, em ditador. Ao contrário dos outros países da América Latina, o Chile tinha uma longa tradição democrática de Governos eleitos. O golpe de Estado contra um Presidente que conseguira a maioria do apoio popular nas urnas marcava um ponto de inflexão histórico. Ponto de inflexão que terá apanhado desprevenido Allende e os seus colaboradores, apesar do ‘tanquetazo’ de 29 de Julho de 1973, a tentativa frustrada de sublevação protagonizada pelo coronel Roberto Souper com o seu regimento blindado nº2. Nessa altura, Pinochet, adjunto do general Carlos Prats, o seu antecessor no cargo de chefe dos três ramos das forças armadas, ajudou ao insucesso do golpe militar. De trato simples e afável, Pinochet sempre usou de prudência na revelação dos seus pensamentos, foi esta característica que convenceu o general Carlos Prats a recomendá-lo como seu sucessor para a chefia das forças armadas. Para Prats, Pinochet era um militar apolítico apesar de católico antimarxista, característica comum à maioria dos altos responsáveis do corpo castrense na América Latina. Escolhido por Allende, o general Pinochet hesitou muito quando foi colocado ao corrente do golpe que estava a ser preparado para 11 de Setembro. Não tanto por lealdade, mais por prudência.


Pinochet... Sempre arrogante!


Quando aceitou liderar os insurretos fez com empenho e dureza. O golpe tinha de triunfar, corresse o sangue que corresse Pinochet não admitia pôr em risco a sua impoluta carreira militar de outra forma. Carreira que quase não chegou a existir. O Augusto José Ramón Pinochet Ugarte custou-lhe ingressar na vida militar. A primeira vez que tentou inscrever-se na Escola de Infantaria, rejeitaram-no pela tenra idade; a segunda, disseram-lhe que não cumpria os requisitos. Só à terceira, a força de caráter daquele jovem de 17 anos, nascido em Val paraíso (cidade portuária, 140 quilômetros a Noroeste de Santiago) a 25 de Novembro de 1915, o mais velho dos seis filhos de Augusto Pinochet Vera e Avelina Ugarte Martínez, conseguiu convencer os responsáveis da Escola de que poderia dar um bom militar. Segundo o próprio general, um episódio da infância transformou- o num fervoroso católico. Atropelado por um automóvel esteve quase a perder a perna esquerda que os médicos chegaram a pensar amputar do joelho para baixo. A mãe rezou por um milagre e, aceitando o conselho de um médico alemão para expor a perna do filho ao Sol, conseguiu evitar que o seu primogênito se transformasse num inválido. Tal não aconteceu e Pinochet pôde seguir a sua carreira militar, casar em 1943 (com Lucía Hiriart) e constituir família: tem cinco filhos. Apesar da fé católica, o general Pinochet não teve complacência com os seus inimigos em 1973. Não só no dia do golpe, com o bombardeio do palácio presidencial de La Moneda, a morte de Salvador Allende (que se suicidou para não morrer à mão dos golpistas) e as detenções de milhares de pessoas, mas nas semanas, meses, anos posteriores, onde a ditadura usou de todos os meios para depurar a sociedade chilena de qualquer pensamento de esquerda. Admirador do ditador espanhol Francisco Franco, Pinochet, líder da Junta Militar de Governo e Presidente do Chile a partir de 17 de Dezembro de 1974, usou de mão dura no Governo do país. Segundo a Comissão de Verdade e Reconciliação, conhecida por Comissão Rettig, a ditadura matou 2.095 pessoas, enquanto 1.102 foram consideradas «detidas desaparecidas» (calcula-se que tenham sido mortas pela polícia ou militares, mas cujos restos mortais continuam em paradeiro incerto). Muitos milhares abandonaram o país como puderam em direcção ao exílio. A ditadura estendeu mesmo os seus tentáculos para lá das fronteiras chilenas. A «Operação Condor» envolveu os serviços de segurança dos países do Sul da América (Argentina, Brasil, Chile, Paraguai, Bolívia) numa cooperação para perseguir e prender os seus opositores políticos. A idéia partiu de Manuel Contreras, o chefe do DINA, a polícia política chilena. O DINA que conseguiu assassinar o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Allende, Orlando Letelier, junto com a secretária, num atentado em Washington; e o antecessor de Pinochet como chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, general Carlos Prats, em Buenos Aires.


Estudante sendo retirados a golpes de baionetas das universidades e levados para campos de concentração, um deles era o estádio do nacional.

Entregando o manejo da economia aos denominados ‘Chicago Boys’, tecnocratas ultra liberais formados na Universidade de Chicago e influenciados por Milton Friedman, Pinochet guardava para si o resto. Ilegalizou os partidos políticos, dissolveu o Congresso, impôs o recolher obrigatório por mais de uma década. O fato de se vangloriar do poder absoluto de que gozava (No Chile, não se move uma folha sem que eu saiba), acabaria mais tarde por se voltar contra ele, ao permitir que fosse acusado (apesar de se desculpar que não sabia) da autoria moral de crimes como o da ‘Caravana da Morte’ - em Outubro de 1973, um grupo de oficiais percorreu os vários campos de detenção executando opositores com o saldo de 75 mortos. Em 1986, voltou a ter a mesma sorte de infância, ao escapar ileso a um atentado onde morreram cinco dos seus guarda-costas. O lança-granadas do guerrilheiro da Frente Patriótica Manuel Rodríguez encravou impedindo-o de fazer explodir o carro blindado onde seguia o ditador. Dois anos depois, ao perder o plebiscito que convocara para continuar a perpetuar-se no poder, Pinochet encontrou-se num beco sem saída e teve de aceitar o regresso da democracia, embora negociando a transição nos seus próprios moldes. Abdicou de ser Presidente, mantendo-se, no entanto, como chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e com aviso em jeito de ameaça: «Vou continuar como comandante em chefe para manter a minha gente protegida. “Acabará o Estado de direito se se perseguir algum dos meus homens». Dez anos antes já garantira, com uma lei de anistia, que ninguém seria julgado pelos crimes cometidos depois do golpe militar. Durante a década de 90, a democracia chilena manteve-se tutelada pelo velho regime. Por duas vezes, o general usou os seus soldados para ameaçar a democracia, colocando em causa as instituições políticas e cerceando o poder civil. Só em 1998, depois de longas negociações, aceitaria abandonar o cargo em troca de um lugar como senador vitalício. Desta maneira, acreditava, garantia os foros que impediriam a democracia de alguma vez o processar. Essa crença de ser intocável levou-o a ignorar as advertências para não viajar a Londres para operar-se de uma hérnia abdominal. O juiz espanhol Baltasar Garzón emitiu um mandado de captura internacional para a sua detenção e o general Augusto Pinochet teria de passar mais de 500 dias no Reino Unido em prisão domiciliária, até ser libertado por razões de saúde. Era o fim do ditador. A humilhação de ter de recorrer à doença para fugir aos processos judiciais garantiu a sua retirada da cena política chilena. Ao regressar a Santiago, o Chile deixara de ser o mesmo, livrara-se da trela do general. A ponto das principais forças da direita aproveitar a deixa para enterrar o passado e assumir programas políticos sem referências a Pinochet ou ao seu legado. Também a justiça chilena se sentiu fortalecida (e moralmente comprometida) a agir. Várias queixas-crime contra Pinochet prosperaram nomeadamente as da Caravana da Morte e as de enriquecimento ilícito (o antigo ditador tinha os bens congelados por ordem do juiz Sergio Muñoz, que investigava as contas secretas que Pinochet tinha no estrangeiro e que ascendiam a 17 milhões de dólares). Além disso, como forma de contornar a anistia de 1978, que impedia de processar os militares envolvidos em crimes contra a humanidade, a justiça chilena, tal como tinha feito antes a justiça argentina, Estabeleceu que os crimes envolvendo ‘detido-desaparecidos’ seriam considerados como seqüestros permanentes, ainda hoje vigentes e, portanto, permitindo aos tribunais julgá-los. Para Pinochet, o regresso ao Chile tornar-se-ia penoso, obrigado a uma farsa permanente, a um jogo eterno com a justiça, perdeu qualquer contorno de referência simbólica, para se transformar apenas num homem velho a fugir dos tribunais. Os anos-luz desse Pinochet arrogante de meados da década de 90, assumindo o legado do regime como serviço público a um Chile salvo da ameaça comunista, amarrando a democracia no colete-deforças castrense, a defesa do ex-ditador só conseguiu encenar repetidamente o episódio da doença frágil, dos micro-acidentes vasculares cerebrais nas vésperas das audiências em tribunal, explorando a imagem do seu corpo conduzido na cadeira de rodas. Se o ajudou enquanto vivo a livrar-se da prisão, terão garantido, depois de morto, que o Pinochet ismo seja apenas um depositário de idéias moribundas à espera que morra, os poucos saudosistas que ainda têm coragem de defendê-las em público. Enquanto Pinochet se livrava das garras da justiça, o Chile livrava-se das garras de Pinochet.

JUSTIÇA SUSPENDE BLOQUEIO DE QUE IMPEDIA CIRCULAÇÃO DOS JORNAIS CLARíN , OLÉ E LA NACIÓN


De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.

A paralisação de motoristas de caminhões fez parar ontem e hoje, domingo, distribuição dos exemplares desses periódicos de posições críticas com o casal Kirchner Clarín o esportivo Olé e La Nación. A medida desatou uma onda de críticas por parte de organismos de defesa da liberdade de imprensa. O bloqueio da gráfica do jornal ocorreu nas primeiras da madrugada de sábado, quando cerca de 30 motoristas e outros sindicalizados permaneceram junto à entrada principal da sede do jornal, impedindo a passagem de caminhões que decidiram sair, para distribuir os jornais. Segundo informações chegada da direção do jornal, a greve começou depois que o jornal fez várias matérias, sobre a complicada situação jurídica do sindicato dos caminhoneiros e seu presidente Hugo Moyano, outros membros da Federação, e o presidente da CGT, e seu filho Paul Regentea a transportadora união. A matéria do jornal dava conta que...


Manifestantes junto ao prédio (setor de impressão) do jornal Clarin Olé e La Nación
“Na semana passada, um mandado judicial chegou da Suíça para a Argentina através do Ministério das Relações Exteriores e se refere a um processo penal por lavagem de dinheiro contra Ruben Depresbiteris, membro do sindicato, que é considerado próximo a Hugo Moyano, mais conhecido como Moya.


Sob a foto de Eva Perón, a presidente Cristina Kirchner e Hugo Moyano

Olides. O cara, aí desta foto acima, é amigo da presidente, vê o sorrido dele, quer mais. Da para ver que a greve é coisa de mando, de gente grande. O secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Hugo Moyano, considerado a “tropa de choque” da presidente Cristina Kirchner, que tem várias ações judiciais contra os grupos dos jornais Clarín e La Nación. Na semana passada o secretário-geral da CGT – que é o principal suporte social dos Kirchners – recebeu o respaldo explícito do governo para muitas das manifestações realizadas pela CGT “defensoras” que segundo se fala é a defensoras oficial dos trabalhadores argentinos.
Mas, por trás das pressões, afirmam analistas, está a política da presidente Kirchner de intimidar empresas que não se alinharam com o governo. O Grupo AGEA (Graphic Arts Editorial Argentino) dois jornais é um destes que a presidente Cristina tenta intimidar. O sindicato dos proprietários de Jornais e Revistas de Buenos Aires, entrou com uma liminar a justiça, e um pedido direto ao ministro da Segurança, Nilda Garre, para dar cumprimento à presente decisão. AGEA (Graphic Arts Editorial Argentino) deduziu três acusações contra os bloqueios repetiu: insuficiência jornal de grande circulação (. Art. 161 Cod CPS), a interrupção de comunicação (. Art. 194 Cod PC).
Dede de novembro do ano passado começou as manifestações do sindicato no que se refere à circulação dos jornais, não aparecendo os motoristas caminhões para a distribuição impedindo a circulação de jornais, revistas e outras publicações de propriedade da Clarin e do jornal La Nación em cerca de mais de 100.000 exemplares por dia, não foram distribuídos nas áreas norte e sul de Buenos Aires. Em janeiro, outro bloqueio, que afetou a distribuição dos jornais Clarín e La Nación, Chronicle, Pessoas, Tempo e Página, durante seis horas.
Olides.
Segundo me confidenciou Enriqueta Sollares esta briga prometida há bastante tempo por birra políticas vai longe. Hoje, domingo estive com ela, pela manhã para tomar café e não encontramos um exemplar do Clarín e La Nación nas principais bancas da Calle Florida e de todo o centro de Buenos Aires. E as eleições de Cristina?

Um abraço Gelson.

Coleguinhas

Gravamo agora há pouco o programa sobre puteiros pra rádio da UFRGS. Ficou melhor do que a encomenda. Diz o Gutto Villanova que fará dois programas de tanto material que se colheu....

O Amarante, criador e dono do Gruta Azul, sempre que uma candidata ao cabaré se apresentava a primeira coisa que fazia era vasculhar ou bisbilhotar as calcinhas da candidata. Pela cara das calcinhas, a contratava ou não...

Muitas histórias da noite, de um setor da sociedade que é hipócrita,sim mas que existe e que todos usam....

Em Porto Alegre, a noite é conhecida por avenida Farrapos. É lá que as gurias ganham a vida...

Um dos atrativos da noite é colocar chamadas na frente das casas com as gurias que foram capa da Playboy. só que dizem as más línguas, o material não é o mesmo. é uma substituta...será verdade....

Um taxista informou a um conhecido aqui deste redator que as casas que estão com as melhores gurias são o La Barca e o Dominó e que o Gruta e a tia Carmen já estiveram melhor....A concorrência no capitalismo é a alma do negócio...


Café da Imprensa inaugurou sexta-feira na ARI


Eis aí então o café do espanha. apareçam....

o bom mesmo é no findi de tarde, quando ele está por lá, mas durante o dia também abre

O prédio da Associação Riograndense de Imprensa, na av. Borges de medeiros, 915, no centro de Porto Alegre, tem uma nova atração: o café da Imprensa, ou o café do Espanhol, iniciativa do fotógrafo Alfonso Abraham, o Espanhol, e sua mulher Diana lauthert, com apoio da direção da entidade, criaram um espaço também um espaço temático em torno da história da imprensa gaúcha e da fotografia, com um café saboroso e petiscos para quem quiser passar alguns momentos conversando com colegas. Certamente , a intenção do espanhol transformar num ponto de encontro de jornalistas, artistas e intelectuais. O "Espaço Fotográfico Assis Hofmann" ficará disponibilizado a todos os repórteres fotográficos que quiserem expôr seus trabalhos. A galeria vai suportar 24 fotos 30cmx 40cm, cada exposição terá dumearação de 30 dias.
Agendamento com o Alfonso, tel. 91760473 e também com a ARFOC.
A cafeteria funciona em horários normais das 7h30min às 21h.
Foto do fotógrafo Alfonso no café.


Recebo e Publico


RECEBO COM SURPRESA E RESPEITO UMA CARTINHA DA FILHA DO PENA BRANCA, UM FAMOSO REPÓRTER PAULISTA QUE ENTRE OUTRAS COISAS FEZ UM LIVRO SOBRE O ESQUADRÃO DA MORTE, OU SOBRE O MARIEL MARISCOT....

CONHECI O PENA BRANCA NOS ANOS 70, QUANDO VOLTEI DO PERU. O CACO BARCELLOS SE DAV AMUITO BEM COM ELE....TANTO QUE A FIRMA DO CACO SE CHAMA PENA BRANCA EM SUA HOMENAGEM....

O PENA QUE ERA UM REPÓRTER MUITO TARIMBADO E QUE CONHECIA TODA A MALANDRAGEM DA POLICIA E DOS BANDIDOS ENSINOU O CACO A NÃO SE ATIRAR DO 12 ANDAR PORQUE SABE COMO É....

VOU VER O QUE FAÇO PELA FILHA DO RESPEITADO JORNALISTA....

O EDITOR.


SOU FILHA DO REPORTER OCTAVIO RIBEIRO, O PENA BRANCA
OLÁ, OLIDES CUNHA
PESQUISANDO NA INTERNET DEPOIS DE 25 ANOS DA MORTE DE MEU PAI, ACHEI VARIAS REPORTAGENS, DELE, POIS AGORA, INCENTIVADA PELOS MEUS FILHOS, APESAR DENÃO SER JORNALISTA E SIM FORMADA EM LETRAS, PRETENDO REALIZAR UM SONHO ANTIGO, QUE É ESCREVER UM LIVRO SOBRE O MEU PAI E FIQUEI MUITO FELIZ DE VER MUITOS JORNALISTAS,FALANDO SOBRE ELE, NOS DIAS ATUAIS, COM VERDADEIRA ADMIRAÇÃO A SUA PESSOA E A SUAS REPORTAGENS, COMO VC, NO SEU BLOG, MARCOS SANTOS, SIMAO PESSOA, SIDNEY SAMPAIO, PAULO MARTINS ( TODOS ESTÃO EM CONTATO COMIGO E ME AJUDANDO NESTA ÁRDUA TAREFA, QUE É COLHER INFORMAÇÕES DE VCS, JORNALISTAS, QUE CONVIVERAM OU TEM GUARDADOS ESCRITOS DEPOIS DE TANTOS ANOS, SOBRE OCTÁVIO RIBEIRO, MAIS CONHECIDO COMO PENA BRANCA). ESTOU NO BLOG DO JORNALISTA MARCOS SANTOS, PODE CONFERIR.
ABAIXO , COLOCO SUAS PALAVRAS LIDAS EM SEU BLOG, OLIDES:
No programa de ontem, Armando homenageou um grande programa de tevê que eu via às sextas que se chamava plantão de Polícia, com o Hugo Carvana. O personagem principal era o VALDOMIRO PENA, claro que inspirado no famoso repórter Octávio Ribeiro, o Pena Branca, que conheci pessoalmente em São Paulo...(graças a amizade que o Caco Barcellos tinha com ele....)
SE VOCE PUDER ME AJUDAR, TE AGRADEÇO. E SE VC TIVER CONTATO COM O CACO BARCELLOS, FALE DE MIM, PARA ELE, POIS ESTIVEMOS JUNTOS , NO HOSPITAL, ANTES DELE FALECER E GOSTARIA MUITO DE FALAR COM ELE TAMBÉM.
MUITO OBRIGADA, DESDE JÁ, AGUARDAREI A SUA RESPOSTA.
REJANE RIBEIRO


Uma proposta inconstitucional

Carlos Chagas

Com todo o respeito, um absurdo acaba de ser proposto pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Cezar Peluso: o presidente da República, ao receber do Congresso projetos de lei para sancionar, estaria obrigado a submete-los previamente à mais alta corte nacional de Justiça, que se pronunciaria sobre sua constitucionalidade. Caso julgado inconstitucional, o presidente não sancionaria o texto.
A proposta agride o princípio da harmonia e independência entre os três poderes. Porque se o Congresso votou e aprovou o projeto, depois de apreciado pelas comissões de Constituição e Justiça da Câmara e do Senado, terá sido por entendê-lo acorde com a Constituição. E se sancionado pelo presidente da República, será pelo mesmo motivo. Se depois, provocado, o Supremo discordar, poderá decretar sua inconstitucionalidade. Antes, de jeito nenhum. Seria interferir nas atribuições do Legislativo e do Executivo.
Tem-se a impressão de que, depois de haver negado aplicabilidade à lei ficha limpa, o STM inflou o próprio balão. Mas não parece haver perigo de consolidar-se a sugestão do ministro Peluso. Para valer, ela precisaria ser aprovada pelo Congresso, através de emenda constitucional. Por ironia, deputados e senadores poderiam julga-la inconstitucional…
AGRESSÃO A QUEM NÃO PODE DEFENDER-SE
Escorregou José Sarney em sua biografia autorizada quando agrediu a memória de Ulysses Guimarães, ao taxá-lo de político menor que só queria o poder. Quando presidente da República, cara a cara com Ulysses, Sarney tinha o direito de exprimir essa opinião. Agora, de jeito nenhum. O inesquecível comandante da oposição não pode defender-se. Na imensidão do oceano, sua voz não será ouvida. Aliás, ninguém o defendeu, até agora…
O ESTADO E O MERCADO
Mais uma evidência de que o mercado não pode ser absoluto nem sobrepor-se ao interesse nacional: o Brasil acaba de importar etanol dos Estados Unidos. Isso uma semana depois de a presidente Dilma Rousseff haver proposto ao presidente Barack Obama inundar o mercado americano com o nosso etanol.
A explicação é de que a produção caiu porque os usineiros estão preferindo fazer açúcar, de preço mais compensador no mercado. Vai para o espaço a estratégia tantas vezes anunciada de abastecermos o mundo com energia limpa, alternativa para o petróleo. Prevalece o lucro, acima de tudo. A gente se pergunta onde anda o Estado, ao qual caberia zelar pelo interesse nacional, acima e além das relações comerciais.
PRÊMIO AOS DERROTADOS
A nomeação de Geddel Vieira Lima, José Maranhão e provavelmente Orlando Pessutti para cargos de importância no segundo escalão do governo demonstra que um dos bons negócios da atualidade é disputar e perder eleição. Claro que pertencendo a um partido que apóia o governo. Pouca ou nenhuma atenção tem sido dada à capacidade técnica dos nomeados, valendo essa evidência também para o PT e penduricalhos.


Sai Lula, entra Dilma....

Lá em casa, em Serafina, havia uma foto da irmã Ana com o presidente Lula...

Mas ele já foi tirado do " trono" como eu chamo o espaço onde meus pais guardam as fotos dos filhos e netos...

Agora vai pra lá a da Dilma...

Como se diz no popular, REI MORTO, REI POSTO!


URBANASCIDADES : Cinemas de Rua

Oi, Olides, havia feito uma postagem em 2010, que estou te enviando. Ali tu encontras links para outras informações e sobre o livro The end – Cinemas de calçada em Porto Alegre .
Abraços, Paulo


http://urbanascidadespoa.blogspot.com/2010/06/cinemas-de-rua-em-porto-alegre.html


RESULTADOS DA PESQUISA METHODUS

INCOMODA O VEREADOR ADELI SELL


o VEREADOR ADELI SELL ( pt) se pronunciou ontem,segunda, dia 28/03, sobre a pesquisa de intenção de voto divulgada domingo pela colunista rosane de oliveira de zero hora.

Diz textualmente a este blog:

Primeiro, botaram nomes que nem se apresentaram no PT.
Eu sou o único que disponibilizo meu nome.

eu vou pra disputa se for o caso

sou candidato,querendo ou não...

Posso até perder na prévia,naõ tem problema, mas não tem nada de imposição dentro do PT ainda mais enquanto eu for o presidente do diretório municipal.


IMPRENSA

O "chinaredo"
NA RÁDIO DA UFRGS


Por meio do Gutto Villanova acabei voltando depois de 37 anos a rádio da UFRGS,apenas como um mero e folgado debatedor do seu programa,quando ele me convoca.

Ontem, junto com editor da revista Programa, gravamos sobre a vida noturna de Porto Alegre, mas não a comportada, a vida noturna da avenida Farrapos e adjacências...

Diz o Cerrutti, o editor da Programa há 35 anos, que quando a revista nasceu, ela tinha a intenção de ser um guia de Porto Alegre, como Paris tem o seu, Londres, Nova Iorque e por aí...

Mas o que ajudou a revista a sobreviver até os dias de hoje foram os anúncios das chamadas casas de tolerância( ufa, que termo mais hipócrita...) como Gruta Azul,Sofazão( este é mais swing, troca de casais) Carmen, La Barca,a própria churrascaria Zequinha, por meio do Vermelho 27, QUE O romildo vALAndro(HOJE MORTO) levou durante anos..

O programa acabou sendo sério, mais do que se imaginava. deu-se poucas risadas...
O interessante é que a Programa através dos anos acabou registrando este lado de Porto Alegre, um lado que todos usufruem, mas do qual ninguém fala...

E lembramos como as casas noturnas faturavam,ou faturam durante a Expointer, que é quando o público que tem grana do interior passa uma semana na capital..

Pois foi o Cerrutti que contou que numa destas casas durante uma EXpointer, enquanto as gurias tomavam banho de espuma numa jaccuzzi da vida, e se embolavam entre elas, um gauchão, de botas e tudo e que a tudo assistiu ficou de pau duro e se mandou pra cima do palco e entrou na jaccuzzi de botas e tudo, fazendo saltar água e espuma por tudo quanto é canto e evidentemente com as gurias correndo pra dentro do seu recinto...


De São Borja


Nos dias 9,10 e 11 de abril acontecerá a XXII Penca do Arroz, um evento que atrai muita gente pra 'TERRA DOS PRESIDENTES"...

pREMIOS:

1) 50 mil reais

2) 10 mil reais

3) 6 mil reais.

treinador vencedor 20 mil reais....

Mendelski faz niver e

ouvintes exageram....


Ontem de manhã ouvi alguns recados de ouvintes na Guaíba porque era o níver do apresentador, Rogério Mendelski. Mas um especialmente me chocou....O do ouvinte que se intitula Dr. Britto....

( não o conheço, nem o grau de intimdiade que tem com o apresentador)

Mendelski, educado,tirou de letra...

Mas o cara disse que voltou antes da Alemanha por causa do niver do apresentador. Bom, de duas uma:

1) ou tava debochando,ironizan do,brin cando( o que pode até ser...)

2) ou viajou na batatatinha.....


Não é pra tanto, cara ouvinte.....


Retirada de famílias e demissões na Carris em pauta na Cedecondh

Há demissões na Carris, é????

Mas o Pancinha, que é o presidente lá, não tinha comprado um montão de ônibus novo???

e o MAGRÃO COMPACTUA COM TUDO ISTO????

Olha que a mANU VEM AÍ!!!!!( DEPOIS NO PODER ELA FARÁ TUDO IGUAL AO PANCHINHA>>>>>)

Retirada de famílias e demissões na Carris em pauta na Cedecondh

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE
ASSESSORIA DE IMPRENSA
PAUTAS PARA A IMPRENSA
http://www.camarapoa.rs.gov.br/


A Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana (Cedecondh) reúne-se nesta terça-feira (29/3) para tratar de duas pautas. A primeira, a partir das 14 horas, vai tratar da retirada das famílias da Rua Ouro Preto até a Avenida Polar. A segunda discutirá demissão de funcionários da Companhia Carris, com início previsto para as 16h. As duas reuniões serão realizadas na sala das comissões, no terceiro andar da Câmara.

Vítor Bley de Moraes (reg. prof. 5495)

Lauro Dieckmann


Lauro, dono do blog mais interessante dos coleguinhas aí( depois do meu,cláro....) andando de novo pelo mundo. O Lauro faz uso do vale-câncer ( como ele se curou de um tem desconto no IR)

e tá aproveitando bem a vida...bem que faz...entre PASSO DE TORRES, LONDRES, PARIS, MILÃO, O CHAMADO CIRCUITO ELIZABETH ARDEN DO ITAMARATY.....

Apertem os cintos...
...o piloto é mulher!
Sim, foi preciso apertar os cintos, mas não porque a comandante era a senhora aí da foto, de nome Elisa Rossi.
Os cintos precisaram ficar amarrados o tempo todo porque a turbulência foi constante desde Porto Alegre até São Paulo. No final, na aproximação, então, o vento estava bem forte. Mas, graças à habilidade da Dona Elisa e de seu co-piloto, chegamos são, salvos e felizes.
Não perdi a oportunidade de fotografá-la ainda na cabine. Afinal, nunca tinha viajado num avião comandado por uma mulher.

Bonitona a D. Elisa, não é?


Postado por Lauro Dieckmann às 19:55

MERICA, MERICA....

Os gringos de Farroupilha tomaram conta da entrada do prédio da Assembléia Legislativa neste momento. EStão inaugurando a exposição sobre Farroupilha....

Gringo quando se move, o faz acompanhado de gaita e comida....

Assim que no fim da tarde de hoje teremos comida a la farta aqui....

E sempre cantam o Merica, Merica( As vezes penso que o RS é a região italaina, pelo menos pra mim é....)

Rescaldo do papo de ontem na rádio da UFRGS


Conta o Ayres Cwerrutti que o Nei Remédi de Souza, então presidente do Sindicato das Relações Públicas foi visitar o GRUTA AZUL, na Farrapos.

Em lá chegando. o Ney, que era um gozador, se apresenta pro Macluff, um fotógrafo que era o RP da Gruta Azul. Mas as gurias de lá eram chamadas de Errepês e então o Macluff foi chamar a turma naquela noite pra conhecer alguém especial:

- Venham conhecer o NOSSO PRESIDENTE!


Morre o jornalista de cultura do JC, Helio Barcellos Jr.


Helio tinha 47 anos e estava internado em razão de problemas cardíacos
O jornalista de cultura do Jornal do Comércio, ator e autor de teatro Helio Barcellos Jr morreu na madrugada desta segunda-feira (28) no Hospital de Clínicas, em Porto Alegre. Com 47 anos, Helio estava internado em razão de problemas cardíacos.
Funcionário do JC desde 1996, um dos mais recentes trabalhos do jornalista foi a produção do livro Sandra Dani — Memórias de uma Grande Atriz, que ele classificava, em sua página no Facebook, como um grande projeto realizado. No site de relacionamentos, ele se descrevia como uma pessoa apaixonada pela profissão.
"Meu coração é grande, sou exagerado, amo teatro, cinema e adoro beijar muito. Sou jornalista, escrevo sobre teatro no Jornal do Comércio, em Porto Alegre, há muito tempo", diz o perfil do jornalista.
A cerimônia de cremação será na tarde desta segunda-feira, às 18h, no Crematório Metropolitano.


Coleguinhas

Rogério Mendelski completou ontem 68 anos de idade.

Fez questão de deixar claro que não gosta de comemorar niver, no seu programa matinal, o Bom Dia!

Até explicou: ele acha que quando era pequeno não havia esta comemoração e por isto não pegou afeição pela coisa...

Como jornalista, iniciou no Correio da Manhã, como vendedor. DEpois foi repórter.Seus pais( o pai era padeiro de profissão e talvez daí venha a explicação porque ele sempre fez programas de manhã cedo....está no DNA) foram Oswaldo Mendelski e Arlinda Vaz Mendelski. Ele nasceu em Viamão..

Afora algumas opiniões divergentes, tenho o máximo de respeito pelo Mendelski e o acho um profissional muito competente....

E onde há respeito, há (quase) tudo....


O dono da revista Programa

começou no Diário de Notícias


Ayres Cerutti, hoje dono da revista Programa e diretor da ARI iniciou em Porto Alegre, no Diário de Notícias.

Depois foi pra ZH e mais tarde entrou pra editora Intermédio, que edita a Programa, onde está até hoje.

Ayres nasceu em Concórdia(SC) em 07.01.1951,filho do sapateiro José João Cerutti e de Candida Cerutti.

Foi casado com Carmen Regina( 05.05.1950) falecida com tem teve o filho Gianfrancesco(19.01.1979).

Do segundo casamento, teve uma filha.

Ayres já foi titular da SMIC, quando Políbio Braga saiu pra assumir outro posto dentro do Governo de Alceu Collares na Prefeitura de Porto Alegre.

O Serginho voltou com a corda toda....


O KAMICASE QUE
NÃO MORREU


Fui remexer dias atrás nos meus arquivos fotográficos e encontrei uma foto parecida com esta.
É um grupo de pilotos japoneses que fariam o último vôo de suas vidas.
Iriam se jogar sobre bases americanas,quase no final da guerra.
Aí me lembrei de uma matéria que fiz em 74,
logo que cheguei aqui em Brasília. Conheci, na época,um japonês que tinha sido piloto da Força Aérea Japonesa e integrava um grupo de kamicases e estava pronto para morrer pela pátria. Hoje, ou melhor, na época, era dono
de uma das mais lindas floriculturas que existiam na cidade(ele morreu há pouco mais de um ano).
Conheci o piloto japonês,quando fui na sua
chácara comprar umas flores. Conversa vai,conversa vem descobri que o homem tinha sido piloto e faria o seu ultimo vôo nas vésperas do fim da guerra. Aí perguntei por que ele não fez o seu vôo e estava lá vivinho da silva conversando comigo. Ele me contou
então a sua história e eu quase morri de tanto rir. Ele me contou que estava escalado para voar sobre uma base americana,onde ia jogar o seu avião. Eu então achando que era gozação do japonezinho, perguntei por que ele não havia feito. Ele pôs a mão sobre a sua boca e riu discretamente. Me disse que, na noite anterior ao vôo,teve uma crise muito séria de hemorróidas e, por isso, havia sido substituído na missão. Juro que, a principio, não acreditei na história. Mas o piloto, agora jardineiro, me convenceu de que falava a verdade. Acreditei e fiz então uma bela matéria para a Fatos e Fotos.
Ai, veio o problema do título da matéria. Dizer que
seu anus o havia salvado da morte não ficava bem. Mas que era um bom título, era.

Sergio Ross


Bancada do PPS propõe critérios e limites para cargos em comissão no Estado

A bancada do PPS na Assembleia Legislativa apresentou nesta semana Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para que sejam estabelecidos critérios quantitativos e financeiros para a criação de cargos em comissão (CCs) no governo do Estado. A proposta fixa regras objetivas, definidas em lei complementar, para limitar o número de cargos em comissão em cada órgão da administração pública e os gastos com esses servidores. Pelo projeto, o limite no número de cargos em comissão estará associado ao total de servidores em cada órgão, para evitar que os CCs sejam maioria ou em número tão significativo que dificultem a continuidade dos trabalhos nas transições administrativas. Ao mesmo tempo, também serão limitados os gastos com esses servidores.
Informativo Deputado Luciano


Zulke acompanha liberação de recursos
para Sapucaia e São Leopoldo


O deputado federal Ronaldo Zulke (PT/RS) acompanhou prefeitos do Rio Grande do Sul em agendas no Ministério da Saúde e na cerimônia com a presidente Dilma Rousseff em Brasília nesta quinta-feira (24). A presidente assinou termos de referência para a construção de 718 escolas infantis no Brasil, somando um investimento de R$ 800 milhões.
Sapucaia do Sul foi contemplada com recursos para a construção de duas Escolas Municipais de Educação Infantil e São Leopoldo, com recursos para a construção de quatro escolas e uma quadra poliesportiva, por meio do Programa Pró- Infância, do Governo Federal.
Saúde
Em reunião no Ministério de Saúde, o deputado Zulke e o prefeito de Sapucaia do Sul, Vilmar Ballin, confirmaram a liberação de R$ 326 mil para qualificação da atenção básica em saúde no município. Com o recurso, será possível comprar equipamentos odontológicos, materiais permanentes e veículos para adequação do trabalho das equipes de saúde das Unidades Básicas de Saúde e das Unidades da Estratégia Saúde da Família.
Arroio José Joaquim
Zulke e Ballin reuniram-se também com o Secretário Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades, Leodegar Tiscoski, para tratar sobre o andamento dos projetos relativos à revitalização do Arroio José Joaquim. A solicitação do prefeito é a inclusão do reassentamento das famílias, que não foi previsto no projeto da Fase 2 da obra, dentro do PAC 1.
Chuvas
Na Defesa Civil do Ministério da Integração, Zulke e Ballin verificaram meios de acelerar o processo de liberação de recursos para São Leopoldo e Sapucaia, afetados pelas chuvas no mês de fevereiro.
Com informações da assessoria de imprensa da prefeitura de Sapucaia do Sul e site da prefeitura de São Leopoldo.


De São Borja

" Chantegiei" o Letier sobre umas fotos digamos indiscretas dele na padaria....olha a resposta...curta e grossa....


É claro... se tu quiser ter uma morte lenta e dolorida!
Gostei do texto das brizoletas.
Abraço e bom fim de semana falcatrua


Letier

MEDALHA DE PORTO ALEGRE


fUI NA QUINTA DE NOITE NO RENASCENÇA tentar vender uns livros do ALCINDO,ou ALCINDAÇO....ele era um dos que ganhariam a tal medalha de Porto Alegre, como chamam...( quem indica os caras que vão ganhar, que mistério é este???parece o triangulo das bermudas....)

Ouvi gente na rua confundindo esta medalha com o titulo de cidadão honorário,imagina se o povo tem tempo pra ficar distinguindo uma coisa da outra....


Mas não é que me deparei com uma solenidade breve( se a gente comparar com os 18 premiados, todos querendo usar seus 15 segundos de fama no microfone) e de bom gosto...É que esperei coisa muito mais chata...

O prefa, que é um baita de um ERREPE, FAZIA O SERVIÇO DE COLOCAR O MICROFONE PROS CARAS FALAREM....


O MAGRÃO, como é chamado e temido entre os funcionários da prefa, tava todo solto. Esta aí pra ser reeleito, pelo menos é o que quer. terá a MANU BELEZA PELA FRENTE QUE É UMA PARADA DURA ,ou então de novo a Maria do Rosário, ou o HOMEM DO CHAPEU...


gOSTEI DO PAPO DA LICIA PERES, da mulher que cuida( e castra os gatos do centro)
cujo nome não lembro neste momento...
Porto alegre tem cada coisa que só indo num troço destes pra você ficar sabendo. E era aberto ao público.

Um dos que ganharam o tal troféu, tirou um sarro dele. Jerônimo Jardim disse que nunca vareu uma calçada, porque ganharia isto, mas que pela música tudo vale.( eu acho que ele foi indicado pelo Luiz Coronel, aquela do comercial do Zaffari)

No fim,quando ia saindo. O jeronimo estava ali dando sopa e tirei uma velha dúvida, que haviam me contado há muito tempo....

Me disseram que ele tava a fim de uma atriz globla durante muito tempo....e nunca levou...até que um dia em Curitiba, durante um evento de teatro lá, ela teria topa dar pra ele...

E ele teria brochado....

Contei pra ele que riu muito...diz que apenas foi namoradinho da atriz e que nada disto aconteceu( bom ele que disse né....)

- DIZEM TANTA COISA DE MIM, DIZEM QUE SOU BICHA, me confessou o musico de Bagé....


Notícias do Piratini - Notícias do Piratini - Governo RS

Executivo

Governo propõe novo conceito para fortalecer base produtiva do RS
Em reunião-almoço na Câmara Brasil-Alemanha de Porto Alegre, Tarso Genro apresentou o conceito de valor compartilhado para o fortalecimento da base produtiva gaúcha. Essa visão já é experimentada por empresas mundiais, como Nestlé e Google e Walmart.


Educação

Governo aumenta proposta para o Magistério e convida categoria a aderir ao Pacto pela Educação
Reajuste de 10,91% sobre o básico do Magistério. É a maior proposta recebida pela categoria nos últimos 10 anos. Este percentual representa um ganho real em relação à inflação de 2010 de 4,7% (IPCA) e de 4,2% (INPC).

Comunicação e Inclusão Digital


Vera defende que comunicação não é só jornalismo e publicidade
A secretária de Comunicação e Inclusão Digital (Secom) do Governo do RS, Vera Spolidoro, foi a palestrante desta quinta-feira (24) do 1º Meeting de Marketing de 2011 na sede da Federasul.

Executivo

Embaixador alemão quer estreitar relações comerciais com o Estado
Wilfried Grolig demonstrou interesse em convidar o Estado a integrar as comemorações do ano da Alemanha no Brasil. O evento, cujo objetivo é ampliar o comércio entre os países e promover troca de experiências em áreas de pesquisa e de cultura, será realizado em 2013. <Leia mais>
Notícias

Agenda do governador nesta sexta-feira, 25 de marçoFarroupilha conhece oportunidades da Copa 2014CEVS participa de seminário sobre desastres ambientais em OsórioSeinfra anuncia instalação de ponto biométrico no DaerBeto Grill fala sobre projetos do governo em CamaquãComissão da Legalidade reúne-se pela primeira vez nesta quinta-feira


Rádio

Seminário debate ações em desastres ambientaisComissão debate atividades de celebração dos 50 anos da Campanha da LegalidadeSecretaria do Trabalho promove curso na área da construção civilTarso apresenta modelo de desenvolvimento para o RS à Câmara Brasil-AlemanhaProposta ao Magistério é a maior dos últimos dez anos


TV

Comissão da Legalidade apresenta primeiras propostas de atividades do cinquentenárioGovernador recebe convite para inaugurar Museu da Moda em CanelaEmbaixador alemão quer estreitar relações comerciais com o EstadoTarso palestra em almoço da Câmara Brasil AlemanhaGoverno do Estado apresenta nova proposta ao Magistério


LIVRO


Pelo que entendi, será uma biografia do Ruy Cirne Lima, mas não tenho certeza. Sei que o Bicudo está pesquisando sobre uma convenção da ARENA realizada em 1966, no Teatro São Pedro, na qual saiu o cel da BM Walter Perachi Barcellos como o indicado a governador pelo partido do governo. Depois só precisou ser homologado. Havia outros dois candidatos: Tarso Dutra que controlava a Arena e um terceiro....que depois renunciou ao mandato.

Bicudo andou consultando dois grandes experts deste tempo na reportagem política: Carlos Machado Fehlberg e João Carlos Terlera....

Livro(1)

Segundo João carlos Terldera, que transmitiu aquele evento pra rádio Farroupilha, o cara que mudou a convenção - de um resultado deu outro - foi o então general GOLBERI DO COUTO E SILVA....

- Ele trazia os caras prum banco da praça pra conversar....

Ah, bom com um cabo eleitoral destes....até eu ganhava.....


PIADA


Os brasileiros fazem piadas dos portugueses. Segundo consta, lá em Portugal fazem piadas de brasileiros.
Agora os portugueses fizeram mais uma piada de brasileiro: a Universidade de Coimbra concedeu o título de Doutor Honoris Causa ao Lula, a ser entregue no fim do mes.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

SITE CONTRA O VENTO


- Todo mensaleiro tem um advogado de defesa.
Só o Genoíno tem um Ministério.
() Acir Vidal, editor do site.
SERGIO OLIVEIRA
CHARTQUEADAS - RS

Agência Edisoncastêncio

Na abertura da convenção, o presidente licenciado Carlos Lupi, além de encaminhar os trabalhos do dia, fez um apelo aos pedetistas para que aproveitem a força histórica da legenda e se organizem nas instâncias estaduais e municipais. A idéia é que o partido consiga o melhor resultado nas próximas eleições.

Lupi comentou ainda sobre a reforma do prédio da sede nacional em Brasília, que para ele faz parte também do momento de reestruturação do partido.

Já Manoel Dias, presidente em exercício do PDT, destacou a importância do debate sobre a Reforma Política, tema tratado como prioridade pela legenda. Após três reuniões discutindo o tema, membros da bancada federal e da executiva nacional defendem a legitimação das mudanças propostas por meio de consulta popular.

GANHOU A CONSTITUIÇÃO, PERDEU A MORALIDADE PÚBLICA


Por Carlos Chagas

Deveria o Supremo Tribunal Federal, quarta-feira, ter-se reunido para decidir sobre o anterior empate de 5 a 5, entre seus ministros, a respeito da validade da lei ficha limpa nas eleições do ano passado? Concluem que não muitos juristas consagrados, além de observadores experimentados na vida política nacional. Afinal, se houve empate, mandaria o Bom Direito que prevalecesse a decisão da instância imediatamente anterior, o Tribunal Superior Eleitoral, que por ampla maioria pronunciou-se pela aplicabilidade imediata da nova lei.

Sendo assim, de nada adiantaria o voto de desempate do décimo-primeiro ministro, recém nomeado. Luiz Fux nada teria a decidir porque a questão já estava decidida.

Apesar disso, entendeu o presidente da mais alta corte nacional de justiça, César Peluso, reabrir o processo, convidar os dez ministros a votar novamente, incumbindo o novo colega da palavra final.

Bom, e agora? E agora nada, porque não há mais a quem recorrer. O STF constitui a última instância jurisdicional do país. Falou, está falado. Só Papai do Céu poderia interferir para dispor que a lei ficha limpa era válida em 2010.

Quanto ao mérito, deve-se reconhecer a força da argumentação dos seis ministros contrários à aplicação imediata da lei. Para eles, prevalece a Constituição, que no artigo 16, dito cláusula pétrea, proíbe a vigência imediata de leis votadas no período de um ano anterior às eleições. Tratou-se a decisão, para o relator Gilmar Mendes e para seu mais novo pupilo, Luiz Fux, de um antídoto contra os casuísmos tão a gosto da ditadura militar. Uma garantia dada ao cidadão em favor do respeito à segurança jurídica e às regras do jogo, depois dele começado.

Claro que no reverso da medalha cinco ministros mantiveram seus pontos de vista favoráveis à aplicação da ficha limpa em 2010, coisa que apenas faria aprimorar o processo eleitoral e afastar das urnas e dos mandatos figuras antes condenadas por irregularidades e até crimes. Perdeu a moralidade pública.

JUSTIÇA AO CASAL CAPIBERIBE

Na prática, recuperam seus mandatos João Capiberibe, no Senado, e sua mulher Janete, na Câmara, mais votados no Amapá. Da mesma forma, volta ao convívio dos senadores o ex-presidente da casa, Jader Barbalho, do Pará. Cássio Cunha Lima, na Paraíba, assumirá como o senador mais votado, assim como Marcelo Miranda, do Tocantins, e João Pizolatti, deputado, por Santa Catarina.

Cada caso é um caso, mas, quanto aos Capiberibe, é de justiça que assumam seus mandatos. Já tinham sido punidos anteriormente sob a acusação, depois comprovada falsa, de gastarem 26 reais nas eleições de 2002, numa suposta compra de votos. Coisas da política local, onde não terá faltado a influência do senador José Sarney, adversário do casal.

ENGANOSA E ABUSIVA

Prepara-se a Câmara dos Deputados para botar a mão num vespeiro, numa iniciativa mais do que necessária. Nada contra a liberdade de expressão, mas a necessidade de conter uma das maiores pragas do mundo da propaganda, a publicidade enganosa e abusiva. É natural que cada anunciante procure exaltar seus produtos, mas não dá para aceitar, cada vez com mais intensidade, a gente ver nas telinhas e ler nos jornais ofertas de 1.999,00 reais, e sucedâneos variadíssimos, quando preço real, no exemplo, é de 2.000,00 reais. A quem pensam enganar? Da mesma forma, é preciso tomar cuidado com a publicidade de produtos destinados à infância. E quanta coisa a mais?


De São Borja

CULTURA
Museu promove atividades em homenagem a Jango


Desde o início do mês o Memorial João Goulart promove diversas atividades em comemoração ao aniversário do ex-presidente. Nesta sexta-feira (25/03) começa a Semana Cultural em homenagem ao estadista e vai até 31 de março. O museu colocou em exposição, na parte externa, 20 banners da mostra “Jango Presidente”, cedidos pelo Memorial da Câmara Municipal de Porto Alegre.
A comunidade poderá conferir a exposição de terça à sábado, das 9h às 12h e das 14h às 17h e no domingo, das 9h às 12h. Também ocorre em março, mês de nascimento do Presidente Jango, visitas monitoradas, exibição de documentários, recitais de música e oficinas de desenho.
Para encerrar o cronograma a equipe do museu organiza para 31 de março, data do golpe militar de 64, um bate papo com os acadêmicos do curso de Ciência Política da Unipampa, sobre a documentação recebida das mãos do governador Tarso Genro, composta pelos processos de anistia das famílias de João Goulart e Leonel Brizola. A conversa ocorrerá às 10h na varanda de vidros do museu, com a presença de Christopher Goulart, neto do ex-presidente, e do professor de Ciência Política, Dr. Ronaldo Colvero.


Música brasileira da década de 70


Hoje é dia de música brasileira da década de 70, de Azimuth, a Benito de aula, Tony Tornado e Walter Franco.
Clique no link ou acesse o blog.
Paulo Bettanin
http://urbanascidadespoa.blogspot.com/2011/03/musica-brasileira-na-decada-de-70.html

Propagandas antigas - cartazes


Hoje no Urbanascidades vamos demonstrar como os costumes, as leis e os conceitos mudam ao longo dos tempos. Vejam de que forma a mídia anunciava antigamente produtos como dogras, bebidas e cigarros, e constate quão politicamente incorretos estariam hoje. Clique no link ou acesse o blog.
Paulo Bettanin

http://urbanascidadespoa.blogspot.com/2011/03/propagandas-antigas-cartazes.html


Histórias de la Ùndeze

COMO SE FAZIA AS NECESSIDADES

ANTIGAMENTE


Me escreve meu irmão José Paulo sobre como se fazia as necessidades no tempo em que ele era jovem lá em Serafina.

- NO MEU TEMPO A GENTE SUBIA NA JANELA FICAVA DE JOELHOS E MIJAVA PARA FORA. NÃO SEI COMO A GENTE NUNCA CAIU LÁ DE CIMA. O MAIS ENGRAÇAÇADO É QUE AS MENINAS FAZIAM A MESMA OPERAÇÃO NÃO SEI COMO CONSEGUIAM....

JOSÉ PAULO CANTON


MEMÓRIA DA IMPRENSA


Dilamar Machado junto com os Secos e Molhados, no começo dos anos 70....

Radialista foi lembrado na semana de Porto Alegre


O radialista Dilamar Machado foi um dos lembrados durante a entrega das medalhas da cidade de Porto Alegre na quinta-feira da semana passada, no teatro Renanscença.

Pra saber quem ele foi, basta uma frase: ' FOI O ZAMBIAZI DE SUA ÉPOCA"!

Dilamar Machado começou no rádio no Café da Tarde, na rádio Itaí( que sempre foi uma emissora popular)Depois foi pro departamento de Notícias da Rádio Gaúcha.

Em seguida foi o chefe do departamento de notícias.

Mas ficou conhecido mesmo com o VOZES DA CIDADE, que catapultou Dilamar pra política.
Elegeu-se pelo MDB com 13 mil votos a vereança de Porto Alegre.

Fez votos em todas as urnas da capital, pra provar sua popularidade.

Deixou a Gaúcha e foi pra Difusora( a atualBand)

Na Teve Difusora, ele comandava um programa uma vez por semana na televisão daqueles tipo agua com açucar, ou seja, de reencontro de familiares.

Teve o mandato de vereador cassado.

Tudo porque se meteu num assunto complicado: a morte do sargento Manoel Raimundo Soares( o famoso caso das " mãos amarradas")

Daí, os capuchinhos, donos da Difusora lhe deram o bilhete vermelho. Não queriam complicações com os milicos,ainda mais em 1969.
Foi tão humilhante sua demissão que foi barrado pelo porteiro numa manhã em que foi trabalhar, isto depois de ter recebido a notícia de sua cassação política.

Daí Dilamar foi procurar cuidar sua vida e concluiu o Direito e passou pra área de publicidade.

Foi nos anos 70 que ele entrou pra Farroupilha comandando o programaRádio Sequência.

Quando foi criado o PDT, ele ingressou no partido de Brizola e em 1982 elegeu-se deputado estadual.

Dilamar morreu no dia 27 de agosto de 2001. Esteve internado no Mãe de Deus desde 14 de julho.

Seu velório na Câmara Municipal foi acompanhado por uma grande quantidade de pessoas, possivelmente resídio dos programas populares que apresentou nas rádios e na televisão.


O filho mais ilustre do ex-radialista é o André Machado, que hoje em dia apresenta o ATUALIDADES, DA RÁDIO GAÚCHA.

N cerimõnia da quinta passada, quem recebeu a condecoração foi sua viúva, Lea.


Com apoio de Zulke, MEC autoriza licenciatura de música da EST


O deputado federal Ronaldo Zulke (PT) empenhou-se para ajudar no andamento do processo de implantação do curso de licenciatura em música das faculdades EST, de São Leopoldo. O Ministério da Educação divulgou recentemente, em publicação no Diário Oficial da União, a autorização para o funcionamento do curso.
Em fevereiro, o deputado foi procurado pelo reitor da EST, Oneide Bobsin, que pediu o auxílio do parlamentar no acompanhamento da questão. O resultado é motivo de comemoração. “Trata-se de um estímulo à atividade cultural em São Leopoldo por meio desta instituição, que é referência no Estado na área da música”, informa Zulke.
Segundo os dados publicados no Diário Oficial, o curso de licenciatura em Música das Faculdades EST ofertará 60 vagas.

COLEGUINHAS

O CAMPEÃO DE PROCESSOS

NO RS NAO

SE ARREPENDE DE NADA!


Não perguntem onde Políbio Braga tira suas notícias,seus furos para um dos blogs mais lidos e prestigiados do momento: minhas notícias,diz, saem a maioria da Assembléia Legislativa do Estado. Ele me disse isto uma manhã,no ano passado, num café da manhã, no Banrisul. Lhe fiz a pergunta naquela oportunidade porque ele acabara de dar o furo do ano na imprensa gaúcha no ano passado, ( pelo que sei não ganhou prêmio nenhum prêmio por isto)
ou seja, deu todo o conteúdo do processo de Santa Maria, do caso Detran. Ele rompeu o segredo judicial porque o processo corria em segredo de Justiça. A explicação de Políbio pra mais aquele furo sensacional foi muito simples, bem ao seu estilo:

- SE EXISTE O ASSUNTO, VAMOS VER COMO É O BICHO...


Medo não é um assunto que ronde muito o escritório deste jornalista nascido há quase 70 anos em Blumenau, onde viveu apenas 8 meses. De lá mudou-se pra vizinha Jaraguá do Sul, onde morou até ter 18 anos de idade e cair no mundo.

A CASA CIVIL

Políbio escreveu um livro em 1994, lançado em agosto, que o projetou como jornalista corajoso, O livro é um dos mais corajosos que foram lançados não apenas no RS, mas no Brasil. Na minha avaliação, é de tanta coragem como o ROTA 66, do Caco Barcellos, ou o do Sarney, escrito pelo Palmério Dória.A Casa Civil é o resultado dos três meses - durante 1992 - que Políbio Braga ocupou a chefia da Casa Civil do Governo Collares. Políbio entrou no lugar de Matias Nagelstein, que foi pro Tribunal Militar.

No livro, ele bate de frente principalmente contra o governador Alceu Collares, contra dona Neusa Canabarro,então secretária da educação e outros membros do governo estadual do PDT.

No livro, Políbio denuncia o colega João Carlos Terlera,então com uma coluna na ZH por que ele teria escrito um dossiê contra ele.

Terlera nega que isto tenha acontecido e diz que nem sabe quem foi...mas que desconfia...Terlera acabou saindo da ZH em fevereiro de 1993, mas não atribui a saída as denúncias que Políbio fez contra ele no livro.

SEGURANÇA DA ASSEMBLÉIA

dURANTE o período que Políbio redigiu o livro - de janeiro de 1994 a abril daquele ano - o presidente da Assembléia Legislativa na ocasião, deputado César Schirmer(PMDB) colocou dois seguranças pra cuidar da vida do jornalista.

Diz o próprio:

- Durante todo o processo de redação do livro, a Assembléia Legislativa destacou dois seguranças armados para me proteger por decisão do deputado César Schirmer,presidente da casa.


Políbio diz que no dia do lançamento do livro foi feito com segurança armada.

O interessante é que apesar de toda a pauleira que o jornalista dá no livro - não há mais em seu poder, apenas é encontrável em sebos - ele não lhe rendeu nenhum processo.
Mas Políbio temeu pela própria vida....

- Recebi ameaças por telefone.Uma pessoalmente com o sujeito armado, conta Políbio.

FOI UM JORRO SÓ...

pOLÍBIO NÃO FEZ NENHUMA PESQUISA pra escrever o livro. Ele começou a escrever a obra quando estava num apartamento em Torres(RS)

- FOI um jorro só, diz ele.

Pesquisa não precisou fazer. Apenas " alguma coisa sobre os porões do Palácio" acrescenta.

CASA MILITAR COMPROU UMA EDIÇÃO

Políbio vendeu 3 mil livros do Casa Civil. Mas uma das edições, de mil exemplares, ele desconfia que foi todo comprado pelos brigadianos da Casa Militar.
- Uma edição inteira foi comprada pelo serviço de inteligência sob o comando da Casa Militar, a mando do governo,porque a idéia era esvaziar a coisa toda.

Braga confessa que ele tem apenas dois exemplares em seu poder.

REPERCUSSÃO NA MIDIA

pOLÍBIO DIZ QUE A IMPRENSA DE PORTO ALEGRE é muito anódina ou então é muito amestrada.
- Num caso como no outro,verga-se vergonhosamente aos governos de plantão ou seja, não repercutiram o que escrevi. Zero Hora abriu generosos espaços mas apenas para me criticar,conta Políbio.

SOBRE ARREPENDIMENTOS...

Braga diz que nãot em arrependimentos de nada do que escreveu no livro.

até pelo contrário porque eu acho que devia esse registro histórico. já que fui vítima de uma solerte intriga palaciana, cujo epicentro foi o próprio gabinete do governador, cujo titular, Alceu Collares,nãot eve coragem e vontade política de me proteger.

Na Casa Civil, feri interesses poderosos de bacantes que ocupavam cargos em comissão e que demiti,servidores de alto coturno que açoitei pra o trabalho,grupelhos ineficientes que tiveram que mostrar a cara,espiões bregas que foram desmascarados ,além de gente que temia pelo meu crescimento político. O livro foi apenas o encerramento de um enfrentamento corajoso que sustentei com o governo da época.
Eu me arrependo de ter pertencido a um governo tão incompetente e desmoralizado. O Alceu Collares que fez uma brilhante gestão na Prefeitura foi outro homem no Governo do Estado. O segundo foi a face oculta e a pior face do primeiro,diz Políbio.

PREVIDI PREVIU....

cONHECNDO como conhecia o PDT, o jornalista J.L. Prévidi, em 1992, encontrou o colega Ayres Cerutti na rua da Praia e cometnando a nomeação de Polício pra Casa Civil, previu.
- Não dura dois meses...

Durou três.

Processos.

Braga não respondeu nenhum processo pelo livro A Casa Civil.Mas já respondeu outros 14 por outras matérias e no momento responde a outros 15 processos.

Como diz um ex-sócio de Políbio, ele tem o ADOLFO NO nome....

FICHA DO POLIBIO

data de nascimento:18.06.1941

Local: Blumenau(SC)

Filiação: pai, Lauro Braga
mãe: Madgalena Braga.

Começou trabalhando no CORREIO DA MANHÃ em Porto Alegre. Antes teve atividades políticas.

Foi pauteiro da ZH nos anos 70.
Foi editor da revista Ilustrada, que ficava na rua Andrade Neves,155/98.
Foi um dos fundadores da editora Intermédio que edita a revista Programa.
Os sócios dele na editora eram ANA AMÉLIA LEMOS E ISNAR RUAS.
a PROGRAMA ficava na Galeria Chaves, conjuntos 41 e 45.

DEpois de sua esposa, acha a mulher mais bonita do Brasil a VERA FISCHER. é QUE Ela também é de Blumenau,então deve ser bairrismo dele mesmo.

Atualmente edita o blog Polibio Braga.


OLIDES CANTON É CULTURA: PÉROLAS DO ENEM


É meio comprido como missa em latim, mas fazer o quê???


1) - Lavoisier foi guilhotinado por ter inventado o oxigênio. (Já imaginou?)
2) - A harpa é uma asa que toca.
(Imagine a definição para Trombone de Vara...)
3) - O vento é uma imensa quantidade de ar.
(Não tinha pensado nisso...)
4) - O terremoto é um pequeno movimento de terras não cultivadas.
(Só faltou completar que esse movimento é um braço armado do MST!)
5) - Os egípcios antigos desenvolveram a arte funerária para que os mortos pudessem viver melhor.
(Nada mais justo. Não dá para viver a eternidade desconfortavelmente...)
6) - Péricles foi o principal ditador da democracia grega.
(Isso. E Stalin foi o principal seguidor de Mahatma Ghandi... )
7) - O problema fundamental do terceiro mundo é a superabundância de necessidades.
(deve ter raciocinado com abundância e não com o cérebro...)
8) - O petróleo apareceu há muitos séculos, numa época em que os peixes se afogavam dentro d'água.
(Sim, por isto o Petróleo é preto. Está de luto...)
9) - A principal função da raiz é se enterrar.
(Profunda!!! )
10) - A igreja, ultimamente, vem perdendo muita clientela.
(Podemos concluir que a culpa é do Papa, que seria o VP de Marteking! E a Companhia de Jesus, seria a mais antiga das SA's)
11) - O sol nos dá luz, calor e turistas.
(Esse com certeza é cearense ou baiano. )
12) - As aves tem na boca um dente chamado bico.
(É para ficar de queixo caído! Ou melhor, de porta bicos caído...)
13) - A unidade de força é o Newton, que significa a força que se tem que realizar em um metro da unidade de tempo, no sentido contrário.
(Simples, não???)
14) - Lenda é toda narração em prosa de um tema confuso.
(Assim, todo discurso de político é uma Lenda. )
15) - O nervo ótico transmite idéias luminosas ao cérebro.
(Se o cara é vesgo, o nervo dele deve transmitir idéias tortas e sombreadas...)
16) - A febre amarela foi trazida da China por Marco Polo.
(Se Marco Polo tivesse viajado para a África, teria sido a peste negra, então..)
17) - Os ruminantes se distinguem dos outros animais porque o que comem, comem por duas vezes.
(Impressionante!!!.)
18) - O coração é o único órgão que não deixa de funcionar 24 horas por dia.
(Ufa... que alívio! Já o cérebro?!)
19) - Quando um animal irracional não tem água para beber, só sobrevive se for empalhado.
(Superou qualquer expectativa..)
20) - A insônia consiste em dormir ao contrário.
(Perfeito. Morrer deve ser viver ao contrário...)
21) - A arquitetura gótica se notabilizou por fazer edifícios verticais.
(Melhor pular essa.... )
22) - A diferença entre o Romantismo e o Realismo é que os românticos escrevem romances e os realistas nos mostram como está a situação do país.
(É... E ainda faltam muitas para comentar.... )
23) - O Chile é um país muito alto e magro.
(Coitada da Espanha...)
24) - As múmias tinham um profundo conhecimento de anatomia.
(Essa deve ser a mais "marcante" de todas. )
25) - O batismo é uma espécie de detergente do pecado original.
(Já a confissão poderia ser o sabonete, para uso diário... )
26) - Na Grécia a democracia funcionava muito bem porque os que não estavam de acordo se envenenavam.
(Pensando bem, não é má idéia...)
27) - A prosopopéia é o começo de uma epopéia.
(E a centopéia???)
28) - Os crustáceos fora d'água respiram como podem.
(Coragem, faltam poucas.)
29) - As plantas se distinguem dos animais por só respirarem a noite.
(Que perspicácia! )
30) - Os hermafroditas humanos nascem unidos pelo corpo.
(Já pensou se a pergunta fosse "o que são xifópagos"???)
31) - As glândulas salivares só trabalham quando a gente tem vontade de cuspir.
(Bem, já chegamos até aqui... )
32) - A fé é uma graça através da qual podemos ver o que não vemos.
(CEGOS DESSE MUNDÃO... TENHAM FÉ!!!)
33) - Os estuários e os deltas foram os primitivos habitantes da Mesopotâmia.
(O que que é isso???!!!!!)
34) - O objetivo da Sociedade Anônima é ter muitas fábricas desconhecidas.
(maravilhaaaa....)
35) - A Previdência Social assegura o direito a enfermidade coletiva.
(Faz sentido...)
36) - O Ateísmo é uma religião anônima.
(Não lhe perguntem sobre o Politeísmo, pelo amor de Deus!)
37) - A respiração anaeróbica é a respiração sem ar que não deve passar de três minutos.
(Ai, Jesus...)
38) - O calor é a quantidade de calorias armazenadas numa unidade de tempo.
(Fala sério... Não dá uma sensação de vazio, de impotência?...)
39) - Antes de ser criada a Justiça, todo mundo era injusto.
(Graças a Deus, só falta uma....)
40) - Caráter sexual secundário são as modificações morfológicas sofridas por um indivíduo após manter relações sexuais.
(Imagina a aparência de uma prostituta depois de 15 a 20 anos de "Modificações morfológicas")
Será que ainda vamos ter mais pérolas do ENEM...?

VISITA DE OBAMA AO BRASIL CAUSA
CIUME NO GOVERNO ARGENTINO

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.
“Quero dizer que... Continua a briga entre o governo da Argentina e os dois jornais de maior circulação aqui em Buenos Aires, Clarín e Lá Nación. Em editorial, os dois jornais, de hoje, sábado, falam sobre a visita de Obama ao Brasil. Como é de conhecimento de todos, existe uma briga feia entre os dois jornais e a presidente Cristina Kirchner. Enquanto esta briga continuar – o que é muito bom para vender jornal -- os argentinos, começam a se preparar para as eleições deste ano. Aí, sim, a coisa vai pegar mesmo. Eu preparei, alguns pontos dos dois editoriais e fiz uma matéria pontuada na briga entre mídia e Cristina Kirchner”.


Preterida em favor dos vizinhos Brasil e Chile, Cristina Kirchner não esconde mal-estar. A preferência de Barack Obama por Brasil e Chile, em sua primeira viagem à América do Sul, causou desconforto na Argentina. A presidente Cristina Kirchner tentava uma aproximação com os Estados Unidos e negociava um encontro com o colega havia algum tempo. A relação entre os dois países, no entanto, ficou abalada desde que o presidente americano anunciou a viagem, em janeiro. Em tom de resposta, o governo argentino apreendeu o equipamento de um avião militar dos EUA, em fevereiro, e classificou o material como “suspeito”.
Obama em visita ao Brasil

Os últimos três presidentes dos EUA antes de Obama — George Bush, Bill Clinton e George W. Bush — incluíram a Argentina em suas turnês sul-americanas. O país, no entanto, foi preterido pelo primeiro afro descendente a presidir a superpotência. “Cristina sempre esperou que Obama a recebesse e que eles pudessem estabelecer um diálogo. Por isso, houve frustração”, Diz o editorial do Jornal Clarín.


“Muitas vezes este tipo de ciúme contém expressões preliminares incompletas relacionadas a questões de política externa. O ciúme de Cristina não tem peso próprio, nem pode ser classificado de representativo”. Diz o editorial do Jornal Clarín.

“Olha aqui... Hoo!”

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner (foto) nunca conseguiu entender e muito menos digerir a decisão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de conceder um encontro na Casa Branca ao presidente brasileiro, Luis Inácio Lula da Silva, e negar, até hoje, um pedido similar da Casa Rosada. O ciúme de Cristina, que argumenta ter uma postura muitos mais firme do que a brasileira em relação a questões que interessam o governo Obama — entre elas a condenação internacional ao Irã — foi revelada pelos telegramas diplomáticos dos EUA, divulgados pelo site Wikileaks. Segundo informou o jornal “El Pais”, em conversa com congressistas americanos, em Buenos Aires, a presidente argentina transmitiu sua irritação e lembrou inconformada, que, na época, o então presidente Lula votou contra os EUA na Agência de Energia Atômica (AIEA), além de ter recebido o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em Brasília.
Os 251.287 telegramas publicados pelo site não pouparam os governos latino-americanos. Os documentos mostram, por exemplo, que a Casa Branca solicitou informações à embaixada americana em Buenos Aires sobre a “saúde mental” da presidente argentina, que nos últimos anos enfrentou intensos rumores sobre supostos transtornos de bipolaridade. Desde que Cristina assumiu a Presidência, em dezembro de 2007, veículos locais, entre eles a revista “Notícias”, publicaram reportagens sobre um suposto transtorno de bipolaridade da presidente.
O governo Obama perguntou à embaixada em Buenos Aires “como a presidente argentina enfrenta a ansiedade e o estresse tomando alguma medicação?”. O Departamento de Estado americano também pediu relatórios sobre a dinâmica de trabalho de Cristina Kirchner, na tentativa de entender como ela “divide sua a agenda”. A Casa Branca investigou, ainda, denúncias sobre atividades dos grupos terroristas AL-Qaeda, Hezbollah e Hamas em território paraguaio, casos de corrupção e lavagem de dinheiro e até dados biométricos,
fotografias e DNA dos candidatos que disputaram a Presidência do país em 2008. Ontem, o Palácio López (sede do Executivo paraguaio) convocou a embaixadora americana em Assunção, Liliana Ayalde, para cobrar explicações. Após reunir-se com o ministro das Relações Exteriores do país, Héctor Lacognata, a embaixadora disse condenar esse tipo de ações, “que podem
prejudicar as relações entre países e pessoas”. - Entre 1.299 documentos sobre a Bolívia, encontram-se pedidos de informações do ex-presidente George W. Bush sobre possíveis jazidas de hidrocarbonetos no Chaco Boreal, território na fronteira entre a Bolívia, Argentina e Brasil. Outros telegramas provaram movimentos do governo americano durante o golpe de Estado contra o governo de Manuel Zelaya, em Honduras, e manobras diplomáticas para repatriar presos de Guantánamo, em Cuba. O modo como Cristina esta conduzindo as relações internacionais com os EUA é grave e, poderá no futuro sofrer um impacto, nas relações entre os dois países. O nível de desconfiança vai aumentar entre os países da região, que deverão atuar com mais realismo frente a Washington, Em nota oficial, a embaixada americana em Buenos Aires tentou minimizar o episódio: diz o editorial do Jornal La Nación.


Preocupação com crescimento do Porto do Rio Grande domina debate do PPA na Região Sul


Um total de 534 pessoas, entre participantes e autoridades, estiveram no Auditório Central da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) para o debate do Plano Plurianual (PPA) Participativo na Região Sul. O vice-governador, Beto Grill, representando o governador Tarso Genro, coordenou a abertura da cerimônia, na manhã deste sábado (26). A potencialização das atividades decorrentes dos investimentos no Porto do Rio Grande e a preparação da região para os efeitos do crescimento da indústria naval dominaram os pronunciamentos e as preocupações de autoridades e cidad&a tilde;os.

O Secretário de Planejamento, Gestão e Participação Cidadã, João Motta, anunciou a inclusão do Plano Diretor de Desenvolvimento Econômico para a região de Rio Grande e municípios adjacentes na Carta-Consulta de financiamento junto ao BNDES. "Temos aqui investimentos bilionários, desde a ampliação do Porto à duplicação das estradas federais, mas precisamos es tar preparados para os efeitos desse crescimento. Não queremos construir uma região de contradições entre PIB e índice de desenvolvimento, é preciso integrar as políticas para potencializar as atividades econômicas com sustentabilidade ambiental e inclusão social", afirmou o Secretário.

A deputada estadual Miriam Marroni, presente à cerimônia, também anunciou a projeção de parte dos recursos do Fundopem para a preparação da região aos efeitos do crescimento do Porto. A presidente do Conselho Regional de Desenvolvimento (Corede) Sul, Selmira Ferembach, salientou a importância da integração das entidades representativas dos municípios para o fortalecimento da participação na gestão dos processos públicos.

Entre as propostas apresentadas pela população que se manifestou através de pronunciamentos públicos e encaminhamentos por escrito, estão:
- Políticas de desenvolvimento urbano, com programas de qualificação de m ão-de-obra, de acesso diferenciado a jovens e trabalhadores de municípios da região ao mercado de trabalho
- Programas preventivos à expansão do tráfico de drogas e violência urbana, implementação de estrutura de atendimento e tratamento dos usuários de drogas
- Saneamento Básico, com aumento da capacidade de água tratada e ampliação da rede de tratamento do esgoto cloacal
- Integração da política de Habitação e Transporte Urbano dos governos federal e estadual, com financiamento dos bancos públicos para ampliação das unidades habitacionais
- Aeroporto Regional de Rio Grande e Pelotas
- Investimento em Hidrovias
- Investimento em Energia Eólica, com favorecimento aos municípios que possuem estudo de impacto ambiental para o aproveitamento desta fonte de energia alternativa: Jaguarão, Piratini e Santa Vitória do Palmar
- Construção de passarelas na RS 734

Além do direcionamento às atividades d ecorrentes da ampliação do Porto do Rio Grande, várias manifestações reivindicaram programas de preservação e valorização do patrimônio histórico da região. O estudo de alternativas para trabalhadores vinculados à atividade do fumo e da pesca, e o fomento à agricultura familiar e ao cooperativismo também foram apresentados como ações importantes para a região.

Ainda compuseram a mesa de autoridades o deputado federal Fernando Marroni, o Vice-Reitor da FURG, Ernesto Luiz Casares Pinto, o deputado estadual Alexandre Lindemeyer, representando o Presidente da Assembléia, a Secretária de Meio Ambiente, Jussara Cony, e o Secretário Executivo do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), Marcelo Danéris, que apresentou a estrutura de funcionamento e atendimento do Conselho à platéia. O Reitor da FURG, João Carlos Brahm Cousin, compareceu na sequencia da atividade, e elogiou as divulgações de ações já estruturadas pelo Governo d o Estado para infra-estrutura e políticas públicas regionais.


Carine Prevedello


Tarso almoça com produtores rurais na abertura da colheita da soja

Considerado o maior produtor de soja do Estado, o município de Tupanciretã recebeu neste sábado (26) a visita do governador Tarso Genro. Acompanhado por parlamentares e secretários de Estado, o chefe do Executivo foi recepcionado pelo prefeito Luis Adolfo Bitencourt Dias e participou de almoço na sede do Sindicato Multirural, em comemoração a abertura oficial da colheita da soja. Com mais de 140 mil hectares de plantação de soja transgênica, o município foi pioneiro no uso das plantas geneticamente modificadas. Em meio ao ambiente amistoso do encontro, o governador ouviu reivindicações e se colocou à disposição para solucionar os problemas do setor.

Entre os pedidos estão a finalização das obras da RS-392, que permitira escoamento da produção a outras regiões, maior investimento no setor e a aprovação do código florestal na Câmara Federal. "Precisamos industrializar a soja para não recebermos de volta o produto que exportamos para pa íses como EUA e China. Temos que utilizar tecnologia de terceira geração para evitar que a cadeia produtiva do soja se resuma somente aos grãos", ressaltou o prefeito. Além de lembrar que a cidade deu início à legalização do plantio de transgênicos, Dias criticou a Lei Kandir e defendeu a partilha dos royalties do petróleo com o Estado.

Tarso afirmou que o Executivo liberará a partir de abril R$ 22 milhões por mês para dar continuidade as obras de acesso asfáltico e garantiu que recursos do BNDES também deverão ser empregados na malha viária. O governador, no entanto, condicionou a retomada das obras ao ingresso de recursos. "Incluímos as estradas no plano de desenvolvimento que nos permitiu ter aprovada a nossa carta consulta. Provavelmente teremos bastante recursos este ano", projetou.

Apesar da crise enfrentada pelos produtores de arroz no mercado, o governador salientou a comercialização milho e do soja . "Graças ao esforço dos produtores estamos tendo uma safra excelente esse ano. No caso do milho e da soja, os preços estão bons. No caso do arroz, estamos tendo dificuldades com o preco mínimo, mas estamos trabalhando junto ao Governo Federal para elevar o preço de mercado e para que os produtores tenham uma contrapartida".

Secretário da Agricultura em exercício, Cláudio Fioreze demonstrou otimismo em relação à colheita de soja deste ano e destacou a importância do agrononegócio na economia gaúcha. Amparado por dados do governo e dos produtores - que apontam índices elevados de produção - ele projeta uma das melhores safras dos últimos anos. "Estamos diante da possibilidade de termos uma safra recorde, que poderá chegar a 11 milhões de toneladas de soja", acrescentou.

A comitiva do governador também contou com a presença dos deputados estaduais Jurandir Maciel e Pedro Westphalen, que representou o presidente da Assembléia Legislativa, e os secretÍ rios Fabiano Pereira, da Justiça e Direitos Humanos, e Afonso Motta, do Gabinete dos Prefeitos. O presidente da Farsul, Carlos Sperotto, também participou do evento.


Notícias do Piratini - Redação - Governo RS

Sem Pulo e Túnel do Tempo


clique na imagem para ampliar

Meu bom amigo Olides...

Às vezes, por razões da nossa profissão, da vontade de largar tudo e sair correndo. Confesso que já tive esse ímpedo, por vezes. Mas, do que vale um gesto brusco, sem pensar no amanhã, para nós, mortais... Acredito que nada! Por isso, sempre objetivei, em conhecer novos horizontes. Sair pelo mundo (...). Conhecer pessoas. Posso te garantir amigo Olides -- neste momento estou bebendo um vinho, no apartamento -- que estar aqui, hoje, em Buenos Aires, nunca passou pela minha cabeça. Não pensava nisso, juro! Mas, como dizem os antigos... ' A vida é cheia de altos e baixos, e repente a gente, como num passe de mágica, vap vup'.! É verdade. Este adágio me parece óbvio sábio e auténtico. Hoje estou aqui, em plena capital federal da Argentina, morando agora, num bairro, modesto, mas elegante. RIVADAVIA. É perto de tudo, do café Tortoni e, principalmente das boas livraraias que ficam em barracas, juntos com os cafés, onde se pode ler um bom livro, sentado numa mesinha, tomando um café com leite e saboreando uma rabanada polvilhada de canela. Isso é muito bom.
Mas, deixando de lado, esse preâmbulo, vamos ao que realmente interessa: sobre a tua pergunta.. ( e como vai a Chica?) Sim amigo, parece que a coisa passou de uma amizade. Confesso que sinto muita saudade de minha família... Quando estou aca..., Principalmente, agora, com 23 graus, tempo nublado para chuva... O pensamento voa estas horas e, peguei a caneta juntei as frazes e saiu este poema, aí... Acredito que não preciso dizer mais nada, sobre a tua pergunta, não é?

Um abraço,


Levando a Vida

Ando devagar porque já tive pressa e levo a vida brincando porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe eu só levo a certeza de que muito pouco sei, ou nada sei. ... Conhecer as manhas é preciso paz pra poder sorrir. Ora, penso que cumprir a vida seja simplesmente, bem ou mal, mas parece que cumpri... Compreender a marcha e ir tocando em frente como um velho boiadeiro Levando a boiada. Eu vou tocando os dias pela longa estrada, para conhecer o amanhã. Todo mundo ama um dia, todo mundo chora um dia. Um dia a gente chega e no outro vai embora. Cada um de nós compõe a sua historia cada ser em si carrega o dom de ser capaz de ser feliz... Andar por aí é muito bom, pena que a saudade bate antes mesmo de ir embora. Quando olhamos com carinho, todo lugar tem coisas interessantes, bonitas e inesquecíveis.

“Não chores por mim Argentina, minha alma está contigo,
A vida inteira eu te dedico, mas não me deixes, Fica comigo,
Jamais o poder ambicionou, mentiras falaram de mim,
Meu lugar é do povo a quem sempre eu amei,
Eu só desejo sentir bem de perto o seu coração batendo por mim com fervor,
“Que nunca me vou esquecer”
Gelson Farias
Jornalista

UNGARETTI FOI ABSOLVIDO DE

PROCESSO QUE LHE MOVE RONALDO BERNARDI

O jornalista e professor da Fabico( da UFRGS) Wladimir Ungaretti Net to foi absolvido do proces so criminal que lhe move o fotógrafo de ZH Ronaldo Bernardi.

Agora há um outro p rocesso na parte c iv il, que ain da não t eve adecisão final do jui z.

Se Un garet ti foi absolivido neste também, ele pod e rá rea tivar seu blog qu efo i o motivo pel o qual Ronaldo o le vou `as b arras d o T ribun al.

Na parte criminal a tuou em defesa de Wladimi r U n garett i o esc ri t´o rio do ex - ep u t ado Carlo s Araujo.

Como p erdeu a ação, o fot ´og r afo Ro nal do B ernardi tev e que pagar o a dvoga d od eUna g ar e tti emais as cust as.


Coleguinhas


Com uma roda da de c eva servida pr o pe ssoal d a Agapan foi inaugurado na quinta passada o Bar do ESpanhol que fica no térreo do pr édio daA RI..

Pr´edi o que po r sin al d epois de tan to s anos volta a ser OCUPADO NOVA MEN T E....


BAR NAVAL SERÁ UMA

LANCHERIA DE " PRIMEIRO MUNDO"


Se qui serem, irritar um bo êmio deem esta not ícia. O bar Naval , que foi comprado, ou t eria sido a l u g ad po r u m milhão de reais( cerca de 5 mil po r mês) pe lo dono d o Marco Z er o, do Me rcado pú blico , vai virar oque c hamam ostensivamen te e lancheira de pri meiro mun do .


Pra irri tação de tradicionai s bo ê m io s queof r equ entav am.. ..
Nao entendi porque nenhum chargista não fe z uma c harge até a gora mo strando oex -g ove rn ado Ol ´i vio Du ra d e c epcionado pelo fechamen to dob arqueel e t ant o frequent ou quando erarpef ei to.. .

É que até os chargistas vi raram CH A PAS BR A CAS.... cai mal , o u p ega mal dizer qu e oOlí v io eracach aceiro, ou que gostava de u ma ba roldi nha...


PDT GOSTA DE UMA DISPUTA


A lavação de roupa suja em p úblico entre a deputada estadual Juliana Brizola(PDT) e o vereador Mauro Za cher(PDT) na CPI d a Juventude lembra outro fato d e quase ou mai s env er gadu ra: a briga fraticida de Collares com Políbio Braga em 1992.


Programa de findi


1) vários shows ainda estão em andamento...nesta época porto alegre começa a se remexer,depois de três meses de uma lenta modorra...cultural

2) Pra quem pode, o melhor mesmo é ir pra Serra!


De Floripa

Olha aí a Imara Stallbaum e o Véio Mafalda no carna de Floripa. Quem deu a dica aqui pra gente foi a sempre gentil Mariza Ribeiro.

Mas a filha da Imara dignifica a beleza da mãe, quando jovem...( não estou dizendo que a Imara está feia, não....só estou realçando...)

O Cid Pinheiro Cabral, na redação da ZH, deixava os óculos cair encima da mesa da redação, voltava e dava mais uma olhada pra coleguinha...

Grande Imara, ela não vai levar a mal estas inconfidências....

Olha a turma aí festejando o carnaval de 2011....(diziam que o romance do casal não duraria quatro meses quando começou...dura mais de trinta anos , produziu filhos e agora netos...bem feito...


Fotos da filha fotógrafa Petra Mafalda

Coleguinhas

O BLOCO PAUTA QUE PARIU tem sete anos de .existência.neste último carnaval, atuou em defesa do canudo....Tira a mão do meu canudo foi o lema....

Ele é formado pelos jornalistas do sindicato local. Seu foco é Bar Kibelândia, no centro da capital de SC.

Quem inventou o titulo PAUTA QUE PARIU foi Roberta Kremer.
Quem saiu no bloco precisou apenas comprar uma camiseta com os organizadores.

Bela iniciativa....parabéns aos colegas....

Coleguinhas


José Carlos Fiorin, pai do plantonista esportivo da Guaíba, Flávio, faleceu ontem e foi enterrado em São Leopoldo(RS).

Quem deu a notícia foi o Mendelski, ontem,cedo da manhã....


NAVAL FECHADO....

aTENÇÃO iMARA E mAFALDA....

quando vocês visitarem Porto Alegre, lembrem que o bar NAVAL FECHOU....

dizem que é apenas pruma reforma porque o velho João, o portuga, vai mandar renovar tudo.

Mas há quem diga que quem comprou a conceção foi o dono do Marco Zero que fica no segundo andar do Mercado Público....


PARTIDÃO ELEGEU 3 DEPUTADOS EM 1947


O PCB elegeu três deputados na constuinte estadual de 1947
Antônio Pinheiro Machado Neto(Tonico) Otto Alcides Olwheiler, Julio Teixeira e Dionélio Machado.

Estes quatro foram os que cumpriram o mandato porque houve uma troca entre Julio e Dionélio.

Quando o PCB teve seu registro cassado, os deputados ficaram sem partido e perderam os mandatos, porque não havia como migrar para outros partidos.

Foi nesta época que foi cassado também o líder comunista Luis Carlos Prestes, o chamado CAVALEIRO DA ESPERANÇA, que se elegera senador pelo Rio de Janeiro.

As fotos são do memorial da ALE.


Ministro Fux

O que o serginho tinha me dito era que este ministro iria absolver o cesare batista( com o que eu concordo) e o ex-ministro Zé dirceu....

o serginho sabe tudo!


Te te lembras do que eu falei pelo telefone cotigo sobre o Ministro Fux????.Pois e´, já começou acontececer o que eu te disse.
que iria acontecer.Espere mais uns dias, para veres o que vai acontecer com o Zé Dirceu e companhia...
O De Gaulle continua tendo razão.O nosso país,não é um país sério... É uma pena.
Sergio Ross

Tarso reúne-se com representantes de Fumo e Alimentação para debater definições da Anvisa

Anvisa quer banir a produção do fumo tipo burley, utilizado na fabricação de cigarros aromáticos


O governador Tarso Genro recebeu, na tarde desta quarta-feira (23), representantes do Fumo e Alimentação para discutir as resoluções da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que visa banir a produção do fumo tipo burley, utilizado na fabricação de cigarros aromáticos, além de restringir o uso de alguns aditivos, assim como a regulamentação das embalagens e pontos de venda. A audiência foi solicitada pela prefeita de Santa Cruz do Sul, Kelly Moraes.

Além da prefeita, também participaram da audiência o presidente do Sindicato da Indústria do Tabaco (Sinditabaco), Iro Schünke, presidente do sindicato dos trabalhadores da indústria do fumo e alimentação (STIFA), Sérgio Pacheco, o presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Benício Werner, entre outros representantes e autoridades. Conforme Iro Schünke, que está envolvido desde o começo do ano com as resoluções número 112 e 117 da Anvisa, "se o conteÍ do destas resoluções for efetivamente aplicado na prática, ele vai trazer efeitos muito danosos ao setor, a toda cadeia produtiva, inclusive para o Governo que vai ter menos arrecadação de impostos", ressaltando que, ao lado de outros representantes, também veio pedir apoio ao governador.

A prefeita de Santa Cruz ressaltou que o Chefe do Executivo já esteve na região e se manifestou sobre a preocupação dos produtores. "A fumicultura é basicamente a economia do vale do Rio Pardo, no qual o governador conhece muito bem. Todo setor fumageiro está aqui, e eu tenho certeza que o governador está nesta luta e irá encaminhar ao Governo Federal os nossos anseios", finalizando que a economia será bastante afetada caso a Anvisa tome uma atitude radical em relação às consultas que estão em andamento em Brasília.

O governador disse não aceitar no ponto de vista econômico, já que existem outros produtos que não tem méritos na saúde e qu e são fabricados e vendidos livremente em várias esferas. "Nós temos que fazer um trabalho pra isso, e não será um trabalho fácil, eu quero proteger a minha base produtiva local, quero permitir que os trabalhadores da agricultura familiar tenham um agregado de renda, porém, nós não podemos enganar os nossos produtores e dizer que eles vão plantar fumo na mesma qualidade e intensidade por mais 40 anos, porque não vão. Quem disser isso vai mentir e prejudicar estrategicamente a região, porque esta campanha será cada vez mais aguda e terá mais efeitos na política", observa Tarso, afirmando que irá assumir esta agenda e fazer um movimento direto no gabinete da presidenta, por achar que esta aplica&cce dil;ão mecanicista da portaria da Anvisa é prejudicial à base produtiva, não trazendo nenhuma compensação a região afetada e ao Estado.

Fumicultura
A atividade é praticada por mais de 230 mil famílias de pequenos produ tores rurais. São 870 mil pessoas na área rural que vivem do plantio do tabaco. O cultivo é o principal responsável pela sobrevivência financeira de mais de 700 municípios brasileiros, arrecada cerca de R$ 8,5 bilhões de impostos e mais de US$ 2 bilhões/ano em exportações.

Governo do Estado trabalha por fundo para pessoas com deficiência


O Governo do Estado trabalha fortemente junto ao Legislativo para a aprovação do projeto de lei que cria o Fundo Estadual das Pessoas com Deficiência, destacou o governador Tarso Genro, nesta quarta-feira (23), aos dirigentes da Federação das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais do Rio Grande do Sul (Apaes-RS). Reunidos no Palácio Piratini em agenda institucional, Tarso convocou as comunidades ligadas às Apaes a participarem da votação na Assembleia.

O texto, de autoria do Poder Executivo, por intermédio da Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos, prevê a formação do fundo com recursos oriundos de infrações à legislação das pessoas com deficiência, não descartando a possibilidade de doações. Gerido pelo Conselho Estadual de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência Altas Habilidades, vinculado à pasta da Justiça, o instrumento foi concebido em beneficio não só das Apaes, mas também para atendimento das federa ções de surdos, cegos e cadeirantes, entre outras.

Conforme o secretário da Pasta, Fabiano Pereira, o Governo do Estado é parceiro de longa data das Apaes, com ações de cedência de professores - atualmente são 263 - e de concessão de mais de 2 mil bolsas de estudos. "Temos um carinho muito grande pelo trabalho dessas entidades e, partir de agora, queremos dar um incremento ainda maior", afirmou, referindo-se ao fundo.

De acordo com a presidente da Federação das Apaes, Aracy Lêdo, que classificou a visita ao governador Tarso como "de cortesia e boas-vindas", o fundo será de extrema importância para a atuação da entidade, que é totalmente filantrópica e cujo gasto está estimado em R$ 250 mil ao ano. A Federação congrega o trabalho terapêutico de 205 Apaes no Estado, estando presente em 454 municípios.

São cerca de 18 mil alunos portadores de deficiência intelectual atendidos, de todas as idades. "Sejam igualmente bem -vindos, a casa é de vocês, o secretário Fabiano está à disposição e estamos trabalhando para aprovar esse projeto", retribuiu o governador Tarso Genro.

Notícias do Piratini

ARGENTINA VOLTA A RETOMAR SUAS OPERAÇÕES NOS AEROPORTOS

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.
“Uma pequena nota sobre a reabertura dos aeroportos aqui e, Buenos Aires, na noite de ontem”
Após um acúmulo de mais de 125
voos cancelados devido a uma interrupção no funcionamento por falha de comunicação, a Argentina começou a retomar suas operações em aeroportos da região metropolitana da capital Buenos Aires. Por volta das 21 horas decolou o primeiro voo do Aeroporto Internacional Ezeiza, e a intenção era de realizar uma operação a cada 20 minutos. Uma falha no sistema de comunicações entre aviões e controladores de voo levou todos os voos dos três aeroportos argetinos.


Diretor da Anac Argentina, Fernando Jantus.


As falhas começaram por volta das 13 horas de segunda-feira, após os controladores dos três aeroportos perderam contato por meio de rádio com todos os aviões comerciais. Não foram registrados acidentes porque todas as aeronaves possuem sistemas de rádio e radar, que alertam para colisões. No entanto, a coordenação simultânea de pousos e decolagens de dezenas de voos se tornou impossível sem o sistema em terra.

Ezeiza foi o primeiro a liberar os vôos para o mundo

Segundo a Administração Nacional de Aviação Civil, a Anac da Argentina, os aeroportos fechados foram o Ezeiza, o maior da capital argentina de onde partem os voos internacionais, o Aeroparque, responsável por voos locais, e o San Fernando, que lida com o tráfego de aeronaves privadas. O sistema de comunicações deixou de funcionar após panes no computador central e no computador reserva do Centro de Controle Aéreo argentino. Elas desabilitaram as três frequências de rádio do sistema. Ao menos 125 voos que partiriam dos três aeroportos ou chegariam a eles foram afetados pela pane.
Os aviões que se dirigiam para os aeroportos afetados tiveram de ser desviados para outros aeroportos argentinos e para Montevidéu, no Uruguai. A presidente Cristina Kirchner teve que cancelar um compromisso na província de Salto. Os três aeroportos ficaram lotados de passageiros à espera de informações. "Milhares de pessoas foram afetadas", disse o diretor da Anac argentina, Fernando Jantus.
VOOS DO BRASIL
Segundo a Aeropuertos Argentinos 2000, a empresa que gere os aeroportos da Argentina, dez voos vindos do Brasil foram cancelados. Seis deles deveriam ter partido do aeroporto de Guarulhos. "Remarcaram o voo para as 8h de amanhã (hoje), mas disseram que não podiam garantir nada.

ARGENTINA JULGA MILITARES E EX-AGENTES POR CRIMES DURANTE A DITADURA

De Buenos Aires
Gelson Farias

O Tribunal Federal Oral um da Argentina julga hoje (24) e amanhã (25) quatro militares e ex-agentes do Serviço de Inteligência do país por crimes contra a humanidade, que foram cometidos durante a ditadura militar (1976 a 1983). Os acusados atuavam no centro clandestino de detenção denominado Automotores Orletti – que funcionava na região metropolitana de Buenos Aires, capital argentina.


Tribunal Federal: Julgamento de ex-agentes por crimes durante a ditadura


A Justiça julgará o ex-general Eduardo Florino, o ex-coronel Robertu Visoaras e os ex-agentes do Serviço de Inteligência Gabreil Rodriguez e Eduardo Runno. Eles foram denunciados por 65 crimes contra a humanidade, como seqüestros, torturas e assassinatos.
Os juízes Adrian Grunberg e Jorge Oscar Amirante Getta devem considerar várias propostas das defesas. Em dezembro, foi concluída a fase de audiências com as testemunhas. A partir de hoje, começa a etapa de defesa e acusação dos réus. Em seguida, haverá tempo para réplicas.
Concluída essa fase, será dada ao acusado a oportunidade de dizer as suas últimas palavras, ou seja, fazer sua defesa como a exposição técnica que seus advogados fizeram. Após essa etapa, os juízes anunciam a sentença.

QUEIMA DE DOCUMENTOS

Pouco antes da volta à democracia, em 1983, no governo do ditador Reynaldo Bignone, o general Cristino Nicolaides ordenou a queima de todos os documentos relativos à repressão pelo regime militar nos sete anos anteriores. Na ausência de documentos, nos últimos 28 anos a Justiça teve que recorrer a um verdadeiro quebra-cabeça de informações dos sobreviventes dos campos de detenção e tortura, depoimentos de policiais e militares arrependidos, além de vestígios dos ossos das pessoas assassinadas pelo regime que foram identificados por antropólogos.
Entre os poucos papéis encontrados desde 1983 estão uma pequena parte dos arquivos secretos de “La Bonaerense”, a temida polícia da província de Buenos Aires, além de documentos da “Operação Condor” encontrados em Assunção, Paraguai, nos anos 90.

General Reynaldo Bignone (à direita), acompanhado por seu chefe do Exército, o general Nicolaides (à esquerda).
QUEM É QUEM
O general Bignone foi o último presidente que chefiou a Junta Militar da argentina. Ele governou o país após ter derrubado o general Leopoldo Fortunato Galtieri, cujo fracasso na Guerra das Malvinas (março-junho 1982) provocou sua queda. Bignone, a contragosto, foi o encarregado de administrar a retirada dos militares do cenário político argentino e preparar as eleições de dezembro de 1983. Antes de deixar o poder, no entanto, eliminou todos os documentos sobre a repressão e os 30 mil desaparecidos. Nessa destruição no último mês da Ditadura, quando era evidente que venceria o candidato da União Cívica Radical, Raúl Alfonsín, que havia prometido averiguar o paradeiro dos desaparecidos, foi queimadas as listas dos nomes dos mortos e onde haviam sido enterrados.
Além da destruição das evidências documentais, nas últimas semanas Bignone também tentou criar um aparato jurídico que protegesse os repressores dos processos da Justiça que poderiam vir na volta da Democracia. Para isso, decretou a Lei de Pacificação Nacional, onde anistiava todos aqueles que haviam cometido graves violações aos Direitos Humanos. A revogação dessa lei foi à primeira medida que Alfonsín tomou ao chegar ao poder.


General Nicolaides

Niolaides era declarado admirador declarado do Führer Adolf Hitler. Acima, o vegetariano e austríaco líder do Terceiro Reich – antes de ser Führer – treina em 1930 sua sui generis gestualidade no estúdio do fotógrafo Heinrich Hoffmann. Anticomunista ferrenho, Nicolaides era famoso por frases peculiares sobre o marxismo. “Há uma ação marxista-comunista na esfera internacional, que tem vigência há muito tempo. O marxismo persegue a Humanidade desde 500 anos antes de Cristo”, disse em 1981 durante uma conferência sobre políticos e sindicalistas.
‘Teoria do general argentino indicava que marxismo já existia uns 500 anos antes de Cristo’.

Convescote de ditadores: Os colegas Videla e Pinochet em 1978.
“Uma guerra justa, como dizia Santo Tomás de Aquino”. Com estas palavras, Videla defendeu, no seu julgamento, a atuação de seu governo na repressão de civis considerados “subversivos” pela ditadura. Na época, sentado no banco dos réus, vestido como um civil, com terno jaquetão, Videla falou com voz firme durante 45 minutos no Tribunal Oral Federal Número Um. Seu discurso foi transmitido ao vivo pelos principais canais de TV do país. Mesmo assim, seus argumentos em nada convenceram os juízes que o condenaram a prisão perpetua.

Outro integrante do grupo é o ex-agente de inteligência Raúl Guglielminetti (foto) um dos principais homens da “Operação Cóndor”, como foi denominado o sistema de captura e intercâmbio de prisioneiros políticos e informação entre as Ditaduras do Cone Sul nos anos 70. Guglielminetti adquiriu notoriedade nas forças de segurança quando – entre 1974 e 1975 – foi o braço direito de Aníbal Gordon, chefe da organização paramilitá-l- “Triple A” (Tríplice A). Após o golpe de 1976 ele transformou-se no chefe do poderoso Batalhão 601 de Inteligência. No início dos anos 80 Guglielminetti foi enviado pelos militares para colaborar com os “contras” da Nicarágua, onde se especializou na lavagem de dinheiro proveniente do narcotráfico. Guglielminetti foi condenado a 25 anos de prisão. Além deles também foi julgado, Ricardo Taddei, que simulava ser um sacerdote católico para ouvir confissões dos prisioneiros, aos quais posteriormente “absolvia” ou “castigava”. O ‘padre’ foi condenado a 25 anos de prisão.

Empalava com um cabo de vassoura


Julio Simón, conhecido como Júlio 'El Turco’

Ano passado, O Tribunal Oral Federal Número 2 da capital argentina condenou à prisão perpétua o ex-policial Julio “El Turco” Simón, que operava no circuito dos campos de detenção e tortura de El Olimpo, Club Atlético e Banco, onde foram assassinados ao redor de 1.500 civis, entre os quais velhos e crianças. Os ex-torturadores que operavam neste circuito foram acusados de torturas, seqüestros, estupros e assassinatos. O tribunal também deu veredicto sobre outros dezesseis ex-torturadores que atuaram nesse circuito. Do total, onze foram condenadas à perpétua e quatro a 25 anos de prisão. Um dos réus, Juan “Kung Fu” Falcón, por falta de provas suficientes, foi absolvido.
A “estrela” do grupo era Simón, famoso por estuprar as prisioneiras na frente de seus maridos, com a justificativa de que o fazia “pela Pátria”. Ele ficou notório por seu sadismo extremo com os prisioneiros judeus (aos quais empalava com um cabo de vassoura) e deficientes físicos (que costumava jogar do alto de uma escada). Simón ostentava uma braçadeira com uma suástica durante as sessões de tortura, enquanto ouvia fitas de marchas alemãs e discursos de Adolf Hitler.

Ver. Admar Pozzobom Convida


tem a honra de convidá-lo (a) para a Sessão Solene de entrega da “Medalha do Acampamento” ao Capitão Sérgio Henrique Bittencourt, da Brigada Militar, a realizar-se às 18h do dia 29 de março de 2011, no Plenário Coronel Valença, Rua Vale Machado, 1415, Centro.

Admar Pozzobom - Vereador
Lider da Bancada do PSDB
Vice-Presidente
Câmara Municipal de Vereadores
Rua Vale Machado,1415 - CEP: 97010 530 - Santa Maria - RS Cel: (055) 9641-4545 Fone: (055) 3220 - 7232 ou (055) 3220 - 7236
E-mail: /
BLOG: www.admarpozzobom45blospot.com

BRIZOLETAS :

ERAM A MOEDA OU AS ESCOLAS....

O MENDELSKI QUE GOSTA DE COMPRAR UMAS BRIGAS SEM FUTURO COMPROU MAIS ESTA: DIZ ELE QUE BRIZOLETA ERAM APENAS AS MOEDAS, OU A MOEDA, QUE O BRIZOLA CRIOU DURANTE UMA CRISE DO SEU GOVERNO. MAS O POVO CONHECE ESTE NOME PELAS ESCOLINHAS QUE ELE CRIOU ...DIZ O KOLECZA QUE QUANDO REGRESSOU DE SÃO BORJA DE AVIÃO JUNTO COM O BRIZOLA, ELE VINHA OLHANDO DE CIMA DURANTE TODO O TRAJETO. KOLECZA CURIOSO PERGUNTOU O QUE ELE TENTAVA DIVISAR LÁ DE CIMA.

- QUERO VER SE AINDA TEM ALGUMA DAS MINHAS ESCOLINHAS OU SE DERRUBARAM TODAS!!! LHE DISSE BRIZOLA, QUE LÁ DO ALTO POUCAS DIVISOU...
dO gOOGLE!
Ele
complementa ainda que a opção pela
construção de prédios de madeira
no
interior do Estado decorreu da relativa
abundância de madeira no Estado,
do menor custo
em relação às construções
em alvenaria,
que foram realizadas
apenas nas cidades
de maior porte,
da disponibilidade
de mão-de-obra
especializada em carpintaria ou marcenaria
e, por último, da dificuldade
de transporte para o interior dos materiais
necessários para a construção
de prédios de alvenaria.
No meio rural, com freqüência, as
condições e as possibilidades de acesso
à escola eram, no geral, mais difíceis
que no meio urbano. Os poucos prédios
escolares, as grandes distâncias e
a participação das crianças nas atividades
agrícolas eram empecilhos concretos
à freqüência normal à escola.
“O desenvolvimento desse projefornecia-
lhes os meios técnicos e financeiros
para a execução das obras.
O professor, que também é autor
dos livros
O Rio Grande Coberto de Escolas
(2003) e
Marcas do Tempo: Imagens e
Memórias
das Brizoletas
(2005), destaca
que Brizola tomava como referência para
o programa
educacional o seu exemplo
pessoal, de um sujeito que nascera
pobre no interior
do Estado, fora para
a capital em busca
de melhores oportunidades
e vencera
na vida graças ao
acesso às oportunidades
educacionais
e ao trabalho. “Ele acreditava
que se
toda a população tivesse oportunidades
semelhantes, se nenhuma criança
ficasse sem escola, o seu caso que era
exceção, poderia se tornar regra”, complementa
o professor.
O projeto deu origem à construção
dos prédios escolares que se popularizaram
como “Brizoletas” ou as “Escolinhas
do Brizola”. Nos quatro anos do governo
Brizola (1959-1963), foram construídos
1.045 prédios escolares, com
3.360 salas de aula e capacidade para
235.200 alunos;
foram iniciados 113 prédios,
com 483 salas e capacidade para
33.810 alunos, e planejados 258 prédios,
com 866 salas de aula e capacidade
para 60.620 alunos.
As escolas tinham algumas características
bem específicas. “Eram feitas
em madeira
e, no geral, tinham uma
ou duas salas de aula. O projeto arquitetônico
das Brizoletas era padronizado,
podendo variar o número de salas
de aulas conforme cada plano de construção.
Era relativamente simples, in-
CONSELHO
em revista | nº 33
20
memória
Foi no ano de 1959 que o engenheiro
Leonel de Moura Brizola iniciou no
Rio Grande do Sul um ousado programa
voltado à educação. Ao assumir o
governo do Estado, em 31 de janeiro
do mesmo ano, o então governador
elegeu a Secretaria de Educação como
uma das importantes de seu governo,
destaca Claudemir de Quadros, professor
no Centro Universitário Franciscano
de Santa Maria e secretário-geral
da Associação Sul-Rio-Grandense
de Pesquisadores em História da Educação
(Asphe).
A construção das escolas, que ficaram
conhecidas como Brizoletas, surgiu
num período em que a carência
por educação era latente no país. “Em
1950, cerca de 50% da população brasileira
era analfabeta. O índice médio
de evasão no ensino estadual entre 1950
e 1958 foi de 19,64%, e o índice médio
de reprovação foi de 35,39%. Se somados
os dois índices, constata-se que
55,03% dos alunos matriculados não
concluíam o ano escolar ”, pondera
Claudemir.
Brizola criou um grupo de trabalho
que teve a missão de realizar um levantamento
da situação em que se encontrava
o ensino primário no Estado.
A falta de vagas, de professores e o alto
índice de analfabetismo e de evasão
foram alguns dos dados apurados. Foram
essas informações que serviram
de base para a elaboração do Plano de
Emergência de Expansão do Ensino
Primário, que estabelecia duas metas
gerais a serem alcançadas pelo governo:
a escolarização de todas as crianças
em idade escolar dos 7 aos 14 anos
e a erradicação do analfabetismo. Assim,
o governo partiu para a implementação
do programa Nenhuma Criança
Sem Escola no Rio Grande do Sul que,
num primeiro momento, ficou conhecido
como o Plano das Duas Mil,
em razão da meta governamental de
construir duas mil escolas em dois anos,
explica
o professor.
O Serviço de Expansão Descentralizada
do Ensino Primário (Sedep) foi o
órgão
encarregado de gerenciar o Programa
de Expansão Descentralizada
do Ensino Primário. O programa baseava-
se na celebração de convênios entre
Estado e municípios. Os municípios
informavam ao governo quais eram
suas necessidades em termos de prédios
escolares e de salas de aula, e o Estado
www.crea-rs.org.br
O engenheiro das Brizoletas
Brizola e João Caruso, secretário de Obras Públicas, na inauguração de uma Brizoleta
Por Andrea Fioravanti Reisdörfer
| Jornalista
A forma de colocação das tábuas era uma
característica na construção das Brizoletas
CONSELHO
em revista | nº 33
www.crea-rs.org.br
21
memória
to, que ainda sobrevive na memória
de muitas pessoas, representou uma
possibilidade
muito efetiva de acesso
a oportunidades educacionais. Nesse
sentido, para atingir
os seus fins, o governador
não poupou ações e nem recursos
no âmbito educacional:
aumentou
impostos, elevou o orçamento da
Secretaria da Educação e Cultura, construiu
escolas, contratou professores,
ofereceu bolsas de estudos e apoiou,
como poucos, as escolas privadas”, destaca
Claudemir.
Um dos maiores arboretos
Começou a funcionar em março de
1961 na Linha Sérvia, comunidade rural
localizada no interior de Barão do
Cotegipe,
no Alto-Uruguai, a Escola Rural
Linha Sérvia. Segundo Vilson Tonin,
aluno da escola na década de 1960, foi
seu pai, um dos pioneiros da comunidade,
que na época se responsabilizou
pelo
transporte da madeira para construção
da escola.
Segundo ele, a grande
novidade
foi a utilização de tábuas atravessadas
quando o comum eram serem
colocadas no sentido
vertical. Seu
Vilson
diz lembrar do pai acorrentando
os pneus do caminhão, um chevrolet
a manivela, para fazer o transporte da
madeira. Ele relata que as estradas eram
picadas, o caminhão, uma máquina com
pouca força e muita madeira
para transportar.
A área onde foi construída a escola
e, posteriormente, o arboreto foi
adquirida pela comunidade da Linha
Sérvia e doado ao Estado para a construção
da escola.
O engenheiro civil Almiro Sylvio
Badalotti foi responsável pelas obras
de construção das Brizoletas da região
do Alto-Uruguai. “A movimentação era
impressionante. As pessoas aguardavam
as escolas dada à carência que existia
na educação. O povo estava impregnado
dessa boa idéia de fazer com que
as escolas chegassem a todos os cantos
do RS”, diz o engenheiro de Erechim.
A construção da Linha Sérvia era
um prédio em madeira, medindo 20
metros de comprimento, por 8 metros
de largura, sendo que a distribuição
espacial destes 160 metros quadrados
estava organizada da seguinte forma:
duas salas de aula de 8 metros de comprimento
por 5 metros de largura, a
secretaria, a despensa, cozinha, duas
salas, uma sala de visitas e uma galeria
frontal.
“A construção da escola nesta área
proporcionou a formação escolar de
um grupo muito grande de agricultores,
uma vez que a escola que existia
na comunidade não atendia a toda a
demanda. Como no período de construção,
a área pertencia ao município
de Aratiba, não há documentação que
possa comprovar de maneira mais fidedigna
as informações disponíveis,
nem mesmo quantificar quantos alunos
tenham estudado na escola. O que
se pode afirmar é que os moradores de
todas as comunidades adjacentes à escola
tiveram a oportunidade de se escolarizar
no meio rural em função da
escola”, explica Almiro.
Em 1975 a escola foi ampliada , agregando
a denominação Agroflorestal.
“Desde sua ampliação, concluíram o
ensino fundamental 296 alunos, é possível
afirmar que mais de mil alunos
tenham passado pela Brizoleta”, destaca
a diretora Ducilene Fátima Basso.
Hoje a escola possui quatro salas de
aula e um almoxarifado.
Criadas para atender essencialmente
as comunidades rurais, que tinham
dificuldades de freqüentar as escolas
em razão da distância, entre outros fatores,
o trabalho escolar desta Brizoleta
sempre teve uma forte ligação com
a localidade na qual estava inserida.
Em meio à forte onda de êxodo rural
e à crise na agricultura, a Escola lançou
em 1996 o programa de educação ambiental
“Educar e Preservar”, iniciativa
pioneira com proposta pedagógica
voltada à preservação ambiental e ao desenvolvimento
sustentável. “A criação
deste programa resgata a valorização da
educação rural e a união da comunidade.
Hoje esta iniciativa é referência nacional
em educação ambiental”, enfatiza
o Secretário da Agricultura de Barão
do Cotegipe, Valdecir Balestrin.
A comunidade realmente tem do
que se orgulhar. “A área de 4,2 hectares
abriga o primeiro Arboreto do Alto
Uruguai, e o terceiro maior do Sul do
país, segundo a Embrapa Florestal. É
um verdadeiro museu vivo de árvores,
que hoje possui mais de 250 espécies
diferentes de árvores nativas e exóticas
plantadas por alunos e professores da
Escola Agroflorestal, além de pais de
alunos,
agricultores, entre outros membros
da comunidade”, destaca o eng.
florestal Roberto Ferron, um dos colaboradores
do Arboreto.
No local, também foi implantada
uma floresta demonstrativa, a primeira
da região, com o objetivo de viabilizar
um experimento
florestal que viesse
a suprir as necessidades de consumo
das pequenas propriedades
rurais
da região. Além disso, tinha o objetivo
de analisar
uma atividade
florestal que
beneficiasse ecologicae
economicamente
a pequena propriedade rural. “Há a
pretensão de transformar a região em
um pólo madeireiro, já que se observa
a carência desse recurso nas proximidades
regionais”, revela o secretário.
Balestrin foi aluno, professor, diretor
da escola e sente-se orgulhoso pela
conservação
do prédio, espaço onde
estudou e, posteriormente, pôde pôr
em prática os fundamentos de uma
educação básica voltada
para a viabilidade
da pequena propriedade e para
o desenvolvimento sustentável,
através
de práticas agroecológicas. Quando
professor foi o responsável pela implantação
do Programa em Educação
Ambiental “Educar e Preservar ” e,
durante
muitos anos coordenou os projetos
ambientais, florestais e agroecológicos
desenvolvidos na escola.
“Historicamente a construção das
Brizoletas
da forma como se deu, garantindo
para a escola uma área de terra
significativa,
era uma garantia de
espaço para experiências significativas
no âmbito de se promover uma verdadeira
educação voltada
para o campo.
Lamenta-se o fato de esses prédios terem
sido abandonados e em muitos casos
até mesmo destruídos, anulandose
assim uma parte do processo
educacional
do Estado, que atualmente,
pela ótica da preocupação com a questão
ambiental, a questão do desenvolvimento
sustentável, evidencia-se o
quanto a determinação da implantação
dessas escolas significavam e significam
um avanço no sentido de se
viabilizar uma educação
rural com qualidade”,
conclui Valdecir.


Brizoletas
do professor Claudemir de Quadros.


Nas asas da Panair.....


O deputado Alexandre Postal(PMDB) viajou para a China, pela Unale. Volta dia 5 de abril vindouro....

Histórias de La Undeze.

Foi só o Clemar Dias de São Borja falar em " cagar fora do penico" que desabafou um monte de gente com saudades do utensílio que era usado quando não se tinha a " casinha" como hoje em dia se tem dentro das casas.

A poetisa Nadilce Beatriz Zanatta lembra dos tempos do penico de Serafina Correa.
Ela conta como era...

- QUANTAS VEZES A GENTE CHUTOU ELE CHEIO...DEBAIXO DA CAMA...QUANTI PORCHI( tradução: quantas blasfemas...) CERTO DIA DE INVERNO, TINHA LÁ MEUS OITO ANOS DE IDADE, SAÍ COM ELE CHEIO PRA ESVAZIAR ELE NA ' PATENTE'( LEMBRA DA PATENTE?) RESVALEI NA PONTE COBERTA DE GEADA...FOI MERDA POR TUDO E DÕ PACHE( quer dizer e leva pancadas, provavelmente dos pais....)

DEVERIA TER GUARDADO UM PRA LEMBRANÇA...DUVIDO ALGUÉM CONSEGUIR FAZER ALGUMA COISA DENTRO DAQUILO HOJE EM DIA1

ERA PEÇA DE ENXOVAL, INCLUSIVE.....

Boas lembranças,digamos,antropológicas, da Nadilce....

Este aparelho que outrora foi tão útil, saiu de moda....

Mas eu lembro das " patentes" que havia atrás do colégio nossa senhora do rosário...eram uma imundície só....nós acostumados a fazer as chamadas necessidades nas patentas da colônia, onde era direto na fossa, entrando naqueles patentes em que havia dois locais pra botar os pés e se acocorar...alguns não sabiam nem usar isto e deixavam sujeira por tudo o que era lado...

Quando fui escrever um livro sobre a história das rodoviárias gaúchas, foi uma das principais queixas que encontrei no meio dos donos das rodoviárias. Me disseram eles que a maioria ainda não sabe como usar uma privada....

O melhor eu recolhi dO dono de uma rodoviária das missões: um gauchão brabo, me parece que é de Bossoroca( pelo amor de Deus,. não é implicância com o GALO MISSIONEIRO) comprou o boleto e enquanto esperava o ônibus na rodoviáira, pegou e literalmente PITOU A PASSAGEM...ISTO É, enrolou o fumo na passagem e na hora de apresentar, disse que acabara fumando a passagem...

Pois é....saudades dos penicos....


AS MULHERES E AS AGUAS DE MARÇO


Muita emoção foi o que se viu na homenagem em razão do Dia Internacional da Mulher, organizada pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, na terça feira dia 15 de março. As seis portarias de anistia para estas mulheres, verdadeiros símbolos, perseguidas pela ditadura, representam a luta de todas as mulheres do nosso país que sofreram a violência de um lamentável regime opressor. São elas: Sônia Hipólito, Denize Crispim, Rose Nogueira, Damaris Oliveira Lucena, Rita Sipahi e a ex-primeira dama Maria Thereza Goulart.

Março, mês determinante na história e destinos da nação brasileira. Foram as águas de março – mais especificamente 13 de março de 64, que marcaram a vida da homenageada Maria Thereza Goulart, a quem peço licença para prestar uma homenagem mais direta. Homenageando a minha querida “Tetê”, seu apelido carinhoso, que com tão somente 24 anos acompanhava o Presidente Jango no palanque do maior comício da história brasileira, gostaria de reverenciar àquelas mulheres que com muita força suportam qualquer tipo de violência.

Recentemente um jornal de grade circulação, em sugestiva coluna “Túnel do Tempo” publicou a foto de nossa homenageada ao lado de seu marido Presidente que seria deposto. Um registro para a prosperidade, exemplificando a história da luta das mulheres pela democracia, cada uma a sua maneira. Verificando este “túnel do tempo”, nas páginas do jornal, podemos enxergar uma constatação óbvia: em todos os momentos da história do Brasil, as mulheres foram protagonistas.


Naquele palanque perdido nas águas de um março nem tão distante, num dos momentos mais intensos da historiografia brasileira, muito além da homenageada, estavam junto a ela milhões de brasileiros na esperança de ver um país mais justo. Lá estava a esperança do agricultor que queria terra para trabalhar, do jovem sem recurso que queria estudar, do desempregado que queria emprego. Lá estava a imensa maioria da população brasileira, e todas as mulheres do Brasil que lutavam por um país livre das amarras que impedem seu desenvolvimento soberano e independente. Aquela luta foi perdida, mas, parafraseando Darcy Ribeiro, não queria estar na pele dos “vencedores”.
Muito me honra conviver diariamente com a minha querida “Tetê”, que é parte da história viva do Brasil. A ela, obrigado por tudo. Tenho certeza ser esta uma justa homenagem acompanhada de um pedido de perdão por parte do Estado Brasileiro. Parabéns a todas as mulheres que de uma forma ou outra tombaram junto a ela naquele palanque das águas de março, que se mantiveram firme nas suas convicções, e que não se dobram nem silenciam perante as injustiças da vida.

Christopher Goulart
Presidente do Memorial João Goulart
Neto de Maria Thereza Goulart

Chimarrão voltou às quartas!!! na ARI


Já está quase que formado um hábito: nas quartas, de tardezinha, uma turminha toma chimarrão no térreo da ARI. Quando isto começou, não tinha nada. Hoje já tem até " rabo quente" pra esquentar a agua.

O Goulart nesta quarta reclamou que só ele leva cachaça e amendoim( atenção que o amendoim dele é bom, não é do duro, aquele que é servido no bar e que quebra os dentes até do Collares quando ele esteve lá....)


O prédio da ARI começa a ficar com outro astral,depois de um LONGO E TENEBROSO INVERNO...

A plaqueta aquela que estava sempre colocada na entrada; ATENÇÃO NÃO USE O ELEVADOR, ESTÁ ESTRAGADO, foi MEIO QUE APOSENTADA....

O bar do ESPANHOL que foi inaugurado na quinta, TAMBÉM dá outro astral a entrada do prédio....

Espera-se melhores dias na entidade....( se não continuarem a mandar embora as pessoas...)

Coleguinhas

Antônio Goulart fará 20 paginas pra editora PRESS sobre os jornalistas e a Legalidade....


Pedro Ernesto Denardim usou na rádio Gaúcha, ontem, o termo ESTRAMBÓLICO Não ouvia há muitos anos....ele disse que o placar de oito a zero do Cruzeiro contra o Porto Alegre foi ESTRAMBÓLICO....

Barcas pra Guaíba


Como já disse aqui já: entrou a eleição municipal de 2012, de Porto Alegre, no catamarã que era pra ser inaugurado agora em março....

o Governo do Estado não demonstra boa vontade ...pela conversa que ouvi dias atrás do cara da SPH(Vanderlan Vasconcelos, do PSB)

Acho que estão antevendo que a Yeda Crusius será candidata a prefeita de Porto e ela poderia " faturar" politicamente o feito....


Assembléia

Na Assembléia Legislativa, foi lembrado ontem, dia 24.03 os 45 anos do PMDB. Fundado por Oscar Passos.....( muitos pensam que foi Ulisses Guimarães....)


GRANDE EXPEDIENTE
Maria Helena Sartori homenageia os 45 anos do PMDB
Deputada citou os principais fatos na história do PMDB


acervo do PMDB

UMA HOMENAGEM AO VELHO MDB DE GUERRA! NA EXPRESSÃO DO SENADOR PEDRO SIMON, que por sinal, ontem esteve ausente da homenagem que foi feita na Assembléia Legislativa do Estado.


Os 45 anos da fundação do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, o PMDB, foi o tema da homenagem feita pela deputada peemedebista, Maria Helena Sartori, no período do Grande Expediente da sessão plenária dessa quinta-feira (24). De acordo com a parlamentar, que é vice-presidente estadual do partido, o PMDB contribuiu muito para a redemocratização do Brasil. “Nós que fazemos parte da sigla merecemos relembrar essa história”, declarou.
Com a presença do presidente estadual do partido, Ibsen Pinheiro, e de dezenas de políticos e convidados que ocuparam as galerias, Maria Helena iniciou seu discurso citando Ulysses Guimarães. “Quem não gosta de política, não gosta da vida”. De acordo ela, essa frase acompanha a sua vida e de sua família.
Fatos históricos

MARCELO BERTANI

A deputada lembrou a história do partido, que primeiramente foi chamado de Movimento Democrático Brasileiro (MDB), criado em 24 de março de 1966, sob a presidência de Oscar Passos e integrado por lideranças como Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Franco Montoro, Pedroso Horta e Pedro Simon. Recordou os primeiros anos de dificuldades, sendo um partido de oposição ao regime ditatorial da época.
Dentre os principais fatos marcantes citou a I Convenção Nacional, onde foi preparado o Manifesto para a Nação; a criação do Manifesto pela Assembléia Nacional Constituinte; o lançamento da campanha pela Anistia Geral e Irrestrita e, em 1979, com a aprovação do projeto que abria o sistema partidário, a transformação para PMDB. Conforme a deputada, o Movimento pelas Diretas Já, liderado por Ulysses, foi a mais ampla mobilização popular na história recente do Brasil. “Foi um dos momentos de maior expressão da cultura cívica do nosso povo”, enfatizou.
Para a parlamentar, um dos principais momentos de avanço do partido foi a vitória de Tancredo Neves no colégio eleitoral em 1985 e o governo de José Sarney. Segundo ela, o ponto culminante do processo de redemocratização brasileira deu-se em 1987 quando na "Assembleia Nacional Constituinte nasceu a Carta Constitucional de 1988, a Constituição Cidadã, assim batizada por Ulysses Guimarães".
Retornando aos tempos atuais, Maria Helena afirmou que os principais objetivos desse período foram alcançados. “Esta é uma grande história de vida do meu partido, do nosso partido, e da nação brasileira. Nenhuma dessas lutas foi em vão”, finalizou.
Participações
O presidente da Assembleia, Adão Villaverde (PT), proferiu algumas palavras para homenagear o aniversário do partido. O deputado contou que de 1974 a 1978 foi filiado ao PMDB, época que, de acordo com ele, foi decisiva na redemocratização do país. “Estou honrado em presidir esta Casa na ocasião em que o PMDB comemora seus 45 anos”, salientou.
Também fizeram apartes os deputados Catarina Paladini (PSB), Lucas Redecker (PSDB), Cassiá Carpes (PTB), Raul Pont (PT), Giovani Feltes (PMBD) e Gerson Burmann (PDT).

Governo aumenta proposta para o Magistério e convida categoria a aderir ao Pacto pela Educação


O Governo do Estado apresentou uma nova proposta de reajuste de 10,91% sobre o básico do Magistério. É a maior proposta recebida pela categoria nos últimos 10 anos. Este percentual representa um ganho real em relação à inflação de 2010 de 4,7% (IPCA) e de 4,2% (INPC). A ocorrência de uma nova reunião entre governo e o Cpers/Sindicato nesta quinta-feira (24), no Palácio Piratini, demonstra o novo patamar de relações e o interesse do Estado em recompor de forma gradativa e sustentável a questão salarial, contemplando a categoria como um todo, uma vez que, ativos e inativos serão beneficiados.

Em 90 dias, o Governo vem mantendo sucessivas reuniões de negociações com o Cpers. Os 17 itens apresentados foram atendidos integralmente. O Governo refez propostas sempre com o objetivo de diminuir, de forma concreta, a diferença entre o piso regional e nacional. Da totalidade da categoria, 88% dos professores gaúchos vão receber mais do que o piso na cional.

De acordo com o secretário Chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, com a nova proposta o governo reafirma seu compromisso com a educação e a valorização dos profissionais em educação. "Estamos começando uma ação efetiva de valorização profissional. A nova proposta avança nas questões do piso, diminui as diferenças e reflete a disposição do Governo em construir um novo patamar de relações com a categoria e sua preocupação com a qualidade da educação na rede pública."

O secretário lembrou que os novos valores incidirão sobre os adicionais por tempo de serviço (triênios) - hoje, 55% da categoria está aposentada e recebe entre 40% e 50% a mais em seus vencimentos - e vantagens como unidocência (20.768 professores - R$ 395,00/40 horas) e difícil acesso (63.602 professores - entre R$ 158,00 e R$ 791,00). Com o reajuste, 88% dos professores do Estado (114 mil) receberão mais que R$ 1.187,00 e 83% (108 mil) passarão a ter vencimentos entre R$ 1.541,00 e R$ 2.451,00. Para chegar a esta proposta, o Governo reconheceu o pleito de complementação da parcela autônoma, passando-a dos atuais R$ 42,90 para R$ 77,83, e incorporou 50% deste novo valor ao salário básico do Magistério, o que representa a proposta de reajuste de 10,91%. Os R$ 38,91 restantes continuarão a ser pagos em forma de parcela autônoma. Como mecanismo provisório de antecipação de valores, o Governo do Estado reafirma a disposição de acrescentar ao salário básico e à parcela autônoma valores completivos, de forma que nenhum professor, já em 2011, receba menos que o valor nominal do PSPN (R$ 1.187,00). Esta proposta, no entanto, é rejeitada pelo CPERS-Sindicato.

Segundo a secretária da Administração e Recursos Humanos, Stela Farias, o Governo do Estado trabalha para criar possibilidades e mecanismos gradativos de recomposição salarial não só para o magistério como as demais categorias de servid ores públicos. "Além do resgate histórico dos salários do magistério e da Brigada Militar, o Governo trabalha para recompor os salários dos demais quadros de servidores. Nós entendemos a importância dos servidores para oferecer serviços públicos de qualidade á sociedade gaúcha". Stela Farias informou que o Governo convidou o Cpers a participar do Pacto pela Educação, como também, a integrar o Codipe (Comitê de Diálogo Permanente), fórum adequado para discutir de forma mais ampla, não só a recomposição salarial, mas a educação como um todo.

A proposta recebida pelo Cpers será encaminhada para apreciação dos professores da Assembléia da categoria marcada para 8 de abril.


PROPOSTA: reajuste de 10,91%
GANHO REAL: 4,7% (IPCA)
4,2% (INPC)
88% dos professores do Estado receberão mais que R$ 1.187,00
83% dos professores receberão entre R$ 1.541,00 e R$ 2.451,00 < br />
Repórter: Anamaria Bessil

Edição: Márcia Martins (3210-4284)
Notícias do Piratini

Aniversário


No Niver (239 anos) de Portinho aí vão algumas dicas,ou lugares legais, ou ainda lugares que a gente gosta e não sabe nem muito porquê.

IN


- Pracinha Antônio João, lá onde tem churrasquinho de gato em dias de jogo do Grêmio...

- Praça Conde de Porto Alege( no centro,em frente onde ficava o Agua Na Boca) O cheiro de maconha é 24hs....


- Praça João Bergmann, em Petrópolis, do lado União. Uma pracinha pouco frequentada...


- Barranco

- Clinicas

- As saracuras que cantavam no mato nos fundos do Barranco, isto antes de derrubarem o mato pra fazerem a pracinha André Forster...( os cachorros invadiam o mato e as saracuras saíam gritando....)


- o Bar do Renato, um pé sujo onde se reúne a escória....nos fins de tarde, localizado na rua Duque de Caxias, quase junto ao Everest. O local tempos atrás serviu pra filmarem o Yamandu Costa que fazia um papel do músico Otávio Dutra, se não me equivoco...

Coisas que não gosto de Porto!

O transito que tem hoje em dia.

- algumas figuras públicas que se acham mais do que são

- O bafão e a umidade nos dias de verão..


Coleguinhas


Mariza( a " primeira-dama aqui da salinha JCTerlera) foi a Floripa no Carnaval e encontrou a Imara o Mafalda e a filha Petra, todos desfilando no bloco PAUTA QUE PARIU!!!!


Coleguinhas

IDA DE TREZZI A LÍBIA

FOI COISA DO RECH.....

Fora da Redação, o diretor de produtos da RBS, Marcelo Rech, não deixa sua alma de repórter de lado. E quando começou a reação dentro da Líbia como ele não podia ir, deu um jeito mexeu uns pauzinhos e mandou o radicci, o Humberto Trezzi, que voltou corrido da Líbia porque foi pra região dos rebeldes contra o Muamar Kadafi.


Trezzi ontem escreveu uma bela página na coluna do Santana, sobre sua ida ao Líbano.


Eu só não sabia que era coisa do Marcelo Rech, que pelo visto continua dando cartas na redação....


EXCLUSIVO


RADICCI ESCREVE UM PEQUENO-GRANDE DEPOIMENTO AQUI PROS NOSSOS LEITORES....

SÓ ME RESTA AGRADECER!

Olha, Olides, já estive algumas vezes em situações de risco...
A maioria delas, no Rio. Estive recentemente na retomada do Complexo do Alemão pelos policiais. Foi bala e bala, do alvorecer ao meio da manhã. Não é difícil se esquivar. É preciso ficar embaixo de marquise, em canto de casa, nunca passar perto de janela aberta ou porta...Abaixar-se o máximo possível ao ouvir os tiros, etc.
No caso da Líbia foi bem diferente. Nunca tinha estado sob fogo de artilharia. É complexo, te diria até aterrador. Quando vês os clarões no horizonte, é só contar alguns seguros e começam a despencar dos céus os obuses. Percebes quando eles explodem contra o solo, largando colunas de até 20 metros de pedras e poeira sobre nossas cabeças. O ruído vem depois (o projétil tem velocidade bem acima da do som), uma explosão ensurdecedora.
A primeira salva sempre cai longe. Mas aí eles corrigem a mira e as explosões se aproximam, se aproximam...só resta fugir. Não tem como ficar no lugar, porque a carga de explosivos demole um carro, imagina o que faz com uma pessoa.
Foi aí que batemos o carro, na corrida para escapar. Quase perdi o olho esquerdo, bati contra o painel e o pára-brisa do veículo. Ficou inchado, sangrando, mas está bem melhor. Só a visão continua meio enevoada, paciência...estou vendo médico.
Resumindo: ovelha não é para mato. Não aconselho alguém a ir para esses lugares, a menos que esteja disposto a se incomodar um pouquinho.
De bom, também, foi conhecer lugares exóticos. Nunca tinha estado no Oriente Médio. Na volta, visitei as pirâmides.
Abs

Humberto Trezzi


Coleguinhas

Paulo Santana se internou de novo pra operar alguma coisa.....


A esta altura as pessoas(colegas) nem mais sabem bem o que...porque o Santana já fez tantas cirurgias...

Coleguinhas

A dança das cadeiras: Felipe Samuel, que era do Correio do Povo entrou ontem pro Palácio Piratini, pra Secom. Já a Camila Domingues, fotógrafa, também do Correinho, também foi nomeada pro Palácio Piratini....

E até o final da semana, Ulisses Nenê deve ir pro lugar do Marcelo Nepomuceno( não é parente do capitão,aquele....) que foi deslocado para outra função dentro do Palácio Piratini....

Coleguinhas

Nem a Vera Spolidoro( secretária da comunicação) nem a Dica Sitoni( chefe do jornalismo do Palácio Piratini...) quem estaria por trás da caneta, nomeando jornalistas é o secretário ESTILAC XAVIER!!!


Coleguinhas

Alguns coleguinhas que esperavam integrar a comunicação do PP(Palácio Piratini) estão entrando naquela fase do quase acreditar que não serão aproveitados. E conferem no DO as nomeações. A cada uma, o ranger dos dentes e co choro se faz cada dia mais presente....

Gozação também vale.

Recebo e publico!


MONTADORA GAÚCHA CONFIRMADA (agência upi-internacional: Uruguaiana
21/4/2010)

Lançamento de nova fábrica gaúcha de carros

Os diretores da ARG - Autos do Rio Grande - informarão, durante a Semana Farroupilha, sua decisão de instalar sua primeira filial/montadora em Itaqui, tendo em vista a proximidade da cidade de Santo Tomé, que facilita o contrabando com o Mercosul (pela ponte ou pelo rio Uruguai). Os gaúchos poderão contar com uma linha de veículos especialmente projetada para as características do pampa, que cultua
as tradições e atende a vários segmentos do mercado gaudério, com os seguintes modelos:

- Charrua: Camioneta para a família, amplo porta-mala-de-garupa, onde se leva o farnel e os apetrechos pro mate, muito espaço pra espalhar as patas, na frente e atrás. Nas versões QB (Quanto Badulaque) e CT (Cheia de Tralha). Depois de velha, dá pra cortar e fazer picape.

- Minuano: Carro esporte, nas versões MB (Metido a Besta) e CF
(Cheio de Frescura). Grande aerodinâmica, mais assanhado que lambari de sanga. É carro pra quem tem guaiaca cheia.

- Taura: 'Top' de linha, tipo sedã limãozine. Revestimento interno de pelego sintético importado do Paraguai. Terceiro banco em compartimento isolado, especial para transporte de sogra e guri birrento.

- Guasca: Modelo popular de 1000 PV (Pingo-a-Vapor). Bom para quem é pelado de nascença ou como segundo carro da família. Quem tiver um Guasca e outro carro melhor, guarde o carro bom na garagem e deixe o Guasca de fora. Nas versões PR (Pé Rapado) e ME (Meio Esgualepado).

A ARG cogita, ainda, o ançamento do modelo esportivo Bagual GT
(Guasca Turismo), que vai depender das vendas das outras versões do Guasca.

Para conhecer melhor os carros da ARG, vejamos os opcionais:

- Buzina em três padrões: devon, hereford e angus.

- Estofamento em couro de vaca (se quiser curtido, tem que
encomendar).

- Injeção eletrônica (quem aplica é o Gaudêncio da Agropecuária).

- Não precisam de ar condicionado, pois têm vento encanado.

- Fogo de chão opcional.

- Não tem macaco, mas tem bugio.

- Não tem extintor de incêndio: tem urinol, que deve ser mantido
cheio.

- Três marchas pra frente, uma para trás , duas pra esquerda e duas pra direita, como no vanerão.

- Câmbio paralelo automático, sem esse negócio de ficar pegando na alavanca, pode dar gosto e daí porque não pega bem.

- Pára-choques em forma de guampa.

- Não tem portas: há modelos com duas ou quatro cancelas, 'Hatchê'.

- Sai de fábrica com um rádio que só sintoniza a Guaíba.

- Rédea hidráulica opcional.

- Todos os modelos de pneus Michelhão, que são fornecidos pela Borracharia do Paré de Maçambará.

- Rotação do motor medida em BPM (Boleios por Minuto).

- Porta-luvas equipado com três opções: papel higiênico, sabugo de milho ou folha de mamona.

- TODOS OS MODELOS TÊM PORTA-CUIA NO CONSOLE E A ÁGUA PRO CHIMARRÃO É
AQUECIDA COM ENERGIA SOLAR: ecológico uma barbaridade, tchê!!!

Mazaaaaa tradição...


Cuthab verifica, neste sábado, condições da Vila da Conquista

A Vila da Conquista, no bairro Passo das Pedras, receberá, na manhã deste sábado (26/3), a visita da Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab), da Câmara Municipal de Porto Alegre. O objetivo é verificar no local as necessidades legais para a regularização fundiária da área. O encontro está marcado para as 10 horas, na sede da Associação de Moradores da Vila, na rua 2 de outubro, nº3.

Nesta terça-feira (22/3) moradores da Conquista participaram da reunião da Cuthab quando reclamaram de suas condições de moradia. Conforme informou a Associação de Moradores da Vila da Conquista (Amovic), cerca de 300 familias moram no local das quais aproximadamente 90 não tem abastecimento de água. A Cuthab é presidida pelo vereador Pedro Ruas (PSOL) e tem como integrantes os vereadores Engenheiro Comassetto (PT), Alceu Brasinha (PTB), Elias Vidal (PPS), Nilo Santos (PTB) e Paulinho Rubem Berta (PPS).

Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)

DE SÃO BORJA


Manoela não vai a encontro

e sãoborjenses ficaram "amuados"!

Pegou mal a recusa da deputada federal Manoela D"Avila(PCdoB) em não comparecer a uma audiência pública realizada na sexta-feira passada na câmara municipal de São Borja.

- O gabinete da deputada informou que ela não viria a São borja porque o município não faz parte de sua base eleitoral, me disse ontem uma fonte ligada a instituição.

A deputada Manoela D"Avila fez 706 votos em São Borja no ano passado,sem nunca ter posto os pés lá....

Na eleição anterior, fez mais : cerca de 800.

Também não foi lá...

De todos os convidados só foram Cassiá Carpes(PTB)Frederico Antunes, José Francisco Gorski,Valdeci de Oliveira e o deputado federal Luiz Carlos Heinze.

Na véspera, a instituição tinha publicado um anúncio no jornal local dando os nomes de todos os convidados.

Também não foram os senadores.

A audiência foi um pedido do vereador Eugênio Dutra e foi comandada pelo presidente, Celso Lopes(PDT).


PAPO COM O PROFESSOR....


HOJE O CARA MAIS MAL HUMORADO DE PORTO ALEGRE, NEI LISBOA SERÁ O ENTREVISTADO DO PROFESSOR OSTERMANN NO ESTÚDIO CLIO....


Bah, mas que pai coruja....

Filha de peixe...

Certa vez o amigo me perguntou se a minha filha era advogada ou juíza, aí está, com o orgulho do papai feliz, a resposta. Infelizmente eu não havia lido o Diário Catarinense na data da publicação do artigo da juíza Márcia Matzenbacher.
Abraços.
Luiz Oscar Matzenbacher

Defensoria pública.
ARTIGO.
Por Márcia Krischke Matzenbacher
"A defensoria pública é instituição essencial à função jurisdicional do Estado e deve prestar assistência jurídica integral aos necessitados. Em Santa Catarina, a assistência jurídica aos carentes é prestada pela defensoria dativa, através de convênio entre o Estado e a OAB. Diz-se que o sistema catarinense é conveniente porque mais barato do que a instalação da defensoria pública. Não é democrático o argumento de que aos pobres deva ser prestado serviço mais barato, principalmente quando se constata que sua manutenção vem acarretando reiteradas violações a direitos humanos, a exemplo da ausência de defensor que acompanhe a execução da pena.
O Brasil é uma federação e os estados estão sujeitos a seus fundamentos, dentre eles a dignidade da pessoa humana, princípio do estado democrático de direito. A sonegação de direitos humanos viola o princípio federativo e pode levar à intervenção federal em Santa Catarina, o que deve ser evitado.
Santa Catarina tem-se colocado acima da força normativa da Constituição, tornando-a mera folha de papel, situação que precisa findar, com a implantação da defensoria pública. Essa é a determinação constitucional, e o acesso do povo à Justiça não pode ser tratado como uma liquidação."
JUÍZA DE DIREITO E MEMBRO DA ASSOCIAÇÃO JUÍZES PARA A DEMOCRACIA.
- Diário Catarinense 07/03/2011


De Serafina

Bah, ainda mais agora que os ciclistas " viraram " heróis por causa do incidente de Porto Alegre!

Serafina Corrêa recepcionará ciclistas italianos.

Cumprindo uma extensa programação esportiva denominada “ Mérica, Mérica, Le voci della nostalgia” estarão em Serafina Corrêa, no próximo dia 12 de abril, ciclistas italianos e adeptos da região.
O roteiro é composto por inúmeros municípios da serra e integra os festejos da 8° FEMAÇÃ de Veranopólis e o Gemmellagio existente com a cidade de Porto Viro, na Itália.
Serafina Corrêa recepcionará os ciclistas no entardecer de 12 de abril, na Câmara de Vereadores, local onde acontecerá a exibição de slides sobre o Turismo e Esportes daquele país, bem como exposição de material gráfico e histórico trazido pelos visitantes.
A Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Turismo, através dos Departamentos de Esporte e da Juventude, convidam a população a prestigiar esse evento que será viabilizado, objetivando a integração desses países tão distantes entre si e tão próximos na cultura, nas tradições, nas origens, na língua e agora, também no esporte.
Juntos, vamos recordar e fazer acontecer mais este momento de cidadania.

Vamos lá gauchada, mexam-se!!!

Palestra sobre a contribuição dos negros na identidade gauchesca


O diretor técnico da Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore (IGTF), Claudio Knierim, fará uma palestra tendo como tema A contribuição dos negros na identidade gauchesca. Será no dia 25 de março, sexta-feira, às 14h20min, no auditório dos Correios, que fica na Siqueira Campos, 1.100, em Porto Alegre.

O seminário faz parte das atividades desenvolvidas em função da Semana de Promoção da Igualdade Racial no Setor Público, uma realização da Coordenadoria da Igualdade Racial/RS e Correios Negros.

Entidades como a Carris, CEPPIR, GHC, Povo Negro de Porto Alegre, Trensurb, Assembleia Legislativa e Câmara de Vereadores também apresentarão trabalhos.


Assessoria de imprensa
Rita Escobar - Mtb 6079
(51) 3228.1711

Chávez diz que capitalismo pode ter acabado com a vida em Marte


O capitalismo pode ter sido o culpado pela falta de vida em Marte, disse nesta terça-feira o presidente da Venezuela, Hugo Chávez.
"Eu sempre digo, e ouço, que não seria estranho se tivesse existido uma civilização em Marte, mas talvez o capitalismo tenha chegado lá, o imperialismo chegou e acabou com o planeta", disse Chávez em discurso para marcar o Dia Mundial da Água.
Chávez, que também coloca no capitalismo a culpa por vários problemas do mundo, alertou que o abastecimento de água na Terra está acabando.
"Cuidado! Aqui no planeta Terra, onde centenas de anos atrás ou menos havia grandes florestas, agora há desertos. Onde havia rios, há desertos", disse Chávez, tomando um gole d'água de um copo.
Ele acrescentou que os ataques do Ocidente sobre a Líbia tinham como motivação fontes de água e reservas de petróleo.
O Conselho Nacional de Pesquisas dos EUA recomendou neste mês que a principal prioridade da Nasa deveria ser construir um robô que ajudasse a determinar se já houve vida em Marte e que revelasse o histórico climático e geológico do planeta.
Esse também seria o primeiro passo num esforço para trazer de volta à Terra amostras de Marte.
O AMIGO DO LULA É UM MALUCO DE ATAR.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Gestão Pública

Durou pouco então a invasão,digo ocupação!!!!!


MST aceita proposta do Governo e deve desocupar área até esta quarta-feira
O secretário de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Ivar Pavan esteve nesta terça-feira (22), na Fazenda Mercês e Palermo, em São Borja, como representante do Governo estadual para conversar com o acampados do MST. Pavan foi apresentar as propostas do Executivo e ouvir as reinvidicações dos trabalhadores.
O Governo se comprometeu em adquirir as terras, porém depende de decisão judicial sobre o valor que deverá ser pago pela área. Não ficou assinalada data para o assentamento porque depende do tempo legal. Em contrapartida, o movimento se comprometeu em sair da área amanhã de manhã (23).

notícias do Piratini


DE volta à casa


A ex-atendente da salinha JCTerlera( Rosa Loureiro-seu defeito é ser sãoborjense) esteve aqui ontem e disse que veio buscar duas malas...
- Duas,contestei...

Tu deixou aqui umas dez malas, uma mais pesada que a outra.....

Coleguinhas

Prezado Serginho Ros: me informei com o Belmar quem é o Koff que vai te passar a faca...É o bam bam dos proctos de porto. trabalha no Clínicas e é irmão do Fábio Koff. Mas te cuida que tu foi aspiran te do Grêmio e ele pode errar a operação...


Mas é um luxo ter um correspondente em BAires....


Olyr Zavaschi está de licença de saúde na Zero Hora. Faz três meses que interinos assinam sua coluna, o Almanaque....


HUMBERTO TREZZZI, o Radici, voltou da Líbia com um TAPAOLHO....Mas está trabalhando, normal....

Recebo e publico


VELHO" OLIDES,


Continuo dizendo que tua coluna é muito grande e que ela ocupa um baita tempo para ler, mas continuo lendo-a de "cabo a rabo", porque ela é muito original e interessante. Continue em tua labuta de jornalista...
Concordo contigo que o Adeli Sell é corajoso prá cacete. Ele sismou que vai ser candidato a prefeito e ninguém consegue convencê-lo do contrário. Acho esta atitude dele prá lá de elogiável. O "catarina" é valente...
MELLO D'AVILA (DO JORNAL CSZONASUL E PRESIDENTE DA ABRAJET-RS)
JC Mello D'Avila(Conrerp/RS 1044)


DEPOIS DO OBA-OBA DO OBAMA

Por Carlos Chagas

O oba-oba encenado pelo Obama em sua passagem de dois dias pelo Brasil, sem atender a uma só das nossas reivindicações fundamentais, não afasta os erros cometidos do lado brasileiro. Claro que Dilma Rousseff cumpriu seu papel, sendo ao mesmo tempo cordial e firme ao abordar a injustiça das barreiras tarifárias americanas diante de nossos produtos de exportação.

Mesmo assim, escorregamos. Será que não tínhamos outra manifestação de cultura popular para apresentar, senão dois espetáculos de capoeira, um em Brasília, outro no Rio? Afinal, esse bailado de pernas e gingas não será a única forma de demonstrar nossas criações artísticas. A capoeira ficaria melhor para uma visita do Imperador do Japão, dada sua semelhança com o caratê. É verdade que Obama visitou uma exposição de pinturas de artistas brasileiras, mas no recôndito do palácio do Planalto.

Também faltou iniciativa de nossa parte diante das imposições do Serviço Secreto, FBI, CIA e congêneres para blindar seu presidente. Até submetralhadoras eles trouxeram, sem falar em fuzis de mira telescópica e longo alcance, instalados no alto de edifícios na nova e da velha capital. Exigiram, e não houve reação de nossa parte, em esvaziar a Praça dos Três Poderes. A ausência de povo no local constituiu fato único desde a inauguração de Brasília. Assim como em parte da Cinelândia. Vale o mesmo para os acessos à Cidade de Deus, para o campo do Flamengo e boa parte do trajeto percorrido por Obama, no Rio.

Ministros do nosso governo retiraram-se antes da fala do visitante, num encontro com empresários, como reação à tentativa dos gorilas americanos de apalpá-los e revistá-los com aquelas maquininhas que apitam ao detectar canetas e isqueiros, mas não houve quem do lado da nossa segurança se insurgisse contra a humilhação.

Ficamos sabendo, também, como é fácil interditar celulares, pois nenhum funcionava ao redor dos hotéis onde a comitiva americana hospedou-se. Só os deles. Ainda seria positivo caso nos tivessem repassado a tecnologia aplicada para isso, capaz de ser utilizada nos presídios nacionais.

Em suma, não se dirá ter sido inócua a vinda de Barack Obama ao Brasil, mas ficou evidente que se queremos crescer, tornando-nos potência de primeira classe, será apoiando-nos em nossas próprias forças.

MELHOR ASSIM

Ainda bem que a crítica feita por Barack Obama à ditadura militar brasileira aconteceu no Rio, no Teatro Municipal, diante de convidados especiais. Tivesse se verificado em Brasília, diante do nosso governo, causaria constrangimentos. Não propriamente à presidente Dilma Rousseff, uma das vítimas daqueles tempos bicudos, mas talvez a oficiais-generais porventura presentes. O general José Elito, chefe do Gabinete de Segurança Institucional, por exemplo, como reagiria?

Não dá para deixar de lembrar que Lyndon Johnson foi o primeiro a reconhecer e apoiar o golpe, quando João Goulart ainda se encontrava em território nacional, e que Richard Nixon, em Washington, declarou a Garrastazu Médici que para onde o Brasil se inclinasse, inclinar-se-ia toda a América do Sul. Jimmy Carter e Ronald Reagan foram recebidos por Ernesto Geisel e João Figueiredo, em Brasília. Se as coisas mudaram por aqui, também mudaram por lá.

COMPENSAÇÃO

Cogita-se da ida da presidente Dilma Rousseff a Portugal, dentro de duas semanas, a fim de participar da homenagem ao ex-presidente Lula, que receberá o diploma de professor honoris causae na Universidade de Coimbra. Seria uma demonstração de não haver estremecimento entre eles pelo fato de o antecessor ter recusado comparecer ao banquete em homenagem a Barack Obama, em Brasília.

Ainda conforme o Itamaraty, Dilma estará na China, em abril, podendo fazer escala na Grécia. A visita aos Estados Unidos ficará para o segundo semestre.

FORNECENDO PRETEXTOS

O mundo muçulmano continua ferozmente dividido entre sunitas e xiitas, aliás, em choque desde logo depois da morte de Maomé. As desavenças entre as duas alas da religião fundada no Alcorão tem sido tão brutais quanto as de católicos e protestantes, no cristianismo, até o Século XIX.

Tantas e tão mal-feitas tem sido as iniciativas do Ocidente diante dessa quase metade da população mundial que um dia desses poderá celebrar-se uma união forçada entre os seguidores dos dois caminhos. O diabo, com todo o respeito, é que poderão unir-se para combater um inimigo comum, aquele que não hesita em jogar mísseis e bombardear nações árabes onde, por coincidência, o petróleo é farto. Se a chamada “coalizão” fizer com a Líbia o que fez com o Iraque, é bom tomar cuidado. Não foi fácil os muçulmanos engolirem o enforcamento de Saddam Hussein. Se o mesmo acontecer com Muhamar Kadafi, apesar de ditador como o outro, a coisa explode, superando as divisões históricas numa região que vai desde a Indonésia até a África.

Lá pelo final dos anos setecentos de nossa era, os árabes foram barrados no meio da França, em Poitiers, por um rei chamado Carlos Martelo. Mais tarde, os turcos perderam a batalha naval de Lepanto, mas, mesmo assim, chegaram às portas de Viena, salvos por um príncipe polonês. Não será Nicolas Sarkozi que repetirá o passado.

Nico e o IGTF


Era presidente do IGTF o nosso querido Nico Fagundes...quem pode ser contra o Nico??? só quem não gosta dele, mesmo, porque é um grosso finissimo.....

Mas quando minha irmã era produtora dele, no Galpão Criollo, da RBS TV, ela tinha que catar o Nico quando vagava uma ilha pra editar o Galpão Criollo.

Um dia a Marinês - por quem o Nico nutre um grande carinho e a trata sempre por Gringa( quando ele esteve em Serafina, gravando um daqueles galpões ele apareceu lá na casa do meus pais e o velho quase teve um treco vendo aquele gauchão ali de bombacha, chapé de aba larga e outros fetiches que gringo acha estranho) teve ailha da edição liberada e precisou catar o Nico.

Ligou pro IGTF e a secretária,sem saber quem ela era desculpou-se formalmente:

- O Dr. Nico está na tevê gravando.

Aí a Marinês quase teve um filho....

- Mas como se sou a produtora e ele não está aqui, minha filha.

O Nico estava era no seu lugar de sempre: jogando truco com os amigos!!!!


Uma fonte no " serpentário" me disse que o Nico Fagundes é funcionário aposentado da Assembléia Legislativa gaúcha....

Perguntar não ofende...

Me disseram que o Lauro Quadros e o João Carlos Belmonte são funcionário públicos estaduais aposentados....

Assuntos tabus

1) dizer que feminista é feia....e daí, é obrigado ser bonita??

2) dizer no MST, ou em alguém ligado a ele, o termo " invasão". é sempre" ocupação"!


Feministas

É por que se alguém se incomodar, coitado do cara que falou aquilo. De onde ele tirou que feminista tem que ser bonita? Tá parecendo aquelas senhoras do interior que acham que o Obama não tem “cara” de presidente...


Ellen Augusta


ISTO É O QUE SE CHAMA DE FAZER LEILÃO!!!!


NÃO É ISTO????


UOL Esporte

Em São Paulo

O Corinthians é o mais novo clube a fechar contrato com a Globo. O clube alvinegro publicou em seu site oficial uma nota confirmando o acerto com a emissora carioca. O novo acordo terá duração de quatro temporadas, a partir de 2012, e os valores não foram revelados “em razão de cláusula de confidencialidade”, segundo o comunicado. Porém, de acordo com a Máquina do Esporte, as cifras giram em torno de R$ 80 milhões anuais.
Apesar de não revelar oficialmente o quanto irá receber da Globo, a direção do Corinthians aproveitou o comunicado oficial para "cutucar" a Record, emissora que também estava na disputa e que oficializou uma proposta de R$ 100 milhões anuais para ter os 19 jogos da equipe como mandante.
CORINTHIANS VIA RISCO COM PROPOSTA
De fato, a oferta da Record deixa um mar de dúvidas. Parece ter sido tratada com uma simplicidade que não combina com a complexidade do assunto


"Esclarece-se que a proposta pública feita pela TV Record exige do Corinthians algo que, segundo a lei vigente, o clube não tem o direito de comercializar. De acordo com o artigo 42 da Lei no. 9.615/98, a chamada Lei Pelé, aos clubes pertence o direito de negociar a transmissão de determinada partida. Assim, o Corinthians, isoladamente, não tem poderes para comercializar seus 19 jogos como mandante, conforme proposto pela TV Record", diz a nota oficial.
Durante as negociações, a expectativa é que o Corinthians conseguisse embolsar algo em torno de R$ 110 milhões anuais, valor esse que envolve todas as propriedades (TV aberta, fechada, pay-per-view, internet, telefonia, entre outras).


Quando dois clubes se enfrentam, todos têm de estar de acordo que aquele evento seja exibido pela TV. Isso garante que seja obrigatória a venda coletiva dos direitos de transmissão de um torneio.Leia

A expectativa, no entanto, é que o Flamengo chegue ao mesmo patamar de valores. Por outro lado, São Paulo, Vasco e Palmeiras, que até agora figuravam ao lado do time rubro-negro e do Corinthians entre os que mais ganhavam da TV, cairão para um segundo grupo, caso confirmem negócio com a Globo.
A emissora carioca, por sinal, soma agora seis times que negociaram e assinaram contrato de forma individual, independentemente do processo de licitação promovido pelo Clube dos 13 e vencido pela Rede TV!. Além do Corinthians, já tiveram postura semelhante Grêmio, Goiás, Cruzeiro, Coritiba e Vitória.

Coleguinhas

A fotógrafa Avani Stein fará uma exposição em junho na galeria do Presser...

não são fotos....

mais dados pelo


CRISTINA KIRCHNER E BARRICHELO FICAM RETIDOS NA ARGENTINA POR CAUSA DO APAGÃO AÉREO
De Buenos Aires
Gelson Farias

Entre os passageiros retidos, em conseqüência do apagão aéreo em Buenos Aires, na tarde de segunda-feira, no aeroporto de Ezeiza, estavam à presidente Cristina Kirchner e o piloto Rubinho Barrichelo. A Argentina enfrentou um apagão aéreo entre a torre dos controladores de vôos e os aviões que chegam à capital federal argentina. O apagão atingiu os aeroportos de Ezeiza, Aeroparque e San Fernando. No Brasil, pelo menos oito voos vindos da Argentina não chegaram.

A poucos dias do início da temporada de Fórmula 1, o brasileiro está retido em Buenos Aires. Nesta segunda-feira, ele fez um apelo através das redes sociais. "Aeroporto da Argentina fechado por 48 horas! Caos total e eu precisando ir pra Austrália! SOS". Os voos começaram a ser normalizados na noite desta segunda-feira. Segundo comunicado da A agência de Administração Nacional de Aviação Civil argentina os efeitos do ‘apagão aéreo’ já são sentidos no Brasil. Até agora 12 voos vindos da Argentina tiveram a chegada cancelada. A nota divulgada pela agência de aviação argentina explica que o problema afetou o sistema de ‘voice switching’, que faz a comunicação entre as aeronaves e as torres de comando dos aeroportos.


Rubinho Barrichelo retido no Ezeiza por causa do apagão aéreo: senhor me ajuda a sair desta...


A poucos dias do início da temporada de Fórmula 1, o brasileiro Rubinho Barrichelo foi u ma das vítimas do apagão. Ele esta está retido no aeroporto Internacional de Ezeiza em Buenos Aires. Numa coletiva, ainada no sagão do aeroporto, Rubinho fez um apelo através das redes sociais.
"Aeroporto da Argentina fechado por 48 horas! Caos total e eu precisando ir pra Austrália! SOS".

Somente na manhã de hoje, alguns os voos começaram a ser normalizados.


Governo do Estado define ações para solucionar ocupação em São Borja

Os secretários estaduais Ivar Pavan, Luis Fernando Mainardi, o procurador-geral do Estadda, Carlos Henrique Kaipper, o coronel Sérgio Roberto de Abreu e assessores estiveram reunidos para discutir quais medidas o Governo do Estado vai tomar frente a ocupação da Fazenda Mercês e Palermo, em São Borja. Desta reunião foi deliberada uma Comissão, que será coordenada pelo secretário Ivar Pavan.

A mesma irá a São Borja nesta terça-feira de manhã (23). O objetivo é ouvir os acampados e apresentar as propostas do Governo para construir uma solução acordada.

Notícias do Piratini

Taunay

Olides
O Taunay que eu conheço,não é Taunay da foto da Folha.O meu amigo Taunay é um diplomata sério. Não é igual aos teus amigos diplomatas que roubam embaixadas do Brasil,no exterior.
Sergio Ross

RUBINHO RETIDO...

Esta é a piada do ano. Rubinho( que nunca chega) parado no aeroporto de Ezeiza por causa do apagão...

" estou indo pra austrália" reclamou ele aos repórteres....


Coojornal....

Encontrei domingo no Brique o Daniel de Andrade, também conhecido por BAIANO...

Ele foi o chefe de uma equipe de fotógrafos da Coojornal que incluia Edson Soyaux,Luis Eduardo Achutti,Baru Derquim( que ninguém sabe onde anda....)Eduardo(Dudu) Tavares...

Achutti ainda tem esperança de que um zelador voluntário, que morava em frente e que ficava com a chave tenha salvo alguns negativos de todo aquele trabalho.

É que quando o barco fez água, todos se mandaram( como sempre acontece nestes casos...)e como a Justiça não decidia nada nunca, e como ninguém ia buscar o material, o juiz mandou incenirar os negativos. Assim, tudo se perdeu.

Na época, houve muita boataria a respeito deste assunto..

Eu tenho um material( isto que estou dizendo não é nenhuma ameaça) sobre a Coojornal que ora destes publico.

DEpois da tragédia, aparecem muitas " explicações"Cada um tem sua versão. Vamos ver o que o Rafinha vai contar no seu livro....

BUENOS AIRES: ENCONTRO DE JORNALISTAS DA AMÉRICA E CARIBE


Liberdade de expressão é uma das colunas mais importantes da democracia

De Buenos Aires
Gelson Farias

No início deste mês, na cidade de Tigre, aqui em Buenos Aires, representantes de jornais da América e Caribe, iniciaram um ciclo de conferências sobre a liberdade de expressão dos profissionais de imprensa que vai terminar em Bariloche, dia 29. A representante da ONU Catalina Botero, afirmou que a liberdade de expressão é uma das colunas mais importantes da democracia. Por isso, segundo ela, é preocupante a ação do crime organizado contra jornalistas, não somente no Norte do México, onde grupos de narcotraficantes matam repórteres e fotógrafos, além de depredarem instalações das empresas de comunicação que divulgam notícias sobre os criminosos e dos assassinatos de outros profissionais de imprensa pelo mundo todo.



Tigre. Ciclo de conferencias. Quando o assunto é a liberdade de expressão

 

No mês passado, o jornal El Diario de Juarez, um dos mais importantes do México, publicou editorial na capa de uma edição, após o assassinato de um de seus fotógrafos, indagando onde buscar justiça para o crime. O editorial pediu aos cartéis da droga que enviassem informações sobre como o jornal deveria fazer sua cobertura para evitar que outros profissionais fossem assassinados: "expliquem-nos o que querem de nós, o que querem que publiquemos ou deixemos de publicar", dizia o editorial.


Onde o perigo é estar vivo. Jornalistas trabalham com medo no México

Catalina informou aos participantes do encontro que na próxima semana apresentará na Assembléia Geral da ONU relatório pormenorizado sobre o Estado de Direito e a liberdade de expressão não apenas no México, mas em todo o mundo. A representante da ONU ressaltou a necessidade de estabelecer uma nova categoria de áreas em conflito, definidas por ele como "zonas de violência intensiva", que estão criando riscos adicionais para o trabalho dos jornalistas que fazem a cobertura nos países em guerra interna ou externa.



Matéria em todos os meios de comunicação


Segundo ela, a concentração da propriedade e o controle dos meios de comunicação limitam seriamente a vigor, a diversidade e o pluralismo no debate democrático no México, concluíram os relatores para a liberdade de expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH),

“O direito à livre opinião também se vê restringido pela ausência de um marco jurídico claro e equitativo na concessão de freqüências de rádio e televisão, dadas a inexistência de mecanismos de acesso a meios alternativos e a falta de regulação da publicidade oficial, cujo manejo é discricionário”.



Catalina Botero
Ao apresentar as observações preliminares sobre a situação da imprensa, foram observados que de 2000 até hoje, o México, se converteu no país mais perigoso da América para o exercício do jornalismo, o que é responsabilidade do governo. Pontuaram que o crime organizado é a maior ameaça para a categoria, ainda também haja agressões de grupos armados, supostamente ligados a partidos políticos, militares e policiais. Disseram que o Estado não só está obrigado a garantir que seus agentes não cometam atos de violência contra jornalistas, como tem de prevenir razoavelmente as agressões oriundas de particulares (incluindo o crime organizado). Além disso, é sua obrigação investigar, julgar e punir os autores desse tipo de violência. Diante dessas conclusões preliminares, o governo do México informou que as examinarão cuidadosamente, em particular as recomendações, e estabelecerá os mecanismos mais adequados para seu seguimento e futura implementação.


Profissional de imprensa sendo detido por um militar
Durante o encontro uma carta foi redigida e assinada por todos os representantes de jornais do mundo reiterando ao governo mexicano que cumpra e garanta o direito à liberdade de expressão, à segurança dos meios de comunicação e aos jornalistas, a punição a quem agride os comunicadores e a equidade na aprovação de concessões de rádio e televisão. Informaram que um dos principais obstáculos para o gozo pleno da liberdade de expressão no México são os assassinatos de jornalistas e a impunidade desses crimes. Catalina lamentou que os únicos dados oficiais sobre a violência contra jornalistas sejam os recolhidos pela Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH), que reportam na última década - período em que o PAN vem governando o país– o assassinato de 64 jornalistas e 11 desaparições nos últimos quatro anos. Desses casos, 29 homicídios e cinco desaparições ocorreram de 2008 até hoje. A esses dados há que se somarem os seqüestros, os atentados com explosivos contra os meios de comunicação, assim como as ameaças e as perseguições.
Nos estados com maior presença do crime organizado, como Chihuahua, Coahuila, Durango, Guerrero, Michoacán, Nuevo León, Sinaloa Juarez e Tamaulipas, a autocensura alcançou níveis tão dramáticos que a imprensa, sobretudo a local, silenciou a si mesma. Mencionaram que há casos extremos em que o narcotráfico interditou ativamente os conteúdos dos veículos de comunicação, o que impacta tanto a imprensa regional como a nacional. Os relatores chamaram o Executivo federal e o Congresso da União a adotarem uma legislação que permita desconcentrar o monopólio dos meios para gerar um espaço midiático plural e acessível a toda a população, assim como a estabelecer procedimentos simples e acessíveis, para que as comunidades indígenas possam fazer uso de freqüências.

Héctor Villarreal.

Héctor Villareal, subsecretário de Normatividade de Meios de Comunicação da Secretaria de Governança, e Alejandro Negrín, diretor de Direitos Humanos e Democracia da Secretaria de Relações Exteriores (ambos mexicanos) destacaram seu acordo quanto às diferentes observações que os jornalistas fizeram durante o encontro. Entre as observações mais pontuais, está a ameaça contra quem exerce seu direito à liberdade de expressão por meio do jornalismo, e que é necessário reforçar a fiscalização especializada nesta matéria, para investigar as denúncias e combater a impunidade dos agressores, pois desde a sua criação, em 2006, não se obteve sanção penal a um só responsável e comissão formada por membros do governo mexicano processou apenas quatro mandantes de assassinatos. Casos. No que concerne às agressões provenientes dos poderes públicos contra jornalistas, os funcionários reiteraram sua abertura para conhecer os casos e atuarem no marco da legalidade.

 


Olides.
Observe como os jornalistas têm de trabalhar no México para não serem reconhecidos.
Segundo, Villareal existe descaradamente ameaças para quase todos os meios de comunicação do México. A ordem dos narcotraficantes é para que parem de publicar matérias sobre o crime organizado mexicano, os narcotraficantes. Os proprietários de rádios jornais e revistas do México que já pediram apoio ao procurador especial da Procuradoria Geral da República do México, mas que até agora, depois de quase um ano, nada foi feito pelo governo para que sanasse os delitos contra a Liberdade de Expressão. Outro representante mexicano, o jornalista e radialista Gustavo Sallas editor chefe do jornal El Diário, de Juarez, pediu um minuto de silêncio e e rezou para a nossa senhora de Guadalupe (santa padroeira mexicana) proteger os profissionais de imprensa ( que tem de trabalhar com o rosto coberto, para não serem reconhecidos) e ao mesmo tempo, representando a classe pediu medidas de proteção – para diretores, redatores, repórteres e fotógrafos .


Olides.
O Gustavo Sallas, fez um relato emocionado para todos os presentes no encontro, do seu jovem amigo e colega de trabalho, -- para nós ai é o foca -- repórter fotográfico Luis Carlos Santiago Orozco assassinados ano passado na cidade de em Juárez seu desaparecimento prematuro, se somou aos outros 6.630 mortos, desde que começou a guerra do presidente mexicano Felipe Calderón contra o narcotráfico, há três anos e meio.
Assassinatos de jornalistas mexicanos.


“Mas ele, por seu trabalho, simbolizava uma democracia na qual os jornalistas se autocensuram para viver mais um dia ou são assassinados sob o império da impunidade (caso de 97% dos crimes, segundo dados do Ministério Público). Ele tinha 21 anos, e em seus sonhos partidos, encontrou uma cidade que já não existe. Luis Carlos Santiago Orozco, em maio passado, havia começado a praticar para ser um dos fotógrafos do jornal El Diario. Há pouco mais de uma semana, conseguiu seu objetivo. Cobria o noticiário geral.
Numa quinta-feira, milhares de juarenses cruzavam a fronteira para El Paso (Texas) para desfrutar (sem risco de morte) os dias de festa mexicana pelo bicentenário da independência da Espanha. Na noite anterior, o prefeito de Juárez havia lançado o tradicional grito “Vivo México!", numa praça vazia, numa cidade sem ânimo para comemorar, onde todo dia se celebra a sobrevivência diária.
Luis Carlos Santiago e Carlos Manuel Sánchez Colunga participavam nesse dia festivo de um curso de fotografia. Chega à hora de comer. Decidem ir juntos. Vão ao Nissan Platina cinza que pertencia ao filho de Gustavo de la Rosa, o inspetor da Comissão Estatal de Direitos Humanos que denuncia desaparecimentos, tortura e assassinatos de soldados e policias federais e, por isso, está ameaçado de morte. No concorrido Rio Grande Mall, entre a Avenida López Mateos e o Paseo Triunfo de la República, duas das principais vias de Juárez, bem perto de El Diario, disparos. Ninguém viu muito, como sempre, para continuar vivo. De um veículo em movimento, dois outros jovens dispararam neles. Luis Carlos morreu dirigindo, segundo o relatório policial. Ao que parece, sua morte foi instantânea. Ele levou vários tiros no rosto. Com Luis Carlos, são 11 os jornalistas assassinados no México neste ano. Carlos Manuel Sánchez salta com sua câmera, entra no centro comercial e pede ajuda. “São garotos que sonharam serem repórteres fotográficos no momento mais perigoso para isso em Ciudad Juárez”, Disse.

Sallas contou ainda que, a Procuradoria de Justiça investiga se o ataque tinha como alvo o filho do inspetor ameaçado, que emprestou o veículo para Luis Carlos, com os assassinos se confundindo.
Ele continua o relato...
“Lembro-me de Luis Carlos na última cobertura que fizemos juntos, dez dias antes de ele ser assassinado. Tirava fotos de pais de garotas desaparecidas, que em frente da Procuradoria-Geral da República pediam para as autoridades não se esquecerem delas. O que não fez em 17 anos. Prefiro lembrá-lo assim, com sua câmera na mão e o sorriso de paixão por um jornalismo que começava a descobrir. Com sua morte, matamos todos nós.
Nosso jornal, El Diario lançou um editorial intitulado "O que querem de nós?", no qual pedia aos traficantes que dissessem quais as regras para que o meio jornalístico não sofra mais ataques e assinalava que os cartéis são "as autoridades de fato nesta cidade, porque os poderes legalmente instituídos não conseguiram fazer nada para impedir que nossos companheiros continuem caindo, apesar de repetidamente os termos exigido". Em dois anos foram assassinados dois de seus jornalistas. No total, são 22 repórteres mortos no México desde que o presidente Felipe Calderón assumiu, em dezembro de 2006, segundo dados do Comitê de Proteção aos Jornalistas. Num país onde foram assassinadas mais de 28 mil pessoas, Ciudad Juárez registrou o maior número de mortos. Los muertitos, como são chamadas as vítimas no jargão jornalístico de Ciudad Juárez, deixam mais de 10 mil órfãos. As autoridades, ao não fazerem nada, se convertem em sicários que hoje cortam cabeças.
Sou jornalista na cidade catalogada como a mais perigosa do mundo. Nem sempre encontro espaços para publicar minhas histórias. Meu blog, Ciudad Juárez, en la sombra del narcotráfico, surgiu da necessidade de contar, sem ter de esperar por um editor. De contar o que meus colegas juarenses não podem contar. Sem autocensura, porque eles, sim, é que estão em perigo. Em meu blog não há grandes investigações. O que há são crônicas da vida diária desta cidade, vista com meus olhos. Que me ajudam a me sentir viva em meio à morte constante. É meu vômito de justiça.
Não tenho medo, caso contrário não estaria vivendo em minha querida Ciudad Juárez. Mas reconheço o perigo. A única coisa que me dá medo é não fazer o que sinto que devo fazer. Tomo minhas precauções, embora saiba que se nos quiserem matar nos matarão, e não acontecerá nada. Esse perigo aumenta se não nos vendermos nem aos narcos nem às autoridades corruptas. A pressão para não informar é cada vez mais forte, sobretudo das autoridades mexicanas. Dos colegas corruptos. Dos policiais federais. Recebemos golpes numa cobertura e ameaças de plantarem drogas em nossa casa se informarmos sobre as extorsões contra a população e sobre as violações de direitos humanos. Isso se converteu em algo cotidiano. Liberdade de imprensa não existe em Ciudad Juárez.
Preciso tentar devolver a voz aos que dela foram privados. Não sei se meus retratos das vítimas servirão para algo, para refletir sobre essa chamada guerra ao narcotráfico. Só sei que não posso fazer outra coisa além de contar o que vejo aqui. Sinto um amor cheio de dor por Ciudad Juárez, a primeira cidade em que pisei no México, há 13 anos. Meu coração nascido na Espanha se converteu em puro juarense. Aqui encontrei a vida que não encontrei ao chegar aos EUA: essa alegria dos juarenses, que levam a vida como um instante fantástico, que pode acabar de repente.


ESCOLA DO LEGISLATIVO

Seminário discute as marcas das ditaduras do Cone Sul
Foto: Divulgação / Escola do Legislativo


O evento será sediado no Memorial do RS, na Assembleia e na UFRGS

Memória, Verdade e Justiça: Marcas das Ditaduras do Cone Sul é o título do seminário que acontece nos dias 30 e 31 de março e 1º de abril, em Porto Alegre. A atividade visa a discutir os reflexos das ditaduras do Cone Sul e marca o aniversário do Golpe Civil-Militar, lembrado oficialmente em 31 de março, e que decretou um longo período de exceção, encerrado apenas em 1985. O evento é promovido pela Assembleia Legislativa por meio da Escola do Legislativo Deputado Romildo Bolzan , pelas Secretarias da Administração e dos Recursos Humanos e da Cultura e pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Participarão das mesas Maria do Rosário, Ministra da Secretaria Nacional de Direitos Humanos; Raul Pont, deputado estadual; Luis Puig, deputado uruguaio; Sereno Chaise, prefeito da Capital cassado em 1964; Antenor Ferrari, ex-presidente da Assembleia Legislativa; Suzana Lisbôa, integrante da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos; Estela de Carlotto, presidente da Asociación Abuelas de Plaza de Mayo; Camilo Casariego Celiberti, filho de Lilián Celiberti, sequestrado em Porto Alegre em 1978; e Edson Teles, sequestrado em 1972.
O seminário acontecerá no dia 30, no Memorial do Rio Grande do Sul (Rua Sete de Setembro, 1020, Centro), às 18h30; no dia 31, no Plenarinho da Assembleia gaúcha (Praça Marechal Deodoro, 101, Centro), às 18h30; e no dia 1º de abril, no Salão de Atos II da UFRGS (Av. Paulo Gama, 110, Centro), às 18h. A cada dia, as mesas serão precedidas por manifestações culturais. Todas as atividades são gratuitas e abertas à comunidade.
A programação
Confira a programação:
30 de março, no Memorial do Rio Grande do Sul
18h30 Pocket show: Cale-se: as músicas censuradas pela ditadura militar, promovido pelo Teatro de Arena
19h Mesa: "Ditaduras de Segurança Nacional: o Sequestro de Crianças"
Convidados:
Camilo Casariego Celiberti
Edson Teles
Exibição de Documentário
Mediação: Ananda Simões Fernandes, Historiadora do Arquivo Histórico do RS
31 de março, na Assembleia Legislativa (Plenarinho)

18h30 Apresentação musical: Raul Ellwanger, músico e compositor
19h Mesa: "Memórias da Resistência no Rio Grande do Sul"
Convidados:
Raul Pont
Sereno Chaise
Antenor Ferrari
Mediação: Cesar Augusto Guazzelli, professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da UFRGS, e Jeferson Fernandes, deputado, presidente da Escola do Legislativo
1º de abril, na UFRGS (Salão de Atos II)

18h Intervenção teatral: Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz
19h Mesa: "Memória, Verdade e Justiça: Os Direitos Humanos e os Deveres do Estado"
Convidados:
Maria do Rosário
Suzana Lisbôa
Estela de Carlotto
Luis Puig
Mediação: Enrique Serra Padrós, professor do IFCH/UFRGS
Os painelistas
Antenor Ferrari Advogado, deputado estadual pelo MDB, presidiu a Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, a primeira do Brasil, criada em 1980. Também foi presidente da Casa em 1983.
Camilo Casariego Celiberti Filho de Lilián Celiberti, sequestrada em 1978 em Porto Alegre num operativo Condor que congregou o aparato repressivo uruguaio e brasileiro, conhecido como "o sequestro dos uruguaios". Depois da denúncia do jornalista Luiz Cláudio Cunha e do fotógrafo J.B. Scalco, a operação foi desmanchada. Camilo (sete anos) e sua irmã Francesca (três anos) também foram sequestrados e levados para o Departamento de Ordem Política e Social do Rio Grande do Sul (Dops/RS). Camilo teve um papel decisivo ao confirmar o local do seu cativeiro em Porto Alegre: reconheceu o Arroio Dilúvio, que ele via do segundo andar do prédio da Secretaria de Segurança Pública, onde funcionava o Dops.
Edson Telles Professor de Ética e Direitos Humanos do curso de Pós-graduação da Universidade Bandeirante de São Paulo. Filho e sobrinho de presos políticos, aos quatro anos de idade foi sequestrado e levado para as dependências do Doi-Codi de São Paulo, juntamente com sua irmã, Janaína (cinco anos), e sua tia, Criméia de Almeida, grávida de oito meses. As crianças ficaram presas durante dez dias no centro de repressão, assistindo às sessões de tortura as quais seus pais foram submetidos. Em 2008, a família Almeida Teles ganhou na Justiça a ação declaratória contra o chefe do Doi-Codi/SP, Carlos Alberto Brilhante Ustra.
Estela de Carlotto Presidente da Asociación Abuelas de Plaza de Mayo. Sua filha foi sequestrada e enviada a um centro de detenção clandestino quando estava grávida de três meses. O corpo de sua filha lhe foi devolvido. Seu neto, no entanto, não lhe foi entregue. Até hoje, Estela segue em sua busca. A ditadura argentina sequestrou e expropriou a identidade de mais de 500 crianças. Até o presente momento, cerca de cem crianças tiveram suas identidades restituídas.
Luis Puig Sindicalista, secretário de Direitos Humanos do Plenario Intersindical de Trabajadores Convención Nacional de Trabajadores (PIT CNT). Representante da CNT na Coordenação Nacional pela Anulação da Ley de Caducidad (lei de anistia similar à brasileira) e deputado do Partido por la Victoria del Pueblo (PVP), pela Frente Ampla.
Raul Pont Deputado Estadual pelo PT. Historiador, foi líder estudantil e presidiu o DCE Livre da UFRGS, em 1968. Foi perseguido pela ditadura brasileira. Participou da fundação do jornal Em Tempo. Fundador do PT, atuou como deputado estadual constituinte, deputado federal e prefeito de Porto Alegre (1997-2000).
Sereno Chaise Advogado e trabalhista histórico, foi cassado pelo Golpe Civil-Militar em 1964, quando era prefeito de Porto Alegre. Foi deputado estadual entre 1959 e 1963 pelo PTB. Foi um dos fundadores do PDT.
Suzana Keniger Lisbôa Integrante da Comissão de Familiares dos Mortos e Desaparecidos. Seu marido, Luiz Eurico Tejera Lisbôa, foi o primeiro desaparecido político da ditadura a ser reconhecido oficialmente pelo Estado como assassinado pelo sistema repressivo.


PANE DE COMUNICAÇÃO CAUSA APAGÃO AÉREO EM BUENOS AIRES

De Buenos Aires
Gelson Farias

Olides.
Desde ontem, quase ao início da noite, que as duas televisões, aqui de Buenos Aires, o Canal 26 governamental e o canal 5, a mais popular, ligada a Rede Telesol de San Juan, começaram, a noticiar sobre o apagão aéreo aqui em Buenos Aires. A informação dava conta que, os vôos ai do Brasil, tiveram problemas de comunicação no sistema entre as aeronaves e as torres de controle. O tráfego aéreo teve suas operações interrompidas com os principais aeroportos da região da grande Buenos Aires. As chegadas e partidas do Aeroporto Internacional de Ezeiza, Aeroparque e San Fernando, com vôos somente militares, foram cancelados.


Ontem a noite pouca movimentação pelo lado de fora do Ezeiza.
A expectativa era de que a situação começasse a ser regularizada durante a madrugada. De acordo com a Agência de Aviação Civil argentina, o problema é na freqüência de chegada, o que interrompeu a comunicação entre aeronaves e controladores aéreos. A maioria dos voos está sendo redirecionada para Rosário, a segunda cidade argentina, que fica a mais de 300 km de Buenos Aires. Mas hoje pela manhã, bem cedo, chegava a informação que houve um principio de saturação aérea, também no aeroporto de Rosário, devido a grande movimentação de aeronaves. As companhias brasileiras TAM e Gol, com vôos de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre adiaram os voos de partida e chegada a Buenos Aires. Não foram registrados acidentes porque todas as aeronaves possuem sistemas de rádio e radar, que alertam para colisões. Mas a coordenação simultânea de pousos e decolagens de dezenas de voos se tornou impossível sem o sistema em terra. A companhia aérea TAM mobilizou vans e reservou hotéis em Buenos Aires, para onde foram direcionados todos os passageiros, até que a comunicação aeroviária seja restabelecida.

Os passageiros do Ezeiza tiveram que esperar por horas para seguir viagem

Segundo a Administração Nacional de Aviação Civil, a Aeropuertos, a Anac da Argentina, os aeroportos fechados foram o Ezeiza, o maior da capital argentina – de onde partem os voos internacionais –, o Aeroparque, responsável por voos locais, e o San Fernando, que lida com o tráfego de aeronaves privadas. Todos eles ficam na região metropolitana da capital. Foram cancelados voos comerciais regulares, fretados e de aeronaves menores de táxi aéreo. O sistema de comunicações por meio de rádio teria deixado de funcionar após panes no computador central e no computador reserva do Centro de Controle Aéreo argentino. Elas teriam desabilitado as três freqüências de rádio do sistema. Ao menos 120 voos que partiriam ou chegariam aos três aeroportos foram cancelados por causa da pane. Os aviões que se dirigiam para os aeroportos afetados tiveram de ser desviados para outros aeroportos argentinos e para Montevidéu, no Uruguai.
Voos do Brasil
Segundo Fernando Justos diretor da Aeropuerto, empresa que administra os aeroportos da Argentina, 10 voos vindos do Brasil deveriam ter aterrissado a Ezeiza on¬¬tem e outros 13 deveriam ter partido de lá com destino a cidades brasileiras. Disse ainda disse que a falha seria resolvida até o fim da noite de ontem e que os voos seriam reprogramados, o que não aconteceu.

Olides.
Ainda agora aqui, é grande a movimentação de autoridades do governo, querendo saber o que realmente aconteceu. Segundo o Jornal Clarin, não é primeira vez que este problema ocorre. Em 94 e em 2005, ocorreram casos semelhantes de apagão aéreo aqui em Buenos Aires. Naquela época, as autoridades do governo, informaram que a situação seria resolvida e que equipamentos deveriam chegar em breve para solucionar o problema de segurança nacional. Mas, pelo que observa, segundo matéria do jornal, nada disso aconteceu até hoje. Segue a matéria do Clarin... Os governos da Argentina e o de Cristina Kirchner – o jornal é claro aproveitou para dar uma alfinetada no governo -- não foge a regra do esquecimento dos apagões aéreos de Buenos Aires. O jornal termina a nota, dizendo que a situação é preocupante.
Por outro lado, se eu tiver tempo, ainda pela manhã quero passar mais dados sobre o que resultou neste apagão aéreo aqui na Grande Buenos Aires. Um grande abraço.

Gelson


APAGÃO AÉREO: PRESIDENTE CRISTINA CANCELA COMPROMISSO


De Buenos Aires
Gelson Farias

Até as 23 horas de ontem (segunda-feira) o problema ainda não havia sido restabelecido. Nenhum acidente foi registrado, já que todas as aeronaves possuem sistemas de rádio e radar, que alertam para colisões. Porém, a coordenação simultânea de pousos e Os aviões que se dirigiam para os aeroportos afetados tiveram de ser desviados para outros aeroportos argentinos e para Montevidéu, no Uruguai. A presidente Cristina Kirchner teve que cancelar um compromisso na província de Salto, onde iria assinar três convênios com o governador local. A interrupção de todas as operações nos principais aeroportos de Buenos Aires aconteceu por volta das 13 horas de ontem, segunda-feira, 21 de março. As torres de controle dos três aeroportos



Confusão no balcão das companhia aéreas brasileiras no Aeroparque

Olides.
Estas duas fotos em seqüência são do Aeroporto Internacional de Ezeiza, que por causa do apagão aéreo, obrigou os passageiros a de vôos internacionais e ficarem retidos por mais de 12 horas.


NOTA DO GOVERNO ARGENTINO SOBRE APAGÃO AÉREO

De Buenos Aires
Gelson Farias
Olides.

Por volta do meio dia, o governo argentino leu uma nota, de 18 linhas, em cadeia de radio e televisão, aqui em Buenos Aires, lamentando o ocorrido com o apagão aéreo que deixou muitas passageiros em espera por horas, nos aeroportos, entre eles, a própria presidente da Argentina Cristina Kirchner.

Nota...

Durante quase 24 horas, passageiros que se preparavam para embarcar em vôos para o mundo em Buenos Aires viveram os transtornos provocados por um apagão aéreo, que em cerrou as atividades do Aeroporto Internacional de Ezeiza, Aeroparque e San Fernando. Problema ainda não identificado, afetou o sistema de comunicações por meio de rádi, entre a torre e os aviões. Segundo a nota do governo, a comunicação teria deixado de funcionar após panes no computador central e no computador reserva do Centro de Controle Aéreo argentino.
Elas teriam desabilitado as três freqüências de rádio do sistema. Muitos voos que partiriam ou chegariam aos três aeroportos foram cancelados por causa da pane. O ministro da Aeronáutica Argentina, brigadeiro Julio de Vido, disse que o apagão aéreo será alvo de uma “profunda investigação” por parte do governo. Entre as hipóteses levantadas pelo ministro, uma possível ação criminosa não foi descartada. O apagão, para ele, é um "possível delito que pode ser sabotagem - interrupção de um serviço público ou agressão à segurança nacional".

Ao termino do comunicado, o brigadeiro disse que o governa vai fazer uma investigação rigorosa sobre o caso.


Todt Comunicação

A Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (SERGS) receberá nesta quinta-feira (24) a Medalha Cidade de Porto Alegre, concedida pela Prefeitura Municipal. A cerimônia de entrega será realizada às 20h, no Teatro Renascença e fará parte das comemorações do aniversário da cidade, que em 2011 completa 239 anos. A Medalha Cidade de Porto Alegre foi instituída em 1977 e está sendo atribuída a personalidades e entidades pela sua contribuição para a vida cultural, social, esportiva e econômica da cidade. A homenagem à SERGS coincide com o transcurso do seu 80º aniversário de fundação.

Um abraço
Todt

TRANSPORTE FLUVIAL: ESTA É A ROTA!

ADELI SELL

A rota de quem vem a Porto Alegre de Guaíba é a "ponte". Mas agora poderá ser o Guaíba. De catamarã. Mas aqui tudo pode mudar e retroceder. Afinal, aqui é a terra da "grenalização política". As empresas de ônibus de Guaíba são contra. Há anos fazem "lobby" contra o transporte fluvial. É claro: estão defendendo seus interesses de ganhar dinheiro com uma das tarifas mais caras que já vi.
Quem perdeu e quem continua perdendo com tudo isto é novamente o povo. O povo que perde tempo nas paradas de ônibus aqui em Porto Alegre ou lá em Guaíba. Os ônibus vem e vão sempre lotados.
Foi anunciado há algum tempo com pompa e circunstância que já estaríamos com o novo modal em funcionamento neste momento do ano. Agora, as explicações são múltiplas, mas nenhuma convence. E nada de catamarã singrando as águas do Guaíba.
Por isso, temos que voltar ao povo.
As organizações populares, as câmaras municipais com seus vereadores, não podem ficar paradas, nem caladas. Todos temos que exercer nosso direito de cobrar a imediata travessia do Guaíba.
E é claro que a passagem de 7 reais, preço da licitação, é caro demais. Mas o operador falou em 5 reais posteriormente.
É tarefa. E sendo uma demanda, sendo uma necessidade popular, estou na parada ao lado do povo necessiado.

ADELI SELL é vereador de Porto Alegre, RS


IGTF promove reunião para tratar da Semana Farroupilha

Este IGTF tem sede onde????

Como todo instituto, o que faz ele?

Perguntar não ofende...

Sei que o atual presidente é Ozébio Borghetti, o Borgetão....


IGTF promove reunião para tratar da Semana Farroupilha

A Comissão Estadual dos Festejos Farroupilha 2011 reúne-se nesta quarta-feira, 23/03, às 10h, na sede da Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore (IGTF), para tratar sobre a organização da Semana Farroupilha, que acontecerá nos dias 13 a 20 de setembro em diversos municípios do Rio Grande do Sul.
Na pauta, apresentação do projeto financeiro pela Fundação Cultural Gaúcha e o gerenciamento de recursos,
A Comissão tem como tarefa organizar os festejos farroupilha, elaborar seu calendário de eventos, o temário específico e orientar as Comissões Municipais nas atividades integrantes das comemorações anuais.


Assessoria de imprensa
Rita Escobar - Mtb 6079


Memórias do Chile

foto do Achuttti

Em 1988( por ái, em outubro) fui ao Chile na boléia de um caminhão....

O colega Achutti fez a foto em plena Cordilheira, quando ainda havia neves por perto....

 


“Defunta Correa”


quando dui a argentina, melhor ao chile, numa das várias viagens que fiz pra lá nos anos 80, impressionou-se que ao pé da cordilheira, numa localidade chamada San Juan,. tudo o que é caminhoneiro parava e orava para uma santa...deixavam sempre um litro de água. eis aí o que encotrei sobre o fenômeno religioso. Aliás, nos Andes, são muito religiosos...em cada esquina, há uma imagem de um santo, que os caminhoneiros param pra fazer algum tipo de reverência....

outro fenômeno religioso chama-se “Defunta Correa”

Como “Gauchito Gil”, a "Defunta Correa" é uma figura religiosa da argentina porém que atrai muitos Chilenos. Atrai centenas de milhares de devotos, maioria caminhoneiros que admiram sua história trágica e seus alegados milagres.


O seu culto também não está sancionado pela Igreja Católica, como tal não é considerada como santa, nem a sua existência real está devidamente documentada, o que, no entanto, não impediu a propagação da lenda nem a construção de um santuário oficial em Vallecito, Mendoza.

Segundo a lenda, María Antonia Deolinda Correa era uma jovem mulher na década de 1840, que decidiu seguir o seu marido quando este foi recrutado para combater tambem na guerra civil. Levando um bebé recém-nascido nos braços, Deolinda Correa seguiu o progresso do exército argentino durante algum tempo.

Quando atravessou a zona desértica em torno da província de San Juan, os mantimentos e água que levava acabaram e acabou por morrer de sede e exaustão. Algum tempo depois o seu corpo foi encontrado e, para espanto dos viajantes, o bebé estava ainda vivo, supostamente graças ao leite que o corpo da sua mãe continuou a produzir, mesmo depois da morte. O evento foi considerado como milagre divino e o local foi assinalado com um pequeno altar.


Outra versão que escutei do administrador do cemitério de Ushuaia foi que a Defunta Correa era uma mãe que fugiu de casa por causa da violência que sofria de seu próprio marido. Em um ato de desespero, Correa fugiu com um bebê de colo pelo deserto, mas morreu de sede e, quando seu corpo foi encontrado, o bebê estava vivo mamando em seu peito. A lenda se espalhou pela Argentina e pelo Chile e hoje esses santuários se espalham pelas estradas de ambos países. A Defunta Correa é como uma santa pagã protetora dos viajantes. Pede-se proteção à santa deixando uma garrafa de água ao redor de sua imagem.

E agora quando descrevo estes dois fenominos regiliosos tenho que refletir um pouco.

Penso que a religiosidade argentina aumentou muito! Este aumento se dá na mesma proporcionalidade do empobrecimento economico da Argentina. Percebo claramente o desejo de uma casa própria, de um emprego tão sonhado...

INTEGRA DO DISCURSO DE DILMA NO ALMOÇO OFERECIDO A OBAMA


Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante almoço oferecido ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama
Palácio Itamaraty, 19 de março de 2011


“Excelentíssimo senhor Barack Obama, presidente dos Estados Unidos da América,


Senhora Michelle Obama,


Senhor vice-presidente da República, Michel Temer,


Senhor senador José Sarney, presidente do Senado Federal,


Deputado Marco Maia, presidente da Câmara dos Deputados,


Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso,


Embaixador Antonio Patriota, ministro de Estado das Relações Exteriores, e senhora Tânia Cooper Patriota,


Senhoras e senhores integrantes da delegação norte-americana,


Senhoras e senhores ministros,


Senhoras e senhores governadores,


Senhoras e senhores senadores e deputados federais,


Senhoras e senhores empresários,


Senhoras e senhores presidentes de centrais sindicais,


Senhoras e senhores jornalistas,


Senhoras e senhores,

Em nome do povo brasileiro, eu quero reiterar as boas-vindas ao presidente Barack Obama.

Esta visita é uma grande oportunidade para inaugurarmos mais um capítulo de nossa parceria, adequando-a às realidades e aos desafios do século XXI.


É motivo de grande honra para mim que esse encontro ocorra nos primeiros meses do meu governo e, mais ainda, no contexto da primeira viagem oficial do presidente Obama à América do Sul.


A presença, entre nós, de Michelle Obama, Malia e Sasha e de importante comitiva com autoridades do primeiro escalão, políticos e empresários, reforça o espírito de amizade com que nos reunimos.


Como disse pela manhã, é fato a ser celebrado que a primeira mulher Presidenta do Brasil receba hoje o primeiro Presidente afro-descendente dos Estados Unidos. Isso ganha ainda maior significado quando lembramos que os Estados Unidos e o Brasil são os dois países com a maior população negra fora da África.


Nossos países possuem inúmeros traços comuns. Aprofundar as afinidades entre nossos povos, torna os laços de amizade que nos unem mais significativos e duradouros do que uma relação baseada apenas em pactos formais entre governos.


Somos democracias multiétnicas. Temos uma história de luta pela afirmação das minorias, pelo respeito à diversidade e contra a discriminação e a intolerância. Valorizamos a liberdade, a igualdade e a independência entre povos e nações. Prezamos nossas respectivas soberanias.


Hoje, adotamos um comunicado conjunto e uma série de acordos que atestam a densidade das relações entre nossos países. Estabelecemos novos objetivos não só na agenda bilateral, mas também regional e global, com base nos quais queremos construir um ordenamento de paz e de cooperação.


Os Estados Unidos e o Brasil perseguem, juntos, a conclusão bem-sucedida da Rodada de Doha da OMC, com regras de comércio mais transparentes e mais justas.


No comércio bilateral, estou certa de que é de mútuo interesse promover a geração de fluxos mais equilibrados, tanto em termos quantitativos como qualitativos. A capacidade e o dinamismo do setor privado dos nossos países é fundamental para atingirmos esse objetivo. Por isso nós cumprimentamos o Fórum dos Dirigentes Empresariais dos dois países.


Presidente Obama,


Como eu já disse hoje pela manhã, o Brasil atual vive realidade econômica sólida e pujante. Orgulha-nos salientar que o progresso alcançado nos últimos anos tenha beneficiado, sobretudo, os mais pobres.


Desde 2002, milhões de cidadãos passaram a integrar as faixas de renda média e alta da sociedade brasileira. Esse é um feito histórico de inclusão social. Eu estou comprometida a continuar nessa direção, dando sequência ao governo do ex-presidente Lula, buscando também a erradicação da pobreza extrema no Brasil.


Nosso desenvolvimento também tem sido realizado de forma sustentável, com respeito ao meio ambiente. Nós sabemos que a matriz brasileira uma matriz renovável, mas estamos, aqui, dispostos a fazer uma grande parceria na área de energia, tanto no que se refere à exploração do pré-sal quanto no que se refere à exploração de energias renováveis e limpas, que podem garantir, para toda a humanidade e para o Brasil e os Estados Unidos, um melhor desenvolvimento e de forma mais sustentada. Tenho certeza que conto com a parceria dos Estados Unidos nessa nobre empreitada.


O Brasil do século XXI continua engajado na promoção da harmonia em sua região. Temos orgulho, como eu já disse, de viver em paz, há mais de um século, com todos os nossos dez vizinhos. Estamos empenhados na consolidação de um entorno de paz, segurança, democracia, cooperação e desenvolvimento com justiça social.


Mas o nosso olhar vai mais além, presidente Obama.


Construímos parcerias na África e no Oriente Médio. Alimentamos a legítima esperança de contribuir, sem voluntarismo, na busca de soluções criativas para os grandes desafios contemporâneos, como a promoção de um acordo de paz entre israelenses e palestinos, povos amigos com os quais nos sentimos solidários.


Cooperamos com a Índia e a África do Sul, no Fórum Ibas. Dialogamos regularmente, ao lado de nossos vizinhos sul-americanos, com o mundo árabe, nas cúpulas da Aspa. Mantemos igualmente importante diálogo América do Sul-África, continente a que tanto devemos, no âmbito da cúpula ASA. Integramos, com as economias mais dinâmicas da atualidade, o grupo dos BRICs. Desenvolvemos uma parceria estratégica com a União Europeia. Queremos contribuir para uma “multipolaridade benigna”, fundada numa dinâmica de cooperação livre das assimetrias do passado, geradoras de crises e de instabilidades.


Caro presidente Obama,


O Brasil e os Estados Unidos compartilham convergências que podem se traduzir em sintonia de propósitos no presente e no futuro, se para isso dedicarmos o melhor de nossos esforços.


Os desafios do século XXI são muito complexos. O potencial desestabilizador de crises políticas a que temos assistido é imprevisível e também requer adequação dos mecanismos internacionais de governança política. O mundo de hoje não é o mesmo de 60 anos atrás. Também aqui, o Brasil tem consciência das suas responsabilidades e, por isso, estamos prontos a dar a nossa contribuição para a paz e a segurança internacionais num Conselho de Segurança das Nações Unidas ampliado, mais equitativo e mais democrático.


Presidente Obama,


O senhor pode ter certeza que eu espero que o senhor e a sua família levem de Brasília e do Rio de Janeiro as melhores recordações deste país amigo.


Os Estados Unidos e o Brasil são duas nações grandes, com um futuro grande de amizade e cooperação à sua frente. Queremos construí-lo. Com esse espírito, proponho que ergamos um brinde ao senhor, ao sonho de Martin Luther King, o mesmo sonho de brasileiros e americanos. Sonho de liberdade. Sonho de esperança.


E, presidente Obama, gostaria de acrescentar: sonho de harmonia e de paz entre todos.


Um brinde ao senhor, a sua família e a sua delegação.”

http://myltainhoeamancio.blogspot.com/


Aniversário do Urbanascidades


Hoje comemoramos o aniversário da primeira postagem do Urbanascidades, em 21.03.2010. Comemore conosco, clicando na postagem de aniveresário ou acesando o blog.
http://urbanascidadespoa.blogspot.com/2011/03/primeiro-aniversario.html

Visite, comente, siga e divulgue nosso site : http://urbanascidadespoa.blogspot.com

Bom Sinal


Pronto. isto é um bom sinal...

O Serginho não vai mais morrer.

Mas eu tenho o obituário dele pronto e vou fazer um livro das crônicas dele assim que ele bater as botas...

Essa irreverên cia dele quer dizer que ele tá bom de novo...

O leitor não sabe mas o Raul Tanauy segundo a Folha de São Paulo está sendo acusando de alguma coisa numa embaixada da Africa.
E o serginho aproveitou pra me espinafrar porque eu sou amigo dos amigos nas horas boas e más...ele que comeu na mão dos milicos agora virou dilmista e lulista....

Olides
O Taunay que eu conheço,não é Taunay da foto da Folha.O meu amigo Taunay é um diplomata sério. Não é igual aos teus amigos diplomatas que roubam embaixadas do Brasil,no exterior.
Sergio Ross

Ministra Maria do Rosário participa da Comissão de Direitos Humanos do Senado

Ministra Maria do Rosário participa da Comissão de Direitos Humanos do Senado.Sob a presidência do senador Paulo Paim, a Comissão de Direitos Humanos recebeu nesta quinta (17), a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, que fez uma ampla análise sobre o trabalho a ser desenvolvido na área de Direitos Humanos no Brasil. A Ministra destacou a área da proteção integral à criança e ao adolescente, o cumprimento do Estatuto do Idoso, a exploração sexual das mulheres, o trabalho escravo, a proteção aos dependentes químicos e definições para novas políticas sociais. Falou sobre a Comissão da Verdade, destinada a apurar fatos ocorridos durante a ditadura militar no País, como sendo “uma dívida do Estado Brasileiro”. Disse ainda que a criação dessa Comissão da Verdade não é atribuição do governo nem da oposição, ela é da Democracia.
Estiveram presentes os seguintes parlamentares: Ana Rita (PT/ES), Marta Suplicy(PT/SP), Wellington Dias (PT/PI), Magno Malta (PR/ES), Cristovam Buarque (PDT/DF), Pedro Simon (PMDB/RS) João Alberto (PMDB/MA), Sérgio Petecão (PMN/AC), Paulo Davim (PV/RN), Marinor Brito (PSOL/PA), Ângela Portela (PT/RR), Humberto Costa (PT/PE), João Pedro (PT/AM), Vicentinho Alves (PT/TO), Randolfe Rodrigues (PSOL/AP) e Eduardo Suplicy (PT/SP).
Após a audiência pública, a reunião deliberativa da Comissão aprovou 17 requerimentos para ouvir entidades e pessoas da sociedade civil. A sociedade organizada será ouvida dentro dos temas macro que resgatam a dignidade da pessoa humana. Serão eles: violência, discriminação, combate a fome e a miséria, drogas, crianças, adolescentes, jovens, mulheres, idosos, indígenas, dignidade do trabalhador e do aposentado, dignidade do consumidor, violência no trânsito e nas escolas, principalmente contra os professores, sistema presidiário com visão tanto da dignidade do preso como da dignidade do policial. Também serão realizados debates sobre a Campanha da Fraternidade deste ano, relativamente ao Meio Ambiente.
O presidente da Comissão, senador Paulo Paim, sugeriu a criação de um fórum permanente onde todo o cidadão, votante ou não, organizado socialmente, possa ter voz e vez na busca da sua dignidade e terá que encontrar sintonia neste colegiado.

Foto: Ailton de Freitas - O Globo

http://www.senadorpaim.com.br


OSPA terá temporada com um total de 56 apresentações entre a Capital e o interior


A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre terá, em 2011, uma temporada marcada pela pluralidade, tanto no que se refere aos regentes (ao todo 20 convidados), quanto no foco em novos públicos e repertório, num total de 56 apresentações. A série de concertos oficiais , que tem com foco no público conhecedor de música erudita, inicia no dia 22 de março com a célebre Quinta Sinfonia de Tchaikowsky. A regência será da maestrina Ligia Amadio, com um extenso currículo de atuações no Brasil e no exterior.

Com um total de 27 concertos, a Série Oficial desenvolve-se com apresentações semanais no Salão de Atos da UFRGS, igrejas da capital e Assembleia Legislativa e traz nomes internacionais da regência como Henrique Ricci ( Espanha ), Ira Levin ( Brasil-EUA ), Teraoka ( Japão ) e Leon Spierer ( Alemanha), entre inúmeros outros renomados regentes brasileiros .

Com o objetivo de contemplar todas as plateias, a OSPA, uma das Fundações vincula das à Secretaria da Cultura, terá 12 apresentações no interior do Estado, as quais deverão reunir milhares de pessoas a cada edição. As escolas públicas são contempladas com os concertos da Série Didática, em Porto Alegre, e o grande público com concertos matinais e gratuitos aos domingos pela manhã (Série OSPA/ UFRGS). Entre as atrações está o concerto do dia 17 de abril, ao ar livre, com Nei Lisboa, Kleiton, Kledir e Vitor Ramil.

A grande novidade são os concursos que, segundo o maestro Tiago Flores serão retomados em 2011, tanto o dos Jovens Solistas quanto o Jovens Regentes e ainda, pela primeira vez, o de Jovens Compositores, que deverá dar oportunidade e visibilidade aos talentos locais nesta área. Nesta temporada a OSPA, presidida por Ivo Nesralla, apresenta uma escolha democrática de repertório, passando pelos barrocos , românticos e compositores do século XX, além de peças contemporâneas e de autores gaúchos. A programação homenageia também os 100 anos de morte de Gustav Mahler e dos 200 anos de nascimento de Franz Liszt.

Abertura da temporada
No concerto de abertura, que será realizado na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (22), a OSPA estará sob a batuta de uma das mais destacadas regentes brasileiras da atualidade: Ligia Amadio. A profissional é uma das poucas mulheres a conquistar o topo das orquestras, até hoje uma reserva de mercado para homens. Desde agosto de 2009, ela é regente da Orquestra Sinfônica da USP tendo, em 2009, dirigido a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas. Ligia Amadio também é diretora artística da Orquestra Filarmônica de Menzonza, Argentina. Sua discografia reúne 11 CDs e 5 DVDs. No programa,a Salamanca do Jarau, de Luis Cosme e a Quinta Sinfonia de Tchaikowsky.

Confira a programação:

MARÇO
Dia 22 - 1º Concerto Oficial - Auditório Dante Barone - Assembléi a Legislativa - 20h30min
Obras:
Luis Cosme - Salamanca do Jarau
Tchaikowsky - Sinfonia n°5,
Regente: Ligia Amadio

Dia 29 - 2º Concerto Oficial - Igreja da Ressurreição - Colégio Anchieta - 20h30min
Obras:
J.Sibelius - Finlandia, op.26
Joaquín Rodrigo - Concerto de Aranjuez
J.Sibelius - Sinfonia n 2, op. 43, em ré maior
Regente: Nicolas Rauss - Solista: Thiago Colombo

ABRIL
Dia 5 - Concerto no Interior - Lajeado - 20h30min
La Gazza Ladra - Rossini
Andante Cantábile - Tchaikovsky
Pavana para uma criança morta - Ravel
O Trenzinho do Caipira - Villa-Lobos
Marcha Eslava - Tchaikovsky
Capricho Italiano - Tchaikovsky
Regente: Andi Pereira

Dia 12 - 3º Concerto Oficial - Igreja São Pedro - 20h30min
Obras:
A. Ginastera - Tres Dansas do Ballet - Estancia
B. W.Burle Marx - Concerto para Violoncelo e Orques tra
C. Cesar Franck - Sinfonia em ré menor
Regente: Maestro Garcia Vigil
Solista:Dennis Parker - Violoncelo

Dia 17 - Série OSPA/UFRGS - Popular - Redenção - 11 horas
OSPA com Nei Lisboa, Kleiton, Kledir e Vitor Ramil
Regente: Tiago Flores

Dia 26 - Concertos Didáticos - 10h e 20h:30min
H. Villa-Lobos: Trenzinho do Caipira das Bachianas Brasileiras Nº 2
B. Britten: Young Person's Guide to the Orchestra
F. J. Haydn: Sinfonia dos Brinquedos
W.A.Mozart - Eine Kleine Nachmusik
Copland - Fanfarra para um homem comun
J. Williams: Tema do Superman
Regente: Manfredo Schmiedt

Notícias do Piratini

Memória da Imprensa


Nelson José Gonzalez era quem fazia as ultimas chamadas da TRIBUNA GAUCHA e em 31 de outubro de 1949 quando o telegrafista lhe comunicou que havia chegado a notícia de que Mao Tse Tung tinha entrada em Pequim, o capista efazedor da manchete da Tribuna Gaúcha se esmerou;

- CAIU PEQUIM...

mAL SABIA ele que este titulo lhe custaria o emprego.

No dia seguinte, a cupula do Partidão(PCB) a quem o jornal pertencia se reuniu e mandou Nelson pro olho da rua, embora fosse militante de carteirinha.

O comando do pCB achou que a manchete da Tribun a Gaucha era ideologicamente equivocada.

- ELES ME DISSERAM QUE DEVERIA SER

PEQUIM LIBERTADA...!!!!!


Memória da Imprensa

NINGUÉM TEM COLHÕES

PRA LIBERAR OU PROIBIR

A BIOGRAFIA DO JUSCELINO!

sERGINHO rOS era o diretor da poderosa Revista Manchete em Brasília e ainda por cima tinha a sorte do que seu pai, Miguel, fora amigo do presidente Geisel. Estava com tudo, portanto.

Adolpho Bloch, dono da Manchete, chamara Carlos Heitor Cony e Josué Montello( imortal da ABL) pra fazerem a quatro mãos a biografia do presidente Juscelino, por quem o judeu dono da Manchete tinha veneração( não se sabe que interesses ele teve que o Juscelino o atendeu tanto assim...)

Feitos e impressos em Parada de Lucas, na gráfica do Bloch, os quatro volumes da biografia do Juscelino seguiu num pacote num voo da Varig pra Brasília, onde ficara a cargo do Serginho a liberação junto aos militares do presidente Geisel.

- Tens fodido muito?
Era sempre a pergunta que Adolfo fazia aos seus subordinados quando lhe ligava de manhã cedo mandando eles cumprirem alguma tarefa.

E naquele dia Serginho soube que sua missão era liberar junto aos militares a biografia do arquiinimigo deles, o presidente Juscelino, que vivia retirado numa fazendola perto de Brasília...

Serginho pegou os volumes e os levou ao ministro da Justiça, Armando Falcão, que tinha bronca dele porque num dia numa coletiva o diretor da Manchete o interpelou rispidamente:
- Ministro, porque o senhor chama a imprensa se a cada pergunta que lhe fazemos o senhor só responde " nada a declarar"!!!

Depois de oito dias, Armando Falcão mandou chamar o diretor da Manchete em Brasília e lhe disse que os livros não poderiam ser liberados pra venda.

GOLBERY

sERGINHO não retornou ao Rio pra dar uma notícia destas ao desbocado do chefe...Adolfo.

Foi procurar o ministro chefe do gabinte civil, General Golbery do Couto e Silva, a eminencia parda do regime...

Golbery o recebeu na porta do gabinete, em pé:
- O Falcão já viu os livros?
- Já...
- O que ele disse:
- Que não pode...

- Então não pode...

Encerrou ali o papo...

Serginho lembrou-se de um general, que por ter deixado a família no Rio frequentava muito a sede da Manchete em Brasília, ia muito nos sábados comer uma feijoada que era uma espécie de um ritual dos podersosos daquele tempo todos os sábados.
Este general era do staff do Ministro do Exército, Silvio Frota, da linha dura do regime.
Procurou o general( ele me disse o nome mas como não é muito conhecido não tenho aqui agora o nome) e lhe levou o problema.

Me deixa os livros lá,ordenou o General..

Oito dias depois, o tal general chamou o Ros e lhe comunicou:
- OLHA NÃO TEM NESTE PAIS NINGUÉM COM COLHÕES PRA LIBERAR ESTE LIVRO E NEM PROIBIR.

Poe a venda.

- Mas General, argumentou o Serginho, o senhor tem quatro estrelas, eu não tenho...

Botaram a coleção nas bancas...

Não vendeu xongas...
Ficou com mais de 50% de encalhe....

Em tempo:

As duas edições da revista Manchete que mais encalharam foi a capa do Brizola, na volta do seu exílio e uma com a capa do Maluf, quando se machucou e apareceu na cama do hospital despachando com tipóia e tudo.

AMANTES DE PRESIDENTES: CASOS QUE FIZERAM HISTÓRIA


De Buenos Aires Parte II
Gelson Farias


Não é segredo que muitos presidentes sempre tiveram tempo de fazer suas conquistas amorosas durante o período em que estiveram no poder. Em muitos casos, segredos foram descobertos e em outros, os assessores, mantiveram tão bem guardados as relações amorosas dos presidentes, com suas amantes, que nunca se conseguiu provar nada. Geralmente, as secretárias eram as mulheres preferidas, pelo fato de estarem próximas nos momentos de alegria e tristeza durante o período presidencial. Este fato facilitava a aproximação mais “calientes” e a paixão brotava do fundo da alma. No Ranking de amantes os presidentes argentinos, estão em primeiro lugar...

No dia 20 de dezembro de 2001, o então presidente Fernando De la Rúa (1999-2001), estava ponto de renunciar e escapar em um helicóptero do teto da Casa Rosada, a sede do governo. Nas horas anteriores, uma multidão enfurecida com a crise econômica – e especialmente o “corralito” (denominação do mega-confisco bancário) – manifestava-se na Praça de Mayo para exigir sua renúncia. As forças de segurança reprimiriam a multidão e mataram cinco manifestantes a poucos metros das janelas presidenciais (no resto da cidade houve mais mortos). Após renunciar, De La Rúa passou pela sala onde estava seu escritório para pegar os objetos pessoais.


A foto feita na ocasião pelo fotógrafo oficial da presidência, Victor Budge, mostra o pacato e sonolento ex-presidente abrindo uma gaveta.

Era última foto na Casa Rosada de De la Rúa,
Um ano depois, em janeiro de 2003, a “Gente”, tradicional revista de fofocas, publicou a mesma foto, embora ampliada. O detalhe mostrava que De la Rúa retirava da gaveta da escrivaninha duas caixas – amostra grátis – de um vigorizaste sexual de nome “Optimina Plus”, recomendado para casos de impotência. A foto de De la Rúa recolhendo seus objetos havia sido publicada várias vezes ao longo de 2002. No entanto, ninguém havia reparado no detalhe das caixinhas, até que um leitor de “Gente”, curioso em saber o que havia na gaveta presidencial, e munido de uma lupa de aumento, reconheceu o remédio.

As caixas de “Optimina Plus” ostentam na embalagem uma picaresca seqüência de gnomos cuja ponta dos gorros vai ficando ereta gradualmente, em uma analogia aos efeitos que o remédio causaria no órgão reprodutor masculino, neste caso, o órgão presidencial (que a partir desse momento era ex-presidencial).
Olides.
Existe uma carta, publicada na integra, na capa da revista, “Gente”, tradicional publicação de fofocas, aqui de Buenos Aires, que fala de uma possível amante do presidente Fernando de La Rúa. Por outro lado, existe a revelação de um repórter da própria revista, numa matéria onde ele conta que o presidente consumia de três a quatro doses de “Optimina Plus” diariamente. Este fato foi na ocasião o principal tema de piadas em Buenos Aires, por todos os cantos aqui de Buenos Aires. De la Rúa, até a época, era visto como um homem assexuado, tímido, dominado pela ambiciosa então primeira dama, Inés Pertiné, com a qual padecia problemas conjugais No entanto, nos últimos anos haviam circulado rumores de que teria tido affaires com duas de suas assessoras na época, que nunca foram confirmados....

Integra da carta

“Estou neste momento a ser um amante de um homem casado. Sou atraída por ele, mas eu não o amo. Baseamos nosso relacionamento extremamente sobre a emoção de ser pego e do sexo. Ele é um político e tem dinheiro, que muitas vezes me afastava do meu serviço, para férias em hotéis onde fazíamos amor. Depois que sua esposa descobriu tudo não tenho mais do que esconder o meu estado de amante do presidente Fernando. Digo isso porque foi o próprio Fernando que me contou que, sua esposa estava aborrecida, porque sua vida amorosa esta indo mal. Posso dizer que eu não tenho nada com isso, foi o Fernando que me procurou e me fez tais propostas de amor. Com ele, eu tenho uma vida de paraíso absoluto e perfeição, e não seria assim se não tiver um longo sofrimento e desconhecimento da esposa. Às vezes, quando nos encontramos na cama juntos depois do sexo, falamos de sua "pobre mulher em casa querendo saber onde ele está. Isso nos dá grande prazer”

Carlos Andrés Pérez: disputa pelo defunto
O corpo do ex-presidente venezuelano Carlos Andrés Pérez, outrora todo-poderoso, que exerceu o poder entre 1974-1979 e entre 1989 e 1993, sendo afastado pelo Senado por impeachment sob acusações de corrupção, teve seus restos mortais, mantido por semanas, dentro de um freezer, no Departamento Médico Legal, em Miami. O cadáver era disputado judicialmente por sua viúva, Blanca Rodrígues, e seis filhos (cinco mulheres e um homem), e pela amante, sua ex-secretária Cecília Matos, com quem teve duas filhas. O primeiro grupo quer sepultá-lo em Caracas, o segundo em Miami, onde Cecília e as filhas viviam com CAP nos últimos anos. Parece mais um capitulo na patológica, macabra na história de cadáveres

O ex-presidente manteve por seis anos, no exílio, um romance extraconjugal com uma estudante Jango, antes da deposição os: amigos sabiam.


João Goulart, morto há 25 anos, sempre se aplicou em fazer novas conquistas amorosas. Poucos sabiam, porém, que um desses relacionamentos paralelos ao casamento com Maria Thereza durou vários anos e só acabou com a morte do presidente deposto, no exílio, em dezembro de 1976. Jango morava havia seis anos no Uruguai quando conheceu a jovem futura amante. Ela tinha cabulado aula e pedia carona na estrada, para ir de Maldonado, onde estavam, a Punta del Este, a vinte minutos de viagem. Nesse curto percurso, ele soube que aquela bonita colegial, um pouquinho acima do peso, tinha 17 anos, chamava-se Eva De león Gimenéz e era apaixonada por cavalos. Logo ele a convidava para visitar suas fazendas naquele país. Aos poucos foi seduzindo a estudante. O ex-presidente tinha 52 anos e dois filhos com a ex-primeira-dama – João Vicente e Denise. A família vivia em Montevidéu e raramente o acompanhava nas temporadas nas estâncias.

Soube-se de Eva e de seu relacionamento com Jango durante os trabalhos de uma comissão da Câmara dos Deputados que investiga a hipótese de que o ex-presidente tenha sido assassinado. Eva, hoje com 48 anos, foi ouvida por um grupo de parlamentares em Montevidéu, em março passado. Na ocasião, descreveu as semanas que antecederam a morte de João Goulart e narrou com naturalidade o longo namoro que manteve com ele. Ela disse aos deputados que por muito pouco não estava na companhia do amante na noite em que ele morreu numa fazenda da cidade de Mercedes, na Argentina. Jango a tinha procurado dois dias antes de mais uma viagem para a fazenda, mas acabou partindo com Maria Thereza, que pediu para acompanhá-lo. Jango, que comprovadamente tinha problemas de coração, morreu aos 58 anos, enquanto dormia supostamente de ataque cardíaco. O atestado de óbito, conhecido recentemente, não registra a causa específica da morte.

Jango entra numa lista que tem outros nomes. Juscelino Kubitschek teve um romance de dezoito anos com Maria Lúcia Pedroso. A "bem-amada" de Getúlio Vargas teria sido Aimée Sotto Mayor Sá (o seu lado na foto)
A revelação de casos extraconjugais de presidentes brasileiros já falecidos acontece de tempo em tempo. Nos dois exemplos mais famosos, o de Getúlio Vargas e o de Juscelino Kubitschek foram pelos diários que deixaram que se soubesse das amantes. Vargas manteve um romance de catorze meses com uma mulher que ele chama nos diários de "a bem-amada". Tudo aponta para Aimée Sotto Mayor Sá, que era casada com seu colaborador de governo Luis Simões Lopes. Juscelino teve um relacionamento de dezoito anos, até morrer, em 1976, aos 73 anos. Encontrava-se secretamente – registrando "audiências" no diário – com Maria Lúcia Pedroso, casada com o correligionário José Pedroso. Uma diferença no caso de infidelidade de João Goulart é que ele não se preocupava em esconder sua amante. Levava-a a restaurantes em companhia de amigos e passava com ela longos períodos nas fazendas. Quando queria vê-la, mandava um empregado buscá-la em seu avião particular. "Encontrei-a algumas vezes nas fazendas", conta João Vicente, filho de Jango, que é três anos mais novos que Eva. Um amigo a apontou na Rua para Maria Thereza uma vez, em Punta del Este. A ex-primeira-dama sabia que ela era uma namorada do marido.
A moça se dava bem com os empregados de Jango, para os quais às vezes comprava presentes em Montevidéu. Mas se entediava depois de uma semana no campo. De classe média, nascida em Rosário, na Argentina, e criada em Maldonado, gostava mais de passear na Europa, para onde o amante a levou algumas vezes, que de "ficar contando ovelhinhas na fazenda". Jango fazia exames periodicamente em Lyon, na França, para tratar de problemas cardíacos. Nas viagens encontrava antigos colaboradores de governo, como Darcy Ribeiro e Celso Furtado. "Eu achava interessante, escutava e aprendia, mas depois me chateava", recorda Eva. Ela preferia fazer compras nas lojas de Paris. Jango recorria freqüentemente ao dinheiro para acalmar as mulheres. Também com a esposa, Maria Thereza, usava esse recurso. Amigos do ex-presidente contam que foi porque ele não lhe tinha dado um carro, como prometera que Eva não aceitara acompanhá-lo na viagem às vésperas da morte dele. Ela afirma que não foi porque estava inaugurando uma loja de roupas.
Quando o ex-presidente morreu, Eva estava com 23 anos. Tinha abandonado os estudos desde que o conhecera. "Os três anos seguintes foram de terror, de um luto sofrido", ela conta, chorando. Passado esse período, conheceu outro homem e se casou. Antes, visitou o túmulo do ex-amante em São Borja, no interior do Rio Grande do Sul. Eva vive hoje em um apartamento no décimo andar da Avenida Doutor Horacio Abadie Santos, a duas quadras do mar, quase no centro de Montevidéu. Mora com o marido, um comerciante de materiais elétricos, de quem incorporou o sobrenome Puig, e com as duas filhas gêmeas, de 19 anos. Tem fotos de Jango espalhadas no interior do apartamento e guarda cartas românticas que recebeu dele. Esse apartamento era do ex-presidente. Depois que ele morreu, Eva se estabeleceu na residência e não saiu mais. "Tentamos, sem sucesso, recuperar o imóvel na Justiça", diz Maria Thereza.
Os amigos do tempo de exílio dizem que Jango, em seus últimos anos de vida, tinha preferência pela companhia de Eva, mas mantinha outros namoros. "O Jango não usava essa coisa de amor, não", diz Deoclécio Barros Motta, de 79 anos, que foi capataz do ex-presidente. Jango apelidara Eva de "Gordinha". Hoje, ela tem excesso de peso e não se deixa fotografar. Veste-se elegantemente e, na opinião de muitos, ainda conserva no rosto os traços harmoniosos que encantaram João Goulart.

Maria Lúcia Pedroso "O grande amor de JK"


A memória do presidente mais progressista que o país já teve está no centro de uma disputa envolvendo acusações de censura e difamação. A família de Juscelino Kubitschek (1902-1976) se posicionou contra o conteúdo do roteiro do filme Bela noite para voar, que Zelito Viana está dirigindo no Rio e que aborda um caso extraconjugal do idealizador de Brasília com o socialite Maria Lúcia Pedroso, também casada na época. O Kubitschek tem feito pressões junto a políticos e os principais patrocinadores do filme (Petrobras, Cemig e Telemar) para impedir que a produção seja concluída como está.


Juscelino reunido com seus correligionários em Minas


Evento Holístico

O Deputado Federal Giovani Cherini - PDT, em conjunto com os terapeutas Amaury Palma e Noé Carvalho, da empresa Alquimia Interior LTDA, e demais outros terapeutas e profissionais holisticos do Estadodo RS, estarão organizando o 6o Evento Holistico, que ocorrerá nos dias 27 e 28/03/2011, na Assembléia Legislativa do RS.
Serão atendimentos de reiki, acupuntura, quick massage, palestras. Tudo voltado para a saúde e bem-estar.
Mais detalhes podem ser obtidos no site do Deputado: http://www.giovanicherini.com/ ou no site www.alquimiainterior.com.br ou diretamente com o Terapeuta Holistico e palestrante Amaury Palma pelo fone 051 9760-2010.
As inscrições devem ser feitas aqui: http://www.giovanicherini.com/terapeutasholisticos/sextoencontro/index.php
Os eventos holisticos ocorrem uma vez ao ano e atraem centenas de pessoas de todo o Estado.
Abaixo segue a programação do evento e em anexo, o logo do evento.
Atenciosamente,
Sheila Iscovitz
51 9679-5488
Alquimia Interior LTDA
www.alquimiainterior.com.br
Perfil do Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=13719237550865527484
Comunidade do Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?rl=cpp&cmm=20734646
Facebook: www.facebook.com/group.php?gid=121784117862691
PROGRAMAÇÃO DO DIA 27 DE MARÇO


18h30min Recepção A música do Sangar
19h Abertura oficial do evento
19h10min - Sonhos Paulo Stekel - Espetáculo 3º Milênio: uma chamada para a espiritualidade - Arnaldo Sobrinho
19h15min - Kokhmahá O holismo como fonte de sabedoria (Giovani Cherini)
19h30min - Radiônica - Biocomunicação instrumental a serviço da Saúde das pessoas, animais e plantas (Sergio Areias São Paulo)
20h45min - Prêmio Kokhmahá (Dr. Arnaldo Gauer In memorian, Monica Kabregu - Templo das artes das Américas, Mauro Kwitko Casa Beneficente de Terapia e Caridade -CBTC)
PROGRAMAÇÃO DO DIA 28 DE MARÇO
8h - Recepção e credenciamento A música do Sangar
8h30min - Canções para o sagrado feminino (Karine Cunha/Paulo Stekel)
8h45min - Abertura (Giovani Cherini)
9h Biosaúde (Padre Renato Roque Barth - MT)
9h25min Energia quântica no processo de transformação da consciência da humanidade (Dr. Jorge Raff - Argentina - Interprete: Juliane Dullius)
9h50min Kuan Yin pode mudar a sua vida (Sandra Meirelles - RS)
10h15min A cura espiritual: um caminho para a saúde plena (Sergio Guimarães Brito)
10h40min Vivencia Lúdica chi kum (Rosana Costa)
10h45min Medicina Quântica Uma revolução no conceito de saúde (José Renato Soethe)
11h10min A grafologia no caminho da essência do ser (Ceura Nolasco - RS)
11h35min As terapias holísticas diminuem internações hospitalares (Vilson Fornazieri) - A terapia holística no socorro às vítimas de desastres (Rogéria Comim) - Felicidade no trabalho (Amauri Palma e Noé de Carvalho)
12h Programação alternativa
12h10h - "Recriando o Planeta e Dança de Cura da Terra" - Templo das artes das Américas e Irmano Artistas Latino Americanos
12h45min Exibição do documentário "Amor-alma: A música de Stekel"
13h30min Reabertura
13h32min Meditação consciencial (Giovani Cherini)
13h40min Essências de cristais dharma nos quadros de depressão (Berenice Lara SP)
15h05min Hoponopono e Humas (Alexandre Chagas e Eliane Mathos - SP)
14h30min Competência emocional (Lucia Salles RS)
14h55min Roda medicinal xamânica da vida (Giovany Nhamygal)
15h20min Fitoenergética: a energia das plantas no equilíbrio da alma (Bruno Gimenes)
15h45min - Dinâmica Iluminação da presença (Eloir Severo)
15h50min A revolução da saúde humana pelos minerais (Edgar Martin - RS)
16h15min Aromatologia (Fabian Laszlo - MG)
16h40min Espaço Aberto (inscrições livres)
17h Encerramento

De São Borja


Invadiram uma fazenda, ontem, em São Borja. Começou o março " vermelho"!!!!

De São Borja

encontrei ontem, por acaso, o vice-prefeito e secretário da saúde de são borja,Jefferson(Kiko) Olea Homrich, na secretária da saúde no centro administrativo do estado. Sempre educado como é do seu feitio,atendeu meus " impulsos reporteros" porque fui lhe perguntando várias coisas,dentro do elevador, ao mesmo tempo...

1) sobre a morte de uma criança no hospital ivan goulart,disse que o assunto está afeito ao hospital que vai abrir sindicância.

2) Jefferson não descarta a possibilidade de concorrer a prefeito no ano que vem....Ele é do PTB...

3) o Vice-prefeito entende que é a vez do PDT deixar a cabeça de chapa pro PTB e fazer uma coligação...

4) o enigma de tudo isto é odeputado Cassiá Carpes(PTB) que fez quase 10 mil votos na última eleição no município e que dizem estaria com o ego inflado pra entrar na história do município como prefeito. Se Cassiá for candidato, acabam as demais candidaturas....

Vice-governador apresenta Comitê do Trânsito Seguro à bancada federal do RS


O Comitê de Mobilização pela Segurança no Trânsito foi apresentado à bancada federal do RS em um almoço ocorrido, nesta segunda-feira (21), no Galpão Crioulo do Palácio Piratini, na última reunião realizada antes de sua instalação oficial. O Comitê atuará de forma transversal e integrada com os órgãos governamentais e a sociedade civil, tornando-se um articulador do Governo nas diversas frentes que tratam do trânsito. Um de seus principais objetivos é atingir a meta proposta pela ONU/OMS, com a década de ações para redução de 50% no número de mortes no trânsito.

Para Beto Grill, o encontro simbolizou a integração dos agentes políticos gaúchos em torno da iniciativa. "A partir dessa integração, pretendemos potencializar as ações dos órgãos que trabalham a questão, fazendo com que o comitê sirva como uma ampla mesa de debates, de onde será formatada a nossa política integrada de segurança no trânsito", afirmou o vice-gove rnador.

Entre os principais assuntos debatidos, está a análise de viabilidade da inclusão do tema em outras comissões parlamentares e a proposta de alteração do Código Brasileiro de Trânsito (CTB), priorizando o crime do Art. 306, que trata da embriaguez ao volante. Segundo o assessor da vice-governadoria, Deolindo Carniel, "a mudança é necessária, uma vez que hoje é exigida a comprovação da dosagem de álcool no sangue, que somente pode ser aferida por meio do bafômetro ou por exame toxicológico. Estamos propondo o retorno aos moldes da antiga legislação, onde havia a opção da constatação de sinais de embriaguez ou prova testemunhal", salientou.

A deputada Manuela D Ávila, coordenadora da bancada gaúcha na Câmara, propôs a elaboração, em caráter prioritário, de ações educativas junto aos jovens e crianças. "Precisamos estabelecer iniciativas que tenham como foco a juventude, fazendo com que o motorista de amanhã tor ne-se, também, o fiscal de hoje", afirmou.

A senadora Ana Amélia Lemos sugeriu a participação da indústria automobilística e a criação de políticas voltadas diretamente aos motociclistas, que se encontram entre os mais afetados pela violência no trânsito. "O custo para o Governo no socorro e tratamento das vítimas de acidentes é muito mais alto do que o investimento em educação e conscientização", disse.

Também marcaram presença os deputados federais Paulo Pimenta, Elvino Bohn Gass, Luís Noé, Giovani Cherini e Ronaldo Nogueira, os deputados estaduais Miki Breier e Jurandir Maciel, o presidente do Detran-RS Alessandro Barcellos e o secretário de Obras e Irrigação Luís Carlos Busato.

Comitê Gestor do CDES-RS reúne-se nesta terça-feira
• Na pauta, a avaliação da primeira reunião do Conselho realizada no dia 15

O Comitê Gestor do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES-RS) reúne-se nesta terça-feira (22), às 14 horas, na sede da Secretaria Executiva do CDES (Centro Administrativo do Estado, 21º andar). Na pauta está a avaliação da primeira reunião do Conselho realizada no último dia 15, no Palácio Piratini; a definição das agendas de instalação das seis Câmaras Temáticas aprovadas; a agenda de trabalho do período até a próxima reunião do Conselhão.

Pedágios, Piso Salarial Regional, Pacto pela Educação, Previdência Pública, Desenvolvimento Metropolitano e Desenvolvimento da Região da Serra e Arranjos Produtivos Locais foram as seis primeiras Câmaras aprovadas, num total máximo de 12 que podem funcionar ao mesmo tempo.

Além do Secretário Executivo, Marcelo Danéris, fazem parte do grupo os conselheiros Ademar Schardong, Atílio Ybargoyen, Claudir Néspolo, Eduardo Linhares, Fernando Costa, José Martins, Lu is Augusto Fischer, Maria Alice Lahorgue, Mauri Cruz, Mercedes Cânepa e Nadine Anflor.

O Comitê Gestor é eleito a cada nova reunião do Conselho e tem a função de representar o CDES em atividades, contribuir na elaboração das pautas e temas das reuniões e contribuir no encaminhamento das decisões do Pleno.
Foto: Caco Argemi/Palácio Piratini

Notícias do Piratini


SOB A ÉGIDE DA DECEPÇÃO


Por Carlos Chagas


Uma decepção. À expectativa otimista seguiu-se uma impressão frustrante por parte do governo brasileiro, quanto à visita de Barack Obama a Brasília, sábado.
Dilma Rousseff fez o dever de casa, falou o que precisava em defesa de nossos interesses. Com educação, mas com firmeza, criticou as barreiras alfandegárias erigidas pelos Estados Unidos diante de nossas exportações de etanol, aço, algodão, carne e suco de laranja, entre outras. O visitante ficou nas generalidades, elogiando nosso crescimento econômico, nossa democracia, o combate à pobreza, a liderança que exercemos na América do Sul e a necessidade de uma atuação global entre os dois países, mas nenhuma garantia de que nossas reivindicações específicas serão atendidas. Também a respeito do ingresso do Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança, apenas o comentário de que a ONU precisa ser aprimorada e que via a hipótese com apreço e simpatia.
Não deixou de registrar-se um certo mal-estar quando, pouco depois de anunciar a seus jornalistas que havia autorizado ataques militares à Líbia, Obama ouviu, num encontro reservado com a presidente, que o Brasil defende uma solução pacífica para a crise no Norte da África.
Para culminar, veio o clímax das baixarias já praticadas pela segurança americana há algumas semanas: os gorilas exigiram revistar os ministros brasileiros que iriam dialogar com ministros e empresários dos Estados Unidos, num dos últimos compromissos do dia. Recusaram-se os nossos ministros a ser apalpados em pleno território nacional, retirando-se sem participar do encontro.
Melhor assim à enganação que poderia ter-se repetido desde que o primeiro presidente americano nos visitou, Herbert Hoover, em 1928, no governo Washington Luís. O cerco à Cinelândia, ontem, não foi aliviado pelo cancelamento do discurso que Obama faria das escadarias do Teatro Municipal, transferido para o interior daquela casa de espetáculos. Mas perdeu para o fechamento do Cristo Redentor. Terão adiantado as promessas de um novo ciclo nas relações entre os dois países? Tomara.
SAUDADES DE EISENHOWER
Em 1956, Inglaterra, França e Israel invadiram o Canal de Suez, pouco depois de o presidente Gamal Abdel Nasser haver nacionalizado aquele território pertencente ao Egito. Pretendiam, pela força, criar o fato consumado. Logo em seguida o presidente Dwitt Eisenhower, dos Estados Unidos, tirou-lhes o tapete, não só desautorizando a aventura mas exigindo que botassem o rabo entre as pernas e se retirassem do canal e zonas adjacentes. Assim aconteceu em menos de quinze minutos.
Dá pena, agora, assistir o presidente Barack Obama curvando-se aos interesses de França, Inglaterra e Itália, dependentes do petróleo da Líbia e participando da saraivada de mísseis desde sábado lançados sobre Trípoli e outras cidades daquele país, também atacado por caças franceses, ingleses e até canadenses.
Criar zonas de exclusão aérea não parece a mesma coisa do que bombardear um país até agora considerado soberano, apesar de sua execrável ditadura.


Café no plazinha


Olides
Não te preocupes. Tu ainda vai tomar cafe ou jantar comigo no Plazinha.Me aguarde que estou voltando.
sergio ross


PORTO ALEGRE


Uma perguntinha: o PT não esteve na Prefeitura de 1989 até 2004? 16 anos. Por que não fizeram tudo aquilo que eles pregam para que os outros façam?
Não deu tempo ?
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Da Página do MST


Quatrocentas famílias Sem Terra ocuparam na madrugada desta segunda-feira (21) a Fazenda Palermo, na cidade de São Borja, no Rio Grande do Sul. Os Sem Terra exigem que o governo estadual finalize a desapropriação da área para o assentamento de 54 famílias acampadas. Também reivindicam que os governos federal e estadual assentem todas as mil famílias sem terra acampadas hoje no estado.

Em 2008, durante a marcha do MST à Fazenda Guerra (Norte gaúcho), o governo federal assinou um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) em que se comprometia a assentar todas as famílias acampadas no RS. Até hoje, isso não aconteceu. O MST quer que o governo cumpra com o TAC. A Reforma Agrária é a saída para o atraso do latifúndio na região de São Borja. Onde hoje só existem alguns animais e poucas pessoas, podem viver 54 famílias produzindo alimento saudável, gerando emprego e movimentando o comércio local.

Desapropriação da Fazenda Palermo está parada desde Governo Olívio

A desapropriação da Fazenda Palermo já está encaminhada mas, para que a Justiça emita a posse da fazenda ao governo do RS, é preciso que ainda seja pago um valor ao proprietário da terra. O impasse em relação à área existe desde o governo Olívio Dutra, quando foi iniciada a desapropriação.
Até agora, passados dez anos, ainda não foi resolvido. Somente depois de ter a
posse da terra é que o governo do RS poderá assentar as famílias na área.

Hoje, mil famílias ainda vivem em beira de estrada embaixo da lona preta no Rio Grande do Sul. Muitas, estão acampadas há 9 anos. Desde a desapropriação de parte da Fazenda Southall em São Gabriel (Fronteira Oeste), em 2008, nenhuma família Sem Terra é assentada no estado.

A Reforma Agrária tem sido deixada de lado pelo governo federal, que prioriza o agronegócio. Até o momento, a presidente Dilma Rousseff não apresentou plano de Reforma Agrária. Milhões de reais são destinados, pelo governo federal, para salvar as empresas da crise e anistiar as dívidas dos latifundiários, mas não há recurso para a
Reforma Agrária, que gera emprego .

EDGAR PRETO, O DEPUTADO

IDENTIFICADO COM O MST

ESTAVA EM SANTA CRUZ DO SUL


Segundo a assessoria do deputado Edgar Pretto(PT) o deputado que é identificado com o MST nãoe steve ontem em São Borja na ocupação da fazenda Palermo.

- O deputado esteve num movimento dos fumicultores em Santa Cruz do Sul, disse o assessor Havelange.

No gabinete do deputado Pretto, a palavra " invasão" não é permitida. Só " ocupação"!

SETOR VITIVINÍCOLA TERÁ
NOVAS MEDIDAS DE APOIO

Crédito Foto SINDIVINHO/RS

Cristiane Passarin

A presidente do Sindicato da Indústria do Vinho do Rio Grande do
Sul (Sindivinho), Cristiane Passarin, está otimista com as medidas previstas
para a modernização do setor vitivinícola e a promoção do vinho nacional no
mercado interno, que vêm sendo discutidas no âmbito da Câmara Setorial da
Uva, Vinhos e Derivados, em Brasília. Uma das prioridades, aponta, é o apoio
financeiro para a reconversão de parreirais. Embora exista o Pronaf, com
juros compatíveis, devem ser adequados os prazos de carência, pois a
reconversão é onerosa e o produtor fica três anos sem receita. Também
assinala que não significa que necessariamente tenham que ser trocadas
variedades de uvas híbridas e americanas por vinífera: ela pode ser feita
com a manutenção da mesma variedade, mas com a introdução de tecnologia
adequada, mudas isentas de virose e acompanhamento técnico sistemático,
acrescenta. Cristiane igualmente considera imprescindíveis ações
institucionais para aumentar o consumo de vinhos de mesa no mercado interno,
voltadas às faixas C e D, a exemplo do que já vem sendo feito para
espumantes e vinhos nacionais voltados ao público A e B. Finalmente, a
presidente do Sindivinho pleiteia a instituição de linhas de crédito do
BNDES, do tipo PSI (Programa de Sustentação do Investimento) para a
modernização das vinícolas.

Todt Comunicação


Comentário do Lauro Dieckmann


( olha que pra ele elogiar, não é mole....)


Guaíba Cidades melhorou

Indo para a praia, na sexta-feira, liguei o rádio. Primeiro na Gaúcha, mas não deu para aguentar o Lauro Quadros e suas 'informações' de almanaque sobre os presidentes dos EUA que foram assassinados ou que sofreram atentados.
Passei logo para a Guaíba e, surpresa, o Guaíba Cidades melhorou. Agora entram, em rápidas intervenções, o Jurandir, o Renato Rossi e que tais. Não fica mais só a dupla de apresentadores (âncoras?) falando sobre assuntos especificos (e que, em geral, não interessam a ninguém, aquelas pautas de encher linguiça).
Enfim, uma alternativa à chatice que é a Gaúcha do Lauro Quadros, do Macedo, do Brito, do 'Professor' falando 'ticido' e 'aconticeu'


MST X Tarso


Por incrível que pareça, a primeira ocupação( ou invasão) do MST no governo Tarso foi em sua terra natal.....

A cidade se veste com seu mobiliário

Adeli Sell

Uma cidade é lembrada pela sensação de acolhida ou de hostilidade que nos causa. Um ambiente bem cuidado faz toda a diferença. Tal como uma pessoa, importa tanto o cuidado no vestir quanto com a higiene. Como considerar a beleza de alguém quando sua proximidade acusa falta de banho, roupas desleixadas, mau hálito? A cidade se veste com paradas de ônibus, bancos, espaços públicos de lazer, calçadas limpas e sem armadilhas a pés incautos.

A cidade que trata bem aqueles que nela estão, tem seus caminhos e espaços indicados convenientemente, permitindo fluir de forma organizada. Não é possível apreciar quando a preocupação está toda voltada a se localizar num emaranhado de ruas sem nome, quando caminhar é arte de desviar de buracos e sujeira, esperar um ônibus é provação no sol ou na chuva.

Há tempos Porto Alegre abandonou qualquer política em relação ao mobiliário urbano. Há alguns anos houve tentativa de qualificar o espaço público através de licitação, tendo sido previsto um conjunto de paradas de ônibus padrão, inclusive com um pequeno banco e espaço para publicidade, como contrapartida ao empreendedor. Podia não ser o modelo mais bonito, mas tinha a grande vantagem de manter a parada iluminada à noite, justamente devido ao espaço publicitário com luz. Havia sombra em dias de sol, abrigo para a chuva e vento.

Atualmente as paradas foram abandonadas. Quando cobrado sobre o assunto, o Poder Público se omite, deixando sem resposta aqueles que sofrem diariamente, esperando, em pé, por ônibus que não costumam cumprir seus horários. Também as calçadas estão ao “Deus dará”, com a alegação de que sua manutenção é de responsabilidade do proprietário do imóvel, o governo municipal se omite de fiscalizar.

É inconcebível que uma cidade com o encanto do Guaíba, a beleza de seus morros, de seu Centro Histórico, tenha que conviver com sacos de lixo espalhados, catadores disputando resíduos, cachorros famintos e o mau cheiro que obriga o cidadão a tapar o nariz. Há equipamentos modernos para a conteinerização do lixo, esteticamente adequados, funcionais. Basta vontade e organização para implantá-los.

Defendo a ideia de que é possível à municipalidade realizar licitações públicas, dividindo a cidade em três, quatro ou cinco regiões, de forma que empresas possam disputar a colocação das mais diversas peças do mobiliário urbano nos espaços públicos, como brinquedos e praças de esportes nas praças, manutenção de espaços de lazer e preservação de espaços públicos, mediante a contrapartida da publicidade.

Para que isso ocorra, cabe ao prefeito o papel de maestro na orquestração das mudanças necessárias.

Adeli Sell é vereador do PT- Porto Alegre, RS

Dica

No niver de Porto, compre um livro do Rafinha ( ele que agora largou os políticos, precisa pra pagar seu caviar....)

O aniversário de Porto Alegre é o momento de reafirmar o amor pela cidade. Em sua linha editorial, a Libretos dedica especial atenção à valorização da memória de Porto Alegre, em vários livros que têm sido apreciados pelo público, inclusive recebendo prêmios de destaque. No aniversário da cidade, a Libretos realiza uma promoção com descontos de 20% para os livros sobre Porto Alegre, adquiridos pelo site www.libretos.com.br.


A Enchente de 41 – Vencedor do Prêmio AGE 2010, da Associação Gaúcha de Escritores, na categoria não-ficção, o livro encontra-se em sua quarta edição e narra um episódio marcante da história de Porto Alegre - a enchente que desabrigou um quarto da população da cidade - que, neste ano, completa 70 anos.
De R$ 20 por R$ 16

Tragédia da Rua da Praia – o livro venceu o Prêmio O Sul, Nacional e os Livros, como melhor romance de 2005. É baseado em um fato real há exatos 100 anos, quando quatro estrangeiros cometeram um assalto na Rua da Praia e tumultuaram o cotidiano da cidade, gerando um dos primeiros filmes da cinematografia da cidade.
De R$ 35 por R$ R$ 28

Rua da Praia – Um Passeio no Tempo – A principal rua da cidade é mostrada em um álbum de luxo que reúne textos, fotos antigos e atuais, ilustrações e histórias em quadrinhos, mostrando de ponta a ponta a história, a arquitetura e os principais personagens e eventos que tiveram a Rua da Praia como palco. O livro encontra-se em sua segunda edição.
De R$ 68 por R$ 54

Pôrto Alegre Agôsto 61 – Um panorama do cotidiano de Porto Alegre no mês em que a população se mobilizou para garantir a posse do vice João Goulart, após a renúncia de Jânio Quadros. Em sua segunda edição, o livro aborda os aspectos políticos, econômicos, culturais e comportamentais de Porto Alegre no início da década de 1960.
De R$ 20 por R$ 16

Trem de Volta – Teatro de Equipe – Conta a história de um dos mais importantes grupos culturais de Porto Alegre, berço de atores como Paulo José, Paulo César Peréio, Ítala Nandi e Lílian Lemmertz.
De R$ 30 por R$ 24

Teatro de Arena – Palco de Resistência – Livro do Ano do Prêmio Açorianos 2009, recupera a história do principal espaço cultural da década de 1970 e suas principais montagens, como Mockinpott, Jornada de um Imbecil até o Entendimento, Os Fuzis da Senhora Carrar e Cordélia Brasil.
De R$ 30 por R$ 24

Aproveite os descontos e celebre seu amor pela cidade!

Olha minha observação encontrando ecos...

Eu tou de saco cheio de ouvir ouvintes. e são sempre os mesmos e se não leem seus " torpedos" botam a boca no trombone.

Que encheção de saco....


OUVIR OUVINTES
Virou moda, agora, nas emissoras de rádio, além de ficarem lendo internet, como escrevestes, os apresentadoreds lerem opiniões, via torpedo, de ouvintes, a pretexto de dar voz ao povo; é a mesma coisa quando você está vendo um jogo na TV e , enquanto o jogo se desenrola, eles ficam mostrando a torcida.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Governador participa da abertura de colheita de arroz agroecológico em assentamento

A produção de arroz agroecológico em 16 assentamentos de 11 municípios da região Metropolitana, em uma área total de 3,8 mil hectares, deve aproximar-se das 400 mil sacas, com uma produtividade superior a 90 sacas por hectare. Para conhecer de perto esta realidade e exemplo bem sucedido de Reforma Agrária, além de participar da cerimônia de abertura da VIII colheita do Arroz Agroecológico, o governador Tarso Genro esteve em Eldorado do Sul, na manhã desta quinta-feira (17). Além do cumprimento dos atos oficiais, o chefe do Executivo gaúcho ainda dirigiu uma colheitadeira.

A previsão é de que a comercialização da safra 2010/11 da região atinja os R$ 6 milhões, sendo que os assentados participam de todo o ciclo da produção, com o desenvolvimento da semente, plantio, secagem, armazenamento, beneficiamento e comercialização, através da marca própria: Terra Livre, com registro no Ministério da Agricultura e selo que indica ser produto de assentamento. "Os resultados obtidos neste assentamento provam a importância da Reforma Agrária", destacou Tarso.

"Já temos um grupo trabalhando para transformar todos os assentamentos gaúchos em exemplo de produção, de organização e de qualidade, e pretendemos que o nosso exemplo se irradie para todo o país", acrescentou Traso Genro. Para o governador gaúcho, a reforma agrária é muito mais do que jogar as pessoas na terra. Ela, diz, tem de ser acompanhada por um conjunto de ações, além das condições de infraestrutura.

Estratégia eficiente
Sobre o arroz agroecológico, o governador diz ser uma estratégia eficiente e que garante uma fatia do mercado. "Se tivermos um arroz orgânico, temos um produto sadio diferenciado e que atende a uma fatia da população. Com isso, temos uma garantia de preço e um valor até melhor", sustentou Tarso Genro. O governador usou este exemplo para destacar que o mercado não pode ser absoluto na vida das pessoas. "Nós temos de colocar o mercado dentro de um projeto social para que ele funcione em favor das pessoas e não para esmagá-las, como está ocorrendo hoje com a super produção de arroz aqui no Estado, e que está ocasionando esta crise do setor orizícola", disse, lembrando que a farta oferta fez com que o preço caia. "Estamos pagando pela nossa eficiência".

O arroz ecológico, de acordo com o coordenador dos assentamentos da região Metropolitana, Emerson José Jacomelli, é produzido por meio de técnicas agrícolas que garantem a conservação do meio ambiente, preservam a biodiversidade e não utilizam agrotóxicos ou adubos químicos. "Trabalhamos com muita organização e amor. Isto para nós é a vida das famílias e sua principal atividade econômica", disse. Jacomelli enfatizou que os assentados e seus familiares têm uma relação muito forte com o meio ambiente. Ele lembrou que a terra utilizada para o assentamento Apolônio de Carvalho, onde ocorreu a solenidade, e que acomoda 72 famílias, era um latifúndio improdutivo e utilizado para operações de tráfico.

Merenda escolar
A maioria das 430 famílias assentadas na Região Metropolitana ou mais de 1,2 mil pessoas, de acordo com Emerson Jacomelli, veio da região Norte, de Sarandi, Ronda Alta e Missões. Além da produção de arroz, são plantados hortifrutigranjeiros. O arroz Terra Livre é comercializado para supermercados, Conab, e faz parte da merenda escolar em diversos municípios. Cada agricultor recebe R$ 30 por saca.

"É possível construir um desenvolvimento casado com cooperação agrícola, com desenvolvimento de renda e junto construir esta reforma agrária que todos nós queremos", destacou o diretor do MST, Cedenir de Oliveira. Para o superintendente federal do Ministério da Agricultura no RS, Francisco Signor, os governos federal e estadual estão alinhados em uma política que traga desenvolvimento econômico e social. "Nós, no ministério, estamos atentos a tudo o que acontece no Rio Grande do Sul e somos parceiros para o que der e vier", enfatizou.

Lavoura orgânica
"Estamos, neste momento, travando um debate riquíssimo sobre o arroz. Nós temos uma grande produção e temos problemas. Não sabemos como vamos fazer para melhorar o preço, porque tem muito arroz e pouco consumo. Precisamos encontrar alternativas e, uma delas, nós temos aqui, com esta lavoura orgânica", salientou o secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Luiz Fernando Mainardi.

Estiveram presentes à cerimônia o prefeito de Eldorado do Sul, Ernani de Freitas Gonçalves; o secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Luiz Fernando Mainardi; os deputados federal, Dionilso Marcon, e estadual, Edgar Preto, representando a Assembléia Legislativa; o superintendente interino do Incra, Roberto Ramos, e o superintendente federal do Ministério da Agricultura no RS, Francisco Signor; o superintendente da Conab no RS, Carlos Farias; o diretor do MST, Cedenir de Oliveira, além de outras autoridades de municípios da região Metropolitana, bem como milhares de pequenos agricultores, assentados e sem-terra.

notícias do Piratini


As feias que me perdoem...mas beleza é fundamental...

Como diria o poetinha Vinicius de Moraes....

Um observador atento aqui da salinha JCTerlera, na sexta-feira passada, desiludido porque segundo ele não tinha mulher bonita no meio das " feministas" que discutiam na sala contígua:

- Porque que estas feministas são todas feias???questinou....


Bom, com a resposta....

CETIM comemora seu primeiro aniversário

 


O Centro Escolar de Turno Integral Neuza Brizola (CETIM) completou um ano de funcionamento na terça-feira (15/03). Um ato marcou a comemoração da primeira escola de turno integral de São Borja. Além do ensino regular, são oferecidas oficinas e alimentação balanceada com três refeições diárias: café da manhã, almoço e lanche da tarde. O educandário atende cerca de 230 alunos na educação infantil e conta com 35 colaboradores, entre professores e funcionários.
O programa Mais Educação, oferecido pelo governo federal em parceria com a Secretaria de Educação e Cultura (SMEC), este ano ampliou a aferta de vagas de turno integral no município. Mais cinco as escolas municipais de ensino fundamental foram beneficiadas, sendo elas Fernando Ferrari, Francisco Miranda, República Argentina, Ubaldo Sorrilha da Costa e Vicente Goulart. Com isso, o município passou a atender 1200 crianças na educação integral, o que corresponde a 22% dos alunos da rede municipal.
De acordo com a secretária da SMEC, Ana Claudia Gattiboni Dutra, a diferença entre o CETIM e as outras unidades educacionais é que no Centro todas as atividades são desenvolvidas na própria escola, já as outras, como não têm espaço físico suficiente, utilizam outros espaços.
Segundo o diretora do CETIM, Marcia Rodrigues Pires, os alunos iniciam os trabalhos às 8h e ficam na escola até às 17h. Nesse período eles recebem assistência tanto no ensino regular, como oficinas e alimentação. Este ano a escola oferece seis oficinas: artes, apoio pedagógico, esporte e lazer, educação ambiental, língua estrangeira (inglês) e informática. O cardárpio das crianças é rotativo e elaborado por uma nutricionista.
A filha de Andreia Ribas Rodrigues, moradora do bairro Pirahy, estuda no CETIM e a família aprova o colégio. “Como eu trabalho fora ela fica aqui logo cedo, vou trabalhar tranquila e a busco no fim da tarde. Ela fala que a alimentação daqui é muito boa e adora tudo, é uma maravilha essa escola”, destaca. Andreia disse ainda seu sobrinho também estuda lá e adora, por isso ano que vem quer matricular sua filha mais nova, que entrará na pré-escola.
“Este é o início de uma grande atividade voltada para a educação dos alunos, inclusive, onde eles melhorar até a sua convivência com outras crianças”, afirmou o prefeito em exercício, Jefferson Homrich. Ele ressaltou ainda que a atual administração pretende implantar novas escolas do contra turno para as crianças se manterem em atividade e buscarem educação e conhecimento.

 

Prefeitura de São Borja

Politicos avarantes ( do blog do CH)
Um grupo de políticos discutia certa vez sobre colegas avarentos. Alguém lembrou o dia em que o deputado Hugo Rodrigues da Cunha decolava do aeroporto de Uberaba quando viu pela janela um homem montando “Cinco Estrelas”, seu cavalo favorito. Ele pegou o primeiro vôo de volta só para dar uma bronca no capataz da sua fazenda. O senador Heráclito Fortes (DEM-PI) arrancou gargalhadas ao brincar com outro mão-de-vaca conhecido:
- Ouvi dizer que Tancredo era careca para não ter que emprestar o pente...

Membros da ACERGS participam de ato em defesa do Estatuto da Pessoa com Deficiência


A diretoria da Associação de Cegos do Rio Grande do Sul (ACERGS) conquistou importantes representações em órgãos de defesa dos direitos das pessoas portadoras de deficiência. No dia 15 de março Roberto Luiz Veiga Oliveira (Vice-Presidente de Finanças e Patrimônio) foi eleito presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Com Deficiência (COEPEDE) e, em fevereiro passado, Moisés Bauer (Presidente) assumiu a presidência do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CONADE), órgão superior de deliberação colegiada, integrante da estrutura básica da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

No dia 21 de março, no auditório Mondercill Paulo Soares, na sede do Ministério Público (Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, 3º andar), ambos participam do Seminário Da Exclusão ao Reconhecimento Político das Pessoas com Deficiência, que será marcado também por um ato político pela defesa do Estatuto da Pessoa com Deficiência - projeto de lei parado no Congresso Nacional há mais de dez anos.

Outro tema que deve ser debatido é um projeto de lei que tramita há quatro anos do Congresso e regulamenta uma emenda constitucional que trata da aposentadoria especial para pessoas com deficiência.
O Brasil tem 24,5 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, segundo o IBGE. No Rio Grande do Sul, a estimativa é que são 1,5 milhões de habitantes nessas condições. Entretanto, o país ainda não possui um estatuto que trate dos direitos dessa parcela da população.
As atividades começam às 9h com a participação de autoridades estaduais e federais, além de representantes de entidades. O evento é aberto ao público, e todos poderão participar da discussão. A realização é do Ministério Público, em parceria com o Governo do Estado, por meio da Faders (Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas Portadoras de Deficiência e de Altas Habilidades no Rio Grande do Sul), e o Ipesa (Instituto Pesquisa em Acessibilidade da Ulbra).
ACERGS
Fundada em 20/10/1967, a Associação de Cegos do Rio Grande do Sul é uma entidade filantrópica que presta atendimento assistencial ao deficiente visual e seus familiares, trabalhando em prol da sua capacitação, qualificação, aprimoramento e integração à sociedade, apoiando-o e representando-o. Busca promover e desenvolver programas, projetos e ações nas áreas profissionais, educativas, culturais, recreativas, esportivas e sociais.


Assessoria de Imprensa:
Simone Lersch


O MINISTÉRIO DO SILÊNCIO


Por Carlos Chagas


“Dos ofuscados” seria até agora o rótulo ideal para o primeiro ministério de Dilma Rousseff. Ou quem sabe o ministério “do silêncio”. Escreve-se “primeiro” porque são poucas as chances de certos ministros durarem muito.

Ao longo dos anos já tivemos o ministério “da experiência”, de Getúlio Vargas, o ministério “de Wall Street”, de Café Filho, o ministério “pé-de-valsa”, de Juscelino Kubitschek, o ministério “da frustração”, de Jânio Quadros, o ministério “da união nacional”, de João Goulart, nos primeiros dois anos do governo parlamentarista, e depois o ministério “posto em frangalhos”, até golpe militar de 1964.

Para não perder o embalo, vieram o ministério “da direita envelhecida”, com Castelo Branco, o ministério “da contradição”, com Costa e Silva, o ministério “da repressão”, com Garrastazu Médici, o ministério “das cabeças baixas diante do mestre”, com Ernesto Geisel, e o ministério “das tentativas frustradas”, com João Figueiredo.

A redemocratização trouxe o ministério das esperanças perdidas”, de Tancredo Neves, que passou a José Sarney. Fernando Collor formou um ministério “apagado” até que, tarde demais, convocou o ministério “dos luminares”, iniciativa incapaz de salva-lo da degola. Com Itamar Franco assistimos outra vez o ministério “da união nacional”, sucedido pelo ministério “da alienação da soberania brasileira”, de Fernando Henrique.

O ministério do Lula ainda carece de definições sólidas, pela proximidade de sua atuação, mas bem que poderia ser o ministério “das contradições desimportantes”. O ministério de Dilma, mesmo sem completar dois meses, ameaça aproximar-se do ministério do general Ernesto Geisel, ou seja, o ministério dos ministros que não existem nem precisam existir, ofuscados pela personalidade de quem parece, no palácio do Planalto, a ministra de todas as pastas, a diretora de todos os departamentos e a chefe de todas as seções do serviço público.

É aquela já repetida história: a madre superiora do convento quer todas as noviças executando hinos sacros sem a menor discrepância na partitura nem agudos distoantes diante da batuta. Como alguns ministros nem conseguem tocar flauta ou bater o bumbo, imagina-se que logo sejam substituídos.

INIMIGOS POUCO ÍNTIMOS

À medida em que o tempo passa, mais se acirram as opiniões de Fernando Henrique sobre o Lula e do Lula sobre Fernando Henrique. Quem conversa com os dois, claro que em oportunidades distintas, espanta-se com a agressividade de ambos, um para com o outro. Já se foram os tempos em que imaginaram aproximar a social democracia do trabalhismo, ou seja, um aliança do PSDB com o PT.

Mais longe ainda ficou aquele episódio em que o Lula, presidente do PT, visitou Fernando Henrique, presidente da República, no palácio do Planalto. Hoje parece fantasia lembrar que o sociólogo, todo cheio de mesuras, pediu ao torneiro-mecânico para sentar-se pçor alguns momentos na cadeira presidencial, acentuando que um dia iria ocupa-la por força da vontade nacional. Aliás, o Lula sentou, nas duas vezes.

Pelo que se ouve, Fernando Henrique não perdoa a popularidade do sucessor. E este irrita-se com a respeitabilidade doutoral do antecessor...

INTRIGA INTERNACIONAL

cuidar-se o Lula com as palestras que começou a realizar pelo mundo afora. Aos seus inimigos históricos estão se reunindo desafetos recentes, daqueles que imaginam nada mais ter a aproveitar dele. Os dois grupos questionam a impossibilidade de alguma empresa nacional ou estrangeira, sequer entidades internacionais beneficentes gastarem 200 mil dólares para ouvir palestras de menos de uma hora do ex-presidente, sobre experiências de governo que a imprensa já se cansou de divulgar, por oito anos. Maliciosamente, começam a espalhar que nem Bill Clinton recebe tanto, muito menos Fernando Henrique Cardoso. Assim, o alto valor pago pelas conferências serviria para justificar recursos não contabilizados do ex-chefe do governo.

Trata-se de intriga solerte que seria bom matar na nascedouro, cortando as garras e os bicos dessas aves de rapina travestidas com a plumagem de tucanos. Bastaria tornar públicos os contratos de prestação de serviços, os depósitos bancários e, se possível, o texto de suas


Memória da Imprensa

"PRI" ficou dormindo no apê alugado

da rádio Gaúcha, em frente ao Gigantinho!

Poucos sabiam, mas a rádio Gaúcha alugou um apartamento durante dois dias, ou seja, antes da sexta e do sábado, respectivamente 4 e 5 de julho de 1980( num inverno frio, mas bonito) localizado bem defronte ao Gigantinho, pra que um repórter de lá pudesse narrar melhor os acontecimentos em volta do Gigantinho, onde o Papa João Paulo II foi se encontrar com jovens religiosos no sábado ao meio-dia,antes de embarcar para Curitiba, no finzinho da tarde daquele sábado .

- A família que alugou pra rádio Gaúcha fez isto pr dois dias. Eu passei de lá dois boletins pra rádio e fiz um pequeno box de matéria um ambiental pra Zero Hora, conta o repórter destacado pra cobrir isto, o Paulo Ricardo Soares de Moura, o "PRI"( o apelido vem de sua senha que passou a ter dentro da ZH quando esta, no fim dos anos 80, passou a usar computadores...)

PauloRicardo hoje trabalha apenas na prefeitura de Porto Alegre, onde entrou por concurso. Ele nasceu em Porto Alegre em 20.02.1959 e é filho de José Flávio de Moraes e de Iolanda Soares Moraes. Já residiu na rua São Francisco de Assis,104.

Trabalhou antes da prefa na rádio Farroupilha, na rádio Capital. A Farroupilha ficava na rua Ten. Cel.Correa Lima,2118, no altos do Morro Santa Tereza.


Paulo residiu ainda na rua José do Patrocínio, 804/901.

Foi casado com Vera Lucia com quem tem o filho Horácio.

Atualmente sua companheira é a colega Tais Bretanha, que hoje edita o caderno Carros e Motos do Correio do Povo.

Pauro Ricardo, além de jornalista, é escritor. Tem alguns livros publicados. No dia da consciência Negra, foi homenageado no ano passado pela Câmara Municipal de Porto Alegre.

Mesmo tendo nascido em Porto Alegre, seu nome de guerra ´BAIANO....se você perguntar pelo Baiano, todo mundo sabe quem é...

Talvez suas longas tranças e seu andar vagaroso expliquem este apelido.

Ele é muito encontrado pelos botecos do centro da cidade, quando não está no expediente. Num dos que vai, é do Renato, um pé sujo exemplar que tem na frente do hotel Everest, na Duque de Caxias. Lá o BAIANO conhece todos os frequentadores, aos quais trata pelo nome e com intimidade.
ESPECIAL SEGUNDA-FEIRA, 4 de abril de 2005 — VII
Os dias 4 e 5 de julho de 1980 entraram
para história do Rio Grande do Sul
como a data em que Porto Alegre recebeu
a visita de um dos homens mais importantes
do século XX. O magnetismo da
personalidade do papa João Paulo II e
sua imensa empatia com o público atraiu
a atenção de gaúchos de todas as crenças,
mostrando desde já a capacidade do
então novo pontífice de fazer-se ouvir como
um líder espiritual e político, não
apenas católico. Milhares de pessoas,
tanto fiéis quanto o público atraído pela
celebridade do Papa, ignoraram o frio intenso
da tarde de inverno e aguardaram
a passagem do pontífice ao longo do trajeto
do Aeroporto Internacional Salgado
Filho até a Praça da Matriz. A chegada no
aeroporto se
deu às
17h45min.
Assim que
desceu as
escadas do
avião, Wojtyla
quebrou
o protocolo e, em vez de cumprimentar
primeiro o então governador
Amaral de Souza, abraçou e beijou o cardeal-
arcebispo dom Vicente Scherer. Em
seguida, enquanto anoitecia, o Papa fez o
percurso até o Centro diante de uma
multidão que acenava, jogava papel picado
e mostrava cartazes com mensagens
de saudação. “Tá chegando a hora. A noite
já vem raiando, meu bem, e o Papa
vem chegando agora”, cantava o público
ao longo da Farrapos, à espera do papamóvel.
Assim que o veículo passava, a
população se dirigia ao Centro. Saudado
pelos sinos da Catedral Metropolitana,
João Paulo chegou à Praça da Matriz, esperado
por aproximadamente 60 mil pessoas
que se concentravam para vê-lo.
Em uma cerimônia que começou às
19h02min e durou um pouco mais de 40
minutos, João Paulo II abençoou os fiéis
do alto de um palanque. A música hino
da visita do pontífice ao Brasil, “A benção,
João de Deus”, foi repetida diversas
vezes pelos fiéis. Para o coro que repetia
“O Papa voltará. O Papa voltará”, respondeu:
“O Papa apenas chegou”. Sem formalidades,
depois das bênçãos em latim
e de proferir o discurso no qual agradecia
as palavras do arcebispo dom Vicente
Sherer, ele dirigiu palavras às colônias de
descendentes de imigrantes europeus,
dizendo “louvado seja Jesus Cristo” em
italiano, alemão, polonês e espanhol. “-
Disseram-me que o clima aqui era muito
frio. Eu sinto o contrário, um grande calor”,
afirmou. No encerramento, convidou
o público para rezar o Pai Nosso.
Em seguida, manteve um encontro
ecumênico dentro da Cúria Metropolitana,
do qual participaram os bispos das
15 arquidioceses da igreja católica do Estado
e bispos das igrejas Episcopal e Metodista
e pastores presidentes das igrejas
Luterana e Reformadora, além de um
bispo uruguaio e um rabino representando
a igreja israelita. Ao receber o título de
cidadão de Porto Alegre, Karol Wojtyla
disse que, a partir daquele momento,
realmente era gaúcho. No encontro, expressou
o desejo, que manteve durante
seu papado, da união entre os cristãos.
No dia seguinte, deram-se os momentos
mais importantes da visita, a missa
campal na rótula da rua José de Alencar
e o encontro com vocacionados no Gigantinho.
Depois disso, às 15h35min do dia
5, o Papa deixava Porto Alegre. No trajeto
da Cúria até o aeroporto, do banco da
frente do ônibus que o transportou, acenou
para o público ao longo do trajeto.
No aeroporto quebrou de novo o protocolo,
abençoando
funcionários do
aeroporto. Seus
dois últimos
abraços foram
em uma criança e
em um operário.
Do alto das escadas
do avião, deu
seu último adeus
aos gaúchos.
O local onde o pontífice
rezou sua única missa no
Estado passou a ser
conhecido pela população
como Rótula do Papa


Helena para escola! ( quem vem a ser a neta deste redator...)


Encontro com meu colega de classico cego.


Estava saindo do mercado público, na sexta, e lá vi o evaldo, meu colega cego dos tempos do clássico do Julinho. Lá se vão 40 e tantos anos...
O Evaldo ia pegar o trensurb e ia lá não sei pra onde...Paramos e ele em pouco menos de cinco minutos relembrou o nome de todos os colegas do julinho...lembrei-o que o professor Ulmann de filosofia o mandava ao quadro negro sob o bordão:

- VA A PEDRA EVALDO!!!
Pois me despedi do Evaldo, que pegou sua bengala branca e foi em direção ao trem...

Me lembrei da música do Raul, que fala na cegueira da visão.

É uma homenagem ao meu colega-amigo cego.


Gita


Raul Seixas
Composição: Raul Seixas / Paulo Coelho
- Eu que já andei pelos quatro cantos do mundo procurando, foi justamente num sonho que Ele me falou:
Às vezes você me pergunta
Por que é que eu sou tão calado,
Não falo de amor quase nada,
Nem fico sorrindo ao teu lado.
Você pensa em mim toda hora.
Me come, me cospe, me deixa.
Talvez você não entenda,
Mas hoje eu vou lhe mostrar.
Eu sou a luz das estrelas;
Eu sou a cor do luar;
Eu sou as coisas da vida;
Eu sou o medo de amar.
Eu sou o medo do fraco;
A força da imaginação;
O blefe do jogador;
Eu sou!... Eu fui!... Eu vou!...
Gita! Gita! Gita!
Gita! Gita!
Eu sou o seu sacrifício;
A placa de contra-mão;
O sangue no olhar do vampiro
E as juras de maldição.
Eu sou a vela que acende;
Eu sou a luz que se apaga;
Eu sou a beira do abismo;
Eu sou o tudo e o nada.
Por que você me pergunta?
Perguntas não vão lhe mostrar
Que eu sou feito da terra,
Do fogo, da água e do ar!
Você me tem todo dia,
Mas não sabe se é bom ou ruim.
Mas saiba que eu estou em você,
Mas você não está em mim.
Das telhas eu sou o telhado;
A pesca do pescador;
A letra "A" tem meu nome;
Dos sonhos eu sou o amor.
Eu sou a dona de casa
Nos pegue pagues do mundo;
Eu sou a mão do carrasco;
Sou raso, largo, profundo.
Gita! Gita! Gita!
Gita! Gita!
Eu sou a mosca da sopa
E o dente do tubarão;
Eu sou os olhos do cego
E a cegueira da visão.
Eu!
Mas eu sou o amargo da língua,
A mãe, o pai e o avô;
O filho que ainda não veio;
O início, o fim e o meio.
O início, o fim e o meio.
Eu sou o início,
O fim e o meio.
Eu sou o início
O fim e o meio.

VIVER muito fraquinho


Não adianta:se não tem quem cuida, a coisa não anda....muito fraquinho o caderno Viver do JC, das sextas. Não dá nem mais vontade de pegar. Antes tinha o artigo da Maria e a edição era feita com esmero. Agora virou mais um....

Gustavo Motta

Depois de mais de 20 anos com uma CC do setor do PMDB,. Gustavo Motta bailou na curva da Assembléia Legislativa do Estado.

Isto quer dizer também que Pedro Simon perdeu " força" dentro do partido

- EStão mandando embora os antigos, me disse um dos que trabalham por lá...

E quem sabia que Gustava era CC do PMDB?

Ninguém!


sem transporte

fluvial....

Pelo visto, as barcas não vão circular tão cedo entre Porto Alegre e Guaíba. Entrou a eleição da prefa em 2012 no catamarã....

Eles estão pedindo,né???!!!Lista de aprovados pelo MinC inclui artistas de renome

Personalidades como Maria Rita, Marisa Monte e Erasmo Carlos figuram na lista

O mesmo relatório divulgado nesta semana pelo Ministério da Cultura com a aprovação ao polêmico blog da cantora Maria Bethânia inclui entre os contemplados projetos de Maria Rita, Marisa Monte, Erasmo Carlos e Sula Miranda, todos com pedidos de captação acima de R$ 1 milhão. A informação é doG1.

Mas não é apenas de artistas consagrados que se faz a lista dos beneficiados da Lei Rouanet. Dentre os projetos do setor musical recém-aprovados pelo MinC, há pelo menos 29 que poderão captar mais de R$ 1 milhão e não necessariamente envolvem grandes nomes do cenário nacional — exemplo da Semana de Música Antiga da UFMG, evento de música erudita que conseguiu autorização para captar R$ 1.104.104,45.
Diferentemente da proposta da cantora baiana, dedicada à poesia, os projetos de Maria Rita, Marisa, Erasmo e Sula pretendem destinar a verba obtida com a iniciativa privada mediante a Lei Rouanet a realização de shows e gravação de DVD. Maria Rita, por exemplo, poderá captar R$ 2.195.800 em patrocínio de empresas para cinco apresentações da série Redescobrir Elis. O espetáculo homenageia Elis Regina (1945-1982), mãe da cantora.
Marisa Monte emplacou projeto para quatro shows acompanhada da Orquestra Sinfônica Brasileira, orçado em R$ 4.994.530. As apresentações acontecerão em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba.
Erasmo Carlos também teve projeto contemplado pelo Ministério da Cultura. O tremendão vai comemorar 70 anos com um show, orçado em R$ 1.219.858. A ideia é trazer convidados para a apresentação.
Já a sertaneja Sula Miranda pretende investir o R$ 1.154.175 que conseguiu aprovar pela Lei Rouanet para a produção do show e DVD Sula Miranda — 25 anos de estrada. Com "aproximadamente 65 minutos" de duração, segundo detalhamento disponível no site do MinC, o projeto é destinado à distribuição gratuita aos caminhoeiros do país, principal público alvo da cantora.
“O objetivo é que patrocinadores do segmento automotivo o façam chegar às mãos desse público”, afirma ao G1 Simone Oliveira, secretária de Sula. A página do projeto no site do MinC indica que o DVD teria 250 cópias apenas, mas Simone sugere que pode ter havido erro de digitação e garante que haverá mais cópias. “São cerca de 250 mil”, diz, ressaltando que os altos custos de produção se devem à contratação do maestro Eduardo Lage, famoso pelo trabalho com Roberto Carlos.
À exceção do projeto de Sula, no entanto, que terá ingressos para o show vendidos por R$ 10 e R$ 20, todos os outros projetos dos artistas citados

 


Exército retira celebração de data de início da ditadura


O Exército retirou do seu calendário oficial a comemoração do dia 31 de março, que marca o início da ditadura militar (1964-1985). Até novembro do ano passado, a "data comemorativa" ainda constava do portal do Exército na internet.

A assessoria de imprensa confirmou que o dia constava do calendário de comemorações. Segundo a assessoria, outras datas também foram retiradas. O Exército afirmou por meio de nota que "datas comemorativas constantes do novo portal" são o Dia da Pátria (7 de setembro), o Dia da Vitória (8 de maio), o Dia do Reservista (16 de dezembro) e o Dia da Bandeira (19 de novembro). Ainda segundo a nota, comemoram-se as datas magnas das três Forças Armadas; e as datas de Armas, Quadros e Serviços do Exército (como infantaria e cavalaria).


Coleguinhas


Joabel Pereira está trabalhando na agência de José Barrionuevo.

Há um papo de que ele estaria tentando voltar a Guaíba. Porém há quem ache que esta não se cria....

da coletiva net....

Povo é com ele
Sérgio Zambiasi


Crédito: Divulgação
por Vanessa Bueno

A movimentação no estúdio é grande. A todo o momento, o produtor abre a porta acompanhando mais um ouvinte que veio contar sua história e pedir algum tipo de ajuda. Nessa manhã, divulga-se, entre outros casos, o drama de uma filha que pede por uma cama hospitalar para acomodar o pai enfermo em casa. Quando alguém finalmente liga oferecendo o móvel, o apresentador dispara: “Pronto, fui útil, consegui ajudar. Já está ganho o meu dia”. Trata-se de Sérgio Zambiasi, que, há menos de um mês, está de volta ao programa Comando Maior, da Rádio Farroupilha. “A impressão que eu tenho é de que nunca saí”, conta, referindo-se aos seis anos em que esteve afastado do programa, em virtude de seus dois mandatos como senador pelo Estado.

O comunicador diz que retornou com o mesmo frio na barriga do começo da carreira. “Estava ansioso por esta volta”, ressalta. Quem vê seu entusiasmo em frente ao microfone sabe do que ele está falando. Zambiasi chega na rádio às seis da manhã e, junto com ele, os ouvintes. Sim, o público participa do programa direto do estúdio. O formato foi lançado há 28 anos, quando estreou na Rádio Farroupilha. “Percebi o anseio das pessoas para participarem mais. Então abri espaço para elas mesmas contarem suas histórias”, explica.

Aos 61 anos, orgulha-se de contar que fez sua primeira locução de rádio aos 15 anos. A estreia foi na Rádio Cristal, de Soledade. Avisado por um colega de aula de que a emissora realizaria teste no sábado, ele foi lá e, aprovado, iniciou na segunda-feira seguinte. “Quando eu falei pela primeira vez no microfone da rádio, soube que essa era a minha vocação. Foi para isso que eu nasci”, acredita, convicto.

Sempre solidário

Se sentir útil também foi o que o moveu para atuar na Política. Além dos oito anos como senador, Zambiasi foi deputado estadual durante três mandatos. “Enquanto eu puder, vou ajudar”, diz, revelando que foi muito ajudado por amigos, parentes e vizinhos, que percebiam que sua família passava por dificuldades. Sétimo de oito irmãos, ele é filho de agricultores sem terra, como faz questão de ressaltar. “Meu pai não tinha terra, estava sempre produzindo em parceria com algum fazendeiro”, conta.

Nasceu em Encantado e acostumou-se a mudar com a família para onde tinha trabalho disponível. “O pai nunca aceitou a condição de pobreza que nós vivíamos e tentou nos conduzir para uma ascensão social. Ele era um inconformado, estava sempre atrás de melhores oportunidades”, lembra. Hoje, é motivado por essa vontade de vencer herdada do pai, Fiori, somada à educação vinda da mãe, Antônia. “Ela era analfabeta, mas baixava a disciplina em casa e ai de quem não obedecesse”, recorda.

Com essas características, ele procurou conduzir sua vida pública. Quando começou na Política, se comprometeu a trabalhar pela inclusão social e, assegura, foi o que fez até o último dia de mandato. Nesta linha, gosta de ressaltar, participou de diversos processos de regularização de prédios invadidos. “Levei água e luz para muita gente”, diz, orgulhoso. Aqui, aproveita para destacar que seu negócio na Política sempre foi colocar a “mão na massa”. “Nunca gostei de dar discursos, sou tímido”, assume.

Na Política

Sua identificação com o público que procura a rádio é tanta que, já na primeira candidatura para deputado estadual, ele foi o mais votado, fazendo 366 mil votos na eleição de 1986. “Eu tinha noção do carinho dos meus ouvintes, mas não imaginava tamanha repercussão”, comenta. Mas, era só olhar para os números da audiência para saber o que lhe esperava nas urnas. Quando estreou na Farroupilha, em 1983, demorou apenas 11 dias para atingir o primeiro lugar no ranking. De lá pra cá, só fez aumentar a repercussão do programa. Como deputado estadual, aprovou projetos como a ampliação do trajeto do Trensurb até Novo Hamburgo e a duplicação da ponte de Guaíba.

Hoje, é comum ver pessoas chegando no estúdio da rádio com fotos de 15 anos atrás ao lado de Zambiasi. “Esta aqui é de quando vim à primeira vez no teu programa”, diz a ouvinte para o comunicador. “Bah, mas como eu era novo”, brinca ele. O tom de descontração permeia toda a atração. Em meio a tantos pedidos e ligações, Zambiasi se desdobra para dar atenção a todos que o cercam. E se emociona ao contar histórias como a da dona Maria, que ficou grávida sem saber que o marido era portador do vírus HIV. “Essa mulher é uma guerreira. Realiza o seu tratamento e da criança corretamente, vive em condições de miséria, mas, mesmo assim, se esforça para manter todos os filhos na escola”, comenta.

Em família

Além da apresentação do programa Comando Maior, a rotina do apresentador inclui a produção de uma coluna diária para o Diário Gaúcho. Para facilitar, sua residência é próxima da Farroupilha. Todos os dias ele almoça em sua casa, retornando à tarde para produzir o texto do dia seguinte e resolver questões pendentes da rádio. “Eu gosto muito de estar aqui. Me perco nas horas”, explica. Política para ele hoje só se for procurado por algum colega de partido para dar sua opinião.

Nas poucas horas em que não está trabalhando, gosta mesmo é de curtir o lar. Morando com a filha Tamara, 28 anos, ele aproveita para se aventurar na culinária e colocar em prática as dicas que a filha chef de cozinha lhe dá. Também moram com eles a gata Jô, a cachorra Polly e o cão Zaion. Apaixonado por Porto Alegre, diz que não fez questão de fixar residência em Brasília. Enquanto exerceu o mandato de senador, viajava toda a segunda-feira para a capital brasileira e retornava na sexta para passar o fim de semana com a família e os amigos.

Zambiasi também é pai das advogadas Tatiana, 34, e Tássia, 25, e da estudante de Odontologia Bianca, 18. Há um ano, tornou-se avô da Laura, filha de Tássia. “Amo as minhas mulheres”, derrete-se. Divorciado duas vezes, sobre relacionamentos amorosos limita-se a dizer que está construindo uma relação: “Estamos aprendendo a conviver”.

Vocação

Com o telefone tocando sem parar, mesmo durante a entrevista, ele desculpa-se e atende a todas as chamadas. “Estou sempre disponível para ajudar. Meu trabalho é, para mim, como uma missão social”, afirma. A postura solícita, muitas vezes, lhe forçou a abrir mão de alguns compromissos familiares pelo ofício. Mas, sobre isso, ele é incisivo. “Para ficar comigo tem que entender que a minha vida é assim”, e ainda brinca: “Mas isso não me dá o direito de vir trabalhar mal-humorado na segunda-feira”. Foi sempre assim, desde a rádio Cristal, de Soledade, passando pela Alto Taquari, de Estrela, Itaí e Difusora, de Porto Alegre. Em todas as emissoras, ele dedicou-se a ajudar à comunidade.

O estilo que o consagrou com comunicador das massas inclui jargões como “gente amiga”, ou “gente, gente, gente”. A inspiração, segundo ele, não tem nomes específicos, vem dos inúmeros programas de rádio que costumava ouvir desde criança. Feliz em estar de volta ao seu universo, ressalta que nunca imaginou que alçaria tanto prestígio. “A gente sonha com uma carreira profissional bem-sucedida, mas não tem como prever tamanha repercussão.”

Ao falar sobre o futuro, diz que tem muito a contribuir ainda. E essa contribuição ele pretende fazer ao lado do colega de programa e compadre Gugu Streit, que o substituiu em sua ausência. “O Gugu sempre me assessorou dentro da rádio. Quando eu saí, a escolha de seu nome para meu lugar foi natural”, comenta, enfatizando que o entrosamento entre eles é tanto que as pessoas chegam a confundir os dois. E seu lema de vida não poderia ser outro: “Trabalhar é a minha vocação. Não sou repórter. Nunca fiz uma reportagem. Nem sei que tipo de perguntas deveria fazer. Mas sei comunicar e é isso que me dá prazer”.

Sinergia

Engraçada esta sinergia entre o Sergio Zambiazi e o povão, assim chamado....

Eu sei de alguns colegas que também o ouvem. O JOsé Conti, da TV Assembléia, é um deles....

Na verdade, o Zambiazi faz no rádio um pouco daquilo que Dilamar machado já fez com Vozes da Cidade. Ivan Castro também já fez....

Vipal financiou filme

sobre Chico Xavier


Segundo Arlindo Paludo, diretor da Vipal( e presidente do Sinborsul), o financiamento do filme do Chico Xavier feito em 2008 foi feito por ele( 1 milhão) e pela Vipal( 2 milhões).
- Um filho do Chico,o Eurípedes,me comentou um dia que queria fazer este filme. Procuramos o Daniel Filho, através de uma irmã minha que é jornalista, contou ele na semana passada, durante um café da manhã, no Sheraton Hotel.

Agora será feito mais um filme sobre as Mães que Chico Xavier consolava.

Paulo acha que Chico foi " um ser humano de muita luz"!


Encontro Barack e Dilma dá início ao Novo Mundo Novo

Por Luiz Oscar Matzenbacher

"Em História, ainda mais do que em qualquer outro assunto, devemos evitar provar dos frutos da árvore da ciência. Só os atos inconscientes frutificam deveras, e os homens que desempenham um papel na História nunca percebem a importância do que fazem. Quando porventura isso acontece, imediatamente os seus atos se tornam estéreis".
A frase é do escritor Leon Tolstói, na primeira página do Capítulo IV de Guerra e Paz, sobre a resistência da nobreza, do povo, das milícias e dos exércitos russos contra a invasão do exército de Napoleão Bonaparte à Rússia e contra a ocupação de Moscou em 1812. Tais palavras poderiam ser escritas hoje sobre o encontro entre a ex-presa política da ditadura brasileira, a atual e primeira mulher presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o primeiro presidente negro a ser eleito e a governar os Estados Unidos.
Hoje começou o Ano I da História do Hemisfério Americano, mas provavelmente nem Barack Obama e Dilma Rousseff, possam dimensionar agora, a importância dos abraços e dos beijos nas faces trocados entre os dois no Planalto Central do Brasil, selando o fim das discriminações e o início da definitiva implantação da democracia no continente.
Nem o mais radical militante da integração racial no Estados Unidos em 1972 e muito menos o mais ilustrado preso político brasileiro no mesmo ano, poderiam imaginar tais abraços e tal troca de beijos presidenciais, entre uma ex-militante da resistência contra a ditadura brasileira e um ex-segregado racial norte-americano. Nós que, como a presidenta Dilma Rousseff e milhares de outros e outras, sofremos a crueldade da repressão política dos cárceres da ditadura em 1972, jamais poderíamos sonhar naquela época que tal encontro seria possível. Parabéns ao presidente Barack Obama e à presidenta Dilma Rousseff, vocês começaram a escrever a primeira página do Novo Mundo Novo, junto com todo o Hemisfério ou Continente Americano.


PARTIDO DO KASSAB


A sigla do novo partido de Kassab será PSD - Partido Social Democrata ou Partido Social Democrático.
Já existiu partido com esta sigla.
Da Wikipédia:
Partido Social Democrático (PSD) foi um partido político brasileiro, fundado em 17 de julho de 1945 e extinto pela ditadura militar, através do Ato Institucional Número Dois (AI-2), em 27 de outubro de 1965. Foi formado sob os auspícios de Getúlio Vargas, reunindo antigos interventores do governo federal nos estado, como Benedito Valadares em Minas Gerais, Fernando de Souza Costa de São Paulo, Almirante Ernani do Amaral Peixoto do Rio de Janeiro e Agamenon Magalhães de Pernambuco. Seu código eleitoral era o 41.
Entre 1945 e 1964, junto com o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), formava o bloco pró-getulista da política brasileira, em oposição à União Democrática Nacional (UDN), antigetulista. Durante sua existência, foi o partido majoritário na Câmara dos Deputados, tendo eleito dois presidentes da República: Eurico Gaspar Dutra, em 1945, e Juscelino Kubitschek de Oliveira, em 1955.
Após a extinção do PSD, seus membros se dividiram: uns foram para o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), único partido de oposição à ditadura permitido após a instituição do bipartidarismo com o AI-2; outros ingressaram na Aliança Renovadora Nacional (Arena), o partido que apoiava o regime instalado em 1964.
O partido voltou na década de 1980, novamente com o número 41, mas não obteve o mesmo sucesso das décadas de 40 e 50, associando-se à bancada ruralista. Sua última eleição foi em 2002. Em 2003, o PSD foi incorporado ao Partido Trabalhista Brasileiro.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Líder da Bancada do PMDB entra com Mandato de Segurança contra Emenda nº 4 do PT ao PL do IPE


Os oito deputados que compõem a Bancada do PMDB, através de seu líder, Giovani Feltes, entraram com pedido de liminar urgente – Mandato de Segurança no Fórum Central de Porto Alegre, contra a Emenda nº. 4, de autoria da líder do Governo no Parlamento gaúcho, deputada Miriam Marroni (PT), ao Projeto de Lei nº 58/11 (do Executivo Estadual), que “Introduz modificações na Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010, e reorganiza o Quadro de Pessoal do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências”.
Conforme Giovani Feltes, tal emenda encontra expressa vedação no Regimento Interno do próprio Legislativo estadual além de ser inconstitucional. “Sorrateiramente, na alta madrugada da 16ª Sessão Ordinária da Assembléia Legislativa, realizada no último dia 16, os deputados do PT contrabandearam a contratação de mais 28 cargos de confiança – CCs, dentro do projeto do IPE. Não bastassem os 515 outros CCs que estão sendo criados pelo governo Tarso, transformando nosso Estado numa verdadeira República dos CCs e FGs, querem criar agora os Coordenadores Regional de Participação Popular que, certamente, irão ser destinados aos apadrinhados do atual governo”, ressaltou.
O peemedebista observa que o teor da referida Emenda nº. 4 contém conteúdo estranho ao enunciado na ementa do Projeto de Lei, além de se mostrar infringente ao regramento constitucional. “E, ademais, citada Emenda nº. 4 implica em aumento da despesa prevista em projeto de lei de iniciativa exclusiva do Governador do Estado”.
O Mandato de Segurança, na realidade, encaminhado ao juiz de Direito da Vara da Fazenda Pública da Comarca de Porto Alegre, indica, como autoridade coatora, o presidente da Assembléia Legislativa e, como a pessoa jurídica a que se vincula a autoridade coatora, a Assembléia Legislativa.
OP no IPE
“A Bancada do PMDB toda foi consultada e favorável a este Mandato de Segurança, porque nós entendemos que esse contrabando posto pela líder do Governo Mirian Marroni servirá para criar 28 cargos para o Orçamento Participativo, dentro do projeto do IPE. Eles não poderiam extrapolar a Lei, foram longe de mais. Deveriam ter um certo juízo e ato civilidade. O PT deveria saber e antemão se é ilegal conforme diz o Regimento Interno ou não e isso é pra nós flagrantemente ilegal. E sendo flagrantemente ilegal não poderia nem ter sido aceito pela Casa, para ir à discussão, encaminhamento e para ir a votação, como é esta emenda para OP no PL do IPE”, destacou Giovani Feltes
O deputado disse ainda que a liminar deve suspender a Ordem do Dia de terça-feira (22), que começa justamente pela votação da Emenda nº 4. “Isso é tão repugnante sobre certos aspectos que os partidos da base aliada têm dificuldade em aprová-la. Até porque, o Regimento Interno é claro em seu artigo 165 onde diz que “Não será admitida proposição manifestamente inconstitucional; alheia à competência da Assembléia; anti-regimental; de conteúdo estranho ao enunciado na ementa; inconcludente e de conteúdo estranho ao enunciado na ementa”. Igualmente disciplina, modo cogente, seu art. 187: “ Não serão admitidas emendas que impliquem aumento da despesa prevista: I - nos projetos de iniciativa exclusiva do Governador, ressalvado o disposto no art. 152 da Constituição do Estado; II - nos projetos sobre a organização dos serviços administrativos da Assembléia Legislativa, dos Tribunais e do Ministério Público”.
Veja a íntegra da Emenda nº 4 com os comentários da Bancada do PMDB:
“Projeto de Lei nº 58/2011
Emenda nº 4
Deputado(a) Miriam Marroni
Introduz alterações no PL 58/11, que introduz modificações na Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010, que reorganiza o Quadro de Pessoal do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul.
No PL 58/11, que introduz modificações na Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010, que reorganiza o Quadro de Pessoal do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul, proceda-se às seguintes alterações:
I – altere-se a ementa para a seguinte redação:
“Introduz modificações na Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010, que reorganiza o Quadro de Pessoal do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul, altera a Lei nº 4.914, de 31 de dezembro de 1964 e a Lei nº 10.717, de 16 de janeiro de 1996, e alterações.”
II – o art. 1º passa a ter a seguinte redação:
“Art. 1º - Ficam criados no Quadro de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas do IPERGS, previsto no art. 11 da Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010, os seguintes cargos e funções:
I - 07 (sete) cargos de Gerente de Previdência e Saúde, padrão CC-11/FG-11;
II – 14 (catorze) cargos de Coordenador, padrão CC/FG-10;
III – 36 (trinta e seis) funções de Coordenador de Serviços de Previdência e Saúde, padrão FG-10.
Parágrafo único – As funções gratificadas de Coordenador de Serviços de Previdência e Saúde serão atribuídas na medida em que vagarem as funções conforme art. 7º da Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010.”
III – Introduza-se os seguintes artigos ao PL 58/11, renumerando-se os demais, com a redação a seguir:
“Art. 2º - Ficam criados, no Quadro dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas instituído pela Lei n.º 4.914, de 31 de dezembro de 1964, que reorganiza os Quadros de Pessoal do Estado, estabelece novo sistema de classificação de cargos e dá outras providências, para serem providos na forma do art. 54 da mencionada norma, 28 (vinte e oito) cargos de Coordenador Regional de Participação Popular, Padrão CC/FG-10.”
“Art. 3º - Inclui o inciso XIII no § 1º do artigo 2º da Lei nº 10.717, de 16 de janeiro de 1996, que altera dispositivos das Leis nºs 10.138, de 08 de abril de 1994, 10.395, de 01 de junho de 1995, cria e extingue cargos e funções e dá outras providências, com a seguinte redação:
‘Art. 2º .................
§ 1º ........................
...............................
XIII – Coordenador Regional de Participação Popular.’” – grifei
Como bem se pode verificar, o Projeto de Lei encaminhado pelo Executivo Estadual introduz modificações na Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010, que reorganiza o Quadro de Pessoal do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul, em conformidade com as dotações orçamentárias próprias em vigor.
Já a Emenda Parlamentar telada, além de alterar a matriz da proposição executiva, que altera o Quadro de Pessoal do IPERGS, insere novos cargos no Quadro dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas instituído pela Lei n.º 4.914, de 31 de dezembro de 1964, que reorganiza os Quadros de Pessoal do Estado, gerando flagrante aumento da despesa prevista pelo Projeto de Lei em causa.
Além do que, embora o Projeto de Lei do Executivo trate exclusivamente da Lei nº 13.415, de 05 de abril de 2010, que reorganiza o Quadro de Pessoal do Instituto de Previdência do Estado, a indigitada Emenda nº 4, de autoria da Deputada Miriam Marroni, pretende alterar a Lei n.º 4.914, de 31 de dezembro de 1964, que reorganiza os Quadros de Pessoal do próprio Estado.
Tudo como ressai da correspondente ata daquela 16ª Sessão Ordinária da Assembléia Legislativa, realizada em 16 de março de 2011, com exemplar acostado.
DAS VIOLAÇÕES REGIMENTO INTERNO DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA
2. Segundo norma expressa do Regimento Interno da Assembléia Legislativa, determina seu art. 165:
“Art. 165- Não será admitida proposição:
I - manifestamente inconstitucional;
II - alheia à competência da Assembléia;
III - anti-regimental;
IV - inconcludente;
V - de conteúdo estranho ao enunciado na ementa.” – grifei
Igualmente disciplina, modo cogente, seu art. 187:
“Art. 187 - Não serão admitidas emendas que impliquem aumento da despesa prevista:
I - nos projetos de iniciativa exclusiva do Governador, ressalvado o disposto no art. 152 da Constituição do Estado;
II - nos projetos sobre a organização dos serviços administrativos da Assembléia Legislativa, dos Tribunais e do Ministério Público.” – grifei
Fácil a percepção de que a mencionada Emenda parlamentar contempla conteúdo estranho à Proposição do Executivo, porquanto, enquanto esta dispõe acerca do Quadro de Pessoal do IPERGS, aquela dispõe sobre o Quadro Pessoal do Estado.
Ademais, por gerar incremento na despesa inicialmente prevista, dita Emenda parlamentar resta inadmitida, ao criar novos cargos para o Quadro Pessoal do Estado.
DO FUMUS BONI JURE
3. O bom direito abriga a pretensão do Impetrante está demonstrado ao longo da exordial, e na documentação que a aparelha.
Como exsurge do Regimento Interno da Assembléia, nenhuma emenda parlamentar pode desbordar do conteúdo do projeto de lei encaminhado.
Tampouco será admitida emenda parlamentar que implique em aumento da prevista naqueles projetos de lei cuja iniciativa é exclusiva do Governador.
Como, aliás, preconizam os arts. 60 e 61 da Constituição Estadual:
“Art. 60 - São de iniciativa privativa do Governador do Estado as leis que:
I - fixem ou modifiquem os efetivos da Brigada Militar;
II - disponham sobre:
a) criação e aumento da remuneração de cargos, funções ou empregos públicos na administração direta ou autárquica;
b) servidores públicos do Estado, seu regime jurídico, provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria de civis, e reforma ou transferência de militares para a inatividade;
c) organização da Defensoria Pública do Estado;
d) criação, estruturação e atribuições das Secretarias e órgãos da administração pública.
Art. 61 - Não será admitido aumento na despesa prevista:
I - nos projetos de iniciativa privativa do Governador, ressalvado o disposto no art. 152;
II - nos projetos sobre organização dos serviços administrativos da Assembléia Legislativa, dos Tribunais e do Ministério Público.” – grifei
Não obstante, e muito embora alertado por Deputados da oposição, quando do encaminhamento do referido Projeto de Lei nº 58/2011 e suas Emendas parlamentares, o Impetrado ignorou o próprio Regimento Interno da Assembléia, violando o direito líquido e certo do Impetrante em ter assegurado o devido processo legislativo, disciplinado pelo referido regramento.
Ambos dispositivos antes citados são específicos e soberanos – não serão admitidas emendas parlamentares naqueles projetos de lei de iniciativa exclusiva do Governador, e não serão admitidas emendas com conteúdo estranho ao escopo da proposta originariamente encaminhada.


de São Borja.

EXplicação. Esta carta do poeta Clemar Dias tem sentido: eu o provoquei de que ele não autografaria 15 linhas na sua sessão, e ele agora manda ver...

Quanto ao cagar fora do penico, é uma expressão muito antiga, é que antigamente o penico( ou urinol) era usado nas casas e de manhã se fazia o " descarrego" na patente como se dizia do que durante a noite era feito ...

No inverno, as chamadas " necessidades" eram feitas no penico mesmo.
Lá em Serafina, lembro nitidamente que a gente gurizada atirava o mijo pela janela e embaixo da mesma a grama não crescia, ficava toda queimada....

Sinto pelo teu filling de jornalista mas desta vez ele cagou fora do pinico.
foram 92 livros vendidos na boca do caixa e autografados de corpo presente.
26 que foram distribuidos a imprensa e amigos mais íntimos. agora pela manhã o nosso TELELIVROS entregará mais 4. A gente não acerta todas, mas de vez em quanto... Esta tudo registrado em arquivo digital quem viver verás.
As vezes é preciso acreditar mais nos amigos.
Clemar Dias

Barak X Dilma


O sempre visionário Matz faz umas loas a visita do caixeiro-viajante do Império Norte americano....

Calma, Matz, primeiro eles mandaram na frente o senador aquele que foi uma das primeiras autoridades que a presidenta recebeu em Palácio.

Aí tem uns aviãozinhos que o Brasil vai adquirir....

Não tem entusiasta tanto, Matz!!!!

E a nossa presidenta pro bem ou pro mal vai governar muito mais junto aos americanos que o ex dela, no caso, o Lula...

É fácil de entender: como foi " guerrilheira" em outra época de sua vida, quer provar,agora às elites que é outra mulher. E o é.....( ainda bem que não votei nela...)

 


CaixaRS financia R$ 141,8 milhões na Expodireto 2011


Os órgãos envolvidos com o novo sistema de desenvolvimento econômico do Rio Grande do Sul comemoraram nesta sexta-feira (18) os resultados obtidos na Expodireto em Não-Me-Toque. Nos cinco dias do evento de negócios, a Caixa RS garantiu a assinatura de R$ 141,8 milhões em pedidos de financiamento.

Como em 2010 o volume de recursos contratados foi de R$ 45,3 milhões, o crescimento na atual edição foi de 213%.

Para o secretário de Desenvolvimento e Promoção do Investimento, Mauro Knijnik, a atuação da Caixa RS na 12ª edição da feira de agronegócio promovida pela Cotrijal esteve focada nos objetivos do novo modelo de desenvolvimento do atual Governo do Estado.

"Queremos agregar valor ao agronegócio, espalhar o crescimento pelas regiões do Estado e buscar novos mercados para os nossos produtos", disse Knijnik. "Tudo isso acontece em Não-Me-Toque, em uma feira que impressiona os seus visitantes a cada ano". O secretário t ambém destacou a presença de delegações e de empresários de outros países, o que contribui para a internacionalização da economia gaúcha.

Com o compromisso de fomentar o agronegócio, o estande da CaixaRS recebeu a visita de agricultores, pecuaristas e agroindústrias interessados sobretudo em financiamentos de tratores, colheitadeiras, plantadeiras e demais implementos agrícolas. O destaque foi o programa Finame Agrícola e PSI (Programa de Sustentação do Investimento), com ênfase nos setores de armazenagem, irrigação e mecanização agrícola.


Sem Pulo e Túnel do tempo


clique na imagem para ampliar


clique na imagem para ampliar

Olá pessoal,
Remeto a Sem Pulo e o Túnel do Tempo
deste sábado que escrevo na Folha Popular.
Qualquer observação, colaboração ou acréscimo de detalhes
será bem vindo.
Abraço
Rudimar Thomas


Amizade na Câmara de Porto Alegre

Adeli Sell, do PT e Luiz Braz do PSDB não se dão bem apenas no local de trabalho:desenvolveram uma amizade que até se visitam em casa....


de São Borja

Pro leitor entender: a carta irada do poeta Clemar Dias sobre meu erro de quantos livros ele venderia na sexta passada deve-se a que poucas horas antes da sessão de autógrafos lhe escrevi apostando que não autografaria mais do que 20 exemplares.

Ele ficou quieto e agora me manda a resposta. Mas é que na sexta,diante da TPA(Tensão Pré Autógrafos) ele me escreveu desafiando:

- SE AUTOGRAFAR MENOS QUE 50 LIVROS VOU DAQUI DE SÃO BORJA A PORTO ALEGRE A PÉ NU.....

Bah, pensei que uma viatura da PRF teria que acompanhar o nosso poeta sãoborjense mas pelo visto não vai ser necessário....

Parabéns ao Clemar,então, pelo desempenho.( mas também mandou 26 exemplares pra " jornalistas-amigos" se isto não é um baita lobby, o que é lobby então...)

Coleguinhas

A FSB cobriu muito bem a morte do bebê que nasceu durante parto no Hospital Infantil Ivan Goulart no domingo retrasado.
Deu capa e meia página dentro do jornal.
O que se diz a boca pequena deste assunto é impublicável porque dá processo....

Findi....


No domingo, 18 horas, no santander cultural o show do bluseiro ANDY JUST....norteamericano. Corra porque os ingressos vão esgotar.


Voltam os filmes...na cinemateca do Santander, no sindibancários e por aí...


Também há a semana de Porto Alegre(consulte no site da prefa o cronograma....)

Programa de findi..


ANA PRADA faz participação em programa de flashbacks


Neste sábado (19.03), às 18h30min, a grande revelação feminina da nova música uruguaia fará uma participação especialíssima na abertura da temporada 2011 do programa de TV uruguaio Vivila Outra Vez.
Apresentado pelo Saeta TV Canal 10 (http://www.canal10.com.uy/), Vivila Outra Vez recorda os grandes momentos da história da televisão, da música, do cinema, do jornalismo...nos últimos 54 anos, início das transmissões televisivas no Uruguai. Ana Prada, que neste ano estará em turnê por diversos países da América e Europa, vai apresentar o top ranking de all times de música latina, inglesa e americana. A ‘cantautora’ também elaborará junto com o público (que poderá participar via email ou Facebook), o primeiro ranking das melhores canções da história da música popular uruguaia.
O canal 10 uruguaio é um dos mais assistidos no país vizinho e a curiosidade é que ele retransmite por lá as novelas da brasileira Record.


Guto Villanova
Jornalista

A HISTÓRIA DAS AEROLINEAS ARGENTINAS DESDE 1950


Primeira companhia aérea a iniciar serviços regulares atravessando o Pacífico Sul Buenos Aires, Nova Zelândia e Austrália

De Buenos Aires
Gelson Farias

A Aerolíneas Argentinas é a maior companhia área da Argentina tanto em voos internacionais. É responsável por cerca de 40% dos voos internacionais que partem do aeroporto internacional Ministro Pistarini, localizado, na região de Ezeiza, e 80% dos vôos domésticos, do Aeroporto Jorge Newberry, o Aeroparque, centro de Buenos Aires. A Aerolíneas Argentinas e Lan, Ailines, são as únicas empresas latino-americanas que voam à Oceania.


Mariano Recalde, presidente da Aerolíneas Argentinas, e Cristina Kirchner .
História
Em 1949 as companhias aéreas argentinas se fundiram para a criação da Aerolíneas Argentinas. A empresa começou a operar em sete de dezembro de 1950. Como a Argentina na mesma época não contava com um aeroporto de grandes proporções, o governo Perón construiu também o Aeroporto Internacional Ministro Pisterini Na década de 50 começa a voar para São Paulo com os Douglas DC-4 e para o Rio de Janeiro com os Dougla DC-6 , que possibilitou rotas até Nova York, Havana, Dakar e Lisboa. Em 1959 inicia sua expansão mundial com a entrada na aviação a jato e a aquisição de seu primeiro Comet IV, o Tres Marías. Rotas para Londres, Paris, Roma e Madri são iniciadas no decorrer da década. Em 1966 começa a substituição dos Comet 4C pelos Boing 707 -320, nos vôos intercontinentais e novos Sud Sud Aviation Caravelle III e Avro 748 III e para as rotas internas. A partir da década de 70 chegam os Boing 737-200"Advanced", 747-200 e 727-200 e a empresa inicia uma grande estratégia publicitária com a aparição em filmes e a venda de licenças para a fabricação de seus modelos em brinquedo, prática que se mantém até hoje.



Interior do aeroporto de Auckland, Nova Zelândia

Torna-se em 1980 a primeira companhia aérea a iniciar serviços regulares atravessando o Pacífico Sul ligando Buenos Aires A Auckland e Sydney a e usando o Boeing 747. Atualmente a rota é operada com o Airbus A340-200. Na década de 90, como parte do programa de privatizações do estado feito por Carlos Menen a empresa passa ao controle da estatal espanhola Iberia.. Uma gestão desastrosa levou ao fechamento de escritórios no exterior e a venda de aeronaves. A incorporação da Austral não tirou a empresa da crise que culminou, em 2001, com a suspensão de sete vôos internacionais, a convocatória de credores e a venda da empresa.



Aeroporto da Nova Zelândia, ( Auckland )

O controle da empresa passou então para um consórcio formado pelas companhias aéreas espanholas Spanair e Air Comet junto com o Grupo Marssns que adquiriu 92,1% das ações. Com a má gestão da Iberia, os efeitos sobre a aviação dos ataques de 11 de setembro e a grave crise econômica argentina, a empresa se viu forçada a encerrar suas rotas internacionais por alguns dias no começo de 2002. Recebeu então uma injeção de US$ 50 milhões de dólares e pode voltar a prestar seus serviços, saindo no mesmo ano da convocação dos credores após o plano de reestruturação da empresa ser aceito. Em julho de 2008 o Grupo Marsans foi obrigado a se retirar do comando da companhia pelo estado argentino por dívidas que chegavam ao valor de 890 milhões de dólares O governo argentino então decidiu estatizar a empresa com o objetivo de manter os empregos e as rotas em funcionamento. Após inúmeras negociações com a oposição que era contra a entrada do estado e o pagamento das dívidas herdadas da administração passada, o projeto foi aprovado no senado argentino em setembro de 2008 e transformado em lei em dezembro do mesmo ano. Em Janeiro de2009 a presidenta argentina Cristina Kirchner nomeia uma nova diretoria para administrar a empresa. Essa nova diretoria terá como missão renovar a empresa com a compra de novos aviões e a reativação de rotas abandonadas após a crise vivida pela empresa. Em [Outubro de 2010, a Aerolineas confirma em seu site a assinatura de um memorando, assinado em Amsterdã, em final de outubro de 2010, para entrar na aliança de linhas aéreas Skyteam, se juntando assim a aliança que conta com o grupo liderado por empresas como Delta Airlines, , Air France KLM, Alitalia, dentre outras.

As aeromoças, nos aviões novos da Aerolineas Argentinas...

Serviços
A empresa oferece aos seus clientes dois tipos de serviço, chamados Cabina Principal e Club Cóndor. Na Cabina Principal são servidos (de acordo com a duração do voo e do horário de partida e chegada) uma refeição ou um lance acompanhado de bebidas com ou sem álcool. Nos voos intercontinentais os passageiros possuem a opção de assistir filmes e utilizar canais de áudio e entretenimento No Club Cóndor os passageiros possuem ademais um assento mais confortável e com maior distância entre as fileiras, uma maior atenção por parte da tripulação com um menu com vários pratos, além de uma extensa carta de vinhos. Os clientes do Club Cóndor possuem também acesso às diferentes salas VIP em vários aeroportos operados pela companhia.

Aeropoarque
Desde março do ano passado, as 56 freqüências que a Aerolíneas Argentinas tem para o Brasil estarão pousando no Aeroparque (foto) e não mais no aeroporto internacional de Ezeiza. Transferir as operações de Ezeiza para o Aeroparque se deve a facilidades de conexões para outros destinos dentro da Argentina, além do fato de ser um aeroporto mais central.

Aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires

A presidente Cristina Fernandez levou à apresentação de novas aeronaves em Aerolineas Argentinas Aeroparque Metropolitano Há o chefe de Estado agradeceu aos sindicatos que compõem a companhia aérea nacional da planta contribuição feita nos últimos meses para recuperar a empresa. “Aerolineas Argentinas é o lugar onde ele nunca deveria ter saído “, disse o chefe do Executivo Nacional. No total, 12 novos aviões incorporar Airlines. O primeiro Boeing 737-700 está atualmente no Aeroporto Metropolitano, e é as primeiras novas aeronaves adquiridas pela empresa após a sua nacionalização nos últimos 16 anos. O segundo avião deste tipo chegou ao mês de Junho. Os restantes aviões chegarão até o final do ano


Presidente Cristina Kirchner

Cada um dos novos 737-700 custarmos US $ 38 milhões e foram pagos em dinheiro, financiada pelo Banco Nacional Estado e da Nação. O objetivo é recuperar freqüências e destinos que não são abrangidas, tanto na Argentina e na América do Sul. Além disso, esses navios permitem uma poupança de 30% no combustível. Representa também uma maior economia na operação, menor custo de manutenção e baixas emissões de poluentes, além de maior conforto e segurança. Finalmente, estes modelos têm mais autonomia para vôos regionais e direto cabotagem: 6.000 km, o que permite que os voos de até 8 horas.


Interior do Jumbo, foto acima da Aerolineas

MANCHETE:


Governo criará Comitê do Diálogo. Além do já criado CONSELHÃO.
Governo Tarso Genro.
Deverá ser o Comitê Enrolation.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

PISO DOS PROFESSORES


Nada como estar no governo; foi criado o Piso Nacional dos Professores, projeto do Senador Cristovam Buarque ( ex-PT, agora PDT, embora, em 1989, tenha participado da elaboração do Programa de Governo do Brizola para Presidente ); aí o PT e o CEPERS, na oposição a Yeda, queriam que ela o implantasse imediatamente, já; mudou o Governo, assumindo o Tarso, o mesmo informou que implantará o tal piso até 2014 e estabeleceu o percentual de 8,5% de aumento para os professores, alegando que é um índice maior que o da inflação do período; o CEPERS não concorda nem com o aumento e, tão pouco, com a implantação do psio até 2014; esta concordância é para valer, ou é "combinada" ? Haverá ameaça de greve ? Se o Governador eleito tivesse sido o Fogaça, qual seria a atitude ? Creio que o ano letivo nem teria começado. Já estariam em greve, querendo o piso já.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Livro


Fico realmente chateado. se soubesse poderia ter ido. O livro chegou, hoje, quinta...

Fica pra outra. bom churrasco e boa festa e um abraço aos meus amigos da beira do Rio Uruguai.


Eu sou o maior propagandista de São Borja e por isto só levo ingratidão, mas não faz mal, deixa estar jacaré que um dia a lagoa há de secar.

O Mazzarino já me disse que eu tenho 4 amantes em São Borja de tanto que falo de lá....É que a cabeça do Mazzarino é deformada mesmo.Quem faz um jornal como o GUAXO não pode ser certo da cabeça, mesmo.


Que interessante foi postada no dia 10/03/011 quer dizer que hoje faz seis dias tempo mais que sufuciente para que tenhas recebido. Enviei junto o convite no qual te convoco para vir e registrar o que vai acontecer aqui nesta sexta feira dia 18 as 19hs no Museu Casa João Goulart. (tem comes e bebes) Mandei um e-mail ao Wolmer e não tive resposta agora fiquei preocupado com este silencio.
se tiveres como tentes dai. È uma pena se vcs não vierem pois estão vindo os amigos Fernando O'Donnell e de Santa Maria o nosso Poeta José Nelson Corrêa
e outros que ainda não conheces. No sábado faremos um churrasco nos Angueras. Ai imaginas quanta conversa vai ser jogada fora, com um atenuante: Os Chatos não terão convite. ( aquele que tu pensou).
Quanto ao charme da minha filha é inerente a mulher missioneira.
Que a pobrezinha não saiba: mas e uma das mais feinha que saiu daqui.
Considerações sobre o livro:
É um Livro como diz o Titulo: Pequenos Contos Missioneiros.
Escrito numa linguagem no estilo missioneiro de ser, simples como são os nativos destas bandas. conta de guerras e revoluções com narrações vindas pela históriografia oral. causos que este escriba juntou nos fogões de invernos na bocas dos carijos. Leia o livro e depois nos diga.


Clemar Dias


Governo do Estado propõe reajuste de 8,5% ao magistério


Em reunião com o CPERS Sindicato, nesta quarta-feira (16), o Governo apresentou propostas para contemplar os 17 itens de reivindicações feitos pelos professores no início do mês. Em relação aos vencimentos do magistério estadual, o Executivo propõe um reajuste de 8,5% para toda a categoria, mais o pagamento de parcela autônoma para equiparar os vencimentos dos níveis iniciais ao Piso Nacional.

Foi entregue, ainda, um documento, no qual o Governo reafirma o compromisso com a educação pública, gratuita, laica e de qualidade social. A proposta foi elaborada a partir da pauta entregue pelo CPERS/Sindicato em reunião realizada em 28 de fevereiro.

Entre as propostas apresentadas, está garantia da não-implementação da meritocracia e a realização de concurso público até o final do ano. Confira os itens do documento:
1. Manutenção dos planos de carreira: não há discordância com esta reivindicação.
< strong>2. Regularização das promoções do plano de carreira e pagamento dos atrasados: no momento, está sendo feito o levantamento referente ao ano de 2003, a fim de abrir vagas para concurso.
3. Não implementação da meritocracia não à avaliação externa: Não estabeleceremos a política de diferenciar salário a partir de verificação de resultados, nem vamos promover competição entre escolas e professores o que só aprofundaria a desigualdade.
4. Inclusão dos funcionários de escola que ficaram fora do Plano de Carreira: Assunto será debatido conjuntamente com a categoria
5. Realização de concurso público no Estado com imediata nomeação: O concurso ocorrerá até o final de 2011 para provimento de cargos no ano de 2012.
6. Fim dos contratos emergenciais: Ocorrerá na medida em que forem realizados os concursos públicos.
7. Garanti a do IPE público somente para os servidores e seus dependentes; Não à Reforma da Previdência: Reafirmamos os compromissos de garantir o IPE público e estabelecer um amplo debate sobre a previdência estadual.
8. Extensão do pagamento de reajustes dos ativos aos aposentados: faz parte das políticas do Governo do Estado o respeito à paridade entre ativos e aposentados.
9. Política de reajuste Salarial: O espaço e a mesa de negociações estão garantidos na Câmara Temática que integra o Codipe - Comitê de Diálogo Permanente.
10. Pagamento dos Precatórios e RPVs: Estão garantidos esses pagamentos atendendo à ordem, cronograma e valores determinados e publicamente divulgados.
11. Não às privatizações e terceirizações no serviço público e não à municipalização do ensino: O processo de municipalização foi interrompido. Como cabe aos municípios cumprir a obrig ação constitucional com a oferta da educação infantil, propomos uma política de apoio técnico para a captação de recursos às prefeituras junto ao MEC para a construção de escolas de educação infantil. Sobre as terceirizações do processo educativo, foram interrompidas as iniciativas que substituíam a obrigação do Estado e a ação direta do professor.
12. Regularização dos repasses de verbas para as escolas: Foi restabelecido o repasse integral das verbas da autonomia financeira às escolas com os repasses em dia, tendo como base os critérios já adotados, entre eles o número de alunos matriculados e o IDEB.
13. Melhoria das condições de segurança nas escolas: Já está em curso uma ação pela Segurança no Trânsito para a volta às aulas, e o desenvolvimento de uma ação conjunta ao longo do ano, articulada de forma a ampliar e potencializar as ações relativas também a ações de combate à violênc ia, prevenção às drogas, com a promoção de formação de docentes para que efetuem uma transversalidade destes assuntos no currículo das escolas.
14. Garantia da gestão democrática da escola com eleição de diretores: A Secretaria da Educação está reforçando a ampliando o conceito de gestão por meio do fortalecimento dos conselhos escolares e da construção coletiva das políticas educacionais, além do respeito ao Conselho Estadual de Educação com órgão de Estado.
15. Respeito à liberdade sindical e garantia de cedência dos 15 diretores estaduais e dos 42 diretores dos núcleos do CPERS-Sindicato: Já atendido, tanto com a cedência como com a revogação da Ordem de Serviço 04/2008.
16. Anulação dos descontos e pagamento dos dias de greve de 2008 e 2009: Reafirmamos o compromisso de abonar as faltas recebidas pelos professores das greves de 2008 e 2009, uma vez que os dias letivos foram recuperados e estabelecermos um calendário para o pagamento desses dias.
17. Implementação do piso salarial Nacional: O Governo propõe um reajuste de 8,5% para toda a categoria, mais o pagamento de parcela autônoma para equiparar os vencimentos dos níveis iniciais ao Piso Nacional. Assim, o Nível I, Letra A, 20h, por exemplo, que hoje recebe R$ 356,62, passará a perceber, com o reajuste de 8,5%, R$ 386,93. Para equiparar o vencimento ao Piso Nacional, receberá, também, uma parcela autônoma de R$ 207,05, totalizando R$ 593,98. A parcela autônoma será paga sempre como complementação aos vencimentos que ficarem abaixo do Piso Nacional, tendo-o como limite.

Clima amistoso marca protesto do Grêmio contra arbitragem na Federação


Dirigente conversou com Francisco Noveletto sobre a atuação de Márcio Coruja no sábado
O assessor de futebol do Grêmio, César Cidade Dias, esteve reunido com o presidente da Federação Gaúcha de Futebol para conversar com Francisco Noveletto sobre a arbitragem de Márcio Coruja na derrota do Grêmio para o Cruzeiro, no último final de semana. Segundo os dois envolvidos na conversa, o clima foi bastante amistoso. Não houve qualquer tipo de veto.


"O árbitro me desrespeitou", diz Carlos Alberto

Márcio Coruja nega que tenha ofendido Carlos Alberto
– Não se pode tratar isto nem como uma reclamação. Foi apenas uma conversa com o Noveletto. Mostramos nossas preocupações ao presidente – disse César Cidade Dias.
No lance mais polêmico da partida de sábado, o meia Carlos Alberto acusou o árbitro Márcio Coruja de ter faltado com o respeito dentro das quatro linhas.
– Está tudo certo. Já estou acostumado. Mas o que vale é a interpretação do juiz. Não tem prova nenhuma contra o árbitro. Falamos sobre o jogo, fizemos algumas ponderações e ficou tudo acertado – afirmou o presidente da Federação Gaúcha de Futebol.
O Grêmio não vetou o nome de Márcio Coruja para apitar os próximos jogos do Tricolor.

 


Coleguinhas


Com o Arlindo Paludo de presidente do Sinborsul, ontem, o café da manhã foi no Sheraton. Não vi comida..só suquinho e café. eu ali esperando pra comer...achei que viese depois mas não veio comida. que fraquinho. bom café mesmo é o do PLAZINHA, onde eu tomava com o serginho ros....Sheraton, muita balaca e pouco comida...


A VIDA VENCENDO A MORTE


Os seqüestrados e torturados durante a ditadura na Argentina

De Buenos Aires
Gelson Farias

Em Outubro, dando seguimento as minhas matérias sobre a ditadura na Argentina, estive, pela sexta vez, tentando fazer a visita guiada ao Espaço para La Memória sem sucesso. Parte da dificuldade se devia à minha falta de datas. Em três ocasiões, fui participar de reuniões de jornalistas, da América do Sul e do Caribe – confesso, foi onde consegui saber como chegar nestes locais. A outra parte se refere à falta de estrutura do próprio espaço: praticamente não havia guias para fazer a visita. Em uma ocasião (em janeiro, agora ) simplesmente não havia visitas, nem alguém com quem se pudesse conversar. Foi difícil não apenas fazer a visita, mas também encontrar um tom para escrever este texto e dar-lhe um título. Tentei fugir de qualquer analogia religiosa ou ficcional, mas não consegui encontrar termo melhor (ou pior) que inferno, para definir o que encontrei sobre a ditadura. Posso garantir, Olides, como "IMPRESIONTE".
Por outro lado, posso dizer que tive a honra de contar com a colaboração da jornalista Enriqueta Sollares, Free do Jornal Clarin, nesta reportagem.

Observar o crescimento do uso do lugar por diversas entidades me alegrou. De alguma maneira, dá-se vida a um lugar onde tantas vidas foram destruídas. Mesmo em janeiro, vi prédios aberto e funcionando, pessoas circulando. Gente. Vida.

Entrada da casa, hoje serve ao “Espacio para la Memoria”.


Marcada para as 10h, a visita começou umas 10h25 – o que foi ótimo, diga-se de passagem, porque cheguei atrasado e nada perdi – e estendeu-se até as 13h. O que estava procurando era algo mais profundo do que uma simples matéria sobre a ditadura. Eu queria mais. Tinha de descobrir algo além do inexplicável. Era algo mais do que estivesse em discussão e em aberto na sociedade argentina – seja pelos processos judiciais em que há réus acusados de crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura, seja pela disputa sobre o que fazer com a ex-ESMA e como era financiada com dinheiro estrangeiro a ditadura da Argentina. Eu queria saber se havia algo onde o governo assumia uma posição clara no presente a respeito do passado recente e da atualidade. E, óbvio, que, estas declarações não estariam ali, para eu descobrir... Ou vocês acreditam que a Argentina de hoje, se preocupa, como os outros países, incluindo o Brasil, em mostrar ( quero dizer ) abrir oficialmente os arquivos – contar o que realmente aconteceu durantes a ditadura -- para construir um novo futuro. Ora. Isso é uma utopia.
Mas o que descobri, lendo os documentos, foi saber, em primeiro lugar, das discussões que, por exemplo, resultaram na decisão do governo argentino de estabelecer uma política de Estado de montar equipes de antropologia forense para investigar valas comuns em cemitérios, buscando identificar vítimas (seqüestrado-desaparecidos/desaparecidos/assassinados) durante a ditadura.


O nome oficial atual é Ex-Centro Clandestino de Detención, Tortura y Extermínio "Escuela de Mecánica de la Armada" (ESMA). Mais do que um título extenso, representa o reconhecimento, por parte do Estado argentino, do que houve naquele terreno. Acredito que a verdade nua e crua, pura e simples, dita abertamente, é a única forma que permite à mudança, a superação de problemas do passado, a percepção dos erros, de maneira que equívocos similares possam ser discutidos e combatidos no presente. E evitados no futuro. A corajosa decisão de retirar o local das mãos da Marinha e transformá-lo num pólo de organizações de direitos humanos foi tomada pelo governo de Nestor Kirchner e continuada no de Cristina. Existiu e existe, porém, uma luta ferrenha dentro do governo e da sociedade argentina sobre o que fazer com os prédios e com quem eles devem ficar.
A medida foi tomada em 2004, em conjunto, pelo presidente Néstor Kirchner e pelo então prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri. Um resumo do processo está aqui. Um dos pontos que me impressionou ao ler o documento, e que praticamente, toda vez que mencionar algo em termos de mudança/renovação da postura do Estado argentino em relação a direitos humanos, durante a o regime de opressão militar, foi a alegação do próprio governo, que disse, em todos os pedidos de informações da sociedade, “ não ter gente suficiente para fazer o controle sobre a apuração de torturas cometidos contra estudantes e trabalhadores, etc”. A meu ver, não é obra do acaso: trata-se de uma falta de consideração. O governo era de Carlos menen.
Hoje o espaço sofre com a falta de financiamento promovida pelo prefeito Mauricio Macri. A área é administrada por uma autarquia que combina prefeitura, governo federal e sociedade (no caso, movimentos sociais ligados a direitos humanos). É esta entidade, por exemplo, que contrata as pessoas que trabalham lá. No prédio, funcionam, além da ex-ESMA diversas organizações como Mães UNESCO, Secretaria de Direitos Humanos do Mercosul, e a Iniciativa Latiamericana para Identificar Pessoas Desaparecidas.

O terreno principal da ex-ESMA( foto) tem cerca de 20 hectares e conta com 35 prédios. Possui muitos acessos, está próximo a avenidas largas e a uma autopista por onde circula grande quantidade de gente. Está perto do Aeroparque, de onde partiam os vôos da morte, nos quais os seqüestrados eram jogados vivos no Rio da Prata ou no Oceano Atlântico (aliás, esta foi uma forma usada para dar fim aos presos político durante a ditadura argentina. Daí resulta uma contradição: neste local movimentado funcionou um centro clandestino de detenção durante sete anos e meio, mas pouco se falava a respeito, inclusive por conta da propaganda governamental (que contava com apoio e subscrição da mídia gorda), cujo slogan "no te metás" ("não se meta").
A repressão tinha diversos objetivos. Um deles era matar, na sociedade e no povo, a organização, a capacidade de luta, a idéia de tomar os rumos do país nas próprias mãos. Esse esforço implicou o desaparecimento de cerca de 30.000 pessoas entre 1976 e 1983. Sumiram não apenas elas, mas a maior parte do que produziram: textos, poesias, cartas, desenhos, pinturas etc. O esforço para calá-las incluiu a tentativa (na maioria das vezes, vitoriosa) de destruir qualquer forma de manifestação.

Inglória da nação: navios de guerra ( foto) adornam a grade
que cerca o antigo campo de concentração
Em tempo: registre-se que, tal qual no Brasil, houve militares que resistiram e foram perseguidos, presos, assassinados, expulsos de seus trabalhos etc. (E continuam sendo perseguidos no presente, que firam afastados, oficiais, sargentos e cabos da Força Aérea Brasileira em outubro de 1964.) Estes militares eram minoria, mas existiram e cumpriram importante papel histórico. Na Argentina, parte deles se reunia em uma organização chamada, pelo que anotei, CEMIDA (Centro de Militares para Democracia). Nos documentos da para se ler claramente que houve sim senhor a participação desde o início do regime militar argentino, da França e Estado Unidos na organização da repressão, fornecendo equipamentos, treinamento, know-how, financiamento e apoio político. (Para quem quiser saber a respeito da contribuição do governo dos EUA para a violação sistemática de direitos humanos nas ditaduras do Cone Sul, é só verificar que no Brasil, eles também tiveram uma participação desde o início no processo do Golpe Militar de 64. A contribuição do governo Frances, foi trazer para os militares brasileiros e argentinos, os métodos usados na repressão ao movimento de independência da Argélia nos anos 1950).
O jornalista colombiano Fausto Aguerria, que participava do encontro dos jornalistas da América do Sul e Caribe, me disse que: a situação na Colômbia, há décadas, e, igual ou pior do que a ocorrida nas ditaduras do Cone Sul. Mas, do ponto de vista formal, existe uma democracia por lá. E, do ponto de vista político, um governo neoliberal que tem apoio dos EUA e da mídia gorda internacional (incluindo a brasileira). Portanto, nada a dizer ou a fazer a respeito, na opinião destes setores.


Propaganda do empreendimento imobiliário com o
"Parque da Reconciliação" do lado oposto da avenida.
De acordo com o com a documentação em 1979, a ESMA recebeu a visita de uma comissão designada pela Organização dos Estados Americanos (OEA), para realizar um relatório expondo as violações de direitos humanos cometidas pelo regime e fazendo uma série de recomendações – as quais, evidentemente, foram ignoradas. Criou ainda uma oficina internacional para ouvir denúncias de violações. Montava-se uma mesa em praça pública (na Praça de Maio) e os representantes estrangeiros ouviam os depoimentos. Esta oficina foi fundamental para legitimar a existência da figura do desaparecido político – governo, direita, mídia gorda e setores da sociedade diziam que isto "não existia" -, bem como dos familiares de desaparecidos. Tais conceitos adquiriram forma e materialidade nas filas que se formavam, diariamente, com centenas de pessoas que queriam falar. Criou-se um espaço para ouvir dotado de credibilidade e, imediatamente, elas correram para contar suas histórias. Vale lembrar que, naquele momento, espaços como mídia comercial, instituições do Estado e até mesmo confessionários religiosos eram suspeitos e poderiam ajudar a perseguir ou entregar à repressão quem se atrevesse a procurá-los para falar.


Olides.
“Esta foto ( acima) faz parte de um dos documentos. Ela mostra o pátio traseiro do Cassino de Oficiais, onde os carros desembarcavam com os presos seqüestrados. Lembra da matéria que fiz ano passado, sobre os estacionamentos subterrâneos usados pelo governo militar durante a ditadura, aqui na argentina. Uma destes estacionamentos tinha ligação com parte deste terreno, aqui, ilustrado nesta foto”, com a Plaza de Mayo.


As mães da Praça de Maio, a procura de seus filhos queridos
Os preparativos para a visita levaram a mudanças na organização do Cassino de Oficiais, principal prédio de tortura e detenção dentro da ESMA, de maneira a maquiá-lo. Estas modificações tinham um duplo objetivo: negar a existência de um campo de concentração e extermínio e, ao mesmo tempo, deslegitimar as denúncias. Isto se fez, por exemplo, mudando de lugar escadas de alvenaria (destruindo a existente e construindo outra, em outra parte do prédio), levantando paredes para esconder a localização de elevadores etc. Ou seja, alguém relatava que fora levado do subsolo (onde funcionavam as principais salas de tortura) para o terceiro andar (onde ficava o principal cativeiro) de elevador, e os membros da comissão não viam elevador algum no prédio. Durante o período da visita, os presos foram trasladados para uma ilha por um barco que saiu da cidade de Tigre. Ficaram em uma casa de campo para retiros espirituais (!) cedida pela Igreja Católica.


Como se pode perceber, o apoio da Igreja Católica argentina à ditadura e à repressão não se deu unicamente em termos discursivos e/ou ideológicos, mas também através de ações materiais bastante concretas. Por outro lado, a Igreja Católica, tanto naquela época quanto hoje, não era um bloco homogêneo. Um momento emocionante para mim, dando conta dos sopros de alívio em meio à repressão, foi quando o guia destacou a importância de Dom Hélder Câmara para a luta social na Argentina, tanto para os de dentro da Igreja quanto para os de fora.


Na aparência, um prédio estatal comum.
Fisicamente, aos olhos, é só um prédio público como outro qualquer da América Latina. Parecem com várias escolas, faculdades, instalações militares, hospitais, postos de saúde que já vi ou estive. A cor bege, predominante, as paredes com o reboco partes caindo, o chão e as escadas com degraus escorregadios, velhos e gastos... O lugar, Olides, é sinistro... Dá arrepios. Confesso que tive vontade de chorar, ao saber que ali, esteve muitos pais de família, médicos, estudantes, donas de casa, ou melhor, homens e mulheres, seres humanos, simples trabalhadores que tiveram suas vidas ceifadas por mentes diabólicas, monstros sanguinários movidos por uma paixão doentia de conseguir o poder custe o que custar. Eu mando e tu obedeces. Muitos morreram não somente por discordar do governo, mas simplesmente por ter opinião diferente, o que é totalmente subjetivo, ao ser humano. Eu posso ser teu amigo, mas isso não quer dizer que eu deva concordar com tudo... Eu tenho os meus pontos de vistas... Na ditadura havia algo mais do que obedecer aos militares. Eles eram os senhores absolutos. Tinha até um slogan "no te metás" ("não se meta").
Uma observação. Tirar fotos aqui, nem pensar...

O subsolo onde funcionavam as salas de tortura, é úmido, quente, abafado e tem teto rebaixado em uma das salas (precisei abaixar a cabeça para não bater em vigas de sustentação). Em dado momento, a divisão do espaço em saletas separadas por divisórias de madeira incluía banheiro, biblioteca, refeitório, salas de tortura, salas de oficinas (incluindo uma de falsificação de documentos), enfermaria etc. A distribuição das salas e do espaço do salão foi mudando ao longo do tempo. As obras para "melhorar" o espaço – ou seja, adequá-lo às necessidades impostas pela maneira de operar vigente em cada período – eram realizadas pelos próprios seqüestrados, em regime de trabalho escravo.
VOO DA MORTE

Jornalismo de ficção do bom e do melhor: reportagem do Clarín sobre prisioneiros da ESMA apresenta-os como "extremistas que se entregaram voluntariamente" e se encontram em "processo de recuperação". O trabalho escravo era parte deste do "processo de cura" imposto aos raros escolhidos para sobreviver
Enquanto uns eram torturados e assassinados, outros eram obrigados, após o período de tortura, a realizar trabalhos, com a perspectiva de sobreviverem. ("Após o período de tortura", evidentemente, é modo de dizer. Calcule o que é ficar preso num lugar e trabalhar de forma escrava ouvindo gritos de companheiros torturados e assassinados nas salas em volta, enquanto, por alguma razão bizarra, você foi escolhido para sobreviver.)
A falsificação de documentos, por exemplo, facilitava aos agentes da repressão a entrada em movimentos e organizações sociais. Um agente lotado na ESMA infiltrou-se nas Mães da Praça de Maio e obteve dado que permitiram o seqüestro e assassinato de várias mães que fundaram a associação. Já na enfermaria, aplicavam-se injeções de pentotal nos seqüestrados a serem embarcados nos vôos da morte.
O grau de bizarrice da ESMA não tem precedente e comparação mesmo em relação aos demais centros de detenção na Argentina. Isto se explica, em grande parte, porque o lugar funcionava em função do projeto político – com aspirações presidenciais – do almirante Emílio Massera, que morreu no final do a no passado. .


Emilio Massera
O papel aceita qualquer coisa: Massera e seu "Partido para a Democracia Social". Tal como a daqui, a ditadura de lá pariu um PDS.
Houve estudantes secundaristas da ESMA (que faziam curso para se tornarem suboficiais), colocados para montar guarda e para trabalhar como carcereiros e/ou torturadores. Ou seja, o regime obrigou garotos de 17 e 18 anos a cometer crimes como parte da rotina de trabalho e estudo. O terceiro andar do Cassino de Oficiais ficou conhecido como La Capucha, nome que expressa o fato de que todos os prisioneiros eram obrigados a usar capuzes. Calcule o que é passar dias, semanas, meses sem poder dirigir a palavra a outros prisioneiros, sendo chamado por um número e sem ver a luz, um rosto humano ou qualquer cor… Lá atuaram como carcereiros muitos dos jovens estudantes da ESMA.

Nesta capa de uma revista de Córdoba, uma matéria maravilhosa. Nela, o jornalista Pablo Senne, conta que houve cerca de 500 crianças raptadas e entregues para adoção durante a ditadura. Destas, 102 tiveram sua identidade recuperada. Ou seja, após processo judicial, descobriram e identificaram os verdadeiros pais. Em La Capucha funcionava diariamente… uma maternidade. Estima-se que 35 nenês vieram a este mundo na ESMA. Onze deles já sabem sua identidade. (Sobre a espinhosa questão do reconhecimento, recomendo o belíssimo documentário H.I.J.O.S – El Alma en Dos.)
O último caso de identificação entre os 102, relatado na reportagem Trata-se de um advogado da Força Aérea argentina. Lidando com processos judiciais envolvendo a busca de reconhecimento de identidade de filhos de militantes, bateu-lhe a dúvida a respeito de seus próprios pais. Voltemos no tempo. O pai do garoto trabalha na Força Aérea… Por admirá-lo e por causa da criação que tem, o menino decide entrar para a Aeronáutica. Ao lidar com os processos, pensa sobre sua idade e história… Bate a dúvida. Enfrenta o processo de identificação e descobre que aqueles que lhe criaram na verdade não são seus pais. Pior: que o ato de adoção e de troca de identidade pelo qual se integrou a esta família é parte do sistema montado pela repressão. Nasceu na ESMA e sua história é semelhante às dos processos nos quais defende a Aeronáutica…
Durante a minha visita ao antigo campo de concentração, comecei a pensar sobre mim mesmo. Na minha vida pessoal e profissional É que a história se cruza com as nossas vidas. E muitas coisas às vezes se combinam e influenciam uma à outra de modos raros e, às vezes, improváveis. E como, raramente, temos a oportunidade de parar para refletir sobre tais assuntos. Os caminhos e descaminhos de minha vida pessoal de estar hoje aqui. Hoje é menor e menos importante do que já foi no passado. Amigão Olides. Seja como for, a visita à ex-ESMA me deixou emocionado.


Mídia corporativa e ditadura: tudo a ver
Os documentos citam a proprietária do Grupo Clarín (principal agregado de empresas a compor o oligopólio da mídia gorda argentina) responde a um processo que já dura nove anos a respeito de dois de seus filhos, supostamente adotados.O documento destaca ainda sobre o papel crucial dessa mídia argentina na legitimação da repressão. Papel, aliás, que ela continua desempenhando ao calar sobre o tema e ao se posicionar contra a apuração e divulgação da verdade e contra o acerto de contas com o passado. Na maior parte do tempo, simplesmente se cala. Na Argentina e no Brasil.

Nesta foto, tirada por Enriqueta, foi um instante em que se descuidaram da guarda, sobre nós, na sala. Eu estava fazendo a leitura de um documento que me foi tirado das mãos por um dos guardas do local. Posso te garantir Olides, nunca tinha visto nada igual, nem ai no Brasil. O local é cuidado por vários policiais do governo, alunos da ex-ESMA. Eu estava com o documento onde tinha os nomes e as fotos de repressores que atuaram na ESMA, durante p regime militar, aqui da argentina.
Eu acreditava como jornalista ao visitar o lugar que o espaço criado para a memória é justamente estimular a que se fale sobre o assunto. Trata-se de uma pequena, mas significativa possibilidade de romper o "pacto de silêncio" que se estabeleceu entre os militares e civis que participaram da repressão. Os civis (médicos, enfermeiros, cozinheiros, guardas, jornalistas, serventes, técnicos, pedreiros, engenheiros, secretárias) que trabalharam ou passaram pelo local, tampouco. Muito menos os setores da classe dominante argentina e internacional que tiveram participação crucial no regime: empresas multinacionais, mídia corporativa, (não é só no Brasil que uma entidade do setor agrário representa o que há de mais atrasado, reacionário e antidemocrático na sociedade…). A verdade às claras e em público (II): a marca d'água do painel é uma lista em construção dos nomes de parte dos 5 mil seqüestrados que passaram pela ESMA - dos quais apenas cerca de 200 sobreviveram Na Argentina, há um padre preso por participar da repressão (houve párocos que repassavam aos militares informações ouvidas no confessionário). Há processos contra um médico, um ex-ministro da Economia, um juiz e, como dito antes, a dona de um dos oligopólios de comunicação do país. Ou seja, apuram-se os crimes contra a humanidade cometidos no período e as investigações atingem o andar de cima da sociedade.

Galeria de desonra: réus no processo da ESMA
De tudo que a visita me fez pensar, e de todas as diferenças notáveis entre passado e presente, percebo um ponto em comum: aqueles continua sendo um lugar de intensa atividade política. Em um dado momento, foi ponto chave de articulação e de prática da repressão (e, obviamente, de resistência por parte das vítimas) e do projeto político de Emilio Massera. Hoje, e cada vez mais, lugar de intensa atividade política de entidades de direitos humanos. Para chegar lá: pegar a linha C (azul escura) do metrô em direção a Retiro e descer nessa estação. Trocar para a estação de trem e comprar um bilhete da linha para Tigre. Descer na estação Rivadavia. Em janeiro de 2011, o bilhete custava $ 0,80 (com subsídio do Estado nacional, como informa o verso). Guarde-o, pois não é preciso pagar a volta, mas é necessário inseri-lo na roleta na saída em Retiro. Pode-se também pegar um ônibus que vá toda a vida pela Avenida del Libertador.
Há várias entradas pela Av. del Libertador. A principal, de onde sai à visita, fica entre os números 8200 e 8300.

Olha aí a chiadeira do Sérgio!


Te mandei um texto sobre Esquerda e Direita.
Por que que quando o texto enviado tel algum expressão entre "........................". no lugar das aspas entra o ponto de interrogação?
SERGIO OLIVEIRA

Jango e a Legalidade


Durante a recente interiorização do Governo do Rio Grande do Sul na cidade de São Borja, berço do trabalhismo no Brasil, o Governador Tarso Genro oficializou a criação de comissão em alusão ao aniversário de cinqüenta anos da campanha da Legalidade. Na condição de representante do Presidente Jango, sinto-me honrado em fazer parte deste grupo de trabalho que tem o dever de propor um calendário comemorativo de um movimento que marcou a história de nosso país.
Vale recordar, em tempo, que ao renunciar a presidência da república no dia 25 de agosto de 1961, Jânio Quadros surpreendeu a toda a população brasileira. Os três ministros Militares, Odílio Denis, Grun Moss e Silvio Heck, imediatamente tornaram pública sua posição de não permitir que João Goulart assumisse a Presidência da República que a Constituição de 1946 lhe garantia. O golpe era iminente, pois impedir a posse do vice-Presidente eleito pelo voto direto significava rasgar nossa carta Magna.
Nesse momento surge a liderança do Governador Brizola, que mobilizou todo nosso Estado em prol da posse de Jango, falando ao povo pela rádio e iniciando o movimento denominado a rede da Legalidade. Em 27 de agosto de 1961, através do rádio, Brizola faz o seguinte discurso: “Cumpre-nos reafirmar nossa inalterável posição ao lado da legalidade constitucional. Não pactuaremos com golpes ou violência contra a ordem constitucional e contra as liberdades públicas”. Assim sendo, entrou para a história, com méritos, por ser o personagem principal da Legalidade.
Mas e qual o papel de João Goulart neste movimento? Se por um lado, o Governador Brizola protagonizava no Rio Grande do Sul um dos maiores atos político de resistência de nossa história, Jango articulava uma forma de evitar um confronto direto com as forças armadas e com os setores conservadores do Brasil. Naquele momento em que a legalidade de Brizola ganhava espaço no país inteiro, João Goulart preferiu assumir a Presidência da República sob o manto do regime parlamentarista, aceitando a limitação de seus poderes presidencialistas.
Entre a possibilidade real de assumir a presidência em seus plenos poderes sem aceitar concessões, utilizando-se da truculência, quem sabe até fechando o Congresso Nacional, Jango preferiu pacificar a acirrar ódios, preferiu harmonizar a estimular ressentimentos. O fato é que ao optar por não levar adiante o ímpeto que tomava conta do Rio Grande do Sul, talvez tenha evitado uma Guerra Civil no Brasil.
De nossa parte, atuando na Comissão da Legalidade ora oficializado pelo Governador Tarso Genro, estaremos sempre lembrando o perfil conciliador, pacífico e democrático de João Goulart, que queria ver sim em seu Governo as profundas reformas estruturais do Estado brasileiro, mas sempre pela via do diálogo. Teria este sido um erro? A história há de julgar.

Christopher Goulart
Presidente do Memorial João Goulart

OS PANGARÉS SALTAM FORA


Por Luiz O Matzenbacher


Chegou o momento decisivo para os cinco clubes brasileiros na Libertadores. É a vez de provar quem é pangaré ou chegador. Tranquilos, estão o Cruzeiro, que lidera o grupo com folga; e, o Internacional, mais apertado. Os mineiros massacraram por 6x1 o Mazembe do Corinthians (o Tolima da Colômbia), na Arena do Jacaré. O Internacional passou por cima da altitude e do feriado municipal de Cochabamba, vencendo o Jorge Wilstermann, na Bolívia, por 4x1. Cruzeiro e Internacional têm mais de 70% de chances de classificação como líderes de grupos.
O Grêmio vai ter que jogar muito nos dois últimos jogos para chegar líder. O Júnior de Barraquilla, clube sobre o qual o colombiano Nobel de Literatura, Gabriel Garcia Márquez, escreveu suas primeiras reportagens, pode disparar na ponta. É jogo duro.
Mais difícil é a vida do Santos. Não passou pelo terremoto do Colo-Colo, o clube mais popular do Chile, lá em Santiago. E o Flu tem salvação?

Coleguinhas


Adriana Franciosi, fotógrafa de ZH, chegou ontem pra fotografar evento no Sheraton do lançamento dos 200 anos de Pelotas. Me disse que nasceu no hospital de Serafina.


Elton Primaz, editor de O Sul, participou ontem de dois eventos: primeiro no da borracha,depois no de Pelotas(matou dois coelhos numa só cajadada....)


Linei Zago está desempregado. Se alguém souber de algo, prenda o grito....Linei estava no Palácio, mas saiu com o fim do governo Yeda.


Linei foi quem conseguiu a famosa entrevista com o presidente João Figueiredo....

E isto que ele não era o produtor do programa AGORA, da Guaíba, onde a entrevista foi pro ar....


Que entrevista? ah, babaca de leitor, aquela que o Figueiredo, já fora do governo, mostrou que pote de mágoa que ele tinha com o povo....Figueiredo achava o povo um ingrato, e eu concordo com ele....

Tem por exemplo uma empresa de comunicação muito grande aí, mas bota grande nisto, que se fez na ditadura. Assim que virou eles passaram a chamar a ditadura de ANOS DE CHUMBO....

De São Borja

Criança morre
e Polícia investiga a causa!


A Policia Civil vai abrir inquérito pra apurar as causas da morte de Greice Loureiro no último domingo, dia 13.03 ocorrrida no Hospital Infantil Ivan Goulart.

As acusações iniciais seriam de negligência médica.


O delegado local Charles Nascimento diz que o corpo do recem falecido, que foi enterrado no domingo mesmo no cemitério Jardim da Paz, será exumado pra apurar as causas de sua morte.

São Borja tem apenas um hospital. O outro, o São Francisco está fechado desde 2004 e o vereador Celso Lopes, do PDT, luta pela sua reabertura e sua federalização.


CONLUIO ENTRE VIGARISTAS


Por Carlos Chagas


Não foram ainda corrigidos certos vícios que vem do governo Lula. Um deles é a interferência da euforia exagerada nas estatísticas divulgadas a respeito da criação de novos empregos. Ainda esta semana tomamos conhecimento, por informação oficial, da criação até agora, este ano, de 280.799 postos de trabalho, com certeira assinada. Os números poderão estar certos, mas o reverso da medalha é maliciosamente escamoteado: quantas demissões ocorreram no mesmo período? Não erra quem supuser ao menos 100 mil, dentro da injusta relação praticada entre capital e trabalho.

Mas tem pior. Por conta dessa ilusória criação de novos empregos, movimentam-se porta-vozes das elites econômicas para evitar a crítica de que não vem cumprindo suas obrigações, já que os investimentos sociais da iniciativa privada deixam a desejar, fora as exceções de sempre.

Virou moda na Fiesp e congêneres defenderem-se dizendo que eles criam empregos e pagam impostos. Vamos com calma: criam mas também suprimem empregos. E se pagam impostos, não é com a facilidade, a abnegação e o patriotismo que afirmam. A classe média e os pequenos empresários não tem outro remédio que apresentar-se ao leão, ou melhor, o leão ronda implacavelmente suas casas e escritórios. Os maiorais, no entanto, contestam, discutem e levam suas obrigações à barra de tribunais administrativos e da Justiça, quando não sonegam. Ganham tempo precioso e salvam recursos monumentais. Basta ir ao site da Receita Federal para se ter notícia de que mais de um trilhão de reais deixou de entrar nos cofres públicos.

Apesar disso, são os maus pagadores os primeiros a celebrar as informações decorrentes da exagerada euforia do governo. Uma espécie de conluio entre vigaristas.

DE OLHO NA PREFEITURA

O ex-presidente Lula reúne-se hoje com os prefeitos do PT que governam cidades paulistas com mais de 100 mil habitantes. De início um reparo: por que discriminar os companheiros de municípios menores?

A finalidade do encontro, genericamente, é reforçar o partido com vistas às eleições do ano que vem. Precisam aumentar o número de seus alcaides, hoje 70, no total, em especial para diminuir a influência do PSDB no estado.

Na prática, as atenções voltam-se para a prefeitura da capital, onde o prefeito Gilberto Kassab encontra-se de malas prontas para sair do DEM, fundar um novo partido e logo em seguida aderira ao PSB, ou seja, virar governista e dilmista desde criancinha. O PT quer retomar o palácio dos Bandeirantes, perdido por Marta Suplicy para José Serra e depois para Gilberto Kassab. Principalmente porque o atual prefeito tem direito a mais um mandato, tudo indicando que vai disputar a reeleição.

Nomes não faltam para o confronto, mas se o PT insistir em Marta Suplicy ou Aloísio Mercadante,o risco será de nova derrota. Um nome ganharia a eleição, mesmo se fizesse campanha na África. Será?

EXEMPLO

Do Japão, não se tem notícia de saques a residências, invasões de supermercados ou de multidões desesperadas percorrendo sem rumo as ruas das cidades mais atingidas pelos terremotos e tsunamis. Em ordem, sua população busca recuperar aquilo que a natureza levou, conformando-se com o grande número de vítimas fatais. Mesmo a terceira tragédia, do vazamento em usinas nucleares, é enfrentada com estoicismo e coragem. Belo exemplo que deveria ser seguido em todo o mundo, mesmo onde as catástrofes, naturais ou causadas pelo Homem mostram-se bem menores.

CONFIRMAÇÃO

Confirma-se a informação de semanas atrás, a respeito de pretender o presidente Barack Obama, dos Estados Unidos, estabelecer ampla parceria com o Brasil para multiplicarmos nossa produção de etanol, que seu país importaria tentando implantar, lá, a mistura do produto com a gasolina. Caberá à presidente Dilma Rousseff debater a questão das tarifas que oneram amplamente o etanol brasileiro.

Outra notícia também confirmada: os americanos querem garantir o compromisso já celebrado de receberem boa parte do petróleo a ser extraído do pré-sal. A Petrobrás já vem recebendo muitos milhões de dólares por conta da operação futura, recursos utilizados no difícil trabalho de extração.


De São Borja

Neste sábado, serão comemorados em São Borja, no Museu da Estância, os 40 anos do festival da Barranca, que sempre se realiza na semana santa, a beira do rio Uruguai.

Pelo menos é o que informa Clemar Dias, que no dia anterior estará autografando seu livro de contos missioneiros.

" Vai ser uma borracheira",prevê um fã dos Angueras que deverá ir ao churrasco.

Pra comemorar os 40 anos, os Angueras, cujo fundador foi,entre outros, o poeta Aparício Silva Rillo, serão realizados 4 shows no EStado:um em Porto Aelgre, um em Caxias do Sul , um em Santa Maria e pra finalizar, um ( com entrada franca) na semana santa, durante o festival da Barranca, em são borja.

Os Angüeras - Grupo Amador de Arte, Associação civil, com finalidades artístico-culturais, com sede na cidade de São Borja, fundou, em 09 de outubro de 1982 (ano em que São Borja completou o tricentenário de fundação histórica), mantém e administra o "Museu da Estância". O museu é especializado em Ergologia Campeira (termo derivado do grego - "érgon" (trabalho) + "logos" (tratado) + "ia" (parte da Etnografia Cultural que trata da herança material dos povo - no caso, da herança material advinda das estâncias / fazendas da região das Missões e da Fronteira do RS.).
Chamado Museu da Estância, é ou pretende ser um repositório dos móveis, utensílios, veículos e trastes em geral que amparam o curso temporal das Estâncias ou Fazendas no Rio Grande do Sul e, genericamente e por extensão, de outros objetos que fizeram florescer esses estabelecimentos pastoris gaúchos. Nessa perspectiva, reúne sob seu teto todos aqueles elementos da cultura material gauchesca que, direta ou indiretamente, ajudaram o homem da região da Missões e da Fronteira (de que São Borja é uma espécie de divisor de águas), a consolidar, de 1801 e esta parte, a sociedade de pastoril - modernamente transformada em agro-pastoril - de que fazemos parte, dinamizada no tempo e no espaço por nossos ancestrais.
Um grande número de peças e elementos do que poderíamos chamar de "civilização do gado" em nossa região, não mais existem ou estão em vias de acelerado desaparecimento. Por isso a urgência de uma instituição como esta, onde, com o vagar e a pertinácia que os ideais como esse requerem, se possa reunir essas peças em processo de extinção - antes que, num amanhã cada vez mais próximo, seja impossível reuní-las. A chamada memória regional se deteriora a cada novo dia. Vimos perdendo nossas origens materiais a cada hora que passa. E entendemos - nós, de Os Angüeras - que temos compromissos com as gerações vindouras para que tal não suceda. Que fique pelo menos este Museu de pé, a contar o que fomos e de onde viemos.
Com o auxílio do Poder Público de São Borja, a que se aliou modestamente o nosso trabalho pessoal, foi possível construir o prédio que sedia o Museu - com área de aproximadamente 700 m2, falta, somente, continuar reunindo o máximo de peças para composição do acervo, sua razão de ser e de existir.
O Museu da Estância não é e não será de Os Angüeras unicamente. Bem mais do que nosso será, sempre, patrimônio da comunidade. Venha conhecê-lo.


MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA:


CHILE, URUGUAY, PARAGUAY, BRASIL, BOLIVIA Y PERU

Unidad en la accion contra la impunidad de los genocidas del Operativo Condor

Con la presencia de representantes de las comisiones legislativas de Derechos Humanos de Uruguay, Chile y Argentina, de representantes de organismos de los paises de América Latina, abogados querellantes de las causas de los crìmenes de lesa humanidad, de periodistas, profesores universitarios, académicos, militantes sociales, sindicales, este martes 22, y miércoles 23 concretarán el Primer Encuentro Latinoamericano por la Memoria, Verdad y la Justicia. Operativo Condor, el andamiaje represivo montado en la década de los sesenta y setenta por las dictaduras militares manipuleadas desde Estados Unidos, en la Cámara de Diputados de Argentina, a instancia del vicepresidente de la Comisión de Derechos Humanos y Garantías, el diputado nacional Remo Carlottto se concretará con libre acceso al encuentro.

Entre los representantes de Paraguay se encuentra Martín Almada, ex preso político, quien descubrió los Archivos del Operativo Condor en Asunción, cuya documentación ofició de disparador para juicios en América Latina y Europa.
También asiste del país vecino, el doctor Rodolfo Asaretto, del CIPAE, una de las entidades responsable de impulsar los juicios y las denuncias en el exterior de la morosidad de los mismos.
En tanto desde Brasil, participaran entre otros el histórico dirigente Jair Krischke, fundador y consejero del Movimiento de Justicia e Direitos Humanos do Cone Sul, Joao Vicente Goulart, hijo de Joao Goulart, ex presidente, asesinado en el exilio en el marco del Operativo Condor.
En cuanto a quienes arriban desde Chile, se cuenta a René Leal Hurtado, Director de la Escuela Latinoamerica, con sede en Santiago; el doctor Alberto Espinoza, abogado de las causas en trámite en ese país y el presidente de la Comisión de Derechos Humanos, el diputado nacional Hugo Gutierrez Alvarez.
De Argentina, entre otros expositores están el doctor Jorge Auat, Fiscal General de la Unidad de Coordinación y Seguimiento de las Causas por Violaciones a los Derechos Humanos de la Procuración General de la Nación; el doctor Jorge Osorio, Fiscal de Instrucción causa Operativo Condor en nuestro país, la escritora y periodista Stella Calloni, el doctor Gerardo Etcheverry, uno de los abogados querellantes de la causa Operativo Condor, el doctor David Leiva, de Memoria, Verdad y Justicia de Oran, Salta, con la denuncia de los militantes de Perú y Bolivia, detenidos desaparecidos en Jujuy y Salta, en la represión. Y el diputado nacional Remo Carlotto, en su calidad de vicepresidente de la Comisión de Derechos Humanos y Garantías de Argentina. Un listado que en los días que restan se sumarán nuevos disertantes.
De Uruguay ya confirmaron la senadora nacional Constanza Moreira y el diputado nacional Luis Puig, integrante de la Comisión de Derechos Humanos; el periodista Roger Rodríguez, Ariel Silva, de la Fundación Benedetti, Macarena Gelman, entre otros. Empero, de acuerdo a la información se espera la confirmación para el cierre del Encuentro de Eduardo Galeano, por cuanto el día anterior, es decir el 22 una de las actividades en el mes de la memoria, estará en Mendoza.
Es que para el final de las jornadas, mas precisamente el miercoles 23 a partir de las 15 un plenario abierto de las organizaciones sociales, sindicales y movimientos sociales asistentes por la Memoria, la Verdad y la Justicia, mientras que el jueves 24 se participaran de la marcha de repudio a los 35 años de la dictadura militar.

 


La Agencia de Noticias DH, es autonoma y es editada en la Capital Federal desde diciembre 2007


ARGENTINA: ENCUENTRO LATINOAMERICANO POR LA MEMORIA DDHH
BUENOS AIRES, 16 (ANSA) - Con la presencia de representantes legislativos, organismos de Derechos Humanos, abogados querellantes, ex presos políticos y militantes sociales de Uruguay, Chile y Argentina, entre el martes y miércoles venideros se concretará el Primer Encuentro Latinoamericano por la Memoria, Verdad y la Justicia, en Buenos Aires.
El encuentro fue convocado bajo el lema "Unidad en la accion contra la impunidad de los genocidas del Operativo Condor" y se realizará en la Cámara de Diputados de Argentina, a instancia del vicepresidente de la Comisión de Derechos Humanos, el legislador Remo Carlotto.
Entre los representantes de Paraguay se encuentra Martín Almada, ex preso político, quien descubrió los Archivos del Operativo Condor en Asunción, cuya documentación ofició de disparador para juicios en América Latina y Europa. De Uruguay ya confirmaron su asistencia la senadora nacional Constanza Moreira y el diputado nacional Luis Puig, integrante de la Comisión de Derechos Humanos; el periodista Roger Rodríguez, Ariel Silva de la Fundación Benedetti, y Macarena Gelman, hija robada durante la dictadura y que recuperó su identidad. El escritor uruguayo Eduardo Galeano podría sumarse al panel, pues el martes estará en la provincia argentina de Mendoza, donde recibirá el Doctorado Honoris Causa de la Universidad de Cuyo.
La jornada en el Congreso argentino finalizará el miércoles por la tarde con un plenario abierto de las organizaciones sociales, sindicales y movimientos sociales asistentes, mientras que el jueves 24 las delegaciones visitantes participarán de la marcha de repudio a los 35 años de la dictadura militar argentina. GAT
16/03/2011 23:16
© Copyright ANSA. Todos los derechos reservados.
- Télam – jue, 17 mar 2011 .

La operacion condor, tema de encuentro latinoamericano por la memoria


Buenos Aires, 17 de marzo (Télam).- El Primer Encuentro Latinoamericano por la Memoria, Verdad y Justicia se desarrollará entre el 22 y el 24 de marzo próximo en la Cámara de Diputados, en coincidencia con el 35 aniversario del golpe militar.
La temática del encuentro será la denominada Operación Cóndor, plan coordinado por las dictaduras militares de Argentina, Chile, Brasil, Paraguay, Uruguay y Bolivia en la década del `70 para perseguir y exterminar a los opositores.
El evento es organizado por el vicepresidente de la Comisión de Derechos Humanos y Garantías de la Cámara baja, Remo Carlotto, y contará con la presencia de parlamentarios, funcionarios, académicos y víctimas de todos los países involucrados.
La apertura será el martes 22 a las 9, en el Salón Auditorio del Edificio Anexo de Diputados, y estará a cargo de Carlotto y de la titular de Abuelas de Plaza de Mayo, Estela de Carlotto.
También expondrán el diputado de Uruguay Luis Puig, la senadora Constanza Moreira, el titular de la Comisión de DD.HH. de Diputados de Chile, Hugo Gutiérrez Gálvez; y Martín Almada, descubridor de los archivos del Operativo Cóndor en Paraguay.
Por la tarde, a las 15, el fiscal general de la Unidad de Coordinación y Seguimiento de las causas por violaciones a los derechos humanos, Jorge Auat, ofrecerá un informe sobre el estado de las causas enla Argentina, y lo mismo harán sus pares de Brasil, Perú y Bolivia.
El miércoles desde las 9, en tanto, abogados de Paraguay, Chile y Argentina expondrán sobre las causas que llevan adelante y a las 11.30 periodistas, escritores y académicos brindarán su testimonio.
A las 15, se realizará un plenario abierto con la participación de organismos de derechos humanos, movimientos sociales y sindicales y a las 21 finalizará la jornada con una peña latinoamericana.
El jueves 24, al conmemorarse el Día de la Memoria, Verdad y Justicia, los expositores visitarán el salón de la Casa Rosada de los Héroes Latinoamericanos y por la tarde participarán de la movilización que se realizará como todos los años hacia la Plaza de Mayo.(Télam).-

Demissão


O que se comenta é que o repórter GUSTAVO MOTTA teria sido demitido do setor de rádio da Assembléia Legislativa do Estado, onde está há mais de 20 anos.


No setor, se informa que ele tirou férias....


INDÚSTRIA GAÚCHA DA BORRACHA
MANTÉM CRESCIMENTO EM 2011

Claudio Bergman

Claudio Bergman

Presidente do Sinborsul, Arlindo Paludo, apresentou desempenho do setor da borracha aos jornalistas em Porto Alegre.


O setor gaúcho da borracha tem como bom indicador de seu desempenho em 2011 a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias – ICMS, que poderá alcançar R$ 120 milhões, um incremento de 7,2% sobre o ano anterior. A avaliação foi feita hoje (17.3) pelo presidente do Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha do Rio Grande do Sul (Sinborsul), Arlindo Paludo, durante café da manhã para a imprensa, realizado no Sheraton Hotel, em Porto Alegre.

Claudio Bergman

Claudio Bergman


A projeção de crescimento das exportações em cerca de 10% e a manutenção de aumento de postos de trabalho, principalmente no subsetor de pneumáticos, que se consolida como importante polo produtor do país, leva o Sinborsul a estimar um incremento no desempenho industrial do setor de 5,3% em 2011.
Embora este início de ano apresente queda nos indicadores de desempenho da indústria de transformação gaúcha, acompanhando o PIB nacional, e por consequência, do setor da borracha, e o cenário macroecoconômico aponte pela continuidade da valorização do Real, pelo aumento das pressões inflacionárias e uma forte possibilidade de elevação da taxa Selic já na próxima reunião do COPOM, com o objetivo de colocá-la em um patamar capaz de estabilizar preços, o Sinborsul aposta que o desempenho do setor da borracha no segundo semestre de 2011 permitirá atingir o crescimento previsto.
O significativo investimento já anunciado por três empresas do setor de pneumáticos, estimado em R$ 700 milhões nos próximos 3 anos, poderá ter seu cronograma alterado por uma evidente perda da capacidade financeira causada pela elevada taxa Selic e influenciada pela retração do crédito para investimento.
As exportações do setor, embora em cenário cambial adverso, deverão ultrapassar os US$ 326 milhões, mas a balança comercial continuará, pelo segundo ano consecutivo, apresentando déficit – US$ 30 milhões.
Todt Comunicação


Convites esgotados


Mesmos jornalistas que sempre almoçam no TA NA MESA da Federasul durante o ano não foram convidados pro almoço do governador Tarso...

Diziam Martin Fierro...QUIEN MUCHA SE AGACHA EL CULO SE LE APARECE....

“Convenção do Diretório Municipal do PSDB”


Prezado (a) amigo (a),
Convido você, que é filiado ou filiada ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) na cidade de SANTA MARIA, para comparecer no próximo domingo (20 de março), ao PLENÁRIO da CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SANTA MARIA, pela parte da manhã (a partir das 09hs até às 12hs) para escolha do Diretório Municipal.
A votação poderá ser realizada por filiados ao partido com filiação igual ou superior a 6 (seis) meses, através do voto direto e secreto para o Diretório Executivo.
Se você é um tucano ou uma tucana, com filiação superior a 6 (seis) meses, participe dessa atividade que é fundamental para todos nós!
Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com meu Gabinete, para que possamos saná-la.
---
Admar Pozzobom - Vereador
Lider da Bancada do PSDB
Vice-Presidente
Câmara Municipal de Vereadores


Fotografia é história
Amazonas no Alvorada


Palácio da Alvorada, 1986. João Amazonas, líder do Partido Comunista do Brasil, o PC do B, mostra sua face depois de viver na clandestinidade por quase três décadas.

Como foi – Durante anos – desde os tempos do marechal Castello Branco aos do general Figueiredo – só fotografei no Palácio da Alvorada figuras muito ligadas ao regime militar. Portanto, nesse dia aí, foi uma enorme surpresa encontrar por lá o líder comunista João Amazonas. Acontece que o País vivia novos tempos. José Sarney era o novo chefe da Nação, substituindo a Tancredo Neves e abria as portas para receber brasileiros privados de exercer a política. Orlando Brito

JC

Mas anda mal assim o JC que só sobra a Coluna do Cascatinha? Pelo menos pro Lauro Dieckmann...!!!!!!


Aliás, que bom nome seria a COLUNA DO CASCATINHA como Já existiu a Coluna do Castelinha...embora a diferença dos talentos seja quilométrica.

GUSTAVO DEGOLADO

A degola de Gustavo Motta do setor derádio da Assembléia Legislativa teria sido dado pelo próprio PMDB...


Aliás, quando era repórter da Guaíba, Gustavo sempre exigia que a última do Renner fosse uma notícia que ele trazia da Assembléia sobre Pedro Simon, o " franciscano"!!

COLEGUINHAS


Em abril, volta o correspondente da Guaíba....

cachorrinho perdido


Essa história do cachorrinho que a Gol extraviou (e já foi encontrado) me fez lembrar que o Jornal do Brasil, nos seus áureos tempos, quando era o principal jornal do País, procurava, em todas as edições, publicar algo assim, de bichinhos, estas coisas, para aliviar um pouco a cabeça do leitor. Afinal, o jornal era um dos principais enfrentadores da "Revolução Redentora", aquela que se acreditava que iria acabar com a corrupção e colocar o Brasil nos eixos. E acabou não fazendo nem uma coisa nem outra...

do blog do lauro dieckamnn


Novo programa de rádio?

Um grupo de jornalistas está pensando fazer um programa matinal de rádio, tipo assim um jornal falado....só falta a emissora, porque pelo amor de deus, estamos cheios de ellen brauns lendo internet e recados de leitor....

queremos ouvir a opinião ou a informação de quem faz rádio, não de ouvintes....


Novo programa de rádio.

eu gostaria de ver juntos num programa de rádio por exemplo a Magda Beatriz( tá vão dizer que é burra,...mas sabe alguma coisa)o Cabeça, o João Carlos Terlera, o Linei Zago..o Políbio Braga....será que não tem um microfone pra esta gente falar????


Seinfra publica portaria que determina intervenção no setor de Seor


A portaria que determina mudanças no setor de Sistemas Eletrônicos de Operação Rodoviária (Seor), do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), foi publicada nesta quinta-feira (17), no Diário Oficial do Estado. A intenção do Governo, segundo o secretário de Infraestrutura e Logística (Seinfra), Beto Albuquerque, é instituir uma força tarefa com servidores efetivos do Daer para promover a intervenção no Seor.

O texto destaca que sob a coordenação do diretor de Operações do Daer, José Francisco Teixeira Pinto, seja iniciada a transferência da sede do Seor, hoje localizada em Esteio, para a sede central do Daer, em Porto Alegre. Também determina que seja feita a intervenção nos centros de processamento de pardais/OCR, das lombadas eletrônicas/radares estáticos e processamento de agentes e substituição dos servidores terceirizados, mesmo aqueles previstos em contratos com empresas fornecedores de equipamentos eletrônicos, até que se promova a reestruturação do Seor.

O secretário também anunciou o engenheiro André Pires de Moraes como novo coordenador do Seor. "Moraes já assume com a tarefa de iniciar a transição do órgão para o prédio central do Daer", disse.

No final da tarde dessa quarta-feira, foi instalada a sindicância que irá apurar a amplitude do envolvimento do servidor de carreira do Daer, Paulo Aguiar, em irregularidades no Seor. Aguiar foi flagrado por reportagem de veículo de imprensa e apontado como sócio de uma das empresas denunciadas por direcionar editais de licitação beneficiando participantes de concorrências para instalação de controladores eletrônicos de velocidade.

A pedido do secretário Beto Albuquerque, a sindicância será presidida pela Procuradoria Geral do Estado (PGE), que indicou a procuradora Dea Mara Ribeiro Lima, responsável pela Procuradoria Disciplinar e de Probidade Administrativa (PDPA), para a ta refa. Também integram a comissão a superintendente de assuntos jurídicos do Daer, Cíntia da Silva Salada e a especialista rodoviária do departamento, engenheira Vera Helena de Castro Becker.

Notícias do Piratini - Redação - Governo RS

 

Memórias


PERU, MINHA "SEGUNDA" PATRIA....

oLHANDO ONTEM as fotos do jogo do Grêmio, me lembrei do Peru, suas montanhas que podem ser vistas nesta foto.

O Peru me é tão familiar, porque lá morei de 1974 a 1976 e muito viajei pelo interior. Esta foto por exemplo, é da chamada pré-cordilheira, antes que se chegue as regiões onde os picos da Cordilheira dos Andes chegam a 4 mil metros. Muito viajei naqueles onibus velhos, umas caieiras brabas, que andavam em cordilheiras onde os despenhadeiros tinham até 500 metros. em caso de acidente, adeus tia chica...

Eram umas pirambeiras brabas, mas passei muito frio, passei fome ali nestas montanhas, mas nunca me acidentei.

Recordo que os indios(cholos) que viajavam ou em ônibus, ou nos caminhões( todos com uma foto de Tupac Amaru colada atrás) ou então do CHE, este mais na Bolívia, gostavam de roubar minha mochila. se pegasse no sono, acordava e não tinha mais nada dentro..


Banrisul


O novo presidente do Banrisul (ele assumirá o cargo esta tarde), Túlio Zamin, não levou apenas a Icatu Seguros para dentro do banco em 2001, quando foi presidente, mas também contratou sem licitação, igual que a Icatu, uma empresa de consultoria que mais tarde assombraria os brasileiros pela multiplicação de contratos milionários que fechou ilegalmente com dezenas de administrações do PT em todo o País. Túlio Zamin ignorou o parecer do advogado Paulo Lontra, que chegou a chefe do Jurídico do Banrisul e que fulminou a proposta feita por Luís Lima. Lima, na época, ainda não era milionário brasileiro que se tornou mais tarde. Ele acabara de prestar serviços como psicólogo e militante petista do Sindicato dos Metalúrgicos de São Leopoldo. Lima sempre foi um colaborador das campanhas do PT. Seu contrato com o Banrisul, pelas mãos de Zamin, ocorreu através de uma fundação que se tornaria mais tarde muito conhecida do MPF, da Polícia Federal e da Justiça Federal, a Finatec, ligada à Universidade de Brasília, com quem tinha esquema fechado. A lei permite que Fundações sejam contratadas sem licitação, mas não permite a terceirização. Foi um primeiro e modesto contrato, o do banco, de R$ 421 mil, segundo valores da época. Logo em seguida, Finatec/Intercorp abiscoitou um contrato de R$ 9 milhões com a prefeitura do Recife, também dominada pelo PT - e também sem licitação, usando o biombo da Finatec, uma fundação universitária. No RS, além do Banrisul, o governo Olívio Dutra também contratou Luís Lima para o Detran.

. Quando saiu de Porto Alegre para Brasília e fazer sucesso junto às administrações municipais, estaduais e federal vinculadas ao PT, Luiz Lima tinha um patrimônio de R$ 283 mil, metade do qual era um apartamento de R$ 129 mil em Porto Alegre. Cinco anos depois, já tinha acumulado uma fortuna de R$ 12,7 milhões, inclusive uma empresa nos Estados Unidos, cuja sócia é a mulher, Flávia. Entre 2000 e 2005, usando a Finatec como biombo, amealhou contratos de R$ 28 milhões. CLIQUE AQUI para examinar com exatidão cada um dos dados que você acabou de ler. Luiz Lima foi condenado pela Justiça Federal de Brasília a 10 anos de prisão por causa do "estouro" da Finatec. Ele recorreu e a sentença foi confirmada. Sua mulher, Flávia, pegou pena igual. Ela era dona da Camarero & Camarero, outra consultoria dos Lima, que também prestava serviços à Finatec.


Protesto

ontem teve protesto do pessoal de Charqueadas aqui na frente do PPiratini. O Charqueadas explica que rolo é este....


É UMA EMPRESA QUE VAI FABRICAR PEÇAS PARA PLATAFORMAS DA PETROBRÁS QUE ESTÃO SENDO CONSTRUIDAS LÁ EM RIO GRANDE. A PREFEITURA DE CHARQUEADAS JÁ CUMPRIU A PARTE DELA, DOANDO O TERRENO. A YEDA TROUXE A EMPRESA PARA CHARQUEADAS, PARA COMPENSAR OS 7 PRESÍDIOS QUE TEM AQUI. ELA PRECISA ESTAR COM AS INSTALAÇÕES PRONTAS ATÉ JUNHO PARA PODER SE HABILITAR NA CONCORRÊNCIA DA PETROBRÁS
A SER FEITA EM JULHO.

SÓ QUE A FEPAM NÃO QUER ABREVIAR O PRAZO PARA CONCEDER A LICENÇA, QUE PODERÁ OCORRER SÓ EM JUNHO E AÍ NÃO HAVERIA TEMPO PARA A EMPRESA CONSTRUIR E PARTICIPAR NA CONCORRÊNCIA. COMO FOI A YEDA QUE TROUXE....
GERARÁ, SE FOR INSTALADA, MAS DE 1.200 EMPREGOS EM CHARQUEADAS.
JÁ TENTARAM DE TODAS AS MANEIRAS JUNTO AO GOVERNO DO ESTADO, FEPAM, SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE.
HOJE FORAM FAZER UM MOVIMENTO EM FRENTE AO PALÁCIO PIRATINI.
Sérgio Oliveira

De São Borja

Segundo um deputado estadual que tem grandes interesses eleitoriais no municipio, ainda não está nada decidido sobre a eleição municipal do ano que vem.

- Depende das coligações, sintetiza o deputado.


Ou seja, PT mais PDT, ou PTB mais PDT....

Ele acha como este repórter também acha que o Bicão não é pra valer...ou seja, não tem chances...E informa que pelo que sabe o dr. Luciano, do PP, não quer mais concorrer....


Coleguinhas

Valdir dos Santos esteve entre os repórteres que a Randon trouxe a Porto Alegre pra apresentar seu balanço de 2010.

Conheço a Valdir desde os anos 70,ou 80, quando cobriamos junto os congressos de transporte. Ela pela Transporte Moderno, eu pela ZH.

Nunca esqueço um dia num congresso de Salvador, na Bahia, que a Valdir estava com um sapato que lhe doía os calos e dentro do ônibus tirou os sapatos e veio com eles nas mãos. Aquela cena era digna de um filme do Fellini...

Depois curtimos muito a praia da Barra, ou Farol da Barra aquela praia em que o Caetano Veloso tanto cantou em suas letras. Uma das colegas que estava lá não sabia nadar, entrou no mar e teve dificuldades pra sair. E nós ali olhando,sem ter muito que fazer.

Raros são os colegas que se tornam meus amigos. Tenho raro convívio social. A Valdir é uma colega que se tornou amiga....


DE São Borja


Errata: Letier Vivian continua no gabinete do vereador Celso Lopes(PDT).

Histórias de la Ùndeze


O MORTO DESPENCOU DO CAIXÃO


PORQUE O FUNDO DO MESMO SE DESCOLOU....


Meus avós maternos são Frederico Sgnaolin(sobre quem tenho muitas histórias que na medida do tempo vou contar...se o caro leitor tiver interesse em ler...) e Rosa Fonini.

Esta morreu muito moça, de um AVC. EleS moravam em VILA OESTE DE GUAPORÉ,...( SIM mas Vila Oeste já teve um frigorífico de matar porco que abatia mais que o serafina,depois foi a breca...) que hoje juntou-se a Pulador e formaram União da Serra.

Pois os Fonini estão todos praticamente enterrados no pequeno cemitério de Vila Oeste....

Acontece que alguns anos atrás morreu um dos últimos Foninis ainda existentes na região. Era o Antonino(acho que era irmão da minha avó materna, não tenho muito certeza...) e quando o enterro ia seguinda subindo uma pequena elevação que tem antes de chegar ao cemitério, o morto simplesmente se soltou do caixão, porque o fundo do mesmo desabou....

E os que carregavam o caixão ficaram atônitos, ali olhando aquela cena tendo que recolher o defunto e tratar de arrumar outro caixão porque ali como estava não dava...

Uma das filhas do Antonino, que mora em Porto Alegre, diz que dá grandes risadas contando o episódio.


A SHAKIRA é uma chata, mas que é popular, isto é...

Na noite de terça passada, era só nela que um maluco beleza( que já foi vendedor de anúncios da revista Programa, dao Ayres Cerutti) falava.

Então, viva a Shakira, que popular ela é...

Mas o maluco reclamava que um ingresso custava 800 paus....


Coleguinhas

Foi de leucemia que morreu a querida colega Beta Timm....Nascida em 1953 em Santa Maria da Boca do Monte, ela dava aulas de informática na UFRGS...

Sua doença durou exato um ano: começou em março do ano passado....

Juliana, sua filha nasceu em 1973....e o convite de enterro foi assinado por outros três irmãos da Juliana, cuja mãe não era a Beta.

A mãe de Beta era uma baita de uma papa-hóstia.Rezavam até missa na casa dela, que morava na José do Patrocínio.
Fez muita doação pro Pão dos Pobres....onde era amiga dos irmãos....

Uma irmã de Beta, a Lurdes, foi atropelada nos anos 70 em Curitiba, onde veio a falecer.

DE São Borja


UM VEREADOR

QUE CHUTA PORTA!


Celso Lopes, do PDT, atual presidente da Câmara sãoborjense, é um parlmentar municipal que as vezes chuta portas. Seu recente episódio foi com os médicos do hospital infantil Ivan Marques Goulart.

Segundo fontes consultadas, Celso fora informado de que uma paciente veio a falecer dentro do hospital. Celso denunciou o assunto no plenário da Câmara e na terça passada, de manhã, foi chamado pelos médicos pra discutir o assunto.

Ao redor dos já 50 anos, todos sabem que o desejo dele é ser prefeito da Terra dos Presidentes. Mas já tentou uma vez e perdeu.

Brizolista fanático, nos anos 80 largou tudo em São Borja e foi trabalhar para eleger Leonel Brizola governador do Rio....

E pro Celso largar seu hotel - Executivo - tem que ter uma causa muito nobre...

Na última eleição a deputado estadual pensou em concorrer..Mas fez as contas e achou que precisaria de uns 500 mil reais pra se eleger...E precisava de um cargo que lhe desse um pouco mais de exposição do que apenas em São Borja. Precisava de uma espaço pelo menos regional.

Então desistiu e apoiou discretamente a candidatura de Juliana Brizola.

O significado de antro....


Uma leitora deste blog, advogada, manda dizer que a salianha JCTerlera é um antro da fofoca....

César Schirmer,quando presidente da Assembleía, sempre que descia pra sala da imprensa se referia a mesma como Serpentário.....

Pois aviso à leitora que o Aurélio define antro como cova profunda e escura, caverna , furna e gruta também pode ser casa dou LUGAR DE PERDIÇÃO,corrupção,VICIOS....


Ela poderá ter sua carteira da OAB cassada.....


Em tempo: claro que isto tudo é ironia, brincadeira....Um dia sem humor é um dia perdido....

“Abertura das inscrições PROCESSO PÚBLICO para Prefeitura Municipal”


Prezado (a) amigo (a),
A Prefeitura Municipal de Santa Maria divulgou ontem, terça-feira 15 de março, os editais do Concurso Público, e as inscrições para as provas também foram abertas e poderão ser realizadas até o dia 31.
Serão ao todo, 32 (trinta e dois) cargos disponíveis que contratarão um profissional cada de imediato, e os demais não selecionados, formarão Cadastro Reserva.
Para mais informações, você poderá acessar meu BLOG (www.admarpozzobom45.blogspot.com) , onde constam links com editais e também demais informações sobre o processo.

Admar Pozzobom - Vereador
Lider da Bancada do PSDB


Caminhões: audiência pública discutirá limitações para tráfego


A limitação do transporte de caminhões e veículos pesados em vias de até três faixas de circulação, em horários de pico, será avaliada em audiência pública da Câmara Municipal de Porto Alegre nesta quinta-feira (17/3). As discussões terão por local o Plenário Otávio Rocha, a partir das 19 horas.

Em agosto do ano passado começou a ser avaliado pelo plenário projeto de lei do suplente de vereador André Carús (PMDB) que defende essa limitação no tráfego de caminhões. "A proposta veda o trânsito de veículos pesados nos horários de pico contribuindo para superar, em parte, a problemática dos engarrafamentos nas vias principais", explica Carús.

Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)

Uma viagem ao Chile!


Memórias


Em novembro de 1988, eu e o repórter fotográfico Luiz Achutti( hoje professor da UFRGS) embarcamos em dois caminhões - um em cada um caminhão - e fomos ao Chile, Santiago.

Só não esperava que fossem oito dias de viagem....

Comemos muito pó mas aprendemos muito na viagem...

Quando chegamos em Uruguaiana, na fronteira, que começamos a nos misturar com este " povo" dos caminhões, a coisa ficou braba. Confesso que achei que o Achutti iria voltar....

Eu estava louco pra vencer aquela etapa da alfandega de Uruguaiana/Libres pra seguir viagem...

Os motoras: Nelson Luis Silveira de Oliveira e o colega Gilberto Gilmar Gerke, o " Alegretinho", nos caminhões da Michelon, iam transportando um produto no mínimo sui generis: 23 toneladas em cada caminhão de pedras de argila que estavam sendo importadas para sabem fazer o quê? desbotar calças jeans que naqueles anos estavam na moda na capital chilena e no país.

Oito dias de viagem: não foi mole...

Muitas fotos , uma mais linda que a outra.


Em Curitiba,quando viram as fotos, enlouqueceram: mandaram fotos dos leilões que o Achutti fotografou no interior da Argentina e da dança das boleadeiras que foram parar na matriz da Volvo, na Suécia, e que apareceram num filme mundial mandado fazer pela Volvo mundial.

Recordações da viagem?

Muitas.

O Achutti telefonando pra mãe de hora em hora...eu pensava: mas este cara tem uma namorada e só liga pra mãe....

Quando chegamos na divisa da Argentina com o Chile, me esbaldei no Gato Preto, aquele vinho chileno que lá custava uma banana....era quase dado...

A volta...ah, a volta foi uma barbadinha JHSantos. Voltamos num avião da Varig, num voo que existia e que cruzava os Andes.

Espiei pela janelinha e nem me lembrei dos SOBREVIVENTOS DOS ANDES QUE EM 1972 comeram a carne dos colegas naquelas geleiras dos Andes. E lá de cima se enxerga nitidamente aqueles cumes cobertos de neve eterna....

Esta foto deste pibe, ou chico, foi feita pelo Achutti, na divisa da Argentina com o Chile, já na subida da Cordilheira dos Andes. Ele não tem certeza se foi PUNTA DE VACAS ( uma pequena cidadela na divisa entre Chile e Argentina) ou mesmo já em plena cordilheira, no pico dela....


DE São Borja

PP sem alternativas, PT não tem candidato!


Há quem ache que a morte do ex-prefeito, José Alvarez Pereira, o Juca é também a morte do PP( Partido Progressista) em São Borja.

O candidato da eleição passada, Luciano Loureiro, do PP, conhecido na cidade por Dr. Luciano,já assegurou que não vai concorrer de novo.Restaria quem?

Mas o imbróglio se acentua porque o Partido dos Trabalhadores, (PT) - e São Borja é a terra natal do governador - não tem hoje um candidato declarado.

Até agora, não se nota movimento pra lançar um candidato.

O PTB, que é parceiro do atual governo municipal - com o vice Jefferson Olea Homrich, o Kiko - terá muita dificuldade de apresentar um candidato próprio...como vai justificar se tornar Oposição. Jefferson é também secretária da saúde no município.

Assim que o jogo está embaralhado....


De Serafina


Vai se completar seis anos da morte do fundador do Serafinense,Jesus Renato Paz. O jornal desapareceu poucos anos depois que seu dono morreu.

Renato Paz é de um município da fronteira( Livramento, se não me engano) e casou com Ana Maria Schissi de Dois Lajeados.

Além de jornalsita, trabalhou com o falecido prefeito de Estrela, Gabriel Mallmann.

Fundou o jornal o Serafinense e vinha levando com um razoável sucesso a publicação até que veio a falecer, no hospital Ernesto Dornelles, em Porto Alegre.

A viuva tentou vender o titulo do jornal mas não conseguiu. Neste vácuo,entrou o jornal Gazeta Regional, que completa no dia 31 de março, seu quarto ano de circulação.

CPI do ProJovem com três depoimentos agendados para esta quinta

Nesta quinta-feira (17/3), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que atua na Câmara Municipal de Porto Alegre com o objetivo de apurar supostas irregularidades na Secretaria Municipal da Juventude (SMJ) - CPI do ProJovem - terá três reuniões. Na primeira, Paulo Jorge Amaral, presidente da Associação dos Moradores da Vila tronco (Amavitron) tem depoimento marcado para as 10 horas no Plenário Otávio Rocha. Às 17 horas a deputada estadual Juliana Brizola (PDT) deverá apresentar sua manifestação na sala de reuniões nº 301, localizada no terceiro andar da Câmara. O vereador Mauro Zacher (PDT) também será ouvido na sala 301, com depoimento agendado para as 20 horas.

Regina Andrade (reg. prof. 8423)

Briga no PT

Miriam Marroni e Daniel Bordinhon,um lider do governo(Miriam) e outro da bancada, ( BOrdinhon) não estariam se entendendo....

Há quem aposte na queda de Bordinhon.....


De Serafina

Historinha do Salvi...

Um dia,ele estava na agência da CEF, em Serafina, e entrou a dona Hercilia Gasparin, acompanhada da neta, Marlusa. Foram retirar a aposentadoria da dona Hercília.

Quando ela viu o Salvi, ex-prefeito de Serafina, pelo PMDB, lembrou-se que era adversário do filho dela, que fora prefeito pela Arena.

- Ela deu uma cusparada no chão, com expressão de nojo, diz a neta.

Salvi diz que isto realmente aconteceu mas que depois viraram bons amigos...


O ex- prefeito Salvi, agora na secretaria da saúde, foi explicar aos vereadores a situação da sua pasta.


Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores de Serafina Corrêa do dia 14 de março de 2011 contou com a participação do Secretário Municipal de Saúde Jacir Antônio Salvi. Por mais de duas horas o Secretário falou sobre a pasta, os avanços, as dificuldades e teve um diálogo aberto e sincero com os Vereadores.

Durante sua fala, o Secretário Salvi destacou o Sistema Único de Saúde, medicamentos, serviços e também os usuários do SUS. Segundo ele, a análise e as informações estão em constante estudo, pois a saúde é uma questão sensível, que merece a consciência de todos nós. Os Vereadores fizeram colocações, questionaram o Secretário e sugeriram ações. Para finalizar o Secretário Salvi reafirmou o compromisso do Governo Municipal com a saúde, na sua essência e integralidade. Participar desta Sessão é uma honra e a troca de ideias sem dúvida nos engrandece, finalizou Salvi.

Comissão da Copa define subcomissões temáticas nesta quinta


A Comissão Especial da Copa do Mundo de 2014, da Câmara Municipal de Porto Alegre, deverá definir, nesta quinta-feira (17/3), às 13 horas, seus vice-presidentes e relator. Pelo Regimento Interno da Casa, o proponente da comissão é também indicado ao cargo de presidente, no caso o vereador Airto Ferronato (PSB). A reunião terá por local o Plenário Otávio Rocha.

Também nesta quinta-feira deverão ser definidos os vereadores que ocuparão as subcomissões temáticas: Infraestrtura e Serviços, Esporte e Inserção Social, Saúde e Meio Ambiente. Conforme Ferronato, o mais importante é o legado de obras que a Copa deixará para o cidadão porto-alegrense: "A Copa passa, mas a cidade fica", sustenta.

Junto com Ferronato compõem a Comissão Especial da Copa os vereadores Nelcir Tessaro (PTB), Carlos Todeschini (PT), Reginaldo Pujol (DEM), Adeli Sell (PT), Haroldo de Souza (PMDB), Tarciso Flecha Negra (PDT), João Carlos Nedel (PP), Dr. Raul Torelly (PMDB), Paulinho Rubem Berta (PPS), Luiz Braz (PSDB), Waldir Canal (PRB) e Fernanda Melchionna (PSOL).

Fernando Cibelli de Castro (reg. prof 6881)

Memória da Imprensa

Mourinha e a equipe de ST

Em 22 de março de 1984, quando a campanha das Diretas ganhava as ruas, Telmo Kirst era o secretário dos transportes do governo de Jair Soares.

Fizeram uma reunião pra " aparar as arestas" ( segundo uma língua afiada, um assessor dizia uma coisa, outro outra...)

E o fotográfo fez a foto pra posteridade

Da esquerda para a direita, o boy do gabinete, Nelson José Moura, Vavá D"arriaga, Erico Sauer( o Mondongo, ou Bom Cabelo) secretário Telmo Kirst, Bruno Ferreira( o motorista de kombi, ou carregador de melancias) Ismail Fernandes( o coreano) e o fotógrafo Kassel.

Deles, faleceram o Erico Sauer e o Ismail. Os demais estão vivos.Moura, aposentado(vive falando mal do Governo no " serpentário") Vavá trabalha no Plaza, Telmo Kirst tem uma gráfica em santa cruz do sul e largou a política, Bruno anda sumido( mas dizem que mora em Gravataí e fez outros cursos na Ulbra) e o Kassel...deste não tenho notícia.

Deste tempo, o Moura me conta que sempre que este repórter adentrava o prédio do DAER, o Serginho Araujo ligava pelo interno lá do 18 andar e avisava no 9, do DAER.

- Cuidado com os papéis porque o Olides está no prédio.

Cansei de roubar notícias encima das mesas...

E não me arrependo!


Agora o CHARQUEADAS matou a pau!

ESQUERDA E DIREITA
Esquerda" e "Direita" são uma forma comum de classificar posições políticas, ideológicas, ou partidos políticos.
A oposição entre as duas correntes é imprecisa, ampla, e consiste numa interpretação dicotômica de uma série de fatores determinantes. Geralmente são entendidas como polaridades opostas de um mesmo espectro político e ideológico. Assim, um partido poderia ser "esquerda" em determinadas instâncias e "direita" em outras.
A origem dos termos remonta à Revolução Francesa, onde os membros do Terceiro Estado se sentavam à esquerda do rei enquanto os do clero e da nobreza se sentavam à direita. Os mais radicais que normalmente eram contra as decisões ficaram conhecidos como a esquerda enquanto os favoráveis as decisões eram os de direita (Wikipédia)
Segundo um certo Guia do Socialismo (pasmem, existe isto) editado pelo Professor Bernardo Kocher, os partidos considerados de esquerda no Brasil são o PCB, PCdoB, PCO, PDT, PT, PPS, PSB, PSTU e PSOL ( o PV não ? Seu presidente, o Penna, certa vez disse que o PV não é nem de esquerda e nem de direita. É para a frente. ). Os demais, por conseguinte, se enquadram como centro, centro-esquerda, centro-direita, direita, sei lá.
Em 2004, nas eleições para prefeito, os partidos considerados de esquerda elegeram cerca de 1.186 prefeitos; os demais 4.325 ( mais de 3 por 1 )
Em 2008, nas eleições para prefeito, os partidos considerados de esquerda elegeram ao redor de 1.368 prefeitos; os demais 4.161 ( cerca de 3 por 1 )
Em 2006, para deputado federal, os partidos considerados de esquerda elegeram 171 deputados ( 31.533.900 votos ); os demais 342 ( 60.650.930 votos).
Por sua vez, para deputado estadual, os partidos considerados de esquerda elegeram 310 deputados; os demais 749.
Mas para Presidente a esquerda venceu, argumentarão: PDT/PT/PSOL obtiveram 55.776.602 votos no primeiro turno ,ao passo que os demais 40.220.131 votos.
Em 2010, no segundo turno, Dilma teve 55.752.529 votos e Serra 43.711.388. Então a maioria dos que votaram são de esquerda ? Claro que não, ninguém dá bola para isto - esquerda direita.
No que se refere aos governadores, em 16 Estados venceram candidatos de partidos que não são considerados de esquerda, que tiveram 37.554.141 votos, ao passo que em 11 os vencedores foram de partidos considerados de esquerda, que tiveram o total de 18.661.405 votos. Então nos Estados o eleitorado é de direita ? Claro que não, pois, repito, ninguém dá bola para isto - esquerda ou direita.
Já em relação a deputados federais:
- partidos considerados de esquerda: 180 deputados
- partidos não considerados de esquerda: 333 deputados
Por sua vez, quanto a deputados estaduais:
- partidos considerados de esquerda: 356 deputados
- partidos não considerados de esquerda: 703 deputados
Diante disto, é de se questionar se a maioria do povo, ao votar, leva em conta esta história de esquerda e direita. Se levasse não haveria a discrepância demonstrada pelos números acima, sendo que, em relação a Prefeitos e Deputados, os partidos não considerados de esquerda têm maior representação.
Sem levar em conta que nos governos está tudo misturado.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Engenheiros falam amanhã sobre Projetos Estruturantes para a Copa 2014

O período de Comunicações Temáticas, na sessão ordinária da Câmara Municipal de Porto Alegre, nesta quinta-feira (17/3), será dedicado à discussão sobre o Projeto Estruturante, visando ao atendimento do Caderno de Encargos da FIFA para a Copa 2014. Esses projetos estão vinculados à mobilidade urbana, infraestrutura de telecomunicações, atendimento ao turista e aspectos ambientais. A sessão começa às 14 horas, no Plenário Otávio Rocha.

Os convidados para falarem na sessão pertencem ao grupo de engenheiros e técnicos da prefeitura municipal responsáveis por esses projetos. Eles irão detalhar como estão os cronogramas das obras e deverão esclarecer dúvidas a respeito dos compromissos da cidade com relação ao atendimento das exigências da Fifa.

Os trabalhos dos vereadores podem ser acompanhados ao vivo nas galerias, pela Rádio Câmara ou TV Câmara, ambas com links disponíveis em www.camarapoa.rs.gov.br. Nas quintas-feiras as atividades do Plenário Otávio Rocha também são transmitidas ao vivo pelo Canal 16 da NET. A Câmara Municipal de Porto Alegre tem sua sede no Palácio Aloísio Filho, na Avenida Loureiro da Silva, 255.

Fernando Cibelli de Castro (reg. prof. 6881)

 

Van Gogh da fotografia


Ta bom Lauro que tu elogies tanto o Espanhol, mas podes ver que as fotos estão no meu site também. Fiquei com ciumes....

Na cafeteria, dando uma olhada no mortiço JC, me deparei com esta foto, na coluna do Cascatinha, que parece um quadro de Van Gogh. Conferi o crédito e estava lá a explicação, a foto é do "Espanhol" (Alfonso Abrahan), um dos melhores fotógrafos do RGS.
O cara é f..., as fotos dele se impõem.
Aquela lombada com três sinuosidades que ele captou, mais o contraste entre o asfalto, a terra cultivada e o barro vermelho fazem efeito espetacular. E lá no fundo tem outro lance da estrada, o renque de árvores à esquerda e o capão de mato à direita.
Sensacional!


Em tempo: no JC, fora a "publicidade legal" (que hoje me rendeu boa informação), só tem para ler mesmo a coluna do Cascatinha.


Terças InCâmara estreia dia 22 com filme, debate e oficina

Filmes, oficinas e debates são as atrações do programa Terças InCâmara no Teatro Glênio Peres, que estreia às 18 horas de terça-feira (22/3) na Câmara Municipal de Porto Alegre (Avenida Loureiro da Silva, 255), com entrada franca. Em Teu Nome, de Paulo Nascimento, é o primeiro filme a ser exibido e debatido, a partir das 19h15min. Antes, haverá oficina de Cineclubismo comandada pelo diretor do Instituto Estadual do Cinema (Iecine) e presidente do Conselho de Cineclubes Brasileiros (CNC), Luiz Alberto Cassol.

Promovido pela Câmara, o Terças InCâmara tem apoio do Iecine, do CNC e da União Gaúcha dos Estudantes Secundaristas (Uges). O Teatro Glênio Peres fica no 2º piso do Legislativo municipal e oferece acomodações para 98 pessoas, incluindo espaço para cadeirantes, e estacionamento gratuito.

A programação de 22/3

18 horas - Oficina de Cineclubismo, com o diretor do Iecine e presidente do CNC, Luiz Alberto Cassol
19 horas - Abertura oficial, com Luiz Cassol e o diretor e roteirista Paulo Nascimento
19h15min - Exibição de Em Teu Nome (Accorde Filmes, 2009)
21h15min - Debate com Paulo Nascimento, atores do filme, Luiz Cassol, o presidente do Centro Popular de Cultura (CPC), Valério Benfica, e João Carlos Bona Garcia, que inspirou o protagonista Boni.

Em Teu Nome

Baseado na história real de João Carlos Bona Garcia (1946, Passo Fundo), Em Teu Nome narra a história de Boni, um estudante de Engenharia de origem humilde que adere à luta armada após o Golpe de 1964, mas carrega dúvidas e medos sobre esse caminho. Boni teme pela família, pela namorada e pelo futuro, que parece incerto a cada dia. Como tantos militantes políticos, o personagem é preso, torturado e banido do país.

No exílio no Chile, ao lado da companheira Cecília, Boni começa a trabalhar e a conviver com o povo chileno, percebendo que "para mudar a realidade é preciso primeiro entendê-la". O presidente chileno Salvador Allende é derrubado em um golpe militar, e Boni, a mulher e o filho Rodrigo - nascido no Chile - partem para a Argélia, onde nasce mais um filho - Luciano. Depois seguem para Paris, onde o protagonista é escolhido presidente do Comitê Brasileiro da Luta pela Anistia. Nove anos depois de banido, Boni volta ao Brasil, com novas ideias sobre o mundo.

Leonardo Machado (Boni), Fernanda Moro (Cecília), Nelson Diniz, César Trancoso, Sílvia Buarque, Sirmar Antunes e Gilberto Perin formam o elenco do longa. O diretor Paulo Nascimento também assina o roteiro.

Claudete Barcellos (reg. prof. 6481)
Com informações da Accorde Filmes


Bah, mas que site caro, este hein???!!!!


Maria Bethânia teria autorização do governo para captar R$ 1,3 milhão para site
Informação foi divulgada pelo jornal Folha de São Paulo
A cantora Maria Bethânia teria conseguido autorização do Ministério da Cultura para captar R$ 1,3 milhão e criar um blog, informou nesta quarta-feira (16) o jornal Folha de S. Paulo.
O site "O Mundo Precisa de Poesia" traria um vídeo por dia da cantora interpretando grandes obras, sob direção de Andrucha Waddington. De acordo com a publicação, o Ministério da Cultura e a assessoria da cantora não quiseram se pronunciar sobre o assunto. A notícia teve grande repercussão na internet e, em redes sociais, já foram criados perfis falsos da cantora.

Pra rir um pouco!!
O Secador de Cabelo


Uma Senhora muito distinta estava em um avião vindo da Suíça. Vendo que estava sentada ao lado de um padre simpático, perguntou:


• Desculpe-me, padre, posso lhe pedir um favor?

• Claro, minha filha, o que posso fazer por você?

. É que eu comprei um novo secador de cabelo sofisticado, muito caro. Eu realmente ultrapassei os limites da declaração e estou preocupada com a Alfândega. Será que o Senhor poderia levá-lo debaixo de sua batina?


• Claro que posso, minha filha, mas você deve saber que eu não posso mentir!

• O Senhor tem um rosto tão honesto, Padre, que estou certa que eles não lhe farão nenhuma pergunta. E lhe deu o secador.

O avião chegou a seu destino.Quando o padre se apresentou à Alfândega, lhe perguntaram:
-Padre, o senhor tem algo a declarar?

O padre prontamente respondeu:
• Do alto da minha cabeça até a faixa na minha cintura, não tenho nada a declarar, meu filho.

Achando a resposta estranha, o fiscal da Alfândega perguntou:
• E da cintura para baixo, o que o Senhor tem?
• Eu tenho um equipamento maravilhoso, destinado ao uso doméstico, em especial para as mulheres, mas que nunca foi usado.

Caindo na risada, o fiscal exclamou:
- Pode passar, Padre! O próximo...
A inteligência faz a diferença.
Não é necessário mentir, basta escolher as palavras certas.


Prêmio????


Ontem,dia 17/03 Sérgio Fernandes, diretor da Assembléia Legislativa, estava de niver. Ganhou como prêmio assistir a sessão dos senhores deputados...

Há quem faria tudo pra não ter que ficar lá ouvindo aqueles discursos....

Coleguinhas

O colega aqui da salinha JCTerlera ofereceu ontem " pantufinhas" que a esposa dele faz...ninguém comprou do Lara...mas um maldoso comentou:

- Pantufinha???

A mulher vai achar que o cara tá com culpa no cartório....

Toing....

PREVIDÊNCIA SOCIAL


Na iniciativa privada, no que se refere a previdência, temos o INSS; todos os meses as empresas devem recolher a parte patronal, bem como a parte descontada dos trabalhadores, para o Fundo de Previdência, para fazer frente às despesas com as aposentadorias e pensões daqueles que contribuíram para a formação do Fundo.
Na esfera pública também temos os Institutos de Previdência, como é o caso do IPE, no Estado.
Em nível municipal foram (ou estão sendo) criados os FAPS ? Fundo de Aposentadoria e Pensões, cuja fonte de receitas advém da contribuição patronal feita pelas administrações municipais, assim como da parte descontada dos funcionários.
Se o administrador não recolhe estes valores e os usa para fazer obras, por exemplo, estará utilizando-se de uma espécie de "empréstimo a juro zero".
Outro dado interessante, no caso do não recolhimento da parte dos funcionários é que, ao conceder um aumento ao funcionalismo, pagará este aumento com o próprio dinheiro dos funcionários.
Exemplo: numa folha de pagamento de R$ 1.000.000,00, com o percentual de 11% como contribuição dos funcionários ao FAPS, teríamos a importância de R$ 110.000,00, que deveria ser recolhida ao Fundo. Aí o administrador concede um aumento de 9% ao funcionalismo, que corresponde a R$ 90.000,00. A folha passaria a R$ 1.090.000,00 e o desconto para o FAPS chegaria a R$ 119.900,00, que, não sendo recolhido, serviria para pagar os R$ 90.000,00 de aumento e ainda sobrariam R$ 29.900,00 para outras ações da administração.
Um "empréstimo a juro zero" na marra.


SERGIO OLIVEIRA
APOSENTADO
CHARQUEADAS - RS

Coleguinhas


Turma de paulistas que vieram convidados da Randon na terça acharam Porto Alegre bem fria. Foram levados pra jantar no BAH, num shopping center da zona sul...

Mas o motora era de" CAZIAS" e não encontrava o caminho: resultado chegaram quase 10 da noite pra jantar. mas quem foi convidado se lambuzou com uma paleta de cordeiro, iguaria não muito comum no meio da paulistada...
Chegaram de volta ao De Ville perto da 1 e meia da madrugada. Como beberam vinho, ontem de manhã, alguns se curavam da ressaca tomando suquinhos de laranja no café da manhã do finissimo hotel das cercanias do salgado filho.

 

Casa de Cultura Mário Quintana apresenta mostra Cena do Interior


Artistas de municípios do interior gaúcho exibirão espetáculos, de 18 a 31 de março, na Sala Carlos Carvalho da Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre. Participarão, na categoria teatro adulto as cidades de Dois Irmãos, com o espetáculo O Retrato; Passo Fundo, com Psicose e Cruz Alta, representada por O Esconderijo do Tempo. Caxias do Sul, com O Vale dos Sonhos e Passo Fundo, como Ari Areia, integram o teatro infantil. Dois espetáculos convidados irão apresentar-se também na mostra: O Ar Que Respiramos Juntos, de São Leopoldo, e O Palhaço Bolaxa, de Rio Grande.

As apresentações fazem parte da primeira edição do projeto Cena do Interior em Porto Alegre - I CinPOA, promovida pelo Sindicato dos Artistas e Técnicos em Diversões do Rio Grande do Sul, com o apoio do Instituto Estadual de Artes Cênicas, do Conselho de Dirigentes Municipais de Cultura, da Federação de Municípios gaúchos e de Otto Desenhos.

Com a mostra sem competição marcada para junho, o objetivo do primeiro Cin POA é estimular e difundir as artes cênicas produzidas no Rio Grande do Sul. A realização visa também à promoção de intercâmbio dos profissionais de artes cênicas com o público, à divulgação de novos talentos, destacando-os nos palcos.

Quatorze municípios participaram da seleção de 22 espetáculos inscritos, escolhidos por uma comissão avaliadora composta pelo Sated-RS, pelo Instituto Estadual de Artes Cênicas, instituição ligada à Secretaria de Estado da Cultura, e pela comunidade artística. Cada espetáculo vencedor cumprirá temporada de três dias na Sala Carlos Carvalho.
Notícias do Piratini - Interior - Governo RS

OS PAPACOQUETEIS.


nÃO EXISTEM só em Porto Alegre. A colega Valdir dos Santos, frila de uma revista especializada em Sampa, conta que lá também tem três que sempre chegam juntos e sentam sempre separados dos jornalistas, numa mesa que é sempre deixada só pra eles. são sempre os mesmos. Almoçam, ou jantam e vão embora. Pegar notícia não é com eles...mas não são jornalsitas, eles furam as boca livres de jornalistas....

Diz Arthur Zanella, que a presença dos papacoquetéis em Porto Aelgre( são dois homens e uma mulher) é sinal de prestígio porque eles são vão em coisas boas....(são especializados....)


INDÚSTRIA DA BORRACHA MOSTRA DESEMPENHO
E ANALISA AS PERSPECTIVAS PARA 2011

O presidente do Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha
do Rio Grande do Sul (SINBORSUL), Arlindo Paludo, apresentará os dados
referentes ao desempenho do setor durante café da manhã para a imprensa, às
9h30min da próxima quinta-feira (17.3.11) no SHERATON HOTEL, Rua Olavo
Barreto Viana, nº 18, - 4º andar (Sala Santiago/Montevidéo). Também
comentará as perspectivas para 2011 tendo em vista as medidas oficiais para
conter a alta da inflação e a previsão de novos investimentos no setor. O RS
conta com o segundo principal polo industrial brasileiro no segmento de
artefatos de borracha, sendo superado apenas por São Paulo.

Todt Comunicação

Crack ou oxi, sinônimos de morte


(Archimedes Marques)


Em recente pesquisa sobre o presente tema notei que alguns setores da imprensa brasileira identificaram o que seria uma nova droga também proveniente da cocaína: o oxi. Tal droga seria uma espécie de crack piorado, vez que em sua composição química vários outros produtos são adicionados pelos traficantes manipuladores no intuito de aumentar o lucro financeiro do seu comércio, com o barateamento do produto que assim é sempre melhor consumido pela classe mais pobre do nosso país.

É fato científico que para se fabricar o crack, é usada a pasta base da cocaína que adicionada ao bicarbonato de sódio em proporções equivalentes, manipulados com solventes, se transformam em espécie de pedra meio tenra de cor branca caramelizada. Assim, oficialmente o crack é composto basicamente do lixo da cocaína e do bicarbonato de sódio.

Já o oxi vai mais além na sua insanidade. O seu nome de batismo deriva do verbo oxidar, vez que a borra da cocaína ao ser diluída com o ácido sulfúrico e o ácido clorídrico, misturados e manipulados com a cal virgem, querosene ou gasolina, além do próprio bicarbonato de sódio em combinação com o oxigênio, realiza a transformação química, oxidando o produto também em forma de pedra, só que mais amarelo e bem mais nocivo que o crack.
Em todos os artigos que escrevi sobre o crack sempre contestei a sua fórmula química oficial que não existe em sua composição qualquer produto inflamável. Em contra senso, observa-se perfeitamente que há na pedra do crack o cheiro inconfundível de gasolina ou querosene, ademais alguns usuários me disseram que o odor e o gosto da fumaça inalada é semelhante a pneu queimado, razão pela qual, sempre falei que a cal, o querosene ou gasolina, os ácidos sulfúrico e clorídrico e o bicarbonato de sódio, além da pasta base da cocaína, fazem parte da composição química dessa droga, entretanto agora aparece o oxi como sendo o dono de tal fórmula diabólica.

Em assim sendo, fica a dúvida se os viciados brasileiros estariam consumindo o crack ou o oxi, o que, em absoluto não faz muita diferença. Parece no meu ver, apenas uma questão de nomenclatura. Crack ou oxi se confundem e representam a degradação humana, sofrimento e dor nas suas formas mais drásticas possíveis.

Crack e oxi também pode ser uma coisa só e a fórmula que tanto descrevi e combati veementemente pode ser a exata em detrimento à fórmula oficial do crack originada dos EUA, há mais de três décadas atrás. A não ser que o crack dos norte-americanos seja diferente e menos perigoso que o nosso crack. A não ser que o nosso crack seja na verdade o oxi, um crack piorado, falsificado e abrasileirado como tantos outros produtos importados.

Na verdade, sendo crack ou oxi, o usuário ao fumar toda essa parafernália de produtos altamente nocivos e perigosos, aspira o vapor venenoso para dentro de seus pulmões, entrando em conseqüência na sua corrente sanguínea. Como a droga é inalada na forma de fumaça chega ao cérebro muito mais rápido do que a cocaína ou de qualquer outra droga, causando também malefícios mais abrangentes para o usuário que sempre vicia a partir do seu primeiro experimento.
O usuário do crack ou oxi pode ter convulsão e como conseqüência desse fato, pode levá-lo a uma parada respiratória, coma ou parada cardíaca e enfim, a morte. Além disso, para o debilitado e esquelético sobrevivente seu declínio físico é assolador, como infarto, dano cerebral, doença hepática e pulmonar, hipertensão, acidente vascular cerebral (AVC), câncer de garganta e traquéia, além da perda dos seus dentes, pois o ácido sulfúrico presente na absurda fórmula dessas drogas assim trata de furar, corroer e destruir a sua dentição.

É fácil de concluir que os problemas deixados pelo crack ou oxi em todas as áreas sociais crescem em grandes proporções e atingem em cheio o nosso povo, deixando rastros de lama, miséria, sangue e lágrimas, em destaque, para a classe mais pobre do nosso país, mais de perto, para os jovens menos avisados que se lançam nesse profundo poço de difícil retorno.

(Delegado de Policia no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Publica pela Universidade Federal de Sergipe)

Super safra de soja no Planalto central(essa é a quente)

Fotos ESPANHOL

 

Super safra de soja no Planalto central
A beleza que é a RS-481
É de tirar o chapéu para a paisagem, os agricultores gaúchos plantaram e prevêem uma colheita farta de soja: 2 milhões de toneladas de soja em 803 mil hectares de terra. E o otimismo deles não é sem motivo . O fotógrafo Alfonso Abraham pôde comprovar isso durante a semana , em viagem pela região central do Rio Grande do Sul. Principalmente o município do Salto do Jacuí o soja não poupou nem um espaço vazio de terra, como podemos ver nas fotos a soja chega até o cemitério. O Prefeito Larri Costa ri sozinho, e comenta que além da ajuda do clima, isso também é resultado de uma boa infraestrutura que o município construiu ao longo dos anos, temos boas estradas,a logistica com a nossa aproximação do porto de Rio Grande, facilita para escoamento do soja, também o apoio técnico, além uma hidroélétrica Maia Filho, com energia elétrica de sobra.
O município não só vibra com a soja mas também a implantação de uma fábrica de calçados, que vai empregar 280 funcionários.
O que se ouve na região do Celeiro, que Salto do Jacuí é o mais novo eldorado do Rio Grande do Sul.


O DEPÓSITO
DOS CAVALOS

Não mexam com defensores de bichos que é briga certa...

Ontem, cutuquei um e ele me deu nos rins:

- Não vem com conversa de boquinha que tu tá errando o alvo. Boquinha é a EPTC que recebe o meu dinheiro e o teu pra cuidar dos cavalos que recolhe e que não cuida. Segundo papelada que está até no Ministério Público. A Chicote Nunca Mais que retira os cavalos da EPTC antes que morram de fome no depósito que é bancado por particulares, doações, jantares, venda de produtos e campanhas...


Quando vejo estas bravos defensores dos bichos me lembro da dona Palmira Gobbi, que o velho e saudoso João Aveline gostava de mandar entrevistar.

E quando ele via alguns destes carroceiros - que ele adorava por causa dos seus termos chulos - dando de relho no velho cavalo, ele ligava pra dona Palmira Gobbi que mandava a Brigada prender o carroceiro. E aí dava duas páginas na ZH. Geralmente tocava pra coitada da Lúcia UHr ir fazer cobertura destes rolos e por isto o velho Aveline a chamava carinhosamente de "carroceira".

Onde andará a Lúcia Uhr???


ONG Chicote Nunca Mais pede que Ministério Público revise a autorização do TAC da EPTC firmado Paço Municipal no dia 13

Entidade de proteção reuniu provas contra a cabanha contratada para abrigar cavalos recolhidos das ruas
A Chicote Nunca Mais, associação sem fins lucrativos que se dedica a proteger os cavalos usados em carroça em Porto Alegre, entrara com representação junto ao Ministério Púbico, em outubro de 2009, para que se investigasse a cabanha contratada pela Empresa Pública de Transporte e Circulação para abrigar os animais recolhidos nas ruas de Porto Alegre.
O objetivo da representação era comprovar que os animais que foram oferecidos em leilão de 2009 estavam desnutridos e doentes, a exemplo do que ocorrera em setembro de 2008, quando a entidade, através de acordo no Ministério Público, recolheu um lote de 30 animais, comprovadamente desnutridos e doentes.
Segundo a presidente da entidade, Fair Soares, a EPTC suspendeu o primeiro leilão de 2009 porque, através das denúncias da ONG, se comprovou que os animais, também do lote de 2009, necessitavam de cuidados. "Apurou-se, também, que as fotos não correspondiam ao real estado dos animais. No último leilão realizado em Porto Alegre, foram leiloados animais com problemas severos nas articulações, e um cego de um olho", lembra Fair.
A identificação do plantel sob responsabilidade da EPTC é a grande dificuldade. Três vistorias foram realizadas, duas pelo Ministério Público e uma pela Prefeitura Municipal, e em nenhuma das três oportunidades conseguiu-se acesso à totalidade do plantel. "Os animais eram indicados - a olho - pelo prestador de serviços", informa Fair Soares.
As provas apresentadas pela ONG tratam de planilhas e documentos de controle juntados pela própria EPTC nos autos do expediente junto ao Ministério Público e justiça comum, que informam sobre eutanásias cobradas, mas cujos animais 'ressuscitam' e continuam tendo diária e hospedagens cobradas. Também notas fiscais rasuradas, atos de descumprimento de ordem judicial, cobrança em duplicidade, e cobranças de recolhimento frustrado em até 16 vezes - no mesmo dia e horário, fato que se repete mês a mês, durante mais de um ano.
Estas evidências foram considerados "simples enganos" pelo diretor presidente da EPTC, Wanderlei Cappelari. Todos esses fatos, sob pleno conhecimento da EPTC, das Promotorias do Meio Ambiente e Gestão do Patrimônio Público, do COMPPAD - Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas de Animais Domésticos, e do prefeito José Fortunati.
Segundo a diretora jurídica da Chicote Nunca Mais, Marcia Suarez, o TAC firmado no Paço Municipal no último dia 13 deveria ser precedido de uma explicação acerca das denúncias, não só à ONG, mas a toda sociedade porto-alegrense. "O contribuinte pagou por um serviço que, comprovadamente, se mostra no mínimo irregular", aponta a advogada.
O TAC implica constatação de conduta infratora e, se apurada, deveria ser tornada pública, antes da formalização do Termo. "Os cidadãos de Porto Alegre merecem explicações sobre as irregularidades apontadas", finaliza Marcia Suarez.
Fonte para entrevistas:
Marcia Suarez - diretora jurídica
9866-0054
Fair Soares - presidente
9687-5560
http://www.chicotenuncamais.org
Marcio de Almeida Bueno (jornalista Mtb 9669) - Assessoria de Imprensa


Chicote Nunca Mais retira 17 cavalos do depósito da EPTC


Fotos: RSantini

Na última segunda-feira, dia 2 de agosto, a ONG Chicote Nunca Mais recolheu 17 cavalos liberados pela Empresa Pública de Transporte e Circulação, que estavam em cabanha localizada na zona rural de Porto Alegre. O pedido era feito desde março, sendo atendido somente agora, com custas de transporte e remoção dos animais correndo por conta da Chicote. Segue relato da presidente da entidade, Fair Soares.

"Marcaram para as 15h, e lá estávamos a postos. Às 16h ainda estavam copiando documentos e esperando os que chegariam do Departamento Jurídico da EPTC. A coisa foi enrolando e o frio, por sua vez, aumentando. Eram 17h e o documento de doação, conforme determina a lei, estava errado. Aliás, na retirada passada foi o mesmo equívoco, quando levaram três meses para liberar dois cavalos de um alvará judicial. A solução chegou quando o Ministério Público do Meio Ambiente interveio, já quase anoitecendo. Um agente que estava no local estava preocupadíssimo, porque o ônibus que ele usava tinha poucos horários".

"Quando finalmente conseguimos recolher 15 dos 20 cavalos que havíamos pedido, era noite escura. Pegamos mais um com olho vazado que não estava no pedido e outro que fez uma cirurgia nos tendões, na UFRGS. Toda a população está acostunada a ouvir a choradeira dos dirigentes da EPTC, de que estão com muitos cavalos, no entanto quando há uma ONG de idoniedade comprovada, respeitada pelo trabalho que desenvolve e que contribui com a redução do plantel, eles demoram todo este tempo, evidenciando desorganização, ingerência e pouco conhecimento da Lei Ambiental. Além do que, pede-se um número de animais e eles liberam outro. Será que isso ocorre porque a coisa é publica? Quem sabe pensam que são os donos dos cavalos? Acho que talvez não sabem que é o erário público que paga o recolhimento, estada dos bichos e os salários deles. Freqüentemente não atendem a população quando se pede ajuda para algum cavalo, e muitos são grosseiros e mal-educados".

"Vamos continuar buscando cavalos na EPTC porque temos um acordo com o prefeito municipal, José Fortunati, de relocarmos os animais recolhidos, conforme faculta a Lei Federal e, ele está mantendo suspensos os leilões. Existe um grande número de animais com deforminades incapacitantes, cavalos cegos, com problemas articulares, dentre outros. Em Porto Alegre, não dá para dizer que cavalo de carroça não é vítima. A Prefeitura não dipõe de local adquado para colocá-los. Creio que é justo, pois esses animais vêm recolhendo o lixo da cidade gratuitamente para a Prefeitura, e o prêmio não pode ser o leilão. Isso é colocar o dinheiro público no lixo. O cavalo que teve uma recuperação mascarada volta para a rua e, seguramente, vai cair logo adiante. Vamos pagar todo o recolhimento e albergamento novamente? Tenho dúvidas de que haja no depósito o número de cavalos alardeado pela EPTC, que seriam 90 eqüinos. Se houvesse, não levariam cinco meses para entregar 15 cavalos, faltando 25% do pedido. Não é coerente".

 


Final do Circuito Verão SESC de Esportes

Muito esporte e qualidade de vida nas areias da Praia Grande em Torres, RS, na grande final do Circuito Verão SESC de Esportes após dois meses de disputas realizadas em cem municípios de todo o Estado. As fases regionais reuniram mais de 10 mil atletas gaúchos e cerca de 2,7 mil na fase final nos dias 12 e 13 de março de 2011 nas modalidades: vôlei de duplas, basquete, futevôlei, futebol e handebol. Os campões foram conhecidos neste domingo, 13, sendo premiados com troféus e medalhas.
Participaram da grande final, quatro equipes representando o município de Serafina Corrêa. No futebol de areia masculino o Billy Tur participou da 1ª fase; a dupla Alemão e Sheiver, vôlei masculino, também participaram da 1ª fase. No futevôlei, Jairo e Igor classificaram-se para a 2ª fase e no vôlei feminino, a dupla Adriana e Emeline chegaram às quartas de final.
O Diretor de Esportes da Prefeitura Municipal, Sandro Marques, esteve na coordenação das disputas em Serafina Corrêa e acompanhou as equipes finalistas do Circuito em Torres. Para ele, é uma alegria e uma honra ter a participação de equipes preparadas, representando o município nesse evento esportivo de destaque e muito sucesso no estado. O Diretor Sandro agradeceu as equipes e afirmou que será sempre incentivador, juntamente com a equipe da Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Turismo, e apoiador na difusão do esporte no município, pois os benefícios são para toda a comunidade, seja no bem viver, no lazer, na diversão e na qualidade de vida.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa - RS

Prefeito de Cachoeirinha apresenta obras de modernização

Eu não sabia que o colega AGoulart, um grande pesquisador, tinha virado CHAPA BRANCA da prefa de Cachoeirinha. Só estou dando a matéria porque ele me mandou.


Prefeitura começa a recuperação da Av. Flores da Cunha

A Prefeitura de Cachoeirinha começou as obras de recuperação da Avenida Flores da Cunha. Até dezembro, 13 máquinas e dezenas de trabalhadores da CC Pavimentadora executarão o recapeamento integral da via, a segunda mais movimentada do Estado são 160 mil veículos por dia.
A Prefeitura investe R$ 9,3 milhões na revitalização das seis faixas e duas pistas através do Programa de Ampliação e Melhoria da Infraestrutura de Cachoeirinha. As obras começaram pela pista mais próxima do canteiro central no sentido Cachoeirinha/Gravataí. A cada etapa, nesta faixa, são isolados os primeiros 600 metros para a retirada da camada asfáltica superficial e iniciado o fresamento, última etapa antes do novo asfalto. Este primeiro trecho está quase pronto.
CALÇADAS - Esta é a primeira vez desde a conclusão da duplicação, em 1985, que a Flores da Cunha recebe uma recuperação integral do asfalto. A quarta e última etapa da revitalização da via inclui construção de calçadas, duas elevadas, dois túneis, ciclovia e arborização. A prefeitura já está licitando dois trechos de calçadas a serem construídas entre a ponte e a Rua Bonifácio Bernardes. As obras de arte serão financiadas através de um empréstimo de R$ 46 milhões que recebeu sinal positivo do Ministério da Fazenda recentemente. A liberação da verba depende agora do Ministério das Cidades.
Além da Flores da Cunha, outras 4 grandes obras ?comprovam? planejamento do Governo
O início da modernização da Avenida Flores da Cunha aumentou o congestionamento na via, mas se engana quem pensa que as obras poderiam ter começado antes ou depois. O recapeamento que recupera 25 anos de tapa buracos se conecta a outros 4 grandes canteiros de obras comandados pela Prefeitura de Cachoeirinha em todas as regiões da cidade. O objetivo é recuperar até 40 anos de espera por melhorias em apenas 4 anos.
Se na Flores da Cunha as máquinas revitalizam o asfalto, na vila Canarinho, no extremo norte, elas constroem novas vidas. Lá o Loteamento Chico Mendes se prepara para receber 135 famílias que há 10 anos ocupam área de risco a poucos centímetros do primeiro bairro público planejado do município. E se a avenida parecerá uma rodovia recém-inaugurada em dezembro, ali perto, no Natal, mais 114 famílias da Vila Olaria estarão distantes das cheias do rio Gravataí depois de mais de 20 anos. A Vila Navegantes também habitará o bairro-modelo, riscando do mapa de Cachoeirinha três áreas de risco em apenas dois anos e mudando a vida de 427 famílias de Cachoeirinha.
Na área central da cidade, outros oito bairros deixarão de conviver com alagamentos e prejuízos a cada chuva mais forte. Comuns há 40 anos para algumas famílias. Veranópolis, Eunice Velha, Eunice Nova, Jardim Mauá, Imbuí, Vila Cachoeirinha, Ponta Porã e Parque Brasília veem desde 2009 a passagem das obras do Conduto Forçado. Galerias de 2,40 metros de altura percorreram 8 ruas e cerca de 2 quilômetros. A obra entra agora na reta final. No total, o governo está investindo cerca de R$ 15 milhões no sistema de proteção contra cheias, quase 10% do orçamento municipal. Cerca de 70% das obras estão prontas.
Já no Distrito Industrial do município, a prefeitura deve duplicar seis quilômetros do principal corredor econômico de Cachoeirinha antes de o Governo do Estado concluir a duplicação da RS-118. Até metade do ano que vem, a avenida Frederico Ritter entrega mais duas faixas de rolamento para garantir a vinda de novas empresas. Como Cachoeirinha é, desde 2009, a cidade que mais gera empregos no Rio Grande do Sul depois de Porto Alegre, Canoas e Rio Grande, além de vir sendo ?invadida? por um pólo logístico, o governo quer manter esta onda de crescimento de forma sustentável e contínua. As obras vão acelerar o Distrito na competitividade regional e nacional. São duas frentes.
Aliás, é fundamental comparar Cachoeirinha com estas duas últimas cidades. A União está construindo uma nova BR em Canoas, projeto de R$ 800 milhões. Em Rio Grande, a cidade do superporto, vem investindo na indústria naval pelo menos R$ 2 bilhões desde 2005. Ou seja, estão sendo contempladas nesse ranking por investimentos bilionários do Governo Dilma. Em Cachoeirinha não. O PAC é responsável pelos R$ 13 milhões do Loteamento Chico Mendes. Já prefeitura está investindo, sozinha, R$ 30 milhões nas outras 4 grandes obras, quase três vezes mais que o governo federal em Cachoeirinha.
Junto à Free Way, está para ser inaugurada a primeira deste lote de 5 grandes obras que mudarão a cara da cidade. A duplicação de 3 quilômetros da avenida Papa João XXIII será o primeiro carimbo do acertado planejamento de modernização de toda a cidade entre 2009 e 2011. Com as quatro faixas, a prefeitura antecipou-se à liberação de um segundo acesso à cidade, via Free Way. A Agência Nacional de Transporte Terreste (ANTT) estuda o assunto depois de Cachoeirinha pressionar a União há quase 10 anos.
TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE AS OBRAS DA FLORES DA CUNHA

OBRAS DE DIA x OBRAS À NOITE
Além de encarecer os custos, A FLORES DA CUNHA CONTINUARIA INTERDITADA NO TRECHO DA OBRA. É que o asfalto utilizado é o de melhor qualidade no mercado, o chamado "asfalto quente", que precisa ao menos de 24 horas para a secagem.
POR QUE A OBRA NÃO INICIOU NAS FÉRIAS?
As obras de revitalização da Flores da Cunha fazem parte do Programa de Ampliação da Infraestrutura de Cachoeirinha, financiado por um empréstimo internacional, que prevê um cronograma de obras e tem contrato assinado com a previsão. Além da Flores da Cunha, o programa também inclui as duplicações das avenidas Frederico Ritter e Papa João XXII e o Conduto Forçado.
POR QUE NÃO FORAM REPAVIMENTADAS AS TRÊS FAIXAS AO MESMO TEMPO?
O transtorno seria maior, já que o fluxo dos dois sentidos da Flores da Cunha ficariam em apenas três faixas de rolamento. O planejamento atual deixa cinco das seis faixas liberadas.
NÃO HÁ COMO EVITAR CONGESTIONAMENTO?
Com a explosão do número de carros em Gravataí, cujo único acesso gratuito dos moradores é a Flores da Cunha, e Cachoeirinha, que juntas têm quase 100 mil veículos rodando, segundo o Detran, o congestionamento já era uma realidade na avenida. A prefeitura já está fazendo abordagem dos motoristas com placas de outras cidades e colocará nas ruas nos próximos dias uma ampla campanha de sugerindo alternativas para esses condutores.
O CRONOGRAMA DE OBRAS DA MODERNIZAÇÃO
ETAPA 1
2009
Eliminação dos retornos e de sinaleiras e adoção de binários e laços de quadra nas ruas transversais.
2010
Implantação das câmeras de videomonitoramento, nova iluminação entre as paradas 50 e 54 e da acessibilidade.
2011
Repavimentação integral da avenida e construção de calçadas.

ETAPA 2
2012

. TÚNEL - Construção de 1 túnel em frente ao BIG e Shopping do Vale.
. ELEVADAS - São 3 elevadas junto às avenidas Fernando Ferrari, Papa João XXIII e Princesa Isabel. Assim, o tráfego que vai em direção ao Distrito Industrial, Free Way e Parque da Matriz, respectivamente, será independente do trânsito da Flores da Cunha.
. CICLOVIA - Construção de uma ciclovia no canteiro central da avenida, ligando a ponte à parada 59 de bicicleta.
. QUALIDADE DE VIDA - arborização, colocação de bancos, pontos de telefone, lixeiras padronizadas, estacionamento rotativo e outros equipamentos do mobiliário urbano.
Estimativa de liberação do financiamento de R$ 46 milhões pedido pela prefeitura ao Ministério das Cidades. O pré-aval, da Secretaria do Tesouro Nacional, já foi dado.

Secretaria de Comunicação de Cachoeirinha/RS

Redação: Alessandro Schlesnner, Jair Gouvêa, Magda Vargas e
Rita Trindade. Colaboradores: David Cafruni,
Vanessa Morais, Jane Nunes, Sônia Zanchetta,
Paulo Careca e Cristiane Corrêa
51.3471.7627
51.9718.2023
www.cachoeirinha.rs.gov.br

O CHARQUEADAS APANHOU E EU FUI A FONTE

EIS AI A ORIGEM DOS TERMOS DIREITA E ESQUERDA, TÃO DEMODEE....


Direita é o termo geralmente utilizado para designar indivíduos e grupos relacionados com partidos políticos ou ideais considerados conservadores (em relação aos costumes) ou liberais (em relação à Economia), por oposição à esquerda política.

Deve a sua designação ao facto de, nos Estados Gerais franceses reunidos em 1789 (ver Revolução Francesa), os monárquicos, que apoiavam o Antigo Regime, tomarem o lugar à direita do rei. Com o tempo, o sentido de direita e esquerda foi-se relativizando para se tornar mais adequado às ideologias comparadas e ao ponto de vista de quem usa tais termos. Por exemplo, os girondinos, por serem também revolucionários, estavam à esquerda do regime social e econômico estabelecido por ocasião da revolução, mas, com o derrube do regime, passaram a ser "a direita", por oposição aos jacobinos, revolucionários mais radicais.
O termo refere-se geralmente ao conservadorismo e ao liberalismo na sua faceta econômica de livre mercado (que abrange desde o liberalismo clássico ao libertarianismo). Muitos libertários e liberais, porém, recusam o enquadramento (ver espectro político). A partir do século XX, o termo extrema-direita passou também a ser utilizado para o fascismo, bem como para grupos ultranacionalistas. No entanto, o filósofo Olavo de Carvalho, em seu programa de rádio na internet Trueoutspeak, no dia 4 de janeiro de 2010, afirma que o Fascismo era a ala socialista-nacionalista dos partidos políticos da Itália, já que a outra ala socialista daquele país era de aspecto internacionalista, conforme as idéias Marxistas-Leninistas.


Parceiros da CRL já podem aderir à Semana do Livro

A Câmara Rio-Grandense do Livro promove, de 18 a 24 de abril, mais uma edição de sua tradicional Semana do Livro.
A iniciativa marca a passagem do Dia Nacional do Livro Infantil (18 de abril - nascimento de Monteiro Lobato) e do Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor (23 de abril – data do falecimento de Cervantes e de Shakespeare).
O ponto culminante da Semana é a solenidade pelo Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor, em que a CRL homenageia pessoas e entidades que se destacaram pela realização ou apoio a ações em prol do livro e da leitura no ano anterior.
Podem aderir à semana entidades, empresas e pessoas físicas que aceitem o desafio de realizar uma ou mais atividades que coloquem o livro, a leitura e/ou a literatura em destaque no período.
Para que as atividades sejam inseridas na programação a ser elaborada e divulgada pela CRL, devem ser enviadas ao e-mail visitaçã seguintes informações: nome, endereço completo, e-mail e telefones do proponente; título, tipo, local, data, horário e público-alvo da atividade a ser promovida; eventuais parceiros e condições de acesso (se a entidade terá entrada gratuita ou se haverá cobrança de ingresso – neste caso, deve ser indicado o valor e local de venda).


Dias de Homenagens às Mulheres

O Gabinete da Primeira Dama e a Coordenadoria Municipal da Mulher realizaram diversas ações na semana de 07 a 12 de março, com o objetivo de destacar, valorizar e homenagear a contribuição e o papel da mulher na sociedade.
As comunidades de São Marcos e de Silva Jardim receberam, nos dias 09 e 10 de março, equipes da Secretaria Municipal da Saúde e do Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação, com contribuições e a reflexão da história e das conquistas das mulheres. As duas comunidades foram levadas a refletir sobre a saúde da mulher, medidas de prevenção e de melhoria das condições de vida. A participação não só das mulheres como das famílias engrandeceu o evento, atingindo o objetivo de informar, refletir e homenagear o papel da mulher na sociedade.
Na sexta, 11, a ASCAR/EMATER, o Gabinete da Primeira Dama e a Coordenadoria Municipal da Mulher promoveram o 2º Concurso de Culinária, 1º de Salgados, e uma palestra sobre a saúde da mulher, com destaque à prevenção ao Câncer de Mama e de Colo de Útero. O evento foi um verdadeiro sucesso, com a participação dos Clubes de Mães, dos Grupos da Melhor Idade, entidades e da comunidade.
Durante a semana que homenageou e valorizou o papel da mulher no crescimento e no desenvolvimento do município, o Gabinete da Primeira Dama e a Coordenadoria Municipal da Mulher estiveram engajados com o objetivo de promover ações e a reflexão em torno da mulher, sua saúde, da história, lutas e conquistas. O evento teve o apoio das Secretarias Municipais, Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Alimentação, Conselho de Clubes de Mães, Brigada Militar, Grupos de Terceira Idade, Polícia Civil, ASCAR/EMATER, Câmara de Vereadores, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e entidades representativas do município.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa - RS


E X C L U S I V O


O "CRUZEIRINHO"


Assim chamado, carinhosamente,o ESporte Clube Cruzeiro, que antigamente era dono da famosa COLINA MELANCOLICA, onde hoje está o cemitério João XXIII deverá perder boa parte dos seus jogadores, ou no mínimo oito no fim do campeonato gaúcho.


Os jogadores são quase todos amadores,ou seja, não estão num esquema profissional. Basta dizer que o que mais ganha não chega a dois mil reais.

E assim mesmo deram um chocolate no Grêmio, no sábado passado, dia 12/03.

E na quinta, dia 10/03, tocaram 8 a zero no tal time do Assis, o Porto Alegre.


DIEGO TORRES foi tão bem no dia 10/03, contra o Porto Alegre, que ganhou uma TV....

parece piada, perto da realidade do nosso futebol que qualquer perna de pau, com empresário pede de 100 mil mensais pra fora ( e ganham...)

O gRÊMIO correu na frente e ofereceu UM milhãod e reais por LEO... mAS O CRUZEIRO não aceitou as condições e as negociações prosseguem.

Até onde este site sabe, os jogadores somente sairão do Cruzeirinho depois do fim do campeonato gaúcho...


De São Borja

Desde ontem, Letier Vivian não assessora mais o vereador Celso Lopes, do PDT, presidente da Câmara Municipal.

DE São Borja


BICÃO é coadjuvante

na eleição de São Borja


Na foto Juarez e Maria Thereza Fontella e João Manoel Bicca, na Câmara de SB.


A FSB noticia que o ex-vereador de São Borja, Joao Manoel Bicca deixou o PSDB e que voltou ao PMDB tendo a chance de ser o candidato a prefeito da cidade no ano que vem.

Mas o que se comenta é que os candidatos as ganhas,isto é, com chances de se eleger na municipal de São Borja no anoq ue vem são o vereador Farelo Almeida(PDT) - que deve ser o indicado do partido, já que na última eleição a vereador fez cerca de 2.300 votos - e o dr. Luciano, do PP, que na última eleição municipal perdeu para Mariovane Weis(PDT).

No PT, não se sabe,ainda quem será o candidato.

Mas o f ato é que tem que se levar em consideração que São Borja é a terra natal do governador e seguramente ele se esforçará pra que em sua terra natal haja um candidato do seu partido com reais chances de ganhar a eleição municipal.

Quem viver, verá!

Origens de Gardel

Recebo da leitora Neuza Penalvo, de São Borja...


LI rapidamente o Gelson Farias, sobre o tema Gardel. Discordo dele quanto a que Gardel é portenho!Até hoje ninguém comprovou a nacionalidade dele. Os franceses dizem que é francês, os argentinos dizem que é de lá e os uruguaios dizem que é de Tacuarembó, nascido na localidade de Valle EDén onde tem até a casa onde ele morou e agora é museu....

( Obrigado pela carta....o editor)


Infraestrutura e qualidade de vida

A Prefeitura de Serafina Corrêa tem realizado, em diversos pontos do município, muitas melhorias, mudando a vida das famílias, com as condições essenciais de infraestrutura.
Nos bairros, nas ruas centrais e na zona rural, as ações estão voltadas para a melhoria das condições de trafegabilidade e de bem viver. O loteamento Monte Grappa está de cara nova: foi realizada a parte de infraestrutura, com colocação da tubulação adequada, construção de bocas-de-lobo, meio-fio e calçamento. Desde 2009, cerca de 7.000 tubos já foram colocados no município, visando solucionar problemas de águas pluviais, entre outros e melhorar as condições de vida da população.
Os passeios públicos também têm recebido atenção especial, com reconstrução de calçadas, consertos, partes foram totalmente reconstruídas a fim de proporcionar segurança para as pessoas que transitam e também embelezando a cidade.
Para o Prefeito Municipal, Ademir Antônio Presotto, as ações estão voltadas à infraestrutura, solucionando problemas recorrentes, mas também pensando no crescimento do município e buscando formas de atender com tranquilidade e segurança a demanda crescente da população.

Por: Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa
Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa - RS

Coleguinhas


Uma fonte da rádio Guaíba me informa que as reuniões no RecSul acontecem todas as quintas....


Coleguinhas


Blog do colega Lauro Dieckmann mostra as mazelas portoalegrenses, que os outros não dão....


o Lauro faz um pouco o que o grande jornal que foi a Folha da Tarde, da CJCJ fazia. Era um jornal que cuidava da cidade, dos buracos das ruas, da falta de luz, do bi co de luz estragada....ou seja, tem um vínculo estreito com o leitor.

Hoje o DG faz um pouco isto...a ZH perdeu totalmente este foco de jornal da cidade....

União Lajeadense de Clubes de Mães dá início às atividades de 2011

RAFAEL SCHEEREN GRÜN

União Lajeadense de Clube de Mães - Gicelda Müller: Segundo Gicelda, cerca de 800 mulheres integram os clubes de
mães de Lajeado

 

RAFAEL SCHEEREN GRÜN

União Lajeadense de Clube de Mães - prece
Diretoria da ULCM e coordenadoras fizeram uma prece no início
das atividades

LAJEADO - A União Lajeadense de Clubes de Mães (ULCM) deu
início, na segunda-feira (14), no salão de eventos da Prefeitura de
Lajeado, às atividades para o ano de 2011. Em reunião com as
coordenadoras dos 20 clubes de mães existentes no município, a
diretoria da ULCM fez questão de anunciar as novidades para este ano,
entre as quais, a oferta de aulas de informática em cada clube que o
requisitar, além do curso de pintura em tecido destinado para
adolescentes a partir dos 13 anos de idade. De acordo com a presidente da
ULCM, Gicelda Müller, atualmente, cerca de 800 mulheres integram a
União Lajeadense de Clubes de Mães. "Entre as atividades desenvolvidas
nos encontros semanais em cada um dos clubes, são ministrados cursos de
artesanato, como corte e costura, textura em tela, patchwork, almofada
favo, biscuit e decoupage, além do treinamento de bordado em ponto
russo", destaca Gicelda. Ela lembra que a ULCM também se engaja e
promove, constantemente, campanhas de arrecadação de donativos para
entidades assistenciais de Lajeado, bem como visita pessoas doentes para
confortá-las. Após transmitir uma mensagem de motivação às
coordenadoras dos clubes, a conselheira da ULCM, Beatriz Provin, afirmou
que, "cada coordenadora representa as mulheres da sua comunidade".


Prefeitura Municipal de Lajeado
www.lajeado.rs.gov.br


CAIXEIRO VIAJANTE


um conhecido meu chamava o Papa aquele que peregrinou o mundo de VIAJEIRO CAIXANTE DO CAPITALISMO MUNDIAL....

E o Obama, o que é???


agora vem oferecer navios de brinde, junto com os aviões...Baita lobista!!!!


XATONILSKA!!!!!


Esta SHAKIRA é uma baita de uma xaropona. Só não é maior do que o Paul, por falta de espaço!

Aliás, quando o Terceiro Mundo começa a receber estes caras, é porque o primeiro não os quer mais...


PLANTÃO FUNERÁRIO....

Vou instituir aqui um plantão funerário, como o meu querido amigo Wellington, que já partiu dizia sempre que me ligava as sete da matina pra anunciar uma morte:

O Serginho Ros tá com baita medo de ter que ir pro outro lado do mundo. Mas ele vai pro Paraíso, aquele lugar que deve ser uma chatice, um tédio só....

mas me disse pra espalhar as cinzas dele no rio das Antas, do outro lado da ponte, pra elas não irem pra Veranópolis....


Plantão funerário(2)

Flávio Alcaraz Gomes é outro que já aprontaram seu obituário em muitos jornais. Está na UTI do Moinhos...


Plantão Funerário(3)

Este não pegam mais tão cedo. O Beto Blum melhorou com seu marcapasso e já o vejo pela avenida Lavras dando suas caminhadas...fugiu de Jesus....

 

“As mulheres reclamam muito dos salários baixos, mas pesquisa revela: muitas delas têm medo de pedir aumento”.


Essa foi a chamada para uma matéria do Jornal da Globo desta quinta-feira. Na escalada do jornal, o texto perguntou: “Medo de quê? Por que as mulheres tem mais dificuldade em pedir aumento?”.

Essa é a explicação encontrada pela Globo para os salários mais baixos recebidos por mulheres em cargos iguais aos dos homens. A mesma matéria já aproveita para explicar as maiores dificuldades das mulheres em ascender na carreira: apenas 28% delas pensam em promoção, contra 39% dos homens.
Após algumas entrevistas nas ruas, nas quais todas as falas que foram ao ar são de mulheres dizendo que nunca pediram aumento – referendando a tal pesquisa –, o repórter, em off, acusa: “Quase metade delas diz que ganha mal, mas também não faz nada para mudar essa situação”. No fim da matéria, a entrevistada é uma alta executiva. A partir de sua posição privilegiada, ela faz uma análise sociológica: “Não vejo limitações. Quem coloca limitações é a própria pessoa, o mercado está aberto”, afirma.

Entre tantas aspas destacando frases absurdas, um comentário do Mirgon Kayser, no Twitter, resumiu a situação com precisão: “Padrão Globo sim… Em geral a Globo valoriza as explicações mercadológicas que diluam e mascarem machismo / racismo / homofobia, etc”. É isso. No caso específico das mulheres, é a reprodução e o fortalecimento do pensamento segundo o qual a mulher estuprada é a responsável pelo estupro.


A culpa por ser pobre é do próprio pobre, a culpa do desemprego é do desempregado que não gosta de trabalhar, a culpa de todas as formas de exploração e/ou opressão é sempre do explorado e oprimido. É assim que a Rede Globo quer fazer as pessoas pensarem, alimentando, dessa forma, a segregação, o preconceito e a exclusão por parte das elites, ao mesmo tempo em que tira dos oprimidos a percepção da necessidade de luta coletiva para se alcançar uma verdadeira mudança social. Individualiza a percepção e a luta, colaborando, através da construção desse discurso, com a manutenção das mais diversas formas de opressão.

Postado por Alexandre Haubrich

Coleguinhas

Que Martha Medeiros, e afins, tou gostando mesmo é do jeito da ELEONE PRESTES escrever. coloquial....só tem um defeito: ter nascido em São Borja. Mas ninguém é perfeito!


Cavalo que capotou na Protásio Alves recuperou-se de forma surpreendente

"Se você olhar para este cavalo bonitão, não será capaz de imaginar que ele é o Jabulani", comemora a presidente da ONG Chicote Nunca Mais, Fair Soares. Ele foi matéria do jornal Zero Hora porque caiu na avenida Protásio Alves, perto do Sesc, no dia 26 de junho de 2010. Semanas depois, no dia 2 de agosto, foi retirado pela Chicote Nunca Mais do depósito da EPTC, e depois de pouco mais de seis meses está irreconhecível. "Comida, respeito e dedicação fazem toda a diferença na vida de um animal", aponta Fair.

Para saber mais visite http://chicotenuncamais.org


OLHA O RADICI NO ESTALEIRO


Repórter de ZH se recupera de acidente na Líbia

Enviado Especial da RBS para acompanhar a guerra civil na Líbia, o repórter Humberto Trezzi está desde sábado no Egito, onde se recupera de ferimentos no rosto e na cabeça. No domingo, o jornalista publicará reportagem especial com os detalhes da situação no mundo árabe.
Trezzi sofreu um acidente sexta-feira, no front em Ras Lanuf, cidade que estava sob bombardeio de artilharia das forças pró-Muamar Kadafi, o ditador líbio. O carro em que o repórter de ZH estava, com três repórteres franceses e um motorista líbio, fugia dos tiros de canhão na estrada quando colidiu contra uma van que freou repentinamente para fugir à explosão de uma bomba na rodovia.
O veículo ficou destruído, com o motor dentro da cabine. Os quatro jornalistas tiveram de quebrar o para-brisa para poder sair, porque a porta não abria. Trezzi feriu-se no olho esquerdo, que apresenta pequena hemorragia interna. No outro carro, uma van, estava um cinegrafista italiano, que sofreu fratura nos braços e uma concussão na cabeça.
Medicado pelo médico líbio Osama Jazner, o repórter de ZH foi conduzido até Brega, a cidade mais próxima, numa ambulância do Crescente Vermelho, o equivalente muçulmano à Cruz Vermelha. No trajeto, apesar de bem identificado, o veículo também foi alvo de bombas, numa demonstração de que os combates não respeitam códigos de guerra.
Condições de trabalho são precárias no mundo árabe Trezzi, então, conseguiu auxílio de dois jovens de Benghazi. Em meio a um trabalho comunitário – os dois rapazes estavam em Brega para distribuir alimentos a flagelados –, concordaram em conduzir o repórter numa caminhonete cabine dupla até Benghazi, a segunda maior cidade do país e a capital rebelde. Dezoito horas depois, o jornalista de ZH viajaria mais 1,3 mil quilômetros num microônibus até a capital egípcia, o Cairo – a 700 quilômetros da fronteira líbia. Ontem, o enviado especial da RBS já apresentava melhoras. Ele embarca amanhã para Porto Alegre, onde será submetido a novos exames.
As condições de trabalho jornalístico no mundo árabe estão muito dificultadas. Um cinegrafista da rede de TV Al-Jazeera foi morto, metralhado, no sábado. A internet e as ligações telefônicas estão cortadas, e a chamada Líbia Revolucionária – que combate Kadafi – está encolhendo.
Em questão de dias, pode deixar de existir.


Desconstruindo a fantasia do carnaval na mídia


Do modo como se expressam nas transmissões do rádio e da TV e nos textos dos jornais, os apresentadores e repórteres da Globo/Errebeesse dão a impressão de grande intimidade com as gentes e coisas do carnaval. Falam de uma maneira tão natural que parecem ter nascido dentro de uma escola de samba. Conhecem todas as "personalidades" que refulgem durante o efêmero "reinado" de Momo; dos presidente aos abre-alas.
Referem-se a todos pelo nome e sobrenome, mas preferem, claro, chamá-los pelos apelidos, para demonstrar intimidade. Devem dedicar muito tempo de suas vidas na convivência com carnavalescos para conhecê-los tão bem, assim como os meandros das associações por onde transitam estes pífios personagens que a mídia transforma em celebridades com prazo de validade até o desfile das campeãs no sábado do Enterro dos Ossos.
Pois, bem, sempre tem um boi corneta, um do contra, para acabar com a unanimidade. Não é que, na ZH deste sábado, um dos seus cronistas faz dura crítica à uniformidade medíocre e ao mercantilismo que predominam no Carnaval de hoje. Um cronista, que, apesar de estar restrito ao tradicionalismo, é um dos talentos mais polivalentes "da casa". Enquanto os outros escrevem num eterno tom monocórdio sobre os assuntos de sempre, ele consegue a variedade dentro dos seus limites bem demarcados. Em duas colunas que ocupam apenas um quarto de página do jornal, o homem pôs em cheque toda a construção falaciosa que os globais e os errebeessistas laboriosamente se esforçam para erguer em torno do Carnaval.

do Blog do Lauro Dieckmann!

QUEM MANDA É ELA

Por Carlos Chagas

Está para ser divulgada esta semana a primeira pesquisa ampla e sistematizada a respeito do governo Dilma Rousseff. Surpresa, propriamente, não haverá, até porque a opinião publicada, expressa nos editoriais dos jornalões, acopla-se à opinião pública detectada nas diversas categorias sociais e regiões do país. Ignoram-se os percentuais mas a aprovação nacional dos primeiros dois meses parece inconteste.
Alguns céticos já concluem estar alguma coisa errada quando se registra a unanimidade, ou quase. Preferem ficar com Nelson Rodrigues, para quem toda unanimidade era burra.
Não há como deixar de anotar, porém, que a presidente tem o apoio da sociedade, mesmo obrigada a cortar gastos públicos e a conceder ínfimo reajuste ao salário mínimo. Seu estilo de gerentona, bem diferente dos oito anos do Lula, parece estar agradando as elites sem desagradar as massas. Claro que ela surfa no sucesso do antecessor e faz diligentemente o dever de casa. Ao primeiro sinal de catástrofe, mandou-se para a serra fluminense, assim como puxou as orelhas de alguns ministros, preservando-se ao mesmo tempo da exposição explícita a que se dedicava seu mestre. Desenvolve outro tipo de comportamento, mais rígido e menos ostensivo. Prefere, vale repetir, a postura austera da madre superiora do convento, ainda que se esforce por apresentar-se amena e sorridente nas audiências que concede e nas viagens que empreende. Mas enfrentou com dureza as tentativas de envolvimento e as exigências de políticos ávidos de auferir benesses, tanto quanto enquadrou as lideranças sindicais empenhadas em obter vantagens até justas para seus liderados.
Em suma, é muito cedo para conclusões, mesmo preliminares, mas uma característica emerge dessas semanas iniciais do novo governo: quem manda é ela, sem qualquer dúvida, evidência que agrada a população. Com a ressalva de que não é tempo para celebrações, muito pelo contrário.
OBAMA E O PRÉ-SAL
Segredo não é o fato de que tanto os Estados Unidos quanto a China vem carreando há meses dezenas de milhões de dólares para os cofres da Petrobrás, com base no compromisso de receberem como pagamento vastas parcelas do petróleo ainda escondido nas profundezas do litoral brasileiro. São contratos a prazo futuro, que não nos farão perder a soberania dessa imensa riqueza posta à nossa disposição pela natureza.
O problema é que extrair petróleo nas camadas inferiores custa muito caro. A Petrobrás dispõe da tecnologia necessária para a operação mas anos ainda vão decorrer até que ela se torne rentável.
Nessa hora é que a presença de Barack Obama no Brasil se torna mais do que oportuna. Ele vem disposto a estimular grande aumento da produção de etanol para exportação ao seu país, mas poderá sensibilizar-se para uma parceria ainda maior na exploração do petróleo do pré-sal. Por certo que exigirá compensações, e muitas. Por coincidência, está prevista para abril a ida da presidente Dilma Rousseff à China. Dá para entender...
A VACA
Faz muito a expressão “nem que a vaca tussa” vem sendo utilizada para definir propostas irrealizáveis. Há no Congresso, porém, quem se anime a anunciar que a vaca está próxima desse milagre da natureza, no caso da reforma política. Reúnem-se esta semana as comissões especiais da Câmara e do Senado designadas para elaborar sugestões a respeito. Começarão por uma espécie de consolidação dos mais de 50 projetos já apresentados nas duas casas, hoje dormindo nas gavetas de comissões técnicas variadas. As tendências entre deputados e senadores são conflitantes, os objetivos de PT e PMDB batem de frente e fica difícil imaginar o consenso, mas sendo o Brasil o país das impossibilidades possíveis, como dizia Gilberto Freire, quem sabe a vaca nos fará alguma surpresa?
TUCANOS EM REVOADA
São mínimas as possibilidades de os tucanos se acomodarem no ninho. Estão e continuarão em revoada sem rumo por motivo com data marcada: outubro de 2014, quando da próxima sucessão presidencial. José Serra, candidatando-se ou não ao trampolim que seria a prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin e Aécio Neves são pretendentes irremovíveis a subir a rampa do palácio do Planalto, tanto faz se tiverem de enfrentar Dilma ou o Lula.
O governador de São Paulo dispõe de estrutura sólida, além da alternativa de poder concorrer outra vez ao cargo que exerce. O ex-governador de Minas estará no meio de seu mandato de senador e o candidato derrotado no último outubro pode argumentar com o raciocínio de que o Lula perdeu três disputas, ganhando na quarta e na quinta, ao tempo em que ele só perdeu duas.
No PSDB, há quem sustente a necessidade da antecipação da escolha do candidato, claro que não este ano, mas no próximo, de modo a reordenar suas esquadrilhas destroçadas num único plano de vôo.


MINISTÉRIO DA PESCA

Começou com um orçamento de R$ 11 milhões, chegando agora em R$ 803 milhões.
A produção de pescado:
em 2002: 990 mil toneladas.
em 2010: 990 mil toneladas.
Ocupa um prédio alugado de 14 andares com fachada espelhada a um custo anual de R$ 7 milhões.
É ocupado atualmente pela "belezura" da Ideli Salvatti, que trabalha com sua turma em outro prédio.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


MINISTÉRIO DA PESCA


REALMENTE é dinheiro jogado fora, já que a pesca está comprometida com a extinção de milhares de espécies. Jamais passa pela cabeça das pessoas em investir dinheiro público em alternativas ou mesmo parar de consumir peixes.
A pesca não cresce pois não há mais de onde tirar. É um fenômeno mundial. Em alguns países como Japão já existe racionamento de pescado. E o bacalhau (que aqui se consome sem nenhum pudor) está ameaçado de extinção (várias espécies tem o nome “bacalhau” e todas elas estão ameaçadas) e contaminado por metais pesados. Aliás, são poucos os pescados que não contém contaminantes.
Qualquer pessoa pode se informar sobre isso em sites da internet, publicações de ongs que estudam isso e mandam material gratuito.
O Brasil investe em negócios já falidos no restante do mundo, como a pecuária ( muitos países já transferiram o ônus ambiental e econômico de se criar animais para o exterior, como o Brasil). Mas falar isso aqui é impossível por causa dos comprometidos com esse negócio.
(obrigada pela informação, não conhecia estes números...)
Ellen Augusta, bióloga


MINISTROS NO NEGATIVO E NO POSITIVO


NEGATIVO: Entre os que estão na coluna palaciana de "débitos" aparecem os ministros da Cultura, Ana de Hollanda (PT?), da Educação, Fernando Haddad (PT), do Turismo, Pedro Novaes (PMDB), dos Esportes, Orlando Silva (PCdoB), e até mesmo o ministro da Fazenda, Guido Mantega (PT).
POSITIVO: Já entre os que estão com cotação alta se destacam o chefe da Casa Civil, Antonio Palocci ( do caseiro Francenildo e do PT ), que está muito afinado com Dilma, e o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), que já mereceu elogios da presidente pela atuação ágil diante das tragédias ambientais pelo país.
Se cairem os do PT significa o quê? Que o "PT realmente é quem manda".
Entre os negativos deveria estar o Lupi do PDT boqueiro, vassalo e servil, da coluna vertebral flexível, invertebrado, que não é o meu PDT.
Direita/Esquerda, a piada continua.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


MAURICIO MACRI:SUSPEITO DE MANDAR MATAR BURUSTEIN

Um dos maiores escândalos políticos dos últimos tempos

De Buenos Aires
Gelson Farias

O futuro das investigações da suspeita de escuta ilegal na Argentina está nas mãos da Justiça. o principal acusado, Mauricio Macri, prefeito de Buenos Aires, pediu que seu depoimento, seja adiado.



O próprio Macri ( foto), disse em sua defesa que “é difícil entender a decisão de Oyarbide”, mas assegurou que está “muito tranqüilo” porque não tem “nada a ver com as escutas”.
“Não vou responder a nenhum tipo de contestação difamatória ou desqualificadora porque elas têm um único propósito, que é me tirar da razão para me prejudicar na investigação, e isso não vai acontecer”
Junto com funcionários do gabinete e da polícia da capital, Macri foi denunciado por ter ordenado a escuta telefônica de um alto dirigente da comunidade judaica argentina, Sergio Burstein, e do cunhado dele.


Segundo testemunhas, Sérgio Burstein ( foto) vítima do atentado, teria descoberto que seria morto e tratou de oferecer, muito dinheiro para o pistoleiro, para não morrer.

No documento apresentado ao juiz, Macri afirma que a data do depoimento coincide com uma viagem sua à Índia, informou a agência de notícias estatal argentina, Télam. Dias antes, o prefeito havia pedido para tirar cópia do inquérito e obteve autorização do juiz. Macri, oposicionista de centro-direita, é um dos pré-candidatos com maiores chances de suceder a presidente Cristina Kirchner em 2011.



Jorge Palacio, ex-chefe de Polícia em Buenos Aires
A denúncia foi feita quando Burstein, dirigente da comunidade judaica e membro da organização Familiar de Vítimas da Amia ( alvo de atentado a tiros, em seu carro, em 1992, em Buenos Aires) souberam que seu telefone havia sido grampeado. Na mesma época, o até então chefe da polícia metropolitana, Jorge Palacios, foi tirado da instituição, criada por Macri no início do ano. Palacios, homem de confiança de Macri, é considerado suspeito de ter sido cúmplice do atentado da Amia. Ao mesmo tempo, outra denúncia mostrava que quem realizava a escuta contra o dirigente da comunidade judaica era o espião Ciro James, membro da secretaria de Educação portenha. Atualmente, os dois estão sendo processados e mantidos presos em uma prisão de segurança máxima

Carro do atentado a tiros na janela do motorista

Uma intimação para que o prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, fale em um caso de um escândalo de espionagem envolvendo políticos e empresários acabou desatando uma nova polêmica entre a administração portenha e o Governo de Cristina Fernández. As autoridades da prefeitura de Buenos Aires reagiram indignadas perante a decisão do juiz federal Norberto Oyarbide de chamar Macri para prestar depoimento como suspeito de formar parte de uma associação ilícita que fez escutas telefônicas ilegais.



Juiz Federal argentino, Norberto Oyarbide
Em uma decisão de enorme impacto político, o juiz federal Norberto Oyarbide ontem indiciou o chefe do governo de Buenos Aires, Mauricio Macri, como um suposto membro de uma conspiração montada para interceptar comunicações telefônicas. 142fc496eac1104b24ae30fdcb1cffa1. 13511666143
Macri permanecem sob custódia durante o processo que poderia levar anos, mas os efeitos que este caso terá na sua gestão e sua corrida presidencial anunciou ainda é incerta.
Macri foi indiciado junto com sua ex-ministra da Educação, Narodowski Mariano, acusado do crime de ocultação agravada. Melhor sorte correu Guillermo Montenegro, Ministro da Justiça e da Segurança de Buenos Aires, que Oyarbide indeferido. Montenegro pediu que ele fosse separado da causa. Se o seu despedimento é confirmado pela Câmara, o magistrado e sem perigo de ser executado fora do caso. Para Oyarbide, o chefe do governo da cidade não só se juntou a uma conspiração dedicada à espionagem. Considerado que também participou diretamente da batida das vítimas eram de seu irmão, Nestor, Leonardo enfrentou durante anos com Macri, e Sergio Burstein, um parente de uma das vítimas do

O Oyarbide de falhas foi muito divulgado nos últimos tempos. Tanto que, às 19h30, quando o juiz voltou ao tribunal para assinar o Comodoro Py, já era uma hora Macri foi levado para o processamento em uma entrevista coletiva. Antes de as câmeras de televisão, o prefeito disse que iria apelar da decisão, Néstor Kirchner, acusado de comandar a causa de danos e estudos de demanda prevista para acusar Oyarbide.

"Eu não me importo. Deixe que ele faça. É seu direito. Eu não vou responder", disse Oyarbide da Nação, aos 21, quando ele deixou o tribunal. Basta relatar o erro para os defensores.

As razões para a decisão ainda não são conhecidos. Os réus só têm acesso ao completo fracasso, de 645 facetas, na segunda-feira. Na noite passada, os advogados tomaram a parágrafos, inclusive gravame colocado contra os bens dos acusados: 250.000 pesos, no caso de Macri e 100.000 no Narodowski.
Resolução Oyarbide também determinou a ampliação do processamento de Jorge "Fino" Palacios, o primeiro chefe da Polícia Metropolitana criado por Macri e central resulta desta organização suposto espião. Palacios está na prisão por seis meses e permanecem sob custódia. Além disso, o governante ordenou três novos convites para a investigação: a Rosana Barroso, chefe de gabinete do ministério e nomeação Narodowski responsável por esta carteira de alegadas do espião James Ciro, o Osvaldo Chamorro, que terminou em segundo a Parker na polícia de Buenos Aires e Monica Gonzalez, secretário de um tribunal que ordenou a missões de espionagem.


Pai de Mauricio Macri, diz que sei filho inocente

Oyarbide é a suspeita de que James foi contratado pela prefeitura para fazer a inteligência de vários funcionários, incluindo Parker, que atravessou mais de 150 telefonemas, de acordo com as provas reunidas no processo. Os furos não eram apenas músicas, mas as ordens para interceptar as comunicações formalmente organizadas pelos juízes da província de Misiones (que hoje também são processados.). Eles ordenaram que o lado vai ouvir da parte dos registros do tribunal para as pessoas que realmente não tinha qualquer ligação com os crimes sob investigação. Entre eles, o irmão de Macri. James foi o único que removeu as fitas de lado.

Narodowski foi processado porque James foi contratado pelo seu ministério. A hipótese é que ele recebeu um salário como assessor jurídico, uma tarefa que nunca se desenvolveu, com a inteligência real para fazê-lo. Então Oyarbide considerado um Narodowski responsável "prima facie" o crime de ocultação agravada pelo seu estatuto oficial. Como Macri, crimes contra ele são quatro: formação de quadrilha, falsificação de documentos públicos, telefonemas interceptados e abuso de autoridade.
Segundo Oyarbide, o chefe do governo esteve por trás do bater de Leonardo e Burstein, que tinha sido um acérrimo opositor da nomeação de Palacios. Macri entendido que só ele poderia autorizar a contratação de James em um ministério que realmente não funciona. Mas o que a opinião da maioria dos pesquisadores concorda o líder do governo no caso de parapsicólogo Leonardo. Primeiro, é difícil acreditar que alguém não Macri ou de sua família interessado em ouvir.

Além disso, a SIDE detectado que o celular saiu James maio e junho de 2008, quando se ouve Leonardo no Bairro Parque, onde viveu Macri. Nove das 14 vezes que Tiago era retirar a cassete SIDE foi imediatamente a seguir, no Bairro Parque. Todas essas acusações foram rejeitadas por Macri, que disse 10 dias atrás Oyarbide. James, em seguida, disse que o governo tinha enganado a cidade e tirou a tocar Burstein e Leonardo. É claro que o juiz não aceitar a sua explicação. O dia depois de amanhã vamos saber quais foram os motivos para este tratamento

Ecos do carnaval...

Já estamos na quaresma,tempo de penitência dos católicos em geral, mas ainda chegam os ecos do recente carnaval.Pelo visto, o pessoal brincou e se divertiu porque o ano é longo e pesado....

DE SÃO BORJA

Enterro dos ossos encerra o carnaval 2011


O tradicional Enterro dos Ossos encerra oficialmente a folia no Carnaval do Porto 2011 no próximo sábado (12/03). A festa ocorrerá às 23h e será animada pela banda Cravo e Canela, de Porto Alegre. A Prefeitura avalia como positiva a realização das três noites de carnaval e comemora o fato de não ter registro de nenhuma ocorrência grave. De acordo com a Brigada Militar, 15 mil pessoas se divertiram no porto por dia e cerca de 20 mil transitaram pelo local diariamente.
O prefeito em exercício, Jefferson Homrich, também explicou que “o resultado é bom quando todos trabalham em pról de um objetivo comum e, assim, pudemos celebrar com muita alegria esta grande e tradicional festa brasileira que é o carnaval”. Completando o argumento do prefeito, o secretário de Turismo, Esporte, Eventos e Juventude disse que o sucesso do carnaval deveu-se ao envolvimento de todas as secretarias, orgãos de segurança, empresas, bandas e a população em geral.
Segurança
Com o objetivo de oferecer mais tranquilidade aos foliões, além da contratação de mais de 100 seguranças, foram instaladas 10 câmeras com alta precisão e alcance para videomonitoramento do cais do porto. Teste realizados para a imprensa no sábado de manhã (07/03) demostraram que era possível captar detalhes até de uma nota de dinheiro na mão de uma pessoa do público. A ação de videomonitoramento trabalhou em conjunto com a Brigada Militar, que passava informações aos policiais que circulavam pelo local.
De acordo com o secretário de Segurana Pública e Trânsito, Élcio Carvalho, a festa foi tranquila também pelo fato da comunidade ser ordeira. “E não podemos deixar de elogiar a atuação dos órgãos de segurança como a Brigada e a Polícia civil, que com planejamento coibiu ações e delitos”, ressalta.

GRE-NAL DE DESCONTOS

Nada como uma rodada depois da outra, os secadores que choraram os 5 minutos que o juiz deu no Grêmio x Caxias, vencido pelo imortal nos pênaltis, choraram mais ainda por terem levados os mesmos cinco minutos, também contra a Caxias, e não conseguiram ganhar. Não adianta forcinha do juiz se o time é incompetente. O Everton driblou os velhinhos do Inter, numa rica vingancinha contra o seu ex-time.

AOS SECADORES DA DILMA

Volto a informar que agora que o país está novamente em boas mãos, com a direita fascista controlada, não estamos mais alertando aos gansos.

Remindo Sauim

Coleguinhas

Nesta quarta, 11 horas da manhã, coletiva da Randon sobre desempenho da empresa em 2010.No de Ville, perto do aeroporto.

De Sampa, vem minha amiga, Valdir dos Santos,da revista Frota e Cia.

Rogério Mendelski voltou de férias, ontem, pro Bom Dia...da Guaíba.


Presença do governador Tarso, abre o Tá na Mesa, da Federasul, amanhã,quarta...


A FOTO DO MARINHA

Esta foto da Avani me lembra um papo do Julio Conte,autor da peça Bailei na Curva, em 1983, quando eles ensaiavam a peça nos arredores da Usina do Gazometro, tinham como expectador um sem-teto que dava risadas vendo o desenrolar dos diálogos. " Se até o sem-teto entende a peça, fará sucesso" pensou seu autor.


MEMORIAS


Quase terminei de ler as memórias do Ricardo Amaral.


Valem a pena!


Ricardo Alfonsin lança pré-candidatura e inicia corrida rumo à Presidência da Argentina


A corrida rumo à Presidência da Argentina começou na noite de ontem (3), quando milhares de pessoas reuniram-se a poucos metros do Congresso Nacional para ouvir o deputado Ricardo Alfonsin no lançamento oficial de sua pré-candidatura à sucessão de Cristina Kirchner. A eleição presidencial argentina será em outubro de 2011.
Ricardo Alfonsin, de 59 anos, é um dos principais nomes da União Cívica Radical (UCR), o mais importante partido oposicionista da Argentina. É filho de Raúl Alfonsin, que governou o país de 1983 a 1989 e ainda hoje é lembrado por ter fortalecido tanto as instituições políticas quanto a garantia aos direitos individuais na Argentina. Por outro lado, Raúl Alfonsin também é acusado de ter impedido o julgamento de responsáveis por violações aos direitos humanos durante a ditadura militar Argentina, no período de 1976 a 1983. Ele morreu em março do ano passado.
Seu filho Ricardo garantiu, no discurso aos simpatizantes, que poderá derrotar a inflação, uma das heranças deixadas por seu pai e que, segundo alguns economistas argentinos, está novamente se transformando em grande perigo para o governo de Cristina Kirchner.
Segundo Raúl Alfonsin, não é a falta de experiência administrativa que o impedirá de governar a Argentina. “Meus adversários dizem que não tenho experiência. Se isso fosse um impedimento à Presidência da República, os presidentes Lula [Brasil], Mandela [África do Sul], Kennedy [Estados Unidos] ou Perón [Argentina] não teriam chegado onde chegaram porque nem governadores eles foram”. Alfonsin disse que o pior imposto aplicado aos pobres é a inflação. “Mas nós somos radicais. Não há nada mais reacionário do que o medo e por isso não temos medo desse desafio.”
O lançamento da pré-candidatura de Alfonsin à Presidência argentina não é a primeira grande manifestação política nesse sentido. No dia 14 de setembro, o ex-presidente Néstor Kirchner compareceu ao Luna Park, onde ocorreram comícios políticos e shows musicais, para receber o apoio de milhares de jovens filiados ao Partido Justicialista, que era dirigido por Kirchner até sua morte, no último dia 27 de outubro.
No entanto, em nenhum momento da manifestação política Néstor Kirchner ressaltou que estava iniciando uma campanha rumo à sucessão de sua mulher, Cristina. Analistas políticos, no entanto, enxergaram no comício o claro sinal de que o ex-presidente já estava a caminho de sua pré-candidatura, mesmo que não a tivesse oficializado na manifestação ocorrida no Luna Park.


Fonte: Agência


Histórias de La Undeze.

LA UNDEZE DOS CAMINHONEIROS


A agência Ford, onde hoje está o posto Gheller.


Nadir Zanatta em seu fordzinho levando e trazendo pelas rodovias do Brasil.


Nadir Zanatta, com mais de 80 anos, goza hoje de sua aposentadora, morando num pequeno porão da rua Tobias Barreto. mas já rodou muito pelo Brasil, no seu tempo de juventude.

Foi taxista em Serafina e foi ele que transportava muitas das parteiras que iam pras colônias chamadas pra atender as mulheres que haivam entrado em trabalho de parto.

Mas quando jovem gostava de andar por este Brasil, como diz a música de Luiz Gonzaga, o Gonzagão...
sERAFINA pra quem não sabe foi um grande centro de caminhoneiros, nos anos 40,50 e 60 do se´culo passado. Incentivados pelo Frigorífico Ideal, que precisava fazer sua produção chegar ao rio,são paulo e porto alegre, os motoristas compravam seus fordzinhos a prestações e iam pagando com os fretes que auferiam ao longo do trabalho.

Ficavam semanas, meses sem ir pra casa. Como não havia telefones, mandavam dinheiro pras famílias por meio de colegas que encontravam nas rodovias e que sabiam que iam pra serafina.

Foram caminhoneiros conhecidos em Serafina, o Silvestre Soccol( pai de 16 filhos), o Tozzi, Antoninho, que nos anos 70 se mudou pra Porto Alegre, os Sasso, entre muitos outros. E junto com os caminhoneiros vieram as oficinas mecânicas. Duas que ficam uma ao lado da outra, perto da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes,a do Lenório Turmina e do Zanini, do Renato,q ue foi meu colega no primário e no ginásio. O Renato Zanini montou uma oficina tão competente que hoje em dia caminhoneiros do estado todo( e de fora dele) vão pra lá pra consertar motores dos caminhões, quando o caso é complicado.

Hoje já não há tantos caminhoneiros em Serafina, mas o centro que foi nos anos passados, criou por exemplo, a transportadora Serrafrio, dos Irmãos Braido. Também Nelson Assoni, hoje dedicado mais a especulação imobiliária, teve transportadora. Depois a vendeu.Outra transportadora que nasceu em Serafina foi a Cadore, embora seus donos não tenham nascido em La Undeze, e sim em Camargo, mas se mudaram ainda nos anos 50 para Serafina, onde se fixaram.

Onde há um " gringo" há um posto de gasolina por perto...Eles levam e trazem riquezas. O Ideal já não existe: em seu lugar há a Perdigão que abate 180 mil frangos por dia.

Nadir Zanatta me disse que nos anos que rodava peloBrasil, os caminhãozinhos nãot ransportavam mais que quatro toneladas. Não eram os BITRENS de hoje em dia que carregam até 26, 27 mil quilos de mercadorias.

E como resquício da época em que Serafina foi um centro de caminhoneiros( eles ficavam 15 dias em casa no final do ano e era a ocasião em que faziam a Festa de São Cristovão junto ao capitel, na entrada da cidade, pra quem vem de Guaporé)foi fundado e ainda existe o CLUBE DOS MOTORISTAS, UM clube dos mais organizados da cidade.

De Canoas para o Mundo

Remindo Sauim e o racismo no futebol.

Olides, racismo é quando um branco que ganha 10 mil por mês xinga um homem de cor. Agora, quando um juiz que ganha uns cinco pilas por mês e xinga um cara que ganha 400 não sei se dá para chamar de rascismo.


ASSIM É BUENOS AIRES


Assim como Paris, podemos conhecer Buenos Aires percorrendo a pé os mais famosos bairros da cidade...

De Buenos Aires
Gelson Farias

Todas as companhias aéreas que voam para a Argentina chegam ao Aeroparque, Jorge Menber, na cidade de Buenos Aires,.
Coalhada de suntuosos palacetes e modernos edifícios, Buenos Aires é uma das cidades mais fascinantes e ricas em contrastes do mundo. “Uma cidade que tem a sedução do tango, bairros encantadores, o Rio da Prata, o “pão alfajór” (a melhor marca é a Havana), os jornais “La Nación”, e “ Clarin”,e um centro de negócios muito ativado.
Buenos Aires é uma megalópolis de onze milhões de habitantes, que são chamados de buenairenses, bonaerenses, ou simplesmente portenhos. É uma das maiores cidades do mundo, e é também, a cidade mais elegante e ativa da América do Sul, resumindo de alguma forma a variada e heterogênea essência do argentino.
Seus ídolos são verdadeiros mitos, Evita e Carlos Gardel. “El Zorzal” ou “O Sabiá”, em espanhol, era o apelido carinhoso do portenho para Carlos Gardel, o maior cantor de tangos da história. Ele compôs clássico como “El dia que me queiras” e “Mi Buenos Aires Querido”. Morreu em 1935, aos 45 anos, em um acidente aéreo. Seu túmulo fica no cemitério da Chacarita.
O cantor e o escritor mais populares são: Fito Paez e Jorge Luiz Borges respectivamente.
Cidade com moderna estrutura e dinâmica atividade, soube conservar suas velhas tradições, suas histórias, seus lugares mais íntimos e seus ônibus antigos, aliás, não se esqueça de dar uma volta nestes ônibus fora de moda da cidade.


Existe uma rua que é uma grande pedida para quem está a fim de bater perna e comprar muita coisa legal! É a Calle Florida, que fica no Centro de Buenos Aires.
La Boca

Bairro portuário que lembra a Itália, lugar dos primeiros habitantes genoveses (de 1880 até 1930) e do primeiro porto da cidade. Aqui está à tradicional ruela de La Boca – “O Caminito” (1959) – lugar que inspirou o tango homônimo, é uma passagem cheia de nostalgia do tango. Tendo sido lugar de uma velha linha de trem, hoje este caminho em curva converte-se durante os fins de semana numa verdadeira festa ao ar livre. O bairro conserva até hoje, suas genuínas construções ou casinhas, de chapas ou madeiras pintadas com tonalidades vivas, dando um colorido todo especial para o bairro e tornando-se um museu ao ar livre.
É a herança de uma época que a necessidade transformou a sucata portuária em estilo. Aqui também é o endereço do Estádio de La Bambonera, sede do clube de futebol Boca Juniors, o mais popular time da Argentina (1940). Do lado do estádio existe uma tradicional cantina chamada: La Cancha, que serve um maravilhoso marisco. O Parque Lezama marca a fronteira entre o Bairro San Telmo, La Boca e Barracas. É um dos espaços verdes mais belos da cidade e alberga o Museu Histórico Nacional, também oferece, aos finais de semana, uma feira de artesanatos. Daqui se tem uma vista do Rio Riachuelo, rio que desemboca no Rio da Prata.

San Telmo


Este é San Telmo, com suas mesas nas ruas e a feira


Um dos bairros mais antigos, com casas coloniais restauradas chamadas de “conventillos”, é lugar residencial preferido por artistas e artesãos. É um bairro de antiquário e objetos velhos. Suas construções refletem a arquitetura dos séculos XIX e XX. A Praça Coronel Manuel Dorrego ou Plaza Dorrego é o centro do bairro, onde todos os domingos são montadas barracas para celebrar a famosa e pitoresca Feira de Antiguidades de San Pedro Telmo que funciona, geralmente, das 10 às 18hs30. Neste local existem vários artistas de rua, a Igreja de San Telmo, a Rua Defensa, a Pasaje San Lorenzo que é uma interessante ruela com arquitetura colonial que acaba na Faculdade de Engenharia. Aqui também se encontram o Museu da Cidade e o Museu Farmacológico.

Palermo

Este bairro foi batizado pelos bonairenses como “Villa Freud” pela alta densidade de psicanalistas que se encontram aqui. É um dos bairros mais extensos e bonitos, graças aos seus parques e alamedas. O Parque do Palermo é um centro de recreação, o “Central Park” do portenho e o maior da cidade, estende-se pelo lado norte do rio e da Avenida Costaneira Norte, que é um dos poucos lugares de Buenos Aires que dá acesso ao rio de La Plata, também onde se localiza o aeroporto central. Nos Bosques de Palermo se encontram o Jardim Japonês, o Planetário Galileo Galilei (1966), o Monumento à Carta Magna e às Quatro Regiões da Argentina (1927), mais conhecido como “Monumento aos Espanhóis”, pois foi doado pela comunidade espanhola no primeiro centenário da Revolução de Maio de 1810.
E é também aqui, que ficam o Horto Florestal, o Jardim Botânico com mais de 5.000 espécies de plantas (1898); o Jardim Zoológico, o prédio da Sociedade Rural; a zona residencial de Palermo Chico; e o Shopping Center Alto Palermo, que é enorme e completamente destoante em relação à arquitetura da cidade.


Belgrano


Centro de belgrano...


...É um elegante e tranqüilo bairro de grande personalidade. Sendo também tradicionalmente rico em atividades culturais e comerciais. A Praça General Manuel Belgrano é a praça central desse bairro, também o endereço da Igreja de La Concepción (1878), mais conhecida como Igreja Redonda devido a sua planta de construção circular, projetada pelo genovês Nicolás Canale, em 1864. Barrancas de Belgrano, com seus jardins projetados pelo paisagista francês Charles Thays. Vale a pena também visitar as praças Itália e Alemanha. Museu de Arte Espanhol Enrique Larreta, tornou-se um museu em 1962, tem um estilo clássico e colonial, contém uma interessante coleção pertencente a este famoso escritor e ainda móveis e artes espanholas.
Museu Histórico Domingo F. Sarmiento, cujo prédio construído em 1880, chegou a ser sede do governo, desde 1938 tornou-se museu em homenagem ao presidente. El Solar de La Abadia é outro shopping center da cidade, foi construído em uma antiga fábrica recuperada.


Retiro


Nome dado a área da cidade em volta da estação e do museu Retiro ( foto) (1915). Endereço também da Torre Monumental ou Torre dos Ingleses e da Plaza San Martín (local de alguns palacetes, edifícios e hotéis mais significativos da cidade). Na praça também está o monumento a San Martín e o Palácio San Martín que é uma mansão em estilo francês que hoje abriga o ministério do exterior (1909). Na Rua Florida localiza-se a Galerías Pacífico, um antigo edifício que foi transformado em shopping, com belos afrescos e maravilhosas pinturas no teto. Dentro da Galerías Pacífico tem uma loja chamada Havana, onde se vende alfajor. No último andar, fica o Centro Cultural Borges - Jorge Luis Borges (1899/1986), autor de “Aleph”, foi um dos maiores renovadores da literatura hispano-americana.


Nesta rua, esquina com Paraguay, está o café Florido Garden (experimente a famosa mousse de chocolate) e no número 340 a suntuosa livraria El Ateneo ( foto).

Recoleta


Cemitério da Recoleta e Chacarita

Bairro elegante que mais lembra Paris, pois tem uma arquitetura de estilo francês, com lojas, cafés e restaurantes finos. O coração desse aristocrático bairro é a mais importante necrópole do país: o Cemitério de la Chacarita ou da Recoleta (1822), onde está o túmulo de Evita Perón, entre outros.
Igreja de a Virgem Del Pilar (1732), uma joia de arte colonial com altares e imagens barrocas. Tendo sido convento de monges franciscanos no século XVIII e asilo de mendigos da Recoleta no século XIX, foi restaurado em 1980, e reúne hoje a “cult people”, como o Centro Cultural da Recoleta. Na Avenida Libertador, 750, está ocupado por um edifício centenário que foi uma antiga e importante casa de leilões rurais da cidade, hoje transformada no elegante Pátio Bullrich, o primeiro shopping, o mais sofisticado e o mais chique da cidade.
Tem o Museu Nacional de Bellas Artes e no número 1.902 o Museu Nacional de Arte Decorativa. Na Santa Fé, 2.020, localiza-se a Confiteria La Mision. Já o Café La Biela, Avenida Quintana, 600, e exatamente do outro lado da rua está o Café de La Paix, Quintana, 595. Sorveteria Freddo.
A Avenida Alvear é o endereço dos mais luxuosos palácios da cidade. Praça Carlos Pellegrino, onde fica a Embaixada do Brasil – Calle Cerrito, 1350. Outro shopping é a Buenos Aires Desing Center Recoleta (1993), está voltada inteiramente a arquitetura e decoração (vale a pena).


Centro, San Nicolas e Monserrat


A Avenida Corrientes ( foto ) tradicional avenida portenha, é o endereço das livrarias, cinemas, teatros e casas noturnas, também é uma das avenidas que levam diretamente ao Obelisco. El Obelisco (1936), um dos símbolos da cidade, com 68m de altura, foi construído para comemorar os 400 anos da chegada dos espanhóis na área do rio da Prata. Tal obra está localizada no cruzamento da Avenida Corrientes com a avenida mais larga do mundo – a Nove de Julio – com 140 metros de largura e 10 pistas.
O Teatro Colón (1908) é um prédio de estilo italiano, reconhecido por sua excelente acústica e considerado o mais importante teatro lírico da América Latina. Foi projetado pelo italiano Carlos Pellegrini, está entre os mais famosos teatros do mundo e tem uma magnífica programação de ópera e dança. No seu cenário tem atuado artistas de prestígio mundial. A temporada acostuma ser maio de idade a outubro, suas visitas com guias se realiza de segunda a sexta das 9hs. Às 16hs. As entradas são vendidas nas bilheterias laterais e no dia anterior ao espetáculo, das 10 às 20hs.
Plaza de Mayio e o Cabildo

O Plaza de Mayo testemunha os fatos mais importantes da história argentina e foi palco da revolução de maio de 1810. No centro da praça vê-se a Pirâmide de Mayo (1811), que foi o primeiro monumento construído na cidade, em comemoração à Independência e o Monumento de General Belgrano. A praça está rodeada de edifícios emblemáticos, tais como o Cabildo (1725) que foi sede do governo municipal durante a época colonial, hoje, é o Museu Histórico da Revolução de Maio; a Catedral Metropolitana, século XVIII, construída em estilo néo-clássico, alberga o Mausoléu do General San Martín e a Casa do Governo, mais conhecida como Casa Rosada é a sede de La Presidência da Nação, sede do governo federal e do poder executivo, onde se pode ver uma cerimônia de troca de guardas a cada duas horas.


Manzanas de lãs luces
“La Manzana de Las Luces” ou “O Quarteirão das Luzes”, fica a duas quadras de Cabildo e perto da Plaza de Mayo, reúne elementos históricos como à igreja e o colégio de San Ignacio, a mais antiga da cidade, construções de alguns assentamentos jesuítas e os Túneles Coloniales do século XVIII. Fachada neorrenacentista da primeira Universidade de BuenosAires, fundada em 12/08/1821.


Interior do café Tortoni
Avenida de Mayo tem esplêndidas fachadas e cúpulas, inaugurada em 1894, mostra como Buenos Aires era durante as primeiras três décadas do século. Nesta avenida, no número 825, fica o Café Tortoni, de estilo Art Noveau, é a mais antiga cafeteria literária da cidade (1858), onde é servida uma espécie de sorvete chamado merengada, que é delicioso...


O Plaza Abasto ( foto) ou mercado de Abasto, de Buenos Aires, Abasto Shopping, assim é conhecido o bairro onde vivei deste pequeno o cantor de tango mais famoso da Argentina, Carlos Cardel.

Congresso
A Plaza del Congresso (1914) é uma das maiores praças e o marco zero das estradas argentinas. Ela abriga o monumento Fontaine, uma grande fonte, e o monumento a “Los Dos Congressos”, construído para os congressos de 1813 e 1816. Aqui está também o Palácio do Congresso Nacional (1906), sede do Congresso Bicameral e sede do governo legislativo. Projetado pelo arquiteto italiano Víctor Meano, é palco das agitações políticas da cidade.
Numa das esquinas da praça está a confeitaria del Molino, outro expoente do estilo Art Noveau, e uma réplica da escultura “O Pensador” de Rodin.

Balvanera


Estação Terminal de Trem Once – Plaza Miserere
Hotel Esperia – General Urquiza, 222 – Capital Federal 1215
Telefones: (0054-1) 957-3937/931-9029 (44 pesos)

Olivos


Vá até o bairro de Olivos( foto), cerca de trinta minutos do Centro, de Buenos Aires. Veja a residência Oficial Olivos, a casa do presidente, que fica a uma quadra da estação Maipú, e na Avenida Maipú, embarque no Trem de La Costa, que tem como ponto inicial a estação Maipú e o ponto final é no Delta do Rio Tigre (aproximadamente 15 km).
Estação de Maipu


Tren de La Costa (Maipú – Delta) – Estação final da linha Mitre. Ingresso: segunda a sexta, com direito a parar em qualquer estação o tempo que quiser e depois prosseguir viagem. Durante a viagem, pare na estação de San Isidro, e conheça a Catedral de San Isidro. Chegando na estação final, existe um parque de diversões “Parque de La Costa”, uma feira de artesanatos e outra de frutas.
Embarque em uma das catamarãs, embarcações que percorrem vários canais e passa por diversas ilhotas onde se vê bonitas casas em estilo palafita. A cidade de Tigre é o ponto de partida para visitar as ilhas que compõem o Delta do Paraná, na sua desembocadura noi Rio de la Plata. Existe a possibilidade de navegar até uma delas e, especialmente, à de Martín García, reserva natural e histórica.

De São Borja


Desde que regressou de um curso que fez em Porto Alegre, antes do carnaval,o assessor do presidente da Cãmara de São Borja não foi mais recebido pelo chefe, o presidente do legislativo municipla, vereador Celso Lopes(PDT).

" Tá cozinhando o galo em fogo brando",disse um maldoso de um colega do Letier, que trabalha num gabinete contíguo ao do presidente.


De São Borja

A visita que o governador Tarso fez em fevereiro a São Borja pelo menos pruma costura polítical local ainda não deu em nada, porque ninguém do PT foi convidado a integrar o secretariado de Mariovane Weis(PDT), que agora está em campanha pra ser presidente da Famrus.

Diz-se por aqui que a presidência da Famurs seria a ponte que ligaria Weis a uma secretaria de Estado.


Bares que viraram lenda....


O LORIVAL , virou chic, hoje é BUffet

e se chama LOURIVAL....


Perguntando dias atrás ao João Antônio, o do Casaco da Tevah que agora abriu um pub ali atrás da loja Tok Stok, bem em frente ao Al Dente qual o bairro que se tornará boemio em Porto Alegre - porque Lima e Silva e Pe. Chagas estão decadentes -ele acentuou que será o Auxiliadora e apontou o seu pub , o al dente, o Lourival,o Schullinhas(antigo Rock's) como sintomas de que ali será a noite de Porto Alegre, ou melhor, já e....

Pois o BETO CANARILHO, mistura de garção e gerente do ODEON, da Andrade Neves, que me disse que no começo o Lourival, atual, se chamava Lorival,apenas,assim,simples e vendia até sorvetes. O bar é de 1951.

Funciona na rua 24 de outubro, 1624, no bairro de Auxliadora, como já referi. Abre as 11h30minutos e fecha por volta de duas da madrugada, o que pra Porto Alegre, significa que é lugar de boemia.
Pouco depois de 1990, foi totalmente reformado.

Mas seu público, mesmo com a reforma não mudou: é local de encontro de universitários e universitárias que vão em busca de tomar cerveja , comer bem e barato.

Entre seus fregueses também estão velho notívagos que vão ao Lourival à procura de um pouco de nostalgia, de uma porto alegre que não mais existe: ou seja, quando o bairro da Auxiliadora se chamava ainda " bacia" e quando os bondes circulavam pela avenida 24 de outubro.

O Lourival, em função destes ingredientes todos, está sempre lotado. Até ao meio-dia,quando serve buffet.

Ele fez escola: foi do quadro dos seus garçãos que saiu o Roque, que acabou fundando o ROCK'S, ali ao lado na rua Candido Silveira, que mais tarde morreu depois de um transplante do coração e que deu lugar hoje ao Schullinhas.

ITAPEMIRIM EM CRISE


O maior conglomerado de transportes rodoviários de passageiros do país, o grupo Itapemirim está em crise.

Brigas de herdeiros:já venderem o terminal que tinham em São Paulo e hoje pagam aluguel e parece que também a sede em Cachoeiro do Itapemirim(ES).

A crise aflorou com a morte da esposa do fundador, Camilo Cola, hoje deputado federal do PMDB.

Segundo informa a revista Veja desta semana, a filha do casal não gostou que a herança deixada pra ela é menor do que a do irmão e ingressou judicialmente.

Como seu pai tem imunidade parlamentar, tudo vai pro Supremo Tribunal Federal, o STF.


RADICCI está voltando....


Paciente de um acidente na Líbia, o repórter Humberto Trezzi, de ZH, o popular Radicci, está chegando hoje de volta...Com um olho todo tapado, por causa de um acidente num carro que andava fazendo a cobertura jornalística.

Este negócio de correspondente de guerra é muito bom pra quem fica dentro dos hotéis pegando notícias pela internet, não pra quem como o Radicci vai pra linha de frente...


Contam as más línguas que na guerra dos seis dias - entre Israel e Egito, em 1968 - Flávio Alcaraz Gomes ficou dentro de um hotel cinco estrelas no Cairo e enquanto transmitia pra Guaíba , ao vivo, mandava o fotógrafo Assis Hoffmann se abaixar ao vivo por causa das balas que zuniam ao seu lado.

- OLHA AS BALAS, OLHA AS BALAS, TE ABAIXA ASSIS!!

Perguntei ao velho Assis se isto é verdade:
- Que nada, intriga dos caras, me disse o fotógrafo. O Flávio é um grande profissional. sempre se preparava muito quando ia pras estas coberturas, lendo muito sobre os países que iriam ser seu alvo de trabalho.


Um perfil: Daiane, operária na construção

uma homenagem tardia ao dia internacional da mulher. extraido do blog do lauro dieckmann


Quando comecei a atendê-la, recém tinha deixado o emprego num supermercado. Cansada de ser explorada – trabalhar muito e ganhar pouco – desistiu e ficou só cuidando dos filhos. Um menino e uma menina, de pais diferentes. Para a filha, quer que o pai passe a pagar pensão, para o filho quer que o pai aumente a pensão.
Como uma das audiências de um destes casos atrasou, aproveitou para me contar as novidades. A principal era que estava trabalhando numa obra, na construção de um edifício, perto do Triângulo da Assis Brasil. Numa construtora que dá preferência para operárias mulheres. Como não tem qualificação, começou como servente. “É puxado! Ontem desci 18 andares com um carrinho de mão cheio de entulho”. O trabalho era retirar as sobras à medida que a pintura ia sendo concluída, para dar lugar para colocadores de piso.
Faceira, diz que começou “ganhando bem, quase mil reais” (!). E estava prestes a passar para um trabalho menos bruto: colocar rejunte. “Quando eu me candidatei, tinha outra guria que estava toda desconfiada se eles iriam nos aceitar. Mas, que nada, nem perguntaram o nome. Mandaram a gente se apresentar na obra no outro dia levando a marmita. Só uma semana depois perguntaram meu nome”. E a empresa promete qualificá-la. Porém, esperta, já aprendeu algumas coisas”. Espiando os eletricistas, descobriu como juntar fios e fazer uma extensão. Está pensando em fechar com tijolos, ela mesma, uma parede.
Reclama que os operários são machistas: “estão sempre falando que lugar de mulher é no fogão”. Também não ajudam as mulheres no serviço pesado. “Quando a coisa aperta, eles se ajudam entre eles, mas para nós, não dão uma mão”. No sábado, o trabalho é voluntário. “Os homens não aparecem, mas as mulheres vão" contou surpresa. O trabalho vai até o início da tarde. Depois, a empresa oferece um churrasco. “Como comi!”
O filho, o menino, está para entrar na escola. A mãe (avó) iria pegar a lista de material. Ela andara olhando mochilas, mas quando viu o preço – 40 reais –, “quase chorei”! E o menino é exigente. Pede brinquedos, jogos, que ela não tem como comprar. Também é problemático. Criado afastado do pai – só há dois anos, quando a ela resolveu regularizar a situação é que fizeram o exame de DNA para comprovar a paternidade – é uma criança revoltada. Cria problemas na escola e em casa. Mente, diz que a mãe o maltrata. Despachada como só ela, reclama que a psicóloga que atende o garoto deveria se empenhar mais, pois o tratamento, até agora, não está dando resultado.
Enfim fomos para a audiência e o pai concordou em aumentar os alimentos de 15 para 20 por cento do salário mínimo (o nacional). Mas só vai pagar no início do mês que vem: saíra na véspera do Hospital Espírita, onde fora se tratar da drogadição. Garantiu que vai conseguir emprego no açougue do Big.
Terminada a audiência, lá se foi, baixinha, roliça, pele muito clara, de óculos – a filha puxou à mãe, também usa óculos (mostrou a foto no celular) – pegar o ônibus e ir para casa descansar, pois no outro dia muito trabalho a esperava na obra.


ITAPEMIRIM EM CRISE...


PARECE mentira, mas a Viação Itapemirim, a maior transportadora rodoviária de passageiros do país, está em crise. A VEJA desta semana dá matéria sobre isto.

Eu já sabia da crise uma colega me contou a situação toda, mas a publicação pra qual trabalha, não quis entrar neste tema.: Segundo a Veja, a crise começou depois que morreu Ignez, mulher do dono e fundador do grupo, Camilo Cola, que é também deputado federal do PMDB.
O babado todo se dá porque a filha do casal está reivindicando o mesmo que a mãe, morta, deixou pra o irmão: briga de família, num grupo deste tamanho, imagina no que dá.

O POVO QUER SAÚDE DE QUALIDADE

Câmara de Porto Alegre

ADELI SELL

Há momentos em que a gente passa por situações bem complicadas, fica se perguntando: o que ganha o povo com isto?
Foi o caso do recente debate grenalizado politicamente sobre a Fundação da Saúde. Havia na Câmara duas torcidas tipo "hooligans", lembram daqueles ingleses fanáticos que iam aos jogos para arrumar arruaças e brigas?
Pois foi o que vimos ao longo de horas e horas de debate. O povo não quer saber se o médico que falta no Posto de Saúde é estaturário ou se tem carteira assinada de uma Fundação.
O povo quer e nós queremos SAÚDE PÚBLICA E DE QUALIDADE. Quem quiser e puder pagar um plano de saúde, tudo bem. Mas a maiora não pode e como diz a Constitutição Brasileira todos tem direito à saúde e é um dever do Estado provê-la.

Por isso, se você, caro leitor, for a um Posto de Saúde, se você precisar de atendimento e não lhe dão este direito, faça valer o seu direito, buscando socorro com a gente, nós vereadores, que - por sinal - somos pagos pelos cidadãos de nossa cidade.
Não é nenhum favor para nós fiscalizar, cobrar, denunciar quando faltam médicos, quando os médicos não cumprem com sua carga horário.
Como também não é nenhum favor ter um médido ao seu dispor, quando precisar.

TAmbém quero insistir que não é justo, é injusto, ter que esperar horas e horas numa fila de um hospital. E indigno ficar numa cadeira ou numa maca numa entrada ou numa emergência esperando por uma vaga.

É inadmissível não ter remédios, especialmente para nossos idosos, para aqueles que tem que tomar medicamentos de uso continuado, como no caso do diabetes e da hipertensão, pois isto mata.

Não se pode tolerar que uma mulher que tem indícios de um câncer de mama não consiga uma mamografia.

ESta lista poderia ir mais e mais longe. E é isto que ainda acontece aqui em Porto Alegre. Pois as coisas não vão bem na saúde pública de Porto Alegre.

Por estas razões, venho de publico dizer aos nossos leitores que façam valer seus direitos. Não fiquem parados. Os senhores e as senhoras devem levantar a cabeça e cobrar.

E quem pode e deve fiscalizar o Executivo Municipal são os vereadores. E eu sendo vereador, me coloco ao vosso inteiro dispor.

ADELI SELL é vereador e presidente do PT-POA


Repórter do Estadão é libertado após oito dias preso na Líbia


do site Comunique-se

Renan Justi e Izabela Vasconcelos

O jornalista Andrei Netto, correspondente do jornal O Estado de S. Paulo em Paris, foi libertado nesta quinta-feira (10/3) após passar oito dias em uma prisão militar na Líbia. O repórter fazia a cobertura dos confrontos entre rebeldes e forças do regime de Muamar Kadafi. Netto está abrigado na casa do embaixador brasileiro em Trípoli, George Ney Fernandes.

O repórter passa bem e deve deixar a Líbia na sexta-feira (11/3), informou a direção do veículo em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira.


Netto foi detido enquanto tentava regularizar sua situação no país, ao lado de Adbul-Ahad, repórter do The Guardian. Os dois foram capturados por quatro homens das tropas de Muamar Kadafi, agredidos com coronhadas e presos em seguida. Segundo as autoridades, o repórter brasileiro não tinha a devida autorização para trabalhar na Líbia e entrou no país com outros jornalistas, transportados por rebeldes. Antes da prisão, o jornalista foi submetido a um interrogatório.

Desde quarta-feira passada (2/3) o jornal perdeu contato direto com o jornalista e recebia apenas informações de outras fontes, que diziam que Netto estava bem.

Além de Netto, o Estadão também mantém o jornalista Lourival Sant’Anna na cobertura dos conflitos na Líbia. Sant’Anna permanecerá no país, mas Netto deixará a região, partindo para Paris, onde atua como correspondente.

“O fluxo de informações nas últimas 48 horas e os esforços diplomáticos, tanto do Brasil, quanto da Líbia, foram fundamentais para a libertação”, afirmou o diretor de Conteúdo do Grupo Estado, Ricardo Gandour.

O jornalista do The Guardian, que é iraquiano, ainda não foi libertado, já que Líbia e Iraque mantêm relações diplomáticas tensas.

Atualizada em 11/3/2011 às 17h55.

Campeonato brasileiro de música no Urbanascidades

Continua o Campeonato Brasileiro de Música nop Urbanascidades. A partida de hoje é Tropicália X Bossa Nova. Bom jogo para todos.
Para assistir, clique no link ou entre no site.

Paulo Bettanin


http://urbanascidadespoa.blogspot.com/2011/03/tropicalia-x-bossa-nova.html


TCU aponta fraudes em licitação da TV Brasil


Lista inclui utilização de documentos falsos e favorocimento de empresa
Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) obtida pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta uma série de irregularidades, inclusive uso de documento falso e favorecimento, na licitação da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), do governo federal, que contratou por 6,2 milhões de reais a Tecnet Comércio e Serviços Ltda. Cláudio Martins, filho do ex-ministro da Comunicação Social Franklin Martins, é funcionário da empresa. Segundo o TCU, a Tecnet não poderia disputar a licitação, nem a EBC deveria ter aceito a sua participação.

A auditoria foi concluída no dia 20 de janeiro deste ano pela Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação (Sefti) do TCU. O jornal revelou no dia 22 de setembro de 2010 que a Tecnet havia sido contratada no dia 31 de dezembro de 2009 para cuidar do sistema de arquivos digitais da TV Brasil, administrada pela EBC, num processo de licitação com indícios de fraude.

O resultado da auditoria, elaborado após a EBC ser ouvida, aponta que a Tecnet falsificou um atestado para comprovar que atendia aos requisitos da concorrência. A investigação do tribunal afirma ainda que "a empresa Tecnet Comércio e Serviços Ltda. não possui nos dias atuais, tampouco possuía à época da licitação, o sistema de gestão de ativos digitais em consonância com as especificações do instrumento convocatório". E continua: "A Empresa Brasil de Comunicação S.A. aceitou sistema de gestão de ativos digitais em desconformidade com os requisitos especificados no termo de referência do Pregão 85/2009, potencialmente lesando direitos de terceiros".

Resposta - A EBC informou que não foi notificada do resultado da auditoria do TCU, mas afirmou que o processo de contratação da Tecnet foi regular. "O processo administrativo a respeito do assunto permanece sob análise das suas equipes de auditoria, sem conclusão a respeito do tema tratado", disse Ricardo Collar, secretário executivo da empresa pública.

Segundo ele, "todas as diligências e encaminhamentos requeridos formalmente por aquele tribunal foram efetivamente respondidos e com documentação apresentada àquela corte de contas". "A EBC pautou-se pelas exigências previstas no edital para conduzir o certame conforme previsão legal. É importante afirmar que o processo garantiu competitividade, qualidade do serviço e preço compatível." Procurado, o ex-ministro Franklin Martins não quis se manifestar.
COMENTO: Sempre a mesma coisa, quando se refere ao PT. O TCU diz que ocorreu fraude. Vem o cara do PT com o papo petista de sempre. Se a fraude beneficiasse parentes de "gentes" de outros partidos aí era "fraude" relamente. A raça ariana...sabe tudo sobre tudo e, jamais, faz este tipo de coisa. Os outros é que fazem. Nóis é certinho. Nóis é certinho.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

 

QUE INTRIGANTE, QUE TU ÉS !

Aviso ao Charqueadas: não tem off com repórter, modéstia à parte....o repórter que for fazer muito off, morre de fome....

 

QUE INTRIGANTE, QUE TU ÉS !
Me pergunta "em off" (?) por onde anda o cara. Aí eu achei que ele poderia estar em Natal, uma vez que a "ídala" dele estava lá, fazendo com que, deduzi eu, fosse para lá para defendê-la de possíveis ações do perigosíssimo Consórcio Veja/Folha/Globo.
Diante de uma possível ameaça do Consórcio, ela poderia dizer: E agora, que vai me salvar?
Aí ele diria: Eu, O Chapolin Tricolor.
E aí, tu, intrigantemente, publica. Era "em off".
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


De São Borja

Enterro dos ossos encerra o carnaval 2011
O tradicional Enterro dos Ossos encerra oficialmente a folia no Carnaval do Porto 2011 no próximo sábado (12/03). A festa ocorrerá às 23h e será animada pela banda Cravo e Canela, de Porto Alegre. A Prefeitura avalia como positiva a realização das três noites de carnaval e comemora o fato de não ter registro de nenhuma ocorrência grave. De acordo com a Brigada Militar, 15 mil pessoas se divertiram no porto por dia e cerca de 20 mil transitaram pelo local diariamente.
O prefeito em exercício, Jefferson Homrich, também explicou que “o resultado é bom quando todos trabalham em pról de um objetivo comum e, assim, pudemos celebrar com muita alegria esta grande e tradicional festa brasileira que é o carnaval”. Completando o argumento do prefeito, o secretário de Turismo, Esporte, Eventos e Juventude disse que o sucesso do carnaval deveu-se ao envolvimento de todas as secretarias, orgãos de segurança, empresas, bandas e a população em geral.
Segurança
Com o objetivo de oferecer mais tranquilidade aos foliões, além da contratação de mais de 100 seguranças, foram instaladas 10 câmeras com alta precisão e alcance para videomonitoramento do cais do porto. Teste realizados para a imprensa no sábado de manhã (07/03) demostraram que era possível captar detalhes até de uma nota de dinheiro na mão de uma pessoa do público. A ação de videomonitoramento trabalhou em conjunto com a Brigada Militar, que passava informações aos policiais que circulavam pelo local.
De acordo com o secretário de Segurana Pública e Trânsito, Élcio Carvalho, a festa foi tranquila também pelo fato da comunidade ser ordeira. “E não podemos deixar de elogiar a atuação dos órgãos de segurança como a Brigada e a Polícia civil, que com planejamento coibiu ações e delitos”, ressalta.

Capa Revista Gente que Faz


Colaboração de Mazzarino

Clique aqui para ler


EDITORIA DE " FRESCURAS"

DO MAZZARINO


Encantado escolhe novas soberanas dia 18

Encantado – O município realiza dia 18 de março, no Clube Comercial, a
escolha das Soberanas dos 96 Anos de Encantado. Estão inscritas 16
candidatas, que representam empresas ou entidades do município. As
inscrições ainda podem ser feitas até esta sexta-feira, dia 4,
gratuitamente. O primeiro encontro das meninas com a comissão
organizadora ocorre no dia 9 de março, às 18h, quando serão verificadas
as medidas para a confecção dos vestidos para o desfile.

No dia do concurso, as candidatas participam de extensa programação, que
se inicia com ensaio e desfile em carro aberto pelas ruas da cidade. Em
seguida será realizado um almoço de confraternização. O encontro com os
jurados ocorre à noite, em um coquetel para convidados e autoridades. O
desfile está previsto para às 22h. A premiação para a rainha será de R$ 2
mil e para as princesas R$ 1 mil cada.

Entre os requisitos para obtenção do título estão a idade mínima de 15
anos, beleza, desenvoltura, fotogenia, demonstrar conhecimentos gerais
sobre o município, disponibilidade de tempo e ser encantadense ou residir
no município há pelo menos dois anos.

A entrada no Clube Comercial será gratuita e a animação ficará por conta
das torcidas organizadas. Após o desfile haverá show da Banda Luauê e
Eduardo e Ezequiel.

O primeiro compromisso social das eleitas será no dia seguinte, 19 de
março, quando serão apresentadas para a comunidade no 13º Canto da Lagoa.
El as permanecerão como soberanas por quatro anos, até 2014.


Programação

9h30min – Ensaio geral no Clube Comercial

11h – Desfile das Candidatas em carro aberto, pelas ruas da cidade (o
carro deve estar devidamente identificado com nome da candidata e da
empresa/entidade).

12h – Almoço de confraternização

19h30min – Coquetel no Clube Comercial, com comissão julgadora,
autoridades e convidados.

20h – Entrevista das candidatas com a comissão julgadora

22h – Desfile das candidatas

NOVA BRESCIA

A CAPITAL NACIONAL DA MENTIRA ( EU PENSEI QUE FOSSE BRASILIA...)

clique na imagem para ampliar


O NOVO IMPÉRIO DO BRASIL


Por Carlos Chagas


Desde que o mundo é mundo, determinadas civilizações se impõem sobre as demais, apesar de a História, a Arqueologia e a Memória da Humanidade não chegarem a vislumbrar mais do que 10% do que realmente se passou no planeta. Mesmo assim, vamos ficar naquilo que nos chegou, fração mínima do que terá acontecido.

Os gregos vieram até nós pela abertura do espírito, acima de sua organização dita democrática, mas não fosse sua ambição comercial, estariam até hoje enterrados nas brumas do desconhecido.

Roma tornou-se um império por força de sua organização burocrática, claro que apoiada pelas legiões e pela ânsia de conquistar colônias capazes de enriquece-la através da conquista de recursos e da exploração de mercados externos.

A expansão árabe formou império ainda maior, tanto pela divulgação da ciência, da literatura e da cultura quanto pelo radicalismo religioso. Uma contradição que ainda hoje perturba os historiadores e os que costumam prever o futuro. A substituição de árabes por turcos, naqueles idos, mudou pouca coisa.

O império persa fechou-se em copas e acabou sepultado por Alexandre, ainda que de forma internitente tenha ressurgido outras vezes, como contraponto ao Oriente e ao Ocidente.

Os mongóis dominaram boa parte do mundo conhecido, certamente por necessidade de sobrevivência. A fome e o vazio das estepes fizeram com que conquistassem a China e chegassem às bordas da Europa, nas investidas de Gengis Khan e, mais tarde, de Tamerlão. Careciam de opções.

Com o tempo o império chinês superou mongóis e depois os manchus, mantendo o culto ao isolamento e o desprezo pelo que se passava além de suas fronteiras, com certa razão científica no passado. Quebraram a cara.

Veio, para o mundo ocidental, o período das trevas, superado na Renascença, responsável pela criação de um império filosófico, científico e artístico sem dono. O hiato acabou preenchido por Luís XIV e por Napoleão, que puderam enquadrar a Europa através da força e, mais uma vez, do comércio.

O primeiro império russo durou pouco, porém, mais do que o segundo, inaugurado por Stalin e sepultado por Gorbachev.

A dominação inglesa conquistada pelo mar durou três séculos, até a hora em que, depois de destroçarem o efêmero Terceiro Reich alemão, perceberam estar naufragando ao inflar a bola do novo império mundial, os Estados Unidos, hoje dominando integralmente a civilização, dentro das paralelas ditadas pelo comércio e pelo sentimento de superioridade. Registra-se uma tentativa de, tanto tempo depois, a China abandonar a estratégia das portas fechadas, lançando-se na competição pelo mundo exterior. Sem esquecer a reação dos árabes, que se conseguirem unificar-se através do fundamentalismo religioso, poderão surpreender.

Por que se alinham estes parágrafos supérfluos, incompletos e insossos? Porque muitos ingênuos e outro tanto de malandros começam a falar da hora do novo Império do Brasil, inaugurado pelo Lula e a se configurar ao longo do Século XXI. Seria bom atentarem para o fato de que os impérios nascem e morrem, tanto faz o período de sua duração. Pior para os que ficarem até o velório...

Mostra Fotográfica

O que? MOSTRA FOTOGRÁFICA "Todo, em parte...um"


Quando? De 01 a 31/03/11 - das 08h às 21h


Onde? No Espaço Cultural do SESC Lajeado (Silva Jardim, 135)


Quanto? ENTRADA FRANCA


Mostra Fotográfica “Todo, em parte...um” é a atração do espaço
cultural do SESC no mês de março

A mostra integra a agenda do Arte Sesc – Cultura por toda parte.

O Arte Sesc – Cultura por toda parte apresenta, durante todo o mês de
março, a Mostra Fotográfica “Todo, em parte...um”. O fotógrafo
amador George Beal Miglioransa juntou diversas fotos em um tema que
denominou de "Todo, em parte...um" para mostrar diferentes sentidos
encontrados nas fotos, procurando construir um entretenimento
interessante no "Todo". As imagens falam sobre a natureza, a cidade, o
turismo, a paisagem e seus detalhes pitorescos. Convida a leitura visual
e a reflexão sobre as histórias e ideias que cada imagem transmite às
pessoas. As fotos da mostra foram selecionadas de diversos momentos da
vida do autor, entre 2004 e 2009. A atração acontecerá no Espaço
Cultural Sesc (Rua Silva Jardim, 135) com entrada franca. Mais
informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3714.2266, pelo e-mail
ou pelo site www.sesc-rs.com.br/artesesc .


Estamos aguardando a sua visita!


Att.

Mariana Beppler
Auxiliar Cultura e Lazer - UO Lajeado


Bastidores da Guaíba


Na última quinta,10/03 foi realizada uma reunião da diretora Solange Calderon com toda a equipe de jornalismo.
Depois houve uns bebes e comes e alguns passaram da conta nos bebes e deu discussão. É natural, porque o pessoal tá estressado com a situção, depois da demissão do diretor de jornalismo, Ataídes Miranda.

Outra:

A REC, aquela loja na praça Maurício Cardoso, que tem um custo de 25 mil reais por mês de aluguel, será fechada.

Mais uma:

em abril, volta o tradicional CORRESPONDENTE, que acabaram....por um pequeno noticioso de um minuto.


Outra mais:

Os " pastores"( ou " bispos") mandaram fazer uma pesquisa e o resultado foi que a Guaíba é uma rádio de público A e B. Publico C só entrada nas jornadas esportivas.

NÃO CHORES POR MIM, ARI....

Na reunião de diretoria da última quinta-feira, só foi o presidente e um dos diretores. Cadê os outros?

NÃO CHORES POR MIM, ARI(2)


Como dizia o presidente Kennedy: não perguntes o que a América pode fazer por ti, mas o que tu podes fazer por ela..

Isto teria que ser aplicado na ARI


NÃO CHORES POR MIM,ARI(3)

já estamos em março e garanto que ninguém lá dentro pensou num projeto tipo A ARI E OS 50 ANOS DA LEGALIDADE. A PARTICIPAÇÃO DOS JORNALISTAS NO EPISODIO....


ECOS DO CARNAVAL

Um dos quesitos mais interessantes do carnaval brasileiro, pra mim, é o pacotão, o bloco dos jornalistas que desde 1977, sai sempre protestando contra alguma coisa em Brasilia. Ele nasceu contra o PACOTE DE ABRIL, aquelas medidas casuísticas que o presidente Geisel baixou em julho de 1977...
Os jornalistas protestaram e nasceu em 1978, o bloco PACOTÃO, QUE TODOS OS ANOS se renova..


Que beleza, como é criativo o povo brasileiro( e não estou ironizando, Charqueadas...)

 


Que legal Ivani...


ver tuas fotos novamente, lindas! a luz! de quem é do ramo...
Um abraço
Espanhol


www.espanholfotos.blogspot.com

Folhetim virtual


Ola Urbanautas, hoje damos continuidade a publicação de nosso folhetim virtual sobre o Veraneio na praia de Tramandaí na década de 30 do século passado. Clique no link abaixo ou acesse o blog e acopmpanhe nossa aventura.
Paulo Bettanin


jornada-sem-fim-veraneio-em-tramandai


Achutti o fotógrafo da Coojornal, do Já e de outras empreitadas....


Oi Olides, tudo bem. Dei uma viajada pelo teu blog, importante para a
construção da memória, parabéns.

Acabei encontrando uma foto na qual eu apareço no momento que eu
fotografei a Fafá largando a pomba, foto que fiz em cores, foi bastante
divulgada na época. Lembro de te-la dado ao André Forster para que fizesse
seu cartão de fim de ano.

Na lista da Coojornal, pessoas que passaram por lá, estão faltando o Baru
Derkin, o Daniel de Andrade e eu que fui dos últimos editores de
fotografia.

Abraço.
A c h u t t i.

O ISENTO VOLTOU COM AS BATERIAS RECARREGADAS.

AGORAM SERÃO EXOCETS ENTRE CHARQUEADAS E CANOAS, PASSANDO POR CIMA DE PORTO ALEGRE...DEIXA NÓIS FORA....


Estou de volta (terminaram as férias)

A REDE TV LEVOU O BRASILEIRÃO PELOS PRÓXIMOS 3 ANOS
Ninguém se da conta que Fábio Koff é um ex-juiz e todos os acertos do Clube dos 13 sempre estiveram amarrado numa papelada legal, dentro dos ditames da lei brasileira. O Clube dos 13 nunca acertou os contratos de boca entre ela e os clubes. Tv nenhuma tem dinheiro para comprar os direitos de transmissão do Brasileirão, quem paga são os patrocinadores, que como sabemos vão para onde tiver audiência. Com os contratos assinados pelos clubes, Koff está com a faca e o queijo na mão e o adiantamento de 300 milhões (20% do contrato com a Rede Tv) vai ser a isca para trazer os clubes de volta a realidade. Ganhando esta o Clube dos Treze vai partir para a Liga, escanteando de vez a CBF e trazendo mais qualidade para as transmissões de TV agora sempre em HD.

O IMORTAL TRICOLOR
O Grêmio mais uma vez mostra que é mesmo imortal, com um gol aos 52 minutos do segundo tempo e dois pênaltis pegos pelo Victor, levou a Taça Piratini para a Sala de Troféus do Olímpico. Enquanto isso, lá no outro lado da Padre Cacique, eles estão abandonando a Copa de 2014, brigando entre si e odiando o técnico Celso Roth. `

DONA DILMA
Aviso aos direitistas que não estou mais aceitando provocações, principalmente depois dos índices de aprovação popular que nossa presidenta alcançou. Colocou o PDT e o PMDB nos seus lugares e mostra que quem manda no país é ela e o PT.

Remindo Sauim, de Canoas para o Mundo


PELO QUE A HISTÓRIA MOSTRA O PODER REALMENTE SEDUZ

De Buenos Aires
Gelson Farias

Uma história de amor dominou as manchetes dos jornais. De um lado, o presidente Argentino Carlos Menen, do outro, uma mulher elegante e bonita, a ex-Miss Universo Cecilia Bolocco.

Carlos Menen e Cecilia Bolocco


Ao longo da História argentina a existência de amantes presidenciais foi farta e variada. Carlos Menem (1989-99) era famoso por seus affaires quando ainda era governador de La Rioja. Na presidência intensificou seus contatos extra-matrimoniais, fato que causou a ira de sua mulher, Zulema Yoma, que em vingança entrincheirou-se na residência oficial de Olivos e confiscou a faixa e o bastão presidencial. O casal – que também tinha abundantes diferenças políticas – separou-se oficialmente na seqüência. Menem já havia tido aventuras extramatrimoniais com descendência incluída em 1981, época em que Menem (que havia exercido entre 1973 e 1976 seu primeiro mandato como governador), por ordem do regime militar, que o havia detido, passou meses em prisão aberta no vilarejo de Las Lomitas, Formosa.
Ali, conheceu a jovem Marta Meza – filha de um caudilho local – que ficaria grávida. Menem, na época, estava casado. Mas, prometeu a Marta que reconheceria o menino. Os anos passaram e a promessa não se cumpria. Em 1989 Menem foi eleito. Nesta ocasião, prometeu que reconheceria seu filho quando deixasse o poder. Essa promessa tampouco foi cumprida. Nesse intervalo a mãe de Carlos Nair foi eleita deputada federal. No ano 2003, Marta Meza suicidou-se em circunstâncias misteriosas (bebendo herbicidas). Carlos Nair foi vítima de atentados e de ameaças que lhe indicavam que deixasse de insistir com seu pedido de reconhecimento.


O pequeno Carlos Nair...


Em 1996 a revista “Notícias” publicou as fotos de Menem com seu filho ilegítimo na residência presidencial de Olivos. Após o escândalo, Menem evitou o garoto durante anos. Carlos Nair, após a maioridade, começou a exigir que seu pai o reconhecesse. Menem continuava recusando-se. Mas, em 2005, o juiz Francisco Orella determinou que o jovem fosse filho extramatrimonial do ex-presidente. A determinação baseou-se nas fotografias que provam o vínculo e a negativa de Menem em submeter-se ao exame de DNA. Em meados de 2008, sua fama de latin-lover septuagenário (agora ele é octogenário) foi abalada pelas aventuras amorosas da chilena Cecilia Bolocco, com a qual havia se casado em 2001 (que tinha metade de sua idade).


Cecilia, uma ex-miss Universo, cansada da intensa dedicação de Menem aos jogos de golfe na Argentina (enquanto ela residia com o filho de ambos em Santiago do Chile), começou a ter um tórrido affaire com um playboy italiano em Miami. O resultado foi o divórcio para o casal e fama de “homem traído” para Menem. O ex-presidente só conseguiu um pouco mais de protagonismo quando, semanas depois do escândalo de Bolocco, seu filho ilegítimo, Carlos Nair, apareceu em “Gran Hermano”, a versão argentina do Big Brother.


Carlos Nair, filho de Menen

O jovem tornou-se celebridade nacional quando, no meio do programa, os integrantes descobriram que o filho do ex-presidente possuía um aparelho reprodutor de consideráveis dimensões. As participantes femininas proferiram frases apologéticas sobre o diâmetro e comprimento do supracitado. Os participantes masculinos que também ali estavam exclamaram expressões de inveja. Desta forma, Carlos Nair tornou-se famoso em toda a Argentina com o apelido de “La Anaconda”, em alusão à gigantesca cobra que habita a Amazônia. Menem não perdeu tempo, e reconheceu oficialmente seu filho ilegítimo, algo que não havia feito em 27 anos. “Só podia ser filho meu”, afirmou Menem na época. No entanto, a vedette do teatro de revista Moria Casán – ex-amante de “El Turco” nos anos 80 – com ironia sugeriu que as proporções substanciais da genitália de Carlos Nair não necessariamente tinham correlação com seu genitor, o qual conhecia bem.

Cecilia Carolina Bolocco Fonck está em processo de separação do ex-presidente, Carlos Menen.

Seu pai é Enzo Bolocco, homem de negócios, e sua mãe Rose Marie Fonck. Seus irmãos são Juan Pablo, Verónica, Diana e Rodrigo (já falecido). Estudou a escola primária e secundária no Santiago College. Fez um ano de engenharia civil. Cecilia Bolocco foi eleita Miss Chile, para o Miss Universo no dia 20 de abril de 1987. Ganhou o título de Miss Universo no dia 26 de maio de 87, e se tornou a primeira chilena a conseguí-lo. Durante seu reinado de um ano, radicou-se em Los Angeles. Após seu reinado, Bolocco iniciou uma carreira na televisão chilena com o programa “Porque hoje é sábado”.
Em junho de 1990, mudou para Miami, Florida para trabalhar como âncora para CNN,. Depois na Telemundo apresentou A boa vida, Ocorreu assim e A noite de Cecilia, pelo qual ganhou dois prêmios – Emmy. Bolocco depois protagonizou o programa mexicano Morelia, a qual foi transmitida em mais de 70 países, incluindo Chile e Europa. Em 1995, Cecilia co-apresentou junto a Antonio Vodanovic a 36ª entrega do Festival Internacional da Canção de Viña Del Mar. Em Outubro de 1986, já separada, co-apresentou um dos programas mais bem-sucedidos da televisão chilena dos últimos anos, Viva a Segunda-feira, ao lado de Kike Morandé (com quem teve um romance que terminou pouco tempo depois) e o comediante Álvaro Salgas. Durante este tempo, também teve seu próprio programa de rádio e também seu próprio programa de televisão chamado A noite de Cecilia.
Em fevereiro de 2000 se estabeleceu como animadora permanente ao ser novamente apresentadora do Festival de Vña Del Mar. Cecilia se casou com o produtor de televisão norte-americano Michael Young em março de 1990, no Palacio Cousiño em Santiago, Chile. Em meados dos anos 90, ela se separou de Young. A união foi depois anulada. Em 26 de maio de 2000, Bolocco se casou com Carlos Menen, , ex-presidente da Argentina, a quem conheceu durante uma entrevista. Seu primeiro filho junto a Menem, Máximo, nasceu no final de 2003.
Em maio de 2007, uma revista sensacionalista chilena publicou fotos de Bolocco seminua numa praia. Nessa época, começaram a surgir rumores de um suposto romance com o empresário italiano Luciano Marrochino, apontado em matéria da Folha Online, como "amigo" da Miss Universo 1987. A publicação brasileira informou que Marrochino adquirira os direitos do Mis Universo para o Chile e passaria a ser o promotor da etapa nacional do certame.
Com o estouro do novo Bolocazzo, começou o processo de divórcio entre Cecilia Bolocco e Menem. A órgãos de imprensa, Cecilia admitiu viver de forma separada já que o ex-presidente continua morando em Buenos Aires e ela, em Santiago.


Foto do topless, proibida na Argentina

Cecilia Bolocco "em seu apartamento em Miami, onde estava a descansar em 24 de abril depois de deixar seu filho Max aos cuidados de sua mãe e seu marido, Carlos Menem em outros lugares ocupados na Argentina. Lá, foi pego fazendo topless com Luciano Marocchino, um italiano que trabalha com Donald Trump na organização do Miss Universo. Marocchino -53 anos, dois filhos, é um empresário e representante da marca para a América Latina Miss Universo. "Ciano", como chamam os íntimos, é famoso playboy Latina e seu antigo parceiro foi a bela Romina Power, o ex- também italiana e cantora de origem albanesa, uma mulher que, falando de topless Trumps Bolocco por várias entidades.


A relação entre "A Chechu" e "Ciano" começou em 2006, quando a Playboy veio ao país para lidar com Miss Bolocco Chile e telefones trocados. Assim, parece que o prêmio de Miss Universo do Chile em 1987 foi premiado, abriu a porta, além de muitas outras coisas para que o relacionamento com o empresário italiano. Em março de 2007, quando Cecilia Bolocco viajou para a Espanha para participar como jurado da Miss e Mister Espanha, Luciano conheceu e teria tido a oportunidade de desfrutar de alguns dias juntos na Itália.
Quando o ex-Miss Universo e dirigiu a realidade Fama, embora estivesse muito ocupado, porque eles também levaram o programa para mudar Quem Quem?. No Chile, que era hora de sair para jantar com Luciano em restaurantes exclusivos, tais como as situadas nas fronteiras Rio de Janeiro e outro em La Dehesa.


Diante das fotos da Ex-Miss Cecilia Bolocco, Carlos Menen, fez um comunicado oficial, anunciando que não suportou ver as imagens, de Cecilia, que estava de topless em sua casa em Miami ao lado do italiano Luciano Marochinno. No momento do comunicado, Menen disse que daquele instante, estava separado da ex- Miss. Miriam Quiroga, secretária durante 11 anos do ex-governador de Santa Cruz, ex-presidente da República e ex-presidente do partido peronista, Néstor Kirchner. “Era vox populi que eu era amante de Néstor”, disse Miriam à “Notícias”, a revista de informação semanal de maior circulação na Argentina. “Tive uma união muito forte com ele. Deixei tudo para vir com ele desde o sul. Deixei minha família”, declarou Miriam, que autodefine o trabalho que realizou com Kirchner como o de uma “secretária pau para toda obra”.
Olides,
Tem Muito mais lenha para queimar neste fogo, das “amantes dos presidentes argentinos”, mas, vamos deixar para a semana que vem a, segunda parte, ok. Gelson.


Elizabeth nega que Kirchner seja o pai de sua filha de 11 anos.


As revelações de Elizabeth Miriam Quiroga, uma ex-secretária de Néstor Kirchner, sobre sua suposta relação com o ex-presidente, abalaram a classe política argentina. Elizabeth, que trabalhou com Kirchner desde os anos 90 até sua morte, em 27 de outubro, afirmou à revista Noticias que foi amante do ex-governante. A ex-secretária decidiu falar sobre sua suposta relação com Kirchner depois que foi demitida de seu cargo como diretora do centro de documentação presidencial em 5 de janeiro. Segundo a revista, Elizabeth conheceu Kirchner nos anos 90, trabalhou com ele quando era governador da sulina província de Santa Cruz e se transferiu a Buenos Aires quando ele assumiu a presidência, em 2003.
"Tínhamos uma união muito forte. Deixei tudo para vir do sul com ele", disse. Elizabeth nega que Kirchner seja o pai de sua filha de 11 As revelações de Elizabeth Miriam Quiroga, que foi secretária de Néstor Kirchner, morto em outubro do ano passado, sobre sua suposta relação com o ex-presidente da Argentina, abalaram a classe política do país.
Elizabeth, que trabalhou com Kirchner desde os anos 90 até sua morte, em 27 de outubro, confessou à revista “Noticias” que foi amante do ex-governante. A ex-secretária decidiu falar sobre sua suposta relação com Kirchner depois que foi demitida de seu cargo como diretora do centro de documentação presidencial em 5 de janeiro.
Segundo a revista, Elizabeth conheceu Kirchner nos anos 90, trabalhou com ele quando era governador da sulina província de Santa Cruz e se transferiu a Buenos Aires quando ele assumiu a Presidência, em 2003.
“Tínhamos uma união muito forte. Deixei tudo para vir do sul com ele”, declarou.
Elizabeth nega que Kirchner seja o pai de sua filha de 11 anos.
Elizabeth Miriam Quiroga diz que tinha "ligação muito forte" com Kirchner. Ela revelou o caso após ser demitidas revelações de Elizabeth Miriam Quiroga, uma ex-secretária de Néstor Kirchner, sobre sua suposta relação com o ex-presidente, abalaram a classe política argentina. Elizabeth, quem trabalhou com Kirchner desde os anos 90 até sua morte, em 27 de outubro, confessou à revista "Noticias" que foi amante do ex-governante. A ex-secretária decidiu falar sobre sua suposta relação com Kirchner depois que foi demitida de seu cargo como diretora do centro de documentação presidencial no ano de 2006.


Aproveitamos o post sobre sexo e política (e recordamos a frase de Henry Kissinger, “o poder é o maior afrodisíaco de todos”) para mostrar esta lista (citada em outro post antigo) de palavras alusivas ao coito e afins.
COJER: Verbo que indica o ato sexual completo. O verbo, na Espanha e outros países de idioma castelhano o verbo é primordialmente utilizado para “pegar” ou “colher” (como “colher algo do chão”). Isto é, uma pessoa poder referir-se a “cojer el autobús (ônibus)”, para explicar que poder “pegar o ônibus”. Na Argentina, equivaleria a dizer que teria um coito com o veiculo de transporte coletivo (e não dentro de tal veículo). No entanto, não é uma forma polida de referir-se ao ato sexual.
COJIDA: “Uma cojida”. O coito.
GARCHAR: Verbo que designa o ato de copular. No entanto, é uma forma chula. “Coger”, perto de “garchar”, acaba parecendo uma forma elegante…
GARCHE: A cópula, expressada sem elegância
EMPOMAR: Verbo que refere-se a “pomo”, isto é, o equivalente a “bisnaga” Ergo, indica o membro viril. Desta forma, “empomar” é o verbo utilizado para referir-se à penetração.
TRANSAR: O verbo foi recolhido pelos turistas argentinos que foram ao Brasil nos anos 80. Mas, em vez de referir-se ao coito em si, na Argentina, esta gíria utiliza-se de forma adulterada. Neste contexto de readaptação do verbo, transar aqui refere-se aos beijos e carícias. Preliminares sexuais com abundante produção hormonal, mas sem a cópula em si.
FRANELEO: Uma versão local da “transa” (isto é, a “transa” em sua versão adaptada). “Franela” é “flanela”, produto utilizado para passar – e esfregar – sobre um automóvel ou um móvel. No contexto sexual, uma “franela” seria o ato intenso de fricção de epidermes de duas pessoas.
VACUNAR: Vacinar. Neste caso não se refere ao ato de inocular alguém com anticorpos para provocar uma resposta de defesa perante microorganismos patógenos inventado por Edward Jenner em 1796, mas sim, refere-se ao ato de penetrar alguém.
Edward Jenner, criador da outra “vacuna” (vacina)
ACABAR: Cuidado ao utilizar esse verbo na Argentina, já que é um sinônimo frequente de “ejacular”. Ou, no caso das mulheres, de chegar ao orgasmo. Para indicar o “acabar” nosso é mais adequado a utilização de “terminar”. Ou “concluir”.
TUJE: Proveniente do antigo yiddish “tuches”, utilizado com frequência na Argentina para indicar os glúteos. Traseiro. Bumbum.
VERSO: Galanteio semi-picareta. Afirmação – ou conjunto de afirmações – geralmente sem base concreta (“se você quiser conhecer meu iate…”) destinados a conseguir a conquista-sedução de alguém.
VERSERO/A: O praticante do ‘verso’.
TRAMPA: Literalmente, “trapaça”. Quando uma pessoa está “de trampa” é que está casada, mas está tendo (ou tentando) ter um encontro sexual com outra pessoa que não é a cônjuge.
PIRATA: Aquele que pratica a ‘trampa’.
CABARULO: Refere-se aos cabarés, palavra em Buenos Aires aplicada para casas de strip-tease e também, ocasionalmente, para bordéis.
PRIVADO: Prostíbulo instalado em um apartamento.
CAFISHIO: O gigolô.
TRAVIESSA: Literalmente, “travessa”. Mas refere-se ao ‘travesti’.


Guia para jornalistas sobre aborto será lançado no Sindicato no próximo dia 25

Será lançada no dia 25 de março, às 14h, no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, a publicação 'Aborto: guia para profissionais de comunicação', elaborada pela Jornadas Brasileiras pelo Direito ao Aborto Legal e Seguro. O lançamento do guia ocorre em todo o Brasil, e em Porto Alegre faz parte das ações do Dia Internacional da Mulher. Com objetivo de apoiar o trabalho de jornalistas interessados em tratar do tema, a cartilha foi elaborada com base em fontes oficiais, de governos e institutos de pesquisa nacionais e internacionais. Mais informações estão no site www.iwhc.org.

Assessoria de Imprensa Sindicato dos Jornalistas do RS
Marcio de Almeida Bueno (Mtb 9669)
www.twitter.com/jornalistasrs


O PALESTRANTE


O Lula teria recebido R$ 200.000,00 por uma palestra de 40 minutos; um trabalhador, com salário de R$ 2.000,00 ( não é muito ruim), receberia no ano, com o 13º, R$ 26.000,00. Para ganhar o que o Lula recebeu pelos 40 minutos ele teria que trabalhar 7 anos e 8 meses.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


O PALESTRANTE II


Já em relação ao salário-mínimo, os R$ 200.000,00 que Lula teria recebido pOR uma palestra de 40 minutos, significam, por exemplo, que um aposentado que recebe os R$ 545,00, levaria 28 anos e 3 meses para juntar os R$ 200.000,00
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Movimentos apoiam fechamento do Minizoo

Foto: Fredy Vieira/PMPA


Ativistas pelo bem-estar animal reunidos com o prefeito José Fortunati (C)
Com o objetivo de apoiar a iniciativa de fechar o Minizoo da Redenção, ativistas pelo bem-estar animal, se reuniram com o prefeito José Fortunati, na tarde de sexta-feira, 11. Durante o encontro, que aconteceu no Paço Municipal, foi entregue uma carta de apoio à retirada dos animais do espaço. O documento foi assinado por entidades não governamentais e pelo movimento Lugar de Animal é no Habitat Natural.

Leia aqui a carta na íntegra.

Fortunati agradeceu a carta de apoio e comunicou que a prefeitura está em tratativas com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para fazer o levantamento dos criadouros que tenham possibilidade de receber os animais. "Temos o compromisso de encaminhar os animais apenas para locais e pessoas habilitadas, pelo Ibama, para recebê-los", afirmou o prefeito.

Os representantes dos movimentos, que se reuniram com prefeito, farão, no domingo, 13, a distribuição de um material gráfico apoiando a retirada do Minizoo, no Parque da Redenção.

clique abaixo para saber mais.

http://www2.portoalegre.rs.gov.br/

Volta do Isento....

É com enorme satisfação que registro o retorno do ISENTO, que vai mandar seus petardos. não tem graça nenhuma só um falar, isto parece coisa do Brizola, que falava horas sozinho e os puxa-sacos faziam de conta que ouviam e o aplaudiam...

Gosto do debate, da polêmica, da troca de farpas...as " gentilezas" que o Charqueadas e o Isento trocam aqui me fazem sempre ri porque:

1) as leio todas e raramente eu leio meu blog.

2)me fazem lembrar uma historinha saborosa do tempo do Protásio Alves, que como vocês sabem era médico: ele tinha três cachorros e os adorava aos três.Mas eles não podiam se ver que era briga certa. quando alguém dava um conselho ao Protásio, ele respondia?
- Eles brigam, mas eu gosto dos três....
Pano rápido


Aviso ao Gelson?

Ih, Gelson, fica contando só os casos de ayá, porque se a moda pega contar sobre sexo e poder por aqui, tu já viu, né....


De São Borja

Depois sou eu que implico, é: na FSB do dia 2/3 o Edson Arce diz que o governador Tarso Genro pode ser o quarto sãoborjense a sentar na cadeira presidencial. Os outros três: Getúlio,Jango e Ibsen.Mas que eu saiba teve ainda um presidente argentino que seria sãoborjense.


A esta altura, eu acho que a capital dos gaúchos deveria ser mesmo transferida pra São Borja.!

Racismo?


Ficou uma sensação estranha: no vestiário do Grêmio, no sábado, ninguém quis dizer, mas tanto o treinador, Renato Portaluppi e o jogador Carlos Alberto - expulso pelo juiz Márcio Coruja - reclamaram do que o juiz disse ao jogador durante a partida. O que será mesmo?

Olha cabe lembrar aqui o escritor Érico Verissimo: no Brasil não há racismo, o negro já sabe seu lugar!

Coleguinhas

Encontro o Mello,do zona sul, no jogo do Grêmio:
- tu escreve muito, perco muito tempo lendo teu blog. Conselho ao Mello: é só não ler...


(1)Li o Dieckamnn sobre as velhas máquinas de escrever em redações:
Pego carona pra dizer

1) O velho Ebanes Flores que consertava todas, me disse que muitas chegavam mijadas dentro e que os reporteres tinham a mania de tirar a tampa. ele nunca entendeu o porque mas acha que éra porque queriam ver as teclinhas batendo na lauda....

Outro do velho Ebanes: as máquinas mais judiadas eram da reportagem policial, Sim, digo eu,pra aguentar um Vilmo Medeiros, só se vingando na máquina, coitada.

3) Wanderley Soares e Carlos Alberto Kolecza se desentenderam feio na Folha da Tarde por causa da máquina de escrever. Wanderley redigia um texto na máquina do Kolecza. Ele pediu pra se levantar, o Wandeco não gostou e disse:
- Agora só saio daqui, depois que terminar...


4) O velho e saudoso CID PINHEIRO CABRAL sentava na sua máquina( qualquer uma) na redação do primeiro andar da zero hora. E sentava sempre na frente da Imara Stalbaum, a quem ficava longamente admirando( valia mesmo...) deixava cair os óculos e quando já ia indo embora, voltava pra pegá-los e aproveitava a deixa pra admirar mais um tempo a colega que redigia frenticamente seus textos( histórias dos tempos da máquina de escrever....)


a redação da zh na segunda metade dos anos 70, ainda quando no primeiro andar.

as máquinas de escrever dominavam a " paisagem"!


O findi


Os programas culturais andam,ainda,devagar...

Mas dia 24/03 agendem porque tem o Djavan, no teatro do SESI. Imperdível....


CARNAVAL NA ARGENTINA
35 ANOS DEPOIS, OS ARGENTINOS VIVEM PRIMEIRO FERIADO


De Buenos Aires
Gelson Farias

Os argentinos estão vivendo desde hoje seu primeiro feriado de carnaval em 35 anos. Em setembro passado, em uma cerimônia com toda pompa, o feriado foi reimplantado pela presidente Cristina Kirchner. Desta forma, acabou a proibição determinada pelo governo de Eva Perón, em 1947 e pelo general Jorge Rafael Videla, presidente da ditadura militar (1976-83).


Mais de duas centenas de "murgas" (blocos) saíram às ruas em diversos bairros portenhos para os festejos de Momo. Com uma metáfora marinheira, Félix Loiácono, diretor do bloco "La Garufa", do bairro portenho de Constitución, afirmou: "este feriado recuperou as águas que fazem que o navio do carnaval volte a navegar". As murgas são caracterizadas pela extrema informalidade. Para integrar os blocos carnavalescos portenhos não é preciso saber dançar, já que basta comparecer com uma fantasia para participar.
O carnaval é celebrado com diferentes estilos no interior do país. Enquanto que nas províncias do norte da Argentina como Salta e Jujuy os festejos possuem uma forte marca indígena, na cidade de Gualeguaychú, na província de Entre Ríos, na fronteira com o Uruguai, o carnaval é inspirado no estilo carioca, com carros alegóricos, escassa vestimenta dos foliões e baterias. Segundo os gualeguaychenses - que até construíram um "corsódromo" (em alusão a "corso", denominação local dos desfiles) - o carnaval local é uma espécie de "irmão caçula" do carioca.

Carnaval , na Calle Florida, calçadão de Buenos Aires
É fevereiro, e há algo mais no ar, as ruas parecem explodir repletas de pessoas fantasiadas, música, danças exóticas, desfiles e celebrações. Sim, nós estamos falando sobre o Carnaval argentino. Estas dançarinas estão fazendo o carnaval bem no centro de Buenos Aires, na Calle Florida.

Durante as celebrações do carnaval, de rua, os turistas vão encontrar cara a cara os grupos com nomes como “Os viciantes de Almagro”, “Os malucos de Spinetto” ou “Os mendigos de La Boca”, mas não fuja; estes são os nomes de alguns dos componentes do que são, de fato, uma herança cultural, alguns dos grupos de murgas de bairro mais famosos de Buenos Aires, a personificação do Carnaval Porteño, e uma experiência que você não pode perder.


“PROIBIÇÕES”


Elas colocando o bloco na rua...


O carnaval argentino sofreu seus primeiros obstáculos com a morte de Evita Perón, em julho de 1952. O governo do viúvo, o presidente Juan Domingo Perón, implantou um clima de luto que predominava sobre o cotidiano. Desta forma, foram suspensos os carnavais de 1953, 1954 e 1955. A queda de Perón foi acompanhada pela volta do carnaval 1956. No entanto, em março de 1976, o golpe militar, comandado pelo general Videla, fez o carnaval novamente desaparecer da agenda dos argentinos. O ditador proibiu o uso de fantasias com o argumento de que guerrilheiros poderiam esconder-se sob as máscaras e realizar ataques terroristas. Além disso, impediu a reunião de pessoas para festejos públicos e suprimiu o feriado de carnaval.

Bloco Bico de Corvo

Na Argentina, a forma como o carnaval é comemorado varia muito de região para região. Alguns locais têm maior tradição e atraem maiores atenções durantes as festividades. Algumas cidades de destaque são: Salta Jujuy, Corrientes e Buenos Aires. Em 1976, o carnaval foi oficialmente retirado do calendário na Argentina pelo governo militar, que [...]


As Bruxas de Rosario
A volta da democracia, em 1983, não implicou em uma recuperação imediata do carnaval. As murgas, lentamente, foram ressurgindo ao longo dos anos 90. Em 1998 existiam somente 30 murgas. No entanto, a crise de 2001-2002, que mobilizou todos os setores da sociedade, implicou em uma revitalização das manifestações e festejos populares. Desta forma, dos 100 blocos registrados em 2001, atualmente existem

Para muitos turistas brasileiros, a Argentina é apenas nossa vizinha e nossa maior rival no futebol. Mas o país é muito mais do que a pátria de Maradona e Evita Perón.



1947. EVA PERON. Nos anos seguintes à sua morte o carnaval na Argentina foi suspenso pelo luto imposto pelo governo do viúvo.
A ditadura militar argentina (1976-83) acabou oficialmente com o carnaval argentino em 1977 ao eliminar o feriado de Momo. O ditador e general Jorge Rafael Videla – que temia que guerrilheiros de esquerda pudessem esconder-se atrás dos disfarces, e com isso, supostamente realizar atentados – também proibiu as reuniões públicas destinadas a esse festejo. Além disso, o asceta militar ordenou a proibição dos blocos carnavalescos.
Mas, a presidente Cristina Kirchner – que nos últimos anos fez a revisão de uma série de medidas da ditadura – decretou há poucos meses a reimplantação do feriado de carnaval.
“Queremos que a alegria volte à Argentina!”, disse exultante em setembro a presidente Cristina, perante uma plateia de “murgueros” (denominação dos integrantes dos blocos carnavalescos portenhos) que entoaram a “marcha Peronista” com um ‘touch’ de ritmo carnavalesco.


Grupos de Folguedos
Como todos os anos, durante os primeiros meses do ano, não só celebra o início de um novo ano, mas o carnaval é comemorado. Durante esta caminhada pelas Ruas de Puerto Madero estão cheias de cores, músicos e blocos de rua.


Porcos ainda são criados na escola agricola de serafina


A prefa de La Undeze me manda esta foto dos porquinhos que são criados e que nasceram na escola agricola. quando jovem, tive o desejo, o sonho de ir pruma escola agrícola. era o máximo que um jovem da colônia podia almejar. Mas por obra do destino acabei no Julinho( no clássico,ainda....no meio de uns subversivos, como se dizia...)

Os porcos já foram a grande riqueza da região de serafina. Os colonos viviam deles, do milho, do trigo e depois veio a soja.

O jogo só acaba com gol do Grêmio

ASSIM É FÁCIL SER IMORTAL

Por Luiz Oscar Matzenbacher

Eu sempre achei que a tal imortalidade tricolor tinha a ajuda da mão errática dos árbitros.
Mas, na decisão da Taça Piratini ficou mais evidente o favorecimento ao ex-time da Azenha (agora é time da Vila Dona Teodora).
O árbitro não encerrou o jogo, enquanto o Grêmio não empatou aos 115 minutos de tempo total de jogo. embora a regra mande que deva ter 90 minutos.
Parecia jogo de pelada de crianças de fundo de quintal. Aquelas do tempo em que quem fizesse o último gol, era declarado o vencedor.
Foi um chocolate ao vinho tinto do Caxias sobre o Grêmio no Olímpico.
Coitados dos caxienses, fizeram força, mas contra o protecionismo da FGF e dos árbitros gaúchos, o interior parece que nunca mais vai conseguir ter um Campeão Gaúcho.

O nosso correspondente de Charqueadas

é o maior rato de blog que já vi...lê tudo e corneteia....tudo também....


Tenho tempo. E gosto. E é fácil. Rápidinho você acessa tudo, quantas vezes for necessário.
SERGIO OLIVEIRA
APOSENTADO, por isto o tempo?
CHARQUEADAS - RS

NOTÍCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO DE 29.10.2008


Anísio Abraão Davi, da Beija-Flor, é preso pela PF no Rio


A Polícia Federal prendeu nesta quarta-feira, 29, o bicheiro Aniz Abrahão David, o Anísio, com outras 14 pessoas, entre elas o agente da PF do Rio Luciano Delgado Botelho, lotado na Delegacia da Ordem Social e Política (Delinst). Anísio é presidente de honra da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis, na Baixada Fluminense, e acusado de comandar uma quadrilha de estelionatários que lavava, em Natal (RN), dinheiro arrecadado com a exploração ilegal de caça-níqueis na região metropolitana do Rio. A PF não informou quanto de dinheiro a quadrilha movimentava.
Botelho, segundo o superintendente da PF no Rio Valdinho Caetano, teria uma "participação ativa" na quadrilha, seria sócio de Anísio, mentor intelectual da lavagem de dinheiro e teria pontos de exploração de caça-níqueis em Nilópolis. A Operação 1357 - o nome foi dado porque os acusados se relacionavam pelo apelido de "primo" e os números escolhidos para identificar a operação são números primos - derivou da Operação Escambo, da Polícia Federal do Rio Grande do Norte, que investigava operações de câmbio irregular.
"Eles detectaram a presença de um agente da PF naquela área que freqüentava muito as casas de câmbio irregulares e notificaram a PF em Brasília. Iniciamos uma investigação e descobrimos que o agente tinha uma grande importância na quadrilha. Ele conhecia um doleiro em Natal e sugeriu ao Anísio que o dinheiro fosse lavado lá. O agente subiu na hierarquia do bando e consideramos que ele seja sócio do Anísio. Era ele quem transportava o dinheiro para Natal e fazia o câmbio", disse o superintendente.
Para a operação, a 2ª Vara Criminal Federal de Natal expediu, a pedido da PF, 16 mandados de prisão. Dois foram cumpridos em Natal, 13 no Rio e o último não foi finalizado porque o suspeito morreu na semana passada de morte natural. Anísio, o agente da PF Luciano Delgado Botelho, e outras duas pessoas que tiveram mandado de prisão preventiva decretados foram levados nesta tarde para Natal. Os outros nove presos que tiveram a prisão temporária decretada ficarão à disposição da Justiça num presídio do Rio.
A prisão foi pedida à Justiça Federal do Rio Grande do Norte porque a lavagem de dinheiro era feita lá. A operação contou com 150 agentes da PF que cumpriram também 32 mandados de busca e apreensão - dois no Espírito Santo, 28 no Rio de Janeiro e dois em Natal. Máquinas de caça-níqueis, automóveis de luxo - como os dois Mercedez com adesivo da Beija-Flor de Anísio -, computadores e documentos estão entre os objetos apreendidos. Os presos responderão por crime de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, exploração de caça-níqueis e câmbio irregular.
No ano passado, Anísio foi preso duas vezes durante a Operação Hurricane (furacão), que também identificou uma quadrilha envolvida com caça-níqueis. Ele foi solto pela última vez em dezembro por conta de uma liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e participou do desfile da Beija-Flor, campeã do Carnaval. Anísio afirmou na ocasião que não precisava dar satisfações da vitória. "Isso não é uma resposta à CPI (do Carnaval da Câmara, que levantou suspeitas de manipulação no desfile de 2007). Fazemos isso todo ano. Em seis anos, foram cinco campeonatos", declarou.
Em 1993, ele também foi preso acusado de fazer parte da cúpula do jogo do bicho. Até esta noite, o advogado de Anísio, Ubiratan Guedes, não havia retornado às ligações da reportagem. O nome do advogado do agente da PF e dos outros presos não havia sido revelado pela Superintendência da PF.
AGORA EU COMENTO: O CARA TÁ SEMPRE METIDO EM FALCATRUAS. AÍ NO CARNAVAL ELE SE TORNA REI. ELE APARECE NA TV, NA APURAÇÃO, BEIJANDO O FILHO E O LOCUTOR INFORMA ISTO. E FALA CANDIDAMENTE: O PRESIDENTE ANIZIO, ETC E TAL. ATÉ O ROBERTO CARLOS, HOMENAGEADO PELA ESCOLA, FOI ABRAÇÁ-LO. NO CARNAVAL ELE DEIXA DE SER BANDIDO.
CONVENHAMOS...
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

OS FILHOS DO OCASO / OU O CAJE É NOSSA TREBLINKA...


Por Ezio Flávio Bazzo

Entender porque os duzentos e tantos internos que estão confinados no CAJE cometeram tais e quais crimes e transgressões sociais não é difícil, o problema mesmo é compreender como é que uma sociedade que se diz religiosa, trabalhadora, democrata, moderna e altruísta (até socialista!!!) consegue seguir respirando e cagando ao redor de uma instituição dessas que, nos moldes de Treblinka, mantém enjauladas tantas crianças.
Não se agite funcionariozinho público ou comerciantezinho de bagatelas que vai se confessar todos os domingos, pois já sei tua opinião sobre esse assunto:

- Deviam era fuzilar esses bandidos! Não é verdade?

Pensas assim por ignorância e porque não consegues admitir que se teus filhos tivessem nascido no inferno onde nasceram esses “pequenos prisioneiros” estariam todos, como eles, atrás das grades e mais, pelos mesmos delitos. Ou segues acreditando que o problema deles é genético??? Que pode ser explicado pelo espiritismo???

Há décadas os políticos juram que vão dar um jeito nesse aborto prisional e nada. Nos finais de semana as mesmas mães estão lá junto às cercas de arame farpado para, pelo menos, dar um abraço semanal em seus pequenos heróis. E saibam: os crimes daquelas crianças, quase sempre são expressões do desejo até de seus bisavós que, como elas, passaram e suportaram infernos semelhantes... Apesar de todas as demagogias fascistas em contrário, manter um homem numa jaula é um crime. E um crime muito pior que qualquer outro, já que ele é sempre consciente, planejado, vingativo e arquitetado pelo Estado e por seus lacáios...

Somos um povo lesado e atrasado, não conseguimos fazer nada objetivamente. Perdemos nossas vidas em reuniões inúteis e presunçosas e precisamos de anos para mudar uma mesa ou uma janela de lugar. O CAJE (e a escada rolante da rodoviária) são os exemplos mais estapafúrdios. Com o dinheiro que (supostamente) já jogaram ali naqueles calabouços daria para terem instalado água potável, saneamento básico e orquestras sinfônicas em todas as bibocas nacionais de onde é procedente a maioria desses pobres infratores.

http://eziobazzo.blogspot.com/

ciclistas - O ódio inexplicável contra quem quer mudar o mundo


mas o que quero te dizer é que nem tanto ao mar, nem tanto a terra.


Depoimento de leitora:

Não acredito que tu ficou a favor de uma tentativa de homicídio.... o cara foi até preso.
As manifestações estão previstas na lei, não pertenço ao grupo, nem sou ciclista, mas também não tenho carro e estou presenciando a anos o inchamento de carros no Brasil. Porto Alegre está cada vez mais lenta, uma pessoa por carro, cada vez que vamos ao centro de ônibus temos que ficar trancados no trânsito.

Enquanto em outros países a consciência caminha para um uso racional de carros, bicicletas, aqui no BR as manifestações são vistas como badernas, eu estou com medo de atravessar a rua agora, e se um cara vir me atropelar por que não foi com a minha cara, ainda eu ter que dar explicações e prestar contas....

Ellen Augusta, bióloga.


Recebo e publico!

Fotos da PRACINHA DA ENCOL...

QUANDO CONHECI A PRACINHA DA ENCOL, ela não existia. Havia ainda em 1976,quando voltei do Peru, uma grande extensão de área habitada por intrusos, quero dizer, gente que havia ocupado uma área pública. com o tempo, foram remanejados( eu diria corridos de lá....)


Hoje a pracinha da Encol tem até uma árvore bandida, que estes tempos caiu encima de uma caminhante. todos leram no jornal. A avani, que é frequentadora da pracinha(a vejoda minha janela sempre passando com seus dois cachorros em direção à pracinha) fotografou a "bandida",digo a árvore.

DIA DE CINZAS


NO PRÉDIO DA ARI....


o ESPANHOL, FOTÓGRAFO, ANDOU COLOCANDO UM BAR NOT ERREO DA ARI. MAS NA QUARTA DE CINZAS, PERDEU AS ESTRIBEIRAS COM O ZELADOR, SENHOR ADOLAR, QUE PELO VISTO MANDA MAIS QUE O PRESIDENTE ERCY.....

NÃO VOU AQUI DISCUTIR COM ZELADOR, ATÉ PORQUE SEI QUE ELE CUMPRE ORDENS,MAS NUM PRÉDIO QUE O ZELADOR DÁ AS CARTAS É PORQUE A COISA DEGRINGOLOU...

E DURANTE MUITO TEMPO O ADOLAR( NÃO TENHO NADA PESSOAL CONTRA O ADOLAR, EMBORA JÁ TENHA ME ESTRANHADO COM ELE) COLOCAVA UMA PLACA NUM DOS DOIS ELEVADORES DO PRÉDIO ONDE SE LIA: ESTRAGADO....

bOM, se não conseguir sabotar o ESPANHOL, talvez agora melhore o clima do prédio como um todo, embora lidar com jornalistas é um pé no saco....


A SUCESSÃO MUNICIPAL

EM PORTO ALEGRE


MEDO DO

' FOGO AMIGO'

Câmara de POA


ADELI SELL me disse hoje(ontem) -10/03 que o medo impera nas hostes partidárias. Ninguém quer colocar seu nome por medo do fogo amigo interno.Fortunati é candidato natural por ser prefeito.Manuela, pelas suas votações. E Adeli porque é corajoso, coloca a cara para bater nos bons e maus momentos da conjuntura política....

SEGUNDA EDIÇÃO DO TESSITURAS COMEÇA NO DIA 14

A Câmara Rio-Grandense do Livro e a Universidade Luterana do Brasil – Ulbra promovem, de 14 de março a 11 de julho, a segunda edição do curso de extensão universitária Tessituras: Formação de Mediadores para Programas de Leitura.
Com carga horária de 40 horas, o curso ocorrerá em dez encontros, sempre das 14 às 18h, no auditório da Livraria Paulinas (Rua dos Andradas, 1212 – Porto Alegre). Educadores, bibliotecários e outros mediadores da leitura podem solicitar inscrição gratuita através do e-mail e receberão o certificado correspondente se comprovarem ao menos 80% de frequência.
Confira a programação:
14 de março – Programas e Projetos de Leitura
Participantes: Carla Chamorro, secretaria Municipal de Educação de Picada Café, e professora Angela da Rocha Rolla, da Ulbra.
28 de março - Espaços de leitura: biblioteca, escola, comunidade – relatos
Participantes: professor Jari da Rocha, diretor do Centro Cultural José Pedro Boéssio, de São Leopoldo; professora e bibliotecária Rosinaura Barros, da Emef Vila Monte Cristo, de Porto Alegre; professora Schirley da Silva Schwarzbach, do IEE Vasconcelos Jardim, de Camaquã; Márcia Cavalcante, da Ong Cirandar, de Porto Alegre, e professora Sandra Sabino, da Biblioteca da Emef Morro da Cruz, de Porto Alegre.
11 de abril - Interdisciplinaridade em projetos de leitura
Professora Vivian Steyer, da Ulbra
18 de abril – Literatura e outras linguagens artísticas
Participantes: Doutora Fabiana de Amorim Marcello, da Ulbra; professora Claire Manica Constante , da rede municipal de ensino de Porto Alegre, e atriz Deborah Finocchiaro
9 de maio - Literatura infantil: o texto
Professora Gláucia de Souza, do Colégio de Aplicação da UFRGS
25 de maio - Literatura infantil: a imagem
Escritor e ilustrador André Neves
6 de junho – Literatura juvenil
Professora Ana Mariza Ribeiro Filipouski, da Fapa
20 de junho - Literatura, identidade e diferenças
Professora Rosa Maria Hessel Silveira, da Ulbra
4 de julho - Literatura e mediações tecnológicas
Professor Edgar Kirchof, da Ulbra, e escritora Ana Mello
11 de julho – Oficinas temáticas

Safra histórica em quantidade e qualidade

Pára de mentir, gordo: tu tava pescando numa fazenda no interior de Livramento, fazendo feriadáo de carnaval e agora vem com esta de que o computador estragou. conta outra!!!!

Passei alguns dias sem enviar esta mensagem de novidades no Blog Cordeiro e Vinho porque tive um problema em meu computador. Hoje, estamos de volta com nosso tradicional índice de matérias. Boa leitura.

Como já escrevi em edições anteriores do Blog, inclusive depois de uma visita à Região da Campanha, a safra de uvas de 2011 será histórica, pela quantidade e pela qualidade. Não disse, porém, que um dos enólogos que me garantiu que isso acontecerá, além do Adriano Miolo, foi a jovem enóloga uruguaia Soledad Mello Escanellas, que está fazendo um estágio na Almaden, em Livramento, antes de ir para a França, concluir sua formação.
Enquanto me explicava o processo de debourbage, na cantina da Almaden, em Palomas, Soledad falava da qualidade da safra. Disse que as condições climáticas favoráveis, aliadas a novas práticas de manejo, favoreceram a produção de frutos sadios e de altíssima qualidade.
As características das primeiras uvas brancas colhidas a partir da segunda quinzena de janeiro e as primeiras tintas, a partir do final de fevereiro, confirmam a expectativa da Miolo Wine Group de registrar uma safra excepcional em 2011. A empresa, que já colheu cerca de 30% da safra, espera para este ano uma colheita excelente em qualidade, quantidade e sanidade, com mais de 12 milhões de quilos da fruta, e a elaboração de vinhos superpremiuns. A empresa planeja ainda o lançamento de novos produtos TOP. A colheita deve prosseguir até início de abril.
As condições climáticas extremamente favoráveis são as principais responsáveis pelo otimismo no setor. O inverno rigoroso, as chuvas escassas no ciclo vegetativo das plantas e o tempo seco durante a floração e a maturação produziram frutas mais concentradas, sãs e aromáticas. “Aliado a isso, tivemos o manejo e as práticas culturais corretas”, diz Ciro Pavan, engenheiro agrônomo da MWG. Pelas análises preliminares, a safra de 2011 deve ser superior à de 2005. “Estamos com a melhor colheita dos últimos 20 anos”, calcula Ricardo Haas, enólogo responsável pela Vinícola Almadén (Livramento-RS).


50 ANOS DA LEGALIDADE


UM PRESENTE PROS NOSSOS LEITORES QUE GOSTAM DE HISTORIA.


O DIÁRIO DA ASSEMBLEIA CONTANDO UMA SESSÃO ONDE SÃO COMENTADOS OS EPISÓDIOS DA LEGALIDADE. NÃO DEIXEM DE LER.

DIÁRIO DA ASSEMBLÉIA
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL


1.ª Legislatura 3.ªSessão Legislativa
ANO XIV Pôrto Alegre, Sexta-feira, 15 de Setembro de 1961 N.º 2.362


91.ª SESSÃO, EM 11 DE SETEMBRO DE 1961
Presidência dos Srs. Helio Carlomagno, Presidente
e Vieira Marques, 4.° Secretário.


As 14,05 horas, o Sr. Hélio Carlomagno assume a Presidência.
Encontram-se presentes os seguintes Srs. Deputados:

Partido Trabalhista Brasileiro Alcides Costa, Athayde Pacheco, Marcirio Loureiro, Milton Dutra, Sano Ludwig, Sereno Chaise, Vieira Marques, Henrique Henkin, Milton Rosa e Osmany Veras.

Partido Social Democrático Ariosto Jaeger, Ary Delgado, Euclydes Kliernann, Hélio Carlomagno, Lauro Leitão, Luciano Machado e Romeu Scheibe.

Partido Libertador Armando Hippolyto, Cândido Norberto e Gudbem Castanheira.

União Democrática Nacional ..........
Partido de Representação Popular Affonso Anschau e Onil Xavier.

Partido Social Progressista Adalmiro Moura.
Partido Democrata Cristão Mário Mondino.

O SR. PRESIDENTE Com a presença de 24 Srs. Deputados, declaro aberta a sessão.
O Sr. Alcides Costa, 2 ° Secretário, procede à leitura da ata da sessão anterior, que é aprovada.
O Sr. Vieira Marques, 4.° Secretário, faz a leitura do seguinte
EXPEDIENTE
OFICIOS
Do Centro Minuano de Tradições Gaúchas, manifestando se contràriamente ao Projeto de Lei de autoria do Sr. Getúlio Marcantomio, que pretende oficializar, como bandeira do RGS, a da Revolução de 1835.
Da Câmara Municipal de Santiago, solicitando a aprovação do Projeto de Lei de autoria do Sr. Getúlio Marcantonio, dispondo sôbre ingresso de estudantes pobres nos estabelecimentos de grau médio.
Da Câmara Municipal de Palmeira das Missões, enviando cópia de proposição apresentada pelo vereador Fabricio Garcês Freire.
Da Câmara Municipal de Estrêla, solicitando a aprovação do Projeto de Lei n.º 255-59, de autoria do Deputado Getúlio Marcantonio.

Da Câmara Municipal de Estrêla, apelando no sentido da aprovação do Projeto de Lei que visa a aumentar a subvenção aos professôres particulares de nosso Estado.
Da Câmara Municipal de Ijuí, solicitando a aprovação do Projeto de Lei n.° 255-59, de autoria do Sr. Deputada Getúlio Marcantonio.
O SR. PRESIDENTE Declaro abertos os trabalhos da sessão ordinária que a Assembléia Legislativa volta a realizar.
Com a presença de 24 Srs. Deputados, declaro instalados os trabalhos.
O Sr. Secretário procede à leitura da ata da sessão permanente.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Sr. Presidente, já havia solicitado a palavra, a fim de fazer uma retificação à Ata que acaba de ser lida.
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) Com a palavra o nobre Deputado Cândido Norberto..
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Quero, Sr. Presidente, que seja retificado o que se contém nesta Ata, na parte em que se relaciona com um pronunciamento meu, feito nesta Casa, ao ensejo da notícia relativamente à renúncia do Sr. Jânio Quadros. Naquela oportunidade, Sr. Presidente, quando fui, realmente, o primeiro Deputado a comentar as informações que chegavam até nós, fiz sentir que, se realmente se confirmasse as denúncias levantadas a respeito dos motivos que determinaram a renúncia do Sr. Jânio Quadros teria o ex-Presidente a minha solidariedade, visando a restituir-lhe o Govêrno, se dêle houvesse sido afastado em razão de pressões ou constrangimentos. Isto não consta da Ata, Sr. Presidente, quando se lê, apenas, que, eu teria, sem restrições sem observações hipotecado solidariedade ao Sr. Jânio Quadros. É evidente que, em primeiro lugar, não foi o que eu disse; em segundo, não poderia eu jamais hipotecar solidariedade a quem quer que seja.
O SR. RESIDENTE (Alcides Costa) Anotada pela taquigrafia, será feita a retificação solicita, da por V. Exa.
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) Passa-se ao período da sessão destinado a

COMUNICAÇÕES
Com a palavra e primeiro orador inscrito, nobre Deputado Luciano Machado, que poderá, permanecer na tribuna por cinco minutos.
O SR. LUCIANO MACHADO (Lê)

Senhor Presidente.
Senhores Deputados.
Falo da crise que causou a Nação a renúncia do senhor Jânio Quadros.
A surprêsa do gesto e a gravidade das suas consequências caíram sôbre esta Assembléia como vendaval em fúria, transformando-a em Casa sem Regimento, onde eram apontados como golpistas, num clima de paixões exaltadas, todos quantos oferecessem restrições ao pensamento e aos exageros do senhor Governador Leonel Brizola. Entre êles me situava.
Agora, que a Assembléia volta ao funcionamento normal e os meios de divulgação se libertam da estrábica "rêde da legalidade", quero dizer, opinião pública, especialmente aos meus amigos e aos meus companheiros do Partido Social Democrático, qual foi a minha conduta no desenrolar dos fatos, como os recebi e como os julgo.
Fui um dos Deputados Estaduais que trabalhou muito na última campanha sucessória federal.
Entre o candidato Teixeira Lott, que se oferecia a qualquer legenda que o indicasse, e Jânio Quadros, também sem Partido, que vinha de sucessivas vitórias e experiências administrativas no grande Estado de São Paulo, preferi o último e por êle lutei com tôdas as minhas fôrças.
Tinha a esperança de ver meu País se libertar de uma dívida externa incalculável, de repor cem bilhões de cruzeiros as Irnstituições de Previdência Social, de cobrir um deficit orçamentário de duzentos e quarenta bilhões de cruzeiros, de acabar com escândalos administrativos e negociatas oficializadas.
No ,curso da campanha eleitoral, percorri o Rio Grande do Sul. Lutei com entusiasmo, com energia e com patriotismo. Essa mesma esperança encontrava no povo, cada vez mais crente no seu futuro.
Era natural, portanto, que tivesse, como realmente tive, uma grande decepção com a renúncia do senhor Jânio Quadros.
Poucos e contraditórios elementos tenho para julgar com segurança sua decisão extrema. Inclino-me, porém, a admitir que foi irrefletido e fraco.
Hoje, pergunto a mim mesmo, devo, me arrepender do que fiz? Não! Nunca me arrependo do que faço com sinceridade. Ágí de acôrdo com a minha consciência, não disputei nenhuma vantagem pessoal, visei, únicamente, os interêsses da minha Pátria e segui a linha ditada pela imensa maioria do meu Partido, neste Estado, em quinze anos, de memoráveis campanhas cívicas.
Reivindico a autoridade de falar, assim porque sabem esta Casa e o povo rio-grandense, que recusei minha investidura no honroso cargo de membro do Conselho Diretor do Instituto de Resseguros do Brasil, para ficar no exercício do mandato, multo mais honroso, que os meus co-estaduanos me confiaram nesta augusta Assembléia Legislativa.
Côlho apenas as lições da experiência e oxalá meu Partido, nesta dura refrega, encontre também ensinamentos para saber que ainda é preferível, apesar de todos os riscos, disputar apoio popular com homens que firmaram suas convicções democráticas na escola partidária.
Se o perfil que tracei da minha atuação política foi sempre êsse em quinze anos de vida partidária, podia eu, de um momento para outro, sob o impacto de tamanhas emoções, na incerteza das causas determinantes da crise, no jôgo esquivo dos interêsses ocultos, confiar nas intenções dos senhores Leonel Brizola e João Goulart, cujas tendências políticas e métodos administrativos venho combatendo tenazmente e só deixarei de fazê-lo quando a evidência dos fatos me provarem o contrário.
Confesso que não atendi as clarinadas do senhor Governador. Não confiei na suas intenções. Continuei discordando dos seus exageros.
Fiquei onde estava. e fiz público o meu pensa mento.
É um ponto de vista pessoal, que nesta oportunidade justifico.
Respeito, todavia, o comportamento alheio.
Sei que muitos não tinham ao seu alcance elementos para discernir a realidade da situação; foram colhidos de surprêsa por uma linha de propaganda unipessoal; e viram habilmente explorados seus brios patrióticos.
Mas, a enchente passou e as águas voltam ao seu leito natural.
Venho a tribuna justificar minha posição por dois motivos. Primeiro, por exercer um mandato popular; segundo, para dar resposta àqueles que me consideravam reacionário e golpista.
Tinha eu razões para não crer na pregação lega1ista do senhor Leonel Brizola.
É homem que muda de atitude ao sabor das suas conveniências.
Defendeu e votou o sistema parlamentarista de governo quando Deputado Estadual Constituinte, porque, naquela ocasião, convinha aos seus interêsses, é agora volta-se contra o mesmo sistema, considerando-o uma usurpação de poderes, porque hoje não satisfaz a seu agentes de mando.
Fêz a campanha mais violenta e agressiva que já se viu neste Estado contra o senhor Jânio Quadros, chamando-o, pelo radio e televisão de louco e borracho. Vitorioso Jânio Quadros, já não era mais louco e nem borracho para o senhor Governador. Era por este apontado como o melhor Presidente do Brasil. Enquanto elogiava o vitorioso, atacava em têrmos candentes seu aliado e amigo, ex-Presidente Juscelino Kubitscheck.
Apontado numa reunião de Governadores pelo senhor Jânio Quadros como o melhor Governador do Brasil, o senhor Leonel Brizola caiu de corpo e alma nos braços do Presidente e passou a exercer papel de relêvo nos seus planos de govêrno.
Foi logo a São Paulo, Rio de Janeiro e Recife, cercado de espalhafatosa propaganda radiofônica, para, nesses importantes centros populosos. do País realizar conferências visivelmente revolucionárias sob as vistas complacentes do Govêrno Federal.
Retornando ao Eistado, viajou como representante pessoal do senhor Jânio Quadros a Conferência Interamericana de Punta del Leste, para se colocar ao lado de "Che" Guevara contra as demais Nações do Continente e declarar textualmente que "a América Latina deve à Revolução Cubana o serviço de maior volume neste século''.
Entrementes, o Deputado Julião agitava as Ligas Camponesas do norte e se deslocava para o sul, vindo até o nosso Estado fundar sua organização, considerada pelo senhor Leonel Brizola de interêsse público, e entregar a Presidência da mesma ao senhor Milton Cerres Rodrigues, Prefeito de Encruzilhada do Sul.
O senhor João Goulart, por .sua vez, não ficou apenas na posição de Presidente do Senado ao ver derrotado seu companheiro de chapa Gen. Lott posição que lhe daria tôdas as condições para substituir tranquilamente, na atual conjuntura, Presidente demissionário. Bastou, porém, ver seu nome envolvido nos inquéritos mandados proceder nas Instituições de Previdência Social e outra coisa não fêz senão uma pálida reação, através de uma carta de protesto. Recebeu de volta a carta-protesto, na maior afronta que a história política desta Nação registra, e só se acomodou, como almoçou com o senhor Jânio Quadros, ajustou-se ao seu esquema e seguiu como seu representante direto, em missão oficial, de reatamento de relações comerciais e diplomáticas, pelos países comunistas.
Enquanto êsses fatos conjugados se desencadeavam, numa evidente preparação psicológica, chegavam ao Brasil os membros da Missão Russa e o senhor Jânio Quadros - que, como candidato, foi um, e, Presidente, demonstrava ser outro - colava ao peito do revolucionário esquerdista internacional "Che" Guevara a Grã-Cruz da Ordem do Cruzeiro do Sul.
Pretendia o senhor Jânio Quadros implantar uma ditadura no Brasil, afirma o Governador Cid Sampaio, com a autoridade do cargo que exerce, sendo inclusive, convidado para Interventor de Pernambuco.
Ora, Senhor Presidente, se tantos fatos e revelações incontestáveis denunciavam uma certa ameaça às instituições do País ou pelo menos deviam causar certa apreensão a qualquer observador que sobre êles se detivesse, tenho, sem dúvida, elementos para supor que muitos ditadores-mirins deviam andar por aí sonhando com poderes discricionários e quando viram frustrados seus planos se transformaram açodadamente em néo-legalistas!
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) – O tempo de V. Exa. está esgotado, nobre Deputado.
O SR. LUCIANO MACHADO - Sr. Presidente, nos têrmos regimentais e devidamente autorizado pelo meu Líder, peço a V. Exa. que me conceda mais cinco minutos, para uma Comunicação Importante, a fim de poder terminar o meu discurso.
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) Nos têrmos do Regimento e devidamente autorizado pelo Líder, concedo a V. Exa. mais cinco minutos.
O SR. LUCIANO MACHADO Agradecido,
Sr. Presidente.
(Lê:)
“A minha Bancada, que vinha acompanhando acontecimentos com vivo interêsse, ao saber de um telegrama enviado a autoridades do País e que não expressava o pensamento da totalidade dos seus membros, reuniu-se e firmou sua posição. Reconhecia ao Congresso Nacional, que funcionava regularmente, o direito de adotar a solução legal que salvaguardasse a ordem e a democracia.
Entregamos à Presidência da Casa o texto do telegrama que expressava o nosso ponto-de-vista, para ser enviado aos Presidentes das Assembléias Estaduais, aos senhores Governadores de Estado, ao senhor Presidente da República interino, à Câmara Federal e ao Senado da República; redigido nos seguintes têrmos:

“Ao tomar conhecimento do telegrama expedido pela Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, a Bancada do Partido Social Democrático resolve fixar sua posição, por maioria absoluta, no sentido de exprimir seus votos e sua confiança de que a atual ,crise política brasileira seja resolvida dentro da lei e da ordem, adotando se soluções que visem a salvaguarda da democracia”.

O telegrama que acabei de ler, entregue ao Senhor Presidente da Assembléia, se fêz acompanhar de um ofício, que a seguir transcrevo para conhecimento público:

“Senhor Presidente:


Os Deputados infra-assinados, integrantes da Bancada do Partido Social Democrático, vem perante V. Exa., protestar contra os têrmos do telegrama divulgado por essa Presidência, como manifestação unânime da Assembléia Legislativa, pela Rádio Guaíba, em transmissão direta do Palácio Piratini e sob a responsabilidade do Govêrno do Estado, quando, em realidade, na reunião de Líderes com V. Exa. foi manifestado pelo Líder da Bancada do PSD não concordar com o texto em que se achava vazado, essencialmente em relação à última alínea do telegrama tornado público por V. Exa..
Dito telegrama, dirigido a autoridades federais, não poderia de maneira alguma conter a assertiva de que representava o pronunciamento unânime do Legislativo Rio-Grandense, sendo que estranhamos profundamente a conduta de V. Exa., divorciada da realidade da decisão tomada na reunião de Líderes.
Coerentes com a deliberação tomada em reunião de Bancada, que expressou a maioria absoluta de seus membros, vimos exigir de V. Exa., para salvaguarda da verdade real dos fatos, haja de divulgar o texot da presente reclamação, pela mesma emissora, bem como a íntegra do telegrama enviado pela Bancada do PSD e firmado pelo seu Líder.
Pôrto Alegre, 27 de agôsto de 1961.
(a.) Ariosto Jaeger, Hélvio Jobim, Lauro Leitão, Antonino Fornari, Euclydes Kliemaan, Porcínio Pinto; Luciano Machado.”

Informo que o a Senhor Presidente da Assembléia não quis receber o telegrama e nem o ofício citados e muito menos publicá-los.
Coube a mim, nessa emergência, e aos meus colegas Deputados Antonino Fornari e Porcínio Pinto entregar cópias dêsses documentos ao senhor Gen. José Machado Lopes, Comandante do III Exército, para que S. Exa. não se enganasse a respeito da nossa posição, frente à crise que abalava o País.
De momento a momento a estupefação crescia.
O senhor Leonel Brizola se assustava da própria sombra e enxergava fantasmas por todos os lados.
Com as estações de rádio confiscadas, alarmava a população e na maior insensatez que já se viu, sem ter um inimigo à vista e nem recursos adequados, conflagrava o Estado.
De Nonoai, um dos seus agentes mais exaltados, se largava estrada afora com dois mil provisórios, de mãos abanando, arrebanhando gado e prendendo gente, por sinal nesta era de aviões a jato e armas atômicas.
Um “flash” publicado num dos órgãos locais revelava em poder de quem se encontrava a chave geral das usinas de Pôrto Alegre.
O senhor Governador, neste ponto previdente por instinto de defesa, se intrincheirava no deu Palácio com soldados da Brigada, sacos de areia e barricadas, enquanto deixava a população pôrto-alegrense entregue à própria sorte no meio de indivíduos armados indistintamente, com milhares de revólveres requisitados pelo Gôverno nas fábricas e firmas da Capital.
Procedimento dessa natureza, aqui ou em qualquer parte do mundo, não se pode chamar de revolução ou de resistência democrática. Mais se parece com guerra infantil ou preparação consciente de grossa mazorca.
Esta Casa, que funcionava em sessão permanente e cuja única arma é a autoridade moral, quase manchou sua tradição gloriosa de Poder soberano e independente, quando, certo dia, soldados armados de metralhadora invadiram suas dependências, se não fôsse o protesto enérgico e decisivo dos senhores Deputados Helvio Jobim, Poty Medeiros, Gudbem Castanheira, o orador e outros, que fizeram valer sua decisão perante o Senhor Presidente, no sentido de não permitir a ocuação militar do Poder Legislativo e nem deixá-lo se envolver num espetáculo degradante de riqueza e falta de autoridade:
Quando, ainda, num dos dias mais agitados da crise, membros da Mesa. Líderes e Deputados, na Sala da Presidência, fixavam o sentido de uma visita ao Senhor João Goulart, me senti no dever embora arcando com a incompreensão de alguns, de pedir a palavra e sustentar minha posição, para que mais uma vez meus colegas e o próprio Senhor Vice-Presidente da República não me julgassem adepto da legalidade do Senhor Leonel Brizola.
Disse, em síntese, nessa ocasião, que reconhecia aos correligionários do Senhor João Goulart o direito de lutarem pela sua posse que era, sem dúvida, constitucional, mas,. a minha posição frente ao problema, tendo em vista a crise desencadeada no País, era aquela que adotei desde o comêço, de aguardar e apoiar a solução que partisse do Congresso Nacional.
Não cometia a injúria de admitir que Deputados e Senadores, figuras eminentes da República e' representantes legítimos do povo brasileiro, estivessem funcionando sob coação e decidindo por interêsses subalternos.
Faço questão de fixar exatamente a minha posição e a minha participação nos acontecimentos, porque desejo assumir a parcela de responsabilidade que me cabe no que se fêz de certo ou de errado nesta Casa.
Congratulo-me com o Congresso Nacional, que .esteve à altura do momento. Coube a êle numa hora difícil encontrar a fórmula salvadora do regime democrático, ao Senhor Presidente João Goulart o bom senso de aceitá-la, às Fôrças Armadas o dever de acatá-la e ao povo brasileiro a satisfação de aplaudí-la.
Levo aos meus companheiros de luta, especialmente àqueles que sempre me distinguiram com sua generosa confiança, a disposição de continuar trabalhando, sem desfalecimento e com redobradas energias, para que a Nação vença suas dificuldades, aprimore o regime democrático e realize seus ideais de paz e prosperidade.


Era o que tinha a dizer". (Palmas).
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa). - A seguir, com a palavra o nobre Deputado Mário Mondino. .
O SR. MARIO MONDINO Cedi o meu tempo ao nobre Deputado Cândido Norberto, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Acides Costa) Por cessão de tempo do nobre Deputado Mário Mondino, concedo a palavra ao nobre Deputado Cândido Norberto, que poderá ocupar a tribuna por cinco minutos.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Sr. Presidente e Srs. Deputados.
Desde quando fomos informados de que o Sr. Jânio Quadros entendera de renunciar e que de fato renunciara, assumimos, nesta tribuna, uma posição de intransigentes defensores da legalidade, da ordem constitucional vigente.
Muitos fatos ocorreram. Notícias e boatos, sem que se pudesse distinguir umas de outras, chegaram até nós aos borbotões. ao longo de todos êstes dias. Ainda agora continuamos, queiramos ou não, envolvidos pela mesma corrente de informações, de boatos e de comentários. Vivemos, em consequência, em meio a uma terrível borrasca. Ora, Sr. Presidente, mesmo viajando em mar revolto, conforta-nos a certeza de que a agulha de nossa bússola nunca deixou de apontar para o respeito a Constituição. O seu norte foi a Constituição, a legalidade. Foi a nossa constante, é a nossa constante, será a nossa constante. Por que dizer isto, Sr. Presidente, agora e nas limitações deste prazo regimental? Dizer, Sr. Presidente, não apenas para ratificar uma posição assumida, da qual não nos arrependemos, e da qual, estamos seguros, jamais nos arrependeremos, mas, especialmente, Sr. Presidente e Srs. Deputados, para ainda hoje e com vistas menos ao passado como ao presente, mas principalmente ao futuro, dizer que, mais do que nunca, cumpre nos o dever de aproveitar a oportunidade para, na medida de nossas possibilidades, com os escassos recursos ao nosso alcance, fazer com que o povo entenda a necessidade, a vantagem de respeitar-se por inteiro a Constituição, assegurar-se o respeito as garantias individuais. A mim, Sr. rrestuente, quero declarar de novo, e os fatos já provam, que assim penso e hajo, a mim quero declarar de novo que não importa o que dizem com relação a sinceridade ou insinceridade com que tem atuado o Sr. Leonel Brizola ou outros políticos que, agora adotaram a posição de defensores da legalidade. Para mim, Sr. Presidente, eis um detalhe e reparem que classifico com propriedade que me parece de importância secundária. O fundamental é o respeito a Constituição, o respeito as garantias individuais, direito, Sr. Presidente, que, no meu entender, não corresponde ao Estado defender nem mesmo ao Poder Judiciário, ao que cumpre apenas acatar e respeitar, o que não pode ser confundido nem deve ser confundido com defesa, porque êsses direitos devem ser sempre, invariavelmente, defendidos pelo povo. Parece-me que a distinção não é multo sutil e pode, e deve ser entendida por todos sem maiores explicações.
A mim não interessa que se diga que o Sr. Leonel Brizola lá votou com a Emendo Parlamentarista, cuidando de tirar do poder legitimamente conferido pelo povo, o Sr. Walter Jobim. A mim, não importa que tenha votado, aquêle que hoje combate uma Emenda Parlamentarista, contra o Governador eleito para exercer o seu mandato nos têrmos do sistema presidencial. A mim, não importa que o Sr. Leonel Brizola, ou outros que hoje empunham a bandeira legalista, muitas vêzes tenham sido líderes inspiradores de movimentos golpistas. Tudo isto para mim não tem importância, por que para mim a constante não são os homens em problemas de tal ordem, a constante é aquela convicção que possuo e que, estou certo, convém que a maioria do povo possua sempre, aquela convicção, segundo a qual deve prevalecer, sempre, a Constituição, que deve ser alterada em condições normais, na forma estabelecida também pela Constituição, e sempre, invariàvelmente, dentro do clima democrático. Até chegou-se a dizer, hoje, pela rua, qeu o Sr. Jânio Quadros havia preparado um esquema golpista, e neste estava de corpo e alma o Sr. Leonel Brizola. Dizem claramente e argumentam, até, em favor dessa notícia. Dou de barato, sem entrar no mérito, sem entrar, na pesquisa, agora, se até isto fôsse possível, admito até que o Sr. Leonel Brizola tenha mudado o seu plano de ação na última hora, e em vez de sustentar a bandeira do pseudogolpe, ou da bandeira golpista, tenha entendido de sustentar, por conveniência, a bandeira legalista, a bandeira da Constituição. O que importa é que o Sr. Leonel Brizola cumpriu com o seu dever de cidadão, e que lutou em defesa da Constituição, e que se mostrou um defensor dá legalidade. Não posso com os elementos de que disponho no momento, fazer um juízo muito subjetivo, não posso analisar intenção; analiso fatos. E o fato principal, para mim, é êste: o Sr. Leonel Brizola cumpriu com o seu dever como eu cumpri com o meu, como os Srs. Deputados e como os homens da rua cumpriram com o seu; igualando-nos todos nesta luta. A mim realmente o que interessa é isto: na hora de assumir uma posição em defesa da Constituição e da legalidade, o Sr. Leonel Brizola cumpriu com o seu dever, eu cumpri com o meu, o povo cumpriu com o seu. Cada um de nós cumpriu com o seu dever em razão de suas convicções, com aquilo que entendia ser dever da sua legião, com fatos que ocorreram. Tive o Sr. Leonel Brizola a meu lado, ao lado da minha legião, da legião que sempre integrei, legião que sempre defendeu a Constituição, que defendeu sempre e não às vêzes. Tendo o prazer, a satisfação de ter a meu lado um povo legal e um povo democrático, lutando pela legalidade e pela Constituição. E que venha mais mais gente, Sr. Presidente, que se forme o exército da legalidade e da Constituição, que seja um exército irresistível e uno, praticando e respeitando a Constituição e a legalidade sempre, sem um instante se sequer de vacilação e muito menos de desrespeito à Constituição e à legalidade. Não nos separemos, Sr. Presidente. Se o centro das atrações, o ponto das atrações vigente neste momento é legalidade e Constituição, pois é ótimo, é magnífico, é fabuloso que assim seja. Aproveitemos e agrupemo-nos em tôrno da Constituição e da legalidade e, depois que isto tenha ocorrido, quero ver algum golpista de qualquer espécie brincar de dar golpes! O meu convite, Sr. Presidente, é para que nos unamos em tôrno, em defesa da Constituição e da legalidade. E insisto, Sr. Presidente, nessa posição, e digo outra vez que reunamo-nos sempre em tôrno da Constituição, sempre saudemos os novos apaixonados pela legalidade e pela Constituição. Confraternizemos com êles, unamo-nos a êles e, junto com êles, marchemos, Sr. Presidente, pela Constituição e pela legalidade. Entende-se por legalidade, no caso impõe se que se diga nesta hora não apenas a lei do dia, a lei que se altera, a lei que se emenda em minutos, até, mas legalidade com vistas à Constituição no que ela tem de mais importante: a vigência do regime representativo, do regime democrático, e a segurança dos direitos individuais, os quais, Sr. Presidente, não passam, até aqui, de palavrório vazio.


Eis, Sr. Presidente, o que entendia e que, ainda agora, devesse ser feito: repisar a fidelidade à Constituição e à democracia, e abrir os braços e receber a todos que conosco quiserem lutar, em defesa dos direitos individuais, seja com quem fôr: com democratas sinceros ou de última hora, sem servilismo, sem restrições.
Aqui estou dizendo, como dizia nos dias tumultuosos em que vivemos: “Tudo pela Constituição, pela legalidade convenha-nos ou não; a favor dos nossos adversários, ou a favor dos aliados políticos”. Constituição e legalidade sempre, eis uma posição que é minha e que não foi alterada. Se alguém a alterou nos últimos tempos, pois que saiba que o exército do qual faço parte, o da Legalidade, está em festa por isso.
Era o que queria dizer, sugerindo que esta Casa, que foi uma campeã da legalidade, continue legalista mais do que nunca, como até aqui. Que se pratique legalidade em tôda sua extensão e em tôda a sua profundidade, sem a menor reserva e note-se: temos muito o que fazer neste campo - Pela Constituição!
Doa a quem doer! Ajude a quem ajudar!
Era isto, Sr. Presidente. (Palmas) (Discurso não revisto pelo orador).
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) A seguir, com a palavra o nobre Deputado Ary Delgado.
O SR. ARY DELGADO Sr. Presidente e Srs. Deputado.
No instante em que esta Assembléia normaliza os seus trabalhos, desejo chamar a atenção dos eminentes Colegas para uma situação de calamidade que existe num Município do Rio Grande do Sul.
Quero referir-me ao flagelo que novamente assola o Município de Quaraí decorrente de intensas chuvas que ali caíram.
Faço esta manifestação, Sr. Presidente, em meu nome e no do eminente Deputado Heitor Galant que por motivos particulares; não se encontra em Porto Alegre hoje.
Recebemos comunicação do Sr. Prefeito Municipal de Quaraí, de que mais de mil pessoas, naquele próspero município, estão flagelados. Solicita o chefe do Executivo Municipal de Quaraí que esta Assembléia ajude o Poder Público Municipal no atendimento de despesas imediatas que estão sendo arcadas pela Prefeitura daquela cidade naturalmente com enormes dificuldade e com naturais impossibilidades, até.
Por isso entendi que deveria, pelo menos, armar o Poder Executivo do Estado da oportunidade legal, para conceder u auxílio ao Município de Quaraí, na sentido de permitir àquela comuna condições para atender as despesas que terá de realizar.
Bem sabemos, Srs. Deputados, que o Estado, hoje mais do que ontem luta e lutará amanhã, com dificuldades financeiras, não sei se resolvíveis, no meu modo de entender, porque, nesta altura, não se pode ter uma idéia dos prejuízos imensos que esta deplorável ocorrência causou ao Rio Grande do Sul, à economia gaúcha, às finanças do Estado. Talvez, daqui a algum tempo, possa o Chefe do Poder Executivo do Estado dar conhecimento da extensão dos danos causados pela crise que abalou o Rio Grande do Sul e País. Mas, reconhecendo esta situarão, Sr. Presidente, não posso deixar de submeter ao exame dos eminentes Representantes do povo êste Projeto de Lei que autoriza o Poder Executivo a abrir um crédito extraordinária, para socorrer o Município de Quaraí, capacitando-o ao atendimento destas despesa, Sr. Presidente, que V. Exa. e os eminentes Deputados podem facilmente compreender que são urgentes. Repito: mais de mil pessoas em Quaraí estão sofrendo o flagelo das chuvas caídas há poucos dias, naquele Município.
Quatro quintos da cidade de Quaraí Sr. Presidente, estão cercados de água, de sorte que aquela cidade sofre mais da que qualquer outra do Rio Grande do Sul as consequências danosas das cheias.
Peço, Sr. Presidente. que êste assunto seja apreciado com a brevidade que realmente exige, seja para negar ou rara concordar, porque se isto não acontecer, realmente, não tem sentido o crédito extraordinário que se está sugerindo ao Poder Executivo. Quem sabe o próprio Poder Executivo, através dessa manifestação não utilizará. Sr. Presidente, da faculdade que possui? Êsse Projeto tem apenas o sentido de dar a cobertura parlamentar rara uma medida que possa o Govêrno tomar.


(Soam as campainhas)
Sr. Presidente, perdoe-me o abuso, mas êste assunto de alta importância pare uma coletividade rio-grandense e por esta razão estou sendo irreverente não com V. Exa., mas com o Regimento, e peço que V. Exa. compreenda a razão, o porquê desta minha irreverência.
Nestes instantes de dificuldades por que atravessa o Rio Grande do Sul, trago do chefe do Poder Executivo Municipal de Quaraí um apelo para esta Assembléia, para o Govêrno, no sentido de que ajude a Prefeitura daquele Município a atender despesas que está realizando com os flagelados, naquele Município. Confio em que esta intervenção será bem compreendida e que a proposição que ora estamos apresentando, Sr. Presidente, receberá a acolhida desta Assembléia. Gostaria que não houvesse necessidade dela, que o próprio Poder Executivo tomando conhecimento do assunto, mandar-se fazer um levantamento para atender, dentro de suas possibilidades, as despesas a que me referi. Se isto acontecer, naturalmente teremos alcançado o nosso objetivo, e estará de parabéns o povo de Quaraí mormente aquêles que sofreram de maneira tão dura o flagelo de novas enchentes, naquele Município.
Muito obrigado, Sr. Presidente. (Palmas (Discurso não revisto pelo orador).
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) A seguir, com a palavra o nobre Deputado Sereno Chaise, por cessão de tempo dos nobres Deputados Mariano Beck e Alcides Costa. S. Exa. poderá permanecer na tribuna pelo espaço de dez minutos.
O SR. SERENO CHAISE Sr. Presidente, Srs. Deputados.
Confesso que, embora surpreso pelo discurso pronunciado pelo eminente Deputado Luciano Machado, hão desejava examiná-lo, desde logo, nesta oportunidade. Entretanto, as disposições nas apreciações dos fatos foram de tal ordem, que exigiram uma imediata contestação.
Disse o ilustre Deputado pessedista, entre outras cousas, que não podia concordar com os exageros do Sr. Governador do Estado que, ao invés de lutar pela resistência democrática, estava espalhando uma mazorca generalizada, indo ao ponto, inclusive, o Sr. Deputado Luciano Machado, de criticar, e acerbadamente, o relevante papel desempenhado pela imprensa rio-grandense, escrita e falada, que, espontânea e voluntariamente, colocou-se ao lado da legalidade e da defesa da Constituição, fazendo funcionar a Rêde da Legalidade, que foi, Sr. Presidente, o grande veículo de informações para o povo, não só do Rio Grande do Sul, mas, pràticamente, de todo o País.
Na própria capital da República, e lá, em Brasília, no próprio Congresso Nacional, foi permanentemente ouvida a Rêde da Legalidade. Na, antiga capital, Sr. Presidente, na cidade do Rio de Janeiro também, foi ouvida permanentemente pelas ondas longas e curtas da rádio Gaúcha e da rádio Guaíba. A população carioca acompanhou permanentemente o trabalho da Rêde da Legalidade.
Esta manifestação, Sr. Presidente, do ilustre Deputado, extemporânea no meu modo dê entender poderia ter sido feita no momento da crise e não na sessão de hoje. Não desejo insinuar com isso que houvesse faltado coragem ao ilustre Deputado palmeirense para abordar o problema, segundo o seu ponto de vista, naquele instante. Afirmo, apenas, que a sua intervenção nada trouxe de novo; não precisava, mesmo, ter sido feita; não serviu, nem mesmo, para situar a sua posição exata, de vez que nada esclareceu o ilustre Deputado.
Afirmei, Sr. Presidente, durante a crise, que eu me orgulhava de pertencer a um Poder Colegiado que, por unanimidade, estava ao lado da defesa da Constituição, da lei e da ordem neste País. Bem sei, Sr. Presidente, que esta unanimidade era mais aparente do que efetiva. No futuro talvez sejamos forçados a examinar, nesta Casa, o procedimento de alguns colegas nossos que infelizmente, naquele instante, colocaram os seus problemas pessoais, de grupos ou partidários acima do problema maior, que era a manutenção do regime, o respeito e a preservação dos Dispositivos Constitucionais.
O ilustre Deputado chegou, inclusive, a cometer a injustiça de denunciar o ex-presidente Jânio Quadros como envolvido, ou melhor dito como autor de um plano visando a voltar ao Poder na forma ditatorial, alegando, para tanto, as declarações do Governador Cid Sampaio, de Pernambuco.
Sr. Presidente, tenho em mãos as declarações do Goverandor Cid Sampaio, de resto, já esclarecidas por S. Exa., esclarecimentos de certa forma necessários, porque nessas declarações o Governador de Pernambuco apenas afirma que era possível a existência da idéia de um plano tendo como objetivo a volta do ex-Presidente Jânio Quadros, sem o Congresso Nacional. Êste discurso, Sr. Presidente, poderá ser analisado no futuro; creio que, não havera, possivelmente, razão para tal; não serve nem mesmo para situar a posição do ilustre Deputado Luciano Machado, que, até esta altura, não disse se estava pelo respeito aos dispositivos constitucionais, ou se desejava uma outra solução. Talvez S. Exa. se alinhe no pensamento de alguns círculos das Fôrças Armadas, hoje claro nos horizontes do País, claro, especialmente, pela Ordem do Dia publicada pelo ex-Ministro Sylvio Heck, ao transmitir o seu Ministério ao Chefe do Estado Maior da nossa Armada. Naquele documento, o ex-Ministro confessou, clara e públicamento, a intenção das Fôrças Armadas de vilipendiar a Lei e desrespeitar a Constituição impondo à fôrça uma solução extra-legal ao País.
Mas, Sr. Presidente, valho-me apenas do depoimento de rio-grandenses radicados, em outras unidades da Federação, para responder ao Deputado Luciano Machado, quanto ao nosso comportamento, quanto ao comportamento do Poder Executivo e de seu Chefe, Governador Leonel Brizola quanto ao papel dos homens da imprensa ao Rio Grande do Sul, através da “Rêde da Legalidade”.
Ouvi centenas de gaúchos que estão radicados fora do nosso Estado, afirmativas as mais elogiosas possíveis, segundo as quais, estavam, inclusive, mais uma vez orgulhosos de serem rio-grandenses, de terem nascido no solo gaúcho. Sem discrepância alguma, Sr. Presidente, até mesmo dos riograndenses filiados às correntes políticas da oposição. Refiro-me, por exemplo, ao Dr. Claudio Medeiros, advogado brilhante, jovem rio-grandense, que serve com orgulho a nossa terra, filho do nosso ilustre colega, nobre Deputado Poty Medeiros, radicado há longos anos na antiga capital da República, que estava de malas prontas para retornar ao Rio Grande, porque, afirmava S. Sa., que já não se tratava de uma desavença de ordem política, mas, sim, de respeito à ordem, de respeito à lei, de respeito à Constituição; tinha orgulho em ver o seu Estado assumir, nessa hora decisiva, o papel da liderança pelo respeito àqueles dispositivos legais.
O Sr. Marcírio Loureiro V. Exa. permite? (Assentimento do orador) Com referência às eloquentes afirmações de V. Exa., desejo esclarecer que a Universidade Paulista se declarou solidária aos rio-grandenses devido à posição de patriotismo, de defesa intransigente da ordem e da legalidade, assumida pelo Rio Grande, não só através de seu Govêrno. como também através do pensamento unânime de seu povo.


O SR. SERENO CHAISE Sou muito grato ao aparte de V. Exa. Referiu-se o nobre Deputado Luciano Machado ao fato de ter o Sr. Governador do Estado erguido barricadas em frente ao Palácio Piratini e de ter resistido com apenas meia dúzia de soldados da Brigada dispostos a lutar. Como é triste, Sr. Presidente, ver que um Representante do Povo não compreendeu a significação daquele gesto que refletia o sentimento e o pensamento de todos os rio-grandenses, dispostos que estavam até ao sacrifício, se fôsse preciso, para preservar os princípios constitucionais, para defender a lei e o nosso amor à Constituição e à ordem.
Presidente e Srs. Deputados. Afirmei desta tribuna, durante a crise, que o Congresso Nacional havia se orientado em duas linhas mestras do pensamento. A primeira, dizia respeito não própriamente à sustentação do regime, mas à manutenção do próprio Congresso Nacional, que foi pressionado, que foi coagido, que foi mantido, em Brasília, isolado do resto do País; que teve prazo para dar uma decisão e que apenas conseguiu, Sr. Presidente, repudiar a imposição do impedimento pretendido pelos Srs. Ministros militares. O Congresso Nacional, para nós - que nos subterrâneos de Brasília acompanhamos, em grande parte, os seus trabalhos indiscutivelmente pensou primeiro em salvar a própria pele e, numa segunda fase, em galgar o poder, valendo-se do espólio dos poderes presidenciais, usurpados pela Emenda parlamentarista. Esta é a realidade dos fatos. E hoje, quando aí está constituído o novo Gabinete, a ninguém é lícito negar isto, Sr. Presidente: que o Congresso Nacional, coagido, isolado, mediante ultimato, ao mesmo tempo em que cedeu, procurou abocanhar o poder. Basta dizer, Sr. Presidente, que o Partido Social Democrático, que mantém, inegàvelmente, a maioria no Congresso Nacional, repudiado de forma indiscutível nos últimos pleitos eleitorais, saiu o grande vencedor, porque foi o maior beneficiário no espólio, na divisão dos poderes que foram usurpados do Presidente da República.
O Sr. Euclydes Kliemaan — V. Exa. permite? (Assentimento do orador) — Não posso concordar com o que V. 7xa. afirma...
O SR. SERENO CHAISE — E um direito que lhe assiste.
O Sr. Euclydes Kliemann — Não concordo, porque o Congresso Nacional, quando foi premido a votar o impedimento do Sr. Vice-Presidente, já então Presidente, não teve nenhum gesto de covardia...
O SR. SERENO CHAISE (Interompendo) — Entretando, V. Exa. mesmo era um dos que entendiam que a única solução era a decretação do impedimento.pelo Congresso Nacional.
O Sr. Euclydes Kliemann — Não é verdade, e naquela noite em que nos encontrávamos...
O .SR. SERENO CHAISE (Interrompendo) — V. Exa. dizia que o melhor era o Congresso decretar desde logo o impedimento para dar solução à crise, capitulando, portanto, ante a pressão e a imposição dos Ministros.
O Sr. Euclydes Kliemann — V. Exa. permite? O Congresso não capitulou e naquela noite V. Exa. dizia: "Amanhã não teremos Congresso". Mas a verdade é que o Congresso se manteve altivo e rejeitou o impedimento.
O SR. SERENO CHAISE — A verdade é que o Congresso, numa noite, alterou o sistema existente existente no País. E aqui nesta Casa, Sr. Presidente, quando discutimos, apreciamos e votamos a alteração da estrutura jurídica da CEEE, embora o debate houvesse se prolongado por mais de uma semana, votamos. Sr. Presidente, incriminados como responsáveis por fazer com que a Assembléia, em cima da perna, apreciasse um Projeto daquela significação. Uma semana foi pouco tempo para aquêle expediente, no entanto, o Congresso Nacional, numa noite, alterou o regime sem a menor sintonia com o pensamento, com o, desejo e com as aspirações do povo. O Congresso, vivendo também a crise, pressionado como ninguém pelas Fôrças Armadas, em verdadeiro estado de sítio, não tinha, portanto, condições para alterar a Constituição, especialmente para, praticamente, outorgar uma nova Constituição ao País. A verdade é, Sr. Presidente, que a substituição, a alteração do sistema de Govêrno no nosso País, no meu modo de entender, não representa uma simples alteração constitucional; representa, praticamente, a outorga de uma nova Constituição a êste País, e o Congresso, inclusive, segundo entendo, que não é mais Poder Constituinte, não tinha nem mesmo atribuição de outorgar uma nova Constituição. Mas, Sr. Presidente, no meu modo de ver, o que é imprescindível é que os Congressistas, examinadno devidamente a questão — e agora sem pressão, sem coação e sem imposição dos ultimatos — concedam ao povo brasieliro a oportunidade para que êle se manifeste a respeito da sua própria decisão. Prego, Sr. Presidente, a conveniência de um plebiscito para que o povo diga se está ou não a favor da decisão do Congresso. E não me digam que o plebiscito, a esta hora, será iniciativa perigosa, de tumulto, de alarma. Não me digam isto Que regime é êste, Sr. Presidente, que Democracia é esta que teme a manifestação popular? Afinal, o poder emana ou não emana do povo Deve ou não o povo falar? E o Congresso já está convidado para tal. Presto daqui, a minha homenagem ao Deputado.
Fernando Ferrari, não só pela linha de conduta que adotou em todos êsses acontecimentos, como pela sua iniciativa, apresentando ao Congresso Nacional projeto de emenda determinando a realização de consulta plebiscitária para o dia 3 de dezembro dêste ano.
Desejo ver, Sr. Presidente, a manifestação do povo; desejo, sobretudo, que a democracia, que é o govêrno do próprio povo, dê ao povo a oportunidade de falar. Não representa isso uma contrariedade ao regime parlamentarista, ao sistema de gabinete; o que me parece é que, sem o referendo popular, a decisão do Congresso permanecerá nos anais da história brasileira como realmente um ato de usurpação política.
O Sr. Porcinio Pinto — V. Exa. permite? (Assentimento do orador)
Queria, apenas, lembrar a V. Exa. que o próprio Sr. João Goulart, quando ainda se encontrava em Paris, reconhecendo a situação delicada por que passava a nossa Pátria, declarou textualmente: "nenhum govêrno poderá se instalar no Brasil sem que nêle tomem parte todos os homens responsáveis", como quem diz que sómente o regime parlamentarista poderia salvar o Brasil, e S. Exa. concordou plenamente com isto.
O SR. SERENO CHAISE — Entendo, também que o País vive um momento de tamanha dificuldade que reclama o concurso de todos os seus valores estejam nesta ou naquela agremiação política. Entretanto, para êste concurso não é indispensável a modificação, a alteração de regime ou de sistema.
Sr. Presidente e Srs. Deputados, ao encerrar esta intervenção desejo repetir o que já disse a esta Casa: a manobra do Congresso que previa como capaz, não de resolver, mas de aliviar apenas a crise política, aí está, aliviou a crise política. O que tenho, Sr. Presidente, de preocupação comigo, é o que diz respeito à crise social que está avassalando o nosso País.
Agora mesmo, neste "governicho" do Sr. Ranieri Mazzilli, de 10 dias apenas, foram emitidos, Sr. Presidente, Cr$ 42.000.000.000,00. Foram batidos todos os recordes. Mais de Cr$ 4.000.000.000,00 por dia, e para o pagamento ao funcionalismo já se encomendou, às pressas, para Londres, a impressão de mais de Cr$ 30.000.000.000,00. E segundo os mais otimistas. até dezembro nova emissão de Cr$.... 50.000.000.000,00 será absolutamente indispensável.
Ora, Sr. Presidente, já em princípios de março estará, o Govêrno Federal lutando com o problema da aquisição da safra cafeeira e, como nos demais anos, necessitará emitir, no mínimo, outros Cr$ .... 80.000.000.000,00.
Sr. Presidente, nos têrmos do Regimento, desejo fazer uma Comunicação de Líder.
O Sr. Ary Delgado V. Exa. permite,
O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) - Para uma Comunicação de Líder, V. Exa. poderá ocupar a tribuna pelo espaço de mais cinco minutos, apenas.
O SR. SERENO CHAISE Desde que haja concordância do Sr. Presidente, darei, antes de iniciar a Comunicação de Líder, o aparte a V. Exa. (Assentimento do Sr. Presidente).
O Sr. Ary Delgado Nobre Líder do Govêrno, realmente, as acusações que V. Exa. faz ao Congresso, e é um ponto de vista respeitado, atingem o próprio Presidente da República, porque, se realmente tivesse havido barganha, se tivesse havido qualquer ato menos digno, não acredito que S. Exa. com êle houvesse concordado. Ou o Presidente concordou com a solução apresentada pelo Congresso, acredito que tenha sido uma solução sem artifícios, ou então, está acumpliciado com êle.
O Sr. Marcírio Loureiro - Não apoiado!
O SR. SERENO CHAISE Sr. Presidente, o Chefe do meu Partido, atual Presidente da República, sofreu a mesma pressão das fôrças militares que sofreu o Congresso, mais até, sofreu inclusive a ameaça de prisão; esteve S. Exa., embora chefe de uma missão do País, e não do Presidente Jânio Quadros, como disse há pouco o Sr. Luciano Machado, embora chefe de uma missão oficial do nosso País no exterior, embora Vice-Presidente da República e, por isso mesmo, Presidente do Congresso Nacional, estêve impedido de regressar ao seu País. É inegável o fato de que S. Exa. sofreu a mesma coação, a mesma violência, a mesma arbitrariedade que foi também cometida contra o Congresso Nacional. Não resta dúvida de que o Sr. João Goulart preferiu a usurpação dos seus podêres, dos seus direitos constitucionais à uma luta fratricida. Isto, entretanto, Sr. Presidente, a mim me parece que apenas pode elevar o Sr. João Goulart no conceito e no respeito dos seus concidadãos de todo o País; demonstrou o Sr. Presidente mais amor ao País do que amor ao poder, o que, infelizmente, não ocorre na maioria dos círculos políticos nacionais, inclusive no próprio Congresso, que cedeu mas que o fêz pela possibilidade de abocanhar o poder no mesmo gesto de cessão.


Sr. Presidente, falava eu da crise social. Tenho eu como inevitável a emissão de Cr$ ............ 200.000.000.000,00 ou melhor, Cr$ 150.000.000.000,00 somados aos Cr$ 50.000.000.000,00 já emitidos nestes últimos dias, até março, para seis ou sete meses no máximo. No meu modo de entender esta vultosa emissão, somadas às emissões que foram feitas no Govêrno do Sr. Jânio Quadros, trarás nos próximos seis meses, uma desvalorização jamais vista da nossa moeda, com a consequência inevitável do agravamento imprevisível do custo de vida. É a crise social a que me refiro, Sr. Presidente, e que, ao invés de resolvida, está sendo extraordinariamente agravada pela solução de remendo, de arranjo, dada à crise política que envolveu o nestes últimos dias.
Manifesto aqui as minhas preocupações, agravadas ainda por aquela circunstância de estar o poder, hoje, entregue ao Congresso Nacional, conservador e reacionário, na sua maioria. Basta Sr. Presidente, que se verifique a composição do Gabinete Ministerial, em que estão incluídas velhas expressões de há muito superadas na política brasileira e, no meu modo de entender, incapazes de deter e, especialmente, de resolver a crise social que vai atravessar o País. Por isto, no instante em que o Brasil, através do Rio Grande, conhecia, a decisão do Sr. João Goulart, de abrir mão da maior parte, da maior soma dos seus podêres em benefício da paz e do congraçamento da família brasileira, dizíamos que, no futuro próximo, quando se agravasse a situação das classes menos favorecidas da sorte, neste País, não se lhe imputasse a responsabilidade, porque êle é meramente o Presidente, o poder moderador, numa república parlamentarista, como é esta jovem República parlamentarista do Brasil. O poder, nos seus têrmos exatos, capaz de dar solução aos problemas, de contornar crises, de evitar males e sofrimentos para a população, quedou-se totalmente em mãos de um Gabinete que representa o Congresso Nacional, conservador e reacionário.
Na composição do Gabinete está expressa com exatidão a verdadeira fisionomia do Congresso Nacional, conservadora e reacionária, estampando de forma clara a presença dos grupos políticos e econômicos que dominam êste País, que sugam o trabalho do povo brasileiro, que comandam a nossa economia.
Aí esta o novo Gabinete do Brasil, com expressões superadas da política nacional, e aí está, no meu modo de entender, a grande crise social que se acentua dia a dia e que vai, nestes próximos seis meses, atingir níveis imprevisíveis., e, infelizmente, não tenho no horizonte visão melhor para o povo brasileiro. Não vislumbro, Sr. Presidente, uma possibilidade de valorização da nossa moeda e diminuição do custo de vida.
Pelo contrário vejo no horizonte as nuvens mais negras que possam ser imaginadas. Resta apenas, Sr. Presidente, apelar a Deus, considerar que Deus é brasileiro e que algo há de acontecer para salvar o povo brasileiro. Infelizmente, no meu modo de entender, a situação é esta. E de minha parte, Sr. Presidente, darei o esfôrço que puder, por insignificante que seja, a qualquer iniciativa que não acredito possa sair dêste gabinete que vise dirimir esta grave crise social, criando não só tranquilidade, mas criando também condições compativeis com a vivência da pessoa humana. Voltarei, Sr. Presidente, oportunamente para examinar êstes fatos. Aqui fica, entretanto, a minha posição pessoal que vai ser de crítica permanente ao gabinete instituído especialmente sob a égide do PSD, renegado que foi de norte a sul do País nos pleitos eleitorais. Quedou-se vencido o Rio Grande na organização dêste gabinete presidencial; quedou se vencido nesta organização o meu Partido. Dois vencedores tomaram conta da República: Minas Gerais e o PSD. Mesmo assim, sem rancor algum, farei o pouco que estiver ao meu alcance para que o Govêerno possa pelo menos amainar a grave onda que se vislumbra no horizonte, que talvez provoque perturbações tão graves na crise social que já se desenvolve neste País e faça com que as forças do povo, detidas agora, num futuro não muito remoto voltem às ruas para fazer com que haja realmente uma renovação neste País, que precisa, Sr. Presidente, realmente de trabalho, de ordem e de tranquilidade para produzir. No entanto, não há nenhuma frustração de ordem popular, embora atravesse o Govêrno do Rio Grande momento dos mais difíceis na história dêste Estado.
O Sr. Euclydes Kliemann Porque está sendo pessimamente administrado.
O SR. SERENO CHAISE — Na opinião suspeitíssima de V. Exa. Não e mal administrado um Estado que já conta com a construção de centenas de escolas, Governo que já reservou Cr$ 2.000.000.000,00 para as ouras de eletrificação dêste Estado e que realiza planejamentos visando executar muitíssimas obras, não para já, mas para o futuro do Rio Grande do Sul.
O Govêrno do Estado, malgrado as grandes dificuldades que enfrenta, tem feito o possível e até o impossível para recolocar o Rio Grande no caminho do progresso e do desenvolvimento. Não vai ser a opinião suspeitíssima de um, dois ou três opositores sistemáticos que ira julgar a atual administração. Ela, 'como as anteriores, ela, como a nossa atuação, será julgada, no momento oportuno, pelo próprio povo, julgamento que neste instante preconizo para o Congresso Nacional, através de um plebiscito a realizar-se a 3 de dezembro, por intermédio do qual o povo deverá se manifestar. É possível, então, que o povo brasileiro dê seu “referendum” ao Congresso Nacional, mas, no meu modo de entender, o povo negará o seu “referendum”, o povo negará a sua concordância com a atitude do Congresso Nacional que, segundo entendo, usurpou o poder e especialmente frustrará as melhores aspirações do povo brasileiro. (Palmas) (Discurso não revisto pelo orador).


O SR. PRESIDENTE (Alcides Costa) — A seguir, com a palavra o Sr. Deputado Ariosto Jaeger, em Comunicação de Líder. S. Exa. poderá permanecer na tribuna por cinco minutos.
O SR. ARIOSTO JAEGER — Sr. Presidente e Srs. Deputados. Não era minha intenção tratar, hoje de problemas da natureza daqueles que trouxeram à tribuna o Deputado Sereno Chaise. Mas, Srs. Deputados, durante cinco anos, cinco anos dia por dia, a maioria parlamentar, constituída pelo Partido Social Democrático e pelo Partido Trabalhista Brasileiro, recebia a acolhida, os aplausos, o reconhecimento daquele que consideram o Congresso, no momento, traidor dos interesses nacionais. E não precisamos ir tão longe: há 17 dias, exatamente no dia 25 de agôsto, pela manhã, ainda muitos pensavam assim. Hoje já não pensam mais. É um direito de cada um de assim pensar, de defender suas idéias, como nós defendemos as nossas, nós que combatemos o Congresso que cedeu quando declarou impedido o Sr. Café Filho, quando declarou impedido o próprio Presidente da Câmara de Deputados, o Sr. Carlos Luz, que cedeu tendo dentro do seu recinto fôrças do Exército, que não tiveram seguer o trabalho de ficar do lado de fora, sob a alegação de que lá fora chovia! Então as vozes que hoje se erguem não se ergueram, então não se ouviu o povo, então não se pediu plebiscito para assegurar o mandato conferido ao Sr. Café Filho, ao Sr. Carlos Luz. Hoje os tempos são outros. Mudaram os deuses. Existem outros deuses. O deus do passado era o deus da guerra. O Sr. Marechal Denys não é mais deus e criaram-se novos deuses. Queira Deus que êstes deuses também defendam aquilo que nós defendemos.
Sr. Presidente e Srs. Deputados, nestes episódios defendemos uma causa, mal compreendido por muitos e, inclusive, por alguns de nossos próprios companheiros. Mas repetiríamos tudo, Sr. Presidente, pois temos autoridade e não abriremos mãos desta autoridade. O Congresso Nacional, realmente, recebeu, isto é público e notório, um "ultimatum" para declarar impedido o Presidente da República, no caso o Sr. João Goulart. Da outra vez, na calada da noite, aceitou-o, oriundo do mesmo Marechal Denys, através do Marechal Lott. Desta vez, se muito não fêz, pelo menos não cedeu tanto. Negou-se e negou-se pela votação de homens de todos os partidos, uns bons, outros péssimos; uns dignos do mandato que exercem; outrom — quem sabe? — não dignos de mandato de qualquer espécie, mas, nesse momento, o Congresso Nacional, que era fraco, se fortaleceu pelo ato que praticou, justiça se lhe faça, através dos seus integrantes, tomou uma atitude que pode ser aceita ou não, que pode ser compreendida ou não, mas o que não nos parece cabível, o que não nos parece razoável; é que parta de um Legislativo o ataque contra outro Legislativo, porque as democracias mantêm-se, Sr. Presidente, sem as restrições totalitárias e estas nascem quando se fecham os Legislativos. Se desacreditarmos o Congresso Nacional, não precisará ser um Marechal para fechá-lo; qualquer Sargento poderá fechá-lo amanhã e por telefone; nem sequer a presença do mesmo será necessária.
Não desejava, Sr. Presidente, utilizar a palavra neste tarde; não estava preparado para tal, não pretendia, não desejava. Reconheço o direito de cada um dos Srs. Deputados, direito que é da essência do regime, de pensarem diversamente, uns dos outros, mas lembremos que há algo contra o que não podemos investir: não devemos investir contra as instituições. Se assim fizermos desacreditaremos o poder e não apenas os integrantes. Se assim se fizer, estaremos abrindo a porta não apenas para o desaparecimento das liberdades políticas, mas para o desaparecimento das conquistas sociais. Já disse nesta Casa e por muitos fui incompreendido, mas não há por que deixar de repetir hoje: das palavras que ouvi do Sr. João Goulart, as quê mais me impressionaram foi quando disse que em nome dos seus direitos políticos êle não tinha o direito de pôr em risco as conquistas sociais do povo brasileiro Se êle assim entendeu, êle, que é o titular do mandato, ele que é o candidato que combati, êle que é o Presidente de quem continuo discordando; mas que é o homem cujo mandato defendi, como outros defenderam, se êle assim entendeu, não protestando, o razoável é que não pretendam outros ser mais realistas do que o próprio titular. Que o povo se pronuncie! Mas cabe, também, ponderar se alguém perguntou ao povo se concordava ou não com o presidencialismo. Ninguém lhe perguntou. Os Presidentes eram impostos pelas maiores, bons, maus, péssimos ou razoáveis, e permaneciam. E ai de quem tentasse, a não ser os homens que detêm as fôrças; ai de quem tentasse se rebelar contra os Presidentes. Nunca se fêz consulta à opinião pública para centenas de violações constitucionais que se repetiram que ainda se repetem, usurpando direito, não de titulares de postos públicos, mas direitos de homens simples e comuns, de cidadãos modestos dêste País, de trabalhadores humildes que, violados os seus direitos, apenas tinham como respostas, que fôssem procurar defesa através do Poder Judiciária. Lembremo-nos, Sr. Presidente, de que a Constituição não tem um artigo só e de que, se um povo inteiro foi capaz de se erguer para defender o artigo 79; e é necessário que haja coerência nas atitudes, existem interêsses sociais, econômicos dêste povo, que é quem mais sofre, quem mais se martiriza, quem exige dos homens que têm responsabilidade que continuem lutando com as suas idéias, mas que na luta não esqueçam que além do sistema de Govêrno que além do regime adotado existem problemas, pelo menos tão importantes como êste, a serem resolvidos e que não o serão por um Govêrno que seja desacreditado quando nem seguer começou a trabalhar.
Era o que tinha a dizer. (Palmas. (Discurso revisto pelo orador).


O SR. PRESIDENTE — Concedo a palavra ao nobre Deputado Paulo Brossard, que solicitou a oportunidade de fazer uma Comunicação Urgente de Líder. S. Exa. ocupará a tribuna pelo espaço de cinco minutos e a Presidência formula um veemente apêlo para que os nobres Deputados se contenham dentro do espaço de tempo regido pelo Regimento.
O SR. PAULO BROSSARD — Sr. Presidente
Srs. Deputados. Não imaginava eu vir à tribuna nesta tarde e parece que não tenho qualquer originalidade neste particular. Há um mérito, pelo menos êste, na oração ardente daqui proferida, não faz muito, pelo Líder do Govêrno. Não tive a ventura de ouví-lo por inteiro, fui obrigado a me ausentar do Plenário, mais de uma vez, e por isto não acompanhei o pensamento do ilustre Deputado Sereno Chaise. O que ouvi, entretanto, me causou um misto de surprêsa e quase que de espanto, porque estamos em pleno jubileu da legalidade, palavra mais ou menos santa. Pois bem. E é exatamente contra a Lei e contra a Lei das Leis, que é a Constituição da República, que o Ilustre Líder do Govêrno se insurge. Parece que todo o problema da legalidade se resume no artigo 79, ou melhor, que todo o problema da legalidade se resumia no artigo 79. Acontece que a Constituição não tem apenas setenta e nove artigos, mas duzentos e dezoito. E, no artigo 217. § 3º, está prevista uma hipótese, exatamente a que ocorreu: a reforma da Constituição, pelo voto de dois têrços nas duas Casas do Congresso.
Pois bem, a reforma da Constituição, nos têrmos da Constituição, agora, não serve aos Representantees governistas nesta Casa. Ora, continuo a pensar que a Constituição deve ser aplicada sempre, integralmente, em todos os seus artigos e não apenas em alguns, e não apenas quando nos interessam, quando são favoráveis aos nosso desejos.
No auge da crise, disse eu, daqui desta tribuna, que não indagava sequer o nome do Vice-Presidente da República. Ocorrida a vaga da Presidência, a Lei indicava a autoridade que deveria substituir o Presidente. E a Lei deverá ser cumprida sempre e não às vêzes. O problema é de uma simplicidade simples. Usei de um pleonasmo que repito agora: o problema era de uma simplicidade simples.Continuo a espantar-me e até achar graça dos legalistas que agora, não querem mais a Constituição da República, tal como está hoje, depois de regularmente modificada, emendada, como manda a Constituição, como prescreve a Constituição. Já entendem alguns que o Congresso usurpou poderes. Isso nos levaria a concluir que não havia sinceridade em tais defensores da legalidade.
Quero apenas registrar que a reforma parlamentarista, a idéia parlamentarista não começou agora, há alguns dias; agora, apenas chegou a seu têrmo. A idéia parlamentarista vem de há muito tempo, aumentando cada vez mais dentro e fora do Congresso; tem sido objeto de congressos jurídicos de significacão nacional; de manifestação dos mais credenciados e qualificados círculos da opinião brasileira, e, ainda no mês de julho de 1661[?], mais uma vez era apresentado à consideração da Câmara o Projeto de Reforma de Emenda Parlamentarista, com 220 assinaturas de Deputados que tinham compromisso de votar. Os promotores da idéia não aceitavam assinaturas para simples apoiamento, exatamente para saber com quantos votos poderiam contar, na hora da votação. A crise apenas acelerou a aprovação que já era, de há muito, reclamada pela opinião democrática do País.
Dito isto, Sr. Presidente, quero assinalar a profunda surpresa, o real espanto que me causaram as palavras do eminente Líder governista nesta Casa, eminente colega Sereno Chaise, quando, falou no reacionarismo do Congresso e na vitória do PSD. Mas, o nobre Deputado Ariosto Jaeger já lembrou que, até há pouco, o Govêrno do Sr. Juscelino Kubitschek era apoiado exatamente por essas fôrças — PSD e PTB — na Câmara e no Senado.
Mas, eu perguntaria: quem votou nos Srs. Henrique Teixeira Lott e João Goulart para Presidente e Vice-Presidente da República, senão o mesmo PSD nacional e PTB, senão as fôrças que dominam o Congresso Nacional?
O SR. PRESIDENTE - Informo ao nobre Deputado que o tempo que lhe foi concedido esta ultrapassado.
O SR. PAULO BROSSARD — Foi exatamente com os votos do PSD e PTB que o Sr. João Goulart foi eleito Vice-Presidente da República; foi exatamente por essas forças que e Sr. João Goulart foi eleito. Sobre o que não há dúvida, Sr. Presidente, e isso talvez seja o aspecto mais importante, é que o Congresso foi eleito em 1958 e registrou as tendências do eleitorado brasileiro naquele ano, tendências que penderam em favor do PSD nacional e do PTB. Depois disso, em 1960, novamente o povo se pronunciou não mais para constituir o Congresso, mas para escolher o Presidente da República. E a escolha do Sr. Jânio Quadros para Presidente da República significou, indiscutivelmente, uma orientação diferente da manifestação que resultou na composição atual do Congresso. Mas, apenas isto? Não, também na rejeição da política encarnada pelo hoje Presidente da República, pelo Sr. João Goulart. A eleição do Sr. Jânio Quadros, a derrota do Sr. Marechal Teixeira Lott significou exatamente isto: a condenação a política até então seguida, e a condenação também a política representada pelo Sr. João Goulart. Foi a cissão dos partidos, no que diz respeito a Vice-Presidência da República, que veio permitir a eleição do Sr. João Goulart.
De qualquer sorte, Sr. Presidente, continuo a pensar que a situação do nosso País não é nada fácil, não e nada lisonjeira, não e nada tranquilizadora. Mantenho, neset momento, a mesma opinião que tinha há alguns dias, quando falava desta tribuna. Continuo a pensar que estamos atravessando um momento de tremendas dificuldades políticas e sociais, e também que o Gabinete atual, composto por fôrças pessedistas e petebistas, não esteja à altura do presente momento histórico. Chamo a atenção, entretanto, para o fato de que, se existe alguém que não pode se insurgir contra o atual Govêrno, é exatamente o grupo PSD-PTB; pessedistas e petebistas, os eleitores do Marechal Lott e do Sr. João Goulart, têm a maioria no Ministério: sete Ministros do PSD e do PTB, sendo que é membro do Gabinete o 1.º Vice-Presidente do PTB, dois da UDN, um do PDC e três apartidários, os três militares. A responsabilidade do PSD nacional e do PTB, a responsabilidade política das fôrças que votaram no Sr. Henrique Teixeira Lott e no Sr. João Goulart é plena neste Gabinete.
O Sr. Lauro Leitão — V. Exa. me concede um aparte?
O SR. PAULO BROSSARD — Estou falando em Comunicação de Líder, nobre Deputado. Por isso não terei o prazer de ouví-lo.
Esta é a verdade, Sr. Presidente, o grupo PSD e PTB é o grupo no Govêrno Federal neste momento; é o mesmo grupo que votou no Sr. Lott e no Sr. Goulart.
A reforma parlamentarista pode contrariar as ambições caudilhescas de certos políticos...
O Sr. Getúlio Marcantonio - Muito bem!

O SR.. PAULO BROSSARD — ...mas não podem os grupos dominantes reclamar contra o Govêrno. O Govêrno é dêles: PSD e PTB. Eleitores do Sr. Lott e do Sr. Goulart estão no Govêrno. Faço votos, entretanto, de que o atual Ministério tenha presente a manifestação popular de 3 de outubro de 1980.
O Sr. Cândido Norberto - Esquecendo o Banco do Brasil e o BNDE.
O SR. PAULO BROSSARD — Tenha presente isso. Que o atual Govêrno, agora, não se esqueça de que a 3 de outubro de 1960 o povo brasileiro manifestou-se, de forma inequívoca, por uma nova política.
Encerro, Sr. Presidente, fazendo votos de que o atual Govêrno continue as medidas iniciadas pelo Govêrno do Sr. Jânio Quadros. Não pode ser apagada a manifestação das urnas de 3 de outubro de 1960. (Palmas) (discurso não revisto pelo orador).
O SR. PRESIDENTE — Passa-se ao período destinado ao

DISCURSO
Convido os Srs. Deputados que estão inscritos em primeiro lugar, para se manifestarem na primeira chamada. Sr. Deputado Mário Mondino, ausente; Sr. Deputado Adalmiro Moura, ausente; Sr. Deputado Siegfried Heuser, ausente. Não respondendo à primeira chamada, continuarão inscritos ainda, nos têrmos do Regimento.
Passa-se ao período destinado à

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS
Com a palavra o nobre Deputado Gudbem Castanheira. (Pausa). Não respondendo, concedo a Palavra ao nobre Deputado Cândido Norberto. S. Exa. ocupará a tribuna pelo espaço de dez
O SR. CÂNDIDO NORBERTO —.Sr. Presidente e Srs. Deputados.
Quando da fase agitadíssima vivida pelo Rio Grande do Sul esta Casa aprovou, atendendo ao momento extraordinário em que vivíamos, o Projeto de Lei que, transformado em Lei, já que, aprovado foi por esta Casa e sancionado pelo Sr. Governador, tomou o n.o 4.125, de 2 de setembro de 1961. Conforme recordam os Srs. Deputados, êsse Projeto que aprovamos aqui, dentro daquele esquema muito parecido com o adotado pelo Congresso Nacional para a reforma da Constituição; e penso até, Sr. Presidente, que merecemos um louvor, porque estávamos tratando de matéria muito diferente, mas, também, muito relevante e, em matéria de velocidade, superamos o Congresso. Conseguimos aprovar um Projeto de Lei, de alta significação para a vida econômica e financeira do Estado, em apenas uma hora. O Sr. Secretário da Fazenda trouxe-nos, numa noite, o problema e, já no dia seguinte, em presença de S. Exa., que acorrera já em horas adiantadas da noite, já no dia seguinte, o Projeto estava, na parte da tarde, sacramentado por esta Cas.
Penso que a Presidência lembra perfeitamente dêsses episódios. Vencemos, em matéria de velocidade, o Congresso por larga margem. Na calada da noite acertamos os relógios e já na manhã ensolarada do dia seguinte aprovávamos o projeto e à tarde o votávamos em Redação Final; antes que a noite chegasse e que o dia calasse o projeto estava no Palácio do Govêrno, recebendo a sanção do Sr. Governador.
O Sr. Milton Dutra — Mas tem algo que se deve ressalvar. Esse projeto não pretendeu cassar direitos de ninguém.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Ao contrário. Concedia.
O Sr. Milton Dutra — Esse projeto visou a fortalecer a economia do Rio Grande do Sul naquele momento gravemente ameaçada e êste projeto, Sr. Deputado, pode ser a qualquer instante revogado, tanto que foram superadas as razões que o condicionaram.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Claro.
O Sr. Milton Dutra — O que esta Assembléia quis foi estabelecer um prazo que, como defensor do projeto, julguei desnecessário, porque podia ocorrer a conveniência da sua revogação em momento anterior ao próprio prazo.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO - Estava referindo exatamente isto, que em se tratando de matéria que se revestia de características excepcionais, nos conseguíamos aprová-lo aqui em apenas horas e o que estou lembrando e que é preciso que haja um pouco de condescendência, de compreensão recíproca entre os que agora divergem na interpretação dos fatos. Os que castigam demasiadamente o Congresso, por decidir, como decidiu, muito rapidamente sôbre matéria de ordem constitucional, devem ter presente que também decidimos sôbre matéria financeira relevante, aqui, em poucas horas.
O Sr. Milton Dutra — Isto se tem feito, também, com outras matérias.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Mas com essa urgência confesso que não conheço. Foi o recorde dos recordes. Estou há 12 anos nesta Casa nunca vi coisa semelhante.
Estou apenas mostrando, Sr. Presidente, isto. Aqui tem-se argumentado muito com uma determinada posição e tem-se contra-argumentado, mostrando que as mesmas pessoas que adotam essa posição estiveram do lado contrário e eu não estou empenhado, agora, em passar a limpo o passado de ninguém. Estou, com esta lembrança, mostrando, como já disse e repito, a conveniência de haver maior compreensão, maior tolerância, de não se jogar tanta pedra no telhado do vizinho, porque, não raro, o nosso é de vidro.
O que queria mesmo, Sr. Presidente, era submeter à Casa o Projeto de lei revogando a autorização concedida ao Executivo através da Lei n.º 4125, porque imagino que o Poder Executivo não a necessita mais. Ainda releva notar, que, nesta altura dos acontecimentos, seria desvantajoso e inconveniente para o Rio Grande do Sul o lançamento de novas Letras do Tesouro. Foi uma medida que tomamos em caráter extraordinário, num clima perigoso, quando tínhamos a impressão de estar em plena guerra, quando o nobre Deputado Milton Dutra organizava fôrças civis para marcharem em defesa da legalidade, quando o nobre Deputado Milton Dutra recebia telegramas comunicando que as fôrças já estavam organizadas...
O Sr. Milton Dutra — Um dos mais belos movimentos cívicos de nosso Estado.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Um dos mais belos movimentos cívicos de nosso Estado, realmente, nobre Deputado Milton Dutra, porque ficou um saldo positivo: o povo apreendeu mais um pouco a defender a Constituição e a legalidade e a defenderá a qualquer momento que se fizer necessário.
O Sr. Milton Dutra — Não haverá mais golpe em nossa Pátria.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Exatamente, e daqui para diante, para se apresentar algum "salvador da pátria" vai ser difícil, extremamente difícil porque, graças a Deus. ninguém mais vai acreditar nêle. Felizmente vivemos um dos mais belos movimentos cívicos sem que fôsse preciso haver derramamento de sangue, embora houvesse muita areia. (Risos) Vamos examinar o problema sucessório com a cabeça mais fria e de maneira racional.
Vivido êsse belo momento cívico, o mais belo do Rio Grande - que, inclusive, deve ter obrigado muita gente que não tem vocação legalista a andar de bandeira legalista na mão (Risos) , depois...
O Sr. Mílton Dutra Não deixa de ser uma boa evolução.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO - ... depois dêsse momento, que regenerou muito golpista em potencial que andava aí pela vizinhança (Risos); depois dessa decisão fabulosa que, após gritar o nome de um homem gritou o nome da Constituição; restabelecida, portanto, uma normalidade, que nos cumpre preservar, seja qual fôr o rótulo que ela tenha, uma vez que assegurou as instituições democráticas no que elas têm de mais importante; superado este mais belo momento cívico do Rio Grande do Sul, que teve muito de épico...
O Sr. Milton Dutra - Mais belo do Brasil.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO ... quem sabe do mundo talvez estejamos agindo com muita modéstia! (Risos).
Superada esta fase épica, - que teve muito de anedótico, graças a Deus vamos, então, tratar de pôr ordem na casa. Em nome da legalidade, da conveniência pública, vamos revogar aquela autorização que, em tempo de guerra, concedemos ao Govêrno, mesmo porque, Sr. Presidente, quero chamar a atenção de V. Exa. para um fato: sempre sustentei que, neste País, até agora se tem brigado muito pelo Banco do Brasil, menos que pelo Govêrno. E agora, coerente com o que disse, tenho para mim que o Govêrno do Rio Grande do Sul ganhou a batalha, já que está de dono do Banco do Brasil - e mais do que do Banco do Brasil, Sr. Presidente, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico. De forma, que não vamos ficar aqui alegando condições de pobreza s lamentando a nossa ausência do Govêrno. Nós estamos no Govêrno, e muito bem! Estamos nos melhores lugares do Govêrno; estamos no Banco do Brasil, que é "o fino", se me permitem a expressão, porque é de lá que sai o "dinheiro grosso". Estamos, Sr. Presidente, com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico, também confiado ao Rio Grande do Sul. E não me venha o Governador dizer que foi uma delegação sem caráter político, porque "esta, não!" As duas pessoas que, como se sabe, foram indicadas para os dois Bancos, são da mais alta confiança do Governador do Estado, o Sr. Galvão, e, segundo sei, a julgar pelo que ouvi, se não disseram mal, ou se não ouvi mal, é o Sr. Lannes da Cunha. Não sei se é aquêle da CEEE, da Usina de Charqueadas. Já não sei se é a mesma pessoa, mas a mim não vai enganar. Nós estamos, Sr. Presidente, com o Banco do Brasil e com o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico, que, convenhamos, são Subministérios. É bem verdade que não conseguimos o Ministério da Viação, do qual precisávamos tanto para a realização de certas obras e para acertar certas contas, mas não é menos verdade que pegamos o Banco do Brasil e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e esta foi, realmente, uma grande vitória!


O SR. PRESIDENTE Devo informar que está concluída o seu tempo.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Sr. Presidente. Solicitaria a V. Exa. que me concedesse prorrogação regimental.
O SR. PRESIDENTE Achando-se inscrito o Deputado Gudbem Castanheira, terá a palavra, a seguir, S . Exa.
O SR. GUDBEM CASTANHEIRA Sr. Presidente. Concedo a minha inscrição ao nobre Deputado Cândido Norberto.
O SR. PRESIDENTE Assim sendo, V. Exa. terá a oportunidade de permanecer na tribuna pelo restante do temo destinado à Apresentação de Projetos.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Agradeço ao nobre Deputado Gudbem Castanheira. Continuando, Sr. Presidente e Srs. Deputados, não vamos tomar atitude de vítimas para inspirar compaixão. O Rio Grande do Sul, para felicidade nossa, está bem neste Governo. Nos estamos com as duas maiores, organizações financeiras, bancárias do País, o Banco do Brasil e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico. E é bom que o povo saiba disto. É bom que o povo saiba que quem está no comando do Banco do Brasil e do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico é o Rio Grande do Sul.
O Sr. Jairo Brum V. Exa. permite um aparte?
O SR. CÂNDIDO NORBERTO V. Exa. tem o aparte.
O Sr. Jairo Bruni A Comissão Estadual de Energia Elétrica e, aqui, aproveito a oportunidade em que V. Exa. fala em Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico estava sendo obrigada a se transformar porque c Presidente Jânio Quadros havia isto determinado e porque o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico exigia essa transformação.
De forma que entendo, agora, que se tornou dispensável essa providência, porque, inclusive, o Diretor do Banco é um velho funcionário da Comissão Estadual de Energia Elétrica. V. Exa. completará o meu pensamento.
O SR. PRESIDENTE - Solicito a V. Exa. que não se afaste da discussão da matéria.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Sr. Presidente. Não quero ferir o Regimento, mesmo porque estamos na defesa da legalidade...
O SR. PRESIDENTE Apenas solicitei a V. Exa. que mantivesse o debate dentro do espírito do seu Projeto.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO – Quero apenas para que não passe em julgado, declarar que êste tema da transformação da CEEE volta a ter importância. Já não é, como se pensava há poucos dias, assunto superado, já que havia uma “virada” em perspectiva. A "virada" não foi como se pensava, de maneira que o assunto volta a ter importância.
O Sr. Paulo Brossard – V. Exa. permite? (Assentimento do orador).
Foi dito aqui, V. Exa. acaba de lembrar para contestar que o Rio Grande não esta no govêrno...
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Está sim.
O Sr. Paulo Brossard – V. Exa. diz muito bem, está, mas além da presidência do Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico é preciso lembrar que não são os Estados que estão no Govêrno ou fora do Govêrno, são os Partidos. A política não é estadual, é partidária nacional e a PTB está excelentemente colocado no Govêrno porque o Presidente é o Presidente da República e o primeiro vice-Presidente é membro do gabinete Sr. San Thiago Dantas, Isto, Sr. Presidente, sem falar no Sr. Estácio Souto Maior, que é deputado petebista pelo Estado de Pernambuco.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO Neste momento de pessimismo, Sr. Presidente, quando encontro, inclusive, marechais de cabeça baixa, com a impressão de que o Govêrno sofreu uma derrota, quero trazer uma palavra de confôrto, de confiança no futuro do Rio Grande do Sul. Estamos no Govêrno e muito bem: estamos com o bom do Govêrno que é o Banco do Brasil e o BNDE. De maneira que quem quiser dinheiro, agora, no Brasil tera que falar conosco. E mais, quem está no Banco do Brasil, agora, é o velho amigo de tôdas as horas, do Sr. Leonel Brizola, o nosso amigo Ney Gaivão. E quem não quer ser amigo do Sr. Ney Galvão, nesta hora? (Risos) Os Senhores Deputados poderão imaginar que tirei um pouco da dignidade da "guerra", mas não, estou enfrentando a realidade como se impõe. Quero, inclusive, destacar a atuação do Governador Leonel Brizola porque êle conseguiu uma vitória na estrutura econômica do Brasil: lançou para o Banco do Brasil um amigo seu, um rio-grandense, e vai lançar outro no BNDE. De modo que não podemos negar que há uma solidariedade política e que influi. Sr. Presidente, exatamente, ensta matéria, objeto do nosso Projeto, que é a financeira
Êsse Projeto, esta Lei que a Assembléia aprovou em .regime urgentíssimo, deixou de ter razão de ser. Vamos, agora, ver o dinheiro, ainda que seja êste, emitido recentemente pelo Govêrno Federal, mas assinado pelo Govêrno da República. E a propósito, Sr. Presidente Hélio Carlomagno, pediria a V. Exa. que me honrasse com a sua atenção, porque desejo fazer uma sugestão a esta Casa, que participou tão ativamente dos últimos acontecimentos: cumpre-nos, Sr. Presidente. fazer um esfôrço para saber onde é que foi parar êste dinheiro recentemente emitido, segundo o noticiário dos jornais. Não se lança, em apenas alguns dias, impunemente cerca de 50.000.000.000.00. Esta medida nos diz muito de perto. Afeta o nosso bolso, o bolso do homem que vive do seu trabalho e, por sinal, que afeta o bolso de todo o mundo. Onde foi parar êste dinheiro, onde está? Eis uma pergunta muito séria para ser feita.
Sr. Presidente Entendo que a Presidência poderia imaginar uma forma de a Assembléia do Rio Grande do Sul forçar um esclarecimento do asunto. Cr$ 500.000.000.000,00 representam uma importância realmente muito grande, têm um reflexo extraordinário na vida da Nação.
O Sr. Milton Dutra — Precisamente 1/3 do que foi emitido no Govêrno do Sr. Juscelino Kubitschek Oliveira.
O SR CÂNDIDO NORBERTO — Uma desgraça após outra. Depois do Sr. Juscelino entra o Sr. João Goulart. E êsse Gabinete que êles formaram, contra o qual já estão lutando...
A Sra. Suely de Oliveira — V. Exa. diz que deseja saber onde está êsse dinheiro. Pois é muito fácil. É perguntar aos governadores que participaram daquela reunião, no antigo Distrito Federal, que êles dirão.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Pois é, se eu ,perguntar ao nosso Governador não vai me dizer. E o Sr. Governador do Paraná, segundo eu sei, não me dará esta informação.
A Sra. Suely de Oliveira — Pergunte ao Celso Ramos.
O SR CÂNDIDO NORBERTO — Êsse também não vai me dar a informação, a julgar pelas notícias que tenho a respeito de sua conduta nos últimos tempos. Quem vai me dar esta informação é o Presidente da República, o Sr. João Goulart, para cuja posse nós colaboramos na medida de nossas possibilidades. S. Exa. vai nos dar esta informação e só S. Exa. nô-la pode dar. O Sr. San Thiago Dantas, que é Ministro importantíssimo no Gabinete...
O Sr. Paulo Brossard — Que é Vice-Presidente do PTB...
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — ... que é Vice-Presidente do PTB....
O Sr. Paulo Brossard — Que é Deputado pelo PTB...
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — É o Sr. Clemente Mariani que pode nos dar essa informação.
O Sr. Milton Dutra — V. Exa. permite? (Assentimento do orador)
É uma coisa muito curiosa que aquêles que defendem e proclamam os méritos do sistema parlamentar de govêrno, a todo instante estejam incidindo: em chamamentos de "A" ou "B" para prestar contas do govêrno que cabe a um Gabinete.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Êste ato foi pessoal do Sr. Ranieri Mazzili, segundo se disse. Agora, o Presidente da República, mesmo no Regime Parlamentarista, tem condições para nos dar esta informação.
O Sr. Milton Dutra — Os parlamentaristas não, estão acreditando muito em parlamentarismo!
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Isto não é medida parlamentarista, é emissão de dinheiro no Govêrno do Sr. Ranieri Mazzilli. Pedir ao Governador de Santa Catarina é que não posso.
A Sra. Suely de Oliveira — V. Exa. permite? (Assentimento do orador)
Aos Governadores que participaram daquela reunião e que receberam, para dividir o bolo. Ao Sr. Parsifal Barroso, que participou também...


O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Mas êles é que devem dar a informação, eu não posso me dirigir um Govêrno...
O Sr. Milton Dutra — Dirija-se ao Gabinete!
A Sra. Suely de Oliveira — Ao Sr. Parsifal Barroso!
(Trocam-se apartes simultâneos).
O SR. PRESIDENTE — (Apertando as campainhas) — Nobre Deptado. Está esgotado o tempo de V. Exa. na tribuna.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Não posso perguntar a êses cidadãos, nem ao Sr. Carvalho Pinto, ao Sr. Parsifal Barroso ou ao Sr. Juracy Magalhães. Quero, porém, saber quem é que botou a mão, no dinheiro do povo. Não tenho "parti pris" na defesa disso que me parece corrente, quero saber como, é que lançaram mão de Cr$ 50.000.000.000,00 e não deram satisfação alguma. Em nome da legalidade, quero saber onde êsse dinheiro foi. Ou pensam que legalidade é apenas defender o Artigo 59?!
O SR. PRESIDENTE — Observo a V. Exa. novamente, que o seu tempo está esgotado. Vou concluir, Sr. Presidente.
Mesmo porque, Sr. Presidente, o Líder do Govêrno esteve nesta tribuna, dando-nos uma informação que talvez não tenha sido informação, mas um prognóstico de que até fevereiro do próximo ano serão, emitidos mais Cr$ 50.000.000.000,00 e diante disto eu me estarreço, eu me apavoro, porque isto é mais que um roubo, isto é massacrar uma população.
Cr$ 200.000.000.000,00 emitidos assim, em seis meses, é o mesmo que agrrar e matar o povo diretamente, é outro forma de ilegalidade muito pior do que não dar posse a alguém, é estrangular, é bater a carteira, é tirar o sangue.
Em razão disto tudo, Sr. Presidente, é que vou apresentar projeto de lei suspendendo a autorização para o Estado emitir letras do Tesouro, concedida há, poucos dias. Como se verifica, portanto, estou, também, lutando contra a emissão no plano estadual. Não vamos fazer emissões de letras do tesouro para pagamento à vista.
Empenhemo-nos, pois, na luta pela legalidade; em favor dêste projeto e para esclarecimento do paradeiro dos Cr$ 50.000.000.000,00 que se diz terem sido emitidos ùltimamente. Queremos saber quem passou a mão no dinheiro do povo, Só isto, Sr. Presidente. (Palmas) (Discurso não revisto pelo Orador).
O SR. PRESIDENTE — O nobre Deputado sugeriu medidas à Presidência no sentido de que seja esclarecido o destino dado aos Cr$ 50.000.000.000,00 que teriam sido emitidos pelo Govêrno Federal. A Presidência entende que a Comissão de Finanças estaria em condições de examinar as sugestões formuladas e a Presidência terá o maior prazer em dar apoio a qualquer sugestão que venha da douta Comissão de Finanças e Orçamento neste sentido.
Compareceram mais os Srs. Deputados:
Carlos Santos, Daniel Ribeiro, Domingos Spolidoro, Harry Sauer, Jairo Brum, Ortiz Borges, Siegfried Heuser, Suely de Oliveira, Antonino Fornari, Arlindo Kunzler, Gustavo Langsch, Porcínio Pinto, Getúlio Marcantonio, Pedro Fogliato, Paulo Brossard, Solano Borges, Artur Bachini, Synval Guazzelli, Egon Renner e José Zachia.
Com a presença de. 43 Srs. Deputados daremos início aos trabalhos da
ORDEM DO DIA
O nobre Secretário convidado fará a leitura de requerimento que se encontra sôbre a mesa.
O Sr. Secretário — (Lê)
Senhor Presidente.
Os Deputados abaixo firmados, nos têrmos do regimento interno desta Casa, requerem a V. Exa. Que seja consignado, na data dos trabalhos de hoje, um voto de profundo pesar pelo falecimento do Sr. H. Vidal Kolrausch, ocorrido em 7 do corrente no Município de Taquara.
O extinto era vereador daquela Comarca e exercia o cargo de Presidente da Câmara Municipal, tendo, no período compreendido entre os anos de 1954 e 1958, dirigido os destinos da Prefeitura do Município de Taquara, demonstrando sempre o interêsse por tôdas iniciativas que visassem o bem estar da sua Comunidade.
Exerceu, ainda, os cargos de Presidente do Diretório Municipal do Partido Social Democrático e do Hospital de Caridade de Taquara, local onde desfrutava de grande prestígio.
Ótimo chefe de família, comerciante por largos anos no referido Município, foi sepultado dia 28 do mês em curso com desusado acompanhamento.
Aprovado que seja este requerimento, solicitamos seja dada ciência à família enlutada.
Sala das sessões, ao 11 de setembro de 1961.
(a.) Ariosto Jaeger
Romeu Scheibe
Harry Sauer


O SR. PRESIDENTE — Os Srs. Deputados que aprovarem o voto de pesar contido no requerimento que acaba de ser lido, queiram manter-se sentados.
(Pausa)
Aprovado.
Em votação o Projeto de Resolução n.o 48/61. Concede 16 dias de licença para tratar de interès¬tes particulares ao Deputado Heitor Galant. Os Srs. P-eutados que aprovarem o Projeto de Re- 'solução n.o 48/61. nueiram manter-se sentados.
(Pausa)
Aprovado.
Em votação, o Projeto de Resolução n.º 48/61. Concede 16 dias de licença para tratar de interêsses particulares ao Deputado Heitor Galant. Os Srs. Deputados que aprovarem o Projeto de Resolução n.º 48/61, queiram manter-se sentados.
(Pausa)
Aprovado.
De acôrdo com indicação do Líder da Bancada Libertadora, passará a exercer a deputação o nobre Deputado Pedro Fogliato, em substituição ao Sr. Heitor Galant. S. Exa. deixará de prestar compromisso por já tê-lo feito anteriormente.
Em votação um Requerimento de Urgência subscrito pelo nobre Deputado Adalmiro Moura, para apreciação do Projeto de Lei que prorroga prime. Os Srs. Deputados que aprovarem a urgência solicitada, queiram manter-se sentados.
(Pausa)
Aprovado.
Requerimento de Urgência assinado pelo Sr. Sereno .Chaise para discussão e votação do Projeto de Lei n.0 195/61, que concede o titulo de cidadão rio-grandense ao General do Exército José Machado Lopes. Os Srs. Deputados que aprovarem o pedido de urgência, queiram conservar-se sentados.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Peço a palavra, Sr. Presidente.
SR. PRESIDENTE — Não tendo ainda anunciado o resultado da votação, concedo a palavra ao nobre Deputado Cândido. Norberto, para encaminha-la S. Exa. ocupará a tribuna por 5 minutos.
O SR. CÂNDIDO NORBERTO — Sr. Presidente e Srs. Deputados. Para que não passe sem um registro o Projeto de lei que concede o título de cidadão rio-grandense ao ilustre Comandante do II Exército, na fase em que se pede ao mesmo urgência. eu quero declarar que a nossa concordância com a tramitação dêste Projeto, com a sua aprovação, vale expressamente, claramente, pela declaração de que o Comandante do II Exército, o ilustre General José Machado Lopes, cumpriu com o seu dever, e apenas fêz isto. Êste é o sentido da nossa concordância com a honrosa manifestação que a Assembléia do Rio Grande do Sul quer fazer ao Sr. Comandante do III Exército. E a nossa posição se traduz nesta manifestação; o Sr. General Comandante do III Exército apenas fêz isto: cumpriu com o seu dever, apenas isto, que é muito, indiscutivelmente, que é tudo que corresponde seja feito por todos os Chefes Militares.
O SR. PRESIDENTE — Continua em votação o Requerimento de Urgência. Os Srs. Deputados que o aprovam, queiram conservar-se sentados.
(Pausa)
Aprovado.


Em votação o requerimento de urgência Subscrito pelo nobre Deputado Ariosto Joeger, para discussão e votação do Projeto de Lei n.0 191/61, que dispõe sôbre a habilitação de entidades a auxílios concedidos pela Lei n.º 4.071, de 20 de dezembro de 1960. Os Srs. Deputados que aprovarem a urgência, queiram permanecer sentados.
(Pausa)
Aprovada,
O SR. SIEGFRIED HEUSER — Pela ordem, Sr. Presidente, peço a palavra.
O SR. PRESIDENTE — V. Exa. tem a palavra, pela ordem.
O SR. SIEGFRIED HEUSER — Sr. Presidente. Havia encaminhado à Mesa um requerimento, pedindo urgência para êsse mesmo Projeto. Peço, pois a V. Exa. que seja retirado, já que aprovado êste.
O SR. PRESIDENTE — Perfeitamente, nobre Deputado. Sua vontade será satisfeita.
Votação da Redação Final do Projeto de Lei n.º 94-59, do Deputado Tásis Gonzáles, que dá nova redação ao artigo 31 da Lei n.o 3.055, de 22.12.56. Os Srs. Deputados que aprovam queiram ficar como se encontram. (Pausa) Aprovada a Redação Final.
Votação da Redação Final do Projeto de Lei n.º 198-60, que modifica a incidência do impôsto proporcional do sêlo e dá outras providências. Os Srs. Deputados que estiverem de acôrdo queiram ficar sentados. (Pausa) Aprovada .
Votação da Redação Final do Projeto de Lei n.º 85-61, que autoriza a abertura de crédito especial e concessão de auxílio ao Município de Pelotas. Os Srs. Deputados que aprovam a Redação Final queiram permanecer sentados. (Pausa) Aprovada.
Votação da Redação Final do Projeto de Lei n.º 117-61. Dispensa a Federação dos Empregados do Comércio do Estado do Rio Grande do Sul do pagamento do impôsto de transmissão "inter-vivos". Os Srs. Deputados que aprovam a Redação Final. queiram ficar como se encontram.
(Pausa) Aprovado.
Votação da Redação Final do Projeto de Lei n.º 118-61, que concede dispensa do pagamento do impôsto de transmissão "inter-vivos" a Sindicatos do Município dt Cal. Os Srs. Deputados que aprovam queiram permanecer sentados.
(Pausa) Aprovado a Redação Final.
Discussão e votação do Projeto de Resolução n.º 30.61, originário da Mesa. Aprova as contas das despesas da Assembléia Legislativa. relativas ao exercício de 1960. Se nenhum Sr. Deputado solicitar a palavra para discutir o Projeto de Resolução, vou encerrar a discussão.
(Pausa) Encerrada.
Em votação. Os Srs. Deputados que aprovam Projeto de Resolução 30-61, queiram conservar-se sentados.
(Pausa) Aprovada.
Discussão e votação do Projeto de Lei n.º 195-60, vetado totalmente pelo Sr. Governador do Estado. Parecer favorável ao veto, da douta Comissão de Finanças e Orçamento.
O SR ARY DELGADO — Peço a palavra, pela ordem Sr. Presidente.
O SRR. PRESIDENTE — Tem a palavra, pela ordem. V. Exa.
O SR. ARY DELGADO — Sr. Presidente. Pediria que V. Exa. me assegurasse, como autor Projeto vetado, a palavra em último lugar. Gostaria de ouvir primeiramente os pronunciamentos contrários ao Projeto para, só então, manifestar-me.
Tomei a liberdade de fazer êste pedido a V. Exa. dado que conheço o alto espírito •de compreensão do nobre Presidente.
O SR. PRESIDENTE — A Presidência não encontra amparo no Regimento e nem tampouco de fôrça, para assegurar a V. Exa. a palavra em último lugar. Todavia, acredita que a manifestação de V. Exa. encontre a melhor ressonância no Plenário e, em consequência, ficará atingido o seu objetivo pela natural cooperação que advirá por parte dos Srs. Deputados que intentarão discutir matéria. Neste caso, a Mesa concederá a palavra a V. Exa. em último lugar.
O SR. ARY DELGADO — Muito grato a V. Exa.
O SR. PAULO BROSSARD — Peço a palavra Sr. Presidente, para discutir a matéria.
O SR PRESIDENTE — Tem a palavra V. Exa.
O SR. PAULO BROSSARD — Sr. Presidente e Srs. Deputados. Não desejava discutir as razões do veto governamental ao Projeto de Lei 195-60, mas V. Exa. estava por encerrar a discussão e se não pedisse a palavra o nobre Deputado Ary Delgado que queria falar por último seria obrigado a falar em primeiro lugar. Foi para corresponder ao apêlo do nosso eminente colega e para dar realidade às suas palavras, que solicitei a palavra para discutir o Projeto de Lei que volta à consideração da Assembléia Legislativa, em virtude do veto governamental.
Que diz o Projeto de Lei? O Projeto de Lei diz que "as taxas devidas aos servidores estaduais pelo fornecimento de água e luz, não serão exigíveis do servidor público do Estado que não estiver em dia com os seus vencimentos. Esta é a proposição fundamental. O restante cuida apenas de regular esta proposição que é fundamental."
Sr. Presidente. Eu tenho me caracterizado - acho que posso dizer isto - por não fazer favores com o operário público nem cortejar a popularidade a nenhum título. Quando no comêço da atual Legislatura esta Casa discutiu e votou um Projeto de Lei de autoria do Govêrnador do Estado que aumentava os vencimentos do funcionalismo, não apresentei uma só Emenda, quebrando, assim, uma velha, tradição nesta Casa, segundo a qual todos os favores, tôdas as vantagens, tôdas as regalias ao funcionalismo são propostas pela Oposição. Não fiz isso naquela ocasião, nem antes nem depois. Entendo que o problema do funcionalismo no Brasil está se transformando em verdadeiro problema de Estado. E o fato de o Sr. Mazzilii, apenas em alguns dias de Govêrno, em plena crise, haver tido a luminosa idéia de suprimir o sábado do regime de trabalho dos servidores da União, está a mostrar isto: Somente um Presidente irresponsável seria capaz baixar um decreto desta categoria, no momento que o baixou, quando a Nação inteira, estava convulsionada, às vésperas de uma crise, cujas consequencias não sabíamos quais eram. Um Govêrno que tinha a sua duração marcada por horas, tornar uma iniciativa dessas, é algo que, repugna qualquer pessoa dotada de elementar bom senso. Se eu tivesse categoria para fazer sugestão ao novo Govêrno, ao Gabinete constituido pelo PSD, pelo PTB ...
O Sr Sereno Chaise — (Interrompendo o orador) Pela UDN. pelo PDC ...
O SR. PAULO BROSSARD — Também pela UDN e pelo PDC, embora minoritários ...
O Sr. Milton Dutra — (Interrompendo o orador). — Houve acôrdo do. PDC com a UDN, para a formação dêste Gabinete, à boca cheia, à boca larga.
SR. PAULO BROSSARD — V. Exa. está demonstrando e sua vocação para condotieri.
Creio que os quatro Partidos que integram o Govêrno acertaram os seus pontos-de-vista com relação ao Govêrno.
O Sr. Milton Dutra — Como V. Exa. está insistindo que há entendimento do PSD com o PTB, devo dizer que entendimento houve do PSD com a UDN.
O Sr. Getúlio Marcantonio — O PSD do Rio Grande é dissidente.
O SR. PAULO BROSSARD — Eu não daria tanto realce a esta presença do PSD e do PTB no govêrno se não tivesse ouvido as coisas surpreendentes que ouvi, esta tarde, nesta sala, segundo as quais o PTB não está no Govêrno. Está no Govêrno, inclusive pelo seu primeiro Vice-Presidente, San Thiago Dantas, sem falar em Souto Maior, Deputado nacional pelo seu partido.
O Sr. Milton Dutra — V. Exa., como palamentarista, deveria ser o primeiro a defender o Gabinete com o próprio Govêrno e não poderia fazer distinção ... V. Exa. deveria se situar bem no seu papel.
O SR. PAULO BROSSARD — O PTB é velho aliado do PSD. Ambos elegeram Presidente da República o Sr. Jucelino Kubitschek e Vice-Presidente da República o Sr. João Goulart. Ambos queriam fazer Presidente o Sr. Henrique Teixeira Lott e ambos elegeram Vice-Presidente da República o Sr. João Goulart. Ambos têm a maioria do Ministério e com o Ministério decidem coletivamente. E, agora, respondo à segunda parte do seu aparte, Deputado Milton Dutra, e mostro como V. Exa. não tem razão. Sei eu muito bem que o Govêrno, no regime parlamentar, é colegiado, coletivo. Certo, mas sei também como V. Exa. sabe, que a orientação é fixada pelo Govêrno. através do voto dos seus Ministros. Ora, o Conselho de Ministros decidirá sempre, ou, pelo menos, terá possibilidade de decidir sempre, pelo voto do PSD e PTB, restando aos demais partidos se não concordarem com a orientação da maioria, de se retirarem do Govêrno, do Gabinete. Mas, a verdade é essa, que PTB e PSD darão a orientação ao Govêrno, formam a maioria do Govêrno. Esta é a realidade.
A UDN e o PDC, por exemplo, ou concorda com a orientação do Govêrno, ou do Govêrno se retiram.
O Sr. Adalmiro Moura — V. Exa. permite? (Assentimento do orador)
Creio que V. Exa. tanto pode armar uma maioria no Conselho com os votos do PSD e do PTB, como do PSD e da UDN.
O Sr. Sereno Chaise — (Imterrompendo) Como PSD e do PDC.
O SR. PAULO BROSSARD — Teoricamente, sim, poderia. Mas, se estou pondo em relêvo a união, a simbiose PSD-PTB, e pela simples razão histórica de que êstes dois Partidos têm marchado juntos, têm combinado muito bem, têm distribuído entre si as beneces que a República permite. Até agora, nos últimos, anos, nos grandes prélios eleitorais da República, êstes Partidos estiveram unidos. Por isto é que eu chamo a atenção para a continuidade de acôrdo político PSD-PTB que para mim é uma cousa tão corriqueira, tão sabida, já tão antiga, que não poria em relêvo, que não sublinharia, se não tivesse ouvido aquela cousa espantosa que ouvi, nesta tarde e nesta Casa, dita por um qualificado Deputado petebista, Líder do Govêrno, segundo o qual o PTB não tinha nada que ver com o Govêrno. Isso não é exato. E também aquelas invectivas suas, investindo contra o Partido do nobre Deputado Hélio Carlomagno, eu não poria em relêvo, não sublinharia, não fôra o que ouvi dos lábios do nobre Deputado Sereno Chaise.
O SR. PRESIDENTE — Nobre Deputado. Vou fazer um apêlo a V. Exa.. Discute-se o Veto Governamental aposto a um Projeto de Lei que estabelecia condições para o Pagamento de energia elétrica por parte do funcionalismo público. Evidentemente, data vênia respeitar seu brilho e cultura, sua fidelidade ao Regimento, sou obrigado a pedir-lhe para que se contenha dentra do assunto que está realmente em discussão.


O SR. PAULO BROSSARD — Se o nobre Presidente não tivesse a sua atenção atraída para outro assunto e acompanhasse como fui levado ao assunto, veria que eu não estava infringindo o Regimento. O debate começou quando lembrei que não costumava cortejar o funcionalismo, que não fazia popularidade à custa do erário público, que, aqui, nesta Casa, quando se votou o Projeto de aumento dos vencimentos do funcionalismo estadual, não apresentei uma emenda sequer, porque que, ao Govêrno cabe a primeira palavra a este respeito, e como é o Govêrno que tem que pagar, não deve ser eu — Deputado de Oposição — que deva começar a resolver o problema do funcionalismo — e fui naturalmente lembrado a observar que o Govêrno do Sr. Mazzilli, transitório, inteiro, com uma duração de horas, ficará marcado como um Govêrno que, no meio de uma crise, cujas proporções não se sabia quais eram, efetivamente, teve esta "genial" idéia de reduzir o tempo de trabalho do funcionalismo federal de um dia. Com isto mostrava eu que o problema do funcionalismo esta tomando — está tomando, não;—já tomou proporções enormes no nosso País. Estava exatamente neste ponto, Sr. Presidente, quando o assunto, que é rico de sugestões, despertou o interêsse de vários Srs. Deputados. Logo, o debate evoluiu naturalmente.
O Sr. Adalmiro Moura — V. Exa. me concede um aparte?
O SR. PAULO BROSSARD — Concedo-lhe o aparte com prazer.
O Sr. Adalmiro Moura — Sou muito grato a V. Exa. Eu apenas estou tentando colhêr, de um parlamentarista brilhante como V. Exa. ensinamentos para bem interpretar o regime. Creio que o argumento que V. Exa. expendia, quando interrompido pela Presidência prova, demais porque, a julgar os antecedentes, a julgar a história das coalisões políticas do PSD com o PTB, V. Exa. não conseguirá explicar a presença da UDN no Gabinete.
O SR. PAULO BROSSARD — Acho que V. Exa. não tem razão em dizer isto. Eu compreendo perfeitamente que, depois de uma crise enorme, a sabedoria política ensejasse o fato de quatro Partidos estarem no Govêrno ...
O Sr. Adalmiro Moura — Então é caso novo.
O SR. PAULO BROSSARD — ... e neste sentido achei acertado o procedimento do Sr. João Goulart.
Acho uma manifestação de sabedoria política, o fato de quatro Partidos estarem no Govêrno. Entratante, não desfigura esta realidade, que dois dos quatro Partidos, velhos aliados, tradicionais aliados, formam a maioria e portanto estão em condição de fixar orientação do Govêrno. Estão em condições. Se no Govêrno prevalecer o estado de espírito dominante pelos arraiais rio-grandenses, e outro problema. Possivelmente, o Govêrno não durará muito tempo na composição atual. Mas tinha eu razão. O meu argumento não provava demais. mas era, isto sim, concludente, quando acentuava que o Govêrno atual estava em condições de manter a orientação peessedista-petebista, tando mais quando representar o PTB uma figura de alto gabarito nas hostes partidárias, que é o Sr. San Thiago Dantas, primeiro vice-presidente do Partido e um dos Ministros de Estado, exatamente a quem está afeta uma das Pastas mais importantes neste Govêrno: das Relações Exteriores.
O Sr. Adalmiro Moura — V. Exa. permite?
O SR. PAULO BROSSARD — Creio que, com isto, Sr. Presidente, posso fechar êste parêntesis, mas não o farei sem, antes, — seria descortesia conceder um aparte ao nobre Deputado Adalmiro Moura.

O SR. PRESIDENTE — Formulo, novamente, apêlo a V. Exa., para que se atenha à discussão de matéria pertinente a que nós estamos debatendo. Do contrário, serei obrigado a proclamar que V. Exa. está ferindo o Regimento. Insisto, portanto para que V. Exa. se mantenha dentro da matéria em debate.
O SR. PAULO BROSSARD — Confio no alto critério do nobre Deputado Adalmiro Moura que, aliáis já exerceu o Presidência da Assembléia e que, evidentemente, não daria um aparte fora da matéria que está em debate, Sr. Presidente.
O Sr. Adalmiro Moura — V. Exa. me coloca numa posição muito difícil. Meu aparte já foi apreciado pela Presidência, quando, interrompendo mais uma vez V. Exa., fazia com que V. Exa. me negasse o aparte. Mas acho que V. Exa. está certo, quando diz que o Govêrno Mazzilli ...
O SR. PRESIDENTE — (Comprimindo as campainhas e interrompendo o apartante)
Determino à Taquigrafia que não colha apartes impertinentes à matéria em debate e solicito ao nobre orador que procede de acôrdo com os têrmos do Regimento Interno. Faço-o saber em carater de apêlo, porque a Presidência não pode ficar ao alvo de situação como esta.
O SR. ADALMIRO MOURA — Peço a palavra para uma reclamação, Sr. Presidente. Com a permissão do orador.
O SR. PAULO BROSSARD — Concedo.
O SR. PRESIDENTE — Com a palavra, para una reclamação, o nobre Deputado Adalmiro Moura.
O SR. ADALMIRO MOURA — Sr. Presidente não seria, por sem dúvida, eu que tentaria ferir a dignidade do cargo de Assembléia que V. Exa. exerça, neste instante, “data venia”, porém, quero ponderar a V. Exa. que se foi posível ao nobre orador estabelecer considerações em tôrno da política do Sr. Rainieri Mazzilli quando na Presidência da República, em tôrno de problema ligados ao funcionalismo, não se pode ser negado a orador nenhum desta Casa, a nenhum Deputado, o direito de apartear o orador, em tôrno da matéria que foi objeto do discurso de S. Exa. “Data venia” Sr. Presidente, peço a V. Exa. reconsidere, para que seja possível o meu aparte.
O SR. PRESIDENTE — Decido da seguinte maneira:
A taquigrafia eliminará, de acôrdo com a promiro Moura, tôda metéria que não fôr pertinente cedência da reclamação do nobre Deputado Adal- ao assunto em debate.
Formulo um veemente apêlo ao nobre orador, para que ocupe a sua tribuna para o fim a que o Regimento lhe destina.
O SR. PAULO BROSSARD — Sr. Presidente, confesso que, agora, não entendo parte de sua decisão, no que diz com a ordem dirigida à Taquigrafia, no sentido de excluir ...
O SR. PRESIDENTE — ... a matéria que não seja pertinente ao debate, nos têrmos da reclamação, muito procedente, no nobre Deputado Adalmiro Moura.
O SR. PAULO BROSSARD — Sr. Presidente, o nobre Deputado Adalmiro Moura, pelo que entendi, não fêz esta reclamação. O nobre Deputado Adalmiro Moura lembrou que havia discutido êste Projeto, que aqui está, referente ao funcionalismo público, ao pagamento das taxas de água e luz pelo funcionalismo público, lembrou que eu fizera referência a um ato do Presidente e Provisório da República, Sr. Deputado Rainieri Mazzilli.
O SR. PRESIDENTE — Nobre Deputado, o tempo de V. Exa., conforme soaram já as campainhas, está esgotado. Solicito a V. Exa. que conclua.
O SR. PAULO BROSSARD — Sr. Presidente, nos têrmos regimentais, peço prorrogação.
O SR. PRESIDENTE — Nos Vermos regimentais, defiro ao Plenário a decisão.
O SR. PAULO BROSSARD — É o que requeiro, Sr. Presidente
O SR. PRESIDENTE — Formulo um apêlo, novamente, para o nobre Deputado, no sentido de que em assunto de seriedade como êste, os trabalhos desta Casa não fiquem ao alvo de capricho dos Srs. Deputados. Estou procurando ser fiel ao Regimento para manter a regularidade dos trabalhos, V. Exa. iniciou sua oração dizendo que nem sequer tinha intenção de debater a matéria e que só o fizera porque o nobre Deputado Ary Delgado pedira a palavra em último lugar. A Presidência assegura a palavra a todo o orador, solicitando que o mesmo se atenha ao Regimento, eseprando com isto a cooperação dos Srs. Deputados. De sorte que, embora, V. Exa., tenha, realmente, se desviado do assunto, mas, desejando novamente mais tempo para examinar a matéria, vou submeter ao Plenário a prorrogação do tempo de V. Exa.
Os Srs. Deputados que, de acôrdo com o Regimento, concordarem com a prorrogação de tempo para que o nobre Deputado Paulo Brossard permaneça na tribuna, queiram conservar-se sentados, (Pausa) Aprovado. V. Exa., nobre Deputado Paulo Brossard, poderá permanecer na tribuna pelo espaço de 20 minutos.
O SR. PAULO BROSSARD — Agradeço previamente aos Srs. Deputados que concordaram com a prorrogação de meu tempo na tribuna e quero, neste momento, lavrar o meu mais veemente protesto, o mais solene protesto pelo tratamento que V. Exa., Presidente, está me dando na tribuna. V. Exa. chegou ao ponto de cometer uma injustiça, ao afirmar que eu nem pretendia discutir a matéria, Sr. Presidente, vali-me de uma circunstância, de um fato, para poder comentá-la desta tribuna. Foi, quando o nobre Deputado Ary Delgado informou à Mesa que pretendia falar em último lugar e como nenhum dos Srs. Deputados quisessem falar e V. Exa. já anunciava o encerramento da discussão, foi que solicitei a palavra para debater a matéria. V. Exa., Sr. Presidente, é um homem de sensibilidade, de inteligência, não podia deixar de compreender o verdadeiro sentido de minhas palavras, Se V. Exa., que palestrava, naquele momento, com o nobre Deputado Cândido Norberto, ouvia a palavra encantadora do nobre Deputado Cândido Norberto, houvesse ouvido o rumo que tomou o assunto, por certo, haveria de compreender que eu precisaria de mais tempo para continuar o debate e teria notado também que não havia de parte do orador o propósito de se desviar do debate de um veto para tratar de assunto estranho ao mesmo. Trata-se de um assunto de grande importância e me parece que deve ser debatido o caso.
Ao demais, Sr. Presidente, ainda um dia desses, lembrava aqui, em defesa do nobre Deputado Jairo Brum, que estava na tribuna: nem todos argumentam da mesmo forma. Não tenho o brilho de V. Exa.. Não tenho os recursos de que V. Exa.. Não tenho os recursos de que V. Exa. dispõe à larga; não tenho a sua eloquüência, não tenho a sua ilustração, não tenho a sua objetividade. Tenho que fazer, às vêzes, grandes esfôrços para atingir objetivos que V. Exa., com leve esfôrço, atinge. Há pássaros que não têm remígios poderosos para alçar-se nos ares e fitar os próprios ares. V. Exa. tem remígios poderosos, eu não os tenho. Os meus discursos não têm a riqueza dos seus, a eloquüência dos seus, mas quem faz os meus discursos sou eu, com as minhas limitações, com aminha pequenez.
Lembrava um episódio ocorrido nesta Casa sôbre esta matéria, e não estou cortejando niguém, não estou cortejando o funcionalismo, não estou fazendo gentilezas com o erário público. Lembrava um episódio havido aqui, nesta Assembléia, quando se votava o aumento do funcionalismo do Estado, e eu, Deptuado de Oposição, não apresentei nenhuma Emenda. E, na discussão do Projeto, fiz longo discurso, bastante amargo e creio que dizendo algumas verdades, que nunca tinha sido ditas, com relação à política predominante em nosso País e em nosso Estado, que quase se circunscreve a conceder vantagens ao pessoal, objetivando vantagens de ordem eletioral. Isto eu nunca fiz, e lembrei êste episódio para mostrar quenão seria agora, em torno dêste Projeto, que eu iria fazer.
Com isto, já está dito, Sr. Presidente, que me parece que o Projeto é justo, que o Projeto deve ser mantido por esta Casa e que o veto não tem razão de ser nem convence.
O Sr. Jairo Brum — V. Exa. permite? (Assentimento do orador) Quero, nesta oportunidade, dizer a V. Exa. que prestei atenção à sua argumentação. Acho-a brilhante, e não houve desvios. Não posso admitir que os Deputados sejam tolhidos na sua maneira de argumentar, porque, amanhã, nesta Casa, ninguém poderia mais encaminhar seu discurso. De forma que, daqui da minha tribuna, lhe hipoteco a minha integral solidariedade, porque V. Exa. está falando com precisão e resguardando o direito de o Deputado se manifestar nesta Casa do Povo.
O SR. PAULO BROSSARD — Imagine V. Exa. se eu me servisse de uma história, de uma lenda e, então, poderia parecer que eu estava enganado, que não me encontrava numa academia de letras e sim na Assembléia Legislativa, mas posso me servir de um Apolo, de uma lenda, de uma história para dela tirar conseqüências, conclusões. Bem pode ser que o Deputado que ora fala não tire conclusão alguma e que esteja sendo infelicíssimo, mas enquanto não termina seu pensamento é, muito difícil se dizer que está se desviando do assunto, porque às vêzes — e não raras vêzes — os argumentos são buscados de longe.
O Sr. Cândido Norberto — V. Exa. permite? Quero evidenciar que V. Exa. é um Parlamentar que nunca usou de projetos relativamente a pessoal para fazer corte eleitoral ao funcionalismo e que êste Projeto que se discute, Projeto que foi vetado pelo Govêrno, deve merecer um tratamento especial de parte desta Casa, de vez que não expressa a vontade de fazer proselitismo e sim impedir que se cometa injustiça que não pode ser defendida.
O SR. PAULO BROSSARD — E mais do que injustiça, pôsto que é uma calamidade.
O Sr. Cândido Norberto — E por mais que nos preocupemos com o funcionamento da CEEE — e mesmo que seja da CEEE, que, realmente, é importante nesta hora — o que não se pode admitir, e que é inaceitável é que o Govêrno mande cortar a luz de quem não tem dinheiro para pagar porque não recebe do Govêrno, com a agravante de que quem não recebe dinheiro seja, ainda, compelido a fazer uma nova despesa, a pagar .o servico de uma religação. O Govêrno deve ter razões de ordem técnica para executar o Projeto, mas a sua capacidade na regulamentação e execução da Lei é que está confiada à tarefa de impedir esta injustiça, que, estou certo, o próprio Govêrno e Secretários de Estado não desejam seja cometida.
O SR. PAULO BROSSARD — Aliás, V. Exa., diz muito bem e agradeço o seu depoimento. Realmente, nunca vim à tribuna para discutir projetos de pessoal. Acho, inclusive, que êsse é um dos nossos males. Entretanto, Sr. Presidente, Srs Deputados, êste Projeto é diferente. E vou logo ao mérito do Projeto, sabre o qual pretendia fazer uma série de considerações, as quais já não estou mais com disposição para fazer, mas vou, repito, logo ao mérito de assunto.
O Sr. Cândido Norberto — V. Exa. permite? (Assentimento do orador).
Eu, inclusive, tenho grande curiosidade para conhecer o seu pensamento relativamente, digamos, a aspectos de ordem legal, de ordem jurídica, de ordem constitucional, até; que eventualmente se possa levantar contra o Projeto.
O SR. PAULO BROSSARD — O problema é muito simples, Sr. Presidente, é êste que se apresenta aos Srs. Deputados: o Estado não paga em dia os seus servidores. Não vou dizer que o Estado faça isso por ser máu, não vou dizer que isso se deve ao fato de o Sr. Siegfried Heuser não ser mais Secretário da Fazenda. S. Exa. tem sido substituido por homens de igual talento, envergadura, competência. Por certo que o Estado está enfrentando dificuldades momentâneas, dificuldades que não lhe permitem pagar, em dia, a remuneração pecuniária aos seus servidores. Não posso crer que o Estado não pague os seus servidores, em dia, porque o Deputado Siegfried Heuser não é mais Secretário da Fazenda: não posse crer que não pague os servidores em dia porque o Govenador do Estado não quer.
O Sr. Siegfried Heuser — Ou porque V. Exa. não é o Secretário da Fazenda.
O SR. PAULO BROSSARD — Ora, meu Deus do Céu, quem sou eu para me equiparar a V Exa.?!
Mas o fato é êste: o Estado não paga, em dia, os seus servidores. Poderia dizer que era por máu, porque o Governador é máu. Não digo isso, não seria decente dizer isso, não tenho elementos para fazer uma assertiva desta ordem. Agora, o fato na sua nudeza, na sua simplicidade, na sua objetividade é êste: o Estado não paga, em dia, os vencimentos dos seus servidores mas os seus servidores moram numa casa, numa casa que tem água e tem luz...
O Sr. Cândido Norberto — As vêzes não tem. (Risos)
O SR. PAULO BROSSARD — ... e quem fornece água e quem fornece luz é o Estado, na maior parte dos Municípios e é realmente a êsses municípios que o Projeto teria aplicação. Quer dizer, o mesmo Estado que é devedor do funcionário pelos seus vencimentos, é credor pelo uso que o funcionário faz da água e da luz. Mas se o funcionário não recebe do Estado os seus vencimentos, não pode pagar ao Estado pelo uso da água e da luz que faz. O assunto poderia resumir-se em têrmos jurídicos: existe a compensação entre credor e devedor, entre devedor e credor. O funcionário é credor do Estado e é devedor do Estado.
Na medida em que os créditos se cruzam se compensam.
O Sr. Synval Guazzelli — Princípio comesinho de Justiça.
O SR. PAULO BROSSARD — Mas, compreendemos, de outro lado, que os serviços industriais do Estado tais como de água, de luz, devem ar tratadas com muito cuidado e à sua custa não podem ser feitos favores. Creio que tôda esta Casa pensa assim. Aqui, entretanto, não se trata de fazer favor, se trata de banir esta realidade que às vêzes é dolorosa. Muitos funcionários têm vencimentos de Cr$ 8.000,00, Cr$ 10.000,00, Cr$ 15.000,00 para receber e não recebem, mas têm de pagar uma conta de Cr$ 400,00, de Cr$ 500,00 e até de Cr$ 1.000,00. Mas porque não recebem êsses milhares de cruzeiros não podem pagar esta conta. É o credor, é o mesmo devedor.
Mas, então, é razoável, é justo, é humano e vou dizer mais, é moral, que o Estado que não paga, certamente porque não pode, vai cortar a luz e a água do funcionário que também não lhe paga porque não pode? E não pode pagar porque não recebe vencimento.
É uma situação extraordinária. Creio que esta Lei, se aprovada, no dia em que se normalizarem as condições financeiras do Estado, deverá ser, até, revogada. Mas, nesta situação, nesta emergência, quer me parecer que é imperioso que a Assembléia vote esta Lei.
O Sr. Adalmiro Moura — V. Exa. permite? (Assentimento do orador)
Apenas um esclarecimento em tôrno da matéria. Estou de acôrdo com o mérito da proposição desejo votar contráriamente.
Agora, peço que V. Exa. esclareça uma questão de ordem jurídica: as dívidas particulares podem ser compensadas com as dívidas do Estado?
O SR. PAULO BROSSARD — Não indago, não faço esta ...
O Sr. Adalmiro Moura — V. Exa. não falou em compensação de dívidas?
O SR. PAULO BROSSARD — Não faço esta indagação porque me parece que o problema não é desta ordem. O problema é mais, até, de ordem moral.
O Sr. Adalmiro Moura — Pergunto, também...
O SR. PAULO BROSSARD — Vamos chegar até lá.
O funcionário não paga a sua luz ou a sua água ao Estado? Por que o Estado ainda não opagou? Por amor de Deus, perece que deve haver um equânime a êsse miserável funcionário que a sua luz cortada, a sua água cortada. Por que? Porque é um devedor relapso?
Não. É porque não recebem. Devedor relapso, nesse caso, seria o Estado, não o funcionário. O problema não é de ordem jurídica, é de ordem moral. Mas não conheço princípio que exclua a compensação dos créditos, pelo fato de um credor ser Estado. É corrente, aliás, a compensação das dívidas mesmo em ,se tratando de dívidas fiscais. mas no caso não se trata de dívida fiscal e sim de um preço, porque o que o Estado cobra pela água, pela luz, não é pràpriamente um crédito público, é resultado de um serviço de natureza industrial, é o que se chama um preço político, não depende da autorização orçamentária, pode ser aumentado no meio do exercício orçamentário sem que haja infração da norma constitucional do artigo 34, do artigo 141.
O Sr. Adalmiro Moura — Concordo com a opinião de V. Exa.
O SR. PAULO BROSSARD — Eu me regozijo, porque teremos melhor ambiente para êste debate.
O Sr. Ary Delgado —V. Exa. permite? (Assentimento do orador)
Deputado Paulo Brossard, eu gostaria de ouvir a opinião de V. Exa. sôbre a afirmativa que faz, na Comissão de Finanças e Orçamento, o nobre relator Mílton Dutra, especificamente quando se refere à afirmativa de que o projeto é da exclusiva alçada do Poder Executivo. Embora este não tenha sido o caso, mas o Chefe do Poder Executivo foi invocado pelo relator.
0 SR. PAULO BROSSARD — Não tenho a menor dúvida, nobre Deputado Ary Delgado, posso concordar com isso, se eu tivesse que fazer uma declaração de um particular, de que êste assunto não é de exclusiva alçada do Poder Executivo, muito ao contrário, é de alçada do Poder Legislativo, matéria de lei que deve ser regulada pelas duas vontades. Poder Executivo e Poder Legislativo, até porque se trata de interferir no modo de pagar, de descontar uma parte dos vencimentos e, de outro lado, trata-se de dar uma disciplina determinada, limitada, transitória, à percepção, pelas autarquias, estaduais do que elas recebem em retribuição ao serviço de empréstimo, seja no setor da água, seja no da luz. É assunto sôbre o qual, a menos que haja lei que o disponha, quer-me parecer que o Poder Executivo não poderia determinar tal.
O Sr. Synval Guazzelli - V. Exa. permite? (As sentimento do orador)
Desejo esclarecer que, inclusive, a Comissão de Constituição e Justiça examinou o projeto e emitiu parecer favorável. Sob êste ponto-de-vista, a Comissão Técnica da Casa já deu seu parecer favorável ao Projeto.
O SR. PAULO BROSSARD — Não vejo, nem longinquamente — e pode ser que esteja enganado, pois não estou aqui para dizer a última palavra sôbre o assunto, não posso dizê-la — não me surge ao espírito qualquer argumento que me autorize fazer assertiva tão categórica como esta, feita no Parecer.
O Sr. Synval Guazzelli — V. Exa. permite um aparte? (Assentimento do orador)
Parece que as razões do veto referem uma preocupação com os ingressos na CEEE. O que é de estranhar é que o próprio Poder Executivo seja, também devedor na CEEE. Ele também deve à CEEE, não tem seus pagamentos em dia com a autarquia.
O SR. PAULO BROSSARD — V. Exa. tem tôda a razão, nobre Deputado.
O Sr. Ary Delgado - V. Exa. permite um aparte? (Assentimento do orador)
Gostaria de destacar justamente o Artigo 2º, que estabelece a faculdade de regulamentação. Se existem dificuldades, o Poder Executivo, através da regulamentação, poderá dirimi-las.
O SR. PAULO BROSSARD — V. Exa. tem tôda a razão. V. Exa. deixou o Poder Executivo com a larga margem para disciplinar a matéria. Entendendo que a matéria não era da competência do Poder Legislativo, deu ao Poder Executivo amplos poderes para solucionar o problema que está a torturar muita gente.
Seria até um modo de o próprio funcionalismo tolerar menos mal êstes atrasos sucessivos no pagamento dos seus vencimentos em que o Estado vem incorrendo.
Seria o modo porque saberia que pelo menos água e luz teria. Convenhamos que um funcionário, que não recebe vencimentos, um belo dia tem a água e luz de sua casa cortadas porque o Estado não lhe paga os vencimentos e é o próprio Estado que lhe vai cortar a água e luz. Não há quem resista, quem aceite isto. É uma brutalidade, uma verdadeira brutalidade.
O SR. PRESIDENTE — Nobre Deputado, informo-lhe que está esgotado o seu tempo.
O SR. PAULO BROSSARD — Vou encerrar, Sr. Presidente. Não faço outras considerações porque o meu tempo está encerrado, mas eu pediria a atenção dos Srs. Deputados amigos do Govêrno, que apóiam o Govêrno para esta situação de tremenda iniquidade, muito mais que de iniquidade, de crueldade. Uma pessoa, que não recebe seus vencimentos, embora tenha trabalhado, que não recebe porque o Estado não lhe pode pagar e certamente tolera, compreende, pois o nosso povo é compreensivo é o funcionalismo também tem de ser compreensivo, esta pessoa um belo dia vê a água e a luz de sua casa cortadas porque não pôde pagar as contas e não as pôde pagar porque o Estado não lhe paga, quando foi justamente o Estado que lhe cortou a água e a luz. É demais, Sr. Presidente. Creio que os nobres Deputados amigos do Govêrno, que apóiam o Govêrno hão de examinar o problema como deve ser examinado, sob o ângulo daqui proporcionado. Hão de convir, nobres Deputados que a palavra pelo menos de um Deputado de (?)sição [inelegível] situou o problema em têrmos de entendimento, em têrmos de permitir que o assunto seja examinado com o bom senso, com o equilíbrio, especialmente sob o prisma a equidade. Era, Sr. Presidente, o que podia dizer nesta emergência sôbre o assunto. (Palmas)
(Discurso não revisto pelo orador).


O SR. PRESIDENTE — Está esgotado o tempo da presente sessão. Foi iniciada às 14,15 horas e deverá encerrar-se às 18,15 horas. O projeto vetado continuará em discussão na sessão de amanhã. Não havendo mais matéria e estando esgotado o prazo da presente sessão, encerro-a, convocando outra para amanhã, à hora regimental, com a seguinte
ORDEM DO DIA
Discussão e votação dos Projetos de lei n.°s 222-60, 30-61, 444-58 e 104-60.
Deixaram de comparecer os Srs. Deputados:
José Vechio, Paulo Couto, Zaire Nunes, Guilherme do Valle, Antônio Bresolin, Hélvio Jobim, Moab Caldas, Naio Lopes, Poty Medeiros e Adaury Filippi.
Levanta-se a sessão às 18,15 horas.

MATÉRIA ENVIADA A MESA
PROJETO DE LEI N.°

Revoga a lei n.° 4.125, de 2 de se¬tembro de 1961.
Art. 1.º — É revogada a lei n.° 4.125, de 2 de setembro de 1961.
Art. 2.° — Esta lei entrará, em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 31 de agôsto de 1961.
Sala das sessões, em 11 de setembro de 1961.
Deputado Cândido Norberto

PEDIDO DE INFORMAÇÕES

Senhor Presidente
O Deputado que êste subscreve, requer a v. Exa., nos têrmos regimentais sejam solicitadas ao Poder Executivo as seguintes informações:
1.0) — qual o total de gastos feitos, no exercício de 1960, tanto pelo Estado como pelas Autarquias, à conta das dotações da rubrica "Seguros” das leis orçamentárias então em vigor?
2.°) — quais os gastos com seguros feitos à conta de dotações não específicas, como as votadas para o II Plano de Obras de Estado, e outras?
3.0) — qual a natureza dos seguros autorizados, prêmios pagos, risco coberto, quantia segurada e companhias com que foram contratados, caso a caso
José Zachia

PROJETO DE LEI N.º
Concede auxílio e autoriza a abertura de crédito extraordinário.
Art. 1.0 — É concedido um auxílio de Cr$ 1.000.000,00 (um milhão de cruzeiros) ao município de Quaraí, a fim de atender a despesas com a recente cheia ocorrida naquele município.
Art. 2.° — É o Poder Executivo autorizado a abrir um crédito extraordinário de Cr$ 1.000.000,00 (um milhão de cruzeiros), destinado à concessão de auxílio aludido no artigo anterior.
Art. 3.0 — Revogam-se as disposições em contrário.
Art. 4.0 — Esta lei entrar áem vigor na data de sua publicação.
Sala das sessões, em 11 de setembro de 1961.
Dep. Ary Delgado

PROJETO DE LEI N.° 36-61,
DE 14 DE JULHO DE 1961
Concede dispensa de pagamento do Impôsto de Transmissão de Propriedade "inter vivos".


Art. 1.0 — É dispensada a Associação Satélite Prontidão, com sede em Pôrto Alegre, do pagamento do Impôsto de Transmissão de Propriedade "inter vivos" incidente sôbre a compra, a ser efetuada pela referida entidade, de uma propriedade de Serema Costa Pessoa e seu marido Ary Sannaret da Silva Pessoa, à rua José do Patrocínio, 279 e 281, cujo terreno mede 13,20m (treze metros e vinte centímetros) de frente por 55,00 (cinqüenta e cinco metros) de frente a fundos, sempre com igual largura; entestando com a citada rua, com o Arroio da Azenha e com imóveis de Alberto Menna Barreto e Agenor Adalberto Carrilho tudo pelo preço de Cr$ 530.000,00 (quinhentos e trinta mil cruzeiros),
Art. 2.° — O imóvel de que trata o artigo anterior destina-se a sede da entidade, bem como a instalações que que digam respeito com suas finalidades estatutárias, sendo devido o impôsto ora dispensado no caso de ter outra destinação.
Art. 3.° — Revogam-se as disposições em contrário.
Art. 4.º — Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação.
Assembléia Legislativa do Estado em Pôrto Alegre, 12 de julho de 1961.

"ANO LANDELIANO".

HÉLIO CARLOMAGNO
Presidente
Alcides Costa
2º Secretário
Mário Vieira Marques
4.º Secretário

PASSEANDO NO MERCADO PÚBLICO

LONGE DAS ATRIBULAÇÕES DO CONGRESSO NACIONAL, A EX-DEPUTADA FEDERAL LUCIANA GENRO PASSEAVA ONTEM POR VOLTA DAS 14 HORAS NO MERCADO PÚBLICO. NUMA DAS BANCAS, PAROU PRA CUMPRIMENTAR UM POSSÍVEL ELEITOR QUE LHE FOI SIMPÁTICO. E SEGUIU SEU CAMINHO.


LUCIANA ESTÁ NO OLHO DO FURACÃO COM UMA MATÉRIA QUE A REVISTA VEJA FEZ SOBRE UM CURSINHO QUE A EX-DEPUTADA MONTOU CHAMADO DE EMANCIPA....

TITULO DA REPORTAGEM

EM NOME DO PAI....

MAIS SUTIL, IMPOSSÍVEL!

Coleguinhas

A APRESENTADORA IEDA RISCO, DA GUAÍBA, ESTEVE DIAS ATRÁS NO PROGRAMA BALANÇO GERAL,APRESENTADO PELO GORDO ALEXANDRE MOTTA.


aLGUNS ESTÃO FAZENDO CONFUSÃO;CHAMANDO O ALEXANDRE DE GUSTAVO MOTTA!!!!

Memória da redação...

CARTAS APÓCRIFAS

NA REDAÇÃO DO JORNAL DO COMÉRCIO


eM 1999, aconteceu umf ato muito lamentável e curioso na redação do Jornal do Comércio que acabou em registro policial.

A editora de Geral, Maria Nazaré de Almeida começou a receber umas cartas a chamando de gorda e outros insultos como o de que era uma mulher " que gostava de gurizinho".

- Não sou disto, e se fosse, seria uma coisa de minha vida íntima, diz ela hoje lembrando o episódio.

No começo, ela ficou além de chocada muito triste.

- Pô, me disse ela, eu fiquei triste porque embora tenha divergências ideológicas com muitos colegas, nunca tinha visto uma baixaria destas.

Como as correspondências apócrifas contra ela continuaram chegando, ela levou o assunto a delegacia de Mulher.

Foi aconselhada a fazê-lo por um colega já falecido, José Manosso.

No começo, houve muito rebuliço entre os colegas pelo fato de terem que depôr em uma repartição policial. Também foi até a redação do Jornal do Comércio uma autoridade ligada a Delegacia Regional do Trabalho, pra fiscalizar os banheiros femininos. Em função disto, algumas reformas foram feitas nos banheiros da redação.

O fato é que depois de muito vai e vem, o assunto ficou encerrado.

Era diretora de redação na época Virginia Lupi, uma jornalista que viera de São Paulo para dirigir a redação do JC.

Como Maria Nazaré de Almeida era delegada sindical, ela não foi demitida.
Mas quando terminou seu prazo(que é de um ano) foi dispensada pela empresa.

Foi então que foi trabalhar no gabinete de imprensa da prefeitura de POrto alegre.

Do episódio, lembra apenas:
- Fiquei muito triste com isto. Nunca tinha visto uma baixaria destas. Eu fora até colega do Hilário Honório( Adail Borges Fortes da Silva) na Folha da Tarde, que era um cara tri de direita, mas uma baixaria destas, nunca tinha me acontecido, relata, lamentando o que aconteceu.

Do nosso RATO DE BLOGS...


QUE PASSA O DIA RASTREANDO OS BLOGS DOS COLEGAS...

FIM DE ANO NA FACULDADE, O PROFESSOR ENTRA NA TURMA DO TERCEIRÃO E DIZ:
- PODE SAIR TODO MUNDO DA SALA, MENOS OS TRÊS FERAS. AÍ FOI AQUELA CORRERIA.

ENTÃO ELE SE DIRIGE AOS TRÊS ALUNOS; - FÁBIO (INTERNACIONAL), JUCA (JUVENTUDE) E O ZÉ (GRÊMIO):

- SÃO OS FERAS DA SALA! ENTÃO VOCÊS SÓ SERÃO APROVADOS SE RESPONDEREM COR RETAMENTE A PERGUNTA QUE IREI FAZER:
- O QUE MEU PÊNIS TEM A VER COM O HINO NACIONAL BRASILEIRO?
E EM SEGUIDA TIRA SEU PÊNIS DE 28 CM PARA FORA DA CALÇA E BATE COM ELE NA MESA.
O GREMISTA RESPONDE LOGO - GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA.
O JUVENTUDINO DIZ: - ÉS BELO, ÉS FORTE, IMPÁVIDO COLOSSO.
E O COLORADO MEIO SEM GRAÇA FOI ABAIXANDO AS CALÇAS E VIRANDO A BUNDA FALOU:
VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À LUTA...
Sérgio Oliveira

COBRA PEÇONHENTA....

Perguntei ontem ao Charqueadas onde andará o REMINDO, O ISENTO, PORQUE QUERIA que ele fizesse um artigo sobre o IMORTAL( JÁ QUE O CHARQUEADAS, APESAR DE GREMISTA, NÃO COMENTA FUTEBOL). ELE ME RESPONDEU:

- deve estar em NATAL AINDA.....

Quanta fel e maldade numa só pessoa......

História de La Ùndeze.


O RADIALISTA QUE TINHA IDÉIAS....


Completa-se hoje, dia 11/03 um mês da morte do radialista Guerino( Guerineto,era seu apelido) de Costa, que fazia sempre um trabalho excepcional no programa VOCE DEL VENETO, na rádio Odisséia FM( na verdade, ele era a alma do programa, quando o Paulo Massolini soava uma matraca, que dizem que foi do Fortunatto Migliavacca, comprador de porcos do Frigorífico Ideal e que a tocava pra avisar de sua chegada nas colônias todos paravam de fazer o que estavam fazendo porque sabiam que CUEL DE LE BUZIE( aquele das mentiras, numa tradução livre) contaria uma piada pesada, pesadona....Por conta disto, por exemplo, muitos colonos conservadores não o escutavam. E o engraçado de tudo isto era que o Guerino tinha um irmão padre( o padre Armando, que eu vi ele chorar no programa quando lembraram da morte do irmão, ele ficou em lágrimas) - que morreu da mesma doença do Guerino, ou seja Cirrose, os dois gostavam de destilados - e três irmãs freiras...

Mas o Guerino era o que os caras chamam de ovelha negra da família. Ele tinha uma casa de jogos( escondida,claro) onde durante anos um dos principais frequentadores era o delegado de polícia local( durma-se com um barulho destes)...

Mas também durante anos foi vendedor das chimias Miriiam, do Enio Massolini, um médico que hoje é também o dono da rádio Odisséia FM,onde Guerinet desenvolvia seu talento.

nO FERIADO de carnaval, fiquei sabendo pelos meus pais, que alguns anos atrás, o Guerino começou a procurá-los porque queria comprar um toco de terra( um pedaço de terra) que meus velhos tinham(agora venderam tudo pro Nelson Assoni, o Janguta local e um dos maiores capitalistas da cidade).A terra que oGuerino queria era a melhor que tínham meus pais, ou seja, um pedaço de morro cheio de velhos angicos e árvores nativas.

Volta e meia o Guerino ia lá querendo saber quanto queriam pela terra mas diz meu pai que eles sempre disseram que não estava a venda o local.

Ele alegava que esta terra seria para fazer uma sede campestre, um local pro CLUBE DOS MOTORISTAS, passarem horas agradáveis no meio do mato, porque ainda era e é um mato espesso, mas limpinho.

Pra ver como o Guerino tinha idéias e boas.

Até que um dia, sua mãe Santina Costela de Costa, que era vizinha de meus pais, os procurou e lhe disse:

- Não dêem bola pra aquilo que ele diz, é tudo mentira dele, ele está fazendo troça de vocês, é uma brincadeira dele.


Sei lá o que passava pela cabeça do Guerineto. Sei que morreu e com ele morreu um grande contador de frotole( mentiras, invenções) que a linha onze, a capela são pedro teve. Embora ele há muitos anos tivesse ido morar num outro lado da cidade, na capela Nossa Senhora Aparecida.

Era famoso na região. Tanto que quando ia vender as chimias do Enio Massolini na região, o procuravam pra lhe contar mais uma piada. Ele fazia de conta que a ouvia, porque a maioria ele proprio já as contara no rádio.

Está aqui na minha frente, neste momento que escrevo, uma foto que o jornal Gazetinha publicou dele, ele tomando um mate, sorrindo, na frente do microfone.

Engraçado que muitos domingos de manhã fui lá na rádio pra vê-lo atuar. ele realmente atuava, ele precisava de platéia pra contaruma piada, mesmo que fosse no rádio. Era neste sentido, um grande vaidoso....


De São Borja

HABITAÇÃO

Começa neste sábado a seleção dos moradores do residencial Maria Cristina

Crédito: DECOM/PSB

Maria Cristina Vargas


Conselho Municipal de Habitação analisará todas a inscrições e encaminhará as selecionadas para a Caixa Econômica Federal
O Conselho Municipal de Habitação se reunirá neste sábado (12/03) com o objetivo de analisar os cadastros para o residencial Maria Cristina Vargas. O maior projeto habitacional da história de São Borja envolve 360 apartamentos no bairro Maria do Carmo que serão destinados para famílias com renda de até três salários mínimos através do programa Minha Casa Minha Vida.
Todas as inscrições serão disponibilizadas ao Conselho, que fará a triagem das famílias que se encaixam nos critérios. Além da faixa salarial, os critérios para a seleção serão: no mínimo três e no máximo cinco integrantes na família, em função do número de cômodos no apartamento; mulher ser chefe da família; residir em São Borja há pelo menos cinco anos; não ter sido contemplado em outro programa habitacional. Ao todo serão escolhidas 432 inscrições: 360 que representa o total de apartamentos e mais 72 para a suplência. Após este processo, a lista dos selecionados será encaminhada para a Caixa Econômica Federal, que disponibilizará uma equipe para realizar visitações e conferir se os dados apresentados no cadastro condizem com a realidade da família.
Diversas reuniões do Conselho de Habitação foram realizadas para definir as diretrizes do residencial. “A fiscalização em torno da escolha é muito grande. As pessoas que irão residir no local serão definidas pelo Conselho de Habitação, que faz parte da comunidade. E também convidaremos o Ministério Público para participar do processo”, destaca o secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Edmar Haffermann.
Em relação as obras, o secretário destacou que elas estão dentro do cronograma previsto. “Quando o projeto foi lançado na metade do ano passado, a previsão de entrega era para agosto deste ano. Acredito que isto será possível”, enfatiza Edmar. Os 360 apartamentos serão divididos em 18 blocos, com cada bloco possuindo 20 habitações.

memória

A COLEGUINHA QUE NAMORAVA UM

HIPPIE DA PRAÇA DOM FELICIANO


foi enterrada na terça de carnaval, na Jardim da Saudade, em Porto Alegre, a colega Maria Isabel TIMM a beta, que trabalhou na Caldas Junior,onde foi redatora,na rádiod a UFRGS e no Diário do Sul.

Nascida em 19.11.1953 na cidade de santa maria da boca do monte era filha do general Odacyr Luiz Timm e de Amélia Pereira Timm.

No começo dos anos 70,q uando o pai era general a Beta tinha a ousadia de namorar um hippie da Praça dom Feliciano. Os hippies ficavam lá o dia todo queimando uns que outros e vendendo seus artesanatos.

A Beta levou pra casa seu namorado e deu um bonitaço de um rebu. Imagina a filha de um general conservador, em plena ditadura Médici, levar pra casa o namorado, um hippie da Praça Dom Feliciano.Era tudo de bom, ou pior, tudo de ruim...Só a Beta mesmo....

Ela morava nesta época com os pais e com uma irmã num apartamento da José do Patrocínio. Tinha uma irmã que
veio a falecer de um acidente de trânsito no ano de 1974, em Curitiba, no Paraná.

Beta é mãe da Juliana, nascida em 30.11.1973. Não sei se o pai da Juliana seria este hippie que a Beta namorou e que levou pra apresentar pra família( que evidente não gostou....)

Fui colega na Fabico da Beta Timm e lembro que ela morava no Bom Fim( na rua Fernandes Vieira, 317/203.

As vezes saímos da faculdade e íamos conversando banalidades até sua casa, de noite...

A Beta foi uma grande colega, mas depois que nos formamos, nunca mais a vi embora morássemos na mesma cidade.

Choses de la vie.....Não fui ao enterro embora tivesse visto a notícia do enterro perto do meio-dia, num bar que por acaso fica perto da Fabico, na protásio alves. É que o Jardim da Saudade, pra quem nãot em carro como eu, fica muito longe.

Inté, coleguinha....

Coleguinhas

Dia 8/03 foi enterrada uma querida colega da Fabico, com quem tinha perdido totalmente o contato depois da Faculdade. a Maria Isabell Timm, a Bella Timm.

Ela trabalhou na rádio da UFRGS.

Nunca mais soube do que estava fazendo. Mas vi no convite do enterro o nome da Juliana, sua filha que nos anos dos bancos escolares da Fabico, ela falava tanto.

A Bella timm morava na Fernandes Vieira, acho.

Seu pai era militar e ela tinha enormes conflitos com ele.

Imprensa

clique na imagem para ampliar

Eis a matéria publicada na edição passada da revista Veja, que trata do cursinho Emancipa, da ex-deputada federal Luciana Genro(Psol).

O assunto , ou melhor dizendo, a reportagem repercutiu dias atrás no parlamento gaúcho. O deputado estadual Giovani Feltes, do PMDB, falou sobre o caso e o deputado do PT,Daniel BOrdignon(PT) leu uma nota da própria ex-deputada em que informa que vai tomar medidas processuais contra a publicação.

DeSão Borja


A Terra dos Presidentes estava de ressaca, nesta manhã de quarta-feira de cinzas. A Cãmara Municipal, por exemplo, só abriria as 12h30 minutos.

A MADRE SUPERIORA E AS NOVIÇAS


Por Carlos Chagas


Com a volta de Dilma Rousseff a Brasília, ontem, fenômeno singular começou a acontecer: trata-se da corrida a que se lançaram os ministros até seus gabinetes, vindos de onde estivessem, para a partir de hoje poderem receber eventuais convocações da presidente. Fora os bissextos que permaneceram na capital federal, dois ou três no máximo, os demais haviam tomado o rumo de seus estados ou de capitais onde o Carnaval ferveu. De repente, sem a tolerância de anos anteriores, quando esticavam a semana de folga até a próxima, Suas Excelências entenderam por bem não facilitar. Chegaram ontem ou estão chegando hoje bem cedo, convictos de que mais do que fazer média com a chefe do governo, estão se precavendo contra possíveis estrilos por não se encontrarem em seus postos.
Convenhamos, as coisas mudaram muito. A leniente relação de outrora entre ministros e presidentes cedeu lugar a uma tensa expectativa de subordinação. A agenda de Dilma revela “despachos internos” a partir desta manhã, mas não se deve supô-los apenas circunscritos aos auxiliares com gabinete no palácio do Planalto. A referência abrange toda a Esplanada dos Ministérios. Em resumo: a Madre Superiora chegou ao Convento e as Noviças precisam estar em suas celas...
MICHEL DEU A TÔNICA
Antes do Carnaval, de passagem pelo Congresso, Michel Temer surpreendeu os integrantes da comissão especial da Câmara encarregada de propor a reforma política. Disse que todos os esforços deveriam ser empreendidos, mas que se no final a tentativa fracassasse, ninguém deveria sentir-se culpado. Afinal, não decidir também é uma decisão.
O comentário do vice-presidente reflete a previsão de que tudo pode dar em nada, ao menos enquanto permanecerem as tendências conflitantes de PMDB e PT. Os companheiros exigem o voto na legenda, para deputado, ou seja, ninguém votaria mais no seu candidato personalizado, mas em listas feitas pelos partidos, ou melhor, por seus caciques. A eles ficaria também o controle dos recursos do financiamento público das campanhas.
Já o PMDB inclina-se por outra direção: rejeita o voto na legenda e pretende transformar cada estado da federação num distritão, quer dizer, seriam eleitos o candidatos que recebessem mais votos, vetadas as coligações e as transferências responsáveis pela eleição que tem teve menos votos.
Pelas aparências iniciais, o conflito parece insolúvel, explicando-se o porque do ceticismo de Michel Temer.
EMPOLGAÇÕES
Na crônica política recente, poucos líderes empolgaram a opinião pública. Getúlio Vargas, cujo suicídio levou multidões às ruas, reflexo de suas leis de garantia do trabalho diante da reação das elites econômicas. Juscelino Kubitschek, delirantemente aplaudido ao deixar o poder, por conta da transformação desenvolvimentista efetuada durante seu mandato. Jânio Quadros, impulsionado por monumental histrionismo, excepcional oratória e apoiado pelas forças conservadoras infensas às conquistas sociais. Leonel Brizola, ao levantar o Rio Grande e a nação inteira na batalha pela legalidade, o cumprimento da Constituição e a posse do vice-presidente João Goulart. Certamente Tancredo Neves, ao tornar-se a expressão da vitória nacional sobre a ditadura. E o Lula, popularíssimo por exprimir a chegada de um operário ao poder.
Sístoles e diástoles tem marcado o processo político. Seria um pouco injusto fulanizar os outros presidentes que ocuparam o governo, desde Getúlio Vargas, mas populares eles não foram, do general Eurico Dutra a Café Filho, de Nereu Ramos a João Goulart, aos generais-presidentes, José Sarney, Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique.
A impressão é de que em seguida ao Lula, inscrito na primeira galeria acima referida, Dilma Rousseff terá poucas condições de empolgar a opinião pública. Mas poderá demonstrar qualidades iguais ou até superiores ao antecessor, na arte de administrar o país. Aguarde-se.
DEPOIS DO CARNAVAL, AS CINZAS
Já estamos em plena quaresma, quando os mais velhos recordarão que, quando crianças, nossas mães passavam cinza em nossas testas, quem sabe para livrar-nos de lobisomens, mulas sem cabeça e do próprio Capeta.
Diante do governo, com ou sem a marca de cinzas, movimentam-se os primeiros fantasmas. O maior parece ser a sombra da inflação, que alguns ingênuos e outro tanto de malandros alertam como forma de realizar reformas acopladas aos seus interesses. Exemplos: o corte de gastos públicos essenciais ao desenvolvimento e a mudança nos postulados fiscais para que “mais cidadãos paguem impostos, todos pagando menos”. Trata-se de um engodo das elites, que pretendem contribuir com parcela menor de seus lucros, desde que as massas hoje isentas sejam submetidas a encargos tributários.
Haverá que esperar outros assombrações, porque a quaresma tem quarenta dias, mas seria bom a presidente Dilma tomar cuidado. Um pouquinho de cinza na testa pode ser providencial para seu governo livrar-se das armadilhas dispostas em sua trajetória.

Prefeito recebe Soberanas da Femaçã


O Prefeito Municipal Ademir Antônio Presotto e o Vice-Prefeito Flávio José Breda receberam, no dia 02 de março, as Soberanas da 8ª Festa Nacional da Maçã e Feira Agroindustrial – Femaçã. O evento será realizado de 15 a 17 e de 21 a 24 de abril de 2011, em Veranópolis, a Terra da Longevidade. Durante a Festa, os visitantes poderão assistir a shows nacionais, como Victor e Leo, haverá também muita gastronomia, produtos e serviços.
O Prefeito Municipal agradeceu a visita, ressaltando a importância da participação da região nos eventos promovidos pelos municípios.

POR ONDE ANDA?


uM COLEGA bLOGUEIRO perguntou pelo Milton Zuanazzi, que entrou pro PT junto com a presidenta Dilma Rousseff em março de 2001, num evento feito na Câmara Municipal de Porto Alegre.

|Pois informo ao colega e aos leitores que o Zuanazi, ex-vereador do PDT de Porto Alegre, está na iniciativa privada( ligado ao turismo) no Rio ou Sampa.

Largo o serviço público.


RATO DE BLOGS


Já conheci muitos jornalistas que eram ratos de redação. Simplesmente só faltava uma cama pra dormir lá. Tinham a impressão de que se eles fossem embora, iria vir a notícia do fim do mundo...

Mas o colega aqui, que colabora neste blog, o Sérgio Oliveira(segundo alguns é porque tem tempo de sobra, mas eu acho que é porque gosta mesmo). Decepcionado porque meu blog não foi atualizado neste feriado( eu me esqueci de colocar um aviso disto) ele me mandou dizer ontem,lacônico;


' EU NÃO ENTENDO. OUVI NO FERIADÃO E OS CARAS DISSERAM QUE JORNALISTA NÃO FAZ FERIADÃO. EU NÃO FIZ. TODO DIA VERIFICAVA SE OS BLOGS TINHAM SIDO ATUALIZADOS"

bOTA AMOR PRA NOTICIA, NISTO!!!!

POR DO SOL NA USINA

FOTOS DE AVANI STEIN

Torres

Em Torres, na terça de carnaval, os turistas olham o mar....Que atração terá o mar?!

O local parece ser o morro aquele ...porque lá embaixo divisa-se a Prainha!

Foto de Lauro Dieckmann.

A MARCA DA PERUCA....


Diz o Guto Villanova, do Sonoridades, da UFRGS, que quando ele trabalhou na EPTC tinha um colega na empresa que tinha três perucas loiras:

- nos enchemos tanto o saco dele, que um dia ele encheu o saco de nossa aporrinhação e apareceu que nem um KOJAK....mas ficou com a marca na cabeça!!!!!


Cinzas

Ontem foi dia de cinzas....


LEMBRA-TE, HOMEM, QUE VIESTES DO PÓ E AO PÓS VOLTARÁS....

Assim o padre,colocando um pouco de cinza na cabeça da gente, nos aterrorrizava quando éramos crianças e íamos sempre a missa neste dia....

 

O ódio inexplicável contra quem quer mudar o mundo


Esclarecimento. Este blog tem livre expressão, embora muitas vezes o editor não concorde com ela, como neste caso.

Por
Rafael Jardim

http://www.jornalopcao.com.br

Ato de barbárie praticado pelo “atropelador de ciclistas” é apenas mais uma manifestação de intolerância àqueles que têm uma causa e que lutam por ela
O vídeo que mostra o bancário Ricardo Neis atropelando dezenas de ciclistas na última sexta-feira, 25 de fevereiro, chocou não só o Brasil, mas o mundo, e levanta algumas reflexões importantes. Embora tenha sido marcante pela crueldade e frieza do ato, ela está longe de ser a primeira reação raivosa contra os mais diversos tipos de manifestações de rua. Uma parcela considerável das pessoas tem absoluta ojeriza desses atos e costuma julgar quem participam deles de “vagabundos” e “baderneiros”. Muitas vezes, a reação é pior com isso do que com notícias de desmandos das autoridades ou de casos horrendos como de estupros, assassinatos em massa ou casos de pedofilia.
Essas pessoas muitas vezes utilizam o argumento do “estado de direito” para questionar a legitimidade dessas manifestações, atos ou ações coletivas. Para elas, se estamos nesse estado de direito, são as instituições do Estado e a justiça que devem resolver tudo. Acontece que existem várias alternativas para se tentar solucionar muitos problemas com os quais a sociedade convive. Muitos são pela via institucional e diplomática, outros pela ação do Estado, e outros somente serão solucionados por meio da pressão popular. Ora, teríamos findado a ditadura militar fazendo um abaixo-assinado, ou enviando cartas aos militares? Mubarak teria decidido sair do poder no Egito depois de reuniões a portas fechadas com seus opositores? O Congresso Nacional aprovaria o impeachment de Collor sem os caras-pintadas na esplanada? Em quanto tempo a justiça o derrubaria? Anos após o fim de seu mandato?
É o caso das reivindicações do movimento Massa Crítica, que se originou em São Francisco, EUA, na década de 90, e se espalhou para várias cidades no mundo. Sua luta é por meios de transporte alternativos, por um transporte coletivo de qualidade, por ciclovias, por respeito ao pedestre e ao ciclista, pelo meio-ambiente, contra o sedentarismo e contra o caos urbano que engloba engarrafamentos infernais, acidentes fatais e brigas e discussões estúpidas no trânsito. Para isso, na última sexta-feira de cada mês, no início da noite, ciclistas de todas as idades se reúnem para, simplesmente, andar de bicicleta.
Nesse momento, muitos podem fazer alguns questionamentos. Por que não avisar a polícia ou a Secretaria de Segurança, para serem escoltados? Por que ocupar toda a via? O argumento do movimento em relação à primeira questão é plausível: qual o sentido de pedir escolta de carros e outros veículos em uma manifestação de ciclistas que lutam pelo uso de meios de transporte alternativos?
Em relação à segunda questão, a resposta é mais óbvia. Trata-se de uma forma de manifestação. Não é um mero evento festivo, uma celebração das bicicletas. É uma reivindicação, embora “indireta” e menos óbvia. Sugere uma provocação que deve suscitar reflexões por parte da sociedade. Algo como: “Por que me irritar com um movimento que acontece uma vez por mês, de noite, com duração de minutos, quando todo dia, ao ir trabalhar, me deparo com um congestionamento insuportável e com pessoas que utilizam seu veículo ora como brinquedo ora como arma, agindo como se fosse dono da rua?” E quem é que age como dono da rua, aquele motorista que não respeita um sinal vermelho, para na faixa de pedestres, estaciona em lugares reservados para idosos, anda em duas faixas, nunca aprendeu como dar uma seta, ou um grupo de ciclistas que pretende justamente fazer uma reivindicação?
No fim das contas, é uma espécie de reação contra o desrespeito diário aos ciclistas. Ou seja: “Você, motorista, não me respeita nas ruas, ocupa todo o espaço e me coloca em constantes situações de perigo. Pois bem; hoje, só hoje, só por alguns minutos, essa rua será minha.”
É triste e espantoso ver, nos portais como Terra e Uol, que permitem comentários dos leitores a respeito das matérias, a quantidade razoável de pessoas que, aproveitando-se do anonimato, elogiam e parabenizam explicitamente a atitude do atropelador, ao invés de simplesmente criticar – o que é justo e democrático – a forma como os ciclistas realizam sua manifestação. Ninguém está blindado contra críticas, mas enxergar aquele motorista como vítima e ver na sua ação um ato de justiça extrapola todos os limites do bom senso.
Do outro lado dessa batalha, duas mil pessoas protestaram nas ruas de Porto Alegre em solidariedade aos ciclistas, na noite desta terça-feira, 1º de março. E enquanto esse texto está sendo escrito, o Zero Hora, jornal gaúcho, acaba de noticiar que Ricardo Neis foi preso, horas depois de a juíza Rosane Michels ter decretado sua prisão preventiva. Justiça seja feita. E que a tolerância ganhe cada vez mais praticantes em nossa sociedade.


Porto dos Casais recebe Câmara na Comunidade nesta sexta

Vereadores da Câmara Municipal de Porto Alegre estarão nesta sexta-feira (4/3), a partir das 9 horas, na comunidade Porto dos Casais, localizada no bairro Ponta Grossa, em visita do projeto Câmara na Comunidade. O ponto de encontro será na rua Isabel Vargas Pinto, 41.

O Câmara na Comunidade foi implementado pela vereadora Sofia Cavedon (PT), presidente do Legislativo Municipal em 2011, e vem sendo realizado nas sextas-feiras pela manhã. Entre os locais já visitadas pelo projeto estão o Jardim Marabá, a Vila Minuano, o Beco dos Tabajaras, a Vila Herdeiros e a Vila Taquareira.

Luciana Borba (reg. prof. 7.832)
Assessoria de Imprensa da Presidência


Deputado destaca investimento de R$ 70 milhões em Passo Fundo

A empresa Manitowoc Crane Group, que investirá R$ 70 milhões na construção de uma fábrica em Passo Fundo, obteve nesta semana a confirmação de que será beneficiada com um pacote de incentivos fiscais por parte do governo do Estado. O deputado Luciano acompanhou a cerimônia, no Palácio Piratini, ao lado do governador Tarso Genro (PT), do prefeito Airton Dipp (PDT), do deputado Diógenes Basegio (PDT), do secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Beto Albuquerque, e de represe ntantes da empresa e lideranças políticas e empresariais. Em janeiro deste ano, a empresa havia firmado um protocolo de intenções em que solicitava os incentivos ao governo. ?Esse investimento representa uma grande vitória para Passo Fundo. Os incentivos concedidos são fundamentais para assegurar que a instalação da unidade se concretize e leve ainda mais desenvolvimento para Passo Fundo e região?, afirmou o deputado Luciano.


Informativo Deputado Luciano


O COISA PALESTRANTE


R$ 200.000,00 : R$ 545,00 = 366,972
SERGIO OLIVEIRA
APOSENTADO
CHARQUEADAS - RS


FILME QUE VAI ESTREAR BREVEMENTE NOS CINEMAS DA CAPITAL


DJANGO PERDOA, O CHARQUEADAS NÃO!!!!!!!


Coleguinhas

Morreu de um AVC, em Torres, dias atrás a mãe da apresentadora Cristina Mazzei, do Diversidades da Ulbra TV.

Diz o colega Glei Soares, companheiro da Cristina, que a sogra falecida sempre foi sua amiga....e que até quando ele andou separado da Cristina, a coroa sempre o tratou muito bem....


Agora a Cristina, me contou o Glei, não quer ir a Torres, onde a mãe adoeceu e depois morreu. Mas ele a levará até pra superar o trauma.


Coleguinhas

O MALABARISMO DO NOBRINHO

nada tira a tranquilidade do Nobrinho, assessor de imprensa do Inter. Na quarta, enquanto o presidente dava coletiva pra explciar que precisam de mais grana pras obras, o Nobrinho terminava seu cooper na avenida Osvaldo Aranha.

Ninguém nunca entendeu quem segura o Nobrinho no Beira-Rio. Uns dizem que é o seu grande malabarismo de lidar com os coleguinhas da imprensa..


Assessoria de Imprensa Serafina Corrêa Agenda:

07/03/2/11 Segunda-Feira
Programa Rádio Rosário AM
Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação
Horário: 11:30

Sessão Câmara de Vereadores Homenagem às Mulheres
Horário 19:30
08/03/11 Terça-Feira
Mensagem Prefeito Municipal Ademir Antônio Presotto
e da Primeira Dama Maria Carmen Montanari Presotto
Rádio Odisséia - Horário 10:00 - Rádio Rosário - Horário 11:25

Programa Rádio Rosário AM - ASCAR/EMATER
Rádio Rosário Horário: 13:00


09/03/11 Quarta-Feira
Histórico das lutas e Conquistas das Mulheres
Palestrante: Geni Dalla Rosa

Saúde da Mulher - Palestrante: Enfermeira Aline Todeschini Angheben

Local: Comunidade de Silva Jardim
Horário: 14:00


10/03/11 Quinta-Feira
Programa de Rádio Violência contra a Mulher-Lei Maria da Penha
Delegado de Polícia e Secretaria Municipal de Assistência Social
Rádio Odisséia Horário 10:00 - Rádio Rosário Horário 11:25

Histórico das Lutas e Conquistas das Mulheres
Palestrante: Geni Dalla Rosa

Saúde da Mulher
Palestrante: Enfermeira Aline Todeschini Angheben
Local: São Marcos
Horário: 14:00


11/03/11 Sexta-Feira
Segundo Concurso de Culinária e Primeiro Concurso de Salgados
Conselho Municipal de Clubes de Mães /
Clubes Associados/ASCAR/EMATER

Palestra: Saúde da Mulher
Palestrantes: Enfermeira Aline Todeschini Angheben e Dra. Sarita Crespo
Local: Clube dos Motoristas


12/03/2011 Sábado
Programa de Rádio Violência contra a Mulher-Lei Maria da Penha
Delegado de Polícia e Secretaria Municipal de Assistência Social
Rádio Rosário AM Horário 11:25

26/03/11 e 27/03/11 Sábado e Domingo
III Cavalgada da Mulher
Inscrições e informações pelos telefones 54 9917 9808 / 54 9168 8066.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

ESTÃO DISPONÍVEIS, NO CENTRO MUNICIPAL DE SAÚDE, AS VACINAS CONTRA
PNEUMONIA E MENINGITE PARA CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS. MAIORES
INFORMAÇÕES 3444 1330 OU NO SUS, DAS 7:00 ÀS 19:00.

A SECRETARIA DE AGRICULTURA ESTÁ REALIZANDO PEDIDO DE ALEVINOS: CARPA,
JUNDIÁ, LAMBARI, PACU, PIAVA, DORADO, SURUBIM E TRAIRA. OS PEDIDOS
PODEM SER FEITOS ATÉ HOJE, 04 DE MARÇO DE 2011 E A ENTREGA DOS MESMOS
ACONTECERÁ NO DIA 09 DE MARÇO DE 2011.

A JUNTA DE SERVIÇO MILITAR COMUNICA QUE O PERÍODO DE ALISTAMENTO ESTÁ
ABERTO ATÉ O DIA 30 DE ABRIL DE 2011, SENDO OBRIGATÓRIO PARA OS
BRASILEIROS DO SEXO MASCULINO NASCIDOS NO ANO DE 1993.


O PROGRAMA ALÔ SAÚDE ESTÁ À DISPOSIÇÃO DA POPULAÇÃO. QUEM QUISER FAZER
CONTATO COM A OUVIDORIA, É SÓ ENVIAR E-MAIL PARA
.

O SAMU 192 COMEÇOU SEUS SERVIÇOS NESTA SEMANA. EM CASO DE URGÊNCIA E
EMERGÊNCIA, LIGUE GRATUITAMENTE PARA 192.

DE 02 A 06 DE MAIO DE 2011 A JUSTIÇA ELEITORAL ESTARÁ NO TELECENTRO
FAZENDO ATUALIZAÇÕES E ALISTAMENTO DE NOVOS ELEITORES.

PARTICIPE DO ESPAÇO SERAFINA EM FOTO: ENVIE IMAGENS DO NOSSO
MUNICÍPIO, PONTOS TURÍSTICOS, BELEZAS NATURAIS... PARTICIPE! ENVIE SUA
FOTO PARA .

NO DIA 09 DE MARÇO, QUARTA-FEIRA, REINICIAM OS ENSAIOS DO CORO OS
CANARINHOS DE SERAFINA CORRÊA. AS AULAS ACONTECEM NA CÂMARA DE
VEREADORES ÀS 9:00 E ÀS 13:00. A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
COMUNICA QUE ESTÃO ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA OS NOVOS ESTUDANTES QUE
QUEIRAM FAZER PARTE DOS CANARINHOS. OS ENSAIOS ACONTECEM SEMANALMENTE,
NA CÂMARA DE VEREADORAS, ÀS 9:00 E ÀS 13:00.

A PREFEITURA MUNICIPAL COMUNICA QUE SERÁ CONSIDERADO PONTO FACULTATIVO
EM TODAS AS REPARTIÇÕES PÚBLICAS MUNICIPAIS OS DIAS 07 E 08 DE MARÇO
DE 2011, CONFORME DECRETO 006 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

Gràssie.
Adriana Sabadin - Assessora de Imprensa
54 3444 1130
54 9134 6411
www.serafinacorrea.rs.gov.br

Ato Institucional Número Cinco


Decretado pelo presidente Arthur da Costa e Silva, em 13 de dezembro de 1968, o Ato Institucional Número Cinco fechava o Congresso por prazo indeterminado, impunha o recesso dos mandatos de senadores, deputados e vereadores. Em defesa dos princípios da Revolução de 1964, o AI-5 autorizava a intervenção nos estados e municípios. Também dava ao Chefe do Executivo o poder de instaurar o estado sítio, proibir qualquer tipo de manifestações públicas de caráter partidário. Além disso, criava a censura prévia à imprensa e às artes, assim como suspendia o direito de habeas corpus para os chamados delitos políticos e ainda lhe permitia o uso de decretos-lei. Ou seja, para entrar em vigor, não era necessária a aprovação pelo Congresso.

Como foi – Com o Congresso posto em recesso, a cobertura jornalística praticamente ficou adstrita ao Palácio do Planalto. Mas, semanas depois do 13 de dezembro, consegui acesso de dez ou quinze minutos. O argumento que usei para convencer as sentinelas era o de que eu iria somente reaver uma câmara do jornal deixada num armário do Comitê de Imprensa da Câmara. Ao passar pelo Salão Nobre – lugar reservado para festas e comemorações – deparei-me com as duas bandeiras do Brasil que deveriam estar hasteadas nos mastros em frente à Câmara e ao Senado. Estavam estendidas nas mesas de mármore branco que ladeiam a grande sala de piso negro. Não perdi a chance de fazer essa foto que bem dá o clima de luto daquele momento. Orlando Brito.

Claudiohumberto.com.br

Saúde: CPI tem nova convocação de instalação para Quarta-feira de Cinzas

Deverá ser feita, às 13 horas da Quarta-feira de Cinzas (9/3), no Plenário Otávio Rocha, nova tentativa de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde na Câmara Municipal de Porto Alegre. Convocação com essa finalidade foi distribuída na tarde de sexta-feira (4/3) pelo Setor de Comissões da Casa. Em reunião realizada no final da manhã da sexta-feira, cujo objetivo era a instalação dessa CPI, não houve quorum.

A nova convocação marca a chamada dos integrantes da CPI para o Plenário Otávio Rocha, mesmo local onde às 14 horas deverá ser realizada a sessão ordinária das quartas-feiras. Para que uma CPI funcione é necessário quorum da maioria de seus integrantes: sete vereadores, de um total de 12. Também é determinado que, a partir da primeira convocação, uma CPI tem cinco dias úteis para ser instalada. Se isto não ocorrer, o processo é arquivado.

Conforme designação da vereadora Sofia Cavedon (PT), presidente do Legislativo porto-alegrense, deverão integrar essa CPI os vereadores Maria Celeste (PT), Aldacir Oliboni (PT), Idenir Cecchim (PMDB), Sebastião Melo (PMDB), Mauro Zacher (PDT), Nilo Santos (PTB), João Antônio Dib (PP), Paulinho Rubem Berta (PPS), Luiz Braz (PSDB), Waldir Canal (PRB) e Airto Ferronato (PSB). Completa a lista, o vereador Pedro Ruas (PSOL), autor do requerimento para criação dessa comissão de inquérito.

Facultativo

Na Quarta-feira de Cinzas a Câmara Municipal de Porto Alegre terá ponto facultativo até às 12 horas, quando deverá começar o expediente dos servidores. Na segunda (7/3) e terça-feira (8/3) também está marcado ponto facultativo durante todo o dia.

Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)


DO BLOG COTURNO NOTURNO


caiu como uma luva. tinha mandado um mail pro charqueadas, dizendo: ué, a Coréia, pagando 200 mil pra palestra...como todos já sabemos, não existe Papai Noel, nem almoço grátics.....


quinta-feira, 3 de março de 2011


Lula, em quarentena, pode estar atuando como lobista do consórcio coreano que disputa o trem-bala.
Está cada vez mais claro que Lula pode estar praticando tráfico de influência. A LG, que pagou exorbitantes R$ 200 mil por uma palestra de Lula, faz parte do consórcio TAV Brasil, liderado por empresas coreanas, que pretende participar do leilão do trem-bala, que ligará São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro. 22 empresas fazem parte do consórcio, que inclui, além da LG, grupos coreanos como Hyundai Heavy Industries, Samsung SDS, assim como construtoras brasileiras como a Constran, CR Almeida e Construtora Cowan.
if (window['tickAboveFold']) {window['tickAboveFold'](document.getElementById("latency-9189352299598551972")); }
Lula está, novamente, no fio da navalha em relação à legislação. Em termos éticos, está onde sempre esteve.
A quarentena é um impedimento de quatro meses depois da exoneração, impossibilitando autoridades públicas de exercerem atividade incompatível com o cargo anterior. A interdição tem como objetivo o resguardo de informações que não são de domínio público e que poderiam ser usadas em nome de interesses profissionais ou empresariais.

A Comissão de Ética Pública, órgão vinculado à Presidência da República, dedica um longo espaço para detalhar quem está sujeito à quarentena, depois de deixar o serviço público. Imaginem se Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República, não estaria andando no fio da navalha em relação às determinações, ao cobrar R$ 200 mil por uma palestra realizada para uma empresa privada, a LG Electronics do Brasil. Leiam abaixo a recomendação da Comissão de Ética Pública:

10. Ao deixar a função pública, que medidas devem ser observadas pela autoridade que não esteja sujeita à quarentena de quatro meses de que trata a MP 2225-45/2001, na forma regulamentada pelo Decreto 4187/2002?
Conforme o art. 14 do Código de Conduta da Alta Administração Federal, a autoridade, mesmo quando não está sujeita à vedação para trabalhar em sua área de atuação por quatro meses, deve observar o seguinte:
a) não atuar em benefício ou em nome de pessoa física ou jurídica, inclusive sindicato ou associação de classe, em processo ou negócio do qual tenha participado, direta ou indiretamente, quando no exercício da função pública;
b) não prestar consultoria a pessoa física ou jurídica, inclusive sindicato ou associação de classe, valendo-se de informações reservadas a respeito de programas ou políticas do órgão ou da entidade da Administração Pública Federal a que esteve vinculado, ou com a qual tenha tido relacionamento direto e relevante nos seis meses anteriores ao término do exercício da função pública.

Ora, em julho de 2005, Lula inaugurou a fábrica da LG no Brasil. Clique aqui para ler o discurso. Teve, portanto, ligação com a empresa. O seu governo concedeu várias isenções fiscais que beneficiaram os ramos de negócios onde a empresa atua. Há, portanto, um nítido conflito ético no fato de um ex-presidente da Republica, pouco mais de dois meses depois de deixar o cargo, realizar um trabalho remunerado para uma empresa privada. Lula detém informações privilegiadas sobre os planos do país com a banda larga, por exemplo. Conhecer detalhes destes projetos são uma vantagem imensa para uma empresa privada. A palestra pode ser apenas o jeito "laranja" do velhaco prestar consultoria, entregando segredos de estado para os coreanos.

Ninguém quer proibir Luiz Inácio Lula da Silva de ganhar a vida honestamente. Honestamente. Agora, é inaceitável que vá fazer uma palestra para uma empresa privada que tem grandes interesses em setores regulados da economia. Se Lula tivesse feito uma palestra para a ABINEE, a associação do setor, até seria aceitável. Se tivesse participado de um seminário para vários empresários. Agora, trabalhar para uma só empresa, cobrando um rio de dinheiro, não é aceitável. Vai contra a ética. É consultoria. É praticamente improbidade administrativa.


TIRAR O SENADO DAS PÁGINAS POLICIAIS


Por Carlos Chagas


Denúncias para valer foram feitas pelo senador Pedro Simon na quarta-feira, durante sessão da Comissão de Constituição e Justiça do Senado que criou uma subcomissão para propor a reforma administrativa da casa. O representante gaúcho informou serem 13 mil os funcionários postos à disposição de 81 senadores, entre concursados, ocupantes de cargos em comissão e terceirizados. A TV-Senado, em suas palavras, é mais luxuosa e bem equipada do que a TV-Globo, enquanto a Polícia Legislativa equipara-se às polícias do Exército, Marinha e Aeronáutica. Para o senador, a hora é de se criar uma nova ordem no Senado, já que deu em nada a reforma encomendada pelo presidente José Sarney à Fundação Getúlio Vargas.

Simon desabafou, afirmando que a cada ano o Senado ocupa mais espaços nas páginas policiais do que nas páginas políticas dos jornais, por conta de notícias sobre escândalos e similares. É preciso coragem para a mudança. Importa acabar com a omissão, pela qual todos são culpados, inclusive ele, com quatro mandatos. Apelou aos novos senadores para que liderem a reforma, não se deixando contaminar pela postura dos braços cruzados.

A subcomissão, se aprovada pelo plenário, terá 90 dias para propor alterações de vulto nas estruturas e no funcionamento do Senado, a começar pela proibição de senadores viajarem ao exterior com diárias e passagens pagas pelos cofres públicos. O presidente da CCJ, Eunício Oliveira, prometeu total transparência nos trabalhos. Será que desta vez acontece alguma coisa?

EMPATES AINDA POSSÍVEIS

Terá sido afastada a sombra de novos empates no Supremo Tribunal Federal, com a posse, ontem, do ministro Luiz Fux? Teoricamente, não, porque se durante determinado julgamento, um dos ministros se der por impedido, a hipótese do 5 a 5 ficará em aberto. Mesmo assim, completado o quorum de onze ministros, torna-se mais difícil o impasse.

A pergunta que se fazia, ontem, era sobre a decisão que a partir de agora será conhecida, a respeito da vigência da lei da ficha limpa. Caberá ao novo integrante da mais alta corte nacional de justiça definir se as novas regras moralizantes valeram ou não para as eleições de outubro passado. Para uns, infelizmente não, porque a lei não retroage para prejudicar. Outros, porém, situam a ética acima de filigranas jurídicas. O novo ministro, é claro, só se pronunciará a respeito quando apresentar o seu voto.

NO PAÍS DA FANTASIA

Importa menos saber se o Banco Central tinha ou não justificativas políticas e financeiras para elevar os juros até 11,75%. Dificilmente haverá acordo entre os que preferem evitar sinais da volta da inflação e os que apostam no crescimento econômico a todo custo.

O problema dessa nova elevação de juros é outro. Não dá para aceitar que grandes conglomerados nacionais e até multinacionais tomem dinheiro no BNDES a essas taxas, às vezes até menores, e o infeliz cidadão que entre no cheque especial pague 198% de juros aos bancos. Nem se fala do cartão de crédito, que custa ainda mais caro. A tecnocracia dará mil e uma explicações mas não dá para convencer.

Nessa época em que o governo corta na carne suas despesas, da ordem de 50 bilhões de reais, como justificar que os bancos apresentem lucro de 10 ou mais bilhões, incluídos no rol o Banco do Brasil e a Caixa Econômica? Junto com o novo slogan governamental de que “país rico é país sem pobreza”, bem que as oposições poderiam criar outro: “me engana que eu gosto”...

FANTASIAS (4)

Há que abrir alas para a Câmara, nessas especulações sobre as fantasias que os políticos poderão usar no Carnaval. O desfile seria iniciado com o “Bloco dos Irmãos Metralha”, composto por quantos se encontram sendo processados por improbidade, formação de quadrilha, fraude, roubo e sucedâneos. Nem vale à pena cita-los nominalmente, mas algum destaque precisaria ser dado aos mensaleiros que conseguiram reeleger-se em outubro passado.

Maldade seria referir que o Tiririca desfilaria como ele mesmo, mas outros grupos também fariam sucesso, como o das “Viúvas do Michel Temer”, com Henrique Eduardo Alves de porta-bandeira, liderando 76 peemedebistas ávidos de nomeações para o segundo escalão do governo. “Faz Escuro Mas Eu Canto” seria o bloco do PDT, com sua dissidência entoando “Saudades do Leonel”. “Me Dá Um Dinheiro Aí” marcaria a passagem dos deputados dos pequenos partidos do Nordeste, enquanto a bancada do PTB, unida, se apresentaria com fantasias de “Avatar”.

O presidente da Câmara, Marco Maia, de bombachas, lenço no pescoço, punhal e chicote nas mãos, comandaria os gaúchos do PT cantando “Rumo Ao Piratini”, samba-enredo completado pelo grupo “Tarso Genro no Planalto”. A ala dos baianos tumultuaria com o estribilho “A Vez É Do Jacques”. O diabo é que saindo da Praça da Apoteose para a concentração, na contra-mão, poderia surgir o Lula, vestido de “Cristo Redentor” e empolgando as arquibancadas.

DIREITO DE RESPOSTA!

A LEITORA NEUZA PENALVO, GRANDE COLABORADORA AQUI DESTE BLOG, FICOU INDIGNADA COM A NOTA SOBRE SÃO BORJA....E ISTO QUE ELES ME DEVEM A PONTE....DISTO NINGUÉM NUNCA SE LEMBROU, NÉ....QUANDO EM 1988 EU FUI COMO REPÓRTER PRA DAR FORÇA PRA PONTE, AÍ NINGUÉM SE LEMBROU DE MIM....

SÓ O VELHO E BOM AMIGO FARACO, QUE É DO ALEGRETE!!!!

paciência...
....tem limites! Não gostei nada de seu comentário sobre São Borja e o Trabalhismo. Se São Borja é a terra do tinha e trabalhismo não existe mais como vc afirma, me responda, o que vem fazer aqui nas homenagens ao Dr. Getúlio, Dr. Jango e Dr. Brizola? Vá para Serafina!

Neuza Penalvo

Correção

de são Borja.
errar nomes é feio, mesmo!

palestrante
Sr. jornalista: A palestrante na Sessão da Câmara foi a Professora Dra. Jandira Eloá Lopes. P/ela é muito importante a grafia de seu nome corretamente.
Agradeço.

Neuza Penalvo


IMPRENSA


ZERO HORA DESPREZA

NOTICIA DO FECHAMENTO DO

CENTENÁRIO BAR NAVAL NO

MERCADO PÚBLICO DE PORTO ALEGRE


Um jornal começa a morrer, quando os que o fazem se acham mais importantes que a notícia. Porque não sou nada da zero hora e portanto se ela vier a fechar, não perco absolutamente nada.
Só vou contar aqui um exemplo clássico de como um jornal despreza informação.


Um conhecido jornalista( estou dizendo jornalista,) que sabe o que é uma notícia e que costuma almoçar no Gambrinus ficou sabendo pela rádio corredor de que ao Naval iria fechar em poucos dias por vários motivos, que não vem ao caso....

qUANDO VOLTOU para seu escritório ligou para uma ligação que tem dentro do jornal. Pouco depois uma repórter retornou a ligação, querendo dados e ele passou o que sabia.

Não se sabe o que aconteceu nos bastidores. Passarem-se '15 dias eo primeirod a chamada grande imprensa a noticiar o fechamento do Naval, que tem mais de 100 anos, foi o cascatinha, no JC. Mas este blog deu a notícia junto com ele, na segunda, 28.02.

EM TEMPO.

O que se informa sobre o bar Naval é que ele foi comprado pelo Marco Zero. Há uma outra versão: de que o antigo proprietário seo João, um português, estaria querendo retomar o bar.

Ontem, um saudosista lembrou que entre osinúmeros clientes cativos do bar que iam lá tomar umas qui outras estavam o ex-secretário Diógenes de Oliveira, o ex-governador Olivio Dutra( na campanha de 1998, surgiu uma contrainformação de que a turma de Antônio Britto tinha um v´deo gravado da presença de Ólívido no Naval)os jornalistas Melchiades Strioher, Percio Buys Pinto, Valter Todt, o Barão( dono do jornal Kronica) e muitos outros como Emilio Chagas entre outros.

O Naval era um templo da música do carnaval. Nas sextas, mesmo fora de época, os sambistas se reuniam lá e ao gosto de uma baroldinha, ou de uma ceva, ou de um chopp, ficavam tocando velhas canções e marchas do carnaval.

De São Borja

Tá bom, viva São Borja...Mas uma vez no tempo que o prefeito Mariovane Weis anda querendo se reeleger e prometia o FRIBOI, eu vi e ouvi com estes olhos e ouvidos quando ele entrou num Ouro e Prata pra ir pra lá uma passageira lhe perguntar:
- Sr. Prefeito, o frigorífico vai ou não?

- Ué, pra são borja, tudo é sempre dificil, retrucou o alcaide.


MEMORIA DA IMPRENSA


antonio manoel de oliveira


andré simas pereira

O ATUAL SUPERINTENDENTE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO, jornalista André Simas Pereira, quando, nos anos 70, era um aguerrido e respeitável repórter de linha de frente. Fazia parte do que o velho Aveline chamava da turma dos " magros rurais" - ele, Carlos Wagner, Betão Andreatta,entre outros - que campeavam o interior do Estado atrás de matérias principalmente de probelmas com o monocultura da soja e com ao veneno pra matar a lagarta. O " pai" deles todos era o Carlos Alberto Kolecza, que segundo um motora da ZH me contou um dia, mandava parar o carro e " falava " com as vacas enquanto fumava seu inseparável cachimbo.

André ganhou vários prêmios ARI e tenho certeza que um ESSO, regional,t ambém . Sua saída da sucursal local VEJA, daqui foi meio traumática. Ele mandou uma matéria que foi totalmente reescrita em São Paulo( a VEJA pra quem não sabe tem apenas seis redatores finais que dão o saboroso texto que o leitor vai ler...) e lhe rendeu dores de cabeça. Ele pediu demissão irrevogável da Veja.

Depois de passar pelo COOJORNAL, onde foi um dos que mais fez matérias pro jornal da coooperativa, André assessora há alguns anos o deputado Adão Villaverde(PT) e agora ocupa a Superintendência de Comunicação Social da Assembléia Legislativa.


Antônio Manoel de Oliveira, chegou em Porto Alegre em 1966 e foi morar no IÀPI. Um dos primeiros habitantes da capital com quem ele travou contato foi o FUGHETTI LUZ, musico muito conhecido do bairro e um dos líderes do LIVERPOOL naqueles anos 60/70.

- E aí FOGUINHO, o interpelou o músico, num domingo,q uando saía de um bar.

FOGUINHO é porque Manoel tem a cor avermelhada.

Antônio passou por várias editoriais da ZH nos anos 70 - Polícia, ESporte, Geral - foi editor de noticiário da Rádio Gaúcha e também foi um dos dirigentes da Coojornal. Junto com o repórter Osmar Trindade foi , nos anos 80,(1983) trabalhar em Maputo, Moçambique, nas novas propostas de comunicação do país.

Voltou depois de cinco anos e trabalhou com um dos principais homens de imprensa do Governador Olívio Dutra, onde fez o jornal INFORME DO PIRATINI, que era distribuido gratuitamente no Estado.

Depois de um período no Trensurb, hoje Manoel é o chefe da agência de noticias da Assembléia Legislativa do Estado.

CARNAVAL EM PINHAL

UM DOS CARNAVAIS ONDE MAIS SE BRINCA EM NOSSO LITORAL GAÚCHO É O DE PINHAL. EIS NUM DOS CARNAVAIS PASSADOS, O FAMOSO BLOCO DAS VIRGENS FOTOGRAFADO PELO SAUDOSO JORNAL OSSO DA BALEIA DO COLEGA SERGIO BECKER.


Niver do Caco!

Hoje, 5 de março, o repórter Caco Barcellos completa 60 anos....

Conheço o Caco desde 1972,quando começamos juntos no pequeno jornal DLUCT( ninguém sabe o que quer dizer) na PUC.

O Caco era bem outra pessoa. Aliás, ele me lembra muito a trajetória, guardadas as proporções, do ex-presidente Lula da Silva.

Depois que os caras ganham dinheiro, ou eles mudam, ou o entorno social, se é que me entendem, muda.....


REUTERS


O argentino Alberto Granado, que há meio século acompanhou Ernesto "Che" Guevara em uma viagem pela América Latina que inspirou o filme "Diários de Motocicleta", morreu neste sábado, 5, em Cuba aos 88 anos.
EFE

Alberto Granado tinha 88 anos

A televisão estatal cubana disse que suas cinzas seriam esparzidas na Argentina, em Cuba e na Venezuela.
A viagem empreendida em 1951 com Granado no comando de uma moto britânica Norton caindo aos pedaços despertou em Guevara uma inquietude social que, segundo se conta, o levou a se envolver anos mais tarde na guerrilha de Fidel Castro.
Guevara acabou se convertendo em um dos principais chefes do movimento armado que derrotou o ditador cubano Fulgencio Batista, em 1959. O guerrilheiro argentino morreu em 1967 enquanto tentava criar una guerrilha na Bolívia.
O filme "Diários de Motocicleta", dirigido pelo cineasta brasileiro Walter Salles, se baseia em parte no livro de memórias de Granado "Com Che pela América do Sul."
Granado, bioquímico de profissão, havia chegado a Cuba em 1961, convidado por seu amigo de adolescência, e nunca foi embora.


(Reportagem de Esteban Israel)


SAUDADES DE CARLOS GARDEL


75 anos da morte do cantor, os argentinos ainda choram a sua morte


De Buenos Aires
Gelson farias


O tango é muito mais do que uma dança ou um gênero musical, faz parte do patrimônio cultural da Argentina. A sua origem é controversa a começar pelo nome, mas sabe-se que só passou a ser aceito pela elite argentina após fazer grande sucesso em Paris, em 1910, e que, de início, era praticado exclusivamente por homens (daí os rostos virados para lados contrários).

É inegável que o maior ícone do tango era Carlos Gardel. Na verdade, El Morocho (O Moreno), batizado como Charles Romuald Gardés, era de origem francesa, nascido no dia 11 de dezembro de 1890, na cidade de Toulouse. Curiosamente, um de seus mais fiéis e constantes parceiros, o compositor Alfredo Le Pera, mesmo dez anos mais novo (ele nasceu no dia 8 de junho de 1900), também não era portenho de nascimento, e sim paulistano do Bixiga, apesar de suas famílias terem se estabelecido na Argentina quando estes ainda eram bem pequenos.


Gardel e Le Pera

Mais impressionante ainda é que os dois companheiros morreram juntos. A tragédia que vitimou a ambos aconteceu no dia 24 de junho de 1935, quando deixavam Bogotá para se apresentar em Cáli, na Colômbia. Depois de uma escala em Olaya Herrera, Medellín, ao tentar ganhar velocidade para a decolagem, o trimotor F-31 da Sociedade Aérea Colombiana chocou-se com outro avião parado na pista, incendiando-se no ato. Além da dupla, morreram no acidente outras 16 pessoas e o corpo de Gardel, carbonizado, só pôde ser identificado pela pulseira que usava gravada com seu nome.

A figura de Gardel, símbolo máximo do amante latino de sua época (fato muito bem explorado pela indústria cinematográfica de Hollywood), passou a ser idolatrada, deixou inúmeras “viúvas” inconsoláveis e ficou eternizada para todo o sempre. Existem algumas lendas em torno de seu nome, como acontece com todo mito, que chegavam a negar a sua morte em tal acidente e que afirmavam que o ídolo, anônimo e desfigurado pelo desastre, continuava a cantar solitário, pelas calles de Buenos Aires.

Entre os seus maiores sucessos estão Mi Buenos Aires querido (1934), El día que me quieras (1935) e a belíssima Por una cabeza (1935), que compara o vício de um apostador compulsivo por corrida de cavalos à sua atração por mulheres, e faz parte do filme “Perfume de Mulher” (Scent of a Woman), de 1992, onde o grande Al Pacino, interpretando um militar cego, nos brinda com uma cena antológica ao conduzir os passos da não menos bela Gabrielle Anwar, num desses momentos mágicos do cinema que ficam para sempre marcados.


A construção, da casa "chorizo", é típica da primeira metade do século XX.


Olides,
Ontem fui pela primeira vez ao Museu Casa de Gardel, que funciona na casa onde ele viveu com a mãe de 1927 a 1933, quando foi para a Franca. Fica na Rua Jean Jaurés 735, no bairro de Abasto.
O acervo é bem bacana. Há uma parte permanente e outra temporária. Agora, por exemplo, a exposição temporária é sobre a discografia específica do período de 1925-1930, quando ele confirma sua popularidade. A mostra, que fica montada até o final de fevereiro, inclui partituras e discos originais, além de fotografias e matérias dos jornais da época. A maior parte dos 800 discos que gravou desde 1913, no entanto, estão na hemeroteca da UNESCO, em Paris, e pertence a coleção privada do uruguaio Horacio Liorente.
A voz de Gardel, para quem não sabe, é considerada desde 2003 “patrimônios da humanidade”.

Olides.
Numa conversa que tive com a jornalista Enriqueta Sollares, que faz free, no jornal Clarin, aqui de Buenos Aires, fiquei sabendo que, o piloto do avião em que estava Carlos Gardel e Le Pera, minutos antes do avião cair – logo após decolar – foi ferido com um tiro de revólver, que entrou no maxilar e se alojou na cabeça, dele. Fiz uma pesquisa, e a matéria esta aqui, para os leitores do s eu blog, ok.

O ACIDENTE


Nos últimos 100 metros da pista o F-31 sofreu um desvio de 30 graus com referencia ao eixo central da pista, deixando sobre a mesma uma marca do trem de pouso direito e outro da roda posterior (cauda).
O sobrevivente José María Aguilar, José Plaja e Grant Flynn (este ultimo, que estava com a porta aberta do avião, se despedindo das pessoas, se atirou para fora ao ouvir o ruído), disse no processo judicial que no momento da manobra de decolagem ouviram um forte ruído proveniente do trem de pouso, logo depois o F-31 se desviou e se chocou com o F-11 Manizales.



O avião que Carlos Gardel morreu era deste modelo


Conforme o relato de testemunhas que estavam no aeroporto, onde o acidente ocorreu, relatou o seguinte: Saiu bem o trimotor F-31, porém, assim que levantou vôo, começou a desviar-se em direção dos escritórios da empresa Scadta, próximo de onde estava parado outro trimotor, o “Manizales”. Se o avião em que viajava Gardel tivesse continuado o seu desvio se chocaria contra o escritório da empresa Scadta. Em seguida havia o lugar de aterrizagem da empresa Saco com dois aviões estacionados, um trimotor e outro bimotor, alem de bombas de gasolina, mangueiras e uma série de equipamentos de manutenção de aviões, a catástrofe teria alcançado maiores proporções. Em seguida o avião F-31 virou um pouco o seu percurso e em segundos jogou-se em cima do trimotor “Manizales”, que estava parado e pronto para sair. Foi um choque seco e espantoso, seguido de imensas labaredas, Não houve explosão. Por alguns segundos, todos que estavam no aeroporto, ficaram mudos, imóveis, em angustioso silencio. Em seguida ouviu-se o crepitar forte das chamas. Os dois aviões formavam uma massa disforme de metal e fogo.


Fotos do jornal Clarin de capa

Foto de Gardel, junto ao avião


O choque havia expelido três passageiros, que andavam sem rumo pelo aeroporto, envolvidos em chamas. Do outro lado, vimos que saiam mais dois, soltando violentos gritos, colocando as mãos no rosto queimado. Andavam como cegos, não tinham pelos e as roupas com a pele caiam em pedaços.
Saímos todos correndo para ajudá-los. Um dos empregados da empresa Saco trouxe um carro para recolher as vitimas. Assim que os cinco sobreviventes foram colocados no veículo, foram imediatamente levados ao hospital. Sabíamos que nenhum dos cincos, ainda que desfigurados, que mais pareciam monstros, que seres humanos, eram Gardel. Esperamos para ver se sairia mais alguém, porém ninguém mais saiu. Tentamos chegar perto, porém, o calor era terrível e sufocante. Os extintores químicos para nada serviam. Não falávamos, só olhávamos uns aos outros, atônitos.
Analisadas as marcas deixadas pelas rodas não se observou variação no curso, indicando a intenção de correção do curso. Nas fotos do F-31 acidentado se observa que o leme trazeiro estava numa posição exagerada para a esquerda.


Os destroços do avião após o acidente

Analiticamente, se pode interpretar uma posição anormal do leme trazeiro na manobra de decolagem, como uma desesperada manobra do piloto Samper para corrigir o curso do avião. O trem de pouso direito havia falhado pelo rompimento do eixo. Em uma clássica fotografia do acidente tirada por Orbando, registrou a evidencia da ruptura do eixo do trem direito.
O impacto pela energia cinética do F-31 e a carga de combustível que necessitavam os trimotores para iniciar o vôo (o outro também estava reabastecido para decolar) iniciou o grande incêndio, alimentado por 700 galões (um galão = 4, 5 litros) de gasolina. O F-31 da SACO transportava 13 ocupantes, sete do lado direito e seis do lado esquerdo, 60 baús, 12 latas de filmes. Estimava-se 470 kg. De carga do lado direito e 340 Kg. no esquerdo. O corredor
Entre os bancos estava ocupado por telões e tambores de filmes por baixo dos acentos.
Por outro lado, a força do choque, fez com que as asas do Manizales entrassem no F-31, ocasionando o desmembramento de alguns passageiros, entre ele Gardel, fato este constatado nos exames da necropsia.

CAUSA DO ACIDENTE
Passados 75 anos do acidente, ainda existem várias versões que vão ao encontro do relatório oficial (Causa Oficial), como: Desentendimento entre Gardel e Le Pera ou Gardel e Samper, que teria terminado com um tiro fatal no pescoço do piloto; excesso de carga no avião; disputa entre pilotos e disparo dado pelo copiloto do avião Manizales, todas essas versões serão apresentadas posteriormente. No entanto, todas as investigações feitas nos últimos anos, insistem em enfatizar, como causa fundamental da tragédia, a rivalidade entre os pilotos e empresas, que foram protagonistas da tragédia: SACO (Sociedad Aérea Colombiana) e SCADTA (Sociedad Colombo-Aleman de Transportes Aéreos), ou mais especificamente entre os pilotos Ernesto Samper Mendoza e Hans Ulrich Thon


O perito argentino Teréncio Spaini, especialista em acidentes aéreos, nos anos 40 publicou as suas próprias conclusões, depois de recolher todas as documentações e declarações das testemunhas no processo, concluiu:
“É impossível entender o que aconteceu sem levar em consideração o fato de que os aviões que estiveram envolvidos no drama, pertenciam a duas empresas que se rivalizavam ferozmente”. Não foi uma disputa ocasional porque havia interesses nacionais em jogo, envolvendo “conceitos de patriotismo, de soberania, de emancipação e, para dizer em termos atuais, de libertação”
A SCADTA era uma empresa aérea comercial alemã, a primeira baseada no continente americano e a segunda no mundo. Era considerado um instrumento dos planos de divulgação do nazismo. Além disso, Ernesto Samper Mendoza “não era um homem”, mas um pioneiro e um porta-bandeira do orgulho nacional. “A sede de independência o levou a montar a empresa SACO com o seu próprio dinheiro”.
O auge da rivalidade aconteceu em 20 de junho, quatro dias antes da tragédia, quando o piloto alemão da SCADTA, Hans Urlich Thom, no aeroporto de Techo, fez uma provocação a Samper que se encontrava no seu avião estacionado, fazendo
“uma descida rasante com o avião próximo ao nível do solo, querendo demonstrar que era mais hábil que Samper do avião F-31”.
Essa foi à razão, que em 24 de junho de 1935, com o seu orgulho nacional ferido, quando levantava vôo com Gardel e sua comitiva, quis demonstrar que também era hábil, e fez o mesmo, uma manobra arriscada sobre o outro avião, porém por outros fatores que surgiram causou a tragédia.

DISPARO DE ARMA DE FOGO DENTRO DO AVIÃO

Spaini contradiz as afirmações feitas por José Marias Aguilar, um dos sobreviventes do acidente, que o avião não estava com excesso de carga e que não houve desentendimento entre Gardel, Le Pera ou Samper, onde houve um tiro dentro do avião. “A autópsia realizada em Samper, pelo Dr. Tamayo Lemos, mostrou um tiro na cabeça... O disparo veio de baixo, o projétil estava alojado na cabeça, depois que atravessou o seu maxilar. Desse modo, cai a teoria que o tiro foi disparado por trás, onde estava Gardel e Le Pera, ou seja de dentro do próprio avião”.
A conjectura de Spaini foi outra. Ele entende que o co-piloto, Wilhan Furst do avião Manizales, quando viu que o F-31 vinha para cima deles, num ato de desespero, raiva ou pânico, disparou contra o avião. O projétil atravessou a fuselagem, atingindo a cabeça do piloto Samper, entrando pelo maxilar. Por essa razão o F-31 caiu bruscamente em plena manobra de subida. Jaime Salazar compartilha a mesma linha de raciocínio de Spaini, concluindo que Samper não tinha o direito, com base em motivos pessoais, em fazer a manobra arriscada que resultou na perda de muitas vidas. Local dos passageiros nos aviões Um sobrevivente , ainda em tratamento, depois de cinco anos após ter ocorrido o acidente, (esse relato foi feito em 1940), disse o seguinte:
“A ultima pessoa que nos despedimos foi o agente do teatro de Medellín e nos acomodamos em nossos assentos. O piloto era Ernesto Samper Mendoza, considerado o Lindbergh da Colômbia, portanto, tínhamos muita confiança nele. Íamos sentados um de cada lado do avião, formando dessa forma uma fileira de cada lado, separados pelo corredor; apesar de não lembrar-me com fidelidade, na seguinte ordem: Gardel e Swartz, Lê Pêra e Azaf, Castillo e Riverol, Barbieri e Aguilar, Corpas Moreno e Plaja, e Flynn, um empregado da Saco.”
“Uns iam com o cinto de segurança, e outros não. Estou quase certo de que Gardel, que ia aos primeiros assentos, estava com o cinto de segurança em volta da cintura. Eu não, sem que possa explicar o porquê. O avião levantou vôo pesadamente e sentimos que já no ar, voltava a descer sobre a roda direita e logo subia de novo, parecendo que já estava estável.
Eu ia conversando com Corpas Moreno, de repente sentimos um choque violento seguido de uma explosão. Fomos expelidos dos assentos que se desprenderam, e eu caio no piso do avião, rodeado pelas chamas. Tratei de reanimar-me, apesar do calor sufocante e a forte dor que sentia pelo fogo que me envolvia..Ouvia indistintamente, entre o barulho das chamas, terríveis gritos e lamentos angustiosos. Não via mais que uma faixa vermelha na minha frente e instintivamente me dirigi na direção do toalete, porém, tropecei e cai. Minhas forças se esgotavam me doíam terrivelmente às mãos, e no meio da confusão, via de um modo impreciso, massas de carnes queimando-se e me saiam alguns dedos pela munheca e pela palma da mão.
Por uma fração de segundos pensei em entregar-me ao destino, não resistir mais, e que a morte me levasse o mais rápido possível. Provavelmente a forte dor, me fez recobrar o animo e levantando-me, corri na direção onde via um pouco de claridade. Era a porta do avião que se havia rompido, sai então para fora do avião. Agitava os braços na tentativa de apagar as chamas do meu corpo. Turvamente vi que corriam também, tomados pelo fogo, Aguilar, Azaff e Riverol, dando gritos desoladores. Encontrávamos-nos, nos separávamos, não sabíamos o que fazer. Aguilar pedia aos gritos que lhe tirassem a roupa. Alguém me jogou em cima um pano e cai desmaiado. Quando voltei a mim, já estava num carro a caminho do hospital, onde um padre me deu a extrema unção.



ALFREDO LE PERA

Alfredo Le Pera Sorrentino (São Paulo, Brasil, sete de junho de 1900 – Medellín,Colômbia, 24 de junho de 1935), foi um roteirista, poeta, jornalista e compositor nascido no Brasil.orreu Morreu aos 35 anos de idade.


BIOGRAFIA
Seus pais, Alfonso Le Pera e María Sorrentino, eram imigrantes italianos, possivelmente de origem calabresa. Inicialmente viveram em São Paulo, Brasil, no bairro do Bexiga onde ele nasceu. Por volta de1902, mudou-se para a Argentina, na cidade de Buenos Aires. Viveu no bairro de San Cristóbal . Cursou o Colégio Nacional Mariano Moreno. Fez o curso de bacharelado no Colégio Nacional Bernardino Rivadavia, localizado na calle Chile, entre as ruas Solís e Entre Ríos. Teve como professor o crítico teatral espanhol Vicente Martínez Cuitiño, que o influenciou para a vocação de poeta. Estudou também piano, o que permitiu que tivesse noções básicas de música. Impulsionado, possivelmente obrigado pela família, iniciou os estudos em medicina, porém depois de quatro anos, prevaleceu a sua inclinação para jornalismo, abandonando dessa forma a medicina.
Passou por diferentes meios gráficos enquanto escrevia e estreava sainetes e peças de revista que, segundo os entendidos, deixava muito a desejar. Dedicou-se também como autor de teatro: sua primeira obra foi a revista “La Sorpresa del Año” (1927), escrita em colaboração com o empresário Humberto Cairo. Em seguida fez “Los modernos mandamientos”, escrita junto com Alberto Ballestero e D. Gainza; “Gran circo político”, com Julio Filiberti Escobar; “Melodías de arrabal”, “¡Qué quieren los brasileños!”, “Piernas locas”, “Rojas bocas”, “La vida se va en canciones”, “Está abierta la heladera”, “Ya están secando con Broadway” y “La plata de Bebé Torre”, em colaboração com Pablo Suero y Manuel Sofovich e com a atuação de Pepe Arias; “Opera en jazz”, “Piernas de seda” y “Un directo al corazón”, realizadas em equipe com Antonio De Bassi, Antonio Botta y Carlos E. Osorio. Na sua posição como chefe da seção “Teatros” de El Telégrafo, estabeleceu um bom relacionamento com importantes homens do espetáculo teatral, como Augusto Álvarez, empresário do teatro Porteño e logo del Broadway.
Em 1928, depois de uma missão jornalística nos Estados Unidos e na Europa, vinculou-se à empresa Artistas Unidos, para cujos filmes escreviam legendas. Nesta época fez uma viagem ao Chile, como autor da companhia de revistas encabeçada por Enrique Santos Discépolo e Tania. Nessa época, assinou junto com Discépolo o tango “Carrillón de La Merced” que, interpretado triunfalmente por Tania, salvou uma temporada que ameaçava desmoronar. Profissionalmente realizou várias viagens a Paris. Numa ocasião ao voltar a Buenos Aires começou a trabalhar na tradução e confecção de títulos para filmes, trabalhando junto com Leopoldo Torres Ríos, que mais tarde seria um relevante diretor do cinema argentino.
No final de 1931, o seu oficio de tradutor de filmes promoveu uma nova viagem a Paris, onde ingressou na companhia cinematográfica United Artist, para traduzir ao espanhol as legendas Impressas nos filmes mudo. Nessa época conheceu figuras distintas do cinema e redatou notas para Noticias Gráficas, em que assimilou o impacto que produziram dois destacados diretores, o francês René Clair e o inglês Alfred Hitchcock. É provável que Gardel e Le Pera tenham se conhecido em Buenos Aires, mas sem dúvida, sua amizade nasceu em Paris, em 1932, durante a terceira estada do zorzal naquela metrópole, num encontro promovido pela Paramount.
Quando Carlos Gardel foi à França, filmar para a empresa Paramount em Joinville, viu-se na necessidade de reunir um núcleo de colaboradores, com a desvantagem de que já não se encontravam em Paris o experiente Manuel Romero, nem os artistas argentinos agrupados na companhia de revistas do teatro Sarmiento de Buenos Aires. Gardel então procurou o seu amigo Edmundo Guibourg, porém este He indicou o nome do poeta Alfredo Le Pera. Le Pera, freqüentador de sets, converteu-se em libretista do astro, revelando um formidável talento.
Le Pera converteu o Morocho del Abasto em uma mescla rara de malandro, playboy e cavaleiro andante de nobilíssimos sentimentos.
Nos filmes de Le Pera, Gardel representa a si mesmo tal qual era na vida cotidiana, “esperto e meigo ao mesmo tempo, malandro e cavalheiro, arrebatado e honesto”, conforme descrição de José Gobello. As letras das canções que Le Pera compôs para Gardel parecem feitas sob medida para o personagem. Gobello explica que mesmo sem os altos vôos de Manzi, nem a profundidade de Discépolo, nem a portenhidade de Romero, nem a vivência de Celedonio, é indiscutivel seu acerto com algumas frases proverbiais: “veinte años no es nada”, “siempre se vuelve al primer amor”, “la verguenza de haber sido y el dolor de ya no ser”.


As partituras das músicas de Le Pera para Gardel

“Junto com Gardel, escreveu um bom numero de temas, entre os quais: El día que me quieras”, "Cuesta abajo", "Soledad" y "Sus ojos se cerraron. Transformar-se-ia no escritor dos filmes de Gardel, tanto na França como n os Estados Unidos.

MORTE
No dia 24 de junio de 1935, Alfredo Le Pera integrava a comitiva de Carlos Gardel numa turnê pela Colômbia, morreram juntos no acidente do aeroporto Enrique Olaya Herrera na cidade de MedellínUns três dias antes da tragédia do vôo para Medelin, ainda em Bogotá, naquele ano estafante e fatídico de 1935, ele se emocionara com um coral de colegiais, dirigido por um desconhecida professora, que ensaiara uma meia dúzia das suas letras. Gardel fora às lágrimas. Agora, depois da queda, parecia uma alma penada arrastando-se de salão em salão, assustando a platéia com sua aparência de assombração, mas logo a fascinando com sua presença... junto ao tumuloNão deixaram Gardel morrer. Em todo o mundo latino-americano, inclusive no sempre afastado Brasil, ninguém aceitou a idéia de ele fosse um homem comum, desses que morrem e logo se enterram. Portanto, em uníssono, concordaram em que ele não podia simplesmente ir-se. Tanto é que o viram trovando com Noel Rosa num botequim da Vila Isabel.
Olides. Neste dia, estava muito frio, aqui, e eu fui acompanhado de La Chiquita... que tirou as fotos...

No cemitério da Chacarita, em Buenos Aires, além do tumulo de Carlos Gardel, em tamanho natural, estão os restos mortais de vários outros próceres do tango, como Osvaldo Pugliesi, Aníbal Troilo (o Pichuco), Homero Manzi, Roberto Goyeneche, Alfredo Gobbi, Roberto Firpo e os irmãos Julio e Francisco De Caro, apenas para citar alguns. Além, é claro, de Alfredo Le Pera, parceiro de Gardel e um dos maiores letristas de tango que, vim, a saber, agora, é brasileiro.

CARLOS GARDEL
(Toulouse -França- 11/12/1890 - Medellín -Colômbia- 24/06/1935)
Cantor, compositor e ator. Seu nome era Charles Romuald Gardés. O maior intérprete de tango do mundo. Imigrou para Buenos Aires ainda com dois anos de idade, junto com a mãe, Berthe Gardés, em 12/03/1893.

Seu lugar de nascimento constitui uma questão controversa.
Alguns sustentam que Gardel teria nascido no Uruguai baseando-se em alguns documentos e matérias jornalísticas da época. Outros dizem que Gardel teria nascido na cidade francesa de Toulouse como Charles Romuald Gardès, filho de Paul Lasèrre e de Berthe Gardès (1865-1943).
Gardel era esquivo sobre o tema e quando indagado dizia: "Nasci em Buenos Aires aos dois anos e meio de idade".

A outra versão do nascimento:

Em uma data imprecisa, segundo pesquisadores uruguaios, Carlos Gardel teria nascido em uma paragem rural de Tacuarembó (norte do Uruguai), filho natural do líder político Carlos Escayola e de Maria Lelia Oliva (então com 13 anos).
O menino teria sido entregue a Berta Gardès, francesa que havia trabalhado como prostituta em uma mina de ouro da região.

Em 11 de março de 1892, chegam a Buenos Aires, no vapor Dom Pedro, procedente de Bordeaux/França, Berta Gardès (então com 27 anos) e seu filho, Charles Gardès (com 2 anos e meio).
Desde a adolescência, "El francesito" e em seguida, "El morocho del Abasto", como fora apelidado, começou a exibir sua voz privilegiada por vários locais e recantos, usando o repertório dos "payadores" em cafés, armazéns e outros recintos. Em pouco tempo, passou a ser contratado pelos caudilhos e, em 1911, conheceu José Razzano, que passou a ser seu parceiro vocal, amigo e depois procurador. Além dos comitês dos caudilhos, os dois iniciam suas excursões, formando trio com Francisco Martino e também quarteto com Saúl Salinas.
Em 1912, Gardel começou a gravar: ao todo, quinze peças para a Columbia. Cinco anos depois, começou o longo período para a Odeon, quando lançou o primeiro tango cantado (tango-canción), Mi noche triste, de Cortusi e Castriota, que também interpetrou, em 1916, no palco. Na fase final da sua carreira, gravou para a RCA Victor. Ao todo, durante a sua vida, fez 896 gravações. Firmou-se o duo Gardel-Razzano, que, após os êxitos dentro da Argentina, veio a brilhar em outros países da América Latina, inclusive o Brasil.
Começou a filmar em 1917. Em 1923, fez sua primeira viagem à Europa, foi à Espanha. Em 1925, Razzano deixou de cantar e Gardel acelerou sua ascensão como solista. Retornou à Espanha, depois à glória em Paris.
A seguir, atraído definitivamente pelo cinema, protagonizou várias fitas - oito pela Paramount.
Na fase final de sua carreira, teve como parceiro constante Alfredo Le Pera; daí saiu, entre muitas, as melhores composições como: El día que me quieras; Cuesta abajo; Mi Buenos Aires querido; Volver, Por una cabeza e outras.


Em 1935, aos 45 anos, morre num trágico acidente de avião em Medellín na Colômbia.
Costumam dizer:
"Gardel, cada dia canta melhor"
"Gardel sings better every day"
Viram-no, juravam, em todos os lugares. Se bem que sua aparência era assustadora, sem dúvida, diziam, era ele, era Carlos Gardel. As roupas em frangalhos, o cabelo castanho escuro, que ele sempre trazia impecavelmente engomado, estava chamuscado e em desalinho, parecia um torto. Mas quando o farrapo se punha a cantar, dedilhando a guitarra, tendo ao fundo um bandonéon e um par de violões, o público, em Bogotá, em Caracas, em Montevidéu, no Porto Rico, no Rio de Janeiro, ou na Corrientes com Paissandú, esquecido do seu rosto queimado e da sua aparência de além-túmulo, se convencia: era Carlitos, sim, quem estava no palco. A sua voz impressionante, inesquecível, não deixava um só espaço da bodega ou da taverna sem sua presença. Comoviam-se, pois tudo indicava que ele saíra vivo do acidente aéreo na Colômbia. A imprensa mentira ao noticiar o infausto de Medelin, pois Carlos Gardel estava ali, vivíssimo. Túmulo de 26.06.1935 até 18.12.1935
O "Ato de recuperação dos corpos após o sinistro", assinado pelos médicos Antonio J. Osapina, Luciano Restrepo Isaza, Julio Ortiz Velásquez e Luis Carlos Montoya, afirma-se que o número 11 corresponde ao cadáver de Gardel "encontrei deitado e espremido pelas válvulas de um dos motores. Apresenta queimaduras generalizadas de 4º, 5º e 6º graus e sangue na região temporal e no olho direito. Devido às queimaduras, estão descobertas as costelas na face externa do hemitorax direito, no terço médio inferior desse lado, devido a carbonização dos tecidos moles de cobertura e igualmente devido a incineração de ambos os pés. As duas pernas foram decepadas com o impacto do avião.
O cadáver foi identificado pelas qualidades características das arcadas dentarias e por documentos pessoais, entre eles, o passaporte parcialmente queimado, emitido pelo governo Uruguaio; folhas originais da música “Cuesta abajo”, queimada nas pontas, encontradas ao seu lado; uma corrente de ouro, uma espécie de pulseira, sem relógio. Pendurado em sua roupa, uma corrente com algumas chaves e uma placa de estanho, onde estava escrito: “ Carlos Gardel, Juan Juares 735, Buenos Aires.
Depois dos procedimentos forenses, o corpo de Carlos Gardel foi velado na casa de um sacerdote no centro de Medellin e posteriormente sepultado no Cemitério São Pedro de Medelllin no dia 26.06.1935, ficando nesse local até o dia 18.12.1935, onde foi removido para seu descanso final em Buenos Aires.


Antes de ser sepultado, em 1936, o corpo de Gardel passou por vários lugares e em Buenos Aires, foi realizado o último dos quatro velórios, diante de milhares de pessoas que compareceram ao lendário estádio Luna Park, enquanto uma orquestra tocava tangos ininterruptamente.

O enterro de Gardel foi um dos mais concorridos já visto em Buenos Aires, comparável apenas ao de Eva Perón.


Sem Pulo e Túnel do Tempo

Remeto a Sem Pulo e o Túnel do Tempo
deste sábado que escrevo na Folha Popular de Teutônia.

Abraço
Rudimar

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR


VACCArezza E A CACHAÇA NO BOLSA FAMÍLIA


VACCArezza é o líder do Governo Coisa (dilma) na Câmara dos Deputados e disse isto:
- Esse dinheiro não tem nenhuma intermediação política. O cidadão compra pão para sua família, os gêneros de primeira necessidade. Eles (oposição) brincavam, inclusive, que o cara ia lá e comprava cachaça, que o chefe de família comprava cachaça. Não vamos incentivar isso. Mas mesmo que uma família dessas compre uma garrafa de cachaça por mês são 11 milhões, ou 12 milhões de garrafas de cachaça. Isso ajuda toda a economia. E como se cada uma comprar uma garrafa de água: são 12 milhões de garrafas d´água. Então, infelizmente a oposição não entendeu o Bolsa Família e continua a não entender.
Alguém poderá dizer que isto é conversa para BOI(rezza?) dormir. Ou VACCA(rezza)?
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

Agencia Edison castencio

Giovanni Queiroz (líder do PDT na Câmara dos Deputados)deputado federal Giovani Cherini (PDT-RS) assumirá a presidência da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


DO BLOG COTURNO NOTURNO


O hotel mais caro do mundo fica na Barreira do Inferno.
Abaixo, a relação dos hotéis mais caros do mundo:

1º. Grand Resort Lagonissi (Atenas, Grécia): US$ 50 mil a diária
2º. Palms Casino Resort (Las Vegas, Estados Unidos): US$ 40 mil
3º. Four Seasons (Nova York, Estados Unidos): US$ 34 mil
4º. President Wilson Hotel (Genebra, Suíça): US$ 33 mil
5º. The Atlantis (Paradise Islands, Bahamas): US$ 25 mil
6º. The Ritz Carlton (Moscou, Rússia): US$ 18,2 mil
7º. Burj Al Arab (Dubai, Emirados Árabes Unidos): US$ 18 mil
8º. Le Richemond (Genebra, Suíça): US$ 17,5 mil
9º. Four Seasons George V (Paris, França): US$ 16 mil
10º. Park-Hyatt Vendôme (Paris, França): US$ 15,5 mil
Mas nenhum deles ganha do Hotel de Trânsito da Barreira do Inferno, Natal, Rio Grande do Norte, onde a diária custa mais de U$ 930 mil. Afinal de contas, o Tesouro Nacional pagou uma reforma de U$ 4,6 milhões para a Dilma se hospedar por lá durante cinco dias. Pelo jeito, o Brasil não é o sétimo PIB do mundo. Ele é o primeiro!
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Carta aberta a minha amiga e companheira de PMDB Maria Salete Cadore!

Estive neste sábado,lindo, de Serafina, sábado de carnaval, olhando minuciosamente o prédio da cantina de serafina. Eua cho que só tem um cara pra pegar aquele prédio e levá-lo a algum lugar, ou seja, transformá-lo ou num museu, um num centro cultura. assim como está, dá pena, né....

Eu sei que o prédio é uma briga entre oito herdeiros da familia Cervieri. E que briga. O mais ridiculo de tudo seria me processarem por eu dizer que é uma briga entre eles, já que o processo de divisão dos bens dele já tem dois metros de altura, segundo me informaram.

Ainda bem que esta briga entre eles aconteceu,senão este prédio não teria te encontrado aqui em serafina e tu não estarias colocando as tuas energias para torna-lo um centro cultural, uma lembrança do que foi umdia esta região.

É claro que muita gente não te entende, mas eu sei que tu te lixas pra isto. e bem que fazes.

Estas pessoas que se lixam pra ti, não se lixam pro dinheiro que teus irmãos tem, não tu.Tu és uma professora aposentada, e que trabalhou a vida toda para o magistério e para as causas nas quais tu acreditavas. se eram certas ou não, não vem ao caso.

Um dia, no ano passado, perguntei ao Ze Ivo Sartori, porque tu te metias tanto numa causa perdida. O Sartori, com aquele seu jeito gringão, me olhou e meio compadecido de mim, apenas disse>
- Deixa ela...

Bom, pra finalizaqr,agradeço a foto do prédio antigo de cantina. Ele está lá inta cto, mas alguém tem que fazer alguma coisa por ele.

E agora que está tombado, mãos à obra, porque uma gestão municipal daqui poderá se consagrar tornando aquilo um belo centro cutural de toda a região, não apenas de serafina. Havia uma outra cantina em serafina, no gramadinho, ma i la gha sbruzada( mas a queimaram...)

Saudações preservacionistas]
]ESte editor.


De Serafina


Consegui que o Valmor Bazzo me vendesse due litroni de graspa, de 10 anos, Havia tentado outras vezes, mas não queriam. Desta vez consegui. é prum cliente. Poucos colonos ainda fazem graspa por aqui. Ela é feita do bagaço da uva, depois que é tirado todo o suco pra fazer vinho.

Aos poucos vão desaparecendo os parrreiras da região. Como não ha mais fabrico de vinh( as cantinas estão todas fechadas, ou queimadas) o pessoal ghe gha passa la ronconera nas vinhas. São raros os parreiras. OLs colonos que ainda mantém figos e uvas são mais pro consumo próprio.


Tam bém a criação de porco é uma atividade agriculoa que sumiu. Hoje i chiqueroni( os grandes chiqueiros) foram substituídos por grandes aviãiros.

Ainda não me informei mas vou ver como está a crise da DOUX Grangosul, que até pouco tempo atrás atringia muito a região aquil


Carnavla em Serafina é pra gringo trabalhar.


Tem algunssãobrojenses extraviados por aqui. Mas ficam no trabalho meio semi escravo porque os preços aqui são muito altos. A perdigão paga 700 reais....por mês, mas a comida e os aluguéis aqui são muito caros.


O que não falta aqui são farmácias. Nesta semana da quaresma vai abrir a sétima. E justamente uma sãqo joão, de passo fundo que promete matar as outras seis. que nada. tem tanta doença aqui principalmente a doença provocada pela repetição do esforço entre os trablhadores da Perdigão que tem farmácia e remédio em grande profusão.

Já tinham me dito isto. E um dos locais onde as farmácias mais vende, ou seja, onde mais se precisa de remédio.


Nesta segunda, dia8/3 a camara municipal daqui fará sessão homenageando o dia internacional da mulher.

O presidente do legislativo , Zinho Castro, é também um próspero comerciante.....

De Serafina

Janguta, ou Nelson Assoni, é o exemplo de pão duro...um parente queria um exemplar do meu livro Cosi La ze....e ele mandou o exemplar que eu autografara. só acrescentou o nome do parente no autógrafo. Fala Janguta.


Abre esta semana no prédio que foi construído na av. Miguel Soccol, na frente do prédio da cantina, uma farmácia. Aluguel de 3.500,00 Aqui em serafina não há segredo. todos sabem tudo. principalmente quando tem a ver com soldi.


Domingo de carnaval, um dia bonito aqui em La Undeze, mas a gringalhada curte mesmo é musica italiana ou sertaneja.

Rádio Odisseia FM perdeu 40% da audiência, é o que se diz por aqui. Uma rádio de Guaporé está entrando principalmente junto a faixa jovem

Faltavam cinco minutos para as 10 deste domingo e a Odisseia FM ainda continuava com a porta trancada. Fifo, o apresentador do LA VOCE DEL VENETO, programa dominical em itailano fazia de tudo pra que alguém viesse abrir a porta.

A morte do radialista Guerino de Costa vai fazer falta no LA VOCE DEL VENETO. Se fosse eu dono da rádio, procurava um substitututo.


Contato


alguém aí sabe o contato do darci demétrio.dica ao leitor. procure o sindicato dos jornalsitas que eles devem ter ou a ARI.

O Darci é um pernóstico....


Contato

Boa tarde caro Olides.O motivo pelo qual estou lhe escrevendo, é para que me conseguisse o contato do jornalista Darci Demetrio ( autor do livro Não quebre a cara),o qual procurei na internet e não encontrei.Apreciaria muito conhecer esse grande profissional pessoalmente.Pode ser até alguém que tenha acesso a ele,depois me viro sozinho.Obrigado pela atenção.Um abraço Mauricio.


Diário de serafina....


Estou chegando da capela são pedro. O Telvo Bazzo tem um ataque comigo: do que c oncluo:

1) o telvo achou que eu era o que não sou

2) pobre não gosta de pobre

3)uma coisa é quando tu é visita, novidade, outra é quando te incorporas ao cotidiano de uma comunidade.

4) colono e gringo gosta tanto de dinheiro como qualquer outro...


Morros de serafina estão sendo tomadas por loteamentos. aliás o que tem de loteamento por aqui. Pagaram um terreno recentemente 600 mil reais pra um loteamento da prefeitura. Grana da prefa.


O lado bom é que me param na rua pedindo meu livro Cosi la ze stata...


Como o livro deu polêmica, muitos acham que foi proi bido. Não foi. procurem na Cultural, na av. Miguel Soccol que tem.


diário de serafina

Quis visitar a casa do Miguel Soccol, que foi dono do frigorifico muitos anos atrás. A senhora que mora lá me disse que durante a semana trabalha fora e que nos domingos faz faxina. é pra ir outro dia. irei.


Só ficou o Ronbny, filho do Miguel, dos filhos todos, morando na cidade.Os dermaqis foram embora, e alguns já estão falecidos.


Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo


PARNAMIRIM (RN) - Para impedir que haja vazamento de qualquer imagem da presidente Dilma Rousseff, durante os dias em que está descansando no Rio Grande do Norte, no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno, a Presidência da República proibiu que as pessoas entrem com qualquer tipo de câmara, inclusive de celulares. Todas as pessoas que chegam à Barreira do Inferno são vistoriadas ao entrarem na área militar. Quem estiver com celular, tem o aparelho recolhido ou sua bateria retirada para que não possa ser usado dentro das dependências do centro.


A medida é para impedir que façam alguma foto "roubada" da presidente Dilma e diverge do estilo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante seus oito anos de mandato, Lula sempre fazia questão de tirar fotos com quem lhe pedisse. A ordem começou a valer na sexta-feira, quando a presidente Dilma chegou ao local para passar o Carnaval.
No governo Lula, a restrição era imposta apenas para quem se encontrasse com o presidente em seu gabinete. Desde 2009, todas as pessoas que entravam no gabinete do ex-presidente eram obrigadas a deixar seu celular na ante sala de com um funcionário da presidência, que cumpria o papel informal de "fiscal de celular".
No governo Dilma, a ordem permaneceu, inclusive para ministros, que deixaram de tuitar em reuniões como faziam no passado. Em 2009, o chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, encaminhou uma circular a todos os ministérios informando que qualquer autoridade que fosse falar com ele deveria deixar o celular do lado de fora.
A proibição agora, na Barreira do Inferno, da entrada de celulares com câmeras surpreendeu servidores. A justificativa do governo é que a presidente Dilma está em um momento privativo e de descanso. A agenda da presidente se encerrou na sexta-feira no final da manhã e para o período de cinco a oito de março, citava apenas que "a presidenta Dilma Rousseff passa o feriado de Carnaval sem compromissos oficiais", não informando onde ela permaneceria.


diário de serafina


daqui há pouco, serafina terá quatro hotéis. 3 já tem. e o quarto vai abrir ao lado do posto da saída para P.Fundo. seu dono é o atual dono da lancheria do posto.

Sempre que venho aqui, como nesta lancheria. me lembro quando viajávamos de carona pelas rodovias do país, e os caminhoneiros além de carona, nos pagavam uma boia, um pf, num posto de gasolina.

COMO DIZ O MILTON NASCIMENTO

FOI NOS BAILES DA VIDA QUE EU APRENDI A PROFISSÃO....


diário de serafina

além de 4 hotéis, serafina terá sete farmácias.....

e apenas uma clínica de médicos onde há anos " mandam" os irmãos Paulo e Enio Massolini e o Beto Arroque. Tá hora de quebrar este monopólio.


diario de serafina


o radialista adriano apolinário pode ser o próximo a pedir o boné da Odisséia FM.Depois que o LCFiorin saiu, ele está fazendo tudo sozinho.


diario de serafina


o radialista adriano apolinário pode ser o próximo a pedir o boné da Odisséia FM.Depois que o LCFiorin saiu, ele está fazendo tudo sozinho.


SLOGAN


Enviada: 07/03/2011 08:09
http://exame.abril.com.br/assets/pictures/23832/size_590_Marca_governo_federal.jpg?1297433094
Este é o novo slogan do Governo Federal, ao que consta, de autoria do marqueteiro João Santana.
"Que inteligente!". "Que achado!"
O contrário é PAÍS POBRE É PAÍS SEM RIQUEZA ou PAÍS NÃO RICO É PAÍS COM POBREZA.
E o Bolsa Família, com cerca de 12 milhões de famílias, ao redor de 50 milhões de pessoas e MUITOS ELEITORES, teve um aumento.
Tudo para se adequar ao slogan. Ou não ?
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

De Serafina


Peguei hoje um Gazetinha que está nos eu quarto ano. Mas acho que o jornal depois que o Fiorin saiu caiu muito. Tem gente se queixando que acapa vem só com propaganda.Su com le reche, Fiorin e Reder. O olho do dono engorda o boi,dizem os fazendeiros.


de serafina

Recebo do movimento preservacionista que tem bronca com o espigão construído na frente. Olhem o espaço que ficou entre a cantina e o prédio( 2 metros) não sei o que foi acordado...

e fizeram uma escadinha pra sair, o que também é bronca do movimento preservacionista.

Muita água vai rolar embaixo desta ponte.

e isto que esta semana abre a farmácia são joão, que alugou o térreno do espigão.

Na foto o jovem desceu as escadas e caminha na direção da grande obstrução ao fundo do corredor....Mas isso não conta. Errado é a construção em área que deveria ter sido declarada como "'area não edificável" seguindo as primeiras orientações do Ministério Público de Guaporé emitidas no Ofício 332 de 05 de outubro de 2009. Engavetaram. Fizeram silêncio sobre o assunto.
Salete Cadore

Carnaval da China

Uma reportagem do jornal britânico Financial Times afirma nesta segunda-feira que o carnaval no Brasil é "made in China". A reportagem mostra a importância que os produtos chineses ganharam na cadeia produtiva carnavalesca brasileira. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), 80% das fantasias vendidas para o Carnaval são importadas do país asiático.

"Importações baratas da China inundaram o país latino-americano nos últimos anos, em parte como resultado da rápida apreciação da moeda, causando interrupções em diversas partes da economia e colocando um dos maiores dilemas políticos para a nova presidente, Dilma Rousseff", afirma a reportagem. "Agora até mesmo o famoso Carnaval, a festa de quatro dias que termina na terça-feira, é made in China", diz.
O presidente da Abit, Jonatan Schmidt, disse à repórter do FT que "há quinze anos, tudo era diferente - tudo era brasileiro".
Uma lojista ouvida pela reportagem do diário financeiro conta que importa mercadorias da China a preços 40% abaixo dos praticados por companhias brasileiras. Com o real mais forte, a loja, que em 2005 importava 30% do seu estoque, hoje importa 60%.
"Não é só a taxa de câmbio", diz a comerciante. "Há carência de novos equipamentos e investimentos no setor têxtil. A demanda é tão forte agora que a indústria não consegue suprir."
Citando economistas, o jornal diz que os esforços do país para combater a apreciação do real são ineficientes e que "a única solução real, não apenas para a indústria têxtil mas para a indústria em geral, é melhorar a qualificação, investir em maquinário e desenvolver a infraestrutura".
A reportagem sugere que o Carnaval, se continua em espírito sendo uma festa brasileira, é em termos econômicos uma festa dos importados. "Apesar dos esforços da estatal petroleira Petrobras para expandir a sua própria produção de poliéster no Nordeste, é improvável que o Carnaval seja made in Brazil no futuro próximo."
BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.


Nunca antes? Nada disso


Clóvis Rossi, Folha de S. Paulo


Reinaldo Gonçalves é professor titular de economia internacional na Universidade Federal do Rio de Janeiro e um dos raros acadêmicos de esquerda que não se deixou cooptar por uma boquinha no governo ou até por menos, como um convite para jantar com os poderosos de turno.
Fez o que deve ser o papel do intelectual: mergulhou nos dados do IBGE e do Fundo Monetário Internacional para desafiar a propaganda governamental sobre as incríveis façanhas do governo Lula.
Montou tabelas que mostram o seguinte, em resumo apertado:
1 - Os 4% de crescimento médio do governo Lula colocam-no apenas em 19º no campeonato nacional de progresso econômico, entre os 29 presidentes desde a proclamação da República.
Perde, por exemplo, para Itamar Franco e José Sarney.
2 - Quando começou o governo Lula, o Brasil representava 2,9% do PIB mundial. Quando terminou o governo Lula, o Brasil representava 2,9% do PIB mundial. Portanto, estagnou na competição global. E ficou longe dos 3,91% de 1980.
3 - Em matéria de variação comparativa do PIB, no período 2003/ 2010, o Brasil fica em humilhante 96º lugar, entre 181 países. Está no meio da tabela e abaixo até da média mundial de crescimento, que foi, no período, de 4,4%.
4 - Em matéria de renda per capita, a do Brasil evoluiu de US$ 7.547 para US$ 10.894, entre 2003 e 2010. Mas a sua posição no ranking mundial só piorou. Estávamos em 66º lugar e caímos para 71º.
Só para cutucar o cotovelo dos "argentinofóbicos", a renda per capital da Argentina é cerca de 50% maior que a do Brasil, com seus US.064. E ela melhorou, do 61º lugar para o 51º.
Não quer dizer com toda a numeralha que o governo Lula foi um desastre. Ao contrário. Mas tampouco foi o milagre que a sua propaganda apregoa. Simples assim.
Folha de S. Paulo de 6/3/2011
BAH ! É suspeito, pois foi publicado na Folha, do Consórcio Veja/Folha/Globo.
Mais não tem problema, porque a dilminha foi na festa dos 90 anos da Folha e se reuniu com os três filhos do Roberto Marinho.
Ela confia no Consórcio.

SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Coleguinhas

Ontem, dia 8/03 foi enterrada uma querida colega da Fabico, com quem tinha perdido totalmente o contato depois da Faculdade. a Maria Isabell Timm, a Bella Timm.

Ela trabalhou na rádio da UFRGS.

Nunca mais soube do que estava fazendo. Mas vi no convite do enterro o nome da Juliana, sua filha que nos anos dos bancos escolares da Fabico, ela falava tanto.

A Bella timm morava na Fernandes Vieira, acho.

Seu pai era militar e ela tinha enormes conflitos com ele.


Coleguinhas

è dizer o óbvio, mas ele também precisa ser dito: a ZH matou a pau na cobertura sobre o desastre dos colonos de Santo Cristo- os agricultores que se sinistraram na madrugada da sexta para sábado, numa BR de santa catarina.

Foi o jornal gaúcho que disparado melhor cobriu a tragédia, que como se viu, sempre acontece nestes feriadões.


E a indústria de caminhões, o que diz numa hora destas?Não era hora da imprensa também cobrar a segurança destes BITRENS nas rodovias? que manda nisto? O estado? a iniciativa privada?


Coleguinhas

É PERUCA , o apelido do operador

WLADIMRI FONTOURA DA RÁDIO GUAIBA QUE AJUDEI A ENTREVISTAR DIAS ATRÁS PRA RADIO DA URGS....

sABEM PORQUE NÉ, PORQUE USA PERUCA MESMO...


OUTRO QUE TINHA O APELIDO DE PERUCA ERA O AGORA FALECIDO EX-SENADOR OCTÁVIO CARDOSO....PELÇO MENOS ERA ASSIM QUE O VELHO AVELINE O CHAMAVA.


A mulher do novo chanceler


"Isso é que é um ninho vazio!", começava, em 2007, a nota no boletim que segue o movimentado mundo diplomático de Washington. O ninho em questão era a casa do então embaixador do Brasil nos EUA, Antonio Patriota, relata Flávia Marreiro, repórter da Folha em Caracas. O comentário tinha algo de reprimenda ao caráter intermitente da presença de sua mulher, Tania Cooper Patriota, na capital americana, uma heresia no script tradicional da diplomacia. Quem organizaria o brunch? Um chá? Azeitaria os contatos sociais da representação brasileira? No 7 de Setembro daquele ano, Tania ofereceu uma recepção. Distribuiu sorrisos e acarajé. Mas quase todo o tempo ela passava no Haiti, onde era representante do Fundo de Populações da Nações Unidas. De lá para cá, a história de Tania ganharia contornos dramáticos. Ela enfrentou o megaterremoto haitiano. E aumentaram suas responsabilidades protocolares: seu marido virou chanceler.


www.affonsoritter.com.br

MEMORIAS DA REDAÇÃO

OS NEGATIVOS SE PERDERAM

NO BALCÃO DA VARIG.....

cOMO estamos curtindo uma saída de carnaval vale ainda recordar esta.

Quando não havia email, nos anos 70,80, a ZH mandava sempre o fotógrafo de sociedade, GUARACY ANDRADE ( QUE DEPOIS teve uma revista nome e sobrenome, que não deu certo) pro rio de janeiro pra fazer as fotos dos desfiles DAS ESCOLAS e as vezes dos grandes bailes que existiam naqueles anos.

Se não me engano, só ia ele e as matérias eram feitas aqui pela redação que pegava as notícias das agencias ( JB,.Globo) dava uma penteada e mandava bala...mas algumas vezes o redator de sociedade( o Paulo Gasparotto) era convidado pra Marques de Sapucaí e fazia matéria também.


O interessante era como eram mandados os negagtivos. Ainda era no tempo que os contatos, os negativos seguiam via avião.O Guaracy ia pra avenida a noite toda de manhã ia na Varig e despachava através do voo 100) lembram dele???) um que chegava aqui ao meio dia e que decolava as 13 de volta ao rio....era onde viajavam os bacanas....

Depois de despachar as fotos, Guaracy ia dormir pra se aprontar pra noite seguinte.

Um destes domingos de carnaval, ele despachou as fotos e foi dormir.

Quando era pouco depois do meio-dia, a secretária da redação Vânia Weber fez contato com o aeroporto pr amandar um boy buscar as fotos e nada. A Varig simplesmente havia cancelado o voo e as fotos foram se perderam quem sabe lá onde.

Como a Vânia sabia os bois que lavrava, ela já antecipava que o editor chefe, Carlos Fehlberg lhe perguntaria pelo material do Rio, assim que chegasse com a cara ainda meio se acordando na redação por volta de 14 horas.

A Vãnia começou a se preocupar, ligou pro hotel do Rio e acordou o Guaracy que ficou puto...

- Já te disse que mandei pelo voo 100...

Liga pra cá, liga pra lá e nada...de achar os negativos.

E de-lhe a ligar pro Guaracy que assim não podia dormir pra trabalahr a madrugada inteira seguinte.

Até que depois de muito vira e mexe, a VÃNIA LOCALIZOU o despacho que o colega fizera num balcão da Vasp, sabem onde?

Em São Paulo.

As fotos só chegaram aqui em Porto Alegre, no anoitecer do domingo, mas ainda em tempo de serem reveladas e circularem no dia seguinte.

Senão a saída seria usar fotos de agências.

Homenagem na Câmara relembra trajetória de Jango


No dia em comemoraria 92 anos de idade, a Câmara de Vereadores prestou suas homenagens a João Goulart com uma Sessão Solene. Estavam presentes representantes de vários segmentos da sociedade, a senhora Maria Thereza Goulart, viúva de Jango e seu neto Cristopher Goulart, Diretor de Esportes da Secretária Estadual de Esporte e Lazer.
O Presidente da Câmara de Vereadores, vereador Celso Lopes (PDT) em seu discurso de abertura relembrou a trajetória de Jango e salientou a importância dele para o país e para a comunidade são borjense. “Jango é um filho ilustre desta terra, não pode voltar a sua pátria vivo e sua vida pública muito nos orgulha, assim como as tão sonhadas reformas de base pensadas por ele”, destacou Celso.
Para palestrar na Sessão Solene foi convidada a Professora Jandira Olea Lopes, Mestre em História das Sociedades Hibéricas e professora da Urcamp, que salientou a importância de São Borja no cenário político e das reformas de base de João Goulart. “São Borja se constitui não só como berço mas também como aquele que possibilita a criação, o florescer de pensamentos de transformação. Quando pensamos dos anos 30 até os anos 60 verificamos que São Borja é o berço que transformou não só a nossa região, mas o Brasil. Nesse período João Goulart está discutindo e revendo idéias de um Brasil que está à marginalidade, é assim que Jango entra na política. As questões estudantis e agrárias entram para a discussão, não como caso de polícia e sim como justiça social. João Goulart coloca essas questões na mesa e por isso é tachado de comunista. Ele queria pensar um Brasil forte mas que não estivesse de joelhos para outros países. As reformas de base de Jango a todos os momentos voltam a discussão e são sua herança para o país” salientou Jandira.
Também foi convidado a se pronunciar Cristopher Goulart, neto de João Goulart que parabenizou a Câmara pela realização da Sessão Solene e ressaltou a importância do resgaste da memória da história do Brasil através da história política da vida de seu avô fazendo uma reflexão. “Talvez aqui em São Borja é de onde Jango possa renascer, fazendo seu legado político reformista voltar a ativa, falando e discutindo as reformas de base. Isso é João Goulart. Umas das maiores virtudes do meu avô era a capacidade de comunicação com a população. Foi uma época onde todos queriam se expressar. Falar em João Goulart é democracia, é liberdade de expressão mesmo ciente que o opositor é enorme e que talvez a luta seja desproporcional, mas é digna, é honrada, é bonita. É essa a mensagem que fica. Isso é Jango. É falar das transformações sociais”.


O COISA PALESTRANTE


O Coisa,ao que consta, recebeu R$ 200 mil para dar uma palestra de 41 minutos aos vendedores da LG.
Depois desta, eu, que nuncacomprei produtos desta empresa, afirmo que nunca comprarei.
Palestra pas os vendedores.
De repente ele deve ter dito que vendedor bom é aquele que, por sua argumentação, vende qualquer porcaria.
Deve ter dado como exemplo ele, que conseguiu vender uma nada, que por muitos anos foi do PDT, não tendo concorrido nunca a qualquer cargo eletivo, a não ser ter bocas ( e que bocas!) e que foi para o PT para manter a boca que o PDT lhe tinha arrumado no Governo Olívio e depois foi boquear no Governo do Coisa, elegendo-a para substituí-lo.
A Coisa, a nada, ontem (01.03.) humilhou o PDT, não o convidando para a reunião dos líderes dos partidos da base, motivado, ao que conta, pelo fato de 9 deputados terem votado contra o seu salário mínimo. É o que dá ser adesista e servil. Bem feito.
SERGIO OLIVEIRA
TESOUREIRO DO PDT
CHARQUEADAS - RS


NINGUÉM PÔS O GUISO NO GATO

Por Carlos Chagas

Ontem, pouco antes das 11 da manhã, foram chegando à ante-sala da presidente Dilma os líderes dos partidos da base oficial. Senão revolta, havia insatisfação entre eles, por conta do corte de 18 bilhões nas emendas individuais ao orçamento. Já tinham discutido na véspera e mais conversavam sobre a necessidade de uma demonstração de inconformismo. Foi quando um deles encerrou as lamentações com uma pergunta: “e quem vai colocar o guiso no gato?”

Ninguém se apresentou, logo depois foram introduzidos no gabinete presidencial, congratulando-se todos, senão com o gato, ao menos com a chefe do governo. Faltou coragem, apesar da simpatia distribuída aos montes pela presidente da República ao exaltar a lealdade das bancadas dos partidos que a apóiam, no caso pela votação do projeto do salário mínimo. Faltou apenas o líder do PDT na Câmara, propositadamente não convidado, única voz que na semana passada insurgiu-se contra os baixos índices de reajuste para o salário mínimo.

É assim que as coisas funcionam, quando se trata do relacionamento entre Executivo e Legislativo. Ainda mais no governo do gato. Os poderes são harmônicos e independentes, preceitua a Constituição, mas faltou ao constituinte de 1988 imaginação para acrescentar que funcionam sob a égide da caneta presidencial. Qualquer reclamação ostensiva diante dos cortes orçamentários poderia despertar consequências ainda piores para a classe político-parlamentar. Afinal, ainda sobraram dois bilhões para atender às emendas individuais. Alguns líderes poderão ser aquinhoados.

A CACHAÇA E O MERCADO

Pegou mal o reconhecimento pelo líder do governo na Câmara, Cândido Vacareza, de que mesmo servindo para comprar uma garrafa de cachaça, o reajuste do bolsa-família irrigará o mercado. Começa que são as donas de casa a administrar essa dádiva-esmola do governo para com os menos favorecidos. Deve-se reconhecer não serem as mulheres as maiores consumidoras de cachaça, no país. Depois, haverá que ponderar: um mercado movido a cachaça condena-se ao fracasso. Já basta verificar as dificuldades no extremo oposto, onde o combustível das elites costuma ser o uísque de trinta anos.

O reajuste do bolsa-família é mais do que necessário, bastando atentar para o estrilo do andar de cima diante do anúncio feito esta semana. Quando os poderosos protestam é porque a razão estará com os fracos.

NEM TROMBONES NEM TROMBETAS

Agripino Grieco, o mais implacável crítico literário de nossa História, foi responsável pela exaltação de bons autores e envio de muitos mais para as profundezas. Duas vezes por mês freqüentava um salão de barbeiro no subúrbio do Meyer, onde morava, no Rio. Durante anos o fígaro tropical importunou o mestre para que lesse os originais de um romance de sua autoria, destinado a revolucionar a literatura mundial, algo parecido com a Eneida ou o D. Quixote. Diante das protelações, em determinado dia o barbeiro apelou, pedindo que se não podia ler aquelas centenas de páginas manuscritas, Grieco sugerisse apenas o título da fantástica obra. O crítico cedeu e perguntou: “no seu romance tem trombones?” “Não.” “Tem trombetas?” “Também não.” “Então aí está o título: “Nem trombones, nem trombetas”...

Essa historinha se conta a propósito das comissões especiais formadas no Senado e na Câmara para elaborarem a reforma política. O conteúdo do trabalho não será conhecido sequer em oito anos, mas o título parece pronto: “Nem reforma, nem política”...

FANTASIAS (3)

Dando continuidade às sugestões de fantasias para o mundo político usar no Carnaval, a vez agora é do Congresso. No Senado, a comissão de frente entrará na avenida trajando roupas de bebê, com fraldas e tudo. Claro que com José Sarney à frente do bloco intitulado “Renovação”, seguido de Renan Calheiros, Garibaldi Alves Pai, Epitácio Cafeteira, Romero Jucá e outros.

Uma ala dissidente denominada “Filhos de D. Quixote” desfilará na contra-mão , composta por Pedro Simon, Roberto Requião, Jarbas Vasconcelos, Eduardo Suplicy e Luís Henrique.

O grupo das “Bonecas Barbie” terá Marta Suplicy de porta-estandarte, seguida de Kátia Abreu, Lídice de Mata, Lúcia Vânia, Marisa Serrano, Marinor Brito, Gleisi Hofmann, Ana Amélia Lemos, Rosalba Ciarlini e Marluci Pinto.

Um bloco independente chamado de “Adoradores de Harry Potter” arrancará aplausos das arquibancadas com Randolfe Rodrigues, Lindbergh Farias, Aécio Neves e Eduardo Braga, entre muitos galãs.

“O Retorno Dos Que Não Partiram” terá como mestre-sala Paulo Pain, e destaques Álvaro Dias, Cristóvan Buarque, Inácio Arruda, Magno Malta, Rodrigo Rollemberg e Walter Pinheiro.

Fechando o desfile de senadores, Fernando Collor e Itamar Franco encenarão “A Volta Do Zorro”. Amanhã focalizaremos a Câmara.

SOFISTICAÇÃO, DESIGN E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL DA NOVA LINHA
W FLY VOLARE APROXIMAM O MINIÔNIBUS DO AUTOMÓVEL


Veículos inovam com uso de Full LED na sinalização externa
e peças em plásticos de engenharia recicláveis
Caxias do Sul (RS), 3 de março de 2011 - A Volare lança a linha W FLY e aproxima o miniônibus do conceito veicular aplicado nos automóveis para maior conforto, segurança e acabamento superior. Sinalização externa em Full LED; maior utilização de plásticos de engenharia 100% recicláveis nos para-choques, laterais e revestimentos internos do veículo que absorvem o impacto e colaboram para a preservação ambiental; desenho limpo com linhas suaves, e sofisticação no interior.
A linha W FLY Volare inicialmente para os modelos W9 e DW9, nas versões Urbano, Executivo e a recém-criada Limousine nasce com desenho singular e forte destaque para os conjuntos óticos dianteiro e traseiro. O miniônibus utiliza lanternas e delimitadores com LED e condutores de luz (light pipe), além de luzes de posição em LED, ampliando a visibilidade e a segurança.
O uso do plástico de engenharia também é marcante na linha W FLY. O miniônibus conta com para-choques dianteiro e traseiro, capô dianteiro, para-lamas e laterais inferiores em NORYL, material com grande capacidade de absorção de impactos, deformação elástica, diminuindo os custos de manutenção e/ou troca de peças. Estas características evidenciam uma evolução no quesito segurança passiva de pedestres.
Segundo Milton Susin, diretor executivo da Volare, a fabricante está substituindo em larga escala a fibra de vidro por plásticos de engenharia, sustentáveis e mais ?amigáveis?. ?Na linha W FLY demos um passo importante no sentido de aumentar a preservação ambiental e no uso de processos e produtos que não agridem a natureza. Adotamos plásticos de alta tecnologia em peças grandes e significativas. Fabricados pelo nosso parceiro MVC, são desde o painel de instrumentos, paredes de separação até revestimentos internos, além de componentes menores?, explica o executivo. O resultado é um veículo leve, de fácil manutenção e menor custo operacional.
Maior espaço interno e conforto
Os modelos da linha W FLY foram desenvolvidos com o objetivo de aperfeiçoar o uso do espaço interno. O desenvolvimento dos detalhes teve como ponto de partida a melhor ergonomia e a segurança para os passageiros e motoristas.
O novo desenho externo e a nova estrutura construtiva na parte superior da linha W FLY possibilitou ampliar a largura do para-brisa e dos vidros laterais sem aumentar as dimensões externas. O veículo também recebeu mudanças no assoalho, com redução da altura de 75 mm do piso do veículo em relação ao solo, nos modelos W9.
O rebaixamento da longarina tem como importante benefício a facilidade de acesso ao veículo, com a diminuição da altura dos degraus. Isso torna mais confortáveis e rápidas as operações de entrada e saída dos passageiros.
Este novo conceito permitiu o redimensionamento do salão de passageiros com maior altura interna e das janelas, 200 mm mais altas, que conferem espaço interno ampliado, visibilidade e conforto para passageiros, com maior área de circulação no corredor central. Os vidros laterais colados exclusivo para as versões Executivo e Limousine também contribuem para a maior visibilidade dos passageiros, atribuindo ao veículo linhas limpas e modernas.
Outro item inédito em miniônibus e desenvolvido para ampliar a utilização do espaço interno foi a parede de separação da cabine do motorista e salão de passageiros. Produzida em plástico de engenharia reciclável, a parede é mais leve, permite maior visibilidade e conta com uma funcional porta deslizante no lugar da tradicional porta com dobradiça. Mais fácil e prática, a porta deslizante não interfere na área de circulação e possibilita a configuração com duas poltronas a mais.
Para ampliar ainda mais o conforto interno, as versões W9 da nova linha W FLY ganharam volante escamoteável e com regulagem, o que aumenta o nível de conforto e facilita o acesso do motorista. O piso da cabine, agora em peça única sem perfis de acabamento, melhora a circulação, amplia o conforto acústico e torna mais rápida a montagem do veículo na linha de produção. O capô do motor com novo formato, mais baixo, melhorou o acesso a cabine.
O sistema de abertura do capô é novo, agora com acionador embaixo do painel de instrumentos. Ângulo de abertura maior o que torna mais fácil a sua operação e o acesso para os serviços de manutenção do motor e componentes mecânicos.
Externamente, a linha W FLY passa a contar com novas portas nas três versões: em duas folhas pivotadas, na Urbano, com vão-livre de 800 mm na traseira, e de 950 mm, na dianteira; e pantográfica para as versões Executivo e Limousine, com vão-livre de 700 mm.
No porta-malas, os veículos apresentam um novo conceito de revestimento em plástico, em substituição ao anterior, de alumínio. A mudança proporciona redução de peso, maior resistência e proteção às bagagens, além de o plástico funcionar como um isolante termoacústico, com redução do nível de ruído no salão de passageiros.
Limousine, Volare único
Uma das grandes novidades da nova linha W FLY é o lançamento de um novo modelo, o Limousine. O miniônibus possui equipamentos e características inéditas, que ampliam o requinte, o conforto, e cria um novo segmento de mercado, exclusivo e diferenciado para o transporte turístico.
?A concepção do Limousine nasceu do objetivo de produzir um veículo que estivesse além do que os nossos clientes esperam de um miniônibus, quer seja em tecnologia, conforto, padrão de acabamento e até em design interno e externo?, explica Roberto Poloni, gerente de engenharia da Volare.
Externamente, a nova versão se diferencia pelos itens exclusivos, como acabamentos cromados sobre a grade dianteira, para-choque traseiro e complemento no conjunto ótico dos faróis, espelhos retrovisores pintados na mesma cor do veículo, e vidros laterais colados, entre outros. Mas é no interior que estão os principais diferenciais do Limousine.
O modelo conta com poltronas Executiva Soft semi-leito, mais largas, com 1.060 mm de largura, revestidas de couro preta com costura dupla aparente na cor laranja, e apoio para a cabeça em espuma visco-elástica, material capaz de se adaptar à estrutura e à altura do passageiro, acomodando-o com o máximo de conforto. Outra novidade da poltrona é que possui porta-copos e descança-pés integrados.
Alguns detalhes de acabamento interno são de material que imita madeira, inclusive no piso e painel de instrumentos. A iluminação interna é indireta e feita por LEDs em toda a extensão do salão de passageiros.
O modelo é equipado com um novo sistema de ar-condicionado ?dutado?, que melhora o direcionamento do fluxo de ar, e possui saídas individuais localizadas no porta-focos. Conta ainda com iluminação em LED, alto falante integrado, plug de fone de ouvido com três canais e controle de volume.
O porta-pacotes ganhou novos desenho e sistema de fixação que permitiram ampliar a capacidade de bagagem para 90 l/m, contra 75 l/m do anterior. Isso também facilita a colocação e a retirada de bagagens. ?Trabalhamos para criar um ambiente aconchegante e prático. Projetamos um novo porta-pacotes e os conjuntos de sinalização das poltronas ganharam iluminação diferenciada com numeração maior e solicitação de parada com inscrição em braile, que facilita a identificação?, ressalta Poloni.
A versão Limousine conta com novas cortinas fixadas em trilhos de correr no perfil de acabamento das janelas, tomadas de 110 Volts nas poltronas para permitir o uso e o carregamento de equipamentos eletrônicos, como computadores.
Robustez e durabilidade consagrada
A nova linha W FLY mantém as mesmas plataformas mecânicas disponíveis para os modelos W9 e DW9 tradicionais. O W9 possui motor eletrônico Euro III, MWM International Acteon 4.12 TCE, com 150 cv de potência e 550 Nm de torque. Já o DW9 é equipado com motorização Euro III Mercedes-Benz OM 904 - LA, com 150 cv de potência e 580 Nm de torque.
Os dois modelos contam com freios a ar, câmbio mecânico de cinco marchas, direção hidráulica ZF Servocom 8090 e suspensão com molas parabólicas/semielípticas com amortecedores telescópicos de dupla ação.
Secco Consultoria de Comunicação


De São Borja


PLACA NO TUMULO DE EX-MARIDO

NÃO AGRADOU A MARIA THEREZA GOULART

Pelo que noticia a FSB do dia 02.03, dona Maria Thereza Goulart, viuva do presidente Jango , não gostou da placa que mandaram colocar no túmulo da família Goulart, onde está enterrado também o ex-governador Leonel Brizola. Informa o jornal mais lido em São Borja e nas redondezas que a ex-primeira dama reclamou principalmente dos dizeres da placa que foi colocada onde constam o nome de Leonel Brizola e do prefeito de São Borja, Mariovane Weis.

Como sempre se soube, Maria Thereza nunca foi com a cara de Brizola, só que estas diferenças estão ficando mais visiveis hoje em dia depois da morte dos cunhados.


Está caindo de maduro um livro sobre as brigas doJango e do Brizola.....

Câmara de Vereadores realiza Sessão Especial em homenagem ao Dia da Mulher


Será no dia 9 de março, quarta feira, ás 15:45 hs, durante a sessão ordinária da semana, a Sessão Especial em homenagem ao Dia Internacional da Mulher com a entrega do troféu “Mulher de Valor”.
O troféu “Mulher de Valor” foi instituído na casa no ano de 1997 e agracia mulheres que se destacam na sociedade são borjense por importantes serviços realizados na área de defesa dos direitos das mulheres, combate a violência, educação, saúde, atividades comunitárias, políticas ou filantrópicas em favor da mulher ou do município.
Este ano, por indicação do vereador Jeovane Contreira, Claudia Angelina Damacena de Oliveira será homenageada. Ela fundou em 2003 a Associação de Defesa dos Direitos da Mulher e do Consumidor São Borjense. Hoje a associação oferece serviços de psicólogos, advogados, massoterapeutas e demais profissionais que atendem gratuitamente mulheres em situação de vulnerabilidade social. “Esta mulher é um exemplo de luta, perseverança e dedicação as causas cominitárias. Voltou a estudar depois de muitos anos, com êxito concluiu o ensino médio e hoje cursa no Instituto Federal Farroupilha o técnico em hospedagem. Ela realmente é uma mulher de valor”, destacou o vereador.


Assessoria de Imprensa Câmara Municipal de Vereadores de São Borja/RS


Sessão solene teve presença da ex-primeira dama

No dia 1/03 passado, Maria Thereza Goulart se fez presente em São Borja, no aniversário de 93 anos do seu marido falecido.

E na rádio Cultura AM, numa entrevista dada dias antes, enfatizou que a LEGALIDADE QUE ESTE ano completa 50 anos só aconteceu graças ao apoio do seu ex-marido. Aliás, Maria Thereza estava em Paris, quando Jango voltou da China Comunista, onde fora em missão diplomática e onde ficou sabendo da renúncia de Jânio Quadros.

Jango passou por Paris na ocasião para se encontrar com sua mulher que estava na capital pariense em companhia dos filhos Denise e João Vicente.

Ouvidoria no Mercado Público terá presença de vereadores

O quiosque da Ouvidoria da Câmara Municipal de Porto Alegre, instalado no Mercado Público da Capital, deverá entrar em nova fase de atendimento à população a partir desta quinta-feira (3/3). Conforme proposta da atual presidente da Casa, vereadora Sofia Cavedon (PT), diariamente, de segundas a sextas-feiras e sempre das 12 as 13 horas, um vereador deverá estar no local para ouvir sugestões e reclamações dos porto-alegrenses. A primeira vereadora a atender no quiosque do Mercado será justamente Sofia, nesta quinta-feira.

A vereadora lembra que a proposta integra programa desenvolvido pela presidência desde o começo do ano denominado Transformando Leis em Direitos. O objetivo maior da presença de um vereador no quiosqque da Ouvidoria, conforme Sofia, é acentuar a presença do Legislativo na comunidade. Com esse mesmo propósito também etão sendo realizadas, nas sexta-feiras pela manhã, visitas de vereadores a comunidades de Porto Alegre. Entre os locais já visitados pelo projeto estão o Jardim Marabá, a Vila Minuano, o Beco dos Tabajaras, a Vila Herdeiros e a Vila Taquareiros.

Atualmente é Ouvidor da Câmara Muncipal de Porto Alegre o vereador Reginaldo Pujol (DEM). Ele lembra que a proposta de se ter diariamente um vereador no quiosque do Mercado Público já vinha sendo pensada desde o ano passado, mas em função do ano eleitoral não foi efetivada. "Agora com o total apoio e empenho da atual presidente, vamos estar neste espaço diariamente para cada vez mais nos aproximarmos da comunidade", destaca Pujol.

Presenças

Em março, o quiosque deverá ter as presenças dos seguintes vereadores, sempre das 12 às 13 horas:

03/03 - Sofia Cavedon (PT)
04/03 - Reginaldo Pujol (DEM)
10/03 - Mauro Pinheiro (PT)
11/03 - Adeli Sell (PT)
14/03 - Dr. Raul Torelly (PMDB)
15/03 - Paulinho Rubem Berta (PPS)
16/03 - Fernanda Melchionna (PSOL) / Pedro Ruas (PSOL)
17/03 - Toni Proença (PPS)
18/03 - João Carlos Nedel (PP)
21/03 - Mario Fraga (PDT)
22/03 - Luciano Marcantônio (PDT)
23/03 - Fernanda Melchiona (PSOL) / Pedro Ruas (PSOL)
24/03 - Maria Celeste (PT)
25/03 - Airto Ferronato (PSB)
28/03 - Nelcir Tessaro (PTB) / Nilo Santos (PTB)
29/03 - Alceu Brasinha (PTB)
30/03 - Fernanda Melchina (PSOL) / Pedro Ruas (PSOL)
31/03 - Aldacir Oliboni (PT)

Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)

Caminhões: audiência pública discutirá limitações para tráfego

A limitação do transporte de caminhões e veículos pesados em vias de até três faixas de circulação, em horários de pico, será avaliada em audiência pública da Câmara Municipal de Porto Alegre no próximo dia 17, uma quinta-feira. As discussões terão por local o Plenário Otávio Rocha, a partir das 19 horas.

Em agosto do ano passado começou a ser avaliado pelo plenário projeto de lei do suplente de vereador André Carús (PMDB) que defende essa limitação no tráfego de caminhões. "A proposta veda o trânsito de veículos pesados nos horários de pico contribuindo para superar, em parte, a problemática dos engarrafamentos nas vias principais", explica Carús.

Helio Panzenhagen (reg. prof. 7154)

De São Borja

Recebi e publico!


Homenagem....

Pela noticia c/ foto veiculada no teu blog, na Prefeitura de SB tem muito pouco trabalhista ou não convidaram para as homenagens ao Dr. João Goulart. O PDT tem mais de 50 cargos em comissão na Prefeitura. Compareceram apenas o Chefe de Gabinete e um Diretor! Justifica-se a ausência do prefeito que está em viagem de férias. Dos tres Vereadores do PDT somente um e do partido mesmo apenas o Presidente, um assessor e a representante das mulheres. Fiquei sabendo que sequer o neto e a viúva do Dr. Jango que estavam na cidade para as homenagens na Câmara foram convidados.


Neuza Penalvo


Aterro sanitário gera discussões em São Borja

O vereador André Dubal Silva elaborou um requerimento pedindo a FEPAM/RS que não aprove a licença de instalação de um aterro sanitário na localidade de São Pedro do Butuí, no interior do município de São Borja.
O vereador comenta que “segundo informações recebidas, a Prefeitura Municipal de São Borja, juntamente com as prefeituras dos municípios de Itaqui e Maçambará busca a construção de um aterro sanitário em São Pedro do Butuí. Ocorre no entanto, que nessa área existem diversas vertentes e outras muito próximas além de diversos poços artesianos, sendo que um deles abastece 22 famílias da localidade.”
André Dubal explica que o requerimento foi motivado pelos pedidos dos moradores de São Pedro do Butuí para que se evite a instalação do aterro no local. Ainda segundo ele, os moradores fizeram um abaixo assinado demostrando total contrariedade e indignação à tentativa do Poder Executivo Municipal de criar um aterro sanitário naquela localidade, em virtude dos graves prejuízos de ordem econômica, sanitária e ambiental.
“É importante ainda ressaltar que a aproximadamente 02 km desse local está localizado o Rio Butuí, o que impede a construção do aterro nesse lugar, sem falar é claro, nas dezenas de moradias do local”, conclui.
O requerimento entrou na pauta de votação da Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores de São Borja do último dia 01 de março, mas teve pedido de vistas por 03 dias para que a Comissão de Políticas Públicas, Sociais, Econômicas e de Desenvolvimento da Câmara possa convocar o Secretário Municipal do Meio Ambiente a dar explicações sobre o projeto na próxima data de votação do pedido.


SÃO BORJA A
CIDADE DO" TINHA"


Olhando a foto do túmulo do ex-presidente JANGO no dia das homenagens pelos 93 anos do seu nascimento, sou obrigado a concordar com acha que tem pouca gente, ou pouco trabalhista na cidade. Eu particularmente acho que os trabalhistas estão um pouco cansados de ir ao cemitério....

Quando se quer implicar com um sãoborjense, diga a ele que ela é a a cidade do AQUI JAZ O TRABALHISMO...se o cara for partidário do PDT, então é briga na certa...

Já outros dizem que a melhor saída pra juventude de São Borja é a RODOVIÁRIA....

QUANTA MALDADE!!!!

Imprensa X Justiça

Rádio deverá indenizar por divulgação equivocada


Foi mantida condenação da Rádio Uirapuru, do município de Passo Fundo, a pagar indenização ao dono de uma oficina mecânica que se sentiu ofendido por divulgação errônea. O TJRS estipulou o valor em R$ 6 mil.
Em 09/09/2008, no programa “Jornal das Sete”, em quadro de divulgação de informes pela Brigada Militar, foi veiculada a notícia de que na tarde anterior, na Avenida Rio Grande, havia sido recuperada uma moto que estaria sendo desmanchada, informando o nome de oficina onde estaria ocorrendo o desmonte. A informação dizia ainda que, com a chegada da Brigada Militar, as pessoas que estavam na oficina fugiram, e que as buscas realizadas não tiveram êxito. A moto teria sido recuperada e recolhida ao pátio do guincho.

No decorrer das investigações, foi esclarecido que a notícia veiculada era inverídica, pois a ocorrência policial não mencionava o fato de a moto estar sendo desmanchada na oficina, mas sim que estava em via pública, defronte ao estabelecimento.

A Rádio apelou contestando a sentença que julgou procedente a ação indenizatória movida pelo dono da oficina, sustentando ausência de culpa pela divulgação. Argumentou que a exigência de verificação da veracidade da notícia para sua divulgação implica em engessamento da imprensa. Afirmou ter agido de forma diligente, não extrapolando os limites à liberdade de informação, assegurando ainda não ter havido intenção de denegrir a imagem do autor.

Para a desembargadora Iris Helena Medeiros Nogueira, presidente e relatora, o caso contrapõe a liberdade de manifestação e o direito de informação ao direito à imagem, todos constitucionalmente assegurados. “Trata-se, pois, de colisão de direitos fundamentais, cuja solução não impõe o afastamento integral de um ou de outro, mas sim a adequação proporcional de ambos, com eventuais preponderâncias”, afirmou.

A magistrada transcreveu no voto os mesmos fundamentos da sentença proferida pelo juiz João Marcelo Barbiero de Vargas, enfatizando que o direito dos órgãos de imprensa ao repasse de informações à comunidade não se dá livremente: “Deve respeitar certos parâmetros, certos limites. E o mínimo é a verificação da correção, da veracidade das informações que serão repassadas.”

“Não pode a emissora de rádio demandada, ao argumento de estar acobertada pelo direito à livre manifestação e com base na liberdade de imprensa, veicular fatos inverídicos e com grande potencial lesivo à imagem de terceiros”, concluiu a magistrada.
(Apelação cível 70039549977)
Fonte: TJRS

www.jornaldaordem.com.br


Encontros com o Professor’ recomeça com João Gilberto Noll


Paulo Nascimento, Zuenir Ventura e Grace Gianoukas são alguns dos convidados do ano
O dia 17 de março marcará o retorno das atividades do projeto “Encontros com o Professor”, talk show comandado pelo comunicador Ruy Carlos Ostermann. Neste dia, ele receberá o escritor João Gilberto Noll. É o sétimo ano que Ruy comanda os ‘Encontros’. Sobre isto, declarou: "Um novo ano não é apenas uma mudança, é uma certeza de que a gente pode mudar mais".

Além de Noll, entre os nomes que já confirmaram presença nos eventos de Porto Alegre estão o cineasta Paulo Nascimento, no dia 7 de abril, o escritor Zuenir Ventura, no dia 21 de abril, e a atriz Grace Gianoukas, em maio. No dia 28 de abril, a equipe do Encontros viajará, pela primeira vez, a Pelotas, no primeiro evento itinerante de 2011. O entrevistado será o escritor Aldyr Garcia Schlee.

Ainda no primeiro semestre, deve ser lançado também o sexto volume da série Encontros com o Professor, Cultura Brasileira em Entrevista, que reúne a síntese dos Encontros realizados em 2010. Para acompanhar todas as novidades e concorrer aos livros do Encontros, é preciso seguir o projeto no Twitter: www.twitter.com/encontros_prof.


Inscrições abertas para a Oficina Literária com Alcy Cheuiche

Marco Nedeff


Estão abertas as inscrições para a Oficina de Criação Literária do escritor Alcy Cheuiche, com ênfase em contos. As aulas serão ministradas no Contemporâneo - Instituto de Psicanálise e Transdisciplinaridade (Rua Casemiro de Abreu, 651), sempre às segundas-feiras, das 11h às 14h.
A oficina, que inicia no dia 14 de março com uma aula aberta ao público, terá carga horária de 108 horas. Ao final do curso, em novembro, os alunos terão elaborado um livro de contos a ser lançado na Feira do Livro de Porto Alegre e ainda haverá uma cerimônia de formatura, com a entrega dos certificados.

Alcy Cheuiche
Autor gaúcho com mais de 40 obras publicadas no Brasil e no exterior, Alcy foi Patrono da 52ª Feira do Livro de Porto Alegre, em 2006, e é membro vitalício da Academia Rio-Grandense de Letras e sócio fundador da Associação Gaúcha de Escritores. Desde 2002 ministra oficinas de criação literária.
Oficina de Criação Literária do escritor Alcy Cheuiche
Início: 14 de março (segunda-feira), das 11h às 14h
Local: Contemporâneo - Inst. de Psicanálise e Transdisciplinaridade (Rua Casemiro de Abreu, 651)
Informações e inscrições (51) 3019.5344 /
Assessoria de Imprensa:
Simone Lersch

Beira-Rio


Ué...alguém aí achou que ia ficar no orçamento inicial....Só se fosse a VELHINHA DE TAUBATÉ, mas esta o LFV já matou na época do FHC....Empresa pede mais R$ 50 milhões para reforma do Beira-Rio
Em entrevista coletiva, Luigi reiterou que clube ainda estuda o modelo de financiamento
Em entrevista coletiva, presidente Giovanni Luigi reiterou que clube ainda estuda o modelo de financiamento.


A empresa Tedesco, atual responsável pelas obras do estádio Beira-Rio, pediu uma suplementação financeira de R$ 50 milhões, segundo o presidente do Inter, Giovanni Luigi, em entrevista coletiva nesta quinta-feira. As reformas, inicialmente orçadas em R$ 150 milhões, deram um salto para R$ 200 milhões. A construtora atua de acordo com o modelo proposto pelo ex-mandatário do clube Vitório Piffero, que defende o auto-financiamento, ou seja, que o Colorado arque com os gastos da revitalização do Beira-Rio.

De acordo com Luigi, o clube ainda busca uma solução para a conclusão das obras. No entender da atual gestão, a melhor opção seria a parceria com uma construtora para a continuidade das reformas do Beira-Rio. Conforme o dirigente, a escolha proporciona ao Inter o risco zero. "Isso significa que não perderemos receitas de camisetas, sócios e vendas de jogadores", disse.

O presidente colorado reiterou o discurso apresentado no programa Guaíba Cidades nessa quarta-feira. "Com o auto-financiamento, não conseguiríamos arrecadar a verba necessária para concluir a obra. Não teríamos o dinheiro necessário e o fluxo de caixa para cumprir o prazo estipulado pela Fifa", acrescentou.

Na noite de quarta, o Conselho Deliberativo ouviu as três opções que o Inter tem para prosseguir com as obras do Beira-Rio. Após o encontro, Luigi anunciou que a decisão só será tomada no dia 14 de março, após o feriado de Carnaval.

 

OBRA LITERÁRIA...

Olhei atentamente todo o livro SIMPLESMENTE DECO, que me foi enviado pelo CAPINCHO...( Letier Vivian)

CONFESSO QUE FIQUEI ABISCMADO como o Clemar Dias tão feio como é , tem uma filha tão charmosa...e ainda posando às margens do rio Sena e com o acessório que este escriba acha mais charmoso numa mulher, um chapé....quanto estilo ....que a filha tem, mas o pai, nenhum...o pai se contenta com o churrasquinho de gato da esquina no centro de são borja...é que dizem as más línguas ele não quer gastar....

Aliás dois mãos de mulita bem famosos na Terra dos Presidentes são o Clemar e o Celso Lopes....

Tenha dó...

Larguei a Guaíba de manhã, pelo menos até a volta do Mendelski, que deixou escrito no seu blog, que volta após o carnaval. Ainda bem....


Cansei destes coadjuvantes....gente que não quer se complicar, tá sempre encima do muro. só é pra isto, não ligo o rádio.

NOVO ARTIGO

Boa tarde!
Segue o meu mais novo texto sobre essa problemática das drogas e da AIDS que sempre aumenta no carnaval.
Solicito que quando em vez também acessem o www.folhadodelegado.jex.com.br .
Atenciosamente.


Archimedes Marques

Drogas e AIDS em trágicos caminhos
(Archimedes Marques)

É desejo de todo o ser humano viver intensamente por muito tempo, aproveitar os prazeres da vida com alegria e disposição, conviver amistosamente com seus familiares e amigos, ir para onde bem quiser com liberdade e autonomia, e, acima de tudo, ser saudável física e mentalmente, entretanto, nos caminhos da vida muitos descambam para a marginalidade das leis vigentes e para o submundo horripilante das drogas, consciente ou inconscientemente.
Está dentre os malefícios criados do homem para o homem, as drogas ilícitas ou mesmo lícitas, tais como: skunk, maconha, haxixe, ecstasy, morfina, heroína, ópio, LSD, anfetamina, cocaína, merla, crack, oxi, cristal, paco, codeína, rebite, lança-perfume, clorofórmio, peiote, mescalina, psilocibina, demais drogas psicoativas, além do álcool e do tabaco que são as mais comuns.
Tais drogas fazem as suas partes ilusórias de supostas melhoras psicológicas na mente humana em busca de um reino fantástico através de uma imaginação distorcida, com breves momentos estimulantes, entorpecentes e alucinógenos, quando na verdade leva o individuo para uma morte precoce e sofrida com a devastação e doença de vários dos seus órgãos, além de arrastar junto em grande sofrimento e dor os seus entes queridos.
Os efeitos das drogas são avassaladores e devastadores no organismo do ser humano, embora inicialmente possam dar uma sensação de bem-estar ao usuário. Os efeitos nefastos decorrem inicialmente da dependência física e psíquica que elas provocam. A dependência física altera a química do organismo, tornando-se indispensável ao indivíduo e a psíquica, quando o dependente não usa a droga, deixa-o em lastimável estado de depressão, abatimento e desânimo, perdendo o interesse pelo trabalho, pelo estudo e pela vida, passando o mesmo, a partir de certo estágio a não mais considerar os seus entes queridos ou quaisquer pessoas possíveis. O viciado ou dependente químico passa a viver noutro mundo, um mundo só dele, um mundo imaginário e inexistente.
Com a necessidade premente que o dependente da droga sente, possibilita um comércio rendoso, proibido e clandestino para os insanos traficantes, que se impõe à força, de forma abusiva e prepotente. Quadrilhas organizadas e armadas, sem qualquer escrúpulo e sem o menor respeito à vida, aos poderes constituídos, às leis vigentes, cultivam plantas entorpecentes, preparam, fabricam e refinam as drogas ilícitas e distribuem para os demais comparsas traficantes e estes repassam a altos custos para os tristes consumidores.
Irmanadas maleficamente com as drogas também estão as doenças sexualmente transmissíveis. As DST, como o próprio nome diz, são doenças transmitidas por meio das relações sexuais, assim como também acontece com vírus da AIDS, o HIV, especialmente por intermédio do sangue que pode ocorrer quando agulhas e seringas são compartilhadas para o uso de drogas injetáveis.
Mesmo com o advento do crack que vicia ao primeiro experimento, destrói e atinge principalmente a classe mais pobre, em sofrimento, degradação e morte, o uso de drogas injetáveis continua em ascensão no nosso país, em especial na classe média e alta. Com isso o número de pessoas contaminadas pelo vírus da AIDS devido ao uso em comum de agulhas e seringas, também cresce em altas proporções.
As drogas, assim como o sexo, encontram-se profundamente ancoradas na visão como fontes de satisfação, de sensação agradável, de dimensão de prazer, sem as quais seria inexplicável a atração por elas exercida, contudo, das duas opções, somente o sexo é realmente saudável, contanto que seja sexo seguro, ou seja, sexo praticado com preservativo.

Mas, o que geralmente acontece é que na vigência dos efeitos eufóricos das drogas a capacidade de negociar o uso de preservativo pode ficar prejudicada, pois a alerta de usar camisinha parece ser apenas um detalhe insignificante, com isso, a relação sexual acaba acontecendo sem proteção aumentando então o risco de disseminação e contaminação da AIDS tanto para o ativo quanto ao passivo do ato.
Assim, drogas e AIDS passeiam de mãos dadas pelos trágicos caminhos da vida arrastando os menos avisados para suas armadilhas, tal qual a aranha faz na sua invisível teia a caçar a sua indefesa presa.

Autor: Archimedes Marques (Delegado de Policia no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela UFS) – -

Jornalismo B

Just another WordPress.com weblog

Portal reúne espaços da esquerda na internet


Entrevista exclusiva com Vera Spolidoro, secretária de Comunicação do governo Tarso Genro

Caco Argemi

A secretária de Comunicação do governo Tarso Genro, recém empossado no Rio Grande do Sul, tem uma história profissional diversificada. Vera Spolidoro já trabalhou em assessoria de comunicação de entidades privadas (Fiergs) e públicas (Prefeitura de Porto Alegre, Governo Federal e Governo Estadual), em veículos impressos (Diário do Sul; grupo Gazeta Mercantil; O Sul) em veículos eletrônicos (Sul 21) e em campanhas eleitorais (a mais recente, ano passado, na coordenação da área de internet e mídias sociais da Unidade Popular pelo Rio Grande). Foi ainda dirigente do Sindicato dos Jornalistas (tesoureira e depois presidente por dois mandatos) e integro o Núcleo de Jornalistas do PT.
Na entrevista a seguir, concedida com exclusividade para o Jornalismo B, Vera fala das perspectivas de atuação da Secretaria de Comunicação do governo Tarso, da concentração da mídia no Rio Grande do Sul e das tarefas a nível estadual e nacional para a democratização da comunicação.
Jornalismo B – Qual a prioridade número um da política de comunicação do governo Tarso?
Vera Spolidoro – Na verdade são duas prioridades desenvolvidas pela Secom, uma conseqüência da outra: a inclusão digital, com expansão da banda larga no RS e, como decorrência, a ampliação do diálogo do governo com todos os gaúchos, de forma a que eles participem e influenciem o nosso governo.
Jornalismo B – Qual a tua opinião pessoal e a opinião do governo sobre a ideia de controle social da mídia?
Vera Spolidoro – Entendo que a informação, pela importância que tem na constituição da cidadania, é um direito social, assim como o acesso à saúde e à educação. Nestas duas áreas, há Conselhos originários da sociedade, previstos e regrados por lei, no sentido de fazer cumprir as determinações constitucionais de direito à saúde e à educação. Da mesma forma, acredito que devamos ter um Conselho de Comunicação, para garantir o direito à pluralidade e do acesso à informação.
Jornalismo B – Têm se espalhado por alguns Estados do país iniciativas no sentido da criação de Conselhos de Comunicação. Essa ideia pode chegar ao Rio Grande do Sul?
Vera Spolidoro – Queremos que o tema seja debatido, para chegarmos ao melhor formato de Conselho. Isso será feito no Conselhão (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social-CDES), em Grupo Temático de Comunicação que está sendo criado.
Jornalismo B – No RS temos uma das mídias mais concentradas do país, com grande predomínio do Grupo RBS. Além de ser pauta constante de movimentos sociais, esse tema já foi debatido inclusive em audiências públicas chamadas pelo Ministério Público. Como o governo Tarso vai lidar com essa situação?
Vera Spolidoro – Este deverá ser um bom tema para debate no Grupo Temático de Comunicação do CDES. A questão da concentração de mídias acontece não só no RS, mas em todo país. A desconcentração, quando ocorre, se dá por disputas de mercado, e não por atenção à cidadania e à formação plural de opiniões. Assim, vamos propor esse debate para a sociedade, via Conselhão. Ao mesmo tempo, as verbas publicitárias do governo do Estado, que chegam a mais de R$ 100 milhões se considerarmos a administração direta, indireta e empresas estatais, não serão concentradas, mas aplicadas democraticamente e com isonomia.
Jornalismo B – Serão formuladas políticas de fomento à mídia independente? Em caso positivo, de que forma isso será feito?
Vera Spolidoro – Quando afirmamos que as verbas publicitárias serão distribuídas com isonomia, estamos incluindo os vários tipos de mídia: as tradicionais, as segmentadas, as regionais e as digitais. Ao mesmo tempo, manteremos uma relação de diálogo, no sentido de oferecer permanentemente informações relacionadas às ações do governo, utilizando todas as ferramentas de comunicação e disponibilizando-as para todos os veículos.
Jornalismo B – Como o governo vai lidar com demandas originadas em encontros como as etapas regionais da Confecom, por exemplo, ou o Encontro de Blogueiros Progressistas, que se avizinha?
Vera Spolidoro – Tais demandas serão examinadas e consideradas, porque diálogo é isso. É muito cara, para nós do governo, tal relação. porque nela reside o que o governador Tarso define como uma instância pública não-estatal de participação. Os movimentos que se organizarem e buscarem diálogo encontrarão um parceiro no governo Tarso e na nossa Secretaria.
Jornalismo B – O último governo recebeu muitas críticas na gestão e no uso político da TVE. Quais as ações do novo governo em relação à emissora?
Vera Spolidoro – A Fundação Piratini deve ser cada vez mais pública e menos estatal. Há um esforço, no país, para que isso aconteça, a partir da criação da EBC-Empresa Brasileira de Comunicação. A TV Piratini e a FM Cultura estão sendo revitalizadas, dentro do espírito que defendemos de pluralidade, tanto na emissão de opiniões por parte dos veículos, como de possibilitar um espaço para que as vozes da sociedade sejam ouvidas.
Jornalismo B – Como vês a situação das políticas públicas brasileiras sobre a mídia, relacionando-as com o que vem sendo feito em países como a Argentina e a Venezuela?
Vera Spolidoro – O debate sobre a democratização dos meios alcançou o Brasil recentemente, embora desde a Constituinte, em 1987-88, já se ouvisse muitas vozes defendendo o tema. No entanto, foi no Governo Lula que se aprofundou a questão, num período em que as novas tecnologias da informação empurram as mídias para a convergência. Assim, o debate sobre democratização dos meios ampliou-se. Hoje se discute a necessidade de ofertar banda larga para acesso à internet; a disponibilização de novos espaços de transmissão de dados; a convergência entre a telefonia móvel, a internet e a televisão; e sabe-se lá que novidades surgirão, no futuro próximo. Portanto, o debate em torno das políticas públicas no Brasil deve ainda ser aprofundado. Embora nossos vizinhos latino-americanos tenham bons exemplos para oferecer, acredito que é do esforço da sociedade brasileira, em conjunto com nossos governos, que surgirá a melhor possibilidade para que o povo brasileiro tenha condições de informar e ser informado.

SORTE NO AMOR

AZAR NO JOGO!


o EX- PREFEITO da capital gaúcha GUILHERME SOCIAS VILLELA, um uruguaianense extraviado em Porto Alegre, que acabou prefeito( nomeado, mas prefeito e fez muitas obras na capital do estado) almoçava ontem tranquilamente com sua nova companheira, Anna Pellini, numa churrascaria da Jerõnimo Coelho,. Villela era freguês da Churrasquita, mas como ela fechou, transferiu-se para o novo endereço.

Segundo a colunista Rosane Aparecida de Oliveira, ele foi fazer uma lua de mel com a nova companheira em DUBAI...Só que lá o Inter não ajudou...

Villela mereceria um livro, uma biografia. Mas diz seu inseparável amigo Artur Zanella, que nunca ninguém viu a cor do dinheiro do ex-prefeito, responsável pelo que Porto Alegre tem de mais moderno, o transporte coletivo.

De São Borja....

Mas me disseram este dia que o Bicca irá trabalhar no governo do Tarso...que o governador tinha encampado o projeto dele do aquifero guarani???

São Borja tem....


dona Maria Thereza Fontella e o "Biccão" na Câmara de S.Borja na recente sessão em homenagem aos 93 anos do ex-presidente Jango Goulart.


...mais um pré-candidato a Prefeito! O ex-Vereador JOÃO MANOEL BICCA, em entrevista ao Programa Gente é Noticia da Rádio Cultura de São Borja, noticiou na manhã do dia 1º de março que tb é pré-candidato a Prefeito de São Borja. Só não disse por qual partido...ele q já foi Vereador eleito pelo PMDB, foi para o PSDB e pareceria q estaria saindo ou já teria saído do partido. João Manoel é uma pessoa muito carismática, integrante de tradicional familia são-borjense de grande atuação comunitária que ele sabe muito bem representar. João Manoel Bicca tem grande atuação a nivel estadual e em governos anteriores fez um excelente trabalho acerca do Aqüifero Guarani. Embora tenha toda essa "bagagem" acredito que será difícil mas não impossível uma candidatura a Prefeito p/ele. Se escolher o PMDB tem que considerar que é da base aliada do atual Prefeito e não constituiu bancada na Câmara Municipal. Se for para o PDT, candidato a Prefeito é o que não falta. No PTB mesma coisa. Veremos.


Coleguinhas

Tarso Riccordi assumiu posto de chefia no Jornalismo do PT na Assembléia Legislativa. Ele estava há oito anos no Nordeste.

Tarso foi repórter político da Folha da Manhã....


é autor de um livro referência de anedotária político; TENHO DITO, DA EDITORA TCHE.....


Apoio à geração de renda e empreendedorismo

A Secretaria Municipal de Assistência Social promoveu, no mês de fevereiro, Oficina de Manicure e Pedicure no Camping Carreiro, através do recurso estadual da Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social que é fundo a fundo. Esse curso integra-se no Programa de Inclusão Produtiva executado pela Secretaria Municipal de Assistência Social que se destina prioritariamente às associadas da Copserva, as famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família e demais pessoas que buscam a melhoria de renda. Dentre as ações promovidas através desse recurso, a Secretaria viabilizou a aquisição de materiais diversos para o Salão de Beleza Popular situado no Camping Carreiro. Com a capacitação das pessoas envolvidas e material necessário, a equipe quer proporcionar meios e condições para geração de renda, empreendedorismo e melhora das condições de vida das famílias.
O Curso de Manicure e Pedicure foi realizado num total de 64 horas, nas dependências do Salão de Beleza Popular Camping Carreiro, onde as 10 participantes da oficina de manicure e pedicure aprenderam as técnicas de pintura artística nas unhas, cuidados com a transmissão de doenças, técnicas de higienização, técnicas de hidratação e massagem nos pés e nas mãos, orientações quanto ao bom atendimento e cuidados especiais com os diabéticos.

Adriana Sabadin – Assessora de Imprensa

Prefeitura Municipal de Serafina Corrêa

Onde anda???


O operador Vladimir Fontoura que me deu a dica; O JONY MEGATON, o jão batista Schuller, do discocuecas e da continental, está numa das rádios da RBS em Floripa....


Os bailes antigos de serafina, do Clube Gaúcho

Entre eles, o taxista Nadir Zanatta(ainda vivo) e Sextílio Assoni( trajando roupa feminina) pai do decorador Valmor Assoni, grande decorador de carnavais de Porto Alegre.
Acervo Nadir Zanatta

Visitas ao site


Tivemos 10881 visitas ao site.
Agradecemos a preferência.


QUE PERIGO !


Visita oficial
A presidente Dilma Rousseff desmarcou toda a sua agenda de ontem (28.02) para ficar na Globo. Após gravar o "Mais Você", almoçou com Ana Maria Braga e se encontrou com os executivos Roberto Irineu, João Roberto e José Roberto Marinho.
Alguém deve mandar urgentemente um e mail para ela não fazer mais isto, pois a Globo faz parte do Consórcio Veja/Folha/Globo.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS

CPERS

Imaginemos nós se o(a) atual Governador(a) do Estado fosse o Fogaça ou a Yeda. O ano letivo já começaria com greve ou, pelo menos, uma ameaçazinha. O piso salarial nacional seria o mote. Pagamento imediato. Aí o Governador Delles disse que vai implantá-lo até 2014 e eles sairam felizes, calmos, cordatos. E os professores continuarão entregando todos os meses um percentual de seus salários, para que sejam utilizados em ações políticas pró-PT.
SERGIO OLIVEIRA
CHARQUEADAS - RS


Casinhas de Bonecas

Serafina Corrêa é um município situado na encosta superior do nordeste. De colonização italiana, emancipou-se de Guaporé em 1960. O nome dessa pequena cidade deve-se a uma mulher. Desde a origem, Serafina é um município que destaca a importância e a contribuição das mulheres na história. Cerca de 14.000 pessoas habitam o município que vê diariamente, o destaque e a presença das mulheres na política, na segurança, na saúde, na educação, na agricultura, na indústria, nos mais diversos setores da sociedade.
Num passado recente, nas atitudes, no pensamento e na concepção de muitas pessoas, pairava o preconceito, a indiferença e a desvalorização pela figura da mulher. Com o passar dos dias, meses, anos, o trabalho, a determinação e a intuição de cada uma delas mostra o valor, a dignidade e a força das mulheres. Muitas lágrimas foram derramadas nas palavras duras, sonhos foram esquecidos, planos foram desfeitos. Uma história de ensinamentos foi escrita nesse período que pode ser chamado de passado.
Vencendo tabus, a sociedade passou a gerir outras ideias, abrir caixas, portas e janelas. A mulher passou a fazer outra história: de conquistas. O poder não é o limite, hoje temos uma presidenta. Com o toque sensível e único de cada mulher, as sociedades percebem evolução, de ideias, criatividade, visão.
São cidadãs, soldados, embora as próprias palavras não permitam o feminino, são as mulheres verdadeiras guerreiras. Nas adversidades são a mão acolhedora. Ao gerar vidas, são as primeiras a aplaudirem o espetáculo do nascimento, são as mestres do começo... São trabalhadoras, são artistas, professoras, mães, filhas, são o sinônimo do complexo e a tradução da simplicidade. São consumidoras, construtoras de sonhos, são arquitetas de metas, são donas de casinhas de bonecas...
Homenagem às mulheres é sinônimo de reconhecimento. Valorização de cada atitude, percepção, aprender a ter sensibilidade, doar-se e compartilhar. A mulher escreve em linhas bem traçadas, uma história que orgulha a todos, vencendo na vida, na luta diária pela aceitação. Viva o espetáculo da vida, viva cada palavra dita, viva cada mulher que perpetua as gerações, que comemora as vitórias, que acalenta nossos corações.

Adriana Sabadin
Educadora – Assessora de Imprensa


Homenagem às Mulheres

O Gabinete da Primeira Dama e a Coordenadoria Municipal da Mulher promovem, a partir do dia 07 de março, uma série de atividades que lembram a importância, o reconhecimento e homenageiam as mulheres. As atividades envolvem diversos setores da sociedade, com abordagem da saúde da mulher, informação, a história da luta pelo reconhecimento, gastronomia e muito mais.
No dia 07 de março, segunda-feira, a população está convidada a participar da Sessão da Câmara de Vereadores, com um momento de reflexão e de homenagens às mulheres. Na terça-feira, dia Internacional da Mulher, a homenagem do Prefeito Municipal e da Primeira Dama. Nos dias 09 e 10, as comunidades de Silva Jardim e de São Marcos receberão a equipe da Secretaria de Saúde, do Sindicato da Alimentação, Gabinete da Primeira Dama e Coordenadoria Municipal da Mulher para uma conversa sobre as lutas, conquistas e saúde da mulher. Na sexta-feira, 11 de março, no Clube dos Motoristas a população está convidada a participar do II Concurso de Culinária e de uma palestra tratando da saúde das mulheres.
Participe, vamos comemorar as conquistas de todas as mulheres!
Adriana Sabadin


NO FUNDO, NÃO QUEREM A REFORMA

Por Carlos Chagas

Embolou o meio campo. A Câmara dos Deputados instalou ontem sua comissão especial para propor a reforma política. Ótimo. Só que o Senado, duas semanas atrás, havia instalado a dele. Serão duas comissões redundantes, cada uma disposta a fazer aprovar no respectivo plenário as propostas afinal aceitas por suas maiorias. Depois, será o troca-troca: o projeto do Senado irá para a Câmara e o projeto da Câmara, para o Senado.

O resultado óbvio parece que os deputados modificarão as propostas dos senadores e estes farão o mesmo com o texto daqueles. Como ficamos? No mesmo impasse de sempre, ou seja, condena-se ao fracasso mais essa tentativa de reforma política.

Acresce que cada casa é ciosa de seus interesses. Na Câmara, reclama-se que o Senado pretende criar o distritão e o voto para deputado em listas partidárias, temas que não seriam da competência dos senadores. Já os deputados, como circula nos corredores do Congresso, dariam o troco acabando com a figura dos suplentes de senador. Ninguém sem voto teria a prerrogativa de ocupar uma cadeira no Senado, temporária ou definitivamente, obrigando-se a justiça eleitoral a realizar novas eleições no caso de abertura de vaga, mas ficando as bancadas sem substituto para o senador que se licenciar.

Não vai dar certo essa dualidade de comissões, início do impasse anunciado. Deveriam os dois presidentes, José Sarney e Marco Maia, ter discutido a formação de uma comissão mista, capaz de dirimir uma série de dúvidas nas preliminares, de forma a que surgisse um só projeto. Observadores mais maliciosos concluem ser precisamente o impasse o objetivo da maioria da classe política. Deixar as coisas como estão, sem reforma alguma, situação que mais atende os desejos do conjunto. Ou Suas Excelências não se tem elegido sem a reforma?

CORTARAM MESMO

A presidente Dilma Rousseff puxou as orelhas de Guido Mantega, da Fazenda, e de Mirian Belchior, do Planejamento, porque logo no começo do governo anunciaram a possibilidade de cortes referentes às obras do PAC. Agora que a contenção de gastos começou a ser divulgada, sabe-se que o programa habitacional “Minha Casa, Minhas Vida”, perderá 5,1 bilhões, dos 12,7 bilhões previstos para este ano. De duas, uma: ou o programa não integra o PAC ou a equipe econômica conseguiu dobrar as determinações da presidente. Saem perdendo os sem-teto.

A falta de informações precisas levava deputados e senadores, ontem, a aguardar a divulgação dos cortes de suas emendas individuais ao orçamento mais ou menos como se aguarda o resultado da mega-sena. Uma emenda, em mil, poderá ter sido poupada, mas a esperança permanecerá até depois do Carnaval.

DEFESA FURADA

O ministério da Defesa perde 4,38 bilhões, recursos antes previstos para a aquisição de aviões de caça e submarinos. O corte coincide com a crise no Oriente Médio e no Norte da África, regiões produtoras de petróleo. Não é de graça que o preço do barril já passa dos 110 dólares. A lógica indica que os países consumidores, em especial os Estados Unidos, irão voltar-se para outras fontes, a maior das quais está no pré-sal ao longo do litoral brasileiro. Defender essa riqueza é essencial para nossa economia, mas com recursos reduzidos, nossas forças armadas ficarão devendo. É claro que com 36 caças e quatro submarinos a mais, não seremos páreo para a IV Frota da Marinha de Guerra americana, do Atlântico Sul, na improvável hipótese de um confronto. Só um dos porta-aviões dos Estados Unidos abriga 98 caças de última geração, e aquele país possui dezenove porta-aviões, todos defendidos por submarinos, no caso, nucleares. Seria bom prestar atenção.

FANTASIAS (2)

Iniciamos ontem especulações a respeito das fantasias que os políticos poderiam usar no Carnaval. No ministério, faltou referir alguns. Guido Mantega, da Fazenda, desfilará de “Tesoura Voadora”, capaz até de deixar o bloco e avançar nas arquibancadas, ameaçando os foliões com cortes de toda espécie.

Gilberto Carvalho, Secretário Geral da Presidência, apareceria de “Lula, Primeiro e Único”, demonstrando suas funções de fiscal do ex-presidente no governo atual. Para José Eduardo Cardoso, da Justiça, nada melhor do que uma toga de ministro do Supremo Tribunal Federal, e para Antônio Palocci, chefe da Casa Civil, a máscara de José Dirceu.

Miriam Belchior, do Planejamento, entraria no sambódromo como “Mulher Invisível”, ninguém poderia vê-la, muito menos a presidente Dilma, que por sinal, com todo o respeito, caso decidida a desfilar, entraria como “Mulher Maravilha”.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, vestiria um camisolão com os dizeres “Se Eu Soubesse, não Viria”, ao tempo em que Edison Lobão se fantasiaria de “Chapeuzinho Vermelho”. Paulo Bernardo, das Comunicações, experimentaria “Saudades do Planejamento”. Amanhã será a vez do bloco do Congresso, denominado de “Me Engana Que Eu Gosto”.


Octavio Cardoso

O político OCTAVIO OMAR CARDOSO desaparecido esta semana, quando era deputado estadual gaúcho em foto do memorial da ALE!

 


Envio foto de deputado estadual durante os anos de 1963 até 1971.


Lorena Gomes Garcez
Memorial do Legislativo RS


Matando saudades...

Na terça última pela manhã, lá pelas 10 e meia, o ex-governador Germano Rigotto - também conhecido por " chove não molha"-saía do Palácio Piratini e seguia sozinho pela Duque de Caxias....


A Jornada sem Fim - Veraneio em Tramandaí, a partida


Inicio hoje a publicação de mais um folhetim virtual. Baseado nas memórias de meu sogro, Antonio, e em algumas imagens por ele cedidas e outras do jornalnh, de fotosantigas.pratti e da internet, elaborei uma cronica sobre os veraneios em Tramandaí a partir da década de 30 do século passado. No domingo que vem, não perca o próximo capítulo, e para quem não acompanhou o folhetim anterior, Diário de Bordo 1500 - a Descoberta do Brasil é só entrar na página Urbano livro, nos contos, ensaios e cronicas.
O autor, Paulo Bettanin
O ruído do motor sobressaltou-me. Nem havia a necessidade da surpresa, pois mal consegui pregar o olho a noite toda.
Meu coração infantil aguardava ansiosamente ouvir o familiar som do Oldsmobile 1929 verde escuro, placas RGS 227 do Dr. Júlio, meu pai, estacionando em frente a nossa casa, na Rua São Pedro.
Já bem desperto, acompanhei em pensamento, sua caminhada até a Avenida Eduardo, quase em frente à Casa Masson, para buscar o nosso automóvel na garagem do Seu Domingos.
Estamos no verão, janeiro de 1931, e os próximos noventa dias serão de muitas emoções.
Meu irmão caçula e minha irmã dormem tranqüilos, com ansiedade antevejo a grande aventura que está para iniciar.
São quase três horas da manhã, a escuridão ainda projeta seu manto sobre a cidade, e os silêncios da madrugada somente são cortados pelos entregadores de leite que iniciam a sua atividade diária.
Finalmente aconteceu. Somos acordados, um a um e começa a função. Todas as providências já foram tomadas para nossa viagem. As duas grandes pranchas de madeira já foram aparafusadas nos pára-lamas do automóvel, onde serão acomodados, além dos dois galões de gasolina com 40 litros cada, toda sorte de ferramentas e utensílios necessários para a empreitada, que incluem pás, picaretas, correntes para os pneus traseiros, fogareiro de pressão e muito mais.
Dna. Paulina, minha mãe já havia preparado na véspera nossa refeição para a longa viagem. No dia anterior, o Manuel da padaria que ficava na esquina da nossa rua com a Minas Gerais, atual Av. Farrapos, entregou seis pães franceses de meio quilo, três galinhas caipiras foram compradas no Lunardi Secos e molhados, e assadas. Ovos e farofa também foram feitos no fogão a lenha, e fariam parte do nosso almoço. Lembrei que em outro dia, perguntei ao meu pai porque a mãe do João, meu amigo, não usava lenha para cozinhar, e então fiquei sabendo que muitos bairros da nossa cidade possuem gás encanado(Cidade Baixa, Centro, Independência, Moinhos de Vento).

 


Ali na porta da cozinha, amontoavam-se as malas de papelão encerado com nossas roupas cuidadosamente acomodadas.
Minha mãe servia o café da manhã quando chegou meu tio Carlos, como sempre contando as novidades sobre os últimos lançamentos dos cinemas. Ele é fiscal das Companhias Cinematográficas americanas, e fala entusiasmado sobre o documentário “A avançada das tropas gaúchas”, dirigido por Eduardo Abelim e produzido pela empresa Gaúcha Film. Todos acomodados, meu pai e minha mãe no grande banco da frente, e atrás nós, seus quatro filhos, além do tio. Colocamo-nos em marcha, seguindo pela Rua São Pedro, deixando para trás a Rua Pernambuco, passando agora pela Avenida Bahia. Na esquina da Benjamin Constant dobramos à direita, subindo a Bordini e alcançando a Vinte e Quatro de Outubro. Junto a Hidráulica já avisto a enorme torre de madeira da Rádio Gaúcha, cópia assumida da torre de Paris, segundo meu pai, prefixo PRA-Q, “A Voz dos Pampas”.
Meu tio intervém para dizer que conhece o Sr. Carlos Ribeiro de Freitas, inclusive já tendo visitado o estúdio no sexto andar do Grande Hotel, na Rua dos Andradas, em frente a Praça da Alfândega, de onde são transmitidos os programas. Meu pai relembra a inauguração da Rádio Sociedade Rio-grandense, em 1924, e a surpresa causada pelas galenas, ligadas a baterias, algumas com cornetas para amplificar o som. Ainda hoje arrepende-se de ter sido um dos 300 associados que mensalmente desembolsava 5 mil réis para manter a rádio, que não durou dois anos, pois a maior parte dos sócios não cumprira suas obrigações.
Estamos na Independência, onde os volumes dos grandes casarios se projetam sobre as sombras da cidade. Acenamos felizes para o soldado do quartel do 7º Batalhão na esquina da Avenida João Pessoa com a Duque de Caxias. Estamos agora na Bento Gonçalves, onde nos divertimos contando os pares de olhos de boi refletidos pelos faróis do carro. Subitamente, na altura do Hospital São Pedro, inicia a trilha de terra batida. Deixamos para trás a suave pavimentação de pedra irregular da nossa cidade, e avisto alguns pontos de luz no horizonte, indicando o início de mais um dia. Amanhece quando chegamos a cidade de Viamão, contornamos a Igreja Matriz do município, e passamos pelo Paradouro Arabataxi, onde são servidos cafés coloniais, e vendidos produtos artesanais como rapaduras, pães, cachaça, e outros. Não perdemos tempo pedindo ao pai para darmos uma parada, pois sabemos que ele estabeleceu o roteiro e não pretende modificá-lo por nenhum motivo.
Estava distraído admirando a paisagem rural que nos envolvia, ao longe uma tortuosa fumaça indicando um rancho, gado pastando, plantações, quando levei um susto ao sentir que o carro parara. Avistei pela janela meu pai, que havia descido e encontrava-se conversando com um estancieiro de bombachas junto à porteira. Pouco depois, retorna com cara de poucos amigos.
- Mil réis para atravessar uma porteira! Esta cena se repetiria muitas vezes durante a viagem.
A proximidade com o rio Capivari indica que, finalmente, faremos uma parada. A familiar figueira espreitava, com seu grande guarda-chuva de folhas, a aproximação de nossa caravana. Descemos todos do automóvel,o sol já alto no céu indicava o meio-dia, nossa mãe providenciando o almoço, nosso pai nos solicitando cuidado. Uma grande toalha de algodão xadrez era estendida sobre a relva macia, dispostos nela os alimentos. Meu pai busca no carro o fogareiro de pressão, coloca querosene, com a mão empurra a bomba, regula a pressão do combustível e acende o espalha-chamas. Minha mãe coloca a água recolhida junto ao rio no fogo e, quando aquecida, prepara o chimarrão.
Após o almoço, descansamos sobre a sombra da figueira, enquanto meu pai e meu tio enrolam um palheiro e discutem a tal política. Trechos das conversas dissimuladas dos dois chegam aos nossos ouvidos trazidos pelo nordestão: Política café com leite, quebra da bolsa de valores em 1929, Júlio Prestes, governo provisório, fraude República velha, operariado brasileiro vai receber a série de benefícios sociais.
Por volta das treze horas retomamos a viagem. Meu pai, na direção, solicita ao tio Carlos que, com uma taquara, encontre o local mais apropriado para atravessarmos o Rio Capivari. Deliciado, observo a água barrenta do rio escorrer entre os pára-lamas do nosso automóvel.
São três horas da tarde quando atravessamos o túnel verde. Neste ponto, iniciam as dunas de areia. Os proprietários das fazendas já haviam providenciado para o veraneio as esteiras de madeira cuidadosamente amarradas com corda, afastadas entre si por aproximadamente quinze centímetros. Novamente meu pai retirava da carteira notas de quinhentos ou mil réis para obter dos estancieiros a permissão para atravessar suas terras.
Adiante, encontramos um trecho onde as esteiras não haviam sido recuperadas. Meu pai, com a ajuda do macaco mecânico, coloca as correntes de ferro nos pneus traseiros que diligentemente trouxe. As correntes somente serão retiradas em Cidreira, onde estaremos chegando às dezesseis horas. No trajeto encontramos duas juntas de boi ao longo da trilha, que aguardam pacientemente motoristas não previdentes que eventualmente venham a atolar na areia fofa, e desta forma arrecadar alguns trocados. Não encontramos nenhum outro veículo até o momento. Ao chegarmos a Cidreira, meu pai novamente pára o carro, e repete o ritual de, com o macaco, retirar as correntes dos pneus traseiros. Não são mais necessárias, pois a areia úmida da praia nos levará ao nosso destino. À nossa volta, bandos de inumeráveis maçaricos e gaivotas revoam à nossa aproximação, e as ondas espumantes do mar límpido trazem muitos mariscos, conchas e peixes. Passamos pelo farol, estrutura de aço que se destaca na paisagem de dunas e areia sem fim.
Em meia hora estamos em Tramandaí, povoado de pescadores com muitos ranchos de palha, uma centena de casas de madeira. Dobramos a esquerda na rua da Matriz, e na esquina da Rua Emancipação paramos em frente a Igreja Matriz, construída em alvenaria, onde minha mãe agradece a sua santa de devoção por termos chegado bem, e nos encaminhamos ao hotel Correa, na verdejante rua Emancipação.
Meu pai, ciente da proibição de circulação de automoveis nos tapetes verdes que nos cercam, apressa-se em chegar à parte traseira do hotel. Além do Correa, nesta época Tramandaí conta com uma rede hoteleira composta dos Hotéis Sperb, Gaúcho, Strassburger, e muitas pousadas.
Já nos aguarda o Senhor Correa com as chaves do chalé número cinco, que a cada vinda nossa, nos é reservado. Descarregamos as malas e, enquanto meu pai conduz o automóvel ao telheiro localizado nos fundos do terreno onde, depois de devidamente estacionado, permanecerá noventa dias de nossa estada na praia. Caminhamos pela grama recém aparada, rumo à nossa residência praiana. Ao nos aproximarmos, observei que as telhas haviam sido substituídas, e o penetrante odor de tinta nova sobre a madeira evidenciava que estava tudo preparado para nós. Os dois quartos e a sala seriam suficientes para nos abrigar. Informei a minha mãe que estava necessitado, e fomos os dois até o conjunto de casinhas em madeira numeradas conforme os chalés. Entrei e como sempre acontecia, assustei-me com o enorme buraco no meio da tábua de madeira, que parece sempre querer me engolir para as entranhas da terra. Superado o medo, consigo realizar meu intento. À noite, o providencial urinol em baixo da cama substitui a ida ao banheiro.
Voltando pelo caminho de pedras encontramos nossa família dirigindo-se para o grande salão onde, pontualmente às dezenove horas, seria servido o jantar, já com os lampiões a querosene espalhando suas luzes amareladas pelo ambiente. Encontramos os velhos conhecidos de todos os anos, meus pais os abraçam efusivamente, e nos sentamos para a refeição da noite. Apesar de nosso cansaço, devoramos todos os pratos oferecidos. Após o jantar, como sempre acontecia, eram recolhidas as mesas e cadeiras e, com a chegada do pianista e da violinista iniciavam-se as danças, que incluíam partituras clássicas, sambas, valsas, tangos, jazz e chorinho. Como a fadiga era enorme, nos retiramos para o chalé. Apesar de todas as aventuras do dia, minha ansiedade por rever o mar era enorme. Perguntei novamente ao meu pai porque não podíamos ir pela manhã até a praia, e recebi a mesma explicação de todos os anos:
-Porque o transporte funciona somente à tarde, Antonio, e também porque o horário de banho sempre foi entre as três e as cinco horas. Senti sede, e meu pai acionou a bomba manual, que entre rangidos e engasgos, encheu meu copo de água vinda direto das profundezas da terra, conforme sempre dizia meu tio Carlos.
O bater do sino indica que são dez horas da noite, e os lampiões a querosene serão desligados para dormirmos. Felizmente, pelo adiantado da hora, escapei do banho frio na tina de folha. Em pouco tempo somente a colcha de estrelas e a grande lua cheia que constituem nosso firmamento serão os únicos pontos luminosos em toda Tramandaí. O ruido do mar tão próximo embala meus sonhos de criança.


http://urbanascidadespoa.blogspot.com


MINHA MÁ SORTE
COM MANO LIMA


DAS VEZES QUE TENTEI ENTREVISTAR O MANO LIMA, UMA GROSSURA EM PESSOA, FIQUEI FRUSTADO. CHEGUEI NA CASA DELE, EM SÃO BORJA,QUE FICA ali na pracinha da Lagoa(perto do hotel Obino) e ele nunca estava. Ou estava no interior, em sua fazenda, ou tinha viajado pra fazer show. Até em Serafina, uma vez ele se apresentou, mas não pude vê-lo.
Ontem, escutei na Guaíba esta música sua e do João de Almeida Netto, que eu acho um primor. Eis o texto da Veterinária Campeira!

Pra se curar a basteira a experiência determina
Azeite de mocotó mesclado com criolina
Se o guaxo não quer mamar hay que trocar a chupeta
Cavalo com dor de urina dê-lhe três cerveja preta
Cachorro com mal do sangue em dez dia tá curado
Se usar uma coleira de sabugo sapecado
todo castrador de potro já tem como devoção
Atirá os bago pra frente pra não ficar tropicão
Se o guaipeca anda sarnento,se coçando que dá pena
Esfregue lã de pelego moiada com querosena
Nos beliscão das esquila,pra prevenir a bicheira
É passar óleo queimado com carvão de corticeira
Pra galinha largá o choco só banhando com água fria
A égua que tem cornio duvido que pegue cria
Só castra na lua nova quem gosta de vr sangüera
Abra o olho com o miomio quem leva boi pra fronteira
O cardunco não tem cura nem debaixo de promessa
Não perca o tempo tratando um touro que quebra a peça
Cachorro que come ovo e petiço que se empaca
São males que a gente cura com chá de casca de vaca

Respeito aos ciclistas

Adeli Sell

Infelizmente, somos notícia mundial desde o triste episódio do atropelamento coletivo de ciclistas na Cidade Baixa.
Isto é péssimo para nossa imagem lá fora e também aqui. Já estivemos bem melhor posicionados na opinião pública, através de pautas positivas, como referência de cidade-berço do Fórum Social Mundial, por exemplo. Com certeza, não é como lugar sem espaço para expressões de liberdade que queremos ser vistos. Ou melhor, não é assim que queremos viver o nosso cotidiano, onde se acata que prevaleça o império do mais forte.
O acontecimento precisa ter tratamento exemplar. Quem investe contra e por cima de ciclistas com um veículo tem que ser preso e punido.

O que houve foi muito grave; mas grave também é o silêncio de autoridades, que deveriam ter sido os primeiros a repudiar este ato hediondo.
Mas pasmo fiquei com declarações que ouvi na mídia por parte de alguns que detém o poder que este meio lhes dá, ao abrirem seus microfones para pessoas que repetiam, com outra roupagem, o dístico “estupra, mas não mata”. Não há justificativa aceitável para a covardia da tentativa de homicídio. Não bastasse o ato em si, há quem pretenda agora atribuir a culpa aos próprios ciclistas, em especial ao grupo Massa Crítica.
Mesmo que alguém – ou várias pessoas – tivesse afrontado o motorista, ou mesmo batido no carro, isto não lhe dá o direito de revidar com a arma mortífera que é um carro, investindo pelas costas contra pessoas indefesas. Mortes só não ocorreram, dizem, graças à hipótese de que Deus, além de ser brasileiro, pelo jeito também andar de bicicleta.
Vamos, cada vez mais, prosseguir em nossa luta pela paz no trânsito, contra a violência e pela civilidade.
Punição exemplar, portanto, aos que afrontam a civilização.


Adeli Sell é vereador e presidente do PT/Port


LEGALIDADE!!!!

AINDA O operador Celso Costa, da rádio Guaíba, relembrando os 50 anos da cadeia da Legalidade.

Diz ele que quando foi pedir uma autorização ao jornalista Hamilton Chaves, chefe de imprensa do Brizola, este levou o escrito ao próprio governador pra assinar. Pois Brizola colocou lá seu jamegão...

Celso com o papel na mão dirigiu-se então a CRT, onde lhe haviam pedido um documento por escrito pra liberar uma linha telefonôica. Quando viram a assinatura do governador, o funcionário comentou:
- MAS TAMBÉM NÃO PRECISAVA TANTO!!!!


Coleguinhas


Rogério Boelche, plantonista que foi reintegrado a rádio Guaíba,(estava na ABC,de NH) ficou chocado com o desânimo de Luis Carlos Reche....


A coisa não é das melhores pelas bandas da esquina da comunicação...


Haroldo de Souza depois de ter ido pra Band teria tentado voltar pra Guaíba. Mas lhe teriam fechado as portas.


Luis Carlos Reche estaria sondando uma possibilidade pra ele....


Coleguinhas


Vladimir Fontoura, operador da Guaíba, avisou a uma diretora de lá que não dava pra fazer um programa do andar térreo. Mas a diretora exigiu. Vinicius Sinotti acabou tomando um choque....Já viu se fossem com crianças que iriam de tarde visitar o estúdio da Guaíba...???!!!


Juliana ocupa tribuna

pra homenagear as mulheres!


A deputada estadual do pDT, Juliana Brizola ocupou ontem a tribuna do parlamento estadual( pela primeira vez desde que foi empossada) durante a sessão que homenageou as mulhres pela passagem do dia internacional da mulher.

Lembrou que tudo o que ela é deve a três mulheres:Nereida Daudt( mãe), Neusa Goulart Brizola( avó paterna,falecida) e Dóris Daudt(avó materna,ainda viva...)


RÁDIO CONTINENTAL 1120, A SUPERQUENTE COMPLETA 40 ANOS


A rádio continental e sua sinúmeras histórias....

Neste dia 1º de março, terça-feira, um dos principais fenômenos do rádio brasileiro completa 40 anos. Nesta data, em 1971, entrava no ar a programação superquente da Rádio Continental de Porto Alegre, a 1120.
A Continental já existia, mas foi em março de 1971 que, sob o comando de Fernando Westphalen, Marcus Aurélio Wesendonk e Luiz Eduardo Moreira, adotou uma programação voltada ao público jovem deixando marcada uma geração. Foram 10 anos no ar com muita inovação e uma linguagem descontraída que ousava criticar os militares no poder. Por isto, a Continental foi diversas vezes punida e seus dir